10 perguntas sobre o Oasis of the Seas

O show aquático

20 andares, 15 decks abertos à circulação, 2.700 cabines, 24 elevadores, 6 mil passageiros, 2 mil tripulantes: é possível gastar uma página inteira apenas recitando os números do Oasis of the Seas, o maior navio de passageiros da história. Estatísticas e cifras, porém, não conseguem explicar como é, afinal, viajar no novíssimo meganavio. Estive a bordo do cruzeiro pré-inaugural no fim de novembro e conto tudo o que você queria saber, mas não tinha para quem perguntar.

Central Park à noite1 | É o maior navio de passageiros já construído. E daí?
Daí que a diferença do Oasis of the Seas não é propriamente o tamanho – mas o que fizeram para aproveitar suas superdimensões. Enquanto todos os outros navios são um bloco sólido com piscinas no convés, o Oasis foi desenhado com dois grandes vãos, que criam áreas ao ar livre em decks baixos.

Da minha cabine no deck 11 eu precisava descer três níveis para passear no Central Park, uma praça com arbustos e plantas de verdade, situada no centro do navio e ladeada por bares, restaurantes e lojas.

Se descesse mais dois deques chegaria à Boardwalk, uma passarela na popa que imita um píer de praia na Califórnia, com direito a carrossel de cavalinhos, quiosque de donuts e barracão de frutos do mar. Um nível abaixo, a Royal Promenade – corredor de restaurantes, cafés e lojas, com layout que remete à ala gourmet de um bom shopping center – tira proveito da clarabóia construída em meio ao jardim do Central Park, que faz a luz natural chegar às profundezas do deck 5.
Essas novidades mudam a relação entre passageiro e navio e fazem o Oasis parecer um bicho à parte no seu bioma.

2 | Diz uma coisa: não é muita gente, não?
É. Mas a diversidade de espaços – alguns até aconchegantes – faz as multidões se dispersarem naturalmente em nichos. A dinâmica é mais de cidade grande do que de megashow.

3 | Balança muito?
Nadica. Leve Dramin apenas por excesso de zelo.

4 | Tem muita confusão para embarcar e desembarcar?

O embarque é organizadíssimo: o terminal exclusivo da Royal Caribbean no porto de Fort Lauderdale, a meia hora de Miami, tem quase tantos guichês quanto uma ala do aeroporto de Guarulhos. O meu cruzeiro não fez paradas, então não posso avaliar o que acontece nas escalas. As primeiras resenhas publicadas no site CruiseCritic.com, no entanto, não mencionam transtornos.

5 | As cabines são grandonas também?
As cabines comuns não são propriamente grandes: têm entre 14 e 17 metros quadrados, mas são bem equacionadas: todas têm sofazinho de dois lugares e bancada de trabalho. O wifi é perfeito (mas é cobrado). Há lofts de dois andares e megassuítes do tamanho de bons apartamentos.

A grande novidade são as cabines com vista interna, para o Central Park e para a Boardwalk, que custam mais caro do que as com vista para o mar.

6 | O que está incluído e o que é pago à parte?

Café da manhã, almoço e lanchinhos estão incluídos em diversos restaurantes, cafés e quiosques em todo o navio. O jantar só está incluído no restaurante principal (o Opus), no buffet Windjammer e na pizzaria Sorrento’s. Nos outros restaurantes – do italiano Giovanni’s Table ao saudável Solarium Bistro – é preciso reservar e pagar à parte. Os pratos não são caros: um combinado no japonês Izumi sai por US$ 9; o menu completo do 150 Central Park – o restaurante com pretensões a haute cuisine do navio – custa US$ 35. Bebidas alcoólicas não estão incluídas (é negócio comprar um passe à parte). Os espetáculos são gratuitos (alguns exigem reservas), mas os tratamentos no spa são pagos.

7 | A comida é tudo isso?
Não suba num navio achando que vai encontrar comida com a qualidade de lugares escolhidos a dedo em terra firme. Mas o padrão é bastante bom.
No bar Viking's Crown
8 | O que tanto tem para fazer a bordo?

O Oasis é como uma Arca de Noé turística. Você vai encontrar pelo menos um exemplar de todo tipo de estabelecimento que procuraria nas férias. São dez restaurantes, dez bares, cinco cafés, três discos (uma só para teens), quatro teatros (num deles está em cartaz Hairspray), um clube de jazz, um cassino, uma ala teen, outra para crianças, spa, academia e nada menos do que vinte piscinas e jacuzzis no convés.

9 | Passa por onde?

Os roteiros de uma semana incluem três ou quatro paradas no Caribe, em lugares como Nassau (nas Bahamas), Cozumel, St. Maarten, St. Thomas, Falmouth (Jamaica), Labadee (uma praia privativa no Haiti), e Costa Maya (na divisa de México e Belize).

10 | É muito caro?
Cruzeiros têm boa relação custo- benefício, e mesmo o Oasis custa menos do que se poderia imaginar. Na saída de 27 de novembro – a mais em conta de 2011 –, as cabines começam em R$ 2.077 por pessoa (parte aérea não incluída; preço apurado na época da publicação da matéria, em dezembro de 2009). Faça simulações em RoyalCaribbean.com.br.

Publicado originalmente na minha página Turista Profissional, que sai toda terça no suplemento Viagem & Aventura do Estadão.

Leia também:

Por dentro do Oasis of the Seas

92 comentários

Olá! Meus pais estão indo fazer um cruzeiro com o Allure of the Seas (Royal Carib.). Gostaria de saber como funciona o desembarque no porto de Everglades, pois quero fazer(ou tentar) uma surpresa e encontra-los no porto no momento do desembarque. Vocês sabem me dizer se ele é dividido em diversas saídas ou se esta ocorre em um único local no fim? Obrigado desde já!

Olá amigos! Fiz alguns cruzeiros, incluindo travessias, no entanto, fazer o Oasis of the Seas é o meu maior sonho.Há previsao para que esta embarcaçao venha ao Brasil? Caso positivo, em qual data? Tenho que me programar financeiramente, pois farei de tudo para embarcar neste sonho. Obrigada e fiquem com Deus!!!

    Olá, Fernanda! O Brasil não possui portos aptos a receber embarcações desse porte.

Olá..estou indo c a família para um cruzeiro no allures..sou o único consumidor de bebidas alcoólicas…gostaria de saber se em adquirindo um pacote de 5 garrafas de vinho – com certeza não vou beber mais que tres taças por refeição – a garrafa que foi parcialmente consumida poderá ser guardada ou custodiada no próprio restaurante…ou, ainda, se poderia consumi-la no dia seguinte…parabéns pelo trabalho..

boa noite

Duvida cruel !!! preciso de visto no cruzeiro Oasis ? visto para bahamas etc ?

obrigada

    Olá, Cinthya! Você não precisa de visto para as Bahamas, só de visto para os Estados Unidos.

Parabens pelo Blog.
Viajarei no Oasis of the Seas e gostaria de obter algumas dicas:

1) O restaurante 150 Central Park e os demais necessitam de reserva, isso implica em alguma taxa ?

2) Os espetáculos podem ser reservados on line, isso implica alguma taxa ?

Por enquanto é só.

Um abraço

    Olá, Paulo! Não sabemos como está funcionando no momento. Com certeza você descobre isso no site do navio.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.