Nasce um mito: Alter-do-Chão, "a melhor praia do Brasil segundo a imprensa inglesa"

  • 0
Ricardo Freire
por Ricardo Freire

alter

Lembra da história do Washington Post ter eleito Jericoacoara como uma das 10 praias mais bonitas do mundo? Pois o Washington Post nunca disse isso. Apenas pôs Jeri numa matéria sobre praias exóticas, 22 anos atrás. A revista Visão (ou será que foi a Veja? jamais saberemos ao certo) é que inventou a história das 10 praias, e a coisa colou para todo o sempre.

O engraçado é que um telefone-sem-fio idêntico está acontecendo bem debaixo dos nossos narizes. E desta vez o que está impulsionando o mito não é a inacessibilidade da fonte, mas a velocidade de propagação de factóides pela internet.

É o seguinte: quarta-feira passada a edição online do jornal britânico The Guardian publicou uma lista de 10 praias top do Brasil, escolhidas aleatoriamente por 10 especialistas. 

Alter-do-Chão está entre essas 10 praias, com bastante merecimento. Mas encabeçou a lista não porque seja a número 1 desta avaliação, mas porque está mais ao norte do que as outras nove. A lista foi apresentada em ordem g-e-o-g-r-á-f-i-c-a (a 2a., a 3a., a 4a. e a 5a. da lista estão no Nordeste, da 6a. à 9a. no Sudeste, e a 10a. no Sul). E cada praia teve apenas um voto -- não houve eleição ou nada parecido. Como eu sei? Porque eu fiz parte do "júri", ora.

Só que algum coleguinha da edição online da Época entendeu mal a matéria e apressadamente tascou o título: "Jornal inglês elege praia de rio do Pará como a melhor do Brasil". (A propósito: a foto eu afanei de lá.)

Pronto. Nada do que se fale, que se argumente ou que se linke será capaz de retificar a notícia. O título de melhor praia do Brasil foi galardoado e está sendo comemorado, com justificada euforia, pela imprensa e pela blogosfera paraense. Hoje, na Folha, uma notícia sobre as enchentes do inverno amazônico assinada pelo correspondente no Pará dá conta de que "a praia mais bela do Brasil, eleita pela imprensa inglesa, está debaixo d'água".

Veja bem: Alter-do-Chão é linda, e o Pará (junto com o Piauí) é o lugar do Brasil mais injustamente esquecido pela imprensa de viagem. Esse ano eu vou fazer sem falta a viagem que eu mais me devo dentro do Brasil.

Mas que o Guardian não disse isso que todo mundo daqui por diante vai repetir que disse -- ah, não disse, não mrgreen

44 comentários

Zé Maria
Zé MariaPermalinkResponder

Pra piorar, o Charles foi lá com a Cornualia...

Emília
EmíliaPermalinkResponder

Além da confusão sobre Alter do Chão, vi também uma referência errada em uma das matérias sobre a lista do Guardian: fizeram uma resenha de Bonete de Ubatuba, e não de Ilhabela. Só nao me lembro onde li...

Patricia - Turomaquia

E como te contei no Twitter, uma matéria da Bandeirantes (jornal da noite) também afirmava que Alter do Chão estava no 1o. lugar, jejejeje

Carmen
CarmenPermalinkResponder

Claro, essa praia da foto é uma beleza seja a praia que seja...

Cristina
CristinaPermalinkResponder

No way, definitivamente. Jeri já ganharia. Mas para mim não há nada mais bonito que a praia do Sancho em Noronha no Brasil - pena que não começaram a lista alfabética por lá rsrs

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Ops, nenhuma tão bonita, digo! wink

Paula*
Paula*PermalinkResponder

Ahahahah...parece piada repetida! Mas, de qqr forma a praia é linda! Mas, já que eu sei a história correta, de fonte seguríssima (rs..rsr...), eu tb vou dizer que não foi bem isso que o Gardian disse não! smile
Riq, e por falar em praia...tem um banner E-N-O-R-M-E do seu filhote "100 praias que valem a viagem" na Saraiva do Shopping Tijuca". Fiquei toda feliz qdo vi hoje. mrgreen
Mas, sabe quem viu 1° e me mostrou?! A Gabi...já é sua fã mirim!!! wink

Natalie
NataliePermalinkResponder

Paula,
eu também vi esse banner na Saraiva do Shopping Iguatemi de Campinas. Muito bacana smile

Carla2
Carla2PermalinkResponder

Mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa!! Pronto,confessei. A culpa é minha: há uns 3 ou 4 meses ouvi as palavras "Alter-do-chão", "praia" e "Pará" e diante do enorme significado que essas palavras juntas poderiam conter ( mrgreen ) dei uma pesquisadinha sobre o destino, perguntei à algumas pessoas, e pronto! O The Guardian rouba meu segredinho!! Ou seja, daqui a pouco Alter-do-chão acaba e eu nem consegui chegar perto, p/ variar....Tenho que aprender a ficar de boca fechada... mrgreen

Isabel O., Portugal

Claro que as palavras "Alter do Chão" jamais me soariam a praia (ainda que neste caso eu já conhecesse esta praia por acaso na Net) .
Alter do Chão é tão-só o melhor lugar em Portugal para quem gosta de cavalos pois lá se encontram os melhores exemplares da raça "Cavalo Lusitano" na Coudelaria do mesmo nome. Fica no Alentejo.
Quem se interessa por cavalos dê um olhinho:
http://www.snc.pt/ca/index.htm

Já muitas vezes me deparei com situações semelhantes - as terras têm os mesmos nomes, levados daqui, mas são tão diferentes...- É muito curioso.

Luciano Jornada

Riq, O Rio Tapajós me causou um encantamento semelhante ou superior ao que tive frente-a-frente com o Sena e o Nilo, porém a intra-estrutura do lugar era muito diferente. Prepare-se antes de ir para não decepcionar, quando fui a Santarém no início dos anos 90 o único hotel era um Tropical (dos áreos tempos da Varig ) que estava quase decadente, por falta de hóspedes. Pelo que (não) se tem notícia as coisas podem ter melhorado mas estão muito aquém do que o destino merece.

Luis Saraiva
Luis SaraivaPermalinkResponder

Meu caro Luciano,

Voce tem razao quando diz que o local merecia uma infra-estrutura melhor para se tornar um grande destino turistico. Moro em Belem e ja fui em Alter-do-Chao e lhe digo que quando voce chega, tem um choque pela sua beleza e exuberancia. Eu ja conheci varias praias do Brasil (Fortaleza, Rio, Buzios, Angra...) e do Mundo (Hawaii) e tem que se entender que a praia de Alter-do-Chao e de rio (Tapajos) e e bem diferente das banhadas por oceano. Mas nao posso deixar de desprezar o exotismo do local.

Cláudia Holder

Hehehehe. Distorcer as coisas é um dos hábitos da imprensa brasileira. Até mesmo quando o assunto não envolve política...

Cláudia Holder

Riq e tripulação, estou com uma dúvida. Eu e Márcio vamos de Londres a Penzance (Cornuália), de carro, com uma parada em Salisbury / Stonehenge no meio do caminho. Mas como tudo indica que não vamos precisar de carro em Penzance, resolvemos fazer um bate e volta de Londres a Stonehenge e no dia seguinte pegar o trem direto pra Penzance (são 5 horas de viagem, mas com a companhia de dois amigos muito divertidos que encontraremos lá). Sobre o bate e volta para Stonehenge, pensamos em fazê-lo de trem, mas sai mais caro do que o aluguel de um carro por um dia (considerando-se que somos quatro). Também pesquisei excursões para Stonehenge, que ficam em torno de 75 libras, o que consideraria muito caro, exceto pelo fato que algumas oferecem visitas privadas com acesso à parte interna do círculo de pedras. Gostaria de saber se vale mesmo a pena fazer essa visita privada ou se é melhor ir de carro ou trem (aparentemente é fácil ir de ônibus de Salisbury a Stonehenge: www.thestonehengetour.info). Obrigada!

Patricia - Turomaquia

Cluadia tem um post que eu li no blog: Turista Profissional sobre Stonehenge que pode te ajudar, eu particularmente nunca fui prá lá:
http://blogjunto.com/turistaprofissional/2009/03/27/como-chegar-a-stonehenge-salisbury-inglaterra/
Beijos

Cláudia Holder

Patricia, obrigada pela dica. Foi bom saber daquele ônibus. A gente ainda está pensando em como vai chegar lá.

Carla2
Carla2PermalinkResponder

Claudia,

quando fui a Stonehenge fiz um bate e volta de Londres de ônibus. A saída era naquela estação de ônibus ao lado da Victoria Station. Os ônibus eram da maior companhia que operava na época, não consigo me lembrar o nome. Seguramente não custava 75 libras. Mas também não tinha acesso à área interna. Acho que fiz algum outro lugar no mesmo dia, pois Stonehenge não rende o dia inteiro não. Como não fiz a visita privada, não posso te dizer se vale a pena ou não. O resto eu achei meio decepcionante, você tem que caminhar por passarela já definida, não pode ultrapassar os cordões (ou seja, não dá para chegar perto das pedras)e é isso. Mas também, poder andar dentro do círculo é só isso: pisar na grama e pronto. E vários monolitos ao seu redor. Acho que só vale 75 libras se você for muito mística e acreditar que vai sentir alguma coisa diferente estando ali. Ir de carro tem a vantagem de chegar, carimbar o passaporte de lêres, e ir embora. Resumindo: acho que não vale gastar muito dinheiro não. Veja a forma mais econômica e encare. E vocês vão a Bath?

Cláudia Holder

Oi, Carla. Eu não sou nem um pouquinho mística, mas tenho vontade de chegar perto das pedras só pela curiosidade de ter contato com uma coisa tão antiga. E a outra vantagem da visita privada é que o lugar fica menos lotado. Mas realmente acho que não deve valer a pena. Melhor ver de perto o Avesbury Ring, que também fica por aquelas bandas. Quanto a Bath, eu estive lá no ano passado, acho que não vamos de novo (a menos que a gente resolva fazer um passeio de bicicleta de Bristol até lá, mas não está nada certo ainda).

Carla2
Carla2PermalinkResponder

Cláudia, você leu as Brumas de Avalon? É legal que cria um "clima" para esses passeios.

Cláudia Holder

Carla, sabe que eu não lembro? Tenho a impressão de que comecei e não terminei, mas isso já faz algum tempo. Márcio com certeza já leu. Vou até tentar ler antes de viajar, mas não estou com muito tempo. O que eu estou lendo agora é a história ilustrada da Grã-Bretanha e da irlanda (da Penguin Books), que começa no Neolítico e termina no fim do século XX. Bem interessante.

Denise Mustafa

Uma perguntinha aqui pra quem tiver um tempinho de responder: estou pensando em ir de Roma pra Berlim e de Berlim pra Amsterdã. Achei uma passagem na Easyjet saindo de Roma pra Berlin Schoenefeld, super no preço (26,99). Alguém sabe se esse aeroporto é muito longe da cidade? Se é daqueles que se paga uma fortuna de trem/ônibus pra chegar no centro? Em Roma saio do Ciampino, mas já vi aqui que tem ônibus do Termini pra lá direto.
Tinham me falado que de trem de Milão pra Berlim era barato, mas como vou estar em Roma acho bem mais prático ir de low cost. O problema é essa situação do aeroporto.
Outra pergunta (ainda vou procurar aqui pelo blog, mas se alguém souber...): de Berlim pra Amsterdã vale mais ônibus ou trem?
Brigada mais uma vez galera!

Denise Mustafa

desculpa, errei a segunda pergunta. De Berlim pra Amsterdã seria de AVIÃO ou trem! sorry!

Ricardo Freire

Denise, tem transporte facílimo a Schönefeld. Dá pra ir de S-Bahn (50 min.), uma espécie de metrô de superfície, que pára na maioria das estações, ou de trem regional, que pára só nas estações principais e leva 20 min.

Minha passagem por Schönefeld está nesse post:
http://viajeaqui.abril.com.br/blog/101532_comentarios.shtml?1311328

Eu fiz de Amsterdã a Berlim de trem. Na época não consegui vôo low-cost (e também porque queria ver o quanto seria chata uma viagem de 7 horas de trem).

Meu relato desta viagem:
http://viajeaqui.abril.com.br/blog/98103_comentarios.shtml?1311328

Além do preço, eu levaria em conta o horário, para ver qual das duas viagens faz você perder menos do dia...

Denise Mustafa

Valeu Riq. Tava lendo post por post aqui pra ver se achava alguma coisa nos comentários. Tô achando que vale mais ir de Roma a Amsterdã, e fazer esse trajeto que fizeste (Amsterdã-Berlin) pois depois eu desço pro sul da França (Toulouse) e estou com dificuldade de achar passagem (barata) saindo de amsterdã. Acho que de Berlim será mais fácil (mesmo tendo em conta que terei que ir via Paris, inevitavelmente). Vou fazer os testes aqui das duas maneiras.
Brigada mais uma vez!

Denise Mustafa

fui ver o preço de trem e vc pagou super barato! O preço que aparece agora é de 119,00 euros, o mais barato!
Alguém por ai já fez esse trecho Amsterdã/Berlin de ônibus? Talvez saia mais em conta...

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Batata, já saiu na revista Domingo a lista das top ten com Alter do Chão no "primeiro lugar", que por enquanto seria nova Atlântida, a melhor praia submersa do Brasil.

Carlos Nascimento

Riq - Alguns mitos nascem pela via torta da má interpretação de uma notícia ou pesquisa, mas há outros que ninguém sabe como surgem. Nas minhas andanças pelo Brasil como operário do turismo já estive em pelo menos cinco cidades que tinham o terceiro melhor clima do mundo! Misteriosamente não era o primeiro nem o segundo, mas o terceiro, quando eu perguntava quem validava a informação variava desde a ONU ao New York Times, e ninguém nunca sabia quais eram a primeira e segunda cidades.
Aproveitando o embalo uma informação que pode ser útil quem está programando viagem para a Ásia. Até 28/09/09, a Singapore Airlines junto com o órgão de turismo de Singapura estarão oferecendo o programa “Fabulous Singapore Stopover” com direito a um stopover a US$1, incluindo acesso grátis a várias atrações e ônibus turísticos e para o aeroporto, desconto de 50% em menu a la carte no hotel, cartão de celular pré pago, etc. Quem sair de Londres ou Paris viajará de A380. http://www.singaporeair.com/saa/en_UK/content/promo/ssh/hotels/ES/FSS.jsp

Loraine
LorainePermalinkResponder

Rick, ontem foi a vez da Revista Domingo do Jornal do Brasil publicar a lista, adivinha? Em primeiro lugar: Alter-do-chão...e por aí vai, sei não acho q isso vai virar mais uma "lenda urbana"...rsrsrs

marcio
marcioPermalinkResponder

Rsrsrsrsrsrsr! os donos de pousadas e restaurantes da região devem estar amando a interpretação de texto do pessoal.

Mas que imagem é linda é!!

O negócio é passar por lá para conferir.

Liliane Ferrari

Sinceramente os ingleses não sabem naaaaaaada de praia....SORRY! Aliás, no momento por causa das cheias a tal praia nem está mais 'available'#FAIL...comoassim???? sabe q não me deu a menor vontade de ir pra 'Alter do Chão'....
(lembrei q uma vez viajei com um grupo de ingleses p/ Ilha da Madeira e Porto Santo em novembro-leia-se FRIO! os caras se embrenhavam de maiô naquelas praias de pedra debaixo de garoa fina como se estivessem em Natal-RN AHHHH e eu ria muito!)

Riq seu blog é mara! hj mesmo recomendei ele na lista do MdeMulher da Abril com estrelinhas!!!!!!!!!!!!

bjos wink

Emanuel Júlio Leite

Não entendo tanta ironia em relação a Alter do Chão...
Vocês podem conhecer mais a praia, a vila, para poderem avaliar melhor.

Acessem: www.conexaooeste.com.br

http://www.youtube.com/my_videos_edit2?ns=1&video_id=lSKzqor3XrU&next=%2Fmy_videos2%3Fpi%3D0%26ps%3D20%26sf%3Dadded%26sa%3D0%26sq%3D%26dm%3D1

http://www.youtube.com/watch?v=BW2yY5cvJ74

Ricardo Freire

Não há ironia nenhuma, Emanuel. Se você ler o post com atenção, e também o post em que eu dou a lista do Guardian em primeira mão, vai ver que em nenhum momento se contesta o fato de Alter-do-Chão estar na lista. A praia evidentemente é linda e deixa uma lista dessas com um apelo ainda mais especial.

