Cinque Terre em um dia: de trem, de barco e a pé

  • 0
Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Corniglia

[Corniglia; ao fundo, Manarola]

Estive em Cinque Terre -- os míticos cinco vilarejos encravados na costa lígure, tombados pela Unesco e revelados aos não-italianos pelo Rick Steves -- em outubro do ano passado. Duas semanas depois, chuvas torrenciais provocaram desmoronamentos e causaram interdições no parque. Em princípio eu estava guardando este post para quando todo o parque -- em especial a cidade que achei mais encantadora, Vernazza -- estivesse perfeitamente visitável. Mas depois de ouvir neste outro post a opinião dos trips (incluindo alguns que passaram por lá recentemente), achei que valia a pena prestar esse serviço para quem quer incluir Cinque Terre no seu circuito italiano ainda este ano, mesmo com Vernazza em obras.

--> O QUE EU FIZ

Montei base em La Spezia, imediatamente ao sul das Terre. Gostei muito, explico adiante por quê. Percorri as Cinque Terre de três maneiras: de trem, a pé e de barco.

Monterrosso; estação de trem

[Monterosso]

O trajeto completo de trem, parando em todas as Terre, leva 29 minutos entre La Spezia e Monterosso (a viagem expressa, sem paradas intermediárias, leva menos de 15 minutos). Não é uma viagem panorâmica: o trem vai por dentro da montanha quase todo o tempo, com poucas aberturas para o Mar da Ligúria (pegue a janelinha da esquerda no sentido La Spezia-Riomaggiore-Monterosso, ou a janelinha da direita no sentido Monterosso-Riomaggiore-La Spezia). O trem deve ser usado apenas para cortar caminho -- só vale mesmo a pena como ida ou volta de  um percurso de barco ou a pé (quando as trilhas reabrirem, claro).

Sentiero Azzurro (n. 2) entre Vernazza e Corniglia

[Sentiero Azzurro; entre Vernazza e Corniglia]

Percorri também a pé quase toda a trilha principal, conhecida como Sentiero Azzurro ou Sentiero Numero 2 -- digo "quase" porque o trecho Corniglia-Manarola estava interditado, em manutenção. E quer saber? Achei muito esforço pra pouca vista. A trilha é um deslumbre nas imediações dos vilarejos, permitindo contemplar (e fotografar) as Terre de ângulos bacanérrimos. Mas o miolão entre as cidades mais afastadas -- aqueles intermináveis 60, 75, 90 minutos que você caminha sob o sol -- rende muito pouco em termos de deleite visual; é mais para quem está na vibe trilheira. Para turistas mais vagais como eu, recomendo roubar no jogo e fazer só o comecinho/finzinho de cada trilha (tipo os primeiros 15 minutos), retornando ao vilarejo assim que acabar o fator "uau!". A exceção à regra é o trecho Manarola-Riomaggiore, a Via dell'Amore, que nem chega a ser uma trilha -- é um passeio.

(É bom lembrar que atualmente estão abertos apenas dois trechos do Sentiero Azzurro: o trecho entre Monterosso e Vernazza, e a Via dell'Amore entre Manarola e Riomaggiore.)

Barco aproximando-se de Riomaggiore

[Perto de Riomaggiore]

Finalmente, fiz o percurso inteiro de barco (parando ainda em Portovenere, a "sexta" Terre). E achei o mááááximo.

A partir desta experiência, aí vai a minha recomendação para fazer o filé das Cinque Terre num dia de percurso.


Visualizar Cinque Terre e arredores em um mapa maior

 

--> O QUE EU RECOMENDO

Durma na região para aproveitar bem o dia. Mais embaixo eu listo todas as possibilidades, mas para fazer esse roteirinho aqui o ideal é montar base em La Spezia (saindo de outras localidades serão necessárias pequenas adaptações).

Compre um 5 Terre Card (€ 5), que dá direito a percorrer os trechos abertos do Sentiero Azzurro (incluindo a Via dell'Amore de que ninguém abre mão) e também permite usar o serviço de ônibus interno do parque (uma mão na roda para ir da estação de Corniglia até a cidade, que a pé fica 365 graus morro acima). Caso saia de La Spezia, de Levanto ou de alguma das Terre, compre logo um 5 Terre Card Train (€ 10), que além do que o 5 Terre Card proporciona também dá direito a transporte ilimitado de trem ilimitado entre La Spezia, as Cinque Terre e Levanto durante todo o dia (é ótimo para voltar na última hora ao vilarejo de que você mais gostou). Os cartões podem ser comprados nas estações de La Spezia, Levanto e nas Cinque Terre.

Atenção: sempre confira os horários dos trens, prestando atenção às estações em que param. Veja horários no site da Trenitalia (consulte sempre para a mesma semana).

--> 1. TREM a Corniglia

Corniglia

La Spezia a Corniglia de tremCorniglia é a Terre do meio -- são duas pra lá, duas pra cá. Mas não é por isso que eu começaria por ela. É que Corniglia é a única das Terre onde o barco não pára. De La Spezia até lá o trem leva 14 minutos. Da estação ferroviária você toma um ônibus até a vila (incluído no Cinque Terre Card) ou sobe 365 degraus.

Pela dificuldade de acesso, Corniglia é a menor e também a menos visitada das Cinque Terre. O que é ótimo: assim você começa seu périplo pelo vilarejo menos afetado pelo turismo. Mande fazer um panino no minimercado da praça e aprecie a vista de Manarola.

CornigliaCornigliaCorniglia

[Corniglia]

--> 2. TREM de Corniglia a Monterosso

Monterosso

[Monterosso]

Corniglia a Monterosso de tremMonterosso, na extremidade norte do parque, é o vilarejo mais espalhado dos cinco, graças à larga praia de areia que se estende da estação até o centrinho. A viagem desde Corniglia leva 7 minutinhos.

A praia é a mais amigável da região; é para cá que você voltará caso tenha um dia sobrando para descansar à beira-mar.

O centrinho é bastante simpático, mas sofreu com os desabamentos; pode ser que você encontre ainda algo sendo reconstruído.

Aproveite que o trecho do Sentiero Azzurro entre Monterrosso e Vernazza acaba de ser liberado ao público (desde 3 de abril de 2012), e percorra os primeiros 15 minutos de trilha.

É subida, mas vale a pena: é a melhor vista de Monterosso que você pode ter.

Monterosso al MareMonterossoMonterosso

[Monterosso]

--> 3. BARCO de Monterosso a Vernazza e Manarola

Vernazza

[Vernazza]

Monterosso-Vernazza-Manarola de barcoProcure no centro o píer onde atracam os barcos do Consorzio Maritimo 5 Terre. O serviço funciona entre abril e novembro.

Localize o stand da cia. e compre uma passagem até Portovenere (€ 25 o ticket válido o dia inteiro, € 27 sábado ou domingo, € 17 o "afternoon ticket", válido apenas à tarde). O barco faz a rota Monterosso-Vernazza-Manarola-Riomaggiore-Portovenere (e volta). O ticket do dia inteiro (ou da tarde) dá direito a descer e reembarcar em todas as paradas. Caso você não queira ir até Portovenere, pode comprar só o ticket one-way de € 10,50 que dá direito às três paradas dentro das Terre (Vernazza, Manarola e Riomaggiore). À tarde também é possível comprar o one-way com direito a duas paradas, por € 9.

Vernazza

[Vernazza]

VernazzaVernazzaVernazza

[Vernazza]

Barco passando por Corniglia

[Prestes a passar por Corniglia]

Eu achei o percurso marítimo muitíssimo mais bonito do que as trilhas -- e incomparavelmente mais agradável grin Num dia ensolarado, aposto que este vai ficar como um dos passeios de barco mais memoráveis do seu currículo... Há sete viagens diárias (oito no fim de semana); veja os horários aqui (role a página para a tabela completa).

Manarola

[Manarola]

De Monterosso a Vernazza o barco leva 10 minutos. Em 2012 quem descer em Vernazza ainda pegará a cidadezinha em reconstrução. Não tenho idéia de como estão as fachadas do portinho (o mais charmoso da classe); ainda assim, deve valer a pena caminhar 10 minutos morro acima, na direção de Monterosso, para tirar umas fotos do ângulo mais bonito.

De Vernazza a Manarola são 20 minutos, passando ao largo de Corniglia (que fica no alto, lembra? Você começou seu passeio por lá).

--> 4. A PÉ de Manarola a Riomaggiore, pela Via dell'Amore

Via dell'Amore

[Via dell'Amore; Manarola ao fundo]

Manarola-Riomaggiore a péManarola é pequena, porém íngreme. Na praça principal, no alto, você encontra a igreja de San Lorenzo, que é de 1338.

A Via dell'Amore é praticamente uma avenida costeira para pedestres. Daria para ser percorrida em 20 minutos, mas leva mais tempo porque você vai querer tirar muitas fotos -- das duas cidadezinhas, dos penhascos, e sobretudo dos inúmeros cadeados deixados por lá por casaizinhos in love.  A origem do caminho é interessante: foi construído nos anos 20 como uma via auxiliar de segurança para obras de ampliação da galeria ferroviária entre as duas vilas. Terminada a obra, o caminho permaneceu e começou a ser usado pelos moradores. O resto é história -- e declarações de amor...

Via dell'Amore

[Via dell'Amore]

Via dell'Amore

[Via dell'Amore]

Via dell'AmoreVia dell'AmoreVia dell'Amore

[Via dell'Amore]

O calçadão termina exatamente sobre a estação de trem de Riomaggiore -- mas de maneira nenhuma encerre sua visita ali. A cidadezinha se esconde para lá da estação e é adorável, espremidinha na montanha, com escadarias, vielas cobertas e o portinho mais pitoresco das Terre.

Riomaggiore

[Riomaggiore]

RiomaggioreRiomaggioreRiomaggiore

[Riomaggiore]

Caso Riomaggiore seja sua última escala, fique até o pôr do sol -- há cafés e bares próprios para aproveitar o momento. Tendo apenas um dia, no entanto, eu abriria mão do pôr do sol pela próxima etapa do passeio.

--> 5. BARCO a Portovenere

Embarque em Riomaggiore

Riomaggiore-Portovenere de barcoFreqüentemente descrita como "a sexta Terre", Portovenere é uma cidade medieval que floresceu em torno de um castelo que hoje funciona como museu de arte contemporânea.

É sensivelmente menos visitada do que as Cinque Terre.

O barco leva 35 minutos desde Riomaggiore, contornando um costão imponente e desabitado até alcançar o vilarejo, escondidinho na boca da baía de La Spezia, voltado para o sul.

O lugar é um centro produtor de pesto; se estiver no fim da sua viagem, taí um bom souvenir smile

Portovenere também é um bom destino para um passeio de dia inteiro, já que de lá, entre abril e novembro, é possível fazer passeios de barco a ilhotas próximas.

Chegando a Portovenere

[Chegando a Portovenere]

Portovenere

[Portovenere]

PortovenerePortovenerePortovenere

[Portovenere]

--> 6. BARCO OU ÔNIBUS a La Spezia

Portovenere-La Spezia de barcoO barco a La Spezia tem poucos horários, leva 20 minutos e custa € 4. Compre no stand de vendas no portinho.

É possível também ir de ônibus local, que tem mais horários.

A pegadinha é que você precisa comprar a passagem no posto de turismo Pro Loco. Custa € 1,45.

O barco deixa você no porto, de onde precisa caminhar entre 10 e 15 minutos até a estação de trem.

O ônibus leva até a estação.


Visualizar Cinque Terre e arredores em um mapa maior

 

--> ONDE FICAR

As Cinque Terre podem ser visitadas num dia a partir de uma série de localidades. Também é possível dormir numa das Terre, evidentemente. Minha dica é que, não importa a base que você escolha, você passe duas noites -- desta maneira, pode dedicar um dia inteiro ao passeio, sem perder tempo com deslocamento até as Terre, nem o stress de seguir viagem no mesmo dia.

O bate-volta de Florença não é recomendável. São duas horas e meia de trem ou de carro em cada sentido; um passeio com cinco horas totais de deslocamento é um sacrifício.

--> Em La Spezia

La SpeziaLa SpeziaLa Spezia

[La Spezia]

Montei base em La Spezia, cidade portuária imediatamente ao sul de Cinque Terre, a meia hora de trem de Riomaggiore, e ligada às Terre também por barco (via Portovenere). A cidade não tem nada de especial, mas foi exatamente por isso que gostei da experiência mrgreen

Explico: por ter ficado todos o restante dos meus 30 dias pela Itália em cidades grandiosas e/ou fofinhas, foi interessante passar duas noites numa cidade quase não-turística. Cheguei num início de noite, usei o dia seguinte para passear pelas Terre, dormi uma segunda noite na volta. Me hospedei no My One Hotel, bastante confortável (prédio novo, estacionamento grátis, bom café da manhã e internet incluídos). Seu único defeito é não estar muito perto da estação. Para quem não está de carro, é mais negócio se hospedar perto da estação, em hotéis como o Firenze e Continentale, Venezia ou Mary. Jantei muito bem nas duas noites -- uma no excelente bistrô Osteria della Corte, outra na generosa (e baratíssima) cantina La Nuova Spezia.

Como chegar a La Spezia

La Spezia está a 42 minutos de trem de Pisa, 1h05 de Gênova, 1h20 de Lucca (via Pisa), 2h10 de Florença, 3h10 de Milão, 3h40 de Roma,  4h50 de Veneza.

De carro são 78 km desde Lucca, 85 km desde Pisa, 112 km desde Gênova, 150 km desde Florença, 220 km desde Milão, 365 km desde Veneza e 410 km desde Roma.

--> Nas Cinque Terre

Riomaggiore

[Riomaggiore]

A hospedagem nos cinco vilarejos é composta por hotéis bastante básicos, pensões e bed & breakfasts. Pesquise no Booking por hotéis em Monterosso, Vernazza, Corniglia, Manarola ou Riomaggiore. Note que muitos lugares em Monterosso e em Vernazza ainda não reabriram (confira a situação de Monterrosso aqui e a de Vernazza aqui).

Como chegar às Cinque Terre

Monterrosso está a 14 minutos de trem direto de La Spezia, 1h04 de Gênova, 1h10 de Pisa, 2h25 de Florença.

Também é possível chegar às Terre de carro: todas as cidadezinhas são ligadas a uma estrada que passa no alto da montanha. Há bolsões de estacionamento fora das cidades. Monterrosso está a 33 km de La Spezia, 44 km de Portovenere, 100 km de Gênova, 115 de Lucca, 120 km de Pisa, 190 km de Florença, 230 km de Milão e 470 km de Roma.

--> Em Portovenere

Portovenere

Portovenere, a "sexta das Terre" é a melhor alternativa da região para quem quer mais conforto do que o oferecido pelas cinco cidadezinhas, mas não está a fim de encarar La Spezia. A Luisa do Arquivo de Viagens recomenda esta opção. Pesquise também hotéis em Portovenere no Booking.

Como chegar a Portovenere

A cidade está ligada a La Spezia pelo ônibus local 11/P, que em 25 minutos vai do centro histórico de Portovenere à estação central de La Spezia. A passagem, de € 1,45, precisa ser comprada no posto de informações Pro Loco. Entre abril e outubro há também barcos -- seis ou sete por dia, a € 4.

Veja o tempo de viagem de trem a La Spezia desde diversas cidades um pouco mais acima, no tópico La Spezia.

Note que de novembro a março não há transporte de barco às Cinque Terre; hospedando-se neste período em Portovenere você teria que estar de carro ou ir a La Spezia para pegar o trem.

De carro Portovenere está a 14 km de La Spezia, 92 km de Lucca, 97 km de Pisa, 125 km de Gênova, 165 km de Florença, 235 km de Milão e 445 km de Roma.

--> Nas cidadezinhas ao norte das Cinque Terre

Na costa entre Gênova e Monterosso há várias cidades que podem servir de base para o passeio às Cinque Terre -- sempre no mesmo esquema: duas noites, chegando no fim do primeiro dia e aproveitando o segundo sem stress de precisar seguir viagem no mesmo dia. Dessas cidades também dá para dar um pulinho no outro destino cobiçadíssimo da costa lígure, Portofino.

Levanto está a meros 4 minutos de trem de Monterosso; Deiva Marina, a 12 minutos; Rapallo (onde a Lena ficou), a 35 minutos; e Santa Margherita Ligure, o mais importante balneário da região, a 40 minutos.

No verão é possível ir às Cinque Terre de barco, partindo de Portofino e Deiva Marina.

Pesquise no Booking por hotéis em Levanto, Deiva Marina, Rapallo e Santa Margherita Ligure.

Como chegar às cidades entre Gênova e as Cinque Terre

De trem, Santa Margherita Ligure está a 22 minutos de Gênova (2h20 de Milão, 3h20 de Florença); Rapallo, a 3 minutos de Santa Margherita Ligure; Deiva Marina, a 1h06 de Gênova e 3h30 de Milão).

De carro, Santa Margherita Ligure e a vizinha Rapallo estão a 5 km de Portofino, 30 km de Gênova, 70 km de Monterosso, 165 km de Milão, 211 km de Florença e 224 km de Nice, na França.

--> Em Gênova

Hospedar-se em Gênova implica em perder uma hora para ir e outra para voltar do seu passeio em Cinque Terre. Mas se Gênova estiver nos seus planos, montar base por lá faz todo o sentido. (A Carmem e a Ana fizeram isso.) Além de ser uma cidade bacanérrima (pelo que contam; nunca fui), você ainda pode tirar meio dia para dar um rolezito por Portofino, ali perto. Veja dicas de hospedagem em Gênova no Booking; a Carmem e a Ana ficaram no Continental e dão ótimas dicas de restaurantes aqui.

Como chegar a Gênova

De trem, Gênova está a 1h30 de Milão, 1h35 de Turim, 3h11 de Nice, 3h15 de Florença, 4h50 de Veneza e 4h50 de Roma.

De carro, Gênova está a 37 km de Portofino, 145 km de Milão, 170 km de Turim, 195 km de Nice, 230 km de Florença, 410 km de Veneza e 510 km de Roma.

Leia mais:

Os carros desta viagem são alugados com todos os seguros pela Mobility Cars.

O grupo Pestana e as Pousadas de Portugal apoiam esta viagem.

O Mondial Travel é a assistência viagem oficial do #viajenaviagem no projeto Europa de carro.

472 comentários

Sérgio Bizinelli

Olá. Gostaria de me " intrometer" um pouco nessa discussão.
Acho muito interessante essa troca de idéias, com quem viaja ou vai viajar.
Sou leitor do Ricardo Freire, escuto e leio os seus comentários, sempre que possível. São muito bons. Aprendi muito com você, Ricardo.

Tive a oportunidade de viajar à Itália, varias vezes, e gostaria de dar minha modesta opinião.
Já estive em Cinque Terre, há cerca de 10 anos atrás e achei maravilhoso o lugar. Pernoitei em Monterosso e valeu a pena. Fiz todas as cidades de trem, em um dia, o que é muito fácil. Vai parando de cidade em cidade do parque.
Agora, em fevereiro de 2017, estarei indo novamente a Cinque Terre e minha idéia seria fazer de barco. Vou ficar 3 dias em Santa Margherita Ligúria, que é bem perto de Portofino, balneário lindíssimo (os italianos dizem que é o balneário mais fotografado do mundo. Será?).
Alguém tem alguma dica especial pra me dar?
Infelizmente pelo que li, os barcos só estão na ativa a partir de abril. É isso mesmo, Ricardo?

Um ponto interessante que percebi, nas discussões, é de se fazer algumas cidades como base, e fazer o bate e volta. Já tive a oportunidade de viajar assim, e também de viajar fazendo roteiros, onde se vai passando e conhecendo as cidades, sem a perda de tempo, de ir e voltar.
Não tenho dúvidas, que roteiros enxutos, curtos e bem planejadas são muito melhores do que o bate e volta, mesmo com o inconveniente de ter que fazer e desfazer malas e trocar de hotel.
Penso que fazer base em alguma cidade, para conhecer os arredores, é só quando se tem vários pontos interessantes próximos, se possível não mais do que 50 a 60 Km de distância, onde vai se gastar, pelo menos 2 horas de deslocamento. Aí valeria a pena. Senao recomendo ir sempre pra frente. Além do que o bate e volta é muito cansativo.
Na Europa, de maneira geral, se fizermos mais do que 100 km, sem ver alguma cidade interessante, alguma atração turística, de qualquer natureza, ou outras coisas interessantes, é porque estamos deixando alguma coisa para trás.
Respondendo a uma pergunta feita anteriormente, se vale a pena fazer base em Nápoles para conhecer a Costa Amalfitana, diria que NÃO. Além de tudo, é uma cidade meio perigosa.
Sugiro fazer o trajeto desde Nápoles até Sorrento, que é uma bonita cidade, com especial atenção à Amalfi (que dá o nome a costa) e Positano, que são imperdíveis. Não se esqueçam, que a cidade de Pompéia, soterrada pelo Vesuvio, está no caminho.
O melhor seria fazer este trajeto, de carro, devagar ( até porque a estrada é bem sinuosa e estreita), fazendo várias paradas, com vistas deslumbrantes da costa e pegar a balsa para a belíssima ilha de Capri, o que aconselho pelo menos um pernoite.
Desculpe estar me intrometendo na conversa, mas penso sempre ser importante conversar, ler e estudar previamente aonde vamos. O aproveitamento é bem maior.
Deixe-me citar um exemplo de aprendizado, que ocorreu comigo. Fui por 3 vezes no Lago de Garda e só fui saber da lindíssima, e imperdível, Riva de Garda ( fica bem no norte do lago) quando um amigo me falou da cidade.
Como diz o ditado: "Vivendo e aprendendo". Viajando e descobrindo.

Abraço a todos .

Naiara
NaiaraPermalinkResponder

Gente, eu AMO os posts de vocês! Estou usando tudo para programar minha viagem à Itália. As informações são muito bem organizadas, vão direto às necessidades dos viajantes! Adoro! Parabéns!!!

Jordana Thadei

Valiosíssimas dicas. Sinto-me mais segura para preparar um roteiro de Milão a Roma, seguindo as dicas sobre Cinque Terre.

Beto
BetoPermalinkResponder

Muito bom

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Comentar novamente

Atenção: Bóia de férias! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 1º de fevereiro de 2017. Obrigado pela compreensão.

Cancelar