30 dias em Portugal, III: Porto, Coimbra, Sintra e Lisboa (por Silvio)

  • 0
Viaje na Viagem
por Viaje na Viagem

Porto

Porto

Texto e fotos | Silvio Carlos Cury

O incrível Silvio, leitor do Viaje na Viagem, fez um grande giro de carro por Portugal, ao lado de sua esposa Simone. Foram 30 dias no país, em um roteiro fabuloso que incluiu o Algarve, o Douro e a Serra da Estrela. (Os primeiros relatos podem ser vistos aqui e aqui.) Quer saber como terminou essa aventura? Vai pelo Silvio:

Na parte final da nossa viagem a Portugal, realizada em 2013, conhecemos as regiões do Porto (19 a 22/09), Coimbra (22 e 23/09), Sintra (23 a 25/09) e Lisboa (25 a 29/09).

Porto

3 pernoites

Chegamos ao Porto no final da manhã. Aproveitamos o dia para caminhar pelo centro da cidade. Fizemos três pernoites, ou seja, tivemos dois dias “full” para conhecer parte das suas atrações. Um dia a mais deixaria o passeio quase completo. Àqueles que têm muita energia, três pernoites parecem ser suficientes. Durante a nossa permanência nosso carro ficou estacionado na garagem do hotel. Usamos o transporte coletivo (ônibus, metrô e trem), fizemos ótimos roteiros caminhando, e também pegamos táxi. Parece ser a forma mais prática de se deslocar na cidade do Porto e Vila Nova de Gaia. Muitos dos monumentos ficam próximos e na região central.

Ficamos no Hotel Teatro: muito bom, com ótima localização, atendimento excelente e instalações modernas. É um hotel construído num antigo teatro e mantém esse conceito em todas as instalações. Recomendo esse hotel na cidade do Porto.

Como passeios, sugiro:

Um dia de caminhada e visitação a várias atrações: no início da Av. dos Aliados, visite os Paços do Concelho; é possível entrar e observar a arquitetura. Desça pela avenida e aprecie a linda arquitetura dos prédios. Na altura da Igreja dos Congregados (Rua dos Clérigos), dobre à direita, vá em direção à Igreja dos Clérigos e visite a torre. Seguindo em frente, conheça o Centro Português de Fotografia (Campo Mártires da Pátria). Descendo, passe pelo mosteiro São Bento da Vitória (localizado na Rua São Bento), Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto – não é o mesmo que o Museu do Douro (Rua de Ferreira Borges) e siga para o Palácio da Bolsa (na mesma rua). Aproveite seu restaurante, que é muito bom. Caso tenha disposição para continuar o passeio, você está perto do Cais da Ribeira, é só continuar descendo.

Ponte Luís I e Cais: antes de se aventurar pela cidade é preciso saber que o Rio Douro separa as cidades do Porto e Vila Nova de Gaia, que estão ligadas por duas pontes: a Luís I é a que interessa aos turistas. Pode fazer a travessia tanto pelo piso superior como inferior. Para paisagens, entardecer e fotos, o piso superior é fantástico. Sem dúvida, os dois passeios são interessantes e devem ser feitos. Há um funicular que transporta os passageiros de um nível para o outro. Fica no lado esquerdo da ponte, na cabeceira situada na cidade do Porto. Aproveite o final de tarde para passear sem pressa e observar o sol desaparecendo no poente e, aos poucos, as luzes de Gaia e do Cais da Ribeira (Porto) substituírem a luminosidade. Aproveite os restaurantes e depois caminhe pelo piso inferior da ponte até um dos bares (são mais simpáticos no Cais de Gaia) para tomar um bom vinho do Porto e apreciar a paisagem do outro lado do Douro. Tanto no Cais da Ribeira como no de Gaia são inúmeras as escolhas para almoçar e jantar.

Estação de São Bento, no centro da cidade: é um lugar interessante pela arquitetura. De lá partem os comboios regionais. Fomos visitar Aveiro de trem a partir dessa estação. Caso tenha tempo, é um passeio interessante. Chegando em Aveiro você pode visitar o centro histórico e pegar o ônibus de turismo (hop-on hop-off) e conhecer os principais pontos (inclusive as praias). Há passeios de barco pelos canais da cidade.

Sé do Porto: da temos uma vista muito bonita de parte da cidade do Porto.

Cave Graham’s: no alto de Vila Gaia, aproveite e admire o Porto. Enquanto espera o início da visita pode conhecer um pequenino museu e assistir um vídeo com a história do grupo Symington, proprietários da marca. Possui o maior dos estoques de vinhos do Porto - 7.000.000 de litros. Ressalto a impressionante adega de Portos Vintage e o espaço para provas, bonito e aconchegante. Um detalhe interessante da prova é ser feita em mesas com uma luz branca por baixo dos copos, o que permite confirmar claramente as nuances de cor entre os diferentes tipos de vinhos. Para além das provas, incluídas na visita, o winebar propõe alguns pacotes de menus de vinhos. Possui um restaurante. Fazer reservas pode ser necessário. Fomos de táxi e voltamos de ônibus de linha. Informe-se no centro da cidade. Essa dica foi fornecida pela Suca. Certeira.

YellowBus: hop-on hop-off com vários roteiros. Acredito que o melhor, pela distância a ser percorrida, é o circuito Porto dos Castelos. Evidente que para aqueles que apresentam dificuldades para caminhar muito, outros circuitos estão disponíveis. Duração do passeio: meio dia ou mais, caso queira conhecer o Museu do Queijo, Matosinhos (cidade) e a sua igreja. Em Matosinhos encontrarás uma variedade enorme de restaurantes.

Passeio noturno: Fizemos esse passeio indicado pela Suca, com algumas variações, e adoramos.

Majestic Café

Majestic Café

Restaurantes e cafés no Porto:

  • Majestic Café: vale pela beleza arquitetônica, qualidade da alimentação e atendimento. Vá sem pressa, especialmente em um final de tarde.
  • Vinhas D’Alho: escolha um local onde a vista seja bonita e deixe o tempo passar. Almoce com calma e aprecie a paisagem.
  • Restaurante do Hotel Teatro: uma grata surpresa. Optamos por ele após um dia exaustivo.
  • Armazém do Caffe: saboroso e com uma variedade imensa de cafés decorados. Lanches e canapés fazem parte do acompanhamento.
  • Restaurante 5 Oceanos (Matosinhos): uma das várias opções para comer frutos do mar. Muito bom.

Coimbra

Universidade de Coimbra

Universidade de Coimbra

1 pernoite

Saímos pela manhã do Porto e rumamos através da A17/A14 em direção a Figueira da Foz. Viagem tranquila e gostosa. Após uma rápida visita, fomos para Coimbra. Distância total percorrida: 220 km. Em Coimbra fomos passear no imenso campus da universidade. Bonito e organizado. Tivemos a grata surpresa de assistir uma apresentação do grupo Imperial, formado por acadêmicos da Faculdade de Farmácia. Boa música e canto. Fazem estas apresentações como forma de ganhar uns trocados. Continuando o passeio, nos dirigimos à Biblioteca Joanina e à capela. Vale caminhar pelas instalações próximas, no próprio pátio. Na sequência caminhamos no centro da cidade e fomos ao Café Santa Cruz assistir um show de fado (início às 18h). Dizem que os fados de Lisboa e Coimbra têm histórias distintas. Conhecemos parte do Parque Verde do Mondego. Local aprazível e bem cuidado. Jantamos no Restaurante A Portuguesa. Bom atendimento e a localização é excelente. Fomos descansar para no outro dia viajarmos para Sintra.

Ficamos no Vila Galé, bem localizado e agradável. Boa relação custo/benefício. Desjejum variado.

Sintra

2 pernoites

A viagem até Sintra foi muito bonita. No caminho conhecemos Batalha, Alcobaça e Óbidos. Nosso trajeto foi feito pela A8 e percorremos 170 km.

Mosteiro de Batalha

Mosteiro de Batalha

O Mosteiro de Batalha é simplesmente maravilhoso. Tempo de visitação: 2 a 3 horas. Em Alcobaça, outro mosteiro é a principal atração turística. Achamos o Mosteiro de Batalha mais interessante. Em Alcobaça, não resistimos e compramos uma baixela de cerâmica pintada à mão. Linda. A loja fica no lado esquerdo do mosteiro, perto de uma lanchonete.

Óbidos

Óbidos

Óbidos

Seguimos viagem em direção a Óbidos. A principal atração turística é o Castelo de Óbidos, uma das sete maravilhas de Portugal. Achamos uma maneira prática de visitar o castelo: alugamos um mini carro elétrico na sua entrada. Acertamos em cheio. Você fica à vontade: estaciona o veículo, transita por ruelas e faz os principais passeios. Reserve pelo menos duas horas.

Quinta da Regaleira

Quinta da Regaleira

Seguimos em direção a Sintra para ficar duas noites. Já era início de noite quando chegamos. As principais atrações são a Quinta da Regaleira e o Palácio da Pena. Sem dúvida você consegue visitá-los em um dia.

Esquematize o horário. A Regaleira, independente da época do ano, abre às 10h. A última entrada acontece entre 17h e 19h, conforme a época do ano. Entre no site para verificar se há shows. Deixe o carro no centro histórico e faça uma breve caminhada até a Quinta.

O Palácio da Pena é muito bonito. Caso queira fazer os principais passeios reserve pelo menos quatro horas. Mesmo estando de carro, estacione no centro histórico de Sintra e pegue um ônibus de linha que vai até a sua entrada. O horário de funcionamento do Palácio é das 10h às 18h15 (último horário para a venda de bilhetes).

Quero fazer três indicações de restaurantes: o Apeadeiro, a Tasca do Manel e o Restaurante Regional de Sintra (ao lado da Câmara Municipal). Para provar doces típicos, travesseiros e queijadas de Sintra, vá à Casa Piriquita.

Reservamos um dia para conhecer algumas atrações nos arredores de Sintra: Cabo da Roca (o ponto mais ocidental do continente europeu) e Cascais (Boca do Inferno, calçadões e lindas paisagens). Nos perguntamos por que não ficamos hospedados em Cascais. Cidade mais movimentada, praiana e com algumas atrações interessantes. Poderíamos, a partir dela, visitar Sintra. Estoril, com o seu famoso casino, é continuação de Cascais.

Em Sintra, ficamos no Casa Miradouro, o pior hotel durante a nossa viagem. A propaganda não condiz com a realidade. Péssima localização e atendimento. Instalações antigas.

Lisboa

4 pernoites

Quero lembrar que na chegada em Portugal, por orientação do Alexandre Bezerra (grande figura, o Alex), ficamos uma noite na região do Parque das Nações, no hotel Olissipo Oriente. Como nosso voo chegou pela manhã, aproveitamos o dia para iniciar a nossa adaptação ao fuso horário. Apesar do cansaço, não dormimos e aproveitamos para conhecer a redondeza. O Alex acertou em cheio. Chegar de viagem e pegar uma estrada seria contraproducente. Descrevi este primeiro dia na parte 1 desta série.

Lisboa

Lisboa

De volta a Lisboa, no final da viagem, ficamos no Altis Avenida Hotel: fantástico, com boa localização e atendimento. Desjejum variado e de qualidade. Foi o hotel mais caro e, por isso, a relação custo/benefício não foi boa. Mesmo assim recomendo.

Dicas: carro em Lisboa, nem pensar. Cuidado com as segundas-feiras, muitos museus fecham as suas portas neste dia.

O que nós fizemos em Lisboa:

Uma noite para o show de fado: na Mesa de Frades. Estabelecimento pequeno. Servem um pequeno jantar com duas opções de pratos. Adoramos. Fado puro e da melhor qualidade. As portas do local fecham no início e só reabrem após o término da apresentação.

Mosteiro de Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos

Um dia para visitar a Torre de Belém, o Padrão dos Descobrimentos, o Mosteiro dos Jerónimos e a confeitaria Pastéis de Belém: nesta sequência. Compre o conjunto de ingressos na bilheteria da primeira atração que visitar. Pegue o Elétrico 15E na Praça da Figueira, Praça do Comércio ou Cais do Sodré. Desça na parada Torre de Belém. Caminhe um pouco, visite o monumento e siga caminhando até o Padrão dos Descobrimentos. Após a visita, no calçadão, há uma passagem subterrânea até o mosteiro. Caso se interesse por história, faça uma visita guiada.

Pastéis de Belém

Belém

Finalmente, ao lado, há a confeitaria Pastéis de Belém. Vale a pena esperar por uma mesa e apreciar os verdadeiros pastéis, na sua origem. Acreditem, após uma bela caminhada, um pouco cansados, comemos dez pastéis. Simplesmente deliciosos. Vi alguns turistas comprando para levar. Apreciar o local faz parte do passeio.

Azeitão

JM Fonseca

Um dia para visitar a região da Serra da Arrábida (Cabo Espichel) e Azeitão: tivemos o Alex como guia. Belo passeio! Visitamos S. Simão Arte, de azulejos decorativos, e a vinícola JM Fonseca (produtora do vinho Piriquita). O Alex nos levou ao Restaurante Ó Manel, não turístico e saboroso. A visita à fábrica de azulejo artesanal é muito interessante. Inclusive funciona como escola para artesãos de outros países. Parece ser a última existente. Você pode ser convidado a amassar a argila. Um relato interessante desta região você encontra neste post.

Um dia para passear de Elétricos e visitar algumas atrações: caso use o elétrico para várias subidas e descidas nas diversas paradas, compre o passe diário. Pegamos o Elétrico 25, na Praça do Comércio, e fomos até o seu ponto final em Campo Ourique (pertinho da casa de Fernando Pessoa), mesmo ponto final do Elétrico 28. Optamos por este percurso para garantir um bom lugar, sentados. Subimos no 28 e percorremos os bairros históricos Chiado, Baixa e Alfama. Descemos no Miradouro da Graça onde observamos uma bela paisagem do Tejo e Castelo São Jorge. Continuamos o nosso passeio percorrendo as ruas até o Castelo de São Jorge. Bela caminhada. Recomendamos. Após a visita continuamos o passeio até a Catedral da Sé e Praça do Comércio.

Miradouro da Graça e Elevador Santa Justa

Vista do Miradouro da Graça e do elevador e Santa Justa

Meio dia, poderia ter sido um dia completo, para passear pelo centro: elevador de Santa Justa e na sequência caminhar pelos bairros Alto e Chiado. São 45 metros de subida. O Chiado é a região mais “cult” de Lisboa. Há muitas coisas para se fazer por estas bandas. Um relato completo e atualizado você encontra no Matraqueando.

Uma noite para caminhar até o Cais do Sodré, passando pelos bairros Alto e Chiado: desde o Altis Hotel a distância percorrida é pouco menos de 2 km. Na volta, táxi ajuda. Outro meio de locomoção é pegar o metrô no Rocio e descer na estação Cais do Sodré. Você perde o passeio por outros lugares.

E para fechar...

Para finalizar, “causos” engraçados do jeito de ser do povo português. Em todas as situações demos muitas risadas:

Cidade do Porto: estávamos caminhando à procura da Estação São Bento (comboio). Perguntei a um garoto se ele sabia onde ficava. Respondeu prontamente: “Sim!”. Fiquei aguardando que me orientasse como chegar lá. Eu olhando para ele e ele para mim. Como nada aconteceu, continuei e perguntei: “Onde fica?” Ele respondeu, apontando com o dedo: “É aquela lá, no outro lado da rua.”

Cidade de Lisboa: caminhando pelo centro, estávamos à procura de um endereço. Perguntei a um senhor que estava na porta de uma mercearia: "Boa tarde, o senhor pode me informar onde fica a Rua Augusta?" Ele, muito gentil, respondeu, apontando o dedo indicador: "Está vendo aquela rua ali?" Eu, já agradecendo, respondi: "Estou, tão perto...!" Ele respondeu: "Não é aquela, o senhor deve continuar a andar três quadras e virar"...!

Minha mulher somente come carne bem passada. Eu, ao ponto. Como o prato servia duas pessoas, pedi para que cortasse a peça de carne ao meio e fizesse as duas partes conforme o gosto de cada um. Serviram os dois pedaços no mesmo prato e colocaram sobre a mesa. Ela perguntou: "Qual é o pedaço bem passado?" O garçom: "Pois, é o pedaço que está mais perto da senhora!" Outra boa gargalhada.

Região do Douro: Parei para abastecer o carro e me chamou a atenção o fato de em uma das bombas estar escrito "diesel verde", a um preço bem menor. Perguntei ao funcionário do posto: "Por que é chamado de verde?" Ele, entre um sorriso, respondeu: "Pois, é por causa da sua cor". Insisti: "Tudo bem. Posso usar no meu carro?" Ele respondeu: "Não, o seu uso é permitido para máquinas agrícolas". Rimos muito da situação.

Cidade de Sintra: Tenho por hábito aceitar sugestões de garçons antes de decidir qual prato vou escolher. Pergunto sobre a matéria-prima. A carne, o pescado, a massa. No restaurante perguntei: "Como está o 'borrego'?". O garçom respondeu: "Penso que está bem, embora esteja morto e pronto para ser comido". Não tive dúvida, pedi o prato e estava delicioso.

Hahahaha! Obrigadíssimo pelo super-relato dessa superviagem, Silvio!

Leia mais:

17 comentários

Cândida Silva

Ahhhhh! Amo Portugal! Minha segunda pátria... Lendo os relatos do Silvio bate uma saudade. Felizmente, amanhã embarco pra lá, mas antes visito Praga e Viena. Depois, passo 10 dias no Porto, com direito a Festa dos Silva durante o feriado de Páscoa. Contando as horas... Parabéns, Silvio, pela belíssima viagem. Obrigada por compartilhá-la conosco.

Sergio Guilherme Moraes de Souza

Silvio,
Você emocionou-me com os relatos e as fotos. Temos dupla cidadania). Amamos Portugal e sua gente, em especial o Porto, onde minha filha está fazendo Pós doutoramento em engenharia química. pensamos um dia mudarmos para lá.

LÚBIA SCLIAR ZILBERKNOP

Excelente a matéria sobre Portugal. Eu adoro Portugal e viajar de carro é outra coisa! Se a pessoa gosta de dirigir, se organiza com mapas ou GPS, e se está num país com um trânsito bem sinalizado,não há pacote turístico nem excursão que substitua esse tipo de viagem.

RABUGENTO
RABUGENTOPermalinkResponder

Não percebi se "comeu uma francesinha" no Porto.

Silvio Cury
Silvio CuryPermalinkResponder

Olá Rabugento, comemos "as francesinhas" e adoramos. Valeu pela lembrança. Abraços.

Silvio Carlos Cury

Cândida, lembrei de você e as suas dicas quando o ricardo bolou aquele blog sobre a minha viagem ao Douro. Aproveite a reunião familiar. Sergio, Portugal é simplesmente fantástico. Lúbia, realmente nada substitui a liberdade de viajar por conta própria às excursões. Abraços.

Suca
SucaPermalinkResponder

A Graham's é mesmo fixe, Sílvio. Em breve espero estar de volta ao Porto e é certo estar lá mais uma vez. Abraço,
Suca.

Arruda
ArrudaPermalinkResponder

Em Portugal é chamado gasóleo verde aquele que é usado exclusivamente na agricultura, em máquinas agrícolas.É mais barato por ser subsidiado, daí o facto de ser corado de verde para não seja usado por outros veículos fora do setor agrícola. Quem for apanhado a usar este tipo de gasóleo sem ser agricultor, é severamente punido.

Raimundo Campos

Sílvio, parabéns pela bela viagem. Li com sofreguidão as três partes do relato de sua viagem. Estou planejando uma viagem similar e peço sua ajuda com três informações:
1)Você reservou todos os hotéis aqui do Brasil ou foi reservando durante a viagem?
2)Na locação do carro com a Eurorentlei fizeste o seguro com redução de franquia ou não vale a pena?
3)O carro era a gasolina ou diesel?

Silvio Cury
Silvio CuryPermalinkResponder

Olá Raimundo.
1) Todas as reservas foram feitas antecipadamente.
2) Líquen o carro com CC que cobre a franquia. Independente deste fato, somente faço o seguro com a cobertura de franquia se vier como promoção.
3) O combustível era diesel.
Abraços.

Erica Karg Bastazini

Adoramos seu relato, orientou muito a mim e meu marido que logo estaremos passeando por Portugal

Regina
ReginaPermalinkResponder

Parabéns Silvio pelo planejamento é ótimo relato.

sedaildo
sedaildoPermalinkResponder

Silvio
Gostei muito dos seus comentários, pois pretendo fazer este roteiro no próximo ano começando pelo Porto, visto que já conheço Lisboa e Fátima. Foi bastante objetivo e nos transmite a sensação de tranquilidade em fazer esta viagem.

José Neto
José NetoPermalinkResponder

Olá Sílvio!
Muito boas dias!
Estou em Porto e fui jantar no restaurante que você recomendou, o Vinhas D’Alho !
Foi sensacional, além da excelente comida e do ótimo atendimento, de quebra curtimos ao vivo um show de Fado, no local!
Noite perfeita, obrigado pela dica!

Silvio Cury
Silvio CuryPermalinkResponder

Olá José, ficamos felizes e ao mesmo tempo com saudades deste lindo país. Aproveitem.

Jamile bicharra

É uma iguaria da terra do Porto a francesinha é um sanduíche maravilhoso.

Geraldo Luiz
Geraldo LuizPermalinkResponder

Sílvio, eu e uma amiga estamos viajando na semana que vem para fazer esse seu roteiro em 30 dias. As suas dicas foram preciosas para montar os percursos e selecionar os hotéis. Vamos comentar aqui depois o que achamos e dar algumas outras dicas pelo caminho. Obrigado.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar