Ame-o e/ou deixe-o

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

ameo

Um papo bem interessante surgiu, neste fim de semana, na caixa de comentário de um post do mês passado sobre a Amazônia.

A discussão foi desencadeada por essa provocação da Dani G.:

Por que o brasileiro economiza pra conhecer as Zoropas e os Isteites, e acha que conhecer o Brasil com CONFORTO é caro? Por que gastar 3000-5000 euros pra conhecer a Europa ficando em hotéis mais-ou-menos é aceitável, e gastar 2000 reais pra conhecer o BRASIL é caro ?

Vejam bem, eu não acho turismo no Brasil barato, mas eu não entendo a PRIORIDADE que dão na hora da escolha… é mais chique dizer que foi a NYC do que até Manaus ou Alter-do-Chão, por exemplo? O que é mais importante? Conhecer os valores da sua terra, ou enaltecer as belezas do vizinho?

Imediatamente o post ficou quentíssimo, com muitas contribuições interessantes.

Para a Sylvia, "o Brasil vai estar sempre aqui". Por isso aproveitamos para viajar para fora sempre que a ocasião se apresenta (na juventude, porque temos mais tempo de férias e mais disposição para encarar qualquer parada; agora, quando as passagens baixam ou o real se valoriza). No caso dela, ter deixado para visitar o Brasil depois de ter percorrido o mundo não alterou o resultado: "meu credo é viajar".

A Dani retrucou: "Da mesma forma que o Brasil continua 'aqui', a Europa, Caribe e USA continuarão 'lá'. O enriquecimento cultural de quem passa 30 dias mochilando na Europa é maior do quem fica 30 dias mochilando no nordeste, por exemplo? Não sou ufanista e nem estou saudosista, mas antes de meter a cara no que chamam de 'mundo' eu visitei o Brasil. E, aqui no chamado 'mundo' posso conversar com X,Y z Z dizendo que no Sul é assim e no Nordeste é assado. Acho a coisa mais triste alguém te perguntar peculiaridades do seu próprio país e você não saber informar, e ao mesmo tempo sabe de cor todos os pontos turisticos de Paris…"

No que a Mô, que detesta praia e mato, e já foi a quase todas as capitais brasileiras a trabalho (e voltou por conta própria a Belém e Manaus), foi direto ao ponto: "Gostoso é ir para aonde temos vontade e não para aonde acham que deveríamos ir. Como não sabemos jamais o dia de amanhã, no momento eu curto mais ir para aonde sempre tive vontade e não podia. O que há de errado nisso?"

Concordando com a Dani, a Carla2 encontrou traços culturais na preferência brazuca por viagens ao exterior: desde a colônia as classes abastadas mandavam seus filhos estudar na Europa; e no Sul e no Sudeste quase todo mundo tem origens européias mais ou menos recentes para conferir.

A maior declaração de amor às viagens dentro do Brasil veio da Flavia Penido, nossa LadyRasta: "Acho que tem dois fatores aí: a) preferência por um ou outro lugar; b) o conceito do que é viajar para você. Eu acho importante conhecer o nosso país até para conseguirmos saber quem nós somos, ou o que nos torna brasileiros; mas é um conceito meu. Como a Sylvia, acho que não importa o que se vê antes ou depois; mas como a DaniG, acho sim que as pessoas dão mais valor para o exterior do que para o Brasil. Eu até poderia dizer que isso advém de termos sido colônia, mas os EUA, por exemplo, não são assim -- americano conhece normalmente os EUA antes de ir para a França ou para o Caribe. Sem dizer o que é melhor ou pior (não é isso em absoluto), acho que essa preferência pelos roteiros ao exterior tem um pouco a ver com a nossa baixa auto-estima sim. Que, paradoxalmente, só vai melhorar quando nos conhecermos. E para nos conhecermos…temos que viajar aqui dentro…".

Meu pitaco: eu acho que a gente gasta dinheiro demais para viajar no Brasil em momentos errados (Réveillon e Carnaval), e gasta tempo demais reclamando de preços praticados em lugares remotos, de logística complicadíssima, como hotéis de selva e Fernando de Noronha, que seriam caros em qualquer lugar do mundo. Ao mesmo tempo, pouca gente está realmente ligada em descobrir as barbadas da baixa temporada -- quando, sabendo para onde ir, o Brasil é uma pechincha.

Endossando a Dani, acho que a gente só considera um bom negócio viajar por aqui mesmo quando o Brasil está MUITÍSSIMO mais barato do que ir para o Exterior. Se custar só um pouquinho mais barato, o Brasil está caro...

Também acho que normalmente temos dois padrões distintos de conforto. Como aqui somos da casa-grande, não admitimos nada que pareça remotamente senzaliano. Já quando turistamos fora, topamos qualquer parada... Dificilmente ficaríamos em Copacabana num hotel equivalente aos que ficamos em Paris ou Roma (para citar três cidades de hotelaria ultrapassada e cara).

Aos "fatores culturais" apontados pela Carla2 e pela Flavia,  eu acrescento mais um: a instabilidade econômica e monetária do Brasil, que faz com que a moeda passe alguns anos supervalorizada e outros tantos sem valer nada. É natural que a gente não queira perder a oportunidade de viajar para fora quando isso é possível.

Por isso, no final das contas, estou com a Mô -- a gente deve ir para onde tem vontade e está podendo mrgreen

(Só acrescentaria: desde que numa época favorável, hehe.)

E você, o que acha? Concorda com alguém aqui? Discorda? Muito antes pelo contrário?

Ajude a engrossar esse caldo, pufavô!

132 comentários

Andre Lot
Andre LotPermalinkResponder

Riq, meio que ressucitando esse post aqui, e lembrando das figurinhas trocadas no post das pousadas BBB, estava conversando com uma amiga e acabamos chegando a mais um fator que colabora para preferirmos o Exterior: as férias do trabalho.

Quem trabalha em empresa média ou grande sabe que existe um preconceito gigantesco na hora de agendar férias de quem não tem filhos. Se vc pedir suas férias em julho ou janeiro e não for casado com filhos menores, ai de ti - será fuzilado pela turma "família". Assim, em geral sobram os meses de "baixa temporada".

O "diabos" é que para muita gente baixa temporada no Brasil ainda é sinônimo de "local semi-fechado", enquanto no Exterior vira sinônimo de "menos lotado".

Acho que rola uma síndrome de "cresci no Guarujá". Nesses balneários que cresceram, se estabeleceram e alguns ainda vivem apenas em função do movimento de donos de imóveis "de temporada", todo mundo tem um certo trauma de adolescência quando foi com a tia para Rio das Ostras em um fim-de-semana de abril e ficou assistindo TV o dia inteiro pq tudo estava fechado.

A bem ou a mal, a empacotadora-mór CVC e suas congêneres fizeram um bem danado ao trade turístico: criaram uma demanda básica em lugares que mal funcionavam fora do "verão" e principais feriados, e isso acabou atraindo vôos não fretados, estrutura de fornecedores, e tudo o que pousadas e hoteis para outros públicos que não o de pacote querem. Mas ainda rola um preconceito grande em viajar "na baixa" para terras tupiniquins, principalmente em metrópoles como São Paulo e Porto Alegre em que há uma distinta temporada de "subir a serra" ou de "descer para a praia".

Ricardo Freire

André, no dia que for tão fácil reservar pousadas e hotéis pela internet no Brasil como é comprar passagens aéreas, vai ser muito mais fácil viajar a lazer na baixa.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar