Trilhas em Itacaré: perigo de assalto mesmo com guias

Trilha para a Engenhoca

Sempre ouvi que não é recomendável fazer trilhas em Itacaré — sobretudo a da Ribeira até a Prainha, a única com saída da “zona urbana” — pela possibilidade de ser assaltado no caminho.

Mas a Ana Carolina de Curitiba traz um relato chocante e um alerta grave: foi assaltada durante uma trilha guiada, e soube de casos escabrosos que em que nem grupos grandes foram poupados.

Eu não gosto de ajudar a alimentar pânico, mas acho um absurdo completo que um lugar cujo diferencial em relação às outras praias sejam justamente as trilhas pelo mato permitir que isso continue acontecendo. É o fim da picada.

Com a palavra, a Ana Carolina:

Estive em Itacaré no mês passado e de lembrança da viagem trouxe um assalto e uma visita à delegacia.

Foi na trilha entre a cachoeira da Usina e a (belíssima) praia de Jeribucaçu. Eu e o marido estávamos com guia contratado via agência, mas mesmo assim o sujeito (que já havia rendido outro casal à nossa frente) nos abordou com uma espingarda velha e uma peixeira, pediu para deixarmos nossas coisas e seguir.

Pensando que ele nem chegou muito perto até acho que tivemos muita sorte (tudo que ficou eu posso comprar de novo), mas mesmo assim quero dar o aviso porque pelo que ficamos sabendo a partir de então, Itacaré está meio perdida em assaltos e afins (embora se tente abafar de todo o jeito para não espantar os turistas – no verão, disseram que havia policiais à paisana em todas as trilhas).

Eu moro numa cidade que tem violência, tem assalto e tudo, mas sei onde é perigoso, evito e aviso a quem posso. Lá ninguém fala nada. Pelo que eu soube é meio certo ser assaltado (ou pior) na trilha da Prainha, por exemplo. Fiquei pasma quando o dono da agência nos disse que um italiano morreu há uns tempos porque tava “marcando” – e me explicou que o “marcando” era fotografar o pôr do sol (17h30, 18h) sozinho na Tiririca e ter reagido quando o ladrão chegou (reagir é marcar, concordo, mas fotografar pôr-do-sol?).

Mesmo o caminho entre o Centrinho e a Tiririca não é recomendado quando escurece (e lá escurece cedo) – falei com uma moça que diz que recomenda aos hóspedes da Tiririca usar táxi para ir ao centro à noite.

Grupos grandes também não estão livres (umas 40 pessoas, indo pela CVC, foram rendidas há uns 2 anos em uma trilha – desde então eles fizeram acordo com uma fazenda e tem permissão para usar uma outra trilha, com exclusividade).

De tudo que eu ouvi, acho que Itacaré é meio roleta russa. Você pode ir e simplesmente encontrar um lugar paradisíaco, trazer fotos lindas e sentir saudades da moqueca e da água de coco. Mas a chance de encontrar a bala existe e é bom ao menos ter ciência dela.

Obrigado pelo depoimento, Ana. Se alguém tiver passado por alguma coisa parecida, por favor nos conte na caixa de comentários.

165 comentários para “Trilhas em Itacaré: perigo de assalto mesmo com guias”

  1. Ok.
    Pretendo ir agora, no final de julho. Espero ñ ter surpresas.

  2. Ola viajantes apaixonados,
    No do ano pretendo desconectar na natureza de itacare. Ja estive la em 2008 e amei, mas estava fora de temporada. No fim do ano Imagino que seja lotado, como todos os paraísos nordestinos. Alguem ja foi nessa epoca de 24/12-01/01? Tem algum depoimento? Fiquei na Praia da Concha uma vez, ainda é a boa? Agradeço de antemão os comentarios!! Ah, sou do Rio, palco de ocorridos bizarros, a violencia arrepia, mas nao nos impede de curtir…

    1. Olá, Isabela! Itacaré cresceu bastante, a Praia da Concha tem ainda mais pousadas. No fim do ano estará supercheio.

  3. Eu e minha irmã estivemos em Itacaré de 19 a 26 de julho de 2013 e não presenciamos qualquer notícia negativa.

    É verdade que a empresa pela qual viajamos (CVC) e o receptivo (NV) não estão fazendo certos passeios por causa das notícias de assaltos(trilha da Prainha, Cachoeira da Usina e a Praia de Jeribucaçu).
    No entanto fizemos vários passeios, sem qualquer transtorno: Praias urbanas, praias rurais, Península de Maraú, Baia de Camamu e Passeio de canoa, passando pelo mangue e chegando até a cachoeira do Creando.

    Das praias urbanas, gostei muito da Ribeira. Tem infra-estrutura e o Rio das Contas forma um pequeno córrego próximo. Muito legal. Sem dizer que após as 14:00 horas a maré vai subindo e invade um pouquinho ao redor da praia, fazendo uma pequena lagoa para as crianças. Muito especial… A praia da Concha também é boa.

    O passeio a Península de Maraú é um pouco exaustivo. Vamos de carro e enfrenta-se estrada de chão. Entretanto a praia de Tapuias de Fora é lindíssima. Há um coral que barra a maré, fazendo o mar ficar mais tranquilo,formando lagoas naturais em que se pode visualizar alguns peixinhos. Lá o pessoal aluga os snok….
    Aconselho muito o passeio a Baia de Camamu que é feito de escuna. Há animação dos guias e se conhece três ilhas: Goya (bem preservada), da Pedra Furada (lindíssima a formação rochosa) e Barra Funda (grande?) (esta última com infra-estrutura, sendo possível conhecer a vila).
    Ah, o passeio de canoa (que na realidade é de barco) pelo Rio das Contas e pelo manguezal, caindo na cachoeira do Creando é muito especial. Entretanto não nadamos na cachoeira, devido as pedras.

    Quanto a andar à noite, fazíamos caminhada até 21:00 pela Rua Pedro Longo (a chamada região da Pituba, onde há os bares, restaurantes e lojas).
    Entretanto não fomos ao forró (Mar e Mel), tendo em vista que apesar da nossa pousada não ficar longe da Praia da Concha, não sentimos firmeza em ficar andando pelas ruas paralelas (ESCURAS).

    No mais o passeio foi ótimo, as pessoas são hiper simpáticas e a comida farta, com preço legal e gostosa (comemos algumas vezes no Flor do Cacau – o feijão é maravilhoso. o restaurante Panela de Pedra (Barro?)também é muito bom e a dona Hiper simpática!!!!

    Aconselho o passeio para pessoas que gostam de curtir a natureza e que gostam de andar. Lugar muito bonito !!!!!

    Não se alarmem com as notícias de assaltos. Apenas evitem andar a noite por ruas muito escuras e irem nos passeios não aonselháveis. No mais ótima viagem a todos !!!!! Vale a pena!!!

  4. Ola, como havia dito, fui no final de Julho para Itacaré. Bom posso dizer que ha comentários sobre o perigo, mas se tivermos cuidados, não haverá surpresas desagradáveis, pois o perigo está em todo lugar, assim como nas grandes cidades. Agora o governo tem que fazer algo urgente antes que piore a situação , pois o crescimento de comunidades na cidade está ficando desordenado e com ele o perigo.
    Foi ótimo e voltarei com certeza. Uma dica de viagem: Vá a Itacaré e aproveite esse paraíso ecológico.

  5. Pessoal, eu moro em Ilhéus e vou quase todo fim de semana para Itacaré! Nunca presenciei nada de “diferente”, graças a Deus. Não sei se, o fato de estar sempre lá e conhecer muitos moradores, pode influenciar.. Mas eu ainda não tive coragem de conhecer a famosa Prainha, exatamente devido à “má fama” das trilhas. Mesmo sendo amiga de alguns guias, ainda não tomei a coragem suficiente, visto que em Maio deste ano um grupo de amigos meus aqui de Ilhéus foi assaltado na trilha(grupo deles + outro grupo que estava subindo… seguraram meus amigos até o próximo grupo chegar, para assaltarem os dois grupos!) E foi assalto com direito à armas, coronhadas e roleta russa em um cara que não queria entregar a aliança e que havia jogado a maquina no mato (e o assaltante encontrou a máquina!!!) Enfim, sei que foram momentos bem ruins para quem estava buscando diversão.. Hoje em dia o pessoal diz que diminuiu muito a violência nas trilhas e que elas podem ser feitas numa boa. Ha quem diga que esses assaltantes aí (dos meus amigos) não atuam mais; já que foram assassinados. É triste a realidade, mas é realmente sempre bom estar alerta e não levar muitas coisas de valor nas trilhas (como câmera profissionais, cartões de crédito – que não servem pra nada em trilhas e só dão dor de cabeça caso sejam perdidos ou roubados).

    De resto eu super recomendo e AMO Itacaré!!! E pretendo em breve fazer a trilha para a Prainha :)

  6. Olá! Vou em janeiro de 2014 e depois de ler várias notícias de assalto em Itacaré estou pensando em trocar meu roteiro. O que vocês acham? Na época de mais turistas os assaltos diminuem ou aumentam? Obrigada Boia!

    1. Olá, Carla! Os assaltos ocorrem o ano inteiro nas trilhas da Prainha e de Jeribucaçu, e no fim da tarde na volta da Tiririca para a Concha. Dá para aproveitar Itacaré sem fazer esses trajetos.

ATENÇÃO:
Desculpe, mas esta caixa está inativa e seu comentário não aparecerá. Estamos aprontando um novo Viaje na Viagem. No novo site a caixa de comentários voltará a funcionar. Obrigado pela compreensão!