3 dicas para sobreviver à overdose de dicas :-)

  • 0
Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Pont des Arts, Paris

Somos a primeira geração de viajantes que pode ir da ignorância total ao conhecimento prévio absoluto de um destino em poucos dias.

Os folhetos deram lugar aos sites de destinos. Boa parte do conteúdo de guias, jornais e revistas está online. Blogs mostram como são as viagens na prática. Sites de resenhas ranqueiam e classificam todos os hotéis, restaurantes e passeios da face da Terra.

E como se não bastassem todos esses pitacos de gente que você não conhece, ainda tem todos os seus amigos no Facebook e Instagram dando dicas de viagem, solicitadas ou não.

Essa overdose de informação pode pesar mais que qualquer excesso de bagagem. Juntando todos os “É simplesmente imperdível!” com os infinitos “Esse lugarzinho que eu descobri” mais a lista interminável dos “É como ir a Roma e não ver o papa”, acabamos com um roteiro que só é factível com dias de 30 horas.

Ao lidar com essa massa de pitacos, tenha em mente três coisas:

1 | Época e localização são as informações-chave

Indo numa época favorável e se hospedando num lugar conveniente, você estará na pista certa para aproveitar as melhores dicas e fazer suas descobertas. Semplice così.

2 | Para ir além do óbvio você precisa ficar além do tempo regulamentar

Você só vai querer o “lugarzinho” depois de ter visto as atrações convencionais. Pela minha experiência, ninguém desiste de um cartão-postal para conferir uma atração alternativa. Quem deixaria de subir na Torre Eiffel para ir a Giverny? Ou desistiria da fila do Empire State para ir a Williamsburg? Ao aumentar o número de programas, aumente também a duração da escala. Retalhar ainda mais o escasso tempo que você tem só vai gerar cansaço e frustração.

O melhor para lidar com o excesso de dicas não é transformar sua viagem numa planilha do Excel ou numa linha de montagem de visitas em ritmo industrial. Crie pautas do dia: um conjunto de assuntos que merecem a sua atenção. Escolha os programas que vai fazer in loco, considerando condições climáticas, sua disposição e a experiência que você adquiriu depois de chegar. Reserve com antecedência apenas o que precisa de reserva antecipada.

3 | Nada é mais inesquecível do que algo que você não esperava encontrar

Pode notar: os elogios mais derramados e os comentários com mais pontos de exclamação são sempre sobre lugares e atrações que apareceram sem querer no caminho dos resenhadores. (Seguir essa dica que surpreendeu seu amigo talvez não surta o mesmo efeito em você, porque para você já terá sido uma dica, não uma descoberta.)

Crie espaço na sua viagem para a surpresa. Pesquise, mas não engesse demais. A vantagem de estar bem-informado é deixar a sua antena preparada para perceber na hora quando vale a pena mudar a programação.

Originalmente publicado na minha coluna Turista Profissional, que sai toda terça no Estadão.

Leia mais:

85 comentários

Ali
AliPermalinkResponder

O que eu mais amo nesse site são as pensatas e as metadicas. Porque elas são para sempre <3

andre urso
andre ursoPermalinkResponder

Ufa! relaxei!! KKKKKKKKKKKK, mas fora de brincadeira, é incrível como as pessoas estão transformando o prazer de viajar na obrigação de dar satisfação a outras sobre seus paradeiros. E não é nem com dicas ( que considero de utilidade) , mas com um simples check no foursquare ou fotos no Fb e no istagram.

Diana
DianaPermalinkResponder

Concordo 100%. Aí você volta de viagem e algum (intrometido) pergunta: "Não foi no lugar x? Nãooooooooooooo? Ah não, não acredito que você perdeu!" E sua viagem, que pode ter sido maravilhosa, parece que perdeu metade da graça por causa disso, porque faltou um "tem que ir". Eu adoro dar e receber dicas de viagem, porque sempre envolvem uma boa intenção, uma vontade de ajudar... Mas vai de cada um filtrar, ver o que combina com o seu perfil, com o seu ritmo e fazer O QUE QUISER, afinal, são férias!

Patricia B.
Patricia B.PermalinkResponder

E' isso mesmo! Ótimo post e excelentes comentários!

Marcia Palhares

Ah, mas isso é um saco mesmo!!

fla
flaPermalinkResponder

o André falou TUDO!!

como foi difícil manter minha lua-de-mel em privacidade uma vez que optamos por não fazer "transmissão ao vivo 24h"!! recebi comentários do tipo "cadê as fotos??" ou "como tá Paris???"! parece que as pessoas se incomodam pq vc não está fazendo propaganda e resolvem fazer por vc! rsrs...

também pipocaram na minha página do fb dicas com links, imagens e tudo o que tem direito quando eu não tinha a menor intensão de que os menos próximos soubessem onde estava. aí eu me pergunto: pq não mandar email?? pq vc é praticamente obrigado a expor a privacidade num nível que não quer??
e por que as pessoas passaram a viajar PRA postar?? (excessão mais do que justa para os viajantes profissionais, como nosso comandante!)

na minha opinião, tá tudo ficando BIZARRO!

Neusa
NeusaPermalinkResponder

É verdade !!! São muitas dicas..
Já passei por várias fases:
- Excursão (Não sabia quase nada do destino)

- Montar todo o itinerário sozinha, tudo muito detalhado e não ter muitas surpresas, afinal já tinha visto fotos, vídeos, e até o cardápio dos restaurantes na internet

- Atualmente, tento pegar o básico na internet e deixar mais espaço para as surpresas. Ok, posso perder algumas dicas, mas vai ser uma viagem, e não uma confirmação do que vi na Internet.

Obs.: Cá pra nós, estas dicas imperdíveis dos amigos, 95% das vezes só criam uma obrigação de você ter que ir no local.

Bia
BiaPermalinkResponder

Perfeito! Exatamente isso...Eu tenho procurado pegar umas informações importantes e só, pq da última vez tive algumas decepções pq nem sempre tudo saí como nas dicas e nas fotos da internet e/ou dos amigos.
E vamos viajar pelo prazer de viajar e não para postar no facebook!
Boas descobertas para todos nós!

Mel
MelPermalinkResponder

Nossa! Neusa morri de rir qdo li seu post me vi nele. Abs

Ali
AliPermalinkResponder

Muito bom Neusa smile

Sonia Pompermaier

Tirando as excursoes pode ser meu este post!!1simplesmente assim!!!!Otimo Neusa.

Gabriela Neves

Nossa.. muito bom!!!

A primeira vez que fiz uma viagem para o exterior foi justamente pra Paris, e dei "a loca" de planejar tudo nos mínimos detalhes, inclusive com horários de visita aos locais numa planilha do excel!!! Depois desse momento insano de querer ver tudo ao mesmo tempo e mais um pouco, e de segui-lo a risca, percebi que a minha euforia tinha sido tão grande que não tive tempo de relaxar. Agora, depois de mais algumas viagens pra fora, percebi que a minha pesquisa deve ser somente sobre o assencial pra não entrar em roubadas, ou não perder um ponto que queria visitar pq não vi o horário que fechava.

Mas esse tipo de coisas a gente só aprende com o tempo e se descobrindo realmente como viajante.

gisele teixeira

Muito pertinente este post, Ricardo. Para muita gente as viagens se tornaram grandes gincanas, com pouco espaço para o inesperado. Quando a gente relaxa e fica aberto ao "que pode acontecer" é sempre mais interessante.

eva
evaPermalinkResponder

Acho que sou um ponto fora da curva. Presente! para a primeira pergunta, só subi na Torre em minha quinta visita a Paris.:O

Edivaldo Ferreira

Brilhante este post. Concordo com tudo e também pratico.

Rafael Carvalho

Ótimo post! Nada melhor que você encontrar aquele lugar que, "pelo menos pra você", foi você quem descobriu. Não importa se está no Trip Advisor, mas eu cheguei lá e eu descobri. Que bom que outras pessoas já haviam ido antes também smile

Ines Martins
Ines MartinsPermalinkResponder

Graaaaandes verdades!!

" Nada é mais inesquecível do que algo que você não esperava encontrar "

Minha última viagem foi para Buenos Aires. Eu e meu marido havíamos decidido ver/visitar determinados locais mas quando chegamos lá resolvemos "deixar a vida nos levar". Visitamos pontos turísticos? Sim! Mas fizemos também o que nos deu vontade na hora. Virar à esquerda ou direita pra ver o que tinha foi muito gratificante. Na hora decidimos não fazer Colônia (Uruguay) e ir ao Zoo de Lujan. Foi inesquecível! Uma experiência muito legal. Alguém pode até torcer o nariz mas funcionou para nós. Acho que é assim que uma viagem deve ser.

Alemiro Almeida

O item 3 é totalmente verdadeiro pra mim.
Tenho uma tendência a fugir dos destinos onde "todos vão". E um outro item que se poderia acrescentar é que cada um viaja em um determinado estilo. Sendo assim, você pode receber tanto a dica de um restaurante maravilhoso e caríssimo quanto de um boteco que tem um petisco imperdível por centavos... As sensações de descoberta e do nível de imperdibilidade vão também de cada um.

Everton Benevides

Salve Ricardo Freire! Excelente post! Obrigado por contribuir tanto para todos nós viajantes.

Mariana
MarianaPermalinkResponder

Eu acrescentaria uma 4a dica: pensar se o seu perfil e os seus gostos combinam com os das pessoas que te dão dicas imperdíveis. Eu já fui a restaurantes por causa de dicas assim e, chegando lá, sentei, olhei o cardápio, levantei e fui embora. Gostos são diferentes, o meu imperdível não necessariamente é o seu imperdível.

val
valPermalinkResponder

Adoro dicas! e tão bom quanto é saber filtrar o que é bom pra você!

Mon
MonPermalinkResponder

Dica não solicitada é um negócio que me irrita um pouco. Sou ranzinza, ok. Mas tenho que me segurar pra não ser mal educada com aqueles amigos que, descobrindo que vc vai a Paris dizem coisas do tipo "Você tem que ir no Louvre".

¬¬

Não é nem pela imperatividade da dica. O que me irrita mesmo é a obviedade. Louvre, sério? Nossa... se não fosse o meu amigo eu não ia nem saber que existia, né?

Sobre as dicas de verdade, rs, meu segredo é tratar a viagem com humildade. Separo o essencial e encaro como se o resto fosse lucro. Ainda cidades como NY, Londres, Paris e etc são altamente retornáveis. Então eu já invento um retorno fictício pra diminuir um pouco o frenesi dos roteiros, rs.

Ana Luisa
Ana LuisaPermalinkResponder

É mesmo muita informação.

Numa primeira vez, o básico é mesmo indispensável, mas não subi na Torre Eiffel nas duas vezes que fui à Paris, nem fui na Estátua da Liberdade nas duas idas à NYC. Agora planejo ir à Roma, mas sem ver o Papa!

"eu já invento um retorno fictício pra diminuir um pouco o frenesi dos roteiros" - excelente frase. Eu também faço um pouco isso para não enlouquecer.

Joana
JoanaPermalinkResponder

Eu gosto de dicas. Até das óbvias. Mas como de todos os meus amigos, eu sou uma das que viaja pra lugares mais "diferentes", acaba que não tem muita gente me dando mil dicas.
Pelas dicas óbvias eu confirmo se aquilo que é lerê também é fantástico. =)
E dicas que são nada a ver comigo (outlet é uma delas), eu agradeço mas ignoro solenemente. Afinal, pra pessoa X foi um programaço ir às compras por um dia inteiro e ela acha honestamente que está tentando me ajudar.
Eu devo ter sido uma das chatas falando pros amigos pra fazer umas coisas muito loucas em Munique, onde morei ("esquece tudo e vai tomar banho de rio!")

Mon
MonPermalinkResponder

Eu também sou dessas que, não importa o quanto é obrigatório ir no lugar, se não for a minha cara, não vou.
Estão aí outlets, Estátua da Liberdade... já cortei tbm subir na torre Eiffel (vou subir na Montparnasse, de onde dá pra ver a Eiffel, rs).

Lembrei agora das dicas fofinhas do meu avô. São fofinhas pq ele é fofinho e as dicas são desatualizadas. Tipo rua escura e perigosa que agora é super movimentada, restaurante que já fechou... Ele viajou bastante até o início da década de 90, mas agora deu uma brecada, por mil motivos. E bonitinho pq ele meio se empolga super com os planejamentos das minhas viagens

Regis
RegisPermalinkResponder

Eu idem... não encarei aquele bate volta insano para ver a torre de Pisa...

Por outro lado, planejamento é fundamental para evitar perder tempo em filas desnecessárias, ou se deslocar até um museu para dar com a cara na porta...

Joana
JoanaPermalinkResponder

Mon,
seu avô me lembrou minha avó. Não tanto pelas dicas, mas pelas coisas engraçadas e fofas de viagem. Minha avó era semi-analfabeta e começou a trabalhar aos 8 anos. Quando bem mais velha (75), os filhos deram a ela uma viagem a Nova Iorque. Ela, que nunca tinha saído do Brasil amou... a Macy's... =P
Minha tia tinha negociar com ela pra levar no Metropolitan museum, que ela não queria visitar de forma alguma ("a gente vai de manhã lá e depois eu te levo na Macy's"). Hahahaha.
Mas é vó, então eu achei fofinho de qualquer modo.

Joana
JoanaPermalinkResponder

Ah, e só pra completar: hoje em dia eu moro em Nova Iorque e odeio a Macy's...

Mon
MonPermalinkResponder

Eu tbm não gosto da Macy's. Mas minha mãe não sai de lá! rs E olhe que já viajou bastante!

Renata
RenataPermalinkResponder

Eu até gosto da Macy´s, mas não a da Union Square... Aquilo é pior do que Lojas Americanas na véspera da Páscoa!!!! (quem mora no Rio vai entender. Tenho um amigo que mora no interior do estado de NY e a Macy´s que tem lá é uma delícia...

Lendo o posto lembrei da primeira vez q fui a NY. Estudei tudo. Mapa do metro, atrações, roteiros. Combinei com a minha irmã o primeiro passeio, vi qual era a linha do metro a pegar, onde descer. Tudo na ponta da lingua. Mas não me preparei foi pra estação do metro. Quando descemos a escada e demos de cara com aquele monte de placas indicando inúmeras linhas e saídas ficamos tontas... Mas acabamos acertando.

Marcia Palhares

Eu ia esquecer tudo e tomar o banho no rio, com certeza, Joana!!

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

Também estou numa fase que me irrita bastante dicas não solicitadas. Leio muito dos destinos que vou, converso com pessoas que tenham o meu perfil e que foram pros mesmos lugares, mas tem gente que abusa!

Diogo Avila
Diogo AvilaPermalinkResponder

Simplesmente GENIAL!
Às vésperas de uma nova viagem caiu como uma luva de inspiração, pois revisitarei dois destinos e pretendo justamente ver coisas que não pude ver antes.

Candida Silva
Candida SilvaPermalinkResponder

Eu também sou dessas que inventa retornos fictícios...As cidades estão lá e devem continuar lá por mais umas centenas de anos, e eu acredito na minha longevidade!

Jéssica Venerável

Adorei o post, principalmente porque sou dessas que nem gostam de avisar a todos (tipo publicar aos quatro ventos) que vou fazer a viagem X para evitar certos "pitacos". Pesquisar é importante para evitar problemas básicos como uma gafe cultural, documentação, etc... mas o que é um passeio imperdível ou não é uma coisa mt pessoal. Quando tenho uma dúvida pergunto e pronto. smile

Nívia
NíviaPermalinkResponder

Este lance de viajar para competir me lembra aquele pessoal que curte 17 países em 15 dias... Não dá para viajar como se estivesse correndo uma maratona, mas sou meio neurótica para ir sem nenhuma programação, ao sabor dos ventos... Acho que auto-conhecimento é o que mais importa, pesquisando se pode perceber o que realmente interessa para o seu jeito de ser e assim poder se encontrar (e se estranhar) mais nas viagens. Deixando um tempinho para os imprevistos e mudanças de rota de última hora, é claro!

Mauricio
MauricioPermalinkResponder

Muito boa a crônica! Gostei especialmente da parte do Excel (confesso que sou adepto, mas para anotar endereços, números, enfim, dados que a cabeça não tem mais a capacidade de guardar, rsrsrs...). Eu particularmente gosto das dicas, porque em geral viajo com minha esposa a sós e a maior preocupação é evitar furadas. Costumo sim fazer um roteiro bem detalhado, com o maior número possível de coisas que há para se fazer no destino, mas com a consciência de que faremos apenas o que der tempo, sem correria - afinal, para nós o ato de viajar tem que ser pura diversão e não uma obrigação.

-- A.L.
-- A.L.PermalinkResponder

Eu pertenço à minoria, acho, que não se importa em cabular um lerê obrigatório por outra atividade. Já fiz isso algumas vezes e voltei sem culpa pra casa.

Gosto de dicas, muitas, não como itens de uma "lista de coisas a fazer", mas como informação que me ajuda a ter um repertório de possibilidades no destino que visitarei. Leio muito, pesquiso muito ANTES de viajar, e quando chego ao destino, em geral já tenho um leque de alternativas - para tempo bom ou ruim, para dia de pouco cansaço ou mais light etc.

Os trips aqui no VnV em geral são mais versados na arte de dar dicas. Amigos e conhecidos às vezes não dão dicas, mas tentam te empurrar uma obrigação de repetir o roteiro deles. Psicologicamente, isso é interessante. Alguns são tão incisivos no "você TEM de visitar lá e PRECISA ir ali" que tenho a impressão de que, subconscientemente, estão projetando sua frustração de nào terem tido tempo de ver tudo o que queriam nos outros - "se eu não pude ver, então você também não pode, senão ficarei perdido no seu retorno quando você tiver assunto e fotos de um lugar onde eu não pude ir, como quero participar de toda a conversa pós-viagem, por favor só vá onde eu fui.

Algo que eu aprendi a fazer, por exemplo, é não ficar subindo em mirantes e plataformas de observação com tempo nublado. Pode ser famoso, mas fazer esse tipo de programa com neblina e céu fechado sempre reduz o fator WOW. O Riq comenta sobre isso quando se refere à visitação de piscinas naturais de corais no oceano...

Ines de Carvalho

Minha dica pra completar todas as dicas que vc recebe de todos os especialistas de plantão, é simplesmente dizer que FOI, no caso da viagem já ter acontecido... ou dizer que vai sem falta, no caso de ser uma futuro destino!
Eu uso muito as dicas que vou buscar sozinha! E quase nunca uso dicas "imperdíveis",

Daniel Conceição

Muito legal esse texto!

Quando tenho muitas informações sobre atrações, divido em 3 categorias:
1- As que quero muito ver; 2- As que quero ver; 3- As que vejo, se der.
E meus dias não devem ser cheios de coisas. Sempre procuro ter um tempinho pra ficar de bobeira, caminhar sem rumo e descobrir coisas!
E não entro em desespero se não ver tudo o que queria, pois acho que isso também faz parte.
O stress tem que ser mínimo e o prazer máximo!

Carolina Gomes

Ric, por essas e outras que sou sua fã! smile

Bruna Barbosa
Bruna BarbosaPermalinkResponder

O melhor post de vocês nos últimos tempos! Ficar um pouquinho a mais é sempre a melhor pedida e só assim dá tempo de fazer tudo planejado e ainda ter tempo de se surpreender! Um beijo!

Regina Alcoforado

Gosto muito de ler todas as dicas antes de ir a algum lugar, entretanto quando estou lá
curto da melhor maneira que achar. Vou a muitos dos lugares indicados e a outros nao. Fui duas vezes
a Paris e em nenhuma delas visitei o Louvre, fui ao Vaticano e tb nao vi o Papa.
Acho que viajar quando estamos de ferias e para aproveitarmos do jeito que quisermos sem nos preocupar
com nada.

Eliana
ElianaPermalinkResponder

Quando escolho o destino, pesquiso muito, tiro conclus?es e faço as minhas próprias escolhas. Pitaco na minha viagem, só se for solicitado! O FB nem fica sabendo das minhas andanças e Instragram eu nem tenho. De qquer forma, adoro ajudar quem me procura pedindo opinião. Na ficção ou no coração eu também sempre me programo prá voltar.

mauro nogueira

Procuro pesquisar sempre muito para fugir às "roubadas".
Isso é o que mais me interessa. O resto é deixar fluir ...

Dalva
DalvaPermalinkResponder

O maior problema das dicas sao os hoteis. A gente le dezenas de dicas no Trip Advisor sobre determinado hotel, considerado excelente. Ai reserva , volta para o site e escolhe ler aqueles comentarios que consideram o hotel pessimo ( para ir se preparando para o pior) e ai a gente nao sabe mais se fez certo em reservar! Por que a gente e assim?

Maria das Graças

Dalva, selecione as dicas dadas por pessoas da sua faixa etária. E mesmo assim tenha senso crítico para selecionar as dicas que podem ajudá-la a fazer uma boa escolha. Essa é uma fase onde a preguiça tem que ser deixada de lado. Um bom hotel para mim é parte importante para o sucesso da viagem. É a fase mais difícil para mim.

-- A.L.
-- A.L.PermalinkResponder

Dalva, nenhum hotel é perfeito. A hora de ler reviews é antes de fazer as reservas.

Eu interpreto resenhas negativas assim:

- reviews com um monte de reclamações difusas: quase sempre ignoro, trata-se de gente que teve algum problem e resolveu criticar absolutamente tudo por raiva ou desgosto ou decepção. Há também os casos de quem espera serviços personalizados em um hotel econômico

- reclamações objetivas de funcionalidades e serviços: levo muito a sério reclamações como "água não estava aquecida" ou "acesso à Internet não funcionou no quarto" ou "estacionamento estava lotado apesar de terem garantido vaga". Problemas específicos repetidos são sinal de alerta e facilmente me fazem desistir do hotel.

- críticas a itens fora do controle do hotel: nem leio. Hotel não tem como controlar o clima, garantir a presença de hóspedes disposts a fazer amizades com outros hóspedes (já li críticas assim), ou então ser criticado por problemas no aeroporto

- críticas subjetivas ao staff: tento ponderar. Dizer que a recepção não é amigável pode significar coisas diferentes. Tento verificar país e faixa etária dos reviewers, já que diferneças culturais podem influcenciar as percpeções.

José
JoséPermalinkResponder

No Tripadvisor começo procurando preço e localização. Depois leio as opiniões. Levo em consideração o número de opiniões para o "rating", depois o número de opiniões negativas x positivas. Se ultrapassar 10%, investigo melhor.

Thiago Pinheiro

Seguindo uma dica sua, desisti da fila do Empire State para pegar uma menor no Rockafeller. Não me arrependo nem um pouco, pois como você disse, no Empite State é o único lugar de Manhattan onde não é possível vislumbrar o Empire State. =)

Martha
MarthaPermalinkResponder

Sensacional!!!! Estou totalmente mergulhada em uma overdose de informacoes, com direito a planilha e tudo....Gosto de evitar imprevistos e por este motivo gosto de pesquisar bastante. Acho importante a pesquisa, pois por exemplo, farei minha primeira viagem a europa e visitarei Portugae Italia, e nao diante de tanta riqueza historica, seria um pecado nao estar informada sobre os museus, monumentos, etc....mas concordo que e preciso reservar espaco p ara as surpresas.

Simone
SimonePermalinkResponder

Excelentes pontuações!! Confesso que me sinto perdida querendo tomar nota de tudo relacionado no momento a NY aqui no blog....como é minha primeira viagem pra lá e nao faço pacotes, dá trabalho organizar tudo com objetivade...rs
Mas todos os outros destinos que fui e montei o roteiro deu bem certinho...cansa mas vale a pena!!
Tudo pesquisando por aqui...e no fim das contas, a gente faz o que realmente a gente quer e prefere pois gosto é gosto e cada um tem seu perfil de viagem...
Mas "garimpar" as dicas é o maior desafio de todos! wink

Lili-CE
Lili-CEPermalinkResponder

O mais importante na hora de dar ou filtrar dicas recebidas é o perfil do viajante, sem dúvidas. Adoro bater perna nas cidades e troquei Giverny (que quero MUITO ver) por um roteiro a pé pelo Marais, por exemplo, só em razão do mood do dia. Viagem é assim. Você precisa estar confortável nela. Itália, pra mim, é top na Europa, mas não vi o papa e nem pretendo ver. Além do gosto, tem o background, o conjunto de experiências das pessoas. Amo o Louvre, fui duas vezes, irei sempre que tiver mais de 3,4 dias em Paris, mas consigo entender quem não curte museus. Às vezes destinos são gestados na cabeça da gente por conta de um livro ou de um filme, não dá pra esperar que o outro que não leu o mesmo livro que vc tenha o interesse despertado da mesma forma. Não tem mesmo como comparar.

Cassiana
CassianaPermalinkResponder

Adoro ler, planejar a viagem, viver a cidade antes de estar lá, com o Riq aprendi a Viajem a Viagem!!! Gosto de receber dicas e filtro o que gosto.....gostei da dica de não dar dicas....vou me policiar......

Marcelo
MarceloPermalinkResponder

Parabéns a quem consegue viajar sem planejamento e fazer suas próprias descobertas. Eu não. Ainda mais porque eu sou o "guia" da minha família. Sou eu quem tem que fatiar o roteiro para satisfazer interesses diferentes. Sou viajante 1.0 mesmo. Aliás, se todo mundo é viajante 2.0, por que afinal batem ponto nesse site?

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Marcelo, aqui tem gente é 2.0, 3.0, 4.0... por que a gente volta por que ama viajar e essa tripulação é maravilhosa, o Riq é um fofo e consegue reunir tanta gente boa!
Já fui à Paris 6 vezes e nunca fui a Giverny. Um dia vou. Sou adepta da planilha para mudar as coisas de lugar antes de viajar e riscar para dizer que não fui quando estou lá. E agora estou na fase da viagem - toda vez que digo que vou a Assis, alguém me fala de uma cidadezinha linda que fica a 1km... vamos decidir lá o que fazer, a depender de como o dia corra. Planejar um pouco, deixando espaço para o que vier, é o segredo de uma viagem perfeita, para mim.

clarissa
clarissaPermalinkResponder

Olá! Amei as Dicas! Estou indo pela primeira vez à Europa e tenho pego mtas dicas pela internet de locais para ir, etc. No começo fiquei meio apreensiva pelo fato de haverem mtos detalhes para fechar mas já relaxei. Acho que no fim tudo dará certo e estou bem naquele clima de curtir um dia de cada vez, aproveitar pra namorar, andar e andar... Mas sei que em algumas cidades que vamos há passeios imperdiveis, então quero tomar as precauções corretas para não perdê-los. Vc falou que devemos reservar apenas os passeios que necessitam de reservas e tb há aquela furada de fila que se pode fazer em alguns lugares, então queria q Vc me desse uma luz: nossa viagem será no período de 15 a 31 de outubro, em Milão, paris, berna, interlaken, Roma, Florença, Veneza e Verona, quais os lugares que devo fazer reserva? Será que nessa época precisarei fazer estas Reservas?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Clarissa! Seu roteiro está corridíssimo. Você precisa estabelecer prioridades. Veja: http://www.viajenaviagem.com/2010/07/europa-quantos-dias-em-cada-lugar/

Recomendamos sempre reservar hotéis e transportes com antecedência para aproveitar promoções e não perder tempo de viagem resolvendo coisas que podem ser feitas de casa, pela Internet smile

clarissa
clarissaPermalinkResponder

já reservei os hotéis e já tô quase fechando os transportes. Eu estava querendo saber se nessa época tenho q já reservar o museu do vaticano, Louvre, eiffel, versailles, e pontos turísticos nas outras cidades....Entendeu?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Clarissa! Vale a pena comprar passes ou fazer reservas para furar fila nesses lugares. O Ricardo Freire ensina como fazer aqui: http://www.viajenaviagem.com/2009/07/como-furar-fila-legalmente-em-museus-e-monumentos-na-europa-e-nova-york/

clarissa
clarissaPermalinkResponder

Com relação aos dias, sei q vai ficar um pouco corrido: Milão: 2; Paris: 4; Roma: 2, Florença: 3; Veneza:1, interlaken: 2, Berna:1. Estou pensando em inverter a qntde de dias em Roma e Florença. Será que vale a pena esse dia em Berna? Ou será melhor colocar este dia em Veneza pra ficar 2 lá?

-- A.L.
-- A.L.PermalinkResponder

clarissa, visite Bern como um day-trip desde Interlaken, se for o caso. Evita necessidade de uma troca extra de hoteis.

Esses números que vc colocou são dias inteiros, ou noites? Se forem noites, seu roteiro está absurdamente corrido, e vc passará uns 40% do tempo diurno se deslocando de um lugar para outro.

Você pode alterar a ordem da viagem também para reduzir o vai-e-vem: Paris-Bern/Interlaken-Milano-Venezia-Firenze-Roma

Eu eliminaria uma das cidades italianas para deixar tudo menos corrido.

Clarissa
ClarissaPermalinkResponder

Oi, A.L e Bóia!
Obrigada pelas dicas!
Se fosse vc, vc iria pra quais lugares?
Não dispenso Paris e Interlaken pq quero ir aos Alpes Suíços. Infelizmente, tenho que terminar em Milão pq a passagem chega e sai de lá...Aceito sugestões! smile

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Clarissa! Estamos com o A.L. A Europa não vai sair do lugar.

Livia
LiviaPermalinkResponder

Mais pura verdade: as surpresas fazem a viagem!
Eu adoro roteiros, adoro conseguir fazer tudo que planejei. Mas sempre o que mais bate o coração foi o restaurante que você entrou porque estava chovendo, ou o museu que só foi porque o passe da cidade dava direito

petter
petterPermalinkResponder

Poxa, esse "Nada é mais inesquecível do que algo que você não esperava encontrar" resume tudo mesmo. De que adianta viajar e não ser agradavelmente surpreendido?

Mirella (@mikix10)

"Crie espaço na sua viagem para a surpresa.Crie espaço na sua viagem para a surpresa." ... não precisa dizer mais nada!!!
Amei o post Riq...

roseli
roseliPermalinkResponder

Otimo post. Parabens. Aproveitando as dicas.Sera que posso comprar passagem pela vietnam airways direto do site deles daqui do Brasil?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Roseli! Este post é sobre overdose de dicas, não é sobre dicas específicas.

Por favor refaça sua pergunta num post pertinente, como http://www.viajenaviagem.com/category/sudeste-asiatico .

Natália M Gastão - Ziga da Zuca

Mas respondendo a Rosely, eu consegui comprar.

Tatiana Wolff
Tatiana WolffPermalinkResponder

Excelente post! Rindo muito aqui com o duelo Torre Eiffel x Giverny! Eu escolhi Giverny! kkkk
Mas é claro que vi a Torre de diferentes pontos, só não subi...
Cada vez mais viciada nisso aqui! smile

Natália M Gastão - Ziga da Zuca

Tô tão nessa vibe! Tem uma hora que a gente lê tanto sobre o destino, que chega a saturar, no final bate até uma insegurança de estar fazendo tudo certo... Quando na verdade não exite o tal "Tudo certo". Estando bem localizados e com algum tempo disponível, a gente consegue aproveitar e se virar bem!
E concordo com a Neusa, as dicas não solicitadas acabam virando uma certa obrigação de ir no local. Ai... É viagem, não reunião de trabalho né? Tem que relaxar!
Adorei o post!

Flavio
FlavioPermalinkResponder

-"Quem deixaria de subir na Torre Eiffel para ir a Giverny? Ou desistiria da fila do Empire State para ir a Williamsburg? "
Resposta: "eu ... mas não exatamente assim"
- Então como?
Na realidade .. seguindo a dica de número 3: "Crie espaço na sua viagem para a surpresa. Pesquise, mas não engesse demais."
Mais ou menos isso smile

RaphinadasBlog

Gente,
Eu adoro overdose de dica! Significa que temos muito material a nossa disposição para escolhermos, para nos preparar antes da viagem. Isso deveria já fazer parte da viagem, não?
Na realidade, acho que em língua portuguesa ainda tem espaço para se falar ainda sobre muitos destinos. No mais, cada olhar mostra um lugar de uma maneira.
Agradeço muito por todas as dicas que recebi. Já descobri tanto lugar interessante e especial por dicas no instagram, aqui e nos blogs! Eu adoro essa cultura de troca, e acho que quando a pessoa diz "você tem que ir", por exemplo, é só retórica. Não é para levar a sério.
Na vida e nas viagens é preciso ter olhos para ver e coração para escolher (selecionar), simples assim.

Camila
CamilaPermalinkResponder

Também gosto!

Monique
MoniquePermalinkResponder

São exatamente esses detalhes que diferenciam o turista do viajante.

Denise
DenisePermalinkResponder

Pessoa que faz planilha se apresentando! Mas não nesse sentido aí que o Ric colocou. Eu faço para distribuir no tempo as atrações que quero ver, exatamente pra checar se não estou colocando coisas demais no roteiro e também para incluir os horários das atrações, já que algumas fecham em determinados dias da semana (principalmente museus).

Mas quase nunca sigo à risca a planilha. Acabo invertendo passeios. Num dia de sol, melhor fazer aquela caminhada ou passeio no parque; deixando o museu para o dia seguinte, quando pode chover...

Mas eu amei o post. Acho que respeitar seu jeito e seu estilo é fundamental. Ric como sempre arrasando!

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Acho que uma das coisas que mais em estressa atualmente é são comentários do tipo: "ah, mas já que você vai a Amsterdan, não perca Bruges"...oi?
To planejando uma viagem pra Tailândia no final do ano e já ouvi várias vezes:" mas ir até lá e não passar pelo Camboja, Laos, Vietnam, etc...é um crime" Oi? De novo!
Eu vou pra TAILÂNDIA! Nada mais. Mas precisa ser forte para resistir.
Acho que essa coisa de pitacos pode te levar para uma super furada, que é uma viagem cheia de pinga-pingas (detesto).

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Foi um "é" mais na primeira frase. Sorry

Norma Teixeira

Muito sensato. Me coloca na realidade. Tem me facilitado a montagem do meu roteiro. Obrigada

Erika Dias
Erika DiasPermalinkResponder

Nem queiram saber o que foram os palpites depois da minha viagem a NY; uma maratona, tentando cobrir o que poderia para uma PRIMEIRA viagem. Cheguei literalmente morta de cansaço, tanto que dormi antes de o avião de volta levantar voo. Mas um colega ainda achava pouco: "se fosse eu, nem dormirianos dias da viagem". Outro disse que alugaria uma carro para conhecer Manhattan por um dia. Adiantou dizer que não se dá rolê de carro por Manhattan???? Mas é assim mesmo: para muita gente, ainda que você tenha feito 999.999 coisas na sua viagem, sempre vai ser mais importante justo aquela única que você não fez...

Marcelo Gerin
Marcelo GerinPermalinkResponder

Como alguns comentaram, viajar é lazer e depende do ritmo, gosto e bolso de cada um. Sigo uma regra básica atualmente, a de não dizer a amigos (e somente a poucos familiares) que estou de partida para algum destino, exatamente para evitar os palpites dos "lugares imperdíveis", o que vc não "não pode deixar de ver" e "os restaurantes incríveis". Busco algumas informações de apoio e vou em frente, sem a obrigação de "ticar" este ou aquele cartão postal por obrigação! Abraços a todos e embarque imediato pelo portão 14. wink

Ėlide Queiroz

Ricardo, você disse tudo neste post. Acabei de voltar de uma viagem inesquecível da Itália. Com base em um roteiro de vocês fiz algumas adaptações e deu tudo super certo. Só tenho a agradecer!! Me tornei sua fã e seguidora. Um grande abraço. Élide

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar