Chile depois do terremoto: dá para ir agora ou é melhor esperar?

  • 0
Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Santiago

Dia 27 de fevereiro, sábado, 7h30 da manhã. Você provavelmente nem tinha acordado, mas eu já estava grudado à tela da televisão, assistindo às imagens do terremoto que, durante a madrugada, tinha devastado o centro do Chile. Havia o perigo de réplicas e um alerta de tsunami. E havia também uma passagem emitida no meu nome para um cruzeiro que sairia naquela noite de Ushuaia, na Terra do Fogo argentina – onde eu estava – até Punta Arenas, na Terra do Fogo chilena. No meu lugar, você embarcaria ou desistiria?

Tranqüilizado pela informação de que a Patagônia não tinha sentido o terremoto, embarquei – e mantive o plano original de fazer um ziguezague entre Argentina e Chile durante 40 dias. Desta maneira tive a oportunidade de testemunhar in loco que o Chile estava pronto para continuar recebendo quem quisesse ver suas belezas. Veja um breve relatório do que vi em cada região do país.

Originalmente publicado na minha página Turista Profissional, que sai toda 3a. no suplemento Viagem & Aventura do Estadão.

SANTIAGO

O aeroporto operou de maneira precária por três semanas (a ala doméstica funcionando sob tendas), mas agora todos os embarques e desembarques voltaram a ser feitos pelo prédio principal. Fiz três voos domésticos, todos pontuais. Na cidade, tudo normal: metrô funcionando, museus abertos, bairros boêmios (Bellavista, Lastarria, avenida Nueva Costanera) com restaurantes e bares lotados. A moderna Santiago foi construída para suportar sismos, e resistiu bravamente ao megaterremoto de fevereiro. Leia mais aqui.

ESQUI

Nem as estações, nem as vias de acesso sofreram danos estruturais importantes – mesmo nos arredores de Santiago. Quem aproveitar o melindre do brasileiro em ir para o Chile neste inverno deve encontrar bons preços e pistas desobstruídas.

VIÑA DEL MAR E VALPARAÍSO

O passeio a Viña del Mar, que normalmente já é menos interessante no inverno – afinal, trata-se de um balneário – perdeu mais um atrativo: os palácios que formam o patrimônio histórico da cidade (Vergara, Carrasco, Rioja, além do Teatro Municipal) permanecerão fechados ao público por tempo indeterminado, até passarem por reformas. Em compensação, a vizinha Valparaíso continua animadíssima (programe um fim de semana hospedado num dos hotéis dos cerros Alegre ou Concepción, que são o epicentro da muvuca). Leia mais aqui.

ENOTURISMO

De todos os assuntos de interesse do visitante no Chile, este é o que foi mais prejudicado – afinal, muitas das vinícolas têm sedes, ou bodegas, muito antigas, construídas antes do advento da tecnologia antissísmica. Pouco a pouco, porém, as vinícolas vão voltando ao normal; a maioria estará reaberta ainda em abril (inclusive no vale do Colchagua, que foi o que sofreu mais). Antes de programar sua viagem, entre nos sites das vinícolas que você quer visitar: se não houver informação sobre as atividades pós-terremoto, mande um email, que será respondido. Leia mais aqui.

ATACAMA

Não se impressione com as notícias de tremores no norte do Chile: foram eventos menores que não se fizeram perceber na região turística. É uma excelente época para viajar para lá – é no inverno que os guêiseres de Tati o ficam mais imponentes. Leia mais aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

LAGOS ANDINOS

O terremoto chegou a ser sentido em Puerto Montt e Puerto Varas, assustando moradores e turistas – mas não houve nenhuma sequela. Tudo está funcionando normalmente – com exceção dos estabelecimentos que costumam fechar na baixa temporada. Leia mais aqui e aqui.

PATAGÔNIA E TERRA DO FOGO

A chamada Patagônia austral (Punta Arenas, Puerto Natales, Torres del Paine) ficou totalmente de fora do foco dos tremores. A nova temporada começa em setembro; fique de olho nas promoções. Leia mais aqui e aqui.

TRAVESSIA A MENDOZA

O trecho chileno da travessia dos Andes entre Santiago e Mendoza já estava em reformas antes do terremoto. Há alguns pontos de retenção, mas nada que chegue a transtornar a viagem, que é espetacular. (Atenção: no inverno a estrada pode fechar durante várias horas por conta de excesso de neve.) A região de Mendoza, do lado argentino dos Andes, não sentiu o terremoto – nos próximos meses, é a região mais indicada para quem quer fazer enoturismo. Leia mais aqui e aqui.

RÉPLICAS

Todo grande terremoto vem acompanhado por tremores secundários, conhecidos como réplicas. Algumas réplicas  viram notícias distribuídas por agências internacionais, que acabam dando a impressão de que o Chile continua tremendo. Na verdade, nenhum tremor abaixo dos 6 pontos na escala Richter faz cócegas  no Chile moderno; são acontecimentos corriqueiros que passam despercebidos. É altamente improvável que um outro megaterremoto ocorra nos próximos anos no país.

PROMOÇÕES

A LAN andou vendendo passagens ida e volta a 14 destinos chilenos por US$ 299 (mais taxas). Fique atento aos movimentos do mercado -- pode ser que haja promoções antes das férias de julho, caso as reservas nas estações de esqui estejam devagar.

Veja também:

Expedição Zig-Zag Chile-Argentina: todas as aventuras

51 comentários

Atenção: os comentários estão encerrados.

Ila Fox
Ila FoxPermalink

Era para eu estar na ilha de Páscoa no dia do terremoto! não teria acontecido nada com a gente, mas com certeza teriam cancelado visitas aos Moais, ficaríamos ilhados no meio do pacífico, e a viagem ficaria tensa.
Sorte que na última hora mudamos nosso destino! fomos para Porto de Galinhas. Ufa! O_O

PattyBraga
PattyBragaPermalink

Quando rolou o terremoto, eu já estava com minha passagem emitida para ir ao Chile agora no final de Abril. Confesso que fiquei algumas semanas na dúvida entre cancelar a viagem ou não.
Foram justamente os posts da viagem do Riq que me animaram a manter o roteiro.
Embarco semana que vem, prometo que mando notícias! smile

PS. Aproveitando, uma perguntinha... Riq, tenho dois vídeos das tuas leituras no Sarau Elétrico de ontem no Ocidente. Você autoriza que eu coloque no iutchúbi e libere o link aqui para os trips?
Adorei te conhecer pessoalmente, super obrigada pela simpatia com que me reconheceu e cumprimentou (Oi, kboop!!!).

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Também adorei te conhecer! Pode subir o vídeo, claro!!!

Clarice
ClaricePermalink

Patty, (eu que não pude ir), estou esperando os links do iutchúbi desde as duas da tarde e até agora nada ... sad mrgreen

PattyBraga
PattyBragaPermalink

Desculpa te deixar na expectativa, Clarice, mas só vou conseguir upar os vídeos amanhã! smile

PattyBraga
PattyBragaPermalink

Feito, pessoal!

Tá na mão o meu singelo postzinho sobre o Riq e os vídeos do Sarau Elétrico:

http://tijolinhosamarelos.blogspot.com/2010/04/quero-ser-ricardo-freire.html

Clarice
ClaricePermalink

Patty, gostei demais :cool:

Claudio Lemos
Claudio LemosPermalink

poxa...eu acabei cancelando a viagem pro Chile na páscoa por conta do terremoto, mas lendo o post agora deu uma certa dor de cotovelo. Vou ficar na expectativa aqui dos comentários da PattyBraga. Tava doido pra conhecer Santiago

zezé
zezéPermalink

Também já tinha comprado as passagens pra Santiago, quando a terra tremeu!
Por isso, teus posts foram ainda mais essenciais do que normalmente já são! Vou tranquila.
O sarau tava ótimo!!
Só que quando fui dar um alô ao vivo, já tinhas saído. :0( Ficou pra próxima!!

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Puxa, que pena...

Clarice
ClaricePermalink

Bah zezé, essa foi mals, e eu fiquei muito sad por não ter comparecido.

Adriana Pessoa
Adriana PessoaPermalink

Eu cancelei minha viagem em julho para o Chile.
Tinha resrvado um hotel dois dias antes do tremor.
Uma pena, mas não iria conseguir conviver com o medo de um novo terremoto. Tenho filho pequeno, que estaria conosco. Prefiro ir no ano que vem...

Virginia
VirginiaPermalink

Tinha passagens compradas pela Lan para Santiago e Puerto Montt para o dia 16 de março. No princípio pensei em manter, mas sinceramente fiquei com medo, não de novo terremoto, mas de encontrar uma cidade cheia de problemas, sofrida... Remarquei para novembro, quando tudo deve estar perfeito.

nati
natiPermalink

Só complementando, a ruta entre Santiago e Mendoza, no inverno, pode ficar fechada por vários dias. No final de junho de 2008 fiquei 3 dias esperando (bem... não foi exatamente ruim ficar "esperando" de bodega em bodega) a liberação do Paso.

Priscila L. Braz Ribas
Priscila L. Braz RibasPermalink

Oi! Eu também tive a infeliz idéia de desmarcar a minha ida ao Chile... eu iria fazer Santiago, Viña Del Mar e Valparaíso... embarcaria dia 21/04/2010, mas tudo bem... acredito que oportunidades não irão faltar. No final acabei optando por uma viagem aqui no Brasil mesmo Serras Gaúchas... já que o motivo principal de minha ida para o Chile eram as vinícolas... o pior de tudo foi a taxa que tive que pagar para LAN pelo cancelamento U$100 por pessoa... Chile ficará mesmo para 2011....

Dri
DriPermalink

Gente, inacreditável esses depoimentos aqui. Eu JAMAIS desmarcaria minha viagem nesse caso. Terremotos podem ocorrer a qualquer momento e Santiago é uma cidade grande e preparada para isso. Por acaso alguém desmarcou a ConVnVençao Mundial no Rio por causa das chuvas? O número de mortes aqui foi maior do que lá...

Acredito que as pessoas se deixem influenciar demais pela imprensa sensacionalista... Por exemplo, no caso da violência do Rio, que existe e é grande, mas nem de perto se assemelha ao que pintam os jornais...

Fran
FranPermalink

É verdade Dri, somos vítimas desse sensacionalismo. Eu mesma nunca fui ao RJ por medo, confesso. Todos os meus parentes que moram no exterior visitaram o Rio quando vieram nos visitar aqui em SP e não se conformam que estando tão perto nós não aproveitamos essa proximidade.

PattyBraga
PattyBragaPermalink

Dri, concordo que o sensacionalismo da mídia influencia muito a gente nessas horas, mas a minha dúvida entre ir ou não era mais uma questão prática do que propriamente medo de um novo terremoto.

Ninguém quer viajar pra passar trabalho, então a expectativa era em relação a situação geral das cidades atingidas, se valia a pena viajar ou não, se em Santiago estava tudo ok, pontos turísticos abertos, esse tipo de coisa...

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Concordo. Qualquer decisão de viajar nessa época imediatamente posterior ao terremoto dependia de saber o que tinha acontecido com a infra e se o ambiente era propício a passear (ninguém quer visitar um país em reconstrução). Pude ver que não é o caso, as marcas do terremoto são, como diz a imprensa hoje, "pontuais".

Já o cancelamento de férias de julho foi um pouco precipitado. Ano que vem vai estar melhor, claro (porque o enoturismo vai estar OK novamente, e ninguém vai encher o saco de quem queira ir pro Chile com recomendações de ouvir-falar); mas talvez este ano esteja menos cheio e mais em conta.

Adriana Pessoa
Adriana PessoaPermalink

Só quem já passou por um terremoto sabe o que é realmente.
Tenho uma conhecida em SP que chegou em Santiago 5 horas antes do tremor. Ela, que tinha acabado de deitar, viu o dia amnhecer na calçada em frente ao hotel. Demorou três dias até conseguir voltar para o Brasil. Ela ficou hor-ro-ri-za-da com a situação pela qual passou.
Certamente prefiro esperar as coisas se acalmarem...acho completamente desnecessário viajar para um local que acabou de passar por uma tragédia.
E olha que sou louquinha pelo Chile, meu país preferido, ao lado do Peru, da América do Sul.

Carolina Silva
Carolina SilvaPermalink

Estava em Mendoza na madrugada que ocorreu o terremoto, acordamos com a cama sacudindo na horizontal, como lá é uma região propícia, ficamos assustados, mas voltamos a dormir. Pela manhã conversando com pessoas no hotel ficamos sabendo que várias pessoas foram para a rua, que é o que devemos fazer nessas situações. A cidade não teve nenhum dano.
Mas para quem nunca tinha passado por isso foi uma experiência e tanto, nossa viagem atrasou um dia, pois iamos fazer conexão em Santiago, aí tivemos que voltar por Buenos Aires, mas ocorreu tudo bem!

Leandro
LeandroPermalink

É importante saber que a tal escala Richter indica a intensidade no ponto exato do epicentro, caso Santiago tivesse sido o epicentro de um tremor da mesma intensidade e a pouca profundidade, com toda sua estrutura, ainda assim teria virado uma "zona de guerra" ou algo parecido. O temor do Haiti por exemplo, além de ter ocorrido num local com infra péssima, ocorreu em pequena profundidade, um tremor mais intenso em grande profundidade pode ser menos danoso que um menos intenso perto da superfície.

Leandro
LeandroPermalink

Sumi com o D em profundidade duas vezes smile Mas não poderia concordar mais com o Ricardo, hoje a mídia está cada vez mais presente e alarmista dando a falsa impressão de que desastres estão mais frequentes e intensos, nada mais falso, aqui no Rio existem registros de chuvas mais intensas esporádicas com soterramentos "desde sempre", o que aumentou foi população em áreas de risco. Só de 1940 para cá econtrei por aí várias fotos mostrando a Praça da Bandeira tão ou mais cheia que nesta última chuva que foi descrita por alguns como "a pior". E no caso dos tremores quem nunca ouviu falar do terremoto de Lisboa? Ou dos históricos tremores arrasadores na China? Antigamente ou não ficávamos sabendo ou descobríamos muito depois certas tragédias pelo mundo, hoje é tudo bombardeado na hora.

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Consertei smile

Cris Berger
Cris BergerPermalink

Riq demais os posts sobre o Chile. Eu já viajei 15 vezes para o país e me sinto especializada no tema smile Concordo com tudo dito por ti, é isso que tenho falado quando me perguntam sobre ir ou não para lá. Eu estava em Santiago no dia do terremoto e sei do susto que foi, tremeu pacas e as réplicas são chatinhas, mas eu acho que adiar uma viagem é desnecessário, a vida segue normal! Bora pro Chile, pessoal! beijos

Flávia Katiusse
Flávia KatiussePermalink

Riq eu e meu marido queremos conhecer Santiago no final de Junho, mas confesso que estou receiosa. Pelo q li a cima não há riscos de novos terremotos. Entendi bem? Podemos seguir tranquilos?smile

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Nunca houve grandes terremotos em seguida. Pelo caderninho, um novo terremoto daquela magnitude só acontecerá em muitos anos.

Pequenos tremores acontecem o tempo todo -- já aconteciam antes, continuarão acontecendo agora.

Ciro Valeije
Ciro ValeijePermalink

Ricardo, muito prazer em falar (teclar) com vc, sempre que vou viajar, faço um check in no seu blog, com todo o respeito... Quero conhecer o Chile, primeira vez, qual a melhor época do ano em matéria de céu azul, pouca chuva, tenho disponibilidade para junho ou novembro.

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

O Chile tem várias regiões com climas distintos. No sul chove muito o ano inteiro. No norte (Atacama) só cai alguma chuva no início do ano.

Em Santiago chove bem menos em novembro do que em junho.
http://www.weather.com/weather/wxclimatology/monthly/graph/CIXX0020

Ana Carolina
Ana CarolinaPermalink

Li em vários lugares que em dezembro e janeiro não chove de jeito nenhum em Santiago (tanto que a água da cidade é captada pelo degelo nas montanhas).
Estive lá por uma semana entre Natal e Ano Novo de 2006 e a experiência confirmou: chuva zero, nada de nuvens no céu, dias longos de sol intenso (e calor, muuuito calor). Só vi ficar um pouco nublado ao sair de Santiago, a caminho do litoral (e foi um choque pular de 34 graus para 14).

Alberto
AlbertoPermalink

Ricardo
Pretendo tirar férias em setembro (elas seriam em abril, maio, junho, agosto até que finalmente pararam em setembro) inicialmente havíamos planejado visitar o Chile saindo de Santiago em direção ao Sul, passando para o lado argentino da cordilheira e retornando por Mendoza para deixarmos o carro em Santiago e pegarmos o avião de volta. Devido ao terremoto abndonamos a idéia, mas como as férias foram adiadas, voltei a considerar o Chile como destino, no entanto, minha esposa está relutante para fazer esta viagem, teme pelas condições de infra-estrutura. Você pode me dar uma luz?
Em tempo, o que achou do meu esboço de roteiro, tentatarei fazê-lo em 15 dias e me acompanham além da minha esposa, meus sogros (com mais de 70 anos), minha filha de 3 anos e minha cunhada especial. Por isso também o estresse com a infra-estrutura. Pode me dar dicas de passeios?
Obrigado
Alberto

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Fiz o Chile inteiro, não há problema nenhum de infra-estrutura.

Você pode ver o resumo aqui:
http://www.viajenaviagem.com/2010/04/expedicao-zig-zag-chile-argentina-todas-as-aventuras/

Mas não dá pra fazer essa sua viagem em 15 dias de carro não.

Divida em duas zonas. Chegue por Bariloche, alugue carro, rode a área, devolva, pegue o Cruce de Lagos, alugue outro carro no Chile para rodar a região, devolva. Voe a Santiago. Desça a Mendoza de van (o seu grupo tem passageiros suficientes para fretar uma), alugue outro carro em Mendoza. Volte de avião de Mendoza.

Alberto
AlbertoPermalink

Obrigado pelas dicas, mas tenho mais algumas dúvidas:
1. No início de setembro ainda tem neve? As estações de esqui ainda estão funcionando?
2. Você tem alguma dica de site onde eu possa fazer estas reservas aéreas todas ou é melhor fazer via agente de viagem?
3. Estava pensando em me hospedar em chalés e apartamentos de temporada, você sabe algum site onde eu possa fazer estas reservas?
4. Por fim, neste roteiro que você me indicou qual seria o número de dias em cada lugar?

Desculpe pelo "aluguel" e muitíssimo obrigado
Alberto

MARIA RITA
MARIA RITAPermalink

OI Ricardo
Vale a pena ir à menonza no final de julho? Nesta época dá para ir de ônibus?
Agradeço desde já.
Rita

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

De Buenos Aires dá o ano inteiro. São 14 horas de viagem. A estrada para Santiago pode ficar interditada por horas ou dias por conta de nevascas.

Ana Carolina
Ana CarolinaPermalink

Nossa, que bom que achei esse comentário!! pensei em ir de ônibus de Santiago a Mendoza em agosto, mas pelo jeito vou ter que ir voando.

Aproveito para perguntar (e sei que as respostas serão pessoais) quantos dias seriam recomendados para passar em Mendoza.

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Quatro dias estão de bom tamanho -- dois para fazer passeios, dois para fazer vinícolas.

Ana Carolina
Ana CarolinaPermalink

smile
Obrigada!

Mariana
MarianaPermalink

Olá Ricardo! Adorei essas dicas, to querendo ir no final de julho, apesar de estar com medo de terremotos rsrs..
Bom, provavelmente ficarei 1 semana, gostaria de saber se vale a pena ir à alguma estação de esqui e qual seria, a valparaíso, à vinícola concha y toro, enfim, o que me recomendaria para essa época?
Obrigada!!

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

O que você quiser, tudo vale a pena. Cheque com as vinícolas a situação das visitas.
http://www.viajenaviagem.com/category/santiago

Mariana
MarianaPermalink

Aliás, ainda estou em dúvida entre santiago e buenos aires. Vou com um grupo de amigas, e pretendo ir p/ passear, p/ festas, restaurantes, compras.. Qual das duas cidades se encaixaria melhor nesse perfil?
Obrigada!

Ana Carolina
Ana CarolinaPermalink

Na minha opinião, Mariana, as duas cidades se encaixam no perfil (embora eu ache Santiago mais tranquila), mas considere que a desvalorização do peso argentino dá pontos extras a Buenos Aires.

Felipe
FelipePermalink

Pessoal,

Descobri essa opção de transfer na rede:

http://www.turbus.cl/aeropuerto/turTranfer.html

Algúem já utilizou o serviço???

Um abraço

Ciro Valeije
Ciro ValeijePermalink

Olá Ricardo! Olá pipous! Pretendo ficar 20 dias no Chile em início de novembro, 7 dias Atacama, 6 dias região Santiago, 6 dias região Puerto Varas, tenho dúvida sobre os passeios na região de Atacama e Puerto Varas, caso eu alugue um carro, para chegar e entrar nos locais é necessário/recomendável/obrigatório um guia? È do tipo Noronha que alguns lugares só com guia? È perigoso sem ele? Sendo necessário, existem lá guias avulsos?

Gracias e Abraços ...

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

No Atacama, esqueça carro: todos os passeios são em grupo.
Em Puerto Varas é bom estar de carro.

Ciro Valeije
Ciro ValeijePermalink

Ok, carro desacartado no Atacama. Estou fazendo umas pesquisas para a viagem, aproveitamento as informações de todos daqui, assim que achar novidades "posto" aqui.
Obrigado!!
Abraços!!

reynaldo
reynaldoPermalink

Boa noite pessoal !
Gostaria de saber se ja esta normalizado viajar para santiago ?
Obrigado !

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Vá tranqüilo.

reynaldo
reynaldoPermalink

Obrigado Ricardo !
sEm pedir muito ! pretendo ficar sexta,sabado e domingo ao meio dia voltando pro brasil,vc poderia me dizer o que eu posso fazer em tão poucos dias ?

Inês Sá Freire
Inês Sá FreirePermalink

Irei para Santiago em 2 de maio de 2012.
Tem previsão de terremoto? irei sozinha pela 1ª vez.
Posso ir tranquila? abraços