Cerqueira (minha crônica no Divirta-se do Estadão)

Jardim Santa Adélia

Entrei no Google Maps para ver o melhor trajeto saindo da minha casa para algum lugar que já esqueci qual era, e levei um choque. Segundo os cartógrafos sabichões do Google, não moro em Higienópolis, como informam as contas que ainda chegam pelo correio. Moro entre o Jardim Noronha e o Jardim Santa Adélia.

Não é que eu more num arrabalde de Higienópolis. Já morei lá, e sei que se chama Santa Cecília – a propósito, um bairro sensacional. O fato é que os cartógrafos do Google situaram o Jardim Noronha bem em cima da Praça Buenos Aires, no coração daquilo que, no mundo offline, chamamos de Higienópolis. E o Jardim Santa Adélia está sobreposto à rua Mato Grosso, atrás do cemitério, na região que este Guia talentosamente batizou de Consoleta – numa alusão à zona de restaurantes atrás do cemitério da Recoleta, em Buenos Aires.

Será que os nomes foram inventados por algum gaiato do Google? Não acredito. Em algum ponto do Mesozóico esses devem ter sido os nomes oficiais da região. Ainda bem que não vingaram. Acho Higienópolis um nome tosco, mas Jardim Santa Adélia consegue ser pior.

Podíamos ter tido o mesmo azar dos que vivem nos trechos que os mapas chamam de Cerqueira César. Não me entenda mal — são lugares ótimos de morar: a região da Paulista, a parte alta da Angélica, a vizinhança do Hospital de Clínicas. Só que Cerqueira César só existe nas fichas de cadastro. Na vida real você mora na região da Paulista, na parte alta da Angélica ou nas Clínicas. É um nome tão artificial, que não tem nem apelido. Ninguém mora “em Cerqueira”. Num mundo cartograficamente correto, o bairro seria dividido irmãmente entre Baixo Augusta, Higienópolis e Pinheiros, sem deixar saudades.

Tá bom, extrapolei – comecei reclamando que estão querendo mudar o nome do meu bairro e já estou querendo mudar o nome do bairro dos outros. Se bem que… e se o nome lá do Google Maps for uma armação dos meus vizinhos contrários ao metrô para unir Higienópolis aos Jardins? Jardim Europa, Jardim América, Jardim Paulista e… Jardim Santa Adélia.

Ops, não ia dar certo. Tem Cerqueira César no meio.

Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email


20 comentários para “Cerqueira (minha crônica no Divirta-se do Estadão)”

  1. Eu moro na Consolação e acabou. :-)

  2. Peço desculpas aos amigos paulistanos, mas ninguém sabe bairro certo em São Paulo. Pergunte a um paulistano e ele diz “Eu moro em ____, mas chamam de _____”. Pergunte a um taxista e ele diz “Ah, essa rua é em _____, mas chamam de _____”. Eu acho caótico a localiazação de bairro em SP. Tem o oficial da prefeitura, tem o Google Maps, tem o que as pessoas acreditam e tem o “chamam de____”…

    1. Meu bairro é Bela Vista para os Correios, Liberdade para a Prefeitura, Paraíso para as imobiliárias e Bixiga para os vizinhos. Para mim? Bixiga.

  3. Fora os Empreendimentos Imobiliários que transformam Ipiranga em Aclimação, Lauzane Paulista em Santana, Vila Sonia em Morumbi e por aí vai…

    1. Os do Morumbi são os piores!! Como de do lado de lá do Rio Pinheiro fosse TUDO Butantã ou Morumbi!

  4. O editor do Guia da Folha deve usar o Google Maps. Acho que ele não quer que ninguém encontre os restaurantes.

  5. Eu fico imaginando o turista estrangeiro na nossa cidade…que sofrimento!!!

  6. Pois é, Riq, nao sabia que eu havia crescido no Jd Sta Adelia, para mim sempre sera Higienopolis. E hj moro na Vila Suzana, que todos conhecem como Morumbi! Rsrsrs

  7. Cartografar não é uma tarefa muito fácil, comandante, ainda mais se for pra representar limites de BAIRROS, que quase nunca são bem definidos (não é exclusividade de SP) ;)

  8. Mas o Google Maps é doido mesmo. Eu trabalho no Paraíso e no mapa do Google consta o endereço como Moema ??!!!

  9. Sou carioca mas achei que esse era um problema só meu. Eu passava férias com minhas primas no Jd Sta Adélia quando era criança e não sabia! O Google Maps quebra um galhão até na Europa, mas outro dia inseri um pedido simples, para um amigo aprender a chegar na minha casa e ele me deu como retorno uma volta desnecessária.

  10. No mapa do RJ, há uma ênfase na representação das favelas, que já gerou discussões na comunidade científica.

    http://www.pluhma.com/maperna/blog/index.php?entry=entry090923-033221

  11. Minha irmã mora em São Paulo. Quando pergunto o bairro onde ela mora lá vem o Vila xxxx no Morumbi. O problema é quando vou mandar uma encomenda a ela, no site dos correios o CEP dela diz que o bairro é a Vila zzzzzz.
    Sempre achava estranho isso, mas agora vi que acontece com todo mundo!!!! hahahahahahahhahah

  12. Eu trabalho no Novo Brooklin, que oficialmente é Cidade Monções, mas que só chamamos de “região da Berrini”

    Já em casa, que eu saiba é Jaguaribe, mas já vi chamarem também de Jardim Bussocaba…em resumo: nome de bairro em Sampa é sempre uma bagunça! hehehe

  13. Moro não sei se na Vila Buarque, Santa Cecília ou “baixo higienópolis”, novo nome na praça. Nunca consegui resolver a questão!

  14. Em Aracaju, que hoje completa 157 anos e foi uma das primeiras cidades planejadas do Brasil, os limites dos bairros são bem definidos por lei, o que acontece às vezes por aqui, e creio que em boa parte do Brasil é que as pessoas tendem a espichar os limites de um bairro “mais nobre” para incluir a sua casa, ou então criar subdivisões “românticas” que só existe na cabeça daqueles moradores. Dentro do Bairro Industrial, na Zona Norte de Aracaju existe uma comunidade que diz morar no Bairro Brasília, que oficialmente não existe,mas tem este nome porque foi uma região que iniciou a sua urbanização na mesma época da construção da capital federal. E se não bastasse tudo isto tem os marketeiros de imobiliária que inventam nomes para regiões da cidade e elevam ao status Champs Elysées

  15. Riq, eu queria ter comentado isso antes, ainda na sexta, mas acabei não conseguindo. Cerqueira César tem uma outra curiosidade, que talvez ajude a explicar por que ninguém diz que mora lá: o bairro, ou ao menos seu nome, migrou. Sim, migrou! “O bairro original de Cerqueira Cesar hoje é chamado de Sumarezinho, ou mesmo de Pinheiros, embora esteja longe de Pinheiros: nem a rua de Pinheiros passa por ali, ela começa depois da rua Henrique Schaumann”, escreveu meu pai em seu blog dois anos atrás. Há mais no post completo sobre a “migração”.

  16. É muito curioso! Moro há 40 anos em Cerqueira Cesar, em uma das alamedas, que com o passar dos anos foi virando Jardim Paulista, Consolação, Centro, ou simplesmente Jardins! Quando mudei para cá minha mãe chamava nosso bairro de Cerqueira Cesar e desde então é isso que chamo meu bairro e pronto! Afinal mãe tem sempre razão!

  17. Hahaha, mas não tem nada mais divertido que ver o mapa de Salvador no google…

    Os baianos dão apelidos pra todas as avenidas principais! É confusão ou diversão na certa!
    Av. Luis Viana Filho é chamada de Paralela.
    Av. Mario Leal Ferreira é chamada de Bonocô.
    Av. ACM está em tudo quanto é canto da cidade.

    Sem contar que um conjunto de 3-4 quarteirões já ganha status de bairro, como o Candeal ou Jardim Brasil, por exemplo…

  18. Em Belo Horizonte, os bairros mais nobres também são esticados conforme a conveniência das imobiliárias. Se alguém procurar um hotel na Savassi, cuidado para não parar na Serra… (Mesmo o shopping Pátio Savassi fica no São Padro – mas é só atravessar a Av. Contorno pra chegar na “Savassi legal”.)

ATENÇÃO:
Desculpe, mas esta caixa está inativa e seu comentário não aparecerá. Estamos aprontando um novo Viaje na Viagem. No novo site a caixa de comentários voltará a funcionar. Obrigado pela compreensão!