Alcântara: como fazer o bate-volta desde São Luís (e por que vale pernoitar)

  • 0
Ricardo Freire
por Ricardo Freire

post36-sup2016

Alcântara

Da primeira vez que estive em Alcântara, pirei. Tive a certeza de que estava na mais dramática e misteriosa de nossas cidades históricas -- a um só tempo bem-conservada e em ruínas, habitada porém deserta. Como assim?

Alcântara

As ruínas parecem ter sido espalhadas pela cidade por um cenógrafo: aqui fica bem uma. Aqui nesse canto vamos pôr duas, meio que conversando. E ali na frente dessa igreja restaurada vamos colocar o esqueleto dessa casa, para contrastar.

Alcântara

Alcântara

Alcântara

Alcântara

Que diferença para a decrepitude do centro histórico de São Luís! Quando você olha para um prédio caindo aos pedaços em São Luís, você sente raiva dos seus contemporâneos, que deixaram as coisas chegarem a esse ponto. As ruínas de Alcântara, no entanto, não inspiram maus sentimentos: são dignas, imponentes, e ainda oferecem graciosamente suas portas e janelas vazadas como molduras ready-made para as fotos de quem passe. Não dá para imaginar que ficaram assim por descaso. Parecem mais vítimas de uma praga que acometeu umas construções e outras não. Não foi assim?

Alcântara

À medida que o sol apontava para o alto, porém, o meu entusiasmo ia diminuindo. A cidade é compacta, mas qualquer deslocamento sob 40ºC é penoso. Ao meio-dia todas as sombras batem em retirada e deixam você desamparado no meio da rua. O sol é tão inclemente que não tem pena sequer das suas fotos, que vão ficando mais e mais lavadas.

Alcântara

Alcântara

Qualquer outra cidade histórica teria uma ruazinha com botecos enfileirados, mas Alcântara... peralá. Alcântara não é qualquer cidade histórica. É a mais dramática e misteriosa das cidades históricas, lembra? Deixamos isso combinado no início do texto. Certa está ela em não desvirtuar seus paralelepípedos com guarda-sóis laranja da Schincariol. Se tem alguém errado aí somos nós, os turistas, que insistimos em visitar a dona da casa bem na hora da sesta.

Alcântara

Foi então que -- ainda naquela primeira vez -- eu decidi que, quando voltasse a Alcântara, voltaria do jeito certo. Voltaria para pernoitar. Para ter um teto na hora do sol mais forte. E para ver a cidade à noite.

Alcântara

Quase dez anos depois, eu voltei, agora para dormir. E foi incrível. Quando o sol finalmente baixou, depois da última lancha partir (parece que ele espera de propósito a última embarcação partir para só então baixar), Alcântara sai da toca. E então você descobre que não, Alcântara não é uma cidade cenográfica. As crianças voltam da escola, as mulheres vão às compras, as motocas começam a zunir pelas ruas.

Alcântara

Alcântara

Ver gente na rua foi tão desconcertante que esqueci do plano que eu tinha feito para o entardecer: arrumar um barqueiro para me levar a um ponto de revoada dos guarás. (Acho que vou precisar voltar outra vez, agora para ficar duas noites.)

Alcântara

Alcântara

As ruínas de Alcântara, contudo, passam a noite tão solitárias quanto atravessaram o dia. Ficam lá, teatralmente iluminadas, prontas para brilhar no instagram de turistas que foram embora cedo demais.

Como chegar em Alcântara

As embarcações para Alcântara saem do cais da Praia Grande, junto ao centro histórico, pela manhã. O horário exato varia de acordo com a maré. A viagem leva 1h20 e custa R$ 15 (junho/2017).

Lancha para Alcântara

Iate Luzitana

O barco ('iate') Luzitânia, que é de madeira, é a única embarcação que informa seus horários pela internet (clique aqui). Suas saídas são no início da manhã, com volta normalmente no meio da tarde. O Luzitânia aceita reservas por WhatsApp (+5511/988-691-062).

O catamarã Lua Nova, que é de fibra de vidro, também sai de São Luís pela manhã. Confirme horários pelo tel. 98/991-112-657.

O barco ('iate') Barraqueiro, de madeira, é o único que sai à tarde de São Luís e volta de manhã de Alcântara. Confirme horários pelo tel. 98/991-585-834.

Deixe para comprar a volta em Alcântara (vai ser mais fácil escolher o horário mais conveniente para os seus planos).

O que fazer e onde comer em Alcântara

Casa de Cultura Aeroespacial

Casa de Cultura Aeroespacial

Dá para esquadrinhar a cidade histórica em menos de duas horas; depois de vencer a Ladeira do Jacaré, que leva do cais ao topo da colina, o único obstáculo à sua visita será o sol alto.

Algumas oportunidades interessantes de pegar uma sombra aparecerão no seu caminho. O Museu Histórico de Alcântara ocupa um casarão aristocrático numa das esquinas da Praça da Matriz, em frente ao Pelourinho e à majestosa ruína da igreja de São Matias. Mais adiante na rua Grande, a Casa do Divino registra a maior festa da cidade, que se realiza 40 dias depois da Páscoa. Depois da igreja do Carmo, suba na direção oposta ao mar e você vai dar na praça da igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos; o casarão azul-celeste à sua direita é a curiosa Casa de Cultura Aeroespacial, um museuzinho feito à mão que explica o funcionamento da Base de Lançamentos de Alcântara e tem como principal atração um foguete exposto no quintal.

Se ficar até o fim do dia, negocie no cais um passeio de barco ao pôr do sol para ver a revoada de guarás. Fretar um barco sai em torno de R$ 150 (julho/2016); você achará outros companheiros para o passeio.

Alcântara

Restaurante Cantaria

Restaurante Cantaria

Para almoçar, a melhor pedida é o Cantaria, que serve um peixe na telha com molho de camarão e três arrozes (branco, de mariscos e de cuxá). Fica no finzinho do beco da rua Pequena, em frente à igrejinha do Desterro, com vista para o sino da igreja e para o mar.

Restaurante Bela Vista

Restaurante Bela Vista

Eu jantei no restaurante da Pousada Bela Vista; é fora de mão (vá de mototáxi) mas vale a pena. O carro-chefe da casa é a pescada amarela com camarões graúdos.

Doce de espécie

Doce de espécie

Não saia da cidade em hipótese alguma sem experimentar o doce de espécie, um híbrido entre bolo e biscoito de coco que só se encontra por lá.

Onde ficar em Alcântara

Maison du Baron

Maison du Baron

Para ficar bem no centrinho, a melhor pedida é a Maison du Baron; se você for com mochila, dá para ir a pé desde o atracadouro (menos de 10 minutos de caminhada).

Pousada Bela Vista

Bela Vista

A Bela Vista fica a 10 minutos de caminhada do centro, e tem uma pequena piscina. Ao chegar e partir, use táxi; para ir à cidade, dá para ir a pé (à noite, volte de mototáxi).

Já a Pousada dos Guarás fica na praia; é indicada para quem vai ficar pelo menos duas noites (assim você aproveita o segundo dia inteiro de praia). Ao chegar, ao partir e à noite você vai precisar de táxi. (Veja o relato da Patricia Camargo no Turomaquia.)

Alcântara

Leia mais:

post36-rod2016-07

10 comentários

Ronaldo Giusti

Tantos anos morando em São Luís e nunca fui a Alcântara! Fiquei com vergonha agora.
Mas minha mãe sempre trazia doce de espécie quando voltava de lá grin

Luciane Pinto Ribeiro

Alcantara é uma das cidades mais incríveis que visitei. Possui, além da belíssima arquitetura, histórias de paixões, desterros e mistérios. Contratei um guia e isso para mim foi fundamental para compreender a importância das ruínas, das igrejas e da geografia local. O "doce de espécie" é uma joia rara. Alcantara é inesquecível.

Patricia
PatriciaPermalinkResponder

Brigaduuuu pela indicação do Turo smile

Eliane WIEDERKEHR

Alcântara é realmente inesquecível. Tb quero voltar e pernoitar. Adorei ler a reportagem e relembrar. Grata

Gloria
GloriaPermalinkResponder

Desde que li o livro de Josué Montello, Noites Sob Alcântara, fiquei encantada pela cidade.

Com certeza quando for conhecer São Luís, ficarei pelos menos uns dois dias nesta belíssima cidade.

alcântaraZap
alcântaraZapPermalinkResponder

Bom dia, para horário de viagens, temos um novo app: alcantarazap no play store.
gratuito.

Ivana Braga
Ivana BragaPermalinkResponder

Viajo amanhã cedo pra Alcantara pra conhecer a Festa do Divino Espírito Santo, e também aproveitarei desfrutar das belezas naturais dos arredores. Gratidão por este relato, me deixou em ótima vibe para esta aventura.

JOBSON GUSMAO
JOBSON GUSMAOPermalinkResponder

parabéns pelas fotos e as informações

Marina
MarinaPermalinkResponder

Olá! Quantos dias pra conjugar com os Lençois?

Obrigada,

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marina!

Veja o nosso guia:
http://www.viajenaviagem.com/destino/lencois-maranhenses

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar