No Big Trip: a arte de viajar sem bebês

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

bigtrip1

Se viajar com bebê é uma arte, saber o momento de viajar sem o pimpolho também é.

A Paula Bicudo do Big Trip enfrentou recentemente o dilema levo-o-baby-ou-não-levo, e resolveu a situação com paz na consciência. Nas palavras dela:

A bebê vai ficar com a avó. Se alguém torceu o nariz, realmente não estou mais importando, pois já recebi inúmeras críticas veladas (ou nem tanto) sobre isso. Agora, o que é mais judiação: levar uma bebê de 1 ano e meio numa jornada dessas ou deixá-la no aconchego do lar com a avó querida, que a protege e enche de mimos? Com a rotininha de sono e refeições organizadas, saindo para brincar no sol todos os dias, ela certamente ficará feliz  e a pessoa que mais sofrerá serei eu, de saudades. Mas, quando eu voltar, ela terá uma mamãe ainda mais feliz e menos estressada. E eu sei a boa mãe que sou, não preciso da aprovação de ninguém (desculpem o desabafo).

Ela não pediu minha opinião, mas acho que está certíssima! Até mesmo os santos-padroeiros das viagens com bebês aqui na comunidade, o Jorge e a Tati, sabem que de vez em quando tem que rolar uma viagem a dois.

Dê o seu apoio à Paula e veja que hotéis bacanas ela descolou em Nova York fazendo uma visita lá ao Big Trip.

48 comentários

Karinissima
KarinissimaPermalinkResponder

Concordo smile É o que sempre achei, aliás. Quando vejo famílias com bebês no avião, vejo todo o trabalho dos pais e desconforto dos babies. Tenho pena pois sei que para muitas famílias a viagem com o pimpolho não é uma opção, mas uma falta dela. Logo, acho que a Paula está certíssima e não deveria mesmo se aborrecer com os comentários alheios. Afinal, estamos fartos de saber que o mundo está cheio de gente "sábia" que adora dar pitaco destrutivo.

Valmir
ValmirPermalinkResponder

É viável viajar a USHUAIA... no fim de agosto
com um bebê de 2 anos e meio ??

Esse bebê aguentou numa boa a viagem a Bariloche
em agosto de 2011... quando ainda tinha só 1 ano e meio.

Grato

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Valmir! Com ou sem criança pequena, a melhor época para fazer essa viagem é no alto verão smile

Em agosto Ushuaia viverá em função do esqui. É uma estação para esquiadores experientes, com poucas atrações para brincar na neve.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Lucidez é uma raridade !
Crianças pequenas não precisam de agitação , não precisam conheçer novas culturas , nem experimentar travesseiros de hoteis , nem apurar o paladar com comidas exóticas.
Crianças pequenas precisam estar confortáveis com pessoas que deem amor, atenção, e cuidado .
Vamos deixar as crianças em paz, enquanto a gente abana as tranças , tá combinado ?? eekops: :roll:

Marcie
MarciePermalinkResponder

apoiadíssimo!

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

sylvia, você é ótima! Os europeus viajam muito com seus filhos, pequenos, é cultural: em Sevilha vi um casal de alemães com 4 filhos em escadinha, o maioir deveria ter uns 4 anops e o menor era um bebê de colo, preso a um canguru, todos comportadíssimos, visitando o Alcazar (imagino como deve ser divertido para crianças, né?). Eu acho que eles fazem isso por não tem com quem deixar, mas confesso que acho um pouco "too much".bjos

Andre Lot
Andre LotPermalinkResponder

O que ocorre é que na Europa, apenas a Itália tem essa tradição familiar protetiva, da avó que adora ficar com "i bambini" e encher de comidas gostosas. Na Holanda, por exemplo (moro aqui), a ideia de "ir passar férias na casa da avó" simplesmente não existe. Uma vez que se casam, os núcleos familiares ficam muito fechados. E, imagino (eu sou solteiro e não tenho filhos), ninguém pensa em deixar um bebê com a baby-sitter por 15 dias consecutivos não?

Hugo
HugoPermalinkResponder

Cada um tem sua opinião, mas acho que algumas viagens são feitas com os filhos e outras não.

Eu, por exemplo, jamais levarei meu filho para uma praia enquanto ele não tiver pelo menos uns 2 anos. Areia, sol, mar, calor não combinam com um bebê que há pouco tempo chegou ao mundo. Além de que sem dúvida, para eles, é muito melhor ficar com os avós do que numa viagem de que jamais se lembrarão.

Caroline®
Caroline®PermalinkResponder

Pois é. E eu conheço um casal que levou um bebê de uns 3, 4 meses numa viagem DE CATAMARÃ PRA MORRO DE SÃO PAULO..... Detalhe, choveu quase todos os dias. Tem gente que não tem noção mermo.

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

Devo arrumaro me só em alguns anos mais, mas sempre que penso em como farei com viagens e um filho tão pequeno, a ideia é exatamente deixar com avós e me mandar, porque assim fica bom para todo mundo smile

Silvia Oliveira - Matraqueando

Acabei de fazer uma viagem de três dias a Foz do Iguaçu - num ritmo intenso - e foi a PRIMEIRA sem minha bebê de 10 meses! Ficou com a avó, que mora em Londrina e veio a Curitiba só para ficar com a netinha nestes dias! O passeio foi maravilhoso (estou postando lá). Ficamos com saudades, mas estávamos absolutamente seguros de que ela ficaria melhor em casa. E APESAR DO RITMO FRENÉTICO DA VIAGEM, CONSEGUIMOS DESCANSAR!Adorei o desabafo da Paula. Mas em nenhum momento me preocupei com o que poderiam pensar! Viajar com bebê ou não, é uma coisa muito pessoal. A Paula poderia, sim, levar o seu bebê (pelo simples PRAZER de estar com ele durante sua estréia em NY), mas o roteiro teria que ser bem mais longo (mais dias, porque ele tem que voltar pro hotel e ter o soninho da tarde, por exemplo, e isso atrasa tudo...) e a Paula teria que se preparar para gastar bem mais, porque eles - os bebês - precisam de estrutura e comodidade e isso custa bem caro! SEM CONTAR QUE É FUNDAMENTAL TER UMA VIAGEM SÓ NOSSA DE VEZ EM QUANDO! ISSO FAZ BEM PARA O CORPO, PARA O ESPÍRITO E PARA O CASAMENTO! Em setembro vou para o Chile, ainda não decidimos se a Mariana vai junto (estará com 1 ano e três meses!). Se formos sozinhos a viagem durará cinco dias. Com ela - pelos meus cálculos - teremos que ficar 9 dias... porque quem manda no ritmo é ela!) Para os que não tem o que fazer e ficam dando pitacos destrutivos (como disse a Kariníssima) na vida dos outros, UMA BANANA... e para a Paula... UMA FELIZ VIAGEM!

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Marcia, bacana ouvi eXperiências de outros pais com filhotes pequenos! Eu fico feliz que vcs tenham conseguido aproveitar a viagem a dois. Vamos trocando figurinhas, afinal nossas filhotas tem mais ou menos a mesma idade. bjos

Carla
CarlaPermalinkResponder

Apoiadíssima, Paula!!! Tudo tem o seu momento e o seu espaço - há viagens ótimas para os bebês e outras não. E não é porque um casal teve um bebê que tem obrigatoriamente que abrir mão de viajar sem ele... Se há uma vovó amorosa que se dispõe a cuidar da netinha por uns dias, tem mais é que aproveitar! E não deixe ninguém tentar te fazer sentir culpa, não... wink

Emília
EmíliaPermalinkResponder

Já tinha manifestado o meu apoio no Twitter e de novo: é isso aí, Paula. Você avaliou a situação e fez o melhor para todo mundo...Com certeza você vai ter muitas oportunidades melhores para viajar com a fofa. É impressionante como tem gente no mundo disposta a tomar conta da vida dos outros...sempre na melhor das intenções.
PS: Hotéis em NY lindos!

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Lindos, não é Emília? Eu adorei os hotéis, e o preço, hahaha. Vamos ver se são bons na vida real, não apenas no site. E obrigada pelo apoio!

Dani G.
Dani G.PermalinkResponder

Eu acredito que enquanto a criança estiver amamentando ela deve estar perto da mãe. Se não for mais o caso, e se a criança não for sofrer saudades de pai e mãe, não há problemas em viajar. Creio que é mais difícil deixar um bebê do que um toddler.

No meu caso específico eu não programo nenhuma viagem que não seja child friendly. Acredito no bom senso dos pais! Eu aprendi na marra que ainda não é hora de deixá-lo para me divertir: o meu filho sofreu MUITO qdo o pai mudou primeiro que a gente para outro país. Nos primeiros 3 dias ele estava bem, depois ficou perguntando do pai, e começou a ficar irritado e depois triste, não queria comer, chorava toda hora, coisas que ele nunca tinha feito. Ele perguntava do pai o tempo todo, isso aos 18 meses. Vi que ele sentiu saudades, que sofreu (as crianças sofrem e eu não fazia idéia)durantes as 3 semanas sem o pai. No nosso caso qdo optamos ser pais, resolvemos que iríamos esperar o tempo necessário para voltarmos às atividades de antes, e não creio que isso seja abrir mão de nada, pelo contrário. Por enquanto, ele vai onde vamos, mas nada longo, nada cansativo e respeitando o ritmo dele. Teremos tanto tempo pra aproveitar viagens sem ele no futuro que realmente nem pensamos nisso no momento. Queremos ir à Grécia, por exemplo, para uma segunda honeymoon, e acho que ano que vem qdo já estiver quase com 3 anos, será o bom momento pra deixá-lo com alguém da família. Isso, vejam bem, é o nosso caso, respeitando o tempo do nosso filho.

Acho que nao deve haver a culpa nem do levar, nem do não levar. Cada família funciona de um jeito. Cada casal possui seu jeito de educar/criar e sabe lidar com suas necessidades e prioridades. E, pitaco sempre haverá. Pq mãe é uma raça ingrata, elas mesmas falam umas das outras wink

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Dani, eu concordo com você: eu amamentei a Sofia até um ano, e não pensei em me separar dela em nenhum momento nesse período. Essa viagem via servir como um teste até para mim: se ela sofre muito, ficar triste, eu revejo meus conceitos, mas tenho certeza que isso não vai acontecer. E cada família funciona de um jeito mesmo, mas o que importa é enchermos nossos pequenos de amor e carinho, em meio a uma família estruturada e feliz! bjos em vc eno Gab's

Alessandro A.
Alessandro A.PermalinkResponder

Eu também apóio e acho que criança deve estar sempre em lugar adequado para a sua rotina. Não adianta querermos forçar a natureza da criança porque queremos nos divertir. Eu já deixei o meu filho com os avós e ele sempre ficou bem. Desde que o tempo não seja muito grande, não tem problema nenhum.

Mirella
MirellaPermalinkResponder

Riq,
Muito legal vc ter trazido esse topico aqui... assim todo mundo dá uma força para a Paulinha smile
Esse negócio de deixar de ir viajar é meu principal dilema em se tratando de ter filhos... principalmente por eu saber que não terei minha mãe pertinho e terei que abdicar de muitas coisas para ser mãe.
Abs

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Mi, sempre é uma decisão difícil, mas vale a pena: o nascimento da pequena foi de longe a minha maior "viagem"!

Luciano
LucianoPermalinkResponder

"Cada família funciona de um jeito. Cada casal possui seu jeito de educar/criar e sabe lidar com suas necessidades e prioridades." Quem sou eu pra falar, mas, Dani G acertou na mosca. É isso mesmo. Somente aos pais é que cabe saber se devem levar, ou não, os filhos junto.

Nossa experiência. Aos seis meses levamos a Isabella conosco pro leste europeu (deixar com a vó não dava, pois ela foi junto smile ) e quase fomos crucificados por dizer que ela (a baby) ia junto. Aos 18 meses fomos a BsAs. O argumento, dos pitaqueiros, era que ela não ia lembrar de nada! Ela adorou. Até hoje fala do trem (metrô), do zôo e do parque que íamos brincar. Fomos renovar o visto americano e ela foi junto. A partir daí ela mesma definiu as cores como vermelho da TAM, verde da Webjet, azul da Varig e Azul (claro e escuro) e laranja da Gol. Filho de peixe...

Queremos levá-la junto. Já tivemos bastante tempo para os dois. Citando a Dani G de novo: "No nosso caso qdo optamos ser pais, resolvemos que iríamos esperar o tempo necessário para voltarmos às atividades de antes, e não creio que isso seja abrir mão de nada, pelo contrário."

Pode ser que ela, no futuro, esqueça, mas ficarão as nossas lembranças. E essas valem muito, mas muito mais que os quilos extra de bagagem que vão junto.

E no fim do mês embarcamos de novo!

O segredo pra viagem ser tranqüila é planejar, planejar e planejar, levar vários brinquedos e distrações (pro avião e restaurantes) e respeitar o ritmo da criança. Foi o que sempre fizemos, sempre deu certo e continuaremos assim.

Marcie
MarciePermalinkResponder

Isso ai, Paula! Eu já tinha falado sobre isso com ela tanto no Twitter quanto por email. Eu acho que vai chegar a hora de viajar com os pequenos: QUANDO ELES NAO FOREM MAIS PEQUENOS!!! Sempre fui contra, nunca viajei com a Julie a não ser pra praia. E nunca tive remorso nenhum. Na volta, ela ganhava uma mãe feliz e, claro, alguns presentes. Essa coisa do remorso e da culpa nunca funcionou pra mim : eu fui a primeira em absoluto entre minhas amigas e família a coloca-la numa creche e voltar correndo pro trabalho. Sofri críticas pesadíssimas, inclusive na família, e nunca tive problemas com isso. Felizmente, depois as mesmas pessoas que me criticaram perceberam que, afinal, não era tão mal assim. Eu acredito piamente que você só pode ser uma boa mãe se estiver bem consigo mesma. E eu precisava viajar. Viaje tranquila, Paula, que eu vou fazer você sambar em NY!!!! lol lol lol

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Marcie, e eu vou adorar! Vc é muito querida mesmo! vai ser uma delícia! Vc, a Sylvia e a Emília fora as priemiras a me apoiar via twitter, e eu super agradeço, sua spalavras me fizeram muito bem!

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Nossa, gente, que legal esse post! Eu trabalhei feito uma alucinada hoje, a pequena ficou doentinha e eu só entrei na net agora. Nem acreditei na supresa!
Primeiramente queria me desculpar pelo erro de português "A bebê vai ficar com a avó. Se alguém torceu o nariz, realmente não estou mais ME importando..."
Segundo eu queria agradecer o apoio de vocês: esse assunto me incomodou por um tempo, devo confessar, mas, a minha filha tem uma rotininha super organizada (a muito custo) e definitivamente iria sofrer com esse ritmo de viagem. Nós já viajamos com ela pro Arraial da Ajuda Eco Resort, com 1 ano e foi tranquilo, mas era outro esquema: tinha comidinha para bebê, dava para esterelizar mamadeira, tirar cochilo a tarde, enfim, viagem direcionada para bebês/crianças. Mas a volta já foi um perrenque, pois saímos de Porto Seguro as 17h, mas o vôo não pode vir direto para SP, porque caiu um temporal no final da tarde por aqui e ficamos parados em Confins (BH) duas horas dentro da aeronave; resultado: bebê cansando e estressado!
Riq, vc é demais! Thanks a lot!
Boas viagens para nós todos, com ou sem bebê e eu vou fazer uma série de posts sobre NY/Costa leste no Big Trip. Passem por lá!
bjos Paula (e Sofia)

Dani G.
Dani G.PermalinkResponder

É isso aí Paula ! Só uma coisinha, sua filhota já é toddler, não é mais baby. Em português não há palavra pra diferenciar essa fase, há ? Bebês pra mim são os que ainda não andam, que mamam, essas coisas, e esses são os que são difíceis de deixar. O único "problema" de deixar com a avó é que qdo vc voltar ela vai tá cheia de vontades, rs.

E, uma coisa, eu nunca dou satisfação pra ninguém não. Como disse a Flávia ali embaixo, o importante é que vc não se sinta culpada de nada.

Eu sempre brinco com as minha amigas grávidas, que o único conselho que eu posso dar, é que elas nunca escutem conselho nenhum wink

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

É, não existe tradução para toddler em português, mas digamos que é um bebê com mais de 1 ano. bjos

Marcia Kawabe
Marcia KawabePermalinkResponder

Pra mim que não tenho filhos também parece fácil falar, mas acho que a Paula está certíssima. O casal precisa de vez em quando ter um momento só pra eles e não é pecado e nem crime desejar isso. E a "Paulinha" vai ter muita oportunidade de viajar na vida smile

Flavia
FlaviaPermalinkResponder

Eita insônia! Paula, já falei com vc sobre isso no Twitter, mas falo de novo: quem tem que resolver isso é vc e seu marido. Algumas viagens são bacanas de se fazer com os filhos (eu ando com o meu desde 1 ano de idade, mas já deixei ele com os avós inúmeras vezes), e outras é um lance do casal mesmo. O importante é que VOCÊ não se sinta culpada.

Agora, vou falar uma coisa que ninguém falou, mas eu sou sempre aquela que fala tudo por deformação da profissão né? É possível (possível, não provável) que pra chamar um pouco a atenção ela tenha uma gripezinha, febrinha, essas coisas; é um jeito da criança demarcar um pouco o território, uma manha básica (aconteceu isso com meu filho uma ou duas vezes, e tenho amigas que passaram pelo mesmo problema). Se isso acontecer, desencana, deixa na mão dos avós, pois se eles criaram vc (ou seu marido, certamente sabem cuidar dos netos, e aproveite a sua viagem sem culpa nenhuma. Criança tem que ter pais felizes e satisfeitos por perto, e não duas pessoas soterradas por culpa e deveres...
Beijos!

Flavia
FlaviaPermalinkResponder

Ah sim! Eu só falei isso porque, caso aconteça, vc vai saber que é normal e não vai ficar se sentindo culpada tá? Mas acho que deu pra perceber isso né?

beijos!

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Flavia, é verdade, isso pode acontecer, e vou preparar minha mãe para tudo, além de ligar todo dia via Skype, como eu aprendi aqui com o Riq! bjos e obrigada!

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Sei não hem meninas mrgreen tenho muuitas historias de uma e depois duas bbs-crianças- adolescentes com avós .
Tenho um trato com minha mãe ( que tb sempre deixou a gente para viajar )de nunca falar coisas que possam deixar a gente preocupado em viagem .
( ate pq não podemos fazer nada alem de nos preocupar)
O "causo" mais interessante foi quando fomos por uns 30 dias pra zoropa , e quando telefonei ( a gente costuma ligar só uma vez por semana ) uma filhota falou : " eu nem tô com catapora " .. hahaha a minha ficha não caiu na hora não ..:roll: e quando chegamos :: !! estavam as
duas com catapora , e o pior : descobriram no dia em que embarcamos mrgreen
Avós são pra isso tb ! Sacanagem ...

Arnaldo - Fatos e Fotos de Viagens

EU gostaria de dar DOIS depoimentos a favor:

1) a primeira viagem que fiz COM meu único filho foi aos dois !!) meses; SEM ele foi aos seis meses de idde (ficou com os avós);

2) certamente chegará o dia que ELE deixará o filho comigo;

O mais triste de viajarmos sem ele é quando ligávamos mortos de saudades e cheios de culpas e ele - felicíssimo, brincando - falava conosco "protocolarmente", doido pra retornar às brincadeiras.

NADA como criar filhos independentes e em culpas! Parabéns, Paula.

DaniCastro
DaniCastroPermalinkResponder

Gente, apóio todas as vertentes... já fui radicalmente a favor de carregar filhos para qq viagem... hoje já estou mais flexível.

Com minha primeira filha, ela tinha 10 meses qdo fomos a Floripa e daí em diante, foram pelo menos 2 viagens por ano, sendo 1 delas para a Europa, de carro entre Paris e Roma... tá bom, tá bom, nessa eu "carreguei" os avós junto ! Mas nas demais, éramos eu e meu marido sempre.

Qdo engravidei da segunda filha, estávamos com a viagem ao Hawaii marcada, já sem a presença da mais velha. Era nossa primeira viagem sem a nossa "mochilinha". Ela tinha quase 3 anos e ficou com a avó. Ficou bem, mas resfriou logo que embarcamos (eu soube já na conexão em SP), e do 5º dia em diante se recusava a falar no telefone (forma de punição aos pais).

Curtimos bastante esse momento nosso e a partir do nascimento da segunda filha, e tendo ela feito a primeira viagem conosco aos 8 meses para Porto de Galinhas (Resort pra ser "user-baby-friendly"), decidimos que a partir de agora serão 2 viagens por ano: 1 com filhas e 1 só nós dois. Assim, temos o prazer de viajar com elas e o de alimentar nossa relação a dois.

Mas no fundo, cada casal tem que decidir a melhor mecanica a seguir.

Carolina
CarolinaPermalinkResponder

Para pais que gostam de aventura, e querem compartilhar com seus filhos é uma coisa maravilhosa pois desde cedo as crianças vão vivendo esse ritmo.
Eu sou totalmente a favor de levar as crianças(meus gêmeos que hoje estão com 2 anos) nas viajens, pois eles são especias nos meus momentos de alegria. Dá trabalho? É claro que dá... A vida é cheia de desafios, e estamos aqui pra isso. Os amo mais que tudo nessa vida e acho que isso não é ruim para eles, com todas as facilidades que o mercado de acessórios para bebês nos proporciona para facilitar nossas vidas nessas situações.

Giulia
GiuliaPermalinkResponder

Bom, to passando por esse dilema, sinto que estou precisando tirar uns dias, so pra mim e meu marido, mais tenhos duas filhar, uma de 5 meses e outra de 2 anos e 9 meses, todas duas ficam bem sem mim, pois tem o custume de passar alguns dias na casas das avos, mais me doe a consiencia de deixa-las, me divertir sem minhas pequenas e algo que doe muito, sei que ficaram bem e sera o melhor a fazer por elas...mais pra mim, eu realmente não sei!

silvana
silvanaPermalinkResponder

Giulia, eu tb to nesse dilema,vou me ausentar apenas or 24hs, uma viagem rapida e nao poderei levar miha filhota de 4 meses...fico com muito receio de ela sofrer com minha ausencia, mas tb de ela sofrer com a viagem que sera cansativa...dificil né?mas minha opção é deixa la com a avó e deixar tb muito leitinho materno pra ela!bjs

tiago
tiagoPermalinkResponder

ola pessoal ..li todos os comentarios...eu e miha esposa vamos fazer uma viagem a europa po 15 dias,,,e deixaremos nosso filho de 2 anos e 6 meses com a minha cunhada ...qeria saber se ele vai sentir muita falta nossa ...ou melhor se vai sofrer com nossa ausencia , apesar de ele gostar muito da minha cunhada e esta acostumado de evr ela qse todos os dias ...ja dormiu com ela ..ta acostumado com ela! gostari de saber a opoini;ao de vcs!

Ana Lu
Ana LuPermalinkResponder

Ola, preciso fazer um exame para o qual eu tomo uma dose de iodo 131, que eh radioativo. Tenho uma nenem de 8 meses e terei que ficar longe dela por 5 dias. Alguem sabe como o bebe reage a falta da mae por esse tempo nessa idade???

lourdes
lourdesPermalinkResponder

li todos os comentarios esto mais tranquila com a viajem de meu genro e filha

Daniela
DanielaPermalinkResponder

Oi ..vou viajar só com meu marido em maio ..mas minha filha de 1 ano e 6 meses ainda mama ....o que fazer???
Será q vai ser muito sofrimento?
Alguma dica como fazê-la desmamar antes

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Daniela! É melhor discutir isso com o pediatra wink

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Daniela,
A Bóia tem razão, discuta isso com seu pediatra. E se quiser mais palpites procure no site http://www.amigasdopeito.org.br/

T. Carvalho
T. CarvalhoPermalinkResponder

A minha dúvida é a seguinte: Nós adultos podemos sofrer de saudades quando viajamos sem os bebês (os meus gêmeos estão com 10 meses) mas isso é conosco, podemos lidar com isso, mas e eles? Estou querendo fazer a minha primeira viagem sem eles, por três dias e deixa-los com os avós, mas o meu medo é: eles vão sofrer muito? Aos 10 meses eles costumam acordar de noite chorando e querendo papai ou mamãe... Estou num dilema com relação a essa viagem por causa deles e não por minha causa...

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Alô, T. Carvalho! Leia as opiniões de mães e pais nesta caixa de comentários wink

Leane
LeanePermalinkResponder

Ontem cheguei de um cruzeiro com meu marido e tínhamos levado nossa filha de 1 ano e dois meses junto com a babá para dar uma força. Claro que a presença de nossa filha é muito importante e se eu não pidesse levá-la eu naõ teria ido. A presença da babá foi imprescindível, pois se nós não a tívessemos levado não teríamos aproveitado nem cinquenta por cento das atividades que o cruzeiro oferece. Com ceretza os gastos são dobrados, mas dependendo da despesa vale a pena.

Leane
LeanePermalinkResponder

Querida T. Carvalho, tenho a mesma dúvida que você. Aliás, minha dúvida vai mais além, tenho muito medo de minha filha me esquecer. Em novembro meu marido quer fazer uma viagem comigo de uma semana para o Caribe, inclusive já estamos com passagens e hospedagens marcadas, mas confesso que às vezes dá vontade de desistir, pois será minha primeira viagem sem minha pequena Lis Manuela. Vou deixá-la na casa de minha mãe, junto com a babá e ainda vou pagar umas diárias para minha secretária também ficar junto. Talvez eu esteja exagerando, mas entendo que seja só execesso de zelo. Tenho tanto medo de que algo lhe aconteça na minha ausência. Fico me sentindo tão culpada. Fico pensando se estou sendo uma má mãe a deixando longe de mim por uma semana. E pior, tenho tanto medo dela esquecer de mim, pois são tantos dias sem minha presença. Será que ela vai gostar mais da babá do que de mim? Será que ela vai sentir minha falta? Será que ela irá esquecer de mim? E como será a reação dela quando eu voltar? Será que ela vai me recohecer e sorrir ou será que ficará indierente? Ai que dilema! Sei que tenho que ter momentos com meu marido, mas essa decisão está me maltratando muito.

Pricilla
PricillaPermalinkResponder

oi Leane,

tudo bem?
gostaria de saber se deu tudo certo na sua viagem, pois passarei por uma situação parecida
obrigada

Pricilla
PricillaPermalinkResponder

Oi Paula,

obrigada por dividir conosco sua história ... estou contigo!!!

Desde que meu bebê fez 5 meses deixo ele a cada dois meses (aproximadamente) uma semana em Joinville -SC (eu moro em SP-SP) na casa da minha sogra com a babá que está conosco desde que ele nasceu (hoje ele tem 1,1 mes)... ele se adapta super bem... nas primeiras 24 horas estranha um pouco, mas depois é só alegria... isso só fez fortalecer a relação de toda a família, mesmo morando em outro estado, bem como crescer o amor pelo neto/filho... atualmente ele é o único neto de ambos os lados
Dá saudades, mas ele é tao amado e querido no sul, alem disso confio muito nos avós e na minha babá (técnica em enfermagem, com 40 anos de experiência), onde meu bebê fica é um lugar lindo cheio de árvores, animais e tem um lago enorme ... clube de golfe... bem diferente de onde moro em SP...
Em setembro/13 faremos uma viagem de 20 dias para a California, as vezes penso em desistir ... mas tem horas que fico segura e tranquila... Optamos por nao leva-lo por causa dos transtornos que a viagem causariam a ele, bem como a nós... percorreremos milhares de km de carro... nao acho isso legal para ele que esta na fase de engatinhar e começar a andar... sem falar na alimentação dele que é super natural (arroz, feijao e bife)... sem falar que aproveitaríamos pouco a viagem (o casal)
Tenho fé em deus e sei que o melhor acontecerá ao nosso filho neste período de afastamento ... Amo muito ele, reflito muito sobre tudo, procuro dar amor a ele o tempo todo. Meu marido e eu queremos muito fazer esta viagem, pois estamos programando engravidar no próximo semestre... entao sei que as viagens a dois serão ainda mais difíceis
Em marco/2014 levaremos nosso filho, o qual já deverá estar com 1,8 mês para a Disney... fazendo deste modo, uma linda viagem em família
Espero nao falhar como mae e nao me sentir a pior das maes neste período, mas graças a Deus até hoje minhas experiências em deixar meu filho com os avós (amo minha sogra ela é uma segunda mae pra mim) + a babá de confiança foram 100% positivas, deus continuará nos guiando smile
Coragem, fé e muito amor para todas as mamaes e seus filhos!!!

bjs

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar