Enquete da semana: pousadinhas em Noronha

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

noronha-americanocacimba450.jpg

Pessoal, vou atacar em breve aquele prometido dossiê de Noronha.

E adoraria saber mais sobre as pousadinhas fora do circuito vip.

Você já se hospedou numa pousada domiciliar em Noronha? Gostou ou não?

Lembra do nome? E da localização? (Era na Vila dos Remédios, na Floresta Velha ou na Vila do Trinta?)

Reservou direto ou foi com pacote?

Se foi com pacote, já sabia em que pousada ia ficar ou só foi informado ao chegar? Perdeu muito tempo ao chegar e ao sair (nos procedimentos de distribuição dos passageiros entre as pousadas) ou foi tranqüilo?

Suas experiências valem ouro...

noronha-pordosol450.jpg

144 comentários

Atenção: os comentários estão encerrados.

janna joaninha
janna joaninhaPermalink

eu fui em 2003, dezembro. fiquei em pousada domiciliar, não me lembro o nome, sei que era nome de mulher (na vila dos remédios). só fiquei sabendo a pousada na hora que desembarquei. na época ouvi comentários de algumas pousadas não tinham ducha quente, pois a noite fica bastante frio e por isso tive sorte com a minha sorteada!! a pousada que eu fiquei foi ótima... e muito peculiar. a dona morava num quarto fora da casa, mas a cozinha e o telefone dela eram dentro da pousada... as vezes tocava e nós atendíamos!!! os cachorros passeavam livremente pela casa... mas nada que incomodasse. Acho que essas coisinhas é que deixam a ilha com mais cara de magia, por ser tudo tão pitoresco. eu acho que as pousadas de luxo estragam a cara de noronha, perde todo o charme!!!

Rogério
RogérioPermalink

Na Sueste, em novembro de 2005, pagamos R$ 90 por pessoa em um quarto duplo. Apenas R$ 10 a mais do que o Divaldo pagou num quarto duplo em 2003.

Embora seja classificada como 2 golfinhos - daí o ótimo custo-benefício -, a Sueste não costuma aparecer nas matérias sobre Noronha. Perguntei isso lá pra eles, que também não sabem o porquê.

Descobrimos a Sueste também por acaso, fomos muito bem tratados, e certamente voltaríamos.

Jurema
JuremaPermalink

Rodrigo:
Rodrigo:
Sobre o Doctor on Board da Lufthansa, que me interessou e eu nunca tinha ouvido falar: não consegui encontrar nenhuma indicação no site da Lufthansa, nem na procura em português nem no site original alemão. Você conhece o link para que eu possa dar uma olhada?
Você sabe de alguma outra companhia que ofereça esse tipo de desconto?
Grata,
"dra." Jurema

Alexandra Godoy
Alexandra GodoyPermalink

Oi Jurema,

Está aqui o link sobre o Doctor on Board

http://www.lufthansa.com/online/portal/lh/br/info_and_services/partner?nodeid=1955231&l=pt

Abs
Alexandra

JULIO CESAR CORREA
JULIO CESAR CORREAPermalink

Riq,
aguardo ansiosamente pelo seu post sobre Noronha. Devo ir no final de setembro.
gd ab

Jurema
JuremaPermalink

Valeu. Rodrigo, Riq e Alexandra!

Riq, de agora em diante, tire o Dra., aqui no blog eu estou sempre em férias! wink

fabio
fabioPermalink

Pra completar as dicas pra Anelise, recomendo um dos bons bares de Blues da cidade, como o Blue Chicago ou o B.L.U.E.S.

Vivian
VivianPermalink

Riq, fui em Noronha em janeiro de 2006 e fiquei na Pousada Vila dos Corais, onde o administrador chamava-se Sr. Minervino (muito gente boa!). A pousada é pequena, mas tem chuveiro elétrico, ar condicionado, um café da manhã legal e além de agradáveis eles são bastante limpos.
Sei que fica perto da Vila dos Remédios, mas não me lembro o nome do bairro. A próxima vez que eu for vou tentar ficar lá novamente.

Fui pela CVC e soube antes de embarcar o nome da pousada que ficaria, mas não me deram a opção de escolher. Paguei a taxa com antecedência pela Net, mas tive que esperar as outras pessoas do grupo pagarem para irmos assistir a Palestra de Introdução a Ilha. Acho que não demorou muito para sairmos do aeroporto, acho que uns 20 min...

Pessoal, sou médica, mas não lembro de ter preenchido nenhum paapel com a minha especialidade...onde foi que vcs preencheram esse papel???

Beijo

Vivian
VivianPermalink

Ah! Mais uma coisa! Lembro que houve um concurso para médicos e enfermeiros para trabalhar em Noronha em 2006...

Acho que as vagas foram preenchidas...por isso, vamos viajar tranquilos colegas! smile

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Vivian, essa palestra foi só uma palestra educativa ou foi uma sessão de venda de passeios opcionais? Me conte...

WB
WBPermalink

Sou médico. A questão não é "reforçar" a equipe do hospital, isto qualquer médico pode se recusar a fazer, pois não estamos lá a trabalho. Nós temos que atender emergencias, por consciência e conduta ética, em Noronha ou qualquer lugar do mundo. Emergencias e urgencias nunca recusamos a atender, sem pensar em qualquer vantagem adicional. É o ato mais sublime de despreendimento e compromisso com o ser humano que o médico pode fazer.
Atendi em um voo da TAM, a uma urgência. recebi uma carta de agradecimento e um livro do comandante Rolim.. Mas o melhor louvor foi a gratidão e o reconhecimento do "paciente".

Rodrigo Purisch
Rodrigo PurischPermalink

WB,

A coisa não é tão simples assim. Em vôos internacionais você está sobre a legislação do país de origem da cia aérea. Essa história de seguro de praticas médicas oferecido pela Lufthansa não é bobagem.

Já li casos de médicos serem processados pelos seus "serviços" de urgência durante vôos. Também já li casos na imprensa onde médicos atenderam pacientes em vôos e nem um obrigado foi dado. Como você disse, disseram ao Dr. o serviço prestado fazia parte do seu juramento.

Quanto a socorrer o próximo necessitado, é uma obrigação não restrita aos médicos, é ética.

O problema é quando esse juramento e a visão de que a medicina é total sacerdócio (médico não tira férias, não paga contas, não se diverte etc) é usada como forma de justificar estruturas e pessoal insuficiente por aqueles que devem oferecer o serviço. Acho que é nesse sentido a crítica do Ernesto.

Arthur
ArthurPermalink

Eu fui em maio de 2005 por pacote, também no escuro, e também fiquei na Colina dos Ventos. Gostei. Segundo o Riq, parece que de lá para cá ela foi reformada, confere?

Vivian
VivianPermalink

A Palestra em si, foi apenas educativa. Nos alertaram sobre "bons modos" : Não levar nada que fosse natural da ilha como lembrança (conchas, predrinhas ou animais), usar protetor solar, não deixar lixo na praia, não gastar água demais...coisas assim. Depois da Palestra, que foi na Águas Claras (Operadora de Mergulho) é que nos "inundaram" com os pacotes de passeios.

Até hoje eu achava que essa palestra fosse obrigatória ao visitante...risos...acho que me enganaram....smile

Lili
LiliPermalink

Vixe Maria, acho que estreei Noronha! Fui em 1991 e voltei por lá em 1997. Na primeira vez, em pleno junho, fui com uma turma de colégio mergulhar (fizemos o curso em Fortaleza mesmo). Tudo feito por conta própria (ônibus até Natal, vôo de Bandeirante até a ilha), o mergulho era com a Águas Claras, naquela época a top de lá. Tirando o Esmeralda, só existia pousada familiar. Em 1991, fiquei na Vila do Trinta, no alto da ladeira que leva ao porto e a pousada nem nome tinha, era só a pousada da D. Gilsa. Transporte era a caçamba do caminhão da A. Claras, que gentilmente nos deixava subir.
Em 1997, fui num pacote da Catavento Turismo e odiei: a desinformação reinava e só soube onde dormiria quando me deixaram na porta da Pousada da Ione (Vila dos Remédios), uma daquelas casinhas de madeira que tem na ilha. Inclusive, os horários dos vôos foram omitidos até o último momento pela tal da Catavento, isso porque perdíamos 2 dias vendidos por ele como dias "úteis" na ilha (brincadeira, p/ quem mora pertinho) Chegamos lá à noite e saímos na manhã de um domingo. Achei má-fé da agência de turismo. Voltando após 6 anos da primeira visita, quase nada havia mudado. Havia mais 1 ou 2 operadoras de mergulho e 1 (um!) restaurante na Praia da Atalaia.
Com relação às hospedagens, tudo muito mais ou menos, acredito que hoje deve estar tudo diferente. Mesmo com todo o amadorismo, é um dos lugares preferidos meus.

Fabio Nitschke Gomes
Fabio Nitschke GomesPermalink

Riq, conversei com minha esposa e, de fato, nenhum de nós lembra desta tal "palestra de orientação" à chegada...

Sim, o ônibus realmente parou uns (longos) minutos ali pela operadora Águas Claras, como alguém comentou acima, mas não lembramos de ter descido, acho mesmo que fomos direto para a pousada.

(Não sei se esta informação te ajuda...) wink

Ellen
EllenPermalink

Rodrigo,é isso ai!!!!!!

Ernesto
ErnestoPermalink

O Rodrigo captou bem a minha critica....

Claudimila Pascoal
Claudimila PascoalPermalink

Oi pessoal, estivemos em Noronha em Out/2006, fomos totalmente por conta, comprando bilhetes aéreos pela Internet, e reservando direto com a pousada. Aliás, Pousada da Germana, fica na Vila dos Remédios, pertinho do Correio, com dois mercadinhos ao lado, e ponto de ônibus quase em frente. Este ponto de ônibus foi muito útil, pois rodamos a ilha inteira de micro ônibus, ficamos 5 dias, o suficiente para se conhecer todas as praias, sem precisar fazer o tal do Ilha Tour.
Na chegada, realmente agiliza muito se você já estiver com a taxa paga (via internet), e palestra mesmo, não tivemos, só algumas orientações, do tipo economizar água.
O trajeto até a pousada foi rápido, só parou duas vezes, mas foi bom, pois vc já vai se localizando pelo mapa que eles te dão assim que vc chega na "imigração".
A pousada é bem simples, mas tem o suficiente para se tomar um bom banho quente, uma boa noite de sono e café da manhã.
As paredes são de alvenaria e tem até rede na varanda.
Aí vai o link: http://www.reservasnoronha.com.br/pousadas/germana.html

Espero ter colaborado.

Claudimila Pascoal
Claudimila PascoalPermalink

Ah, na época, pagamos R$ 150,00 a diária do casal.

Rosa
RosaPermalink

Sou de Brasília, mas como estava em Fortaleza em um congresso, fechei um pacote, não lembro o nome da empresa, nem valores. Não escolhemos a pousada e de cara quase desistimos, salvou a simpatia e o atendimento dos donos. A pousada chama Nativa, não fica m nemhum dos 3 núcleos, é uma casa tipo roça mesmo. Quintal com galinas, vacas, cavalos, galo. Depois do susto, nós até que gostamos. A pousada é muito simples e acomodações bem pequenas, mas muito limpa, bom café da manhã, isso foi em 2002, não sei como está hoje. Fernando de Noronha sempre vale dinheiro e tempo investido...

Danielle
DaniellePermalink

Só não fiquem na pousada da nega... Ela me deu um cano em pleno réveilon de 2OO2... Disse q estava reservado e as 8 da noite do dia anterior falou q tinha se enganado... Ninguém merece !

Helton
HeltonPermalink

Ricardo, gostaria de propor uma discussão ao blog e também saber sua opinião sobre o assunto. Desculpem pelo tamanho do texto, que não é meu, achei no mochileiros.com

Antes de mais nada quero deixar claro que essa foi minha impressão da Ilha e eu sei que muitos vão discordar. Mas como já conversei com outras pessoas que tiveram a mesma impressão que eu, gostaria de colocar uma outra visão sobre a famosa ilha de Fernando de Noronha. Que o lugar é lindo (deslumbrante mesmo) e está na lista dos principais roteiros de viagens do país todo mundo sabe. Justamente por isso, resolvi provocar a discussão um pouco sobre os pontos negativos, que só fui descobrir quando cheguei lá.

Toda essa introdução para dizer uma coisa simples: Fernando de Noronha deixou de ser um lugar voltado para o Ecoturismo para se tornar um point de Turismo de Luxo. Não é novidade para ninguém que a Ilha é o ponto turístico mais caro do Brasil e sempre teve preços exorbitantes. Mas o caso é que isso está afastando os ecoturistas e mochileiros para atrair um tipo de turista que eu particularmente não gosto de encontrar em minhas viagens, o turista predatório.

Eu estive lá na primeira semana de setembro e fiquei 9 dias. O que pude perceber é que Fernando de Noronha está completamente dominada por turistas que compram seus pacotes em agências de farofeiros e que estão muito focadas com sua diversão e pouco se lixando para a conservação e preservação da Ilha.

O fato é que Noronha virou o lugar da moda. E as pessoas não estão indo para lá porque adoram o contato com a natureza, porque gostam de mergulhar (a maioria que vai pra mergulhar nunca fez isso antes!), porque o lugar é incrível, etc. Estão indo para lá porque dá STATUS dizer que conhece Fernando de Noronha. Estão indo porque conseguem impressionar mais facilmente a namorada/noiva/esposa levando-a para Fernando de Noronha do que para a Costa do Sauípe.

Isso, como vcs bem podem imaginar, muda completamente o perfil do turista e os serviços necessários para atendê-lo. A preservação do meio ambiente é levado a sério por Ibama, Tamar e outras Ongs de lá. Os turistas fazem de conta que contribuem, mas só fazem de conta.

Todo mundo é a favor da preservação dos Golfinhos. Mas se o barco não fica fazendo meia volta para acompanhar o bando de golfinhos, os turistas reclamam. E não é novidade pra ninguém que os golfinhos só acompanham o barco pq estão se sentindo incomodados. Todo mundo é a favor da limitação de 100 pessoas por dia na praia do Atalaia, desde que esteja entre essas 100 pessoas. Se for barrado pelo Ibama, reclama e ameaça fazer escândalo.

O ônibus coletivo de lá tb só é usado por nativos. Todo mundo prefere alugar uma land roover com o ar condicionado ligado no máximo e o diesel comendo solto. Acho que os buggys estão com os dias contados por lá. Inclusive qdo fui alugar um, o dono ficou falando uns 5 minutos sobre o “desconforto” do buggy, o que me fez imaginar o tanto de reclamação que ele não recebe sobre o vento batendo na cara, o sol, a areia, etc.

No item desconforto, chega a ser hilário as tais “trilhas” de Noronha. Tirando a do Atalaia e do Capim Açú, o que eles chamam de trilha por lá é uma caminhada na praia. Pra atravessar 50m de uma praia pra outra no meio do mato lá é “trilha”, Pior que acaba sendo mesmo. Já que grande parte dos turistas lá já passou dos 60 anos e nunca fez uma trilha de verdade na vida. Fui a uma palestra do Ibama na qual eles fizeram uma apresentação da ilha. Todos os locais sobre qual eles falavam alguém levantava a mão e perguntava: “dá pra ir de carro”?

Economia de energia e água? Esqueçam! Todo mundo é favor da preservação desde que não atrapalhe seu conforto pessoal. Apesar dos vários apelos do Ibama e nativos em geral.

Aliás, é até engraçado falar em Nativos pq isso é um conceito ultrapassado por lá. Como o turista que está indo a Noronha é o popular “chato” (pra não dizer fresco), as operadoras, pousadas e restaurantes estão contratando gente de fora da ilha pra poder atender esse mala do jeito que ele acha que deve ser tratado. Com isso, em 9 dias de Noronha, não consegui conhecer uma única pessoa que estivesse mais de 4 anos na Ilha. Só trabalha com turismo lá quem é de fora.

As tão famosas pousadas “domiciliares”? Pois bem, fiquei em uma delas. E descobri o que viraram: há alguns anos o governo de Pernambuco construiu e distribuiu algumas casas para os nativos que serviriam também como pousadas. Eles receberam as casas com o compromisso de não poderem vendê-las. O objetivo era desenvolver uma fonte de renda para essas famílias. Há um bairro novo lá, a Floresta Nova, que parece uma Cohab ou CDHU de pousadas: casinhas de madeira (bonitinhas) com quatro quartos para hóspedes.

Fiquei numa dessas. Mas o caso, é que a família que é dona da pousada não mora na Ilha há tempos. Assim que receberam a casa arrendaram para uma empresa que detêm outras 10 pousadas (!!!!) do mesmo tipo. Essa empresa arrendou essas casas e centralizou a administração. Colocou um funcionário vindo do Continente em cada uma pra tomar conta, mas tudo tem uma gerência central, que inclusive tem um preço único e mesmo padrão de serviços para todas. Essa não é a única empresa que faz isso. Os moradores antigos? Todos vivendo em Natal ou Recife com o dinheiro do arrendamento.

Isso parece besteira, mas na verdade é um dos motivos do preço alto. Já que o lugar virou um grande cartel. Outro problema: a ilha perdeu a identidade. Não há mais moradores que nasceram lá. Isso faz com que também não tenham nenhum compromisso com o local, pois sabem que amanhã poderão ir embora trabalhar em outro lugar.

Enfim, como acho que já escrevi demais, só pra finalizar gostaria de dizer que todos esses problemas estão transformando Noronha em um lugar amorfo, totalmente sem identidade, sem uma cara. O lugar está ficando chato! Qdo voltei de Noronha todo mundo me perguntava como era lá e a resposta padrão que eu criei era: é lindo, mas é chato.

Abs
Marcelo

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Helton/Marcelo, eu vou abordar algumas dessas questões quando fizer o post definitivo.

Concordo com muitas das coisas a que você se refere. Mas muitas vezes o que você chama de "turismo de luxo" eu chamaria de "turismo de massa".

Ernesto
ErnestoPermalink

Riq

Que tal um comparativo Noronha X Caribe?

Daniella
DaniellaPermalink

Olá Ricardo!
Estive em Noronha em setembro de 2006. Fechei o pacote já com a pousada definida e paguei a taxa de permanência pela net. A pousada escolhida foi a Raio de Sol, categoria 1 golfinho. Fui muito bem recebida pela Simone, dona da pousasda. O café da manhã é bem caseirinho e as acomodações são simples mas muito confortáveis.
Quanto ao vôo, fui p/ Recife primeiro pois fechei com a TRIP. Muito corrido. Quase perdi o vôo da TRIP pois a GOL atrasou mais de uma hora. Neste caso é melhor pernoitar em Recife ou Natal e seguir no dia seguinte. Mas valeu! O lugar é lindo!

Hugo
HugoPermalink

A cada dia fico ainda mais ansioso pelo post de Noronha. Quero muito conhecer o lugar e espero poder fazê-lo da melhor forma possível.

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Boa idéia essa do comparativo Noronha x Caribe, Ernesto. grin

Hugo, você vai em dezembro, certo?

Nico
NicoPermalink

Hugo,

Fiquei sabendo aqui pelos seus comentários no blog que vc esteve na serra gaúcha a pouco tempo atrás. Seria muito incomodo que vc me enviasse esse roteiro que fez nessa viagem?

o meu email é: vinic_ba arroba hotmail.com

obrigado

Fabio Nitschke Gomes
Fabio Nitschke GomesPermalink

Riq, na carona da sugestão do Ernesto: acho que uma das principais questões de Noronha é a relação custo/benefício.

Ok, o lugar tem muitas coisas especiais e uma beleza peculiar... Mas, pelo alto preço, o que há de alternativas disponíveis?

Ainda mais em tempos de moeda forte, acredito ser possível encontrar opções tão boas quanto em termos de beleza natural - e provavelmente superiores em termos de infra.

Lucia Malla
Lucia MallaPermalink

Ricardo, vc não acha que muitas das visões e reclamações q estão expostas na colocação do Marcelo (deixada aqui pelo Helton) são fruto de "internacionalizar" o turismo de Noronha? Eu lembro q vi muitos estrangeiros elogiando a ilha quando estive lá. As trilhas serem bem arrumadas, por exemplo, é para mim, claramente um ponto positivo copiado de países onde o turismo é levado a sério, que visa a aproximar as pessoas ao máximo da natureza. Todos temos direitos a contemplá-la (com educação e respeito, é claro), e a idéia por trás disso é: quanto mais verem, mais fácil o trabalho de conscientização. É claro, há o outro lado da moeda que abrir para muitas pessoas gera, mas há de se pôr na balança para avaliar o que vale mais a pena.

Sobre golfinhos: sabemos que eles chegam perto do barco porque sentem-se "ameaçados", e querem proteger a prole. Mas no Havaí existe uma baía na Big Island chamada Kealakekua onde o mesmo comportamento de agregação acontece, e lá não há reservas: qualquer um pode ir, nadar, caiacar, snorkelar, etc com o animal, e pelo q eu saiba, os golfinhos não estão ameaçados por isso. Pelo contrário, mães e filhotes abundam, brincam e dormem com os humanos ao redor. Uma delícia. (Eu estive lá em fevereiro passado e nadei com um monte deles por 4 dias seguidos, todo dia no mesmo horário eles chegam. As crianças adoram a experiência, o que acho super-válido como educação ambiental. Ainda está na fila o post dessa aventura pra ser publicado no meu blog... smile)

No caso dos golfinhos rotadores em Noronha, há um certo protecionismo exagerado, a meu ver, por parte do IBAMA, que, dado o tipo de turismo que é praticado em Noronha e por estarmos no Brasil, onde leis são rígidas e sua funcionalidade obtusa, sabe bem o mercado com que está lidando. O IBAMA não está errado nessa atitude, só quero ser um pouco nêmesis nesse caso para o q o Marcelo acha que tem que ser o "correto", indicando que onde não ocorre esse tipo de proteção, os golfinhos também vivem felizes sem ameaça.

(A maior ameaça aos golfinhos rotadores vem na realidade do alto-mar, onde a pesca internacional atua. Mas isso é uma longa história que eu não vou contar aqui pra não enfadonhar todo mundo desse navio.)

Hugo
HugoPermalink

Riq, estou querendo ir no início de dezembro mesmo.

Meu problema é só o seguinte. Acompanhando o site da TAM estou vendo que não vou conseguir utilizar minhas milhas até Noronha, e como elas estão vencendo vou ter que pegar uma passagem BH-Recife com milhas e pagar pela passagem Recife-Noronha.

Por isso fica aquela pulga atrás da orelha. Será que não vela a pena utilizar as milhas para Buenos Aires, aproveitar o dólar baixo e ir para Noronha em uma outra vez, já que lá vai estar sempre caro mesmo, independente do preço do dólar, taxa de juros, aquecimento global, etc.

Com o preço que irei pagar de hotel e passagens para Noronha dá para fazer um belo passeio pela Argentina.

Vou ver as suas dicas e quem quiser opinar sou todo ouvidos.

Hugo
HugoPermalink

Nico, já te enviei dois roteiros pelo e-mail, espero que ajude.

Não deixe de falar com o Diogo e Diego do site www.destemperados.com

Eles moram em Porto Alegre e me deram dicas indispensáveis para que a viagem fosse um sucesso.

Nico
NicoPermalink

Hugo,

Muito obrigado por me enviar os seus ótimos roteiros. Vão ajudar muito sim. E consultarei os destemperados, que costumo visitar o blog deles todos os dias.

Stela
StelaPermalink

Ricardo, quando sai o post definitivo sobre Noronha?
Boto os pés na ilha no dia 01/09... Aliás, vou ficar no Solar das Andorinhas, alguém conhece?

Simone Christina
Simone ChristinaPermalink

Fui em nov/2001 p/ Noronha pela Venturas e Aventuras e fiquei na Pousada Fortaleza em Floresta Nova.Adorei a pousadinha,tinha frigobar,ar condicionado ,cortinas black-out,televisão no quarto,e além de tudo era limpísima! A dona era muito prestativa e como eu estava viajando só,praticamente me adotou,sempre se preocupando se estava tudo ok comigo.Com certeza voltaria lá.
Qto. ao receptivo achei ótimo,não tive que ir à palestra de introdução à ilha e ao chegar fui direto para a pousada.

Ernesto
ErnestoPermalink

Hugo

Buenos ou Noronha? E como peixada ou bife de chorizo, ambos são bons,mas depende do seu gosto e da sua vontade.Mas, se voce procura praias legais com milhas, eu sugiro Cartagena, na Colombia ( Milhas até Bogotá), e se puder estique até San Andrres ou Los roques na Venezuela ( milhas até Caracas). São paraisos, boa infra, e creio eu, preços mais em conta do que Noronha. ( Quando fui para Los Roques em 2004, o pacote de 3 dias e 2 noites custou, com voo e pousada simples, mas confortável, com meia pensão 350 dolares ( menos do que se cobrava na época, apenas pelo voo até Noronha) , a taxa ambiental é baixa, cerca de 20 dolares, uma unica vez, os passeios são baratos, um passeio de 1 dia inteiro com almoço, não sai mais do que 150 dólares por casal.

Lena
LenaPermalink

Lucia Malla,
interessante você ter comentado sobre esta ilha no Hawaii onde a aproximação com os golfinhos é permitida. Quando estive em Noronha fiquei encantada com os golfinhos que cruzavam nosso caminho a toda hora, e claro que ficava chateada com a proibição de pular do barco e tal.
Mas há pouco tempo, assisti a um documentário da National Geographic exatamente sobre os ataques de golfinhos a humanos entusiasmadíssimos com eles!! Mostraram vários ataques, tanto no mar quanto em um aquario onde um pequeno grupo de visitantes entra para brincar com os golfinhos.
É muito impressionante! No programa, eles lembram que golfinhos parecem muito fofos , mas são animais selvagens, com reações imprevisíveis, que associadas ao seu peso, podem ser fatais para um ser humano. A partir daí, comecei a achar que a proibição em Noronha é necessária, sim. Que condições um daqueles guias teria para agir em uma situação de emergência destas?

Hugo,
vendo pelo lado economico (aproveitar o dolar baixo) acho que tanto as sugest'oes do Ernesto quanto Bs As podem ser melhores mesmo.
E sobre Noronha, para quando voce quiser ir, existe a opção de ir por Natal também.
Quando eu fui, voei com milhas de São Paulo a Natal, passei uns dias no RN, paguei um vôo para Noronha pela Trip, e voltei para São Paulo com milhas. Achei o arranjo ótimo lol

Meilin
MeilinPermalink

Lena, você tem razão, golfinhos são realmente bichinhos selvagens, mas quando eu estive em Noronha, numa outra encarnação, ainda era possível mergulhar com eles, e eu te afirmo que foi uma das experiências mais impressionantes da minha vida.

Lena
LenaPermalink

Meilin,
eu também nadei com eles nas vezes em que eu estava na água antes da chegada deles. AMEI!! Mas depois do documentário, vi os riscos (teve gente que morreu com uma cabeçada do golfinho, que sabe exatamente onde acertar: direto no baço!). Sabe aquela coisa de ecoturismo sem infra? Quando acontece acidente com rafting, bung jump, etc? Passei a achar que com golfinhos tambem pode ser necessário agir com prudência...

Ernesto
ErnestoPermalink

Como sempre o problema da liberação e o abuso de algumas pessoas...Uma vez no panatanal vi uma pessoa ser mordida por um quati Pudera, ela pegou o bicho pelo rabo. Isto não se faz nem com um cachorro, quanto mais com um bico sevlagem... Já vi muitas pessoas em paseios "ecologicos" desrespeitando a natureza, tentando separar a mae de filhotes para a foto sair melhor, não tendo cuidado com animais perigosos (que podem ser por exemplo os porcos do mato, a onça raramente ataca, isto so acontece quando ela e caçada) . Com os golfinhos nunca mergulhei, já fiz isto com lobos do mar, e acho que não haveira problema se todos soubessem respeitar os limites do animais, um dos quais e deixar que eles se aproximem, e nunca forçar uma aproximação, em especial acuando-os e menos ainda quando são femeas com filhotes. Os golfinhos são animais sociais e o grupo tende a se protejer.

Hugo
HugoPermalink

Ernesto, eu já tinha decididio ir para Noronha, mas fiz isso achando que conseguiria utilizar minhas milhas, que estão vencendo, para pegar a passagem. Tanto que já até paguei a pousada em que iria ficar.

Mas acho que não vai dar para pegar as milhas até Noronha, no máximo vou até Recife/Nata e de lá pago um vôo até Noronha, o que vai fazer com que a viagem fique bem mais cara.

Por isso é que surgiu a dúvida, pois pagando hotel e passagem eu posso ir para lá a qualquer tempo, aí pensei se não valeria a pena cancelar a pousada de Noronha, utilizar minhas milhas para Buenos Aires e se possível dar uma esticadinha em Mendoza.

Vou dar uma olhada também nas suas dicas e no final de semana converso com minha esposa.

Lena, pensei inicialmente em Recife porque Natal eu já conheço e de Recife sai um avião da Varig que tem um preço melhor do que o da Trip. Mas ainda vou pensar um pouco melhor.

Lucia Malla
Lucia MallaPermalink

Lena, o problema são os humanos "entusiasmadíssimos"! grin

Qualquer animal age por instinto de sobrevivência em primeiro lugar, até um gato doméstico, e isso deveria estar na cabeça de qualquer turista ao visitar lugares onde animais selvagens estão. Há de se ter consciência de q há um limite para ver o animal.
Houve um caso famoso há muitos anos de um paulista que morreu vítima de um golfinho. Mas por que o golfinho avançou? Porque o cara enfiou um palito de picolé no buraco da respiração do animal, que fica no topo da cabeça. O golfinho, com razão, virou "onça".

É o q o Ernesto falou: o problema é o abuso das pessoas.

Acho que para que a visitação aos golfinhos em Noronha fosse (re)liberada um dia, deveria haver um programa de educação mais rigoroso dos guias e principalmente, dos visitantes. O que obviamente, oneraria mais ainda a visita. Não sei se o IBAMA aprovaria.

Ernesto
ErnestoPermalink

Eu acho que visita aos golfinhos, só acompnhada de instrutores, em número limitado, e com no maiximo 3 turistas por dive master.

Dayanna
DayannaPermalink

Noronha deixa muitas saudades...
Estive lá esse ano em fevereiro e fiquei na Pousada do Vale. ADOREI!!! Além de ser bem confortável o pessoal faz de tudo pra vc se sentir à vontade, todos muito simpáticos e serviço realmente personalizado. Até improvisar uma rede para minha sogra ( que só dorme em rede) improvisaram dentro do quarto! Realmente nota 10 pela recepção.
A localização é ótima, perto de tudo. Vale a pena!
Bjinhos a todos

Ceci
CeciPermalink

Hugo,

Noronha ou Buenos Aires ? Os dois destinos são maravilhosos, vai depender muito daquilo que você pretende em cada um deles. Se você não vai conseguir aproveitar suas milhas para chegar até Noronha, já não é tanta vantagem. Se você pretende encontrar um mar bem calmo para mergulhar, inclusive no Mar de Dentro, dezembro já não é uma boa época. Sabe, bem pouca gente fala sobre isso, mas entre dezembro e fevereiro aquelas paisagens maravilhosas de mar calmo na Baia dos Porcos e Cacimba do Padre se transformam e a Cacimba se torna palco de campeonatos de surf. Dá para imaginar ? Assim, se você quer aproveitar para mergulhar naqueles cartões-postais, principalmente se for somente de snorkel, dezembro não é uma boa opção. Encontrei somente no site da Ambiental essa informação mais detalhada: “O melhor período para a prática do Surf é de dezembro a fevereiro, quanto os ventos mudam de direção, propiciando a prática desse esporte no Mar de Dentro. O mergulho pode ser feito ao longo de todo o ano na ilha, porém o período em que o mar está mais calmo é durante os meses de setembro, outubro e novembro, sendo esses os melhores meses para quem quer se iniciar nessa atividade.” (http://ambiental.netguestdns.com.br/site/frontend/local_destino.asp?des_id=154)
E uma informação rápida numa matéria da Marie Claire: “Melhor época De agosto a outubro, quando o mar é tranqüilo. Mas a vegetação fica mais bonita em março.”
http://revistamarieclaire.globo.com/EditoraGlobo/componentes/article/edg_article_print/1,3916,1096670-1738-1,00.html
Quando fui à Noronha em agosto já deu para aproveitar, mas em outra ocasião, em junho, a água não estava tão límpida nem o mar tão calmo.
Localizei também umas fotos dessas praias feitas nos meses de dezembro e setembro para você ver a diferença do mar. As fotos dão de Marcelo Faustino e Marcio Cabral:
http://www.pbase.com/image/38264210
http://www.pbase.com/marciocabral/image/39765387
http://www.pbase.com/marciocabral/image/42986613
Buenos Aires oferece boas opções em qualquer época do ano. smile

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Ceci, nunca estive em Noronha no verão. Mas já fui no final de outubro e já vi alguns dos efeitos das correntes da virada do ano: a praia do Cachorro sumiu (o mar traz pedras enormes que tomam o lugar da areia) e a Baía dos Porcos não estava 100% límpida.

Por outro lado, achei lindona a Cacimba do Padre com ondas. (Onda transparente é um espetáculo, também... he he).

Pelo que me contaram o Sancho continua lindo no verão, e as praias do Mar de Fora -- sobretudo a do Leão -- ficam mais bonitas do que no inverno.

Mas você tem toda a razão -- para pegar Noronha do jeito que a gente vê nas fotos, é melhor vir entre o outono e o começo da primavera. Acho estranho você não ter pego mar calminho em junho (por acaso tinha chovido muito?); eu já fui em abril e maio e só me desapontei com um dia ou outro nublado, mas nos dias de sol tirei fotos lindas de praias transparentes e calmas. Agosto e setembro são ideais, porque o mar está flat e praticamente não chove.

Hugo
HugoPermalink

Ceci, muito obrigado pela ajuda.

Realmente estou começando a achar que seria mais interessante deixar Noronha para uma outra vez, pois aquela foto com o mar revolto foi um pouco desanimador.

Eu e minha esposa ainda estamos pensando, mas a sua informação foi extremamente relevante e útil.

Muito obrigado.

Lena
LenaPermalink

Hugo,
só para ficar no arquivo para quando você reolver ir. Para se conseguir reservar vôo com milhas para Noronha, tem que ter muita paciência. As pessoas costumam reservar com muita antecdência , mas depois vão desistindo. No meu caso, eu consegui o meu bilhete de volta (na ida eu comprei Trip) uma semana antes. E o da minha prima, eu consegui 3 dias antes do embarque. O ideal é ligar diariamente às 18horas, que é o horário em que caem as reservas. Assim, antes que a reserva que caiu seja renovada, se der sorte, você consegue a sua vaga. Quando conseguir a primeira, reserve. Depois você consegue a segunda. Não insista em conseguir as duas de uma vez.