O que se mostra aqui é que a notícia foi mal entendida, e acabou se atribuindo a Alter-do-Chão um título extra que não estava na matéria original. Nenhuma das dez praias da lista foi escolhida "a mais bonita do Brasil". Não há hierarquia entre as listadas. Só isso.

claudia liechavicius

O Brasil é cheio de recantos espetaculares. É difícil enumerar dez melhores pois cada um é o ideal para certa ocasião e tipo de pessoa. Dêem uma passeada pelo meu blog.
Claudia - www.viajarpelomundo.com

Letícia
LetíciaPermalinkResponder

Olá, Riq!

Na ConVnVenção BH lhe contamos que iríamos para Alter do Chão (segundo você, lacuna grave do seu currículo). Voltamos ontem e como o destino é imperdível, aproveito para indicá-lo aos demais tripulantes.

Certíssimo o The Guardian ao incluir esta praia de rio entre as 10 melhores praias do Brasil. A areia é branquinha, a água quentinha, há praias com pequenas ondas ou com água calminha (basta escolher com o piloteiro ou guia) e o melhor de tudo: ao sair da água você não precisa de um chuveiro para tirar o sal!

A primeira dica é irem logo.

O turismo ainda está na sua forma mais pura, e isto não durará muito... Quando agradeci à recepcionista do hotel pela ótima estada, ela me respondeu: - “Que bom ouvir isto. Estamos começando agora com esta coisa de turismo e é bom saber que estamos acertando!” O “começando”, na verdade, refere-se ao turismo nacional. Alter do Chão já é bem conhecida dos estrangeiros que buscam a Amazônia e é destino regional, em especial no Sairé (festa regional profano-religiosa) e aos finais de semana, de turistas paraenses, vindos por barco ou estrada.

É bacana vê-los se estruturando para transmitir ao turista o quanto são apaixonados por aquela terra, ou melhor, água. Um dos passeios que fizemos foi uma caminhada de 3 horas e meia pela Floresta Nacional do Tapajós. Nesta caminhada é obrigatório, além do guia do receptivo, o acompanhamento de um guia da comunidade local. No nosso caso, a Ivone, que aprendeu com o pai e já ensinou para os filhos os segredos de cada uma das tão diferentes plantas da floresta que ela prefere chamar de Floresta Medicinal do Tapajós.

A segunda dica é irem sem medo.

E isto se aplicava a mim. Alter do Chão foi destino insistido pelo meu marido e embarquei certa que pegaria malária e odiaria colocar meu pé no lodo de fundo de rio. Rio, na minha cidade, infelizmente, corre embaixo da terra, no Boulevard Arrudas! Não deixei de usar repelente, mas a utilidade deste foi psicológica: inacreditavelmente não havia nenhum mosquito por lá e a unanimidade dos moradores me atestou que não há malária em Alter do Chão. Por via das dúvidas, aconselho usar. Quanto ao lodo, santa ignorância! Olhando para baixo, com água até os ombros, o que eu via era a areia branquinha do fundo do rio, alguns peixinhos e, pasmem, até a pintinha do dedo do meu pé! A água é inacreditavelmente transparente!

A terceira dica é usarem o receptivo.

Costumamos viajar completamente desempacotados. Desta vez, achamos mais prático contratar o receptivo local, o que mostrou-se uma excelente opção. Com a contratação do receptivo, as preocupações com traslados, barcos, piloteiros, destinos, deixou de ser nossa. Em destinos como este, o acompanhamento de um bom guia é fundamental e o acerto na escolha influencia em muito o sucesso da viagem. É ele quem vai lhe contar o nome de cada um dos pássaros que avistar, a hora de sair da água por causa das arraias (sim, nem tudo é perfeito: à noite e mesmo de dia em algumas praias, há arraias na areia), até onde mergulhar, que é hora de deixar aquela deliciosa e deserta praia rumo à melhor ponta de areia para assistir ao pôr-do-sol em companhia de botos e tartarugas, que aquela árvore na areia passa metade do ano embaixo d’água, além de vários “causos” próprios, de quem escolheu viver da floresta. No nosso caso, foram eles também que, nos 45 minutos de subida à Serra da Piroca, para a mais bonita vista das praias e lagos formados pelo Rio Tapajós, carregaram água geladinha e providenciais frutas. Também foram eles que, gentilmente, nas praias com alguma estrutura (normalmente longe da água, eis que o nível desta abaixa para formar as praias), percorreram o percurso em busca da mais gelada cerveja e do peixe mais fresco, e, nas praias desertas, sem estrutura, cuidaram de trazer isopor com bebidas geladas.

A quarta dica é experimentarem a culinária local.

Disse o Ricardo Freire que a Amazônia é a nossa Tailândia. Deliciem-se com os sorvetes de açaí, castanha, tapioca, cupuaçu, etc. Experimente o Tucunaré, Tambaqui e Pirarucu nas diversas preparações que encontrar. Experimente o tacacá, mesmo que lhe pareça quente demais. Na pior das hipóteses, será uma nova experiência sentir a boca formigar pela folha de Jambu.

A quinta dica é aproveitarem os dias de semana.

Sábado à tarde e domingo a vila fica cheia de moradores de cidades próximas, em especial de Santarém. Se você busca privacidade, aproveite os dias de semana. No nosso caso, chegamos na quinta e fomos embora no domingo.

Nossas passagens para Santarém/PA foram emitidas na promoção dos 4.000 pontos da Gol. Os destinos do norte são uma boa opção para uso das milhas no Brasil.
Em Santarém, onde passamos a primeira noite, pois nosso vôo chegava de madrugada e ficamos temerosos de enfrentar a estrada à noite, ficamos no Hotel Barrudada (antigo, sem graça e meio sujinho). Em Alter do Chão, ficamos no Hotel Mirante da Ilha, já que o principal hotel, Beloalter, estava lotado. É um hotel limpíssimo, no centro da Vila, com um terraço com bela vista para a Ilha do Amor. Não conhecemos o Beloalter, mas disseram ser também muito bom, afastado da Vila, com piscina e praia. Cuidado, pois vários hotéis não possuem água quente! Contratamos o hotel diretamente, mas as tarifas do Receptivo Vento em Popa, viemos a saber depois, eram melhores que as que conseguimos.
Jantamos nos restaurantes Tribal e Farol da Ilha. Neste último, nas três visitas que fizemos, além de experimentar um prato diferente, repetíamos também, por absoluta gula, o Peixe ao Farol (pirarucu na telha, coberto por um purê molinho e delicioso de batata e queijo). Tacacá é na barraca da Maria Justa que fica na praça perto das barracas de sorvetes.
Usamos os serviços do Receptivo Vento em Popa (93)3527-1341 / (93)9154-2120 / (93)9654-4245). O dono chama-se Taketomi. Sim, sobrenome japonês. Seu pai imigrou com os avós do Japão para o Brasil e para surpresa deles, foram deixados em uma comunidade no Amazonas. Taketomi, já nascido no Brasil, casou-se com uma cabocla, em sentido inverso emigrou para o Japão, voltou para o Brasil e, amante da floresta, opera traslados e passeios, junto a seu educado filho, Rafael, a guias interessantíssimos (o nosso chamava-se Miguel) e a piloteiros pitorescos (os nossos foram o Sabá e o Edinaldo – que até hoje espera o barco Ana Beatriz, que trouxe o Príncipe Charles a Alter do Chão, pagar-lhe a hélice quebrada quando ajudou no reboque de tal embarcação - e o Sabá). O percurso e o tamanho do grupo são flexíveis. Para nós, que éramos dois casais, praticamente ficamos com um guia e um piloteiro por nossa conta do início da manhã até logo após o pôr do sol.

Suzane Maia
Suzane MaiaPermalinkResponder

Acho engraçado como esse povo tem preconceito com tudo que vem do Norte. Agradeçam a nós o ar que respiram. Porque do contrário, estariam em outro plano com tanto "desenvolvimento".
Alter do Chão é o lugar mais lindo que conheço. E o que disse a clega aí em cima, o melhor e que a água é tranparente, areia branquinha, e quando a gente saí de dentro NÃO fica parecendo uma carne de sol: só sal! heheh Não tem sal na água da melhor praia do Brasil, é água doce. Vê se pode?! Que maravilha. Alter é tão impar que só está a disposição de quem quer ver seis meses por ano. Nos outros 6 ela se esconde debaixo ´d´água. Talvez temendo a ira de invejosos olhos de seca pimenteira!!!

MarianaL
MarianaLPermalinkResponder

Letícia, parabéns pelo relato e pela viagem! Fiquei morrendo de vontade de ir lá e conhecer este paraíso, tomando a cerveja mais gelado e comendo o peixe mais fresco!

Brazil Travel Blog » Alter do Chão, are its beaches worth a trip?

[...] is published in no hierarchical order. Ricardo Freire -one the specialists consulted- explained at Nasce um mito: Alter-do-Chão, “a melhor praia do Brasil segundo a imprensa inglesa” that the specialists were asked not to mention beaches chosen by any of the other 8 experts. Had it [...]

Sergio de Oliveira Silva

Alter do Chão merece o título de um dos lugares mais bonitos do mundo! Indesejável é considerar que somente após suposta consideração de estrangeiros, reconheça-se o óbvio. Existe nesta região, no mes de setembro o Çairé, uma manifestação da nossa extraordinária e diversa cultura brasileira. Como membro do Gremio Recreativo e Bloco Carnavalesco Embaixada do Jacaré, com sede na cidade do Rio de Janeiro, no bairro da Penha Circular e integrante da Ala de Compositores, orgulho-me de antes de saber, por outrem das belezas naturais no Brasil, tenha me rendido ao Pará,a seus encantos e magias amazônicos.No ano de 2014 estaremos apresentando, do Rio de Janeiro para o mundo "Çairé, Um Encontro No Tapajós" e a letra é esta: Vem amor desfutar de um sonho que eu vivi/ Lá em Santarém,em Alter do Chão na Ilha do Amor/Çairé um encontro no Tapajós/ Ver o sorriso da Saraipora/Carregando o estandarte à frente da procissão/Um semicírculo envolvido por puro algodão/ Flores e fitas coloridas/ Cruzes simbolizam a fé, a religião/ No Lago dos Botos a cultura Borari/ O Folclore do Boto Rosa e do Tucuxi/ O sagrado e profano em união e não esquecer o aquífero de Alter do Chão/ Todos os tons da natureza que o garimpeiro não viu/ As aves enchem o céu de cores / E dão vidaaos galhos despidos/ Praias, igapós, Flona Tapajós/ Jóias raras que existe na Amazônia/ Terra de matizes mil/ Esbajam a riqueza do Brasil.

Nando Sousa
Nando SousaPermalinkResponder

Olá, primeiramente parabéns pelo artigo.

Acho que o seu argumento pode ser facilmente debatível. Pois quando o artigo começa assim:

"A melhor praia do brasil não está no Rio de Janeiro o no Norderte ensolarado. Não está sem ao menos na costa. Está em um rio no coração da floresta amazônica. Por volta de 30km da cidade de Santarém, Alter do chão é a responta florestal ao caribe".

Esse trecho e o fato do título do artigo ser "beach brazil TOP 10" deixam bem claro que se trata de um ranking ou uma escolha..

Enfim não quero entrar no mérito de que Alter é realmente a melhor, mas é fato que O The Guardian a elegeu de fato como a melhor praia do Brasil.

Abraços e Sucesso smile

Artigo Original:

"Brazil's best beach is not in Rio de Janeiro or the sun-bathed north-east. It's not even on the coast. It is on a river at the heart of the Amazon rainforest. Around 30k from the rainforest city of Santarem, Alter do Chao is the jungle's answer to the Caribbean"
http://www.theguardian.com/travel/2009/apr/15/beach-brazil-top-10?page=all

Visite Santarém:
Santarém Pará

Jorge
JorgePermalinkResponder

Não vão para lá, a praia é horrorosa. Quanto menos turistas, melhor. Dura mais só para mim...

Lili-CE
Lili-CEPermalinkResponder

Li algumas notícias esparsas (e não muito recentes - 2010) de que Alter do Chão estava poluída por conta dos esgotos dos hoteis jogados diretamente na praia. Alguém sabe dizer se é verdade?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lili! O Ricardo Freire esteve lá em 2013 e não ouviu nada sobre isso, não.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar