Valsa de uma cidade

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Arpoador

Se algum dia me perguntarem por que eu viajo, eu vou responder: para ver se encontro algum lugar mais encantador que o Rio de Janeiro. Até hoje, não encontrei. Outras cidades podem ser muito superiores em um ou outro aspecto, mas levam nota baixa em tantos quesitos — tipo ala das baianas, empolgação e alegorias de cabeça — que na média acaba dando o Rio, longe.

Prainha
Prainha

Se você fizer questão de padrões internacionais de julgamento, tudo bem, lá vai: o Rio é Oscar de cenário, direção de arte, casting, (falta de) figurino, roteiro e trilha sonora original. Em que outro canto do planeta você encontra praia, vida cultural de primeira, gastronomia, compras e um povo exótico (nós mesmos!), tudo num lugar só, e em qualquer época do ano?

Para começar — eu adoro dizer isso, porque consigo injuriar paulistas e cariocas numa mesma frase — o Rio é a melhor coisa de São Paulo.

A própria ponte aérea já é uma grande idéia — uma invenção made in Brazil, imagine só, fruto da aliança entre o capital e a vontade de fugir do trabalho. O embarque é lindo: sempre tem três ou quatro engravatados correndo e atropelando os outros na pista para poder sentar numa janelinha do lado direito. (A dica do lado direito garante as melhores vistas tanto na ida, quanto na volta. Vale a pena: eu sempre sou um dos três ou quatro que correm e atropelam, e não fico nem vermelho de admitir). O vôo inteiro é lindo. Com tempo bom, são pelo menos 30 minutos ininterruptos de litoral sendo traçado ao vivo embaixo do seu nariz: a Ilhabela, a baía de Ilha Grande, a restinga da Marambaia. A aterrissagem é mais linda ainda. O avião mergulha perigosamente em direção a um centrinho manhattóide — mas quando você desce a escada, o bafo, o cheiro da maresia e a visão do Pão de Açúcar no canto esquerdo da tela dissipam quaisquer dúvidas e dão as boas-vindas à Guanabara. Que Hong Kong que nada: não existe pouso como no Santos Dumont.

Depois de ser intensamente disputado por três ou quatro mulheres que aliciam você ao mesmo tempo, usando a mesma frase provocante (“Táxi, senhor? Táxi?”), você entra num cootramo ou coopertáxi e desliza pelo gramado pré-brasiliense do Aterro, o dinheiro velho da praia do Flamengo te olhando de um lado, o Pão de Açúcar ficando cada vez mais próximo do outro, e o conjunto da obra dando a certeza de que o Brasil um dia já teve um projeto estético mais bacana.

Mais um pouco, você atravessa o túnel e chega a Copacabana, o RG extraviado do país, espelho quebrado da nossa alma, um bairro chamado 200 (desisto. Nada vai ser melhor que “purgatório da beleza e do caos”, © Fausto Fawcett, ou “Notre Dame d’Avenue”, © Eduardo Dusek).

Lisboa reinterpretada por Burle Marx
Lisboa reinterpretada por Burle Marx

Se o Brasil fosse fazer um tratamento ortomolecular e tivesse que arrancar um fio de cabelo como amostra, este fio de cabelo (originalmente pichaim, depois alisado) seria Copacabana. Estamos todos lá: milionários falidos e favelados emergentes, latifundiários e sem-teto, aposentados e boys, classe média alta, classe média baixa, classe média gorda, classe média magra, gente de todos os fatores de proteção solar e de uma profusão incatalogável de sexos dividindo um quarto-e-sala de 6 postos. Copacabana não vive: se expõe. Poder andar descalço e de roupa de banho (meninas, não esqueçam a canga) pela avenida Nossa Senhora de Copacabana, na hora do rush, revela mais sobre a nossa cultura do que 5 anos de sociologia na PUC.

Adoro, mas muito obrigado. Prefiro assistir a Copacabana de uma distância segura — em Ipanema ou no Leblon. É mais bonito, você pode ir à churrascaria Plataforma invocando a memória de Tom Jobim quando na verdade é pelo ar condicionado depois da praia, e sempre dá para responder “Pela Lagoa”, não importa qual seja a pergunta do taxista. Mais para lá do que isso só se deve ir (e voltar correndo) à praia do Lokau, ao Quinta, à Tia Palmira ou muito excepcionalmente a um show no Metropolitan. Ou seja: pule a Barra. Por enquanto, a Barra não diz respeito a forasteiros como você e eu. Viver na Barra parece ser uma espécie de programa espacial colocado à disposição do contribuinte carioca. A Barra da Tijuca é a Lua de Copacabana.

(A propósito: não acredite que para ir à praia você precisa ir à Barra. É verdade que as praias da Barra são incomparavelmente mais limpas e menos cheias que as da Zona Sul, mas se você quer praias incomparavelmente mais limpas e menos cheias as da Zona Sul, não vá ao Rio. O aspecto natural mais interessante das praias do Rio é a fauna. Não compensa enfrentar as agruras do trânsito apenas por um pouco de contato com o reino mineral.)

Cristo tá vendo
Cristo tá vendo

O que faz do Rio um lugar fora de série para passar férias é que lá o turista nunca é intruso. O turista apenas está compartilhando das férias da população local. Não é preconceito, não: é que tudo o que é feito ao ar livre no Rio de Janeiro tem aparência, gosto, textura e consistência de férias. Eles provavelmente nem se dão conta, mas fazer jogging na beira da praia às 6 da manhã é como sair um pouquinho de férias todos os dias. Tomar um chopp na saída do trabalho (nem que seja depois de um serão nipônico) é férias. Num domingo ensolarado, a sua cidade pára — mas o Rio de Janeiro entra em férias. É um prazer incomparável poder passar as férias num lugar tão bem equipado para as férias dos seus próprios habitantes.

Lagoa em quadro, nos fundos da Rocinha

Mas claro que você não vai perceber nada disso, se passar dia e noite surtado pela síndrome da paranóia adquirida.

Copa
Copa

Eu sei, é mais forte do que você. Foram anos e anos de briga em rede nacional, às 8 da noite, entre seu Brizola e dona TV Globo, e fica difícil você captar o encanto quando o seu radar só está programado para detectar arrastão. Mas veja bem: se o Rio fosse tão perigoso assim, como pode tanta gente estar na rua o tempo todo, tomando seu chopinho de pé na esquina, andando no calçadão de relógio, indo a Ipanema no domingo? (Domingo é o dia Mundial do Arrastão.) Como se explicam os grupos de velhinhas que vão ao teatro? (Você já viu velhinhas saírem em grupo em São Paulo?) Muito mais perigosas são as cidades que fazem a gente ficar plantado no sofá com 3 controles remotos na mão por total falta do que fazer na rua.

(E agora tem a questão das balas perdidas. Se eu morasse com vista para um foco de brigas de traficantes, eu também dormiria embaixo da cama todas as noites. Agora: daí a achar que eu vou sair da avenida Angélica, tomar a ponte aérea, me hospedar no Marina Palace, pegar um táxi numa hora determinada e para um trajeto tal, de modo que a incidência de sinais verdes e vermelhos,  associada à disposição do taxista em ultrapassar ou não os amarelos, faça com que a gente intercepte uma infeliz de uma bala perdida, é, realmente, muita pretensão. Se eu me considerasse estatisticamente tão importante assim, jogaria na loteria três vezes por semana.)

Você já pensou em riscar Roma do seu caderninho só porque lá eles têm trombadinhas de Vespa, que engancham o guidão na bolsa dos turistas e saem na boa? Miami por acaso chegou a sair das suas cogitações depois que a polícia mandou trocar as placas dos carros alugados devido às gangues que perseguiam (assaltavam e às vezes assassinavam) turistas? Duvido que você tenha esperado o prefeito Giuliani baixar a taxa de criminalidade para só então viajar a Nova York.

O maior crime atualmente em cartaz no Rio de Janeiro é tanta gente esquecer que a cidade mais interessante da galáxia está a menos horas de vôo de casa do que as horas de fila no consulado americano.

Manoelcarloslândia
Manoelcarloslândia

Mas ir ao Rio não tem nada a ver com civismo — e tudo a ver com prazer. Vá. Vá. Vá. Aproveite a escassez de gringos (eles não sabem o que estão perdendo) e faça todos os programas de turista que você sempre achou bregas. Suba ao Pão de Açúcar e ao Corcovado, assista a um jogo do Flamengo, desfile numa escola de samba — e constate enfim que virar clichê não é para qualquer um.  Descubra na Revista de Domingo qual é a musa do verão, do alto verão, do inverno, do feriadão ou dos próximos 15 minutos. Aproveite e embarque numa dessas modinhas que pegam no Rio como febre e que duram menos do que gripe. Tome um chá na Confeitaria Colombo (só em dias de semana), assista a um show no Rival (é mais engraçado que no Canecão, que por sua vez é muito mais legal que o Palace), faça recenseamento de globais no Antiquarius, ande de tênis e meia na pista fechada da Vieira Souto no domingo, coma um sanduíche de pernil com abacaxi no Cervantes, inicie um movimento para incluir o caldinho de feijão do Bracarense na lista da Unesco de patrimônios da humanidade, e, na dúvida, responda sempre “Pela Lagoa” a qualquer pergunta de taxista.

Feliz ano novo

Na volta, fique feliz por não morar lá — assim você pode sentir muito mais vezes a emoção jobiniana de aterrissar na Guanabara.

(Escrito em 1998, para o Viaje na Viagem de papel.)

246 comentários

Helo
HeloPermalinkResponder

Arnaldo, seu enquete deu certo!! Que venha o Rio!!! Torço para que seja honrado os compromissos assumidos...inclusive por parte da população...onde me incluio..

Arnaldo - Fatos & Fotos de Viagens

AINDA bem que eram 30 a favor e dois contrários!

Vera Lucia
Vera LuciaPermalinkResponder

Ricardo,
estou muito feliz com sua crônica sutil, singela, apaixonada sobre a minha cidade. Só posso dizer obrigada, obrigada e muito obrigada e continuar a agradecer com lágrimas de felicidade ao gaúcho/paulistano/carioca e a todos que se encantam com o Rio de Janeiro. O meu final de semana já começou cheio de alegrias. Novamente, obrigada a todos.

Arnaldo - Fatos & Fotos de Viagens

AINDA bem que o Rio de Janeiro tem mais gente a fim de colocá-lo pra cima do que pra baixo! Belo comentário, Vera Lucia.

E é bom que todos saibam que a crônica do Riq foi esrita por um gaúcho que mora em São Paulo!

Marília Marconi

Riq,
Em meio à festa pela eleição, queria deixar registrado qeu a culpa pelo meu VnVício é desse texto. Há alguns, numa livraria da Manoelcarloslândia, achei seu livro entre guias de viagem e abri numa página qualquer (método pessoal para verificar a qualidade dos textos). Era justamente a primeira página desse capítulo, e foi paixão à primeira vista: tudo que eu sempre achei, escrito de um jeito eu nunca conseguiria. Aí descobri o blog... e o resto é história!!! smile
Que a Olimpíada traga muitos turistas ao Rio, para que muita gente possa conhecer a cidade maravilhosa! smile

Jorge Bernardes

E vai ser mesmo no Rio!!!!! OBA!!!!!
quando é o dia da abertura?

Arnaldo - Fatos & Fotos de Viagens

Bem, vc sabe que tem um carioca que já recbeu vc e sua família e está à disposição para fazê-lo de novo!

Jorge Bernardes

Fala Arnaldo!!! Obrigado. Eu já estou com as férias marcadas!!! Estaremos aí em 2016... Será que eu ainda consigo uns ingressos para a cerimônia de abertura?

Dá para imaginar?

Emília
EmíliaPermalinkResponder

Que maravilha!!! Parabéns aos cariocas e a todos nós, brasileiros!
Fico só imaginando a festa acontecendo agora no Rio...

Helo
HeloPermalinkResponder

Olá, o placar correto é 3 contras! Meus comentários, assim como o do Paulo, são baseados em experiencia in loco no Pan. Não sou contra o Rio, muito pelo contrário, sou apaixonada, mas nem por isto acredito em papai noel! Obvio que vou torcer muitissimo pelo Rio e via de consequencia, pelo Brasil!! E torço mesmo que a população que apoiou tanto a canditatura faça a sua parte (acompanhando, fiscalizando o dinheiro publico e as obras, cobrando os resultados e por ai vai), cada um a seu modo...como os blogueiros viajantes, por exemplo, que sabem o que os estrangeiros esperam e o que o Brasil tem de oferecer...espero ver muito posts pela frente!!!!

Arnaldo - Fatos & Fotos de Viagens

35 a favor, 3 contra aqui!

60 a 30 em Copenhaguen!

GANHAMOS! (apesar dos que acham que é NÃO fazendo que se melhora tudo)

paulo lencina
paulo lencinaPermalinkResponder

arnaldo, o seu problema é que vc nao aceita nem respeita um pensamento diferente do seu. não me cansar mais em falar que gosto do rio, mas vejo muitos problemas na cidade. se quiser continuar falado, que fale sozinho. abração e parabés ao rio de janeiro.

Silvia Oliveira - Matraqueando

Paulo, torci muito pelo Rio e estou feliz com o resultado. Sou da teoria do Arnaldo que devemos começar a FAZER para aprender a respeitar e a valorizar o que é nosso. Mesmo assim, gostei muito do que você disse, não achei que foi grosseiro e seus argumentos são válidos. Sabe aquela frase do Voltaire: "posso não concordar com nenhuma das palavras que você diz...mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-las". Isso é o fundamento para o Estado Democrático de Direito. E você, como grande cidadão, ainda voltou aqui para abraçar o Rio e parabenizá-lo. Abs!

Arnaldo - Fatos & Fotos de Viagens

É exatamente esta a minha teoria. FAZER, atuar, trabalhar, investir, lutar a favor, perseguir uma meta!

EXATAMENTE essa. Apostar contra, falar mal do Rio, apostar e torcer contra, aidna mais grosseiramente, é deprimente e JAMAIS será BOM EXEMPLO.

OBRIGADO!

Carol
CarolPermalinkResponder

Aproveitando o "espírito olímpico" abundante neste recinto, começo aqui mais uma votação:

Quem acha que esta discussão já deu o que tinha que dar, que já foi mais longe do que deveria ir e por isso (e tantos outros motivos) deve acabar, levante a mão!

paulo lencina
paulo lencinaPermalinkResponder

oi, silvia, como já cansei de dizer aqui. nao sou contra a cidade do rio de janeiro nem contra os cariocas, aliás, tenho parentes no rio que sao contra os jogos. mais isso é outra coisa. sou de porto alegre, moro em são paulo, depois de ter vivivo em outras 8 cidades ao redor do mundo, inclusive barcelona, onde os jogos transformam a cidade para melhor. tomara que isso aconteça com o rio. tomara. só nao sou adepto ao oba-oba nem acho que apenas beleza natural, festa com a bateria do salgueiro ou um texto bonito sobre a cidade nos ajudarão a fazer um bom jogos olimpicos. erro crasso é de quem acha que sou contra a cidade do rio de janeiro.

Helo
HeloPermalinkResponder

Complementando o Paulo, e encerrando o assunto, como bem observou a Carol, tambem não sou contra o Rio, muito pelo contrário...pensei ter deixado isto bem claro nos meus comentários...a partir do resultado, sou Rio de carteirinha...meus comentários foram baseados na minha experiencia no pan, no fato de ter nascido e morado no Rio, no fato da Copa estar muito proxima das Olimpiadas e no fato das Olimpiadas ser o evento de tal magnitude (não é um tipo de evento para fazer feio em requisitos, por justamente ser um evento de tamnho alcance)

Carol
CarolPermalinkResponder

ebaaaaaaaaaaa
vivaaaaaaaaaaaaa
obaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Parabéns ao Rio, parabéns ao COB, parabéns a todos os cariocas e parabéns a todos que torceram...

e pelo amor de Deus... parem com esta discussão pois agora o fato já é consumado e não há mais o que discutir... o Rio é Olimpíadas 2016!!!! uhuuuuuu

Rosa
RosaPermalinkResponder

Parabéns para o Rio de Janeio, para Brasília, para o Brasil!!! A união fez a força. Agora é festa e muita mão de obra pra fazer bonito!!!

Eunice
EunicePermalinkResponder

Meu presente de 15 anos foi uma viagem ao Rio. Primeira vez em um teatro de verdade ( antigo Teatro Manchete, Paulo Autran e Bibi Ferreira ), primeira vez em uma boate( assistindo ao Mussum que fazia parte de um grupo de samba, Originais do Samba, acho ) e o maravilhamento com a beleza sem igual da cidade. Vera Fisher e Regina Duarte em um musical no Canecão. Agora, aos 15 anos, um dos presentes de minha filha foi uma viagem ao Rio. Hospedou-se, com meu marido ( não pude ir ), no mesmo hotel que fiquei naquela viagem inesquecível, que já era antigo à época... Ela já tinha viistado o Rio, mas estar no Rio aos 15 anos é diferente. É um sem número de opções. Um amor para sempre. Parabéns ao Rio e aos cariocas. Nós merecemos uma Olimpíada no Rio.

Eleonora
EleonoraPermalinkResponder

Parabéns Rio. Torcendo por uma cidade ainda melhor!!!

João Barcelos

RIOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!! Parabens a todos nós!!!!

Marcel Alcantara

Estou muito feliz! Eu sempre acreditei na candidatura do Rio! Na hora do anúncio do resultado, eu estava em um bar no Leblon, parecia comemoração de gol do Brasil em copa do mundo. Vamos comemorar!

Rosa
RosaPermalinkResponder

Paulo, lamento, mas não posso te desculpar. Simplesmente por não haver o que se desculpar. Não percebi nenhuma grosseria. Opniões contrárias são essenciais para uma boa argumentação e valorizam ainda mais aquilo que se quer provar. Fico feliz de saber que mesmo pensando de modo diferente juntou-se aos milhões de brasileiros para parabenizar o Rio de Janeiro, que você, como muitos que comentam por aqui, tanto amam.

paulo lencina
paulo lencinaPermalinkResponder

Rosa, apenas marquei a minha opinião. felizmente posso dar a minha opinião. felizmente nao vivemos mais dias de médici, costa e silva, geisel e seus comparsas. respeito profundamente àqueles que pensam diferente de mim. parabéns à cidade do rio de janeiro pela vitória, sem esquecer que há pouquíssimo tempo e muito trabalho a ser feito.

Arthur
ArthurPermalinkResponder

Rosa e Paulo Lencina,
Faço minhas as palavras da Rosa.
Abraços aos dois.

Mô Gribel
Mô GribelPermalinkResponder

Ai, Riq...que lindo texto!

Lu
LuPermalinkResponder

Riq, esse seu post é digno de um carioca da gema, apaixonado pelo Rio, assim que nem eu!!! Parabéns pelo texto! E parabéns ao Rio ... que dê tempo p/fazer tudo o que é necessário (o que é mta coisa!) até 2016!!
Bjs

Majô
MajôPermalinkResponder

Feliz da vida e emocionada com o resultado, uhuuuuu, eu tinha a sensação que o Rio ia ganhar wink
Vamos ver o lado positivo minha gente, vai gerar empregos em todas as áreas, melhorias nas cidades e o prazer de preparar uma festa linda que vai encantar a quem vier smile

Lena
LenaPermalinkResponder

Eita torcida que deu certo!! Muito bom! Espero que a cidade fique ainda mais linda! smile

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Como assim ? Noventa e sete comentários !!!
Eu vou alí na esquina e quando volta já aconteceu tudo isso !wink
PARABENS AO RIO !!!!!!

Rosa
RosaPermalinkResponder

2016! 54 anos? Ainda dá... Vai rolar a festa, vai rolar!!!

Rosa
RosaPermalinