São Paulo-Punta Cana: como é o vôo

São Paulo-Caracas-Punta Cana

Originalmente, Punta Cana era um vôo charter, que acabou se tornando rota regular da Gol. Para quem vai de pacote, é a a rota mais rápida. E para os desempacotados (presente!) é a chance de montar sua própria viagem — sobretudo na baixa temporada, aproveitando promoções de diárias nos hotéis. (Depois eu conto as diárias que consegui; vocês vão cair pra trás com algumas.)

Seis dias por semana, este vôo vai a Caracas; nos sábados às terças, quartas e sábados prossegue a Punta Cana.

Por fora o avião é Gol, mas por dentro tudo é Varig: os assentos são azuis, as embalagens trazem o logotipo da Varig, até a tripulação me pareceu ter um jeito Varig de ser (tá bom, talvez eu estivesse viajando).

Sábado passado o vôo foi feito num Boeing 737-800. O espaço interno é o maior entre os aviões em que embarquei ultimamente. Dava pra abrir o laptop confortavelmente na mesinha. Faz séculos que não conseguia isso.

Verifiquem o travamento de suas mesinhas

Embarcamos na hora, mas o vôo partiu com 50 minutos de atraso, porque foi preciso aguardar duas conexões atrasadas. Os últimos passageiros a embarcar vinham de Buenos Aires.

Varig, Varig, Varig!

A primeira refeição foi… almoço! Quente! E bom! Até a sobremesa (doce de abóbora com coco) estava gostosa. Pena que não sirvam bebida alcoólica — é meio frustrante ir para um destino all-inclusive e só poder tomar Pepsi Light no vôo.

Sério, tava bom...

A propósito, o 737-800 tem um defeito: faltam as telinhas individuais de TV. Aliás, falta qualquer tela de TV. Leve livros e o netbook para ver seu próprio filme.

Antes de descer em Caracas, um lanchinho. Quente e gostoso de novo.

O vôo levou 5 horas até Caracas. Não me lembro do horário, porque Hugo Chávez criou um fuso especial quebrado só para a Venezuela que me deixou totalmente confuso. Pouca gente desceu; a maioria estava mesmo indo para a República Dominicana.

Alguns venezuelanos embarcaram. No total, ficamos 40 minutos no solo.

A parte final do vôo leva apenas 1h20. E tem um lanchinho, também — desta vez, um sanduíche frio. (Aí vão as fotos dos dois.)

Sandubinha quenteSandubão frio

Desembarcamos sete horas depois de decolar. Eram 19h em Punta Cana. Havia seis aviões estacionados — um da Lan Chile, outro da Air France, e os demais, fretados.

Na chegada você precisa comprar uma “tarjeta de turista” que custa 10 dólares e precisa ser paga em cash. Logo em seguida, na imigração, a moça mal olhou na minha cara. Bienvenido, plunct, plact, zum.

Peguei minha mala e, na saída, dominicanos me perguntavam: Nascimento? CVC?

Fui direto para o guichê do táxi, porque sabia que ali tem uma tabela com o preço para cada hotel. Para o meu saiu 35 dólares.

Eram 8 da noite quando eu cheguei ao quarto do hotel.

Leia também:

–> A diferença entre as praias

Como escolher seu resort em Punta Cana

–> Resenhas completas de resorts

Barceló Bávaro Beach: só para adultos, mas sem formalidades

Barceló Bávaro Deluxe: completo, renovado, em ótima praia

Barceló Dominican, o baratinho dos Barceló

Barceló Premium Punta Cana, como é um resort intermediário

Bávaro Princess: você já viu um hotel desses por aqui

Caribe Club Princess: como é um resort baratinho

Catalonia Bávaro: economia e maré mansa em praia isolada

Club Med Punta Cana: numa praia perfeita e privativa

Gran Bahía Príncipe Esmeralda: o relato do Rodrigo Purisch

Grand Palladium e Royal Suites Turquesa: 4 em 1

Hard Rock Hotel: quartos de pop star, astral de navio

Iberostar Grand Bávaro: o Iberostar top de linha

IFA Villas Bávaro: uma pousada em escala Punta Cana

Majestic Colonial e Elegance, revelados pelos leitores

Meliá Caribe Tropical, entre a praia e o shopping em Bávaro

Now Larimar e Secrets Royal Beach: bacanas e sem pulseirinha

Ocean Blue & Sand: o relato da Vicky

Paradisus Palma Real, o mais luxuoso de Bávaro

Riu Palace Macao: compacto, reformado, só para adultos

Sanctuary Cap Cana: um resort de luxo em Juanillo

Secrets Royal Beach e Now Larimar: bacanas e sem pulseirinha

Viva Wyndham Dominicus, na melhor praia de Bayahibe

–> A opinião dos leitores:

Resorts de Punta Cana resenhados por hóspedes brasileiros

–> Guia Viaje na Viagem de Punta Cana

Introdução a Punta Cana: quando ir, como chegar, onde ficar, o que fazer

Punta Cana: índice de links úteis e posts relevantes

Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email


98 comentários para “São Paulo-Punta Cana: como é o vôo”

  1. Olá, estou indo a Punta em janeiro, temporada altíssima, vamos pela GOL, uma pergunta, esta companhia vende refeições a borda em voos internacionais? fizemos uma viagem recentemente pela GOL e tivemos que pagar pela comida, de graça só 10gr de amendoim e água. para comer um lanche tinhamos que pagar e em dinheiro. detestei! Estou um pouco ansiosa pelo voo para Punta, sabem se temos que pagar pela refeição? iremos ficar no MAJESTIC COLONIAL, o irmão pobre do MAJESTIC ELEGANCE, alguém já esteve lá recentemente. obrigada, o site nos ajudou muito.

  2. vou a punta cana agora em março,sou de juiz de fora-mg.Queria saber se vai alguem daqui esta época.

    1. Também estou indo em março Luciana. Embarcamos dia 15/03… quem sabe não nos encontramos por lá? Pelo menos alguém que fala nossa língua! hehehehhe

  3. Boa noite, não sei se minha pergunta soará meio boba rsrsrs ao menos para mim, tratando-se de um voo de mais de 7 h tem uma relevância considerável rsrs..no site da gol consegui fazer uma simulação quanto á valores e taxas, ok, más não achei nada satisfatório o serviço deles o sentido de explicar quais poltronas ou áreas do avião tendem a ter mais ou menos espaço no caso de alguém ser um pouco maior e etc… não que eu seja algum” professor girafales”, más tenho 1,86m de altura, tenho experiencia em longos passeios de indio rs.tratando-se de categoria economica alguma dica?

    1. Olá, Leandro! É o mesmo tipo de avião que você voaria em vôos domésticos pela Gol.