Prós x contras: dólar, euro, peso, real, travelers, cartão de crédito, saque internacional ou Visa Travel Money?

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Este post ficou desatualizado.

Para a versão mais completa e atualizada deste texto, clique aqui.

Leia a versão atualizada:

407 comentários

Atenção: os comentários estão encerrados.

Sylvia
SylviaPermalink

Mais uma biblia pra mesa de cabeceira viajandona .
Thanks Riq ! grin

Vivi
ViviPermalink

Bom dia “Gurus da viagem”

Estou desesperada e preciso da ajuda de vcs - rsrsrs
Ontem sentei pra afzer o roteiro de minha viagem em Dezembro à Europa e tô surtando aqui

os lugares que gostaria de visitar são:Suíça, Paris, Roma e Suécia. Sendo que gostaria de passar o Ano Novo em Paris. Tenho do dia 26/12 até 9/01 para tentar encaixar esses 4 lugares. Sei que o Riq e todos vcs aqui indicam uma viagem mais slow nesta época fria, mas será que cabe esses 4 lugares nesses meus dias? Outra coisa que tá me enlouquecendo é encaixar esses lugares nas low cost, não tá batendo…Eu só conheço a Ryanair e a Easyjet, tem outras?

Amigos me ajude, please!

Cláudia Holder
Cláudia HolderPermalink

Vivi, são lugares muito distantes (especialmente Suécia) para poucos dias. E avião demais para poucos dias, também. Eu já fui à Europa no inverno, e tive sorte de não pegar muito frio, mas acho válido o conselho de Riq: fique nas cidades maiores, que têm mais estrutura. O sul da Alemanha é uma ótima pedida para o Natal.

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

É uma viagem bastante sem pé nem cabeça. www.skyscanner.net. Boa sorte.

Vivi
ViviPermalink

Eheheh Riq é verdade, agora tô vendo que é sem pé e nem cabeça...O que vc me aconselharia? Poderia mudar algo para Amsterdam?rsrsrsr
Tô doidinhasmile
Valeu

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Vivi,

1) Não alimente expectativas quanto ao Réveillon. Ele é chato em qualquer lugar fora do Brasil; no frio, mais ainda.
http://viajeaqui.abril.com.br/blog/64140_comentarios.shtml?1311328

2) No auge do inverno, há luz na Escandinávia das 9 às 15h. Se você não for atrás de hotel de gelo e Papai Noel na Lapônia, não é uma época muito recomendável.

3) "A Suíça" é um conceito meio amplo, sobretudo quando você tem 3 ou 4 dias e olhe lá. Eu tentaria ver paisagens alpinas -- e ficar de vigília o tempo suficiente para dar algum dia muito bonito e os picos serem visíveis. Na pressa, eu não iria.

4)Deslocamentos e preços ficam mais viáveis quando você escolhe itinerários que façam sentido geográfico.

5) Nessa época do ano eu escolheria cidades cosmopolitas que oferecessem muito o que fazer em recintos fechados. Ou faria uma viagem em busca do Natal germânico, que é lindo.

https://www.viajenaviagem.com/2007/09/enquete-da-semana-europa-no-inverno/

Marcie
MarciePermalink

Muitos anos atrás, muito antes do Euro, um amigo meu me ensinou a sempre levar comigo dinheiro do lugar que havia visitado e gostado. Na opinião dele, supersticioso que só, isso me traria de volta. Se é verdade, não sei, mas sempre funcionou. Sempre que eu chegava tinha pelo menos o dinheiro para as primeiras despesas. Claro que a carteira era volumosa, mas valia a pena. Eu ainda faço isso hoje, e quando acaba uso o cartão de crédito e o saque em caixas automáticas. Há um porém : cada vez mais aqui nos EUA estão aumentando as taxas para uso de cartões e saques fora do país. E sim, cada vez que viajo tenho que ligar para as administradoras pra avisar que vou viajar, o que acho um saco, mas...

Sylvia
SylviaPermalink

Eu tb nunquinha saio sem dinheiro de verdade . Freud explica os perrengues pré-internet , pós revolução industrial .
Já me safei de poucas e boas por ter mony trocadinho lol
O mais complicado de tudo é carregar dinheiro no calor, e em destinos praianos ( o que fazer com a bendita bolsinha de cintura ? ) eekops:
Mas , com certeza absoluta , hoje é preciso montar uma cesta financeira bem mais variada , pra viajar sem ficar perdendo um tempo precisoso , com o óbvio.
Não tem nada mais chato e pré historico do que ficar sem dinheiro e ter que correr atrás do din din .

adriany
adrianyPermalink

Olá!
Estava pegando o 100 dicas para viajar melhor... para ler justamente sobre o que valeria mais a pena! Excelente! Aproveitando o post. Estou indo para Trento semana que vem e queria dar um pulinho na regiao do Piemonte também!Alguma sugestao de imperdiveis nestas duas áreas? Obrigada pelas dicas super úteis!

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Adriany, esta página do InItaly.com tem várias sugestões de passeios (e restaurantes) no Piemonte -- entre Turim, os lagos e as montanhas.

http://www.initaly.com/regions/piedmont/piedmont.htm

Luisa
LuisaPermalink

Pegando carona no link que o Riq deixou... O Piemonte é "a food lover's paradise" e com o calor que anda fazendo por aqui (35ºC), nao sei se é uma boa pedida... Os vinhos a base de nebbiolo (Barolo por exemplo) não são exatamente "frescos" e a comida tipica que o acompanha, idem.
Pra mim, a melhor época pra desbravar o Piemonte é no outono, com um clima mais ameno e quando é também a época dos tartufos e aí a região vira uma orgia gastronomica.
Se voce tiver mesmo que ir pro Piemonte, nessa época do ano a regiao dos lagos, na minha opiniao, é mais indicada.
Uma opçao interessante lá perto é a costa da Liguria, que está entrando na alta temporada.

adriany
adrianyPermalink

Super Obrigada pela dica!Acho que vou focar meu tempo na região de Trento e deixar o Piemonte para a próxima!!!

PêEsse
PêEssePermalink

Eu levo dinheiro em espécie (nem muito, nem pouco) com a pretensão de não usar. Como regra, só uso cartão de crédito, exceto quando não dá (táxi ou pequenos gastos, p. ex.) ou quando não compensa (em alguns lugares - no Peru isso ocorreu bastante - quando você saca o cartão o vendedor ou o garçom vem informar que o preço para pagamento em cartão é mais caro, normalmente uns 20% a mais). Nos demais casos, se aceitar cartão, pago com ele, seja lá o que for. Tem dado certo, até porque nunca coincidiu de eu estar viajando em período de oscilações violentas de câmbio. A compensação pelo uso de cartão vem em passagens aéreas.

Não costumo fazer saques de minha própria conta corrente porque nas vezes em que tentei perdi bastante tempo indo de caixa em caixa eletrônico sem que fosse conseguida conexão com minha conta corrente (que é do Banco do Brasil) no Brasil. E as vezes em que deu certo só consegui fazer saques de pequenos valores e, por isso, precisei fazer mais saques para conseguir a quantia desejada. Como o BB cobra uma taxa por saque e também um percentual do valor sacado, as tarifas bancárias cobradas fizeram essa opção não valer tanto a pena, já que foram necessários vários saques para conseguir a quantia que queria. Hoje eu levo o cartão do banco e aviso ao meu gerente da viagem, mas só como uma cautela, caso o dinheiro em espécie não dê ou eu seja furtado/roubado ou perca o dinheiro e, além disso, também ocorram problemas com os dois cartões de crédito (bloqueio/furto/roubo/perda).

Não uso traveler check nem VTM.

Sobre o assunto, há muitas informações interessantes em http://viajeaqui.abril.com.br/blog/82737_comentarios.shtml?1311328

Alessandro A.
Alessandro A.Permalink

Riq, mais uma vez um excelente post!

Eu particularmente sou fã do mix dinheiro vivo + cartão de crédito, pois já tive muitos problemas para fazer saque no exterior e existem várias lugares que não aceitam cartão. Eu sei que é mais inseguro andar com dinheiro, mas não gosto de ficar dependente de sistemas (e olha que eu sou analista de sistemas...), principalmente em feriados, quando não te uma viva alma para te ajudar e tudo está fechado, inclusive casa de câmbio. Além disso, você as vezes perde um bom tempo procurando caixas automáticos que aceitem o seu cartão, e tempo é dinheiro.

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalink

Riq, didático como sempre. Só vale ressaltar que a Europa, pelas regras de imigração pede que se leve em espécie pelo menos 50 EU(ou 57, não me lembro direito) para cada dia que passar lá, então, não vale levar menos do que isso em espécie pois o ofical da imigração pode encasquetar e não adianta mostrar o cartão de crédito. Principalmente na Espanha/Inglaterra. Uma amiga minha, mulher, desacompanhada, teve que mostrar o $$$$ em espécie na França, belive or not.

Denise Mustafa
Denise MustafaPermalink

Bem lembrado Paula. Uma amiga que veio por Lisboa (ela ia pra Barcelona) e pediram a ela a mesma coisa. Não dá pra vacilar nem com reserva de hotel nem com o dinheiro em cash. E, além do dinheiro vivo, um cartão de crédito internacional ajuda um bocado na hora de passar pela imigração.
Eu, pessoalmente, prefiro levar dinheiro vivo e o cartão de crédito pro caso de acabar. Vim pra Portugal no ano passado e deixei parte do dinheiro no Banco do Brasil e parte veio em cash. Em 1 mês que eu tava aqui deu a LOUCA no mundo e o euro que tava por 2,62 subiu pra 3 euros! A minha dica é: enquanto o mercado financeiro não estiver estável, o melhor é comprar o que der em um dia que a moeda tiver boa, pra não correr riscos. E deixar o cartão de crédito pra casos de extrema necessidade (e comprinhas extras)

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalink

Outra coisa, não leve por nada desse mundo notas de 500 euros, principalmente se vc for pro leste europeu, pois é muito difícil trocar. Em Praga, se não fosse meu Master para poder sacar algumas coroas tchecas, não teria conseguido pagar o táxi pro aeroporto.

Fernanda
FernandaPermalink

Este é sempre um assunto bastante polêmico, né? Nem sempre as dicas se adequam ao viajante.
Já viajei pra alguns lugares e concordo quando você diz que a melhor receita é um mix. E saber guardar um ás na manga é fundamental para sobreviver no exterior.
Ter alguns trocados na moeda local é mesmo fundamental, independente da taxa de conversão nos aeroportos. Vale lembrar que o euro e o dólar são moedas fortíssimas, mas o tiozinho da barraquinha de sanduíches não vai aceitá-las quando você chegar morrendo de fome em São Petersburgo, por exemplo.

Ricardo Amorim
Ricardo AmorimPermalink

acabo de ganhar um processo na justiça contra o unibanco porque o cartão de saque não funcionou na europa. fiquem espertos! e eu avisei o gerente, chequei os limites, tomei todas as precauções antes de embarcar. cheguei lá e não funcionou, por isso eles perderam o processo. ou seja, seu banco não garante nada, é muito arriscado.

Denise Mustafa
Denise MustafaPermalink

Ricardo, antes de vir eu fui a 3 agências do Banco do Brasil em Fortaleza e em TODAS me deram informações erradas. Também vim com o cartão errado porque o gerente tinha CERTEZA que era o certo. Não me falaram das taxas (15 euros por saque), dos limites, de NADA. Só vim descobrir tudo depois que cheguei aqui. É impressionante a falta de formação dos gerentes no Brasil em relação a assuntos financeiros internacionais. Vergonhoso.

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Caramba, 15 euros por saque é MUITO pesado.

Por isso é que eu digo que varia de banco pra banco e de conta pra conta.

Denise Mustafa
Denise MustafaPermalink

Nem me fale! E com a cotação do Euro ano passado então.. por isso, assim que o euro baixou um pouquinho, fui lá e tirei tudo. Paguei a taxa uma vez só e me livrei do Banco do Brasil (só tive estresse!)

carolm
carolmPermalink

Riq,
não tem mais perguntódromo? Pq o meu comentário é off topic... hehehe... Um amigo meu (pouco informatizado) tá indo pra El Salvador surfar e quer umas dicas de hospedagem e passeios por lá... Dei uma procurada nos arquivos e não achei nadinha... O que vc pode sugerir? Aceito sugestões alheias tb!
brigadinha e desculpa a pergunta nada a ver...
beijos

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

O assunto (surf) e o destino (El Salvador) são inéditos por aqui, Carol. Em quase cinco anos de blog ninguém falou de nada por aqui. Só vim a saber que se surfava em El Salvador outro dia, lendo o Planisfério Pessoal do Gonçalo Cadilhe.

Só posso te ajudar com o que busquei no Google:

http://www.lonelyplanet.com/thorntree/thread.jspa?threadID=1768679

http://boards.bootsnall.com/why-don-t-you-travel-to-el-salvador-t42103.html

http://www.wannasurf.com/spot/Central_America/El_Salvador/index.html

http://surfelsalvador.net/

http://www.globalsurfers.com/country_details.cfm?land=El%20Salvador

http://www.surftravel.com.br/site/?i=3&pk=30&pkc=320

Lucia Malla
Lucia MallaPermalink

Acabei de consultar o André aqui em casa, Riq - ele já mergulhou em El Salvador na década de 90, num point chamado Los Cóbanos, ficou hospedado em El Zonte na costa, e visitou as montanhas, numa cidadezinhazinha chamada El Pital. Disse q o mergulho lá pelo menos é interessante. Não sei o surfe (portanto não ajuda muito...) sad

Culinariamente, o país é famoso pelos tamales, pelos platanos fritos e pelo queijo petacones, típico de El Salvador.

carolm
carolmPermalink

Brigadinha Riq e Lucia... Meu amigo agradece. Depois eu volto aqui e conto como foi.

Lucia Malla
Lucia MallaPermalink

Carolm, encontrei um blog de um casal que está velejando pela América Central e tem uns posts de El Salvador. E como eu achei essa indicação de blog num outro blog de surf, o Surf4ever, quem sabe vc pode entrar em contato com esse casal e eles te passam algumas dicas... o endereço é:

http://duplaventura.blogspot.com/

LucianaM.
LucianaM.Permalink

Carolm, O pessoal do ViAmerica, blog de O Globo, está fazendo uma viagem de moto pelas Américas. Eles pasasram por El Salvador e acho que falaram alguma coisa de surf. Dá uma procurada lá http://oglobo.globo.com/blogs/viamerica/
Só não sei se eles poderão ajudar muito.
Um abraço,

Márcel
MárcelPermalink

Eu viajei apenas uma vez para fora, mas me dei bem com o mix diheiro + cartão de crédito.

Alguns fatos:
1) realmente, ao utilizar o cartão, mesmo sabendo que está tudo ok, sempre dá um frio na barriga. Uma detalhe que o Riq não disse que quem nunca viajou pra fora geralmente não sabe: não se parcela compras com cartão internacional!.. sad

2) Andar com dinheiro é realmente complicado, mas utilizar aquelas pochetes escondidas, ou aqueles cintos que guardam notas e sempre dividir o montante, já previnem uma série de problemas.

Bom, essas dicas valeram pra mim e eu tentarei repetir a mesma dose na próxima.

[]'s

Márcel

Cristina
CristinaPermalink

Oi Riq, oi tripulação, tô sumida pq meus trabalhos andam me consumindo, o que me consola é que vou arrumar mala essa semana smile

Ótimo post, elucidador. Eu sou eclética, faço um mix de cartão de crédito (para pagamento posterior), cartão de débito, dinheiro e VTM. Além da flexibilidade, há lugares que oferecem desconto para dinheiro, logo, uso os demais meios para aqueles que não oferecem desconto para dinheiro.

Maryanne  hotelcaliforniablog.wordpress.com

Alguem sabe se é facil achar caixa eletronico em Praga? Tb viajamos sempre com um pouco de dinheiro vivo + cartao de credito.

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Faz tempo que não vou, mas deve ser hiperfácil, Maryanne. Praga tem mais turista do que gente mrgreen

Dicas do Living in Prague:

http://www.livingprague.com/money.htm

http://www.livingprague.com/htatm.htm

Lista de endereços:

http://www.prague-guide.com/redir.php?page=bankomaty.php

Marcie
MarciePermalink

Maryanne, eu tirei dinheiro lá sem o menor problema, viu? Aliás, é uma delícia: sai um monte de dinheiro....

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalink

Mary, super fácil. Em Mala Strana e nas imediações da Ponte Carlos tem alguns, assim como nas imediações de Stare Mestro Namesti. Não se preocupe, e curta muito a cidade dourada. Como o Arnaldo diz: todo mundo tem que ir a Praga antes de morrer! Deve se por isso que tem muito turista, hahaha!

Cristina
CristinaPermalink

Eu tirei lá em 2007, Maryanne! Não se preocupe!

Pavan
PavanPermalink

Antes eu confiava demais nos meus cartões de crédito e saque. Até uma vez em que fiquei sem poder sacar no interior da Argentina. A única casa de câmbio da cidade não fazia câmbio com o cartão de crédito. Tentei alguma coisa no comércio, do tipo passa 100 e me dá 90, mas não rolou. Já estava meio desesperado quando me disseram que, no Paraguai (eu estava bem próximo), conseguiria fazer câmbio. Fui pra lá e consegui passar o cartão numa loja suspeita de artigos esportivos falsos e obviamente me dei muito mal com o câmbio! Pelo menos não tive o cartão clonado.
Desde então levo 3 cartões: dois do Itaú (um Master e outro Visa); e um Visa do BB. E não deixo de levar uma quantidade razoável de reais, da qual eu pego um pouco para trocar assim que chego no aeroporto. Com grana viva, na hora da urgência, sempre damos um jeito... já cheguei a fazer câmbio no caixa do supermercado.

PêEsse
PêEssePermalink

Sei, Maryanne. É fácil encontrar caixas eletrônicos em Praga, sim. Tem um monte, de várias grifes diferentes, inclusive bem próximos ao hotel em que você vai ficar. Só que, no meu caso, em nenhum conseguir efetuar saques diretamente da minha conta corrente no BB, por suposta ausência de conexão com o sistema do meu banco. Já se eu quisesse sacar a partir do cartão de crédito (ou seja, pedir emprestado ao cartão de crédito, em vez de sacar da minha conta corrente) a conexão estava funcionando lindamente. Como a cotação do cartão de crédito é muito ruim, preferi trocar euros por coroas tchecas (coisa que normalmente não faria, para economizar meus euros em espécie).

Sobre dinheiro em espécie, eu faço o seguinte: como sei que, algum dia, vou viajar para lugares que precisarão de euros, dólares, libras e pesos argentinos e chilenos, sempre fico acompanhando pela Internet a cotação da casa de câmbio. Sempre que uma dessas moedas chega a preços interessantes, vou lá fazer compras. Recentemente comprei libras por R$ 3,18. Embora não saiba quando irei de novo à Inglaterra, como me pareceu um bom preço, comprei alguma coisa. E assim, aos poucos, vou fazendo meu pequeno banco de moedas em espécie. Quando for viajar, já está ali, comprado. Mas há o risco (calculado) de a libra chegar a R$ 1 e eu ter perdido dinheiro.

Sylvia
SylviaPermalink

Hehe PêEsse , não corres o risco de perder , não !
Moeda forte só serve pra viajar né ? Então , não é conversível para outras moedas . Certo ? lol lol

Raimundo
RaimundoPermalink

TRAVELERS CHEQUES.
Utilizo sempre que viajo para Houston, Texas a serviço. São aceitos, sem problemas, nos hotéis e em lojas de eletrônicos desde que você apresente o passaporte e contra-assine no momento da transação (por segurança, sempre faço a primeira assinatura assim que recebo). O único inconveniente é ter que assinar muitos cheques a depender dos valores envolvidos. Houston não é um destino turístico e parece ser um lugar onde a desconfiança não impera, isto facilita. Em outros destinos como NY ou Miami pode não ser tão fácil.
Lembro que - ainda no tempo da peseta - troquei travelers em dolar no aeroporto de Madri e o câmbio foi surpreendentemente bom. isto foi nos idos de 2000, hoje talvez seja bem diferente.

Sylvia
SylviaPermalink

Como assim " idos de 2000 " ???
E o que é que a gente faz com os anos 70 ????? eekops:

LucianaM.
LucianaM.Permalink

Questão absolutamente pertinente, Sylvia.

Maryanne  hotelcaliforniablog.wordpress.com

Obrigadissimo. Agora é torcer pra conexao com o banco funcionar.

Dri
DriPermalink

Eu sou uma pessoa tensa por natureza e ainda "infantil" no mundo das viagens. Levo tudo em dinheiro. Por favor, não achem que eu sou maluca. Apenas não tenho por hábito fazer extravagâncias nas viagens (nem com compras) e caso sinta necessidade de faze-las, uso o cartão de crédito. Mas é bastante raro isso acontecer...

Rogéria
RogériaPermalink

Já tive meu cartão de crédito roubado em Paris e, além de gastarem todo o meu limite, fiquei sem o cartão o resto da viagem. (Fora o transtorno: fazer BO sem falar francês, mandar carta pra administradora na volta, bla bla bla...)
Depois dessa experiência, virei fã do VTM. Tirando uma compra ou outra no cartão de crédito, concentro todos os meus gastos nele, que é mais seguro e facilmente reposto.
Sempre que viajo levo a maior parte da verba em VTM e um pouco em espécie para os pequenos gastos do dia a dia. Acho que a taxa de saque não pesa muito se vc souber administrar e fizer saques mais espaçados.
Acho super prático para quem passa por países com diferentes moedas e é muito fácil consultar seu saldo on-line e controlar os gastos. Além de vc não ter supresas na conversão.
Nunca tive nenhum problema na sua utilização e na próxima viagem, de novo, é de VTM que eu vou!

Sylvia
SylviaPermalink

Eu tb adoro o VTM , mas só uso para pagamentos .
Sou mão-de-vaca total prá pagar taxas ( detesto essa marca:tax , a não ser que venha acompanhada do free )

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Aí vou discordar, psôra!

Para pagar compras, o cartão de crédito é só vantagens com relação ao VTM: a conversão é melhor e dá milhas! (A única desvantagem é o limite de compras...)

Sylvia
SylviaPermalink

Ah , nãozinho meu guru ! wink wink
Tenho trauma de maxi desvalorização lol
em todos " os pacotassos" eu tava viajando nas zoropa
sad

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

OK, dona gata escaldada mrgreen

Fabio
FabioPermalink

Mas, no caso do VTM, se eu inserir 1.000 euros no Brasil com uma cotação boa, há a vantagem de não pensar mais na temida conversão, ao contrário do cartão de crédito. Hoje (27/5) posso comprar essa quantia e colocar no VTM por uma cotação de 2,97. Em agosto, por exemplo (quando eu vou), não posso ter essa certeza toda que você está dando ("a conversão no cartão de crédito é melhor") já que é uma incógnita quanto será a cotação na minha fatura em setembro.

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Positivo operante!

Mas se o euro pode subir até lá, também pode baixar mrgreen

(Voltando à primeira linha: não há modalidade perfeita. Todas têm riscos, vantagens e desvantagens. Cada um escolhe o risco que prefere correr...)

Fabio
FabioPermalink

Se, por exemplo, dentro de um mês, eu puder comprar euro no VTM, por, digamos, 2,80, não seria temerário deixar "passar o momento" e ficar torcendo para que ele se mantenha nesse patamar durante uns 4 meses, só para, quando pagar a fatura após ter comprado no cartão de crédito na viagem, eu conseguir adquirir milhas? (haja agonia!) O único atrativo do cartão de crédito me parece ser a aquisição de milhas. (Se pudesse comprar euro para o VTM via cartão de crédito, numa cotação boa, próximo ao vencimento da fatura, acho que seria o melhor dos mundos)

Hugo
HugoPermalink

Fábio, eu comentei lá embaixo uma saída para você gastar no cartão e não se estressar. Se você quer ficar tranquilo coloque o dinheiro em um fundo atrelado ao Euro. Todo banco tem esse tipo de fundo e ele sobe ou desce de acordo com a variação da moeda. Com isso você pode deixar o dinheiro lá, gastar no cartão e quando voltar resgata e paga a fatura.

Fabio
FabioPermalink

É uma boa questão a se pensar Hugo mas, como já deu pra perceber, não tenho muito o sangue frio que você tem (até gostaria de ter) e ficar, de certa forma, também numa flutação cambial. Nesse assunto, tenho uma tendência mais conservadora de "garantir logo a cotação (supostamente) boa" e viajar já sabendo "das regras do jogo", daí minha postura mais pró-VTM. Mas Ricardo Freire já me fez abrir mais a cabeça para usar um pouco mais o cartão de crédito do que eu pensava em usar.

Rogéria
RogériaPermalink

A primeira vez que usei travelers também foi a última. Nunca mais. Não aceitavam em nenhum lugar na Europa, nem em hotéis. Na Espanha eu descobri que aceitavam no El Corte Inglez, daí eu tinha que ficar comprando coisinhas baratas, pagar com travelers de 100 euros para poder ficar com o troco. Nos outros lugares tinha que ir aos bancos credenciados, ficando presa aos horários de funcionamento. Nas casas de câmbio a conversão era péssima. Ou seja, um trabalhão danado que roubava o tempo que eu poderia estar curtindo.

Ingrid
IngridPermalink

Fui a Europa ano passado e usar TRAVELERS CHEQUES foi quase um inferno. Nenhum lugar aceitava, nem hoteis nem restaurantes. E olha q isso foi em cidade grande como: Munich, Berlin, Paris...
Por um momento vimos a situação apertar. Meu pai acabou conseguindo trocar os TC em Barcelona porém pagando taxa. Eu tive a ideia de trocar no aeroporto (indo de Barcelona para Veneza) no proprio balcão do AMEX lá. E por sorte, foi elas por elas... sem taxa alguma. Exatamente o valor do TC em Euro. Eu aproveitei e troquei tudo. O TC só foi bom no caso de Praga. Lá fomos numa agência bancária e trocamos os TC por coroa checa sem nenhuma taxa tb !!

Mas viajar com TC nunca mais !!

Esse ano fui a NY e levei dinheiro e cartão de crédito só.

Rogéria
RogériaPermalink

Lembrei de outro detalhe do VTM: o ideal é sacar o que sobrou na último dia da viagem e trazer pra cá em euro. Quando se deixa pra sacar o que sobrou no Brasil, vc só consegue resgatar em reais e a um câmbio muito ruim.

Rogéria
RogériaPermalink

Lembrei de outro detalhe do VTM: o ideal é sacar o que sobrou na último dia da viagem e trazer pra cá em euro. Quando se deixa pra sacar o que sobrou no Brasil, vc só consegue resgatar em reais e com uma cotação muito ruim.

Arthur
ArthurPermalink

Eu tenho levado uma pequena quantia em dólares e o resto pago em cartão de crédito. Às vezes saco um pouquinho num caixa eletrônico. Mas na Colômbia, eles aceitam reais para trocar por pesos no Aeroporto de Bogotá, na Aerocambios. Se soubesse disso, não teria comprado dólares no Brasil antes de ir para lá...

Natalie
NataliePermalink

Eu não tive problemas com os travelers cheques quando fui pra Europa em 2007. Fiz exatamente o que o Ric indicou. Marquei os pontos onde poderia trocar os travelers sem acréscimos de taxas e foi super tranquilo.

Luciano
LucianoPermalink

Agora nos EUA levamos VTM + cash + cartões. O que valeu mais a pena foi o cartão, devido à valorização do real, mas como adivinhar?

Fizemos como a Sylvia, só usamos o VTM para pagamentos e em tudo que foi lugar (menos abastecer no self service pois pedia CEP e resolvemos nem tentar). Outra vantagem do VTM é que como não tem nome impresso, tanto eu como a Andrea o usavam, sem problema algum e só pediram identidade uma vez.

Marcel, o Santander (Visa, não sei se o Master também) deixa pagar o valor mínimo da fatura, incluindo os gastos feitos no exterior.

Elder
ElderPermalink

Riq, só uma coisa: não estou com nenhuma fatura aqui, mas acho que o dólar usado na conversão do Amex é o Ptax. Ele é a média dos preços do dólar comercial durante um certo dia (no caso, o dia de fechamento da fatura).

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Só se mudou recentemente, Elder.

http://viajeaqui.abril.com.br/indices/conteudo/blog/73683_comentarios.shtml?1311328

Elder
ElderPermalink

Eu jurava que já tinha checado isso e era ptax... Acabei de olhar 4 faturas e dou o braço a torcer: é turismo. sad

Lucia Malla
Lucia MallaPermalink

A taxa q os bancos americanos vêm cobrando por transação em cartão no exterior é proibitiva. Só dá pra usar mesmo se for uma emergência (tipo, nós na Croácia chegando de carro de manhã cedo com todas as casas de câmbio da cidade fechadas, nenhuma loja aceitando euro e eu em "caffeine withdrawal syndrome" precisando de qqer café, hihihih!).

Não sei, mas gosto de trocar dinheiro quando chego num país. Mesmo de madrugada, nos aeroportos, em geral há locais de troca. Mas é meio q um costume, posso estar perdendo $$$ com isso, não sei. Faço isso pq pelo menos fico tranquila pro resto da viagem, já começo a fazer um orçamento básico de qto posso gastar por dia, etc.

Ana Claudia
Ana ClaudiaPermalink

Riq e trips, tá me dando medo de levar muito dinheiro e ter que carregar tudo na cintura!!! Não é confiável deixar parte do din din no cofre do quarto???

Sylvia
SylviaPermalink

Claro que é confiável Ana !
Mas ... tem que ter cuidado prá não ficar na mão : esqueçer o segredo , ou fazer uma " operação ilegal" ou faltar pilha no mecanismo .. Já passei por tudo isso , e muitos hoteis pequenos nem conseguem solucionar problemas em finais de semana ou a noite . Então , não deixe para abrir o cofre no ultimo minuto .. e fazer dois ou tres testes com o cofre vazio tb é recomendável ( principalmente se o modelito for antigo , ou desconhecido da gente )

PêEsse
PêEssePermalink

Eu só saio com um dos cartões de crédito e o dinheiro do dia. O restante fica no hotel. Mas, como já tive problemas com cofres, deixo o restante do dinheiro e os outros cartões dentro de uma das malas, fechada com cadeado de segredo (e não de chave). É primitivo, reconheço, mas não é assim tão inseguro. Além do risco de dar problema, com o cofre fechado as pessoas já sabem que há algo de valor lá dentro. Já a mala pode estar com cadeado apenas porque seu dono pode estar com medo de um furto de sandálias havaianas. Mesmo se alguém resolver devassá-la, vai ter de encontrar lá dentro onde está guardado o dinheiro, o que não é tão fácil e deixa rastros. Além disso, todas as malas ficam no quarto com cadeado de segredo, ou seja, o eventual larápio ainda vai ter de descobrir em qual das malas está a bufunfa.

Denise Mustafa
Denise MustafaPermalink

Faço igual o PêEsse: só saio com o dinheiro do dia e o cartão. O resto fica no cofre (também já passei pelo problema da pilha, então só confio depois de váaaaarios testes) ou na mala com cadeado. Graças a Deus sempre deu certo! E ahh, o dinheiro do dia eu divido entre mim e meu namorado. Nunca todo o dinheiro com uma pessoa só!

Mô Gribel
Mô GribelPermalink

Eu fiz uma 'operação ilegal' uma vez...rs
A moça-gerente do Crowne foi gentil pacas, mas olhou até meus documentos para ver se era meu apto mesmo...

Daniel
DanielPermalink

Em uma viagem ao Panamá, saindo da Colômbia, esqueci-me uns 100 pesos colombianos no cofre do quarto. Sá lembrei-me deles quando já estava de volta a Medellín. O hotel (Four Points by Sheraton) não entrou em contato, e dei o dinheiro por perdido.

Uma semana depois, recebi por email a pesquisa de satisfação do cliente e reclamei do ocorrido. Eles entraram em contato, expliquei o que aconteceu e eles me reembolsaram A MAIS, a título de compensação. Pagaram cerca de US$100,00...

Passei a ter mais confiança nos cofres de quarto, pelo menos de cadeias de hotéis que têm um nome a zelar.

Daniel
DanielPermalink

Errata: a viagem foi em 2007 e já havia me esquecido da cotação... Foram cerca de COP 60.000 e o reembolso foi de exatos USD 50.00 (sobre este último valor, encontrei um email!).

Lena
LenaPermalink

Riq,
Ufa!! Não vou precisar buscar este assunto no portal antigo!! Aqui fica facinho smile Nem preciso me preocupar em dar um copy/paste!
Aproveitando o tópico, alguma observação sobre o Chile? Em Buenos Aires segui sua recomendação e saquei dinheiro da conta do Itau no aeroporto. No Chile vale a pena?

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Eu acho que vale a pena em todo lugar smile

Ana Claudia
Ana ClaudiaPermalink

Sylvia, que alívio! Vou embarcar sábado para a primeira viagem quase internacional (BsAs) na vida adulta, e antes deste post nem havia me preocupado com estes detalhes. Obrigada, viu?

Renatinha
RenatinhaPermalink

Riq,

Já usei várias vezes Travelers nos EUA sem problema nenhum. Inclusive para pagamento de conta de restaurante, onde recebi o troco em dólares.
Faço assim, se a cotação do travelers está legal ou se não tenho tempo para comprar os dolares/euros, compro um pouco de travelers (a entrega é pelo correio ou por motoboy), e uso para pagar hotel, passeios e as vezes restaurante. Para o restante uso cartão.
Já utilizei saques também, sem problema nenhum.
Mas, em todas as viagens, o principal é o cartão de crédito, que na minha opinião é o mais prático e seguro. Para garantir, sempre levo 2 bandeiras (VISA E MASTERCARD).

Aline Arantes
Aline ArantesPermalink

Eu prefiro viajar com a moeda local e o cartão de crédito para emergências. Primeiro porque as férias já começaram e ficar pensando em qual é o melhor negócio nessa altura é um saco. Com o dinheiro já trocado, já foi. O dinheiro que tenho para gastar tá ali pronto para ser gasto.

Segundo porque eu normalmente calculo quanto quero gastar por dia numa viagem. Coloco essa grana na parte principal da carteira quando saio de manhã (e mais um pouco escondido). Assim, no fim do dia, sei direitinho se economizei, se extrapolei e no dia seguinte posso compensar. Só uso o cartão para compritas mais caras, de alguma coisa que tenha amado e que é fora do budget mesmo. Com o cartão, a gente se descontrola e depois fica achando que viajar é caro. ; )

Eu costumo deixar dinheiro no quarto e nunca fui roubada. Mesmo quando não tem cofre, escondo na roupa suja ou em algum bolso e tranco a mala. Até hoje dei sorte.

Mas adorei as dicas!

Maria das Graças
Maria das GraçasPermalink

Para mim o ideal é um mix. Sempre penso que se alguma coisa não funcionar e houver uma emergência, tenho que ter algo certo. Saio do Brasil com dinheiro vivo para as primeiras e pequenas despesas. Uso intensivamente o cartão de crédito VISA e MASTER. Levo Travelers que procuro trocar em bancos locais onde a taxa seja a menor possível. E da próxima vez carregarei o Visa Travel Money. Independente da forma como levamos a nossa grana o importante para nós é que nosso quarto tenho um cofre onde possamos deixar a tranqueira de valor.

Maria das Graças
Maria das GraçasPermalink

Em Buenos Aires quem tem conta no Itaú saca no caixa eletrônico e a taxa é a melhor possível.

Fabio NG
Fabio NGPermalink

Historinha pra ilustrar a obsolescência dos travelers.

Pra viagem à Europa, em 2006, aproveitei alguma promoção (cotação legal, milhas, sei lá) e comprei travelers, confiando nos argumentos favoráveis de venda. Tentei antecipar todas as questões e saí daqui com a lista (e mapa) de bancos onde poderia trocar sem taxas.

Chegando em Roma, perguntei se poderia pagar o hotel com traveler e o cara teve um ataque de riso. Fui ao banco ali perto (espera o horário, etc...) e só então descobri que havia um limite diário - baixo! - para trocas. Tentei em outras agências maiores, mas nada muito melhor.

Telefone à central de atendimento (gratuito, ufa!) e consegui a informação - sonegada no site, registra-se - da loja Amex que fazia as trocas sem taxa e sem limite.

Dá-lhe metrô, fila e volta ao hotel com um monte de dinheiro na mochila, porque aproveitei para resolver logo a situação, pra não voltar a sofrer.

Perdemos mais de metade do dia com esta novela, fora o aborrecimento. No fim saiu MUITO caro e serviu de lição.

A regra agora: viajamos com algum dinheiro ("pra sobrar"), usamos saque em conta (tem pacote do Citibank que permite saques ilimitados no exterior, sem taxa alguma) e muito cartão de crédito - menos o Amex, pelas já famosas taxas desfavoráveis. (Mas para uma viagem mais longa o VTM pode ser boa pedida como plano B.)

Sylvia
SylviaPermalink

Se teus travelers fossem em euro , não haveria problema algum .

Fabio NG
Fabio NGPermalink

Mas eram em Euro... sad

Sylvia
SylviaPermalink

Ué .. ?? Minha filhota levou e pagou um monte com traveler em euro sem nenhuma dificuldade .. e trocou outros TCs em bancos conveniados sem pagar nada de taxas .

Fabio NG
Fabio NGPermalink

Tudo bem que o hotel não era grande coisa, então vá lá, não é a melhor referência. wink

Eu não paguei taxa de conversão em nenhum caso. Mas os bancos conveniados tinham um limite muito baixo, o que ia me obrigar a pegar uma fila a cada dois ou três dias - e que ia ficar ainda mais complicado fora de Roma. Eu também não confiava em tentar pagar um restaurante com traveler...

Por isso a solução foi, enfim, trocar tudo de uma vez na loja da Amex - e passar o resto da viagem carregando a grana, com todo o risco e inconveniência envolvidos.

(Ainda bem que a gente tem um cofrinho portátil, que descrevi num comentário meu que está no poço, aguardando resgate.) wink

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Resgatado!

Fabio NG
Fabio NGPermalink

Dica pros trips: décadas (!) atrás comprei um apetrecho que virou item indispensável nas viagens: um tal de "portable locker". Dá uma olhada:
http://migre.me/1tXg
http://migre.me/1tWy

É uma caixa de plástico compacta e bem resistente que, com jeitinho, permite acondicionar passaporte, dinheiro, jóias e cartões. Vem com um cabo de aço que permite prender do sifão da pia ao estrado da cama.

Muito útil pra qualquer viagem, especialmente pras que passam por hotéis mais simples ou pousadas. (E nas férias, faz as vezes de um cofre doméstico.) wink

PêEsse
PêEssePermalink

Fabio NG, vi o apetrecho mas não entendi direito como ele funciona. Acho que até a parte da caixa de plástico resistente com segredo eu entendi, mas não captei o cabo de aço. Eu guardo o dinheiro lá dentro e amarro a caixa, é isso? Em viagens, você costuma amarrar onde?

Fabio NG
Fabio NGPermalink

O que eu quis dizer, claro, é que FORA das férias ele serve como um cofre doméstico, guardando as sobras da viagem. wink

Fabio NG
Fabio NGPermalink

PêEsse, o troço é engenhoso: o cabo de aço fica travado nele quando fechado, fazendo um "laço" que passa em torno de qualquer lugar que seja seguro - ou seja, que não possa ser removido.

Alguns exemplos onde já o prendemos: sifão sob a pia, toalheiro, estrado e cabeceira de cama, cabideiro dentro de armário...

O local mais inusitado? No galho de uma árvore, à beira de uma praia com relativo movimento: na falta de onde deixar as coisas, guardou chave e dinheiro enquanto a gente caminhava e nadava. wink

paula
paulaPermalink

Riq, acabei de voltar da italia e acabei levando aqueles dolares de gaveta....como ja tinha a quantia necessaria, fiz uma conta rapida e percebi que não valia a pena trocar aqui no brasil por euros....Ai que arrependimento, a coisa mnais chata é ficar olhando todas as tabelas de casa de cambio que vc passa, cada dia parece que a situação está pior e ainda por cima as taxas de troca são absurdas....Quando em firenze na piazza spanha, achei um lugarzinho que dizia NO TAX, com um cambio muito melhor do na maioria ( 30% o valor do dollar para o euro, contra 45% das casas de cambio) troquei tudo e me libertei. Claro que rezei para o dinheiro não ser falso e entreguei para deus, deu tudo certo! Dollar na europa nunca mais!

paula
paulaPermalink

Mais uma coisa, gastar tudo em dinheiro e voltar com o cartão de credito zerado não tem preço.....Já dá pra pensar na proxima!

Beth Cohen
Beth CohenPermalink

Sempre levo travelers,cartão de crédito e um pouco em espécie para a chegada. Nos EUA os travelers são aceitos em qualquer lugar sem necessidade de trocar por espécies, pois lojas, restaurantes e hoteis dão o troco em espécie.E se por acaso precisar trocar os bancos funcionam inclusive nos sabados(NY). Já na Europa os travelers são aceitos nas lojas de Departamento. Em Paris é facil trocar na La Poste (correios), mas sempre tem uma pequena fila. Em cidades menores tb funciona mas os horarios são mais restritos.

Anna Carolina
Anna CarolinaPermalink

Vou a Paris em outubro, e estou pensando em usar a combinação euro para o dia-a-dia (alimentação, metro) + cartões visa/master/amex para despesas do hotel e aluguel de carro. Comprinhas de perfume, roupa, livro, não sei bem como seria melhor pagar.
Agora não sei bem onde seria melhor comprar euro. Casas de cambio aqui no Rio de Janeiro? Banco do Brasil(onde sou cliente), Citibank? Serviço de câmbio da Amex no Aeroporto? Ou o melhor mesmo seria deixar pra comprar por lá?
Já ouvi dizer que aeroporto é o pior lugar para fazer o câmbio, pq é onde se faz de última hora, seria mais caro, etc.
Travelers checks são bem aceitos no comércio em geral?

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Eu compraria com o meu banco ou via meu agente de viagem.

Izabel
IzabelPermalink

Riq. comprei uma bilhete na Vueling e me cobraram 8,5Eu de taxa pelo Visa enquanto que pelo Master seria 4,5Eu. Na Europa eles preferem o Master?

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Não que eu saiba, Izabel. Deve ser uma acordo com a Vueling.

Thaís
ThaísPermalink

Olá, Ricardo, sou leitora assídua, mas nunca deixei comentário... estava precisando de uma ajuda: qual seria uma boa combinação de países pra visitar numa primeira viagem à Europa, tendo 21 dias inteiros (fora os dias de ida e volta) em setembro, sem correria?
Eu queria algo que fosse emblemático, pensei em Paris, mas o que mais? Itália não caberia nesse roteiro, né?

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Pense em módulos de 5 ou 7 dias e você vai aproveitar a sua viagem sem picotar demais.

Paris, Londres, uma semana entre Florença e Veneza.

Paris (7), Londres (6), oito dias entre Roma e a Costa Amalfitana.

Barcelona (5), Paris (7), Berlim (5), Praga (4).

Uma semana em Portugal, uma semana em Paris, uma semana entre Florença e Veneza.

Madri e entorno (5), Uma semana em Paris, Amsterdã (4), Munique e entorno (5).

Uma semana em Paris e duas na Itália. https://www.viajenaviagem.com/2007/04/italia-pra-aluna-da-carla/

Uma sempana em Paris e duas entre Portugal e Espanha...

Claro que, quanto mais distantes entre si forem os lugares, mais caro vai ficar o deslocamento.

Thaís
ThaísPermalink

Obrigada, vou considerar essas possibilidades!

Ernesto, o  pato
Ernesto, o patoPermalink

Eu levo o que pretendo gastar em dinheiro, mais o cartão, e mais um ou dois travels de U$ 500 para uma emergencia. A maior vantagem do travel e que voce pode comprar num momento de baixa cambial, como AGORA, aproveite, corra e vá as compras!!

Cristina
CristinaPermalink

O que sobra (pouco) do VTM eu deixo lá na gaveta e uso na próxima viagem - imagino que é um dinheiro de plástico como os dólares ou euros que guardamos. Usei minha última nota de libras, 3 anos depois de guardá-la no Egito, pagando uma excursão que aceitava euro, dólar e libra.

Sylvia
SylviaPermalink

Só não esqueça que o VTM tem ( tinha?) um prazo para utilizar.

Cristina
CristinaPermalink

Medo, Sylvia! Tanquiu! Mas li de cabo a rabo o manual do último que chegou, em Dezembro e não havia nenhuma referência a prazo.

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Acho que são dois anos ou dois anos e meio.

Cristina
CristinaPermalink

Nem sei, Riq, mas vou testar nessa viagem. Eu so renovo os creditos.

Izabel
IzabelPermalink

Na Europa e USA eles compram no Cartão de Crédito sempre a vista ou tb. parcelam como no Brasil. Podemos fazer compras em parcelas no exterior?

Ricardo Freire
Ricardo FreirePermalink

Nos Estados Unidos, até onde eu sei, as pessoas vão se endividando e vão amortizando os pagamentos aos poucos.

O pagamento "em vezes" no cartão, acredito, é um fenômeno típico do Brasil.

Durante um tempo o governo exigiu que os gastos em cartão no exterior fossem liquidados na fatura seguinte ao gasto, mas agora já dá para rolar (com juros) na maioria dos cartões.

José Portela
José PortelaPermalink

Ricardo, não sei se a proximidade fez com que o fenômeno do Brasil contagiasse nossos hermanos, mas há uns 6 meses em BsAs vi na calle Córdoba diversas lojas que parcelavam as compras, porém, nas que em cheguei a perguntar, a venda parcelada era restrita a argentinos.

Cláudia Holder
Cláudia HolderPermalink

Eu e Márcio já levamos traveler cheques para a Europa, mas deixamos de levar quando soubemos que era vantajoso sacar com o cartão do banco ou o cartão de crédito. A gente trocava travelers sem taxa nas próprias lojas da American Express, mas gasta-se algum tempo indo lá, enquanto que encontrar uma maquininha para saques sempre é fácil. Fizemos saques no Canadá e na Europa e funcionou bem. Visa Travel Money funciona, mas eu não gostei porque quando usei só existia em dólar e acabamos perdendo dinheiro na conversão para Euros. Em todo caso, é sempre bom chegar no lugar com algum dinheiro na moeda local.

Cláudia Holder
Cláudia HolderPermalink

Sobre a novela do Banco do Brasil que só me vende Libras em espécie se eu comprar traveler cheques, na proporção 30% em espécie para 70% em travelers: o Banco Central me disse que o banco podia fazer isso. Eu continuo achando que não pode, porque é venda casada, como Sylvia bem mencionou, e ainda se trata de banco público (ok, economia mista) ajudando uma empresa privada (a Amex) ao nos obrigar a comprar um produto dela. Fiz uma representação hoje no Ministério Público. Provavelmente não vai servir pra minha viagem (vou no próximo dia 19/6), mas ficarei feliz se der resultado.