Maldivas: escolha seu paraíso, parte I (por Bruno Vilaça)

  • 0
Viaje na Viagem
por Viaje na Viagem

Niyama

Niyama

Texto e fotos | Bruno Vilaça

O Bruno Vilaça, que comanda a agência capixaba Superviagem, acaba de voltar de mais um destino incrível: as ilhas Maldivas. Sua missão foi conhecer algumas das luxuosas opções de hospedagem desse arquipélago que é o sonho de 10 entre 10 casais em lua de mel. As resenhas ficaram tão detalhadas que dividimos o relato em duas partes. Deleite-se com este primeiro capítulo, em que o Bruno dá algumas dicas práticas para visitar as Maldivas, e conta sobre o hotel Niyama e o complexo Anantara:

Falar das Maldivas é fácil, basta juntar todos os seus melhores adjetivos, todas as palavras de suspiro e o texto estará pronto. Quando Deus (ou Alá?) criou esse paraíso, o azul estava em alta na cartela do Pantone: você provavelmente nunca viu tantos tons de azul em um único enquadramento, até mesmo à noite, quando a lua cheia te faz descobrir novas nuances inimagináveis. Coisa linda de ver!

Chegar às Maldivas já foi bem mais difícil; hoje são quatro as ótimas opções de voo saindo do Brasil: Emirates (via Dubai), Turkish (via Istambul), Qatar (via Doha) e Etihad (via Abu Dhabi). Os preços, que já foram estratosféricos, hoje são apenas caros. E não há a menor chance de dizer que não vale a pena, garanto. Já rodei muito por esse mundo, mas poucos lugares me surpreenderam tão positivamente, mesmo com toda a expectativa que já era altíssima.

Niyama

Niyama

O clima é bastante estável, sempre quente e úmido, com temperaturas entre 25 e 29 graus durante todo o ano. A estação seca vai de outubro a março, mas mesmo na época das monções (de abril a setembro) é grande o número de turistas que se aventuram no paraíso, já que é exatamente quando os hotéis oferecem descontos de até 50% (especialmente em junho e julho). Fique sossegado, o povo de lá garante que as chuvas costumam ser rápidas e não estragarão as férias de ninguém, mas de qualquer forma tenha certeza que mesmo em dias nublados você será (muito) feliz, como eu fui.

São mais de 100 hotéis nas Maldivas, cada um deles em uma ilha privativa. Olhando na internet todos são lindos, com praias de areia branca, mar azul-calcinha e aqueles fotogênicos bangalôs sobre as águas. Onde é melhor se hospedar? Pois então, essa pergunta vale um milhão e a resposta vai depender: a) do tipo de férias que você está procurando; b) da sua companhia e se viaja com crianças; c) do seu orçamento, obviamente.

O ponto está aí, a diferença de preço entre os hotéis costuma ser gritante e a decisão do quanto investir na viagem dos sonhos te demandará uma pesquisa muito minuciosa e/ou a ajuda de um especialista. Um bom agente de viagens será essencial para seu sucesso, acredite em mim. wink

Viajamos no último carnaval a convite da rede tailandesa Minor Hotel Group, grande parceira da Superviagem, que recentemente comprou os hotéis Tivoli no Brasil. Sinal de coisa boa vindo por aí.

Niyama: um playground natural

Hidroavião

Hidroavião

Pilotos descalços e de bermuda te esperam logo atrás do aeroporto internacional para te levar até o hotel, que fica a 45 minutos ao sul de Malé, numa tranquila viagem de hidroavião. A chegada ao hotel rende suspiros e gritinhos de euforia. Nossa primeira parada foi no hotel caçula da rede, o auto-suficiente Niyama.

Niyama

Niyama

É um hotel feito para contemplação, com tudo no seu devido tempo e ideal para longas estadias. Vibrante, com uma combinação bem pensada de tranquilidade e diversão. A simpatia de todo o staff é contagiante, que é uma verdadeira torre de babel asiática. Easygoing e free-style, até as muçulmanas de burca parecem se sentir bastante à vontade. Aliás, os principais mercados do hotel são Oriente Médio, Rússia e China.

Ponte entre as ilhas

O hotel se esparrama por uma área longilínea e bem ampla, que proporciona paisagens bem distintas em cada canto. Os jardins são exuberantes, com um trabalho de paisagismo impecável. São 135 quartos divididos em duas ilhas ligadas por uma pequena ponte.

Play

Ilha Play

Uma ilha, batizada de Play, é o coração do resort, com toda a estrutura para famílias, inclusive um belo kids club, e atividades diárias por toda parte, para todas as idades – ioga, beach soccer, tai chi, simulador de golf, oficina de drinks.

Ilha Chill

Ilha Chill

Já a ilha Chill, com sua piscina própria, tem clima mais sereno e descolado, ideal para casais.

Tudo é muito novo, moderno e com equipamentos de última geração, como carregadores USB por toda a parte, TVs touchscreen e pulseiras que funcionam como chaves dos quartos.

Studio

Banheiro

Piscina e banheiro do studio

Brasileiro tem fama de gostar de bangalô sobre as águas, mas eu gostei mesmo foi dos Beach Studios, em meio aos jardins e com saída direta para a areia da praia, alguns também com piscina privativa. O banheiro é genial: a céu aberto – e lindo.

Pavilion

Suíte Pavilion

As suítes Pavillion, consideradas algumas das melhores das Maldivas, são perfeitas para famílias, com até 3 quartos e muita privacidade. Tem até telescópio para curtir o céu maldiviano mega estrelado, como poucos lugares do mundo.

Na sua vila haverá sempre máquinas de nespresso e de pipoca como cortesia, e a água mineral também é servida a vontade. Diariamente o seu Thakuru, que é como eles chamam o mordomo por lá, deixa no frigobar um sorvete artesanal de boa noite que é divino.

Atividades aquáticas são as mais diversas: mergulho, snorkel, kitesurf, jet-ski, pesca, SUP e caiaque. Não falta opção pra ninguém.

Spa

Spa

O spa tem cabines de tratamento sobre as águas, abordagem holística e atmosfera zen – onde você é recepcionado com opções delicinhas de sucos detox.

A boate SubSix fica 6 metros abaixo do nível da água. Já o novo restaurante Nest, 6 metros acima do solo, em uma estrutura que lembra aquela casa na árvore dos seus sonhos infantis. Genial! Aliás, são muitas as opções de restaurantes, para os mais diversos gostos, mas a qualidade da gastronomia ainda precisa evoluir para acompanhar o altíssimo nível do restante do hotel.

Café da manhã

Piscina

Piscina

As piscinas são grandes (mas sem muvuca) e com bom atendimento de bar. Cocos são oferecidos como cortesia, e em cada espreguiçadeira já deixam pra você uma cestinha com uma garrafa de água e um spray de água termal. Chique.

Anantara Veli, Anantara Dhigu e Naladhu: se 1 é bom, 3 é demais

Anantara

Anantara

Nossa próxima parada foi o interessantíssimo complexo Anantara, localizado 40 minutos ao sul de Malé em lancha rápida, formado por três hotéis com perfis distintos em três ilhas independentes e interconectadas. A proximidade proporciona algo incomum nas Maldivas, a possibilidade de curtir a infra de outro hotel que não o seu. E por isso adorei o custo x benefício, uma espécie de promoção “Pague 1, Leve 3”.

Naladhu

Naladhu

O Naladhu é o mais chique; são apenas 20 enormes residências, com inacreditáveis 300 metros quadrados (!) cada. Super exclusivas, localizadas estrategicamente do lado do pôr-do-sol e com vistas desimpedidas para o mar turquesa.

Todos os dias, na hora exata do pôr-do-sol, seu mordomo tocará a campainha para oferecer alguns drinks e canapés. Nada mau. O seu jantar também pode ser preparado por um “personal chef” no deck da sua residência à luz do luar. Nada mau também. Não precisa nem falar que cada casa tem sua própria bela piscina.

Com clima tranquilo e elegante, privacidade é a palavra de ordem por lá e você raramente se encontra com outros hóspedes. Aliás, Naladhu no idioma maldiviano significa ‘ilha bonita’ -- nada mais apropriado.

Anantara Veli

Anantara Veli

Ao lado, o Anantara Veli é adults-only e conta com 76 quartos, quase todos sobre as águas com aquela paisagem padrão de cartão postal das Maldivas. O clima é de uma simplicidade muito elegante, se é que você me entende.

Restaurante japonês

Restaurante japonês

Relativamente pequeno, tem como trunfo sua consistente gastronomia. São três restaurantes: um ótimo japonês, um internacional e o carro-chefe, o tailandês Baan Huraa, onde tivemos uma das melhores refeições da viagem. Lindo ambiente sobre as águas, com iluminação indireta e muitos detalhes orientais, o que tornou nosso incrível menu degustação uma experiência ainda mais prazerosa. Provamos um surpreendente vinho branco da Tailândia e aprovamos, assim como o escandaloso pot-pourri de sobremesas.

Quick massage

Quick massage

No café da manhã você é recebido por tailandesas para uma quick massage nas costas e na cabeça. O buffet, apesar de muito amplo, não perde o charme e agrada a todos os paladares.

No spa você é recebido por um médico indiano que após uma amistosa conversa lhe indica os melhores tratamentos, que seguem a linha ayurvédica. Já de volta ao Brasil recebi um e-mail dele com dicas de refeições saudáveis e sucos detox, apropriados para minha composição corporal. Muita delicadeza.

Pôr do sol no Anantara Veli

Fizemos aulas privadas de yoga no nascer do sol e de TRX no pôr-do sol, que nos custaram US$ 25 por pessoa e valeram cada cent. Fique ligado e não perca o horário do cinema sob as estrelas, quando uma tela de projeção é armada bem próxima da areia da praia.

Anantara Veli

Bangalôs no Anantara Veli

Você pode se sentir um pouco incomodado com a alta densidade de ocupação dos bangalôs sobre as águas, que ficam muito próximos um dos outros. Por isso dê preferencia para a categoria deluxe overwater bangalow ou ocean pool bungalow, que foram meus favoritos.

Anantara Dhigu

Piscina

Praia e piscina no Anantara Dhigu

Já o Anantara Dhigu é o maior hotel do complexo, com 110 quartos e clima animado. A piscina é bem movimentada e um DJ coloca um som alguns decibéis acima do que é normal nas Maldivas. Muitas famílias e jovens casais dominam o ambiente. Definitivamente é um hotel para não ficar parado.

Anantara Dhigu

Uma rede de 20 metros, estrategicamente instalada no meio da água, é disputadíssima para selfies de casais apaixonados.

Spa

Spa

O spa tem pegada mais fashion, com foco em relaxamento e beleza, e está localizado em lindos bangalôs overwater.

Restaurante

Restaurante

O restaurante Sea Fire Salt, especializado em grelhados e carnes nobres, serve um pitoresco churrasco gaúcho uma vez por semana. Já o italiano Terrazzo serve massas caseiras em ambiente intimista. Ao lado, o Dhoni Bar fica aberto até depois da meia noite, coisa rara por essas bandas. O público do complexo é 60% europeu, por isso costuma-se jantar cedo por lá.

Mergulho

Mergulho

O centro náutico do complexo está aqui, o Aquafanatics, que oferece uma gama extensa de atividades como pesca, mergulho com cilindro e contemplação de golfinhos. As aulas de snorkel, por exemplo, custam US$ 55 por pessoa, quando um barco te leva até os recifes localizados 15 minutos distante do hotel. Atividades como caiaque e stand-up paddle são oferecidas como cortesia.

Anantara Dhigu

Bruno Vilaça viajou pela Superviagem a convite do Minor Hotel Group.

Leia mais:

17 comentários

Rachel
RachelPermalinkResponder

Que post inspirador! <3 O destino está no top da nossa listinha e claro que favoritamos enquanto sonhamos com ele!

Camilla Kafino

Assim é covardia com os outros três destinos que estão na disputa para a comemoração do próximo aniver de casamento smile

val
valPermalinkResponder

é muito mundo pra pouco tempo ( ou $$$) wink

Gustavo - Viajar e Pensar

Ixpetáculo Bruno

Já dá para pensar em segundo casamento assim wink

Espero um dia também pular neste Marzão aí

@GusBelli

Lu
LuPermalinkResponder

UAU!!!
Saudades desse lugar maravilhoso!
Belo post, Bruno!
Aliás, vc tem mto bom gosto p/escolher seus destinos!!
Estou louca prá "viajar" na parte II
Parabéns!

Danuza
DanuzaPermalinkResponder

Excelente post e lindíssimas fotos!! Buno Vilaça/Superviagem+Viaje na Viagem = Parceria nota 10!!! wink

Amanda Lago
Amanda LagoPermalinkResponder

Babando muito e esperando ansiosa pela parte II.

Mônica
MônicaPermalinkResponder

Que sonho!! Esperando a parte II...

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

ArraZZou Bruno !
Sou super fã dos Anantara e o Veli foi feito pensando
em mim wink

Cândida Silva

Eu iria me sentir Rhycka e Phynna em qualquer desses hotéis!

jean santos
jean santosPermalinkResponder

Sensacional!!!! Parabéns! Lugar perfeito. Agora falta um post com uma pegada mais barata. Abraços.

Majô
MajôPermalinkResponder

Luuuxo total Bruno !!! Leva eu smile

marina
marinaPermalinkResponder

qdo sai a parte 2?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marina! Esta semana.

Carol Borba
Carol BorbaPermalinkResponder

Oi Bóia! Oi Bruno!
Amei o relato! As Maldivas é tudo de bom! smile Estou escrevendo no meu blog sobre o local. Estive em lua de mel e na época tive um pouco de dificuldades de achar dicas...fiz toda a viagem por conta, pois até os agentes de viagem que consultei ficaram meio perdidos... razz Se for útil, segue o meu endereço: www.carolnaweb.com
Bjoos

Fernando
FernandoPermalinkResponder

Bom dia Bóia!
Olá, alguém sabe me informar se tem serviço para guardar bagagem no Aeroporto de Abu Dhabi?
Pois irei para Maldivas e devido a restrição nos Hidroaviões gostaria de deixar 2 malas para o resto da viagem nos Emirados...
Alguém já teve essa experiência?!
Obrigado!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fernando! Em vez de ficar esperando uma resposta da internet, que pode inclusive não estar atualizada, entre em contato com o hotel. Eles precisam dar essa informação para todos os hóspedes e já sabem qual é o melhor esquema. Provavelmente haverá algum guarda-volumes em Malé. Você não é o primeiro hóspede do hotel a enfrentar esse problema.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar