Cica

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Minha crônica no Guia do Estadão de hoje.

caju451.jpg

Eu adoro caju. Não, não estou falando da castanha, nem do doce, da passa, do suco, da cajuína, da cajuroska ou do caju amigo. Quer dizer: amo muito tudo isso (ops!), mas acima de tudo gosto da fruta, fresquinha.

(Parênteses: eu sei que, tecnicamente, o fruto do caju é a castanha. Mas você sabe do que estou falando. Fecha parênteses.)

Ah, não existe nada como estar no Nordeste na época da fruta, entre setembro e dezembro, e chupar caju todos os dias. Minto: existe, sim. Aqui em casa tem caju praticamente o ano inteiro no café da manhã. Em qualquer época do ano, você abre a porta da geladeira e a cozinha fica instantaneamente tomada pelo inebriante (para mim, claro) cheiro de caju.

Não me pergunte como isso é possível. Se estiver à venda no sacolão de Santa Cecília, vem aqui pra casa. E isso acontece o ano inteiro. Não sei se congelam, se importam da Índia ou já estão plantando em Atibaia lado a lado com os morangos. Só sei que todas as manhãs tem um caju no meu prato.

Pois ontem, arrumando a geladeira, percebi que a bandejinha de caju dessa semana tinha vindo com rótulo. Um caju de marca! Fui ler as letrinhas miúdas. Era um legítimo caju piauiense! De Itaueira! Um caju muito chique. Um caju com site e tudo!

Entrei no site e descobri que os melhores cajus, a exemplo dos melhores vinhos, são aqueles que têm bons taninos. Ou boa cica, em português do meu tempo. Cica demais é ruim, mas cica na medida é fundamental. Realmente, que outra fruta tem um sabor tão complexo e estruturado? Me aguarde, Robert Parker!

A propósito – você já viu gringo chupando caju pela primeira vez? É muito engraçado. "É salgado!", já ouvi um dizer. "Minha boca ficou seca!", me disse outra. Só não é mais divertido porque esse pessoal acaba inutilizando cajus perfeitamente saborosos. Ei! Tem criancinhas morrendo de fome na África, sabia não?

Chupar caju só tem um segredo: parar no primeiro. Você começa pela ponta e vai continuando em direção à castanha – indo progressivamente do mais azedinho ao mais docinho. Se você atacar um segundo caju na seqüência, o azedinho do início vai parecer menos complexo e mais... azedo, mesmo.

Mas nada que um intervalozinho de quinze minutos não resolva. Servido?

* * * * *

Ainda a novela Coca Light x Coca Zero (Guia do Estadão, 22/6): o gerente de relações institucionais da Coca-Cola, Maurício Bacellar, garante que a Coca Light continuará no mercado. Aleluia, irmãos!

23 comentários

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Meus pontos em comum com o comandante são claros :
viciada em viajar , gaucha e colorada .
A maior divergencia : o caju . ECA ! lol

Ricardo Freire

Ih, Sylvia, aqui em casa terias que pedir baby food!
lol
lol
lol

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Mas se me deres uma manga beem gelada ( e assim já cortada
em pedacinhos lindos e do mesmo tamanho ) ou um melão do
mesmo jeitinho ( ah estes diminutivos ...) vou ficar assim ..
muuuito feliz lol e deixar o baby food para o jantar smile

Thiago Parente

Itaueira é uma cidade que mais produz cajú no Piauí. Seguida de Ipiranga. Comandante, não sou muito chegado na fruta em si, mas um suco bem feito(tem q ser bem coado) gelado é bom demais e todos os derivados também são excelentes, principalmente a cajuína (lembra da Cuba Libre rum+coca? experimenta rum+ cajuína...uma delícia) e o doce. Ele tem também um outro tipo que é o cajuí, é uma miniatura do cajú, se só dá na cor amarela clara, quase branca. O doce de cajuí em calda com requeijão....vou parar por aqui.

Diogo
DiogoPermalinkResponder

"...tomo guaraná, suco de cajú, ..."

Clarissa
ClarissaPermalinkResponder

confesso que nunca provei caju. só a castanha e os derivados...como suco, doce, capiroska...Pra mim caju (a fruta) é que nem cabeça de bacalhau, praticamente impossível de se ver!

Meilin
MeilinPermalinkResponder

Riq, eu passei uma tarde em Canavieiras (BA) na beira do rio, debaixo do cajueiro, só esperando os cajus caírem pra não ter que levantar e pegar pra comer, baianamente, ôooxe...

Jurema
JuremaPermalinkResponder

Eu também adoro caju, lembra minha infância. Minha tia-avó que morava em Itanhaém tinha vários cajueiros que diviam o quintal com baananeiras e galinhas. Djilícia!
E você sabe que era o maior sucesso na Alemanha minha foto de cajus? Pois caju, para eles, é só a castanha, mesmo. Eles ficavam espantadíssimos quando viam a "fruta". Pena que eu só podia mostrar a foto, né?
Alguém sabe dizer se caju é como jaboticaba, só tem aqui?

fabio
fabioPermalinkResponder

Caju é tudebom...

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

sad
não vou poder te contar isso Jurema , pq o Diogo vai dizer :
wikipédia !! lol

Cau
CauPermalinkResponder

Nosso caju é o melhor do mundo!!!!!
Abraços.

Ricardo Freire

Jurema, acredito que o caju seja nativo daqui, mas é plantado também na Índia e na África -- por causa das castanhas, lógico. Acho que só a gente aproveita a "carne" da fruta para outros usos.

Eduardo Luz
Eduardo LuzPermalinkResponder

Riq, tentei achar o post de St Martin (pois eu andei falhando um pouco com os posts) e não achei. Das duas, uma : ou voce não teve tempo de fazer ( o que é totalmente desculpável) ou eu estou ficando cada vez pior em descobrir alguma coisa. De qualquer maneira, grato pelas dicas, tanto na VT quanto aqui. Como eu viajo na segunda, ainda dá tempo de voce me indicar pelos menos uns restaurantes legais em St Barth pois encontrei um pouco de dificuldade em descobrir quem está berto ou não nesta época do ano. E aproveitando, tira mais uma dúvida da minha esposa : qual é o dress code pros restaurantes de lá nos jantares ?

Beto
BetoPermalinkResponder

Cês sabem que elefante adora caju? Comem aos baldes na África e depois ficam completamente borrachos. O fruto fermenta durante a digestão e vira praticamente uma catchaça. Alguém já se imaginou à frente de um elefante manguaçado? Literalmente, sai de baixo...

Ricardo Freire

EduLuz, tô terminando os posts. Acho que até amanhã tão no ar, a tempo de você ler antes de viajar. Na verdade eles não vão trazer muuito mais do que eu já escrevi no especial da VT (o de St Maarten vai vir com texto igual), mas vão ter fartura de ilustrações.

No quesito restaurantes, o mais difícil de conseguir reserva é o Maya's. Foi o único em que eu fui dessa vez (continua ótimo), então não sei como estão os outros. De outros carnavais, eu gostava muito do François Plantation, mas parece que agora a proposta meio que mudou, virou meio bar de tapas, não sei se entendi. Numa ladeira perto do porto tem o Strand, que é um bar/restaurante do grupo do NIkki Beach que é superbem freqüentado. E falam bem da comida do Do Brazil, em Shell Beach. Eu não iria a lugares muito afetados não, como o Le Toiny ou o Carl Gustav, onde as pessoas se produzem mais. Nos outros lugares, o que impera é o descontraído-chique. As mulheres, claro, se arrumam um pouco mais que os homens, mas não perdem a noção que estão no Caribe. No entanto, bermudas não são muito bem-vindas à noite, não.

Reservar sempre é bom -- mesmo na baixa temporada (o verão em St Barth é baixa), porque os restaurantes gostam de se precaver. Acho que você pode pedir ajuda ao concierge do Guanahani (você vai ficar lá, não vai?), que vai te indicar o que está aberto e providenciar as reservas necessárias.

Ricardo Freire

Beto, já me disseram também que os cabritos no Nordeste também adoram caju -- deve ser pelo mesmo motivo smile

Eduardo Luz
Eduardo LuzPermalinkResponder

Riq, ficarei no Guanahani mesmo e já mandei um email reservando o Maya s ( o Maya s to go também dever ser bom prum pic nic) e o Do Brazil ( que eu descobri agora que é do Yanick Noah). Obrigado de novo e assim que eu voltar, te informo dos lugares que voce citou ( e dos novos também). Ah ! Eu vou somente na segunda a noite, portanto dará tempo pra ler e reler o post.

Ricardo Freire

O Do Brazil é uma sociedade do Yannick Noah com um chef de verdade. Muita gente conhece o lugar como Boubou, que é o nome do chef. A mulher do Noah é brasileira, e pelo que eu entendi ela é dona da butique que funciona no térreo.

Eduardo Luz
Eduardo LuzPermalinkResponder

Será que ele mora lá ( o Yannik) ? Ele jogava tenis demais e eu me lembro que ele também gostava de cantar !

André Galhardo

Idem idem comprei hoje aqui na feira da vila madá. Não tinha me tocado que cica = taninos, dica sensacional... já vai ter enólogo captando leves toques de caju nos cabernets do Vale S. Francisco. A propósito, a promoção da Gol que dá volta grátis de Teresina em 13 e 14 de agosto é uma furada, impossível de achar no site. Mas em outubro estou no piauí - bacias de caju todo dia o dia inteiro.

vera
veraPermalinkResponder

Ricardo
Vc já comeu muqueca de cajú ?
Isso mesmo e é otima.Se quiser te mando a receita
Bj,Vera

Ricardo Freire

Com a "carne" do caju, Vera? Porque com a castanha verde (maturi) eu já experimentei...

Mas moquequinha de banana-da-terra eu já comi, em Meaípe (Guarapari) e adorei. (A Jose do Mar & Coco de Boipeba também põe banana na dela.)

vera
veraPermalinkResponder

Isso mesmo com a carne do caju e um bom pirão.
Vou experimentar a de banana-da-terra
Bj

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar