Se for beber, dirija-se a Antônio Carlos (SC)

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

scherer9

Ao emancipar-se, o distrito catarinense de Alto Biguaçu foi forçado a homenagear um presidente da província de Minas Gerais, passando a chamar-se Antônio Carlos.

Décadas mais tarde, a vingança: o município barriga-verde produz cachaças que não ficam nada a dever às mineiras.

scherer4

Fui até lá, para testar um passeio que os hóspedes gringos da Ponta dos Ganchos adoram fazer: a visita à Adega Scherer, o principal produtor artesanal de cachaça de Antônio Carlos -- e fornecedor de muitos rótulos de cachaça chique.

scherer5

Esqueça aquela roça jeca-tatu que você porventura tinha na cabeça. A cachaça, aqui, não é parente da bagaceira portuguesa; é descendente do schnaps alemão.

scherer10

A matéria-prima não é o melaço (resíduo da fabricação de açúcar) e sim o melado (caldo de cana evaporado). A fermentação é feita com leveduras importadas da Europa. O envelhecimento, em barris de carvalho usados apenas uma vez para fazer bourbon.

scherer6

Experimentei uma provinha direto do barril.

scherer7

(Não, eu não estava dirigindo.)

scherer8

Se me dissessem que era bourbon eu não duvidaria...

A Adega Scherer fica 50 km a noroeste de Floripa. Para fazer uma visita guiada pelo Ivo Scherer, ligue antes: 48 3272-7000.

scherer12

Querendo encomendar, olha que moderno: eles vendem online.

8 comentários

Guilherme Lopes

Essa pinga até “chora” no copo! ; )

Igor
IgorPermalinkResponder

Tenho um tio que diria o seguinte ao provar desta cachaça: "Esta é a verdadeira lágrima da cana"

Zé
PermalinkResponder

Riq, você não estava dirigindo? Ou você não se lembra que estava dirigindo? :roll: grin

Arnaldo - Fatos e Fotos de Viagens

INTERESSANTE ver produção de cachaça fora de Minas Gerais, Estado do Rio, de São Paulo e de Pernambuco. Uma completa novidade pra mim. Por falar em cachaça, há um interessante movimento de produtores sérios nacionais interessados em criar um órgão regulador e normatizador, controlador de qualidade para a cachaça brasileira. É um trabalho de especialistas de alto grau técnico de conhecimento e formação que está tentando padrozinzar e fiscalizar a produção da bebida no Brasil para que ela seja melhor aceita no exterior. Tomara. Bacana, né?

Emília
EmíliaPermalinkResponder

Também nem imaginava uma produção de alto nível assim no sul, Arnaldo. É bacana ver que os bons produtores estão se espalhando e que há uma preocupação com a qualidade, e não quantidade. Por falar em outros estados, uma das mais gostosas que experimentei é de Goiás, a Mercedes. Vale a pena.

meilin
meilinPermalinkResponder

Ô, "faissonão", eu sô perdida pela marvada...vô lá só pra provar a branquinha que vc recomendou...

Elton Junkes
Elton JunkesPermalinkResponder

Conheço a Wruck de Luis Alves Sc, tambem otima .www.cachacawruck.com.br

Ricardo (Padre)

Não sou um expert em cachaça, apenas um apreciador e, como tal, já provei muita mineira, pernambucana, de Luis Alves e outras regiões do interior de SC e posso afirmar que a cachaça da Adega Scherer é sem dúvida alguma a melhor cachaça que provei até este momento em minha vida ! Sem mencionar aqui a receptividade sem igual por parte do Ivo, seu irmão e familiares que nunca encontrei em outras destilarias ! Obrigado aos Scherer pelo ótimo trabalho desenvolvido e pelo enobrecimento da arte de fazer uma cachaça de alto nivel, mas acima de tudo, de um paladar tão apurado muito pouco encontrado pelas andanças deste amado Brasil !

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar