Estratégias

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Nos comentários da enquete da semana, a Rosa Maria suspirou por alguns hotéis no Brasil onde ela gostaria de se hospedar, mas que a 1.000 reais por noite estão fora de cogitação; fazendo muito esforço, ela consegue pagar metade disso (o que, todos sabemos, já é um luxo e tanto).

Já o Ubirajara, comentando o post Apigreide, contou que se recusa a gastar mais de 150 reais para dormir no Nordeste.

Então eu aproveito para juntar esses dois pontos de vista contraditórios numa só estratégia de viagem.

É o seguinte: concordo com o Ubirajara no fato de que, pelo menos na baixa temporada, é possível encontrar excelentes pousadas no Nordeste com diárias de 150, no máximo 200 reais. Mas, como fetichista assumido de hotéis, não deixaria de sonhar com os hotéis bacanas da Rosa.

Por isso mesmo, não veria problema nenhum em dividir uma semana num mesmo lugar entre dois hotéis: quatro ou cinco dias numa pousada excelente de 150/200 reais, ficando os últimos dois ou três dias (dependendo do mínimo de diárias exigido pelo hotel) no hotel top.

Aproveitaria os dias na ótima pousada com preço justo para fazer todos os passeios; e deixaria os últimos dias no hotel ou pousada de luxo só para curtir o hotel e retomar a lua-de-mel do ponto em que foi interrompida da última vez.

Já fiz isso em Buenos Aires, em Paris, em Veneza...

Nos destinos de sonho da Rosa, eu repetiria o esquema -- sempre na baixa temporada -- em Itacaré (noites a preço justo na Ilha Verde ou na Vira Canoa, lua-de-mel no Txai), Trancoso (primeiras noites no Mundo Verde, depois uma suíte master na Estrela d'Água) e Santa Catarina (cinco dias zanzando em Floripa usando o Ibis -- o Ibis! -- como base, e depois um bangalô com piscina na Ponta dos Ganchos).

txai501.jpg

No exterior, uma maneira razoavelmente em conta de satisfazer o fetichismo hoteleiro é ir tomar um drinque no hotel -- não custa mais do que 10 dólares por cabeça, e em alguns casos você sai aliviado por não ter grana para se hospedar por lá.

Nos Estados Unidos, onde o café da manhã na maioria das vezes não está incluído, é um bom negócio ir tomar o café num hotel muito mais bacana que o seu. De qualquer modo, sempre peça o cardápio e olhe a coluna da direita. Se for muito mais que 20 dólares, lembre-se subitamente que você deixou a torneira da banheira aberta e bata em retirada wink

(P.S.: hoje  vamos bater  já batemos as 1.000 visitas antes mesmo das  5 da tarde!)

Foto: Txai, Itacaré

15 comentários

Rosa Maria
Rosa MariaPermalinkResponder

Riq,
Eu amo você, simplesmente. (o meu marido já entende esse meu amor, sem problemas). Quando a admiração extrapola certos limites, é amor mesmo. Eu tenho tentado sempre esse jeitinho para poder curtir um pouco mais, já conheci muito do Brasil, em casa sou eu e o marido trabalhando, facilita muito na hora da escolha. Ainda assim acima de 500 reais, acho que vai demorar um pouco. Um fim de semana no Txai está prometido se sair uns atrasados ($$$$) que estão rolando na justiça, já estou torcendo. Mas é bom nem sempre poder tudo, assim a gente se vira de ônibus, metrô, trem, andando muitas quadras, almoça uns dias em self-service, outros em bons restaurantes, lancha no Mac, em praça de shopping e vai conhecendo um pouco de muita coisa legal. Valeu...

yara xavier
yara xavierPermalinkResponder

Que maravilha reencontrar você. Mas, pelo jeito, sou um pouco perdida - cheguei muito tarde ao seu novo endereço. Mas, sem problemas, já está adicionado nos favoritos.

cassiazanon
cassiazanonPermalinkResponder

Tu tá muito exibido com essa tua audiência... smile

Mas tu merece tudo. A audiência e o exibicionismo!

Emília
EmíliaPermalinkResponder

Já fiz esse esquema na Espanha: vários dias em hotéis simples e os últimos em um Parador. Bem bacana. Aliás, acho que vale também para restaurantes.

Eduardo Amaral

Tenho que admitir que você sabe como ninguém escrever sobre viagem. Estou viciado no Blog e ficando meio viciado em viagens por tua causa. Só não estou mais por falta de grana. Como bom brasileiro que sou, a grana sempre tá apertada.

(Tô querendo ir para Ubatuba no carnaval! Furada? Sou de Niterói e tô sem grana para avião. Vou encarar a viagem de carro.)

Um grande abraço!
Sou seu fã!
Continue assim!

Eduardo Amaral

Rodrigo
RodrigoPermalinkResponder

Riq,

Não tenho vergonha: faço isso sempre! Bali, Índia, Japão, EUA, Tailândia...Tenho é dó de pagar "resort" no Brasil com preços de Taiti. Fico sempre com a sensação que no Brasil há apenas 2 tipos de acomodação: a cara e a muito cara e com qualidade muitas vezes inferiores ao valor cobrado. Claro que existem exceções, mas essas vivem lotadas.... Parece que viajante que procura acomodação simples no Brasil só encontra lugares junto aos mochileiros. Tem viajante com todos os tipos de bolso, mas os hoteis não conseguem oferecer acomodações com qualidade para todos esses turistas. Formule 1, Etap, Ibis.... tem tem seu público, mas no Brasil são restritos a poucos destinos.

Ellen
EllenPermalinkResponder

Riq,que delícia ter você de volta.Cheguei um pouco atrasada,mas tudo bem. Não nos abandone mais...

Ricardo Freire

Rodrigo, um pouquinho desse "muito caro" fica por conta do dólar estar muito baixo. Mas pela minha experiência a qualidade varia de acordo com a "praça". Onde a legislação imobiliária não é resistritiva, como em São Paulo, Fortaleza e Vitória, o conforto e o custo x benefício dos três e quatro estrelas é ótimo. Onde a legislação é restritiva, como no Rio, os Othon da vida continuam nos anos 70, com preços de século 21.

Já o problema das pousadas é a duração da baixa temporada e a falta de mais viajantes estrangeiros independentes (numa faixa entre o mochileiro que fica em albergue e o turistão de pacote). Com poucos quartos ocupados e a 100 reais de diária é difícil fazer manutenção e trocar equipamentos. Daí vem o réveillon e, com ele, a única oportunidade do ano de reverter o prejuízo, devido ao excesso de procura... o que aumenta a percepção de que por aqui se paga caro por pouca qualidade.

Marcio
MarcioPermalinkResponder

Ricardo,

A falta de turistas internacionais tem como motivo principal as frequentes notícias de violência no Rio e em São Paulo veiculadas aqui no exterior.

Posso falar aqui da Europa porque vejo na TV e na internet. Se a pessoa está entre o Brasil ou qualquer país que não tenha essa "propaganda" vai para o outro com certeza.

Abraço!!

Marcio Nel Cimatti

Ricardo Freire

Marcio, o noticiário é um problema, certamente, mas não tem impedido que o Nordeste receba charters e mais charters da Europa, e que os destinos do circuito "Lonely Planet" (Ilha Grande, Morro de São Paulo, Jeri) estejam sempre repletos de backpackers loirinhos. Até mesmo o Rio, por conta de sua malha hoteleira limitadíssima, está sempre lotado (e o surgimento de albergues na Zona Sul é um fenômeno). O que anda em falta é o estrangeiro que não viaja nem de charter, nem de mochila, e que viria a calhar na longuíssima baixa temporada do nosso litoral. Talvez esse turista seja mais suscetível ao noticiário? Pode ser. Mas a insana valorização do real nos últimos anos (culminando agora com a subida de preço das passagens pós-derrocada da Varig) também não ajuda...

Rosa Maria
Rosa MariaPermalinkResponder

Eduardo,
Estive em Ubatuba antes do Natal p.p. Adorei, praias para todos os gostos.
Estrada com vista de tirar o folego. Fiquei na Pousada Torre del Mar, diária 90 reais/casal, pousada limpa e ambiente aconchegante. Os pães e bolos servidos no café da manhã são feitos pela proprietária, maravilhosos. Depois ficamos 3 dias no Recanto das Toninhas, diária 320/casal, piscina muito boa e a praia em frente maravilhosa, mas o café da manhã deixou muito a desejar, bem fraquinho. Depois estive no Guarujá, tem uns lugares bem legais, mas Ubatuba superou as minhas espectativas.

Carla
CarlaPermalinkResponder

Agora fiquei curiosa pra saber em que hotéis você usou essa estratégia em Buenos Aires, Paris, Veneza...

Carla
CarlaPermalinkResponder

Posso mudar só um pouquinho de assunto, mas ainda falando de hotéis? Adiei a minha viagem ao Uruguai para fevereiro e, como os preços baixam um pouco, resolvi me presentear com uns upgrades. Em Montevidéu, estou quase decidida a ficar no Cala di Volpe (http://www.hotelcaladivolpe.com.uy) - já fiquei no centro uma vez, agora quero ficar na praia... Mas queria ainda trocar umas idéias, então me ocorreu aproveitar a nova onda de interatividade aqui no blog e pedir a quem tiver vontade de visitar o site pra dar uns "pitacos"...

Fabrício Granito

Gostaria de apresentar 10 hotéis de Luxo de nossa representação comercial.

Atenciosamente.
Fabrício Granito

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar