Isabel O. pela França

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

La Roque Gageat, Dordogne
Em agosto a Isabel Oliveira e o Mário deixaram Setúbal e a sua amada Serra da Arrábida para trás e foram dar um rolê de carro de três semanas pela França. Preparem-se para se encantar a cada link. E sigam o conselho da Isabel: nada de ir ao Mont St.-Michel em agosto! mrgreen

Texto e fotos | Isabel Oliveira
Seis mil trezentos e quinze km e mil e quinhentas fotografias depois, eis-me chegada de uma viagem por França, que teria sido absolutamente perfeita, não fossem mais de três horas à espera de assistência para (re)carregar a bateria do carro, no parque de estacionamento do Mont Saint-Michel, umas 80 fotografias perdidas (marido armado em técnico a carregar em botõezinhos indevidos) e ter chovido horrores logo nas duas únicas paragens em que resolvemos armar em jovens aventureiros e… acampar (sim, é verdade fomos de tenda e objectos complementares atrás, que quase não usámos, tal era a trabalheira de os tirar e pôr no grande puzzle que era o nosso porta-bagagens).

A viagem abarcou quatro regiões, o que implicou uma disciplina férrea. Muitas foram as vezes que apetecia ficar mais, ou que foi preciso fazer opções difíceis – o que cortar? No mapa tudo parece mais pertinho…

Vou tentar ser sucinta em relação a cada uma delas. Para pormenores, seguirá esclarecimento mais detalhado.

Primeira região – Périgord Noir / Dordogne

Em termos absolutos é a menos badalada das quatro, mas, porventura, aquela que oferece maior diversidade … aí se situam as famosíssimas grutas de Lascaux (e muitos outros locais relevantes para quem se interessa por Pré-História), há imensas vilas e aldeias medievais fortificadas, castelos (foi aqui que viveu, no Château des Milandes, Josephine Baker), rios por onde se pode passear em canoa ou barcos tradicionais, cozinha forte e farta – esta é a região das trufas, do foie-gras…

Locais a não perder – Albi, Cordes-sur-Ciel, Domme, Sarlat, La Roque Gageac (local da foto acima).
Isabel no Château des Ormeaux

Segunda região – Vale do Loire

Quarto Couperin
Muita gente já por aqui andou, aconselhou, opinou. Vou ser mais uma… reforçando algumas dicas que fui lendo. Se se viaja de automóvel deve-se tirar partido do rio – parar nas margens, fazer pic-nic, olhar os castelos que se vão espraiando pelas margens, entrar nos vilarejos. Andar a contabilizar entradas em castelos não me pareceu uma boa opção, tanto mais que, convenhamos uns interiores são muitas vezes um bocadinho “fake”, com reconstituições concebidas no século XIX (o século de todas as mistificações historiográficas). Depois a época – fim de Julho, não era de todo propícia. Numa viagem grande tudo tem que ser bem gerido, e estar em filas ou ver as coisas com multidões à volta… cansa que se farta.

Visitámos os castelos de Villandry, Blois, Chambord (neste senti mesmo o peso de ter que viajar no Verão, isto porque ainda não tinha chegado ao Mont Saint-Michel). No de Amboise vimos um belíssimo espectáculo nocturno sobre a vida de Francisco I (aconselho a experiência – em França a História é mesmo bem vendida) e foi ao pé desta localidade que tive a 1ª primeira tarde de lazer e a sensação de rainha por um dia no nosso castelo, o Château des Ormeaux.

Todos os hóspedes tinham ido passear, ficámos com o espaço só para nós.

Terceira região – Normandia

Pelo caminho parámos em Chartres – sonho juvenil universitário, de quem fez um trabalho sobre o gótico francês e Giverny, uma belíssima surpresa, que me estava a passar ao lado. Este local é tão-só a casa de Claude Monet, onde ele criou os jardins que inspiraram tanta da sua pintura.

Recomendo incondicionalmente. Tem imensos visitantes. É melhor fazer como nós e não chegar muito cedo (de facto, nós chegámos frequentemente tarde porque queríamos VER TUDO).
Pit stop em Giverny
Na zona de Rouen (cidade encantadora que recomendo vivamente), visitámos abadias românicas junto ao Sena (Jumièges, uma ruína, é deveras interessante), e várias localidades, das quais destacaria La Bouille e Pont Audemer. A caminho de Caen passámos por Étretat (começaria aqui a nossa alimentação favorita – saborzinhos do mar), Honfleur (imperdível). Trouville e Deuville, estas duas só para ter uma noção física de uma estância turística antiga e chique. Para quem se interessa pelo fenómeno turístico e a sua génese, o Museu da Normandia, em Caen, tinha uma exposição muito interessante denominada “Destination Normandie – Deux Siècles de Tourisme” (até ao final de Outubro), abordando a importância da publicidade, a desenvolver-se concomitantemente (cartazes turísticos incríveis) , as barraquinhas (que ainda hoje se vêem em todas as praias tradicionais francesas, onde as pessoas se despiam…), o desenvolvimento dos transportes.

Caen é a base para quem parte em busca do itinerário do desembarque do DIA D. E é mesmo daí que deve sair, mas só depois de passar e ver demoradamente o Memorial, um Museu moderno, dinâmico, muitíssimo bem concebido, sobre o período da 2ª Guerra Mundial. Tão demoradamente fiquei que hipotequei um pouco o tempo disponível para as praias do desembarque. Começamos por um ponto-chave do desembarque – a Pegasus Bridge. Foi o primeiro local a ser libertado e na casa da primeira família há um pequeno restaurante cheio de memorabilia da 2ª Guerra. E eu aqui não resisto e tenho mesmo que fazer um parêntesis para comentar as condições de higiene na venda de produtos alimentares em França. O referido local nem tem um local para lavar as mãos (não foi o único em que isso aconteceu) podendo estar aberto… Em pastelarias e padarias absolutamente excepcionais no que toca o design, a apresentação dos produtos, a sua quantidade e qualidade, o pão e os bolos são apanhados com a mão, a mesma que no segundo seguinte está a mexer no dinheiro. Nos hotéis toda a gente mexe na baguete do hóspede seguinte para cortar a sua fatia, sem um guardanapo, uma pinça. Este tema tem sido objecto de polémica por cá, na blogosfera, por se considerarem demasiado exigentes as leis da EU. Entre alguns exageros cometidos, sobretudo no que toca os produtos regionais nas feiras, e isto, há todo um universo. Considerando ainda que na actual conjuntura todos os cuidados com a higiene nas mãos são necessários, confesso que vim chocada.

Continuando… a estrada marginal segue junto a pequenas localidades e demora-se muito mais tempo que os quilómetros no GPS sugeririam. Não deu para ver nenhum centro de interpretação (também com a vista ao Museu eu considerei-me suficientemente informada) e, desgosto total, perdemos, por quinze minutos, o grande Cemitério Americano de Omaha Beach). É o que dá viagem de Verão. A gente vê sempre sol e luz até às nove e descontrola-se com as horas. Para os interessados – fecha às 18h00. Para consolo, estivemos num local ao entardecer onde se sente bem a mística do desembarque – La Pointe du Hoc.
Pointe du Hoc
Perto fica Bayeux e a sua célebre tapeçaria da Batalha de Hastings, do século XI. Pois é, também não conseguimos chegar a tempo. Com milhares de turistas a circular em alto Verão, fechar tudo às 18h00 é uma tristeza. Quase tão mau como isso é os restaurantes já não servirem almoços a partir de certa hora. Ora com os pequenos-almoços dos hotéis a deixarem-nos confortáveis até às 14h/14h30 comer às 13h não apetecia mesmo nada. Nestas coisas eu realmente tenho que dizer “Viva a Espanha!” (em Portugal também as coisas nessa matéria se têm alterado muito para corresponder às mudanças de hábitos da procura).
E vamos lá ao Mont Saint-Michel. Ou melhor – se estiverem de férias em Agosto, a menos que sejam masoquistas ou estudantes de sociologia de massas, NÃO VÃO!!!

Ora como eu estava de férias em Agosto, já não tinha outra oportunidade e queria muito lá ir (culpa sua Riq – depois daquelas suas fotografias não pensei noutra coisa) … fui. Agora, fui, mas com alguns truques na manga. Primeiro – chegar mais para o fim da tarde (a entrada para o Parque 1, destinado a quem tem hotel foi lenta, lenta, mas pior era a faixa oposta, da saída, nem se mexia), levar o mínimo necessário numa mochila às costas (tudo o resto fica no carro sossegadinho), enfrentar estoicamente a subida para o hotel no meio de uma multidão compacta, num dia de calor abafado, descansar e recuperar meia horinha no hotel… e comprar bilhete para visitar a abadia na última fornada – às 18h00. Na descida do monumento até se conseguem uns momentinhos a sós, criando a ilusão breve, mas agradável, de sermos os únicos que andamos por ali. Depois ainda temos todo o tempo para jantar numa esplanada com vista para a água (no Chez Mado), caminhar pela areia, pelas muralhas. Pelo que tinha lido pensei que à noite estivesse muito melhor, mas só estava melhor. Das inúmeras autocaravanas da zona e hotéis circundantes vêm à mesma centenas de passeantes. Na manhã seguinte a dica é passear antes do pequeno-almoço. Eu bem espreitei pela janelinha do quarto e consegui ver a calçada da rua. Mas a fome falou mais alto e quando nos decidimos a pôr um pé fora do hotel… eles já tinham chegado de novo e desistimos (é que nem vos passa pela cabeça – passa, se andarem de metro à hora de ponta nas vossas cidades).
Rua principal de manhã
Rua principal às 6 da tarde

Ficámos no último andar do hotel Le Mouton Blanc. Acho que o quarto não valia assim tanto os 90 euros nem o pequeno-almoço os 18. Mas era engraçadinho, com ar de águas furtadas, uma trave de madeira, uma janelinha de onde se vislumbrava de frente a abadia. E o gosto de ver a rua mais ou menos vazia de manhã.

Quarta região - Bretagne

Também por aqui segui indicações que fui lendo no blogue, nomeadamente sugestões para não perder Cancale, Saint-Malo (muito giro), Quimper (domingo – tudo muito fechadinho; tem um interessante museu sobre o universo bretão), Concarneau, Pont-Aven… Mas acrescentaria – Fougères e Vitré (locais com castelos e fortificações), Cabo Fréhel e sobretudo Locronan, um local pequenino encantador, com um comércio bretão convidativo irresistível. É possível aí conviver com o cemitério no espaço da igreja (característica bretã) e apreciar a as cruzes de pedra que povoam esses espaços de uma maneira singela e única. Foi daí que perdemos as fotos bem como de um outro local absolutamente aconselhável – Dinan. É lindo ver como tantos locais preservaram os seus centros históricos, com casas de madeira ancestrais, bem apresentadas e adornadas de uma profusão de flores coloridas. Também aí se podem fazer deliciosos cruzeiros pelo rio Rance.
Em Pont-Aven, calçando Melissa
Na zona dormimos, por acaso – fomos encaminhados por um hotel, num sítio maravilhoso chamado Castel Braz, em Pont-Aven. Os donos são pessoas viajadas, muito interessantes, com um ar aristocrata e cosmopolita, mas totalmente à vontade, sem pretensões. O dono anda permanentemente descalço, sorrindo através de uns bigodes revirados.

Pont-Aven merece uma paragem com tempo para usufruir. É um local onde de vê água permanentemente, com pontes, moinhos, lojinhas de biscoitos (as galettes de Pont-Aven).

A volta

Ainda metemos o nariz por baías e vilórias, (pena não termos conhecido o Noroeste, acima de Brest – a Costa do Granito Rosa) acabando em Nantes e Bordéus [Bordeaux, N. do T.]. No primeiro local, mais um museu recente e interessantíssimo, com a rica história desta cidade. Muito ilustrativa a parte relacionada com o tráfico negreiro para a América.

Reunindo ainda umas forçazinhas ainda “batemos” San Sebastián (as terras espanholas têm sempre imenso para dar…), Bilbao (estava mortinha por ir ao Guggenheim, e de facto o edifício é extraordinário, arrastando milhares de pessoas a uma cidade que há uns anos estava completamente obliterada por San Sebastián ou Santander, também no País Basco) e Tordesilhas, o local que, no fundo, está na génese do acto que permitiu que hoje eu não tivesse que traduzir este texto para castelhano para que me entendessem por aí.

Terminámos? Não. Em Portugal ainda passámos por Belmonte, para conhecer o novo museu dedicado a Cabral e à sua viagem, chamado “À Descoberta do Novo Mundo”. A parte dedicada ao Brasil (actual) é muito interactiva, dinâmica e divertida.

Brava, Isabel! Agora o único problema vai ser convencer a malta de que esta viagem não dá para repetir em uma semana

Leia mais:

72 comentários

Marcie
MarciePermalinkResponder

Isabel, que viagem maravilhosa. Eu já tinha feito uma grande parte dessa viagem, também de carro e foi sensacional. No ano passado voltamos a alguns dos lugares favoritos, mas no finzinho do inverno - e pude apreciar muito mais sem aquele calor escaldante.
Vou guardar esse relato: há lugares que não tinham me ocorrido visitar. :red: :red:

Júlio
JúlioPermalinkResponder

Gostei de ver a visão de um europeu sobre parte da França e um pouquinho de Portugal eo principal .Eles curtiram tudo.Belo relato e fotos.Parabéns.

Carol
CarolPermalinkResponder

Isabel, estou impressionada... 1 semana? Em uma semana eu não consegui fazer metade disso...rs.
Eu também fiquei no Chateau des Ormeaux!!!!! É uma ótima dica. O castelinho é lindo, os donos são super atenciosos e a localização é perfeita, em frente à Amboise. O café da manhã é maravilhoso...hummmmm
Ah que saudades...
Eu já havia colocado aqui o link do meu blog da minha viagem a Normandia/Bretanha. Aproveitando o assunto, coloco aqui a parte relativa ao Vale do Loire, para quem interessar.

http://andarevoar.blogspot.com/2009/06/voos-mais-altos-vale-do-loire.html

bjs

Ricardo Freire

Carol, "uma semana" fui EU que escrevi, em itálico, e de brincadeira, apostando que ia ter gente que ia querer fazer tudo isso em uma semana. Foram 3 semanas (22 dias) de viagem.

Carol
CarolPermalinkResponder

ah tah...acabei abstraindo a informação "3 semanas" na segunda linha do post...rs
Obrigada Ricardo, agora durmo mais tranquila smile

Ricardo Freire

Não tinha abstraído não! Eu é que botei depois, pra não deixar mais dúvidas mrgreen

Vera Lucia
Vera LuciaPermalinkResponder

Isabel, adorei o relato e, principalmente, suas observações sinceras. Tenho um projeto de conhecer a Normandia e Bretanha, aproveitarei suas dicas. Obrigada.

poliana
polianaPermalinkResponder

Ajuda!!!!!!!!!

Vou a Paris e de lá quero ir a Copenhague, é possivel ir de trem? Se possível, me ajude, onde consigo comprar as passagem, se é melhor comprar antes ou comprar na hora?

obrigada

Ricardo Freire

É possível ir de trem, mas não é recomendável. Dá entre 15 e 17 horas de viagem. O noturno tem uma conexão, em Colônia, e os horários diurnos, duas, em Colônia e Hamburgo. A passagem mais barata que pesquisei para outubro dá 175 euros. Se você quiser uma couchette (beliche), deve pagar mais 30 euros.

Quanto mais cedo você compra mais chance tem de achar tarifas promocionais. O lugar para comprar é http://www.voyages-sncf.com; pesquise pelo nome "Copenhague". Também dá pra comprar em português em http://www.raileurope.com.br . Há uma taxa de 17 euros por trecho.

Em outubro o vôo low-cost mais em conta entre Paris e Copenhague sai 90 euros. Veja em http://www.skyscanner.net .

A primeira coisa que você precisa tentar num roteiro assim é incluir Copenhague na sua passagem transatlântica.

Majô
MajôPermalinkResponder

Noossa Isabel, que linda viagem !! Muito bom ter as dicas da região do Périgord Noir que não conheço, me encantei com La Roque-Gageat, fofíssima. Conheço os castelos do Loire, mas nunca me hospedei ali perto. Aliás, não lembro se foi em Blois onde vi um pequeno hotel em frente ao castelo com diária em torno de 100 euros, achei muito barato.
Ai, Giverny é uma lacuna minha e sua foto é um chamamento wink
Também tenho muita vontade de conhecer Caen, Rouen e Honfleur.
E você nos deixa ótimas dicas como Castel Braz, anotadíssimo !

Sobre a massa de turistas em Mont Saint Michel, é impressionante como o número de pessoas viajando aumentou exponencialmente, no mundo inteiro, nas últimas décadas. As passagens aéreas ficaram mais acessíveis e a internet facilitou não só acesso a informações e pesquisas, como reservas.

Sua viagem vai ser devidamente gravada no HD com tantas dicas valiosas. Parabéns !

Isabel O., Portugal

Obrigada pelas vossas simpáticas palavras.
Majô, realmente La Roque é uma jóia e um dos sítios também mais visitados em França. Na região há um santuário - http://www.rocamadour.net/
tão famoso entre os franceses como o Mont S Michel.
Pelas fotografias acho que também valeria a pena. Só que fomos fazendo opções.Em La Roque fazem-se uns passeios em barcos como o da foto... é uma delícia.
http://www.gabarres.com/

Malu
MaluPermalinkResponder

Isabel, essa viagem me deixou sonhando em fazer uma igualzinha. Quer dizer, 22 dias não consigo me desligar mas dá para organizar uma viagem de 12 dias, aproveitando todas suas dicas. Lindas fotos também, parabéns.

Alessandra Fiorini

Nossa, Isabel, já copiei o post para um projeto de viagem... que delícia!
Estive no Loire em junho e, aproveitando sua dica de hospedagem, quero dar uma não-dica: quem for ao Loire, NÃO fiquem no Chateau du Breuil, em Cheverny. Pretencioso, a dona parece estar em "cólicas" para que você jante no hotel (à toda hora pergunta: Já fizeram a reserva do jantar? Já fizeram a reserva do jantar?), e no final quis nos dar um golpe sobre cafés da manhã e jantares que não comemos.
Mas parabéns pelo relato!
Obrigada
Alessandra

Isabel O., Portugal

O "nosso" castelo não serve refeições, à excepção do pequeno-almoço mas um dos donos (que viveu em Nova York e depois meteu-se nesta aventura com dois sócios; durante uns tempos eles é que fizeram tudo, incluindo limpezas dos quartos) é muito solicito, fazendo um serviço personalizado de reserva no restaurante da região que mais nos aprouver. Tem todos os menús para escolhermos.
Tem também uma pequena loja numa parte troglodita do castelo. Trouxemos uma compota de aipo, vegetal que nunca tinhamos experimentado deste modo.
Nada como provar. Na Bretanha comprámos uma de algas que era uma delícia

Daniel Schneiderman

Qual a melhor forma de conhecer o Mont St. Michel e Caen pra quem está sem carro? Tenho muito interesse em visitar os 2 lugares, mas estou quebrando a cabeça para organizar a partir de uma escapada de Paris. Alguma sugestão?

Ricardo Freire

Daniel, o esquema para chegar de trem + ônibus de Paris a Mont St Michel está neste post aqui, linkado ao fim do texto: https://www.viajenaviagem.com/2009/09/uma-escapada-ao-mont-st-michel . Você já compra inclusive o trecho do ônibus no site da http://www.voyages-sncf.com , é só colocar Mont Saint Michel como destino.

Dá para ir de Caen a Mont St Michel via Dol de Bretagne. São 3h30 de viagem -- 2h20 de trem entre Caen e Dol, 30 minutos de ônibus entre Dol e Mont St Michel, com meia hora na baldeação. A partida de Caen é de manhã cedo; no sentido contrário a viagem começa no meio da tarde. Também dá pra comprar tudo em http://www.voyages-sncf.com .

De Caen a Paris a viagem de trem leva de 1h50 a 2h10; há vários horários ao longo do dia.

Daniel Schneiderman

Obrigado pelas dicas!

Majô
MajôPermalinkResponder

Daniel, eu fui de trem para Mont St. Michel.Fiz uma malinha e deixei a mala maior no locker da estação de trem.

Oswaldo Vilas Boas

Majô, esses lockers têm em todas as estações (Gare Lyon, p.ex)? E qual o custo, pois vou deixar uma mala grande por uns 5 dias?

Cláudia O.
Cláudia O.PermalinkResponder

Sou apaixonada pelo interior da França e esse trecho do vale do Dordogne que a Isabel fez é um dos meus preferidos. La Roque Gageac e a vizinha Beynac são realmente encantadoras, e nessa última pode-se agendar passeios de balão. Rocamadour também é maravilhosa, só que a região tem tanta coisa que vale a pena, que realmente fica difícil escolher e nunca dá tempo de fazer tudo.Por isso que sempre tenho vontade de voltar.Para mim, a França é inesgotável.Isabel,também adoro Portugal.

Isabel O., Portugal

Olá Cláudia, minha homónima O.
Acho que é a primeira que anda por aqui a conhecer a zona. É realmente muito interessante, mas acaba por ficar um bocado "apagada" em relação a outros locais mais mediatizados.

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Isabel O. Portugal,
matei as saudades do sotaque lusitano lendo esse post, que perdi durante as férias, meus parabéns!
Riq,
que edições primorosas dos posts dos trips! Parabéns!!! Adorei o comentário de 1 semana rsrs

Lu
LuPermalinkResponder

Olá, Isabel O,
Bela viagem a sua!!! Das regiões que vc visitou, só fui ao Loire, Mt St Michel, e Périgord (ñ só o noir). Qdo li o seu relato, ñ pude resistir a escrever, pois, o Périgord foi um dos lugares que mais me encantaram! E, realmente, ñ sei pq, essa região ñ é mto divulgada pelo menos por aqui.

Adoro comer bem - foie-gras de entrada todo dia é o máximo!! Feira de produtos naturais e regionais na França é tudo de bom - queijos mis, foie-gras artesanais, frutas vermelhas, daquelas que a gente ñ tem por aqui, saucissons, trufas. Houve um dia, em que paramos p/almoçar já mais tarde (14:30) e o cara falou que já tinha fechado. Mas, vendo a nossa situação, de bike, morrendo de fome, falou: "Tá bom, vou fazer qq coisa p/vcs." Daí a pouco lá vem ele c/um omelete de trufas ... Absolutamente inesquecível!!! Talvez seja o lugar que melhor se come na França, quiçá no mundo, dito por parisienses.

Além disso, adoro cidades medievais e belezas naturais. Saber que além de medieval, foi tb pré-histórico, me encantou ainda mais!! Fizemos essa região de bicicleta. Achei bárbaro pedalar por trilhas bem sinalizadas, que chegavam a pequenas cidades medievais, algumas c/importância pré-histórica, visitar museus super-interessantes (inclusive o da bicicleta), e ainda por cima comer maravilhosamante bem. Tem coisas na vida que ñ tem preço ... ou melhor tem sim, pq é na França!! Recomendo muuuuito passeear por essa região. Quem for p/lá e quiser alguma dica, pode contar comigo, pois pesquisei bastante (o planejamento de uma viagem de bike é exaustivo, além de ter sempre um plano B)

Vera
VeraPermalinkResponder

Isabel!

Optimo report! Adorava fazer essa viagem, mas acho que vou separar as regioes e não ser logo tudo seguido.

Ja ando a programar para proximo ano ir ao Vale do Loire, ando numa fase de pesquisas, gostava tambem de ir a Carcassone mas ainda não sei se dará para juntar tudo na mesma viagem.

Enquanto isso vou lendo as vossas dicas que são sempre optimas, principalmente para as fases de pesquisa e planeamento das viagens.

Obrigada

alexandra
alexandraPermalinkResponder

isabel que se come em frança na pascoa?

alexandra
alexandraPermalinkResponder

que se come i bebe

Adriana Pessoa

Isabel,
adorei ver sua foto por aqui...vc,que com tanto carinho, tem me ajudado tanto na minha viagem a Portugal!
Linda viagem pela França...ando querendo conhecer Giverny. Virou certeza depois que fui no Museu Orangerie.
Beijos para você!

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Pessoal,
estamos pesquisando a possibilidade de conhecer o Vale do Loire por 2 dias, chegando de Paris de trêm.
Chegando em Tours, disseram que, através de uma agência, podemos comprar um passeio de van pelos principais castelos e redondezas.
Ficaríamos num hotel BBB em Tours por 2 noites e depois temos que seguir para a Espanha.
A cidade mais próxima e aparentemente interessante é San Sebastian, onde podemos ficar mais 2 dias para então chegar na sexta-feira em Madrid.
Pergunto: dá para fazer este trajeto de trêm? é viável financeiramente? ou melhor alugar um carro em Tours e deixá-lo em San Sebástian e de lá pegar um vôo para Madrid?

Ricardo Freire

Tours como base para passeios organizados pelo Loire é perfeito, Leandro. No posto de turismo (em frente à estação de trem) você encontra todas as possibilidades.

De Tours a San Sebastián dá pouco mais de 6h de trem. Você vai a St.-Pierre-des-Corps e lá faz baldeação para o TGV que passa por Biarritz e te deixa em Irun, já na fronteira, onde você pega o trem espanhol e em meia hora está em San Sebastián.

No site da SNCF http://www.voyages-sncf.com você só consegue comprar até Irun. Mas não creio que haja dificuldade para comprar Irun-San Sebastián na hora.

adriana baer
adriana baerPermalinkResponder

eu pretendo conhecer o sul da frança, mas gostaria de alguma dica sobre ir sozinha.
sei que o site não indica agencia de turismo mas como não falo na de frances nem ingles, necessito de dicas de como chegar no sul da frança através de excursão.

zuzu
zuzuPermalinkResponder

Acho melhor vc consultar as operadoras. Uma que eu usei uma única vez, e tem um bom nível de serviços ,é a Queensberry, dá uma checada nas viagens em grupo deles, deve ter alguma que satisfaça os seus objetivos.
Mas, viajo muito pouco por agencia, entao nao é muito fácil dar pitaco neste assunto!
Comece a pesquisar devagarinho, e , quem sabe, a estudar um pouco de línguas, ajuda muito voce a aproveitar muito mais o passeio!
Boa sorte!

Lucia
LuciaPermalinkResponder

Adriana,
Existem várias agências que tem pacotes para o Sul da França. Em SP eu sei da queensberry e da donato viagens. O melhor é consultar seu agente de viagens a respeito.
O fato de você não falar inglês ou francês não é nenhum obstáculo para viajar sozinha, sem excursão. Basta planejamento.
Delimite os dias e a região do Sul da França que você quer conhecer, seus interesses e o seu orçamento e saia pesquisando.
Você vai ver que é muito melhor. Sua viagem com certeza será enriquecedora. Abs

Marilia Pierre

meus pais não falam inglês e nem francês
eles fizeram o sul da França de carro sozinhos, sem percalços e sem reservas.
use o sorriso, a simpatia e a paciência e se jogue.

GERALDO
GERALDOPermalinkResponder

Buenos Aires: Ola! Moro em SP e ja observei que existe um Banco De La Nacion Na avenida paulista. se alguem souber, poderiam me informar se eles fazem cambio?

Viaje na Viagem

Não conte com isso. É difícil terem pesos em espécie.

Este post é sobre viagens à França. Se quiser perguntar sobre Buenos Aires, use a página https://www.viajenaviagem.com/americas/buenos-aires-ricardo-freire .

https://www.viajenaviagem.com/2010/08/como-pesquisar-no-site/

Fábio Pitta
Fábio PittaPermalinkResponder

Janeiro na Europa, com crianças habituadas à Disney (duas, de 9 e 11 anos), é possível? Alguma sugestão de roteiros ou lugares que contemplem interesses tão difusos?

Leila
LeilaPermalinkResponder

Ola.... estou indo viajar para o interior da Franca daqui 2 dias e n~ao sei como funcionam os pedagios ..... o esquema 'e diferente dos nossos... alguem pode me explicar????

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Leila! Há praças em que a cobrança é feita ao longo da estrada (leve moedas); em outras, você pega um ticket ao entrar na estrada e, ao sair, o ticket indica o valor a ser pago. Não se preocupe, tudo vai dar certo!

Rita de Cássia

Olá,

Eu e meu marido vamos à Paris no final de setembro. Gostaríamos de ir 1 dia para Caen e voltar no mesmo dia. Já pesquisamos o trem. Minha dúvida é se de Caen é fácil ir até às praias do dia D e visitar outros pontos relacinados à guerra. É ir de trem ou alugar um carro? obrigada

Sandro Marques

Alguém tem referência de sites que alugam casas no interior da França? Na Itália eu usei o Tuscanynow.com e funcionou super bem. Quero alugar uma casa por uma semana.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Sandro! A Ana Tê do Na Provence tem uma empresa que trata disso:

http://www.naprovence.com/category/apartamentos-para-temporada/

Vamos também colocar sua pergunta no Perguntódromo grin

Ana Veloso [Viajar na França]

Oi, Sandro. Dê também uma olhada no site do Gites de France:

http://www.gites-de-france.com/

O Gîtes de France é um organismo de controle de qualidade dos alojamentos, portanto quem tem o selo da marca tem que respeitar vários critérios... o que evita má surpresas!

Ana Veloso [Viajar na França]

Ah só um detalhe, se você não fala francês, é preciso pesquisar por "Gites" (casas pra alugar) e não Chambre d'hôtes ou chez l'habitant (bed & breakfast).

Bia Mignolo I Viaje no Detalhe

Sandro, já aluguei casa na Côte d'Azur 03 vezes, 01 apartamento em Nice, ótima localização, super conservado, com tudo dentro (roupa de cama / máquina de tudo / cozinha completa... e no prédio havia até piscina.) E 02 casas em Villefranche. Esse casal tem vários imóveis. Ele é francês e ela brasileira. Super simpáticos. São amigos de minha cunhada que mora lá. Já indiquei para muitos amigos e todos voltaram 100% satisfeitos e encantados. Você ainda está precisando?

Sheila
SheilaPermalinkResponder

Riq e povo da Bóia,
A Isabel esteve pela Dordogne no verão e estou planejando passar uns 4 dias em meados de maio. Será que pego tempo bom?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Sheila! Com exceção do alto verão no Mediterrâneo e lugares mais ao sul, não há como garantir tempo bom na Europa nunca.

Maio é considerado um mês bom para viajar porque dificilmente o frio será extremo, e o calorão ainda não terá chegado.

Sheila
SheilaPermalinkResponder

Valeu, Bóia. Maio é o mês que tenho escolhido para zoropar; às vezes setembro. Realmente, o tempo costuma ser bom, mas depois de uma estada chuvosa nas Cinque Terre, fiquei meio insegura dependendo da região. Vão aqui dois links para posts que encontrei em minhas pesquisas sobre a Dordogne:
http://docesparagens.blogspot.com/2010/05/perigord-noir-regiao-da-dordogne-franca.html?showComment=1330468113803#c5969315725490127975
e
http://guiaderoma.blogspot.com/2012/01/guia-de-roma-em-dordogne-franca.html
e o da Lina que, de repente, vale colocar no "Leia também":
http://www.conexaoparis.com.br/2010/08/09/por-que-viajar-pela-dordogne/#comments
Pode ser útil a algum trip wink

Sheila
SheilaPermalinkResponder

Riq,
Estou precisando de uma mãozinha (ou de uma boiazinha) pra encontrar hospedagem na Dordogne. Pensei em Sarlat, por me parecer uma boa base, mas gostaria mesmo de ficar em um chateau. Será que a Isabel poderia informar onde se hospedou quando esteve por lá? Difícil conseguir informações sobre a área...

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Sheila! Aqui quem responde é A Bóia. Vamos colocar sua pergunta no Perguntódromo.

Lucia
LuciaPermalinkResponder

Sheila,
A Dordogne é uma região menos sofisticada que o Loire. Quando fiz minhas pesquisas não achei muitos chateaux bem localizados. Optei em ficar em Sarlat( no Villa des Consuls) por conta da questão geográfica e também por causa da infra-estrutura (restaurantes, comércio)

Sueli
SueliPermalinkResponder

Sheila,
Sarlat é uma cidade linda e muito gostosa de ficar. Mas você pode ficar não muito longe, no marvilhoso Chateau de la Treyne, que fica a uns 37km de Sarlat e numa região de belezas estonteantes.

Sheila
SheilaPermalinkResponder

Sueli,
Adoraria fica no Château de la Treyne, o qual eu havia considerado. Porém, na época em que estarei lá (13 a 16/maio), a única suíte disponível está a 800 euros/noite. Acho que não vale a pena em função do maior tempo em que estarei fora do Château. Estou avaliando outros da rede Relais & Château, como o Château de Mercuès, ( http://www.chateaudemercues.com/ ) o Le Vieux Logis ( http://www.vieux-logis.com/fr/index.php ) e o Moulin de l’Abbaye ( http://www.moulinabbaye.com/ ).

Sueli
SueliPermalinkResponder

Sheila,
Seu negócio é mesmo um chateau, hein!
Não tenho informação sobre esses que você citou, vou olhar com calma depois.
Para te dizer a verdade, eu prefiro os hotéis bem modernos, claros, cleans, com pouco pano, sem tapetes...
Os castelos eu gosto de visitar e admirar. Há castelos fantásticos nessa região.

Sheila
SheilaPermalinkResponder

Sueli,
Assim como você, também gosto de hotéis modernos. Mas, quando estive no Vale do Loire, optei por ficar em um chateau e não me arrependi (http://7tours.fr/). Como a Dordogne é uma área similar ao Loire, pensei em repetir a experiência. É tão sossegado e agradável, além de muito romântico. Mas não está fácil não. A Dordogne não é uma região muito divulgada no Brasil; a pesquisa fica mais difícil. Agora também estou considerando este aqui, sobre o qual já li bons e maus comentários. Sua localização parece ser a melhor dentre os outros que citei: http://www.rochebois.com/
Boa esta troca de informações com você, viu!? Obrigada.

Sueli
SueliPermalinkResponder

Obrigada, Sheila!
Gosto mesmo de trocar figurinha e nessas trocas vamos enriquecendo e expandindo os nossos horizontes.
Eu imagino o charme que deve ser hospedar-se num castelo, mas confesso que quando vejo aquele monte de pano, muitas estampas e móveis antigos (que admiro e adoro, mas não para conviver com eles) me assusto.
Dei uma olhada no blog doces paragens e achei muito legal.
Não tive dificuldade para me hospedar na região, pois fiquei em Sarlat no Clos la Boëtie, um hotel muito bom, e daí saíamos para desbravar a região. Eu adorei Sarlat e todas aquelas maravilhosas cidades que tem por perto.

Carla Franco
Carla FrancoPermalinkResponder

Isabel,

Estou programando uma viagem ao Mont Saint Michel lá pelo dia 20 de julho. Pretendia sair de Paris e passar um dia ou uma noite lá. Mas li seus posts e fiquei preocupada. Será que em julho é também muito cheio? Ainda mais num fim de semana? Acho que um lugar desses lotado deve perder a graça, não?!
Obrigada, Carla

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Carla! Em julho é cheio, sim. Programe sua ida para um dia de maré forte. Siga as instruções deste post:

https://www.viajenaviagem.com/2009/09/uma-escapada-ao-mont-st-michel/

Adriana
AdrianaPermalinkResponder

Se você não foi ainda: eu fui em julho, é cheio, mas se você dormir lá fica perfeito. Eu dormi e foi ótimo. Curti demais as ruas sem milhares de pessoas.
http://www.atravessarfronteiras.com/2015/07/mont-saint-michel-magia-esta-no-ar.html
Abraços
Adriana

Inês
InêsPermalinkResponder

Em outubro vou de Zurich a Bordeaux e a região que mais me fascina é a Dordogne, pena não haver muitas informações, parece que todas as cidades valem a pena uma visita, todos os lugares parecem encantadores. Terei que ler muito pra fazer escolhas e nada como essa troca de informações dos blogs, maravilhoso....

Sheila
SheilaPermalinkResponder

Inês,
A região é mesmo encantadora... e quase não consegui informação detalhada a respeito antes de ir. A minha fonte mais recorrente foi o blog da Lina (conexaoparis.com.br); ela e seus leitores, além do pessoal daqui que também me ajudou muito.
Conte comigo no que estiver a meu alcance.

Sheila
SheilaPermalinkResponder

Olá Riq,
Estou retornando ao post para compartilhar o que vi e vivi na Dordogne até chegar em Bordeaux em maio passado.
A região, de fato, é encantadora!!! Na verdade, chegamos, eu e o marido, por Carcassonne, vindo de um vôo "doméstico" de Bruxelas pela Ryanair. Como não tinha teto para pousar, depois de umas três tentativas, o piloto seguiu pra Perpignan, onde aterrissamos e um ônibus nos levou para Carcassonne, gerando um atraso de umas 2 horas e meia. Mas deu tudo certinho e então retiramos nosso carro na Europcar do aeroporto (reserva via AutoEurope, classe econômica, diesel, 8 dias = U$ 360 + U$ 75,00 de taxa de entrega em outra cidade - Bordeaux) e fomos direto por Hotel Le Montmorency (http://www.lemontmorency.com), que foi dica da AnaTê (http://www.naprovence.com/2011/10/descobrindo-carcassonne/). O Hotel é excelente, com estacionamento próprio e fica coladinho na entrada da cidade medieval.
Outra opção teria sido voar de Bruxelas a Bergerac, que já fica na Dordogne, ao lado de Sarlat, onde me hospedei. Mas foi legal ter ido a Carcassonne e de lá seguir pra Albi e Cordes; são duas cidades lindíssimas. Ainda entramos em Toulouse e demos um giro rápido, mas hoje dispensaria e dedicaria mais tempo a Albi, que amei.
Chegamos em Sarlat no fim do dia e quase não encontramos restaurante que nos recebesse para o jantar (tudo fecha cedo).
Foi um sufoco conseguir escolher hotel na Dordogne com tão pouca informação sobre a região na net. Por fim, optei pelo Ibis (minha opção sempre que fico com receio do que vou encontrar) e não me arrependi, apesar de não ter pago uma tarifa econômica. Fica a uma distância “caminhável” do centrinho de Sarlat, ou seja, da cité medieval. Estacionamento interno coberto e gratuito e quarto bem grandinho. O café-da-manhã preferimos tomar fora do hotel. Ficamos três dias em Sarlat.
No primeiro dia, seguimos para La Roque-Gageac e fizemos um passeio de Gabare pelo rio. A chegada à cidade é fascinante; o visual é deslumbrante. O passeio pelo rio é lindíssimo e não cansa (acho chato passeio demorado de barco). O guia vai repassando informações sobre a história do lugar; tudo é muito encantador. Em seguida, fomos para os Jardins Suspensos de Marqueyssac (http://www.marqueyssac.com/), onde o visual é lindo também, sobretudo a partir dos mirantes. Almoçamos tranquilamente no restaurante de lá e seguimos para Les Eyziés para tentar conhecer o Museu Nacional de Pré-história, mas não deu tempo e acabamos não voltando lá em função de outros passeios que queríamos fazer. Valeu a ida até lá; a região é muito bonita. Voltamos cedo para Sarlat e deu tempo de passear pela cidade, mas quase já não tinha comércio aberto.
No segundo dia, como o tempo não estava bom, optamos por nos distanciar de Sarlat, então o tempo abriu no caminho e a paisagem ficou ainda mais bonita; muito verde, muita água, pastos, rebanhos, a natureza ali é linda.
Fomos para a Gruta de Lascaux (http://www.lascaux.culture.fr/), para conhecer a réplica dela, que fica a 800 m da original, reproduzida como cópia fiel. Abriga pintura rupestres que datam cerca de 17 mil anos. Os cientistas a chamaram de "Capela Sistina da arte rupestre", isto porque o teto da salle des Taureaux (sala dos touros) é mesmo uma obra de arte. Há avisos na entrada sobre a obrigatoriedade de compra de ingressos na cidade de Montignac, mas demos sorte e conseguimos comprar lá mesmo. Acompanhamos um grupo gigante com guia em inglês.
Seguimos para La Roque St-Christophe (http://www.roque-st-christophe.com/), para visitar uma cidade troglodita incrustada na rocha. As cavidades naturais na rocha, com 1 Km de comprimento e 80 m de altura, foram ocupadas pelo homem na Pré-história e depois transformadas num forte e cidade na Idade Média, sendo habitadas até 1588.
De lá, fomos para a Gruta de Proumeyssac (http://www.perigord.com/proumeyssac/), conhecida como a Catedral de Cristais, um dos lugares que mais me impressionaram nesta vida. É mágico!
No fim do dia, passeamos por Beynac, vizinha de La Roque Gageac, ambas fotogenicamente despencando sobre o rio Dordogne, e voltamos para Sarlat.
No terceiro dia, o café-da-manhã foi na feira de Sarlat (edição maior no sábado e menor na quarta). Programaço! Nos abastecemos ali e seguimos para Dome, uma gracinha de cidade, com vistas espetaculares e um artesanato bem interessante. Lá foi rodado o filme Chocolate, com a Juliette Binoche.
De Dome, seguimos para Rocamadour, onde chegamos já de tarde. Sinceramente, a cidade tem sua beleza plena pela manhã, quando o sol bate de frente pra ela. À tarde já tinha sombra e foi uma certa decepção. Só acho que valeu o desvio (de lá segui pra Bordeaux), porque iria ficar incomodada por não ter esticado até lá. Algumas fotinhos e seguimos para Bordeaux.
Pra entrar na cidade, o trânsito estava um caos e isso só não parece ocorrer no domingo... bateu aquele arrependimento de ter alugado carro pra Bordeaux, onde o estacionamento é um elegante assalto e onde não há quase onde estacionar!!! Mantivemos o carro por 2 dias para conhecer Saint Emilion e região num dia e a região de Margaux em outro, visitando os chateaux. Devolvemos o carro um dia antes. A cidade tem um tram excelente e tudo é perto; carro é artigo totalmente dispensável para ficar somente em Bordeaux. A hospedagem foi no Mercure Cité Mondiale e só usamos o tram duas vezes: para voltar para a cidade da estação de trem, onde devolvemos o carro, e para voltar para o hotel com compras (aliás, o comércio de Bordeaux é muito bom). Saíamos a pé para jantar no centro antigo, passeando pelas margens do rio Garonne e a volta era bem tranquila também.
Bom, sobre a Dordogne, digo que 3 dias foi pouco; com mais 1 ou 2, teria sido mais agradável. O carro ali é indispensável e a base em Sarlat foi uma boa escolha. Sobre Bordeaux, dependendo da intenção do viajante, uma semana ainda é pouco; o vinho é a grande estrela mesmo e a região em volta é muito bonita. Para uma passagem como a minha, um dia a mais teria sido bem vindo, mas os 3 já atenderam bem.
O relato ficou extenso, mas certamente será útil para os pesquisadores de plantão e, quem sabe, para colocar uma pulginha atrás da orelha do Riq no sentido de querer explorar a região; )
Agora vou esmiuçar o conteúdo sobre Jericoacoara, porque depois de uns dias zoropando dá vontade mesmo é de sol, sombra, água fresca e esse marzão brasileiro...
Um abraço e obrigada a todos pelas dicas que compartilharam aqui!

Inês
InêsPermalinkResponder

Obrigada Sheila, vou terminar minha viagem de outubro nessa região e estava com dúvidas, tudo parece valer a pena, seu relato já me ajudou.

Maira Correa
Maira CorreaPermalinkResponder

Olá! Após anotar e comparar todas as dicas e fazer algumas pesquisas, esbocei um roteiro para fazer em março do ano que vem pelo interior da França. No entanto, ainda estou com uma dúvida: faz sentido ir descendo de carro, desde Paris, pelo Vale do Loire, depois por Cognac e em seguida pela Dordonha e retonar de trem por Bordeaux(25 euros)? Minha idéia inicial era ir até Toulouse de trem, e ir subindo, mas não gostei do preço da ida (120 euros cada)... E, para ir de trem até Bordeaux estou com medo de perder o horario, pois meu voo chega às 14:40 no CDG1 e o TGV sai às 16:20 do terminal 2. O que acham? Agradeço se alguém puder e quiser dar pitacos!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maira! Talvez esteja cedo para comprar passagens de trem. Você deve procurar sempre pela tarifa PREM, que é a mais descontada, e costuma aparecer entre 90 e 60 dias antes da viagem.

De todo modo, não há nenhuma solução 100% satisfatória para o seu carro. Coordenar horário de chegada de avião com passagem de trem com lugar marcado (e na França todas são) é um problema; idealmente você tem que dar umas 4 horas de diferença, o que pode resultar em duas horas mofando na estação se o avião tiver cumprido o horário. Chegar de uma viagem noturna e sair dirigindo é ainda menos recomendável, porque é perigoso.

Pense em ficar essa noite em Paris sem precisar mexer na mala (leve a muda de roupa na mala de mão): estique as pernas, jante bem, durma gostoso e no dia seguinte retome o roteiro original (fique num hotel próximo à estação de onde sairá o seu trem ou da loja onde você pegará o seu carro).

Maira Correa
Maira CorreaPermalinkResponder

Olá! =c) Obrigada "A Bóia"! Acho que vamos jantar bem e dormir gostoso, sem estresse. Afinal, estou fazendo um roteiro pra ser "slow trip", com muitas paradas e tempo de sobra pras refeições - máximo de deslocamento, em alguns dias, de 03hr (250km).

Inês
InêsPermalinkResponder

Olá Ricardo e/ou Bóia

Só para comunicar que mais uma vez citei o site nas minhas postagens, sempre com os devidos créditos.

FELIZ 2013

Letícia Martins

Boa tarde, o Château des Ormeaux, pelo que vi no site próprio do hotel, fechou.. Alguém teria outra opção similar por ali? Super obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Letícia! O Ricardo Freire ficou no Château des 7 Tours e gostou muito.

Adriana
AdrianaPermalinkResponder

Acabei de voltar da Normandia e do Vale do Loire e fiquei APAIXONADA. Na Normandia montei base em Bayeux. No Vale do Loire, em Amboise.
Tenho algumas dicas no meu blog
http://www.atravessarfronteiras.com/2015/07/normandia-uma-overdose-de-guerra-para.html
Abraços
Adriana

Sérgio Jatobá

Fiz um roteiro pela Normandia e Bretanha por carro. Esse me pareceu o melhor meio de transporte para visitar as pequenas cidades dessas regiões, mas ficam aqui alguns alertas importantes para quem for alugar carro na Europa:
Cuidado 1) o preço previamente reservado pelo site pode subir em mais de 100% por causa do seguro especial. E se você não optar por um deles irá pagar uma franquia absurdamente alta, caso aconteça algum imprevisto.
Cuidado 2) os pedágios na França são um tanto traumáticos. As rodovias administradas pela COFIROUTE cobram preços excessivamente alto pelos pedágios, mesmo em distâncias pequenas e não aceitam cartão de crédito não franceses, mesmo internacionais. Se for pagar dinheiro, lembre-se que as máquinas, quando o aceitam, só recebem notas até 20 euros. Um absurdo que pode causar atropelos inesperados, como ser obrigado a pagar o pedágio por ordem bancária posteriormente.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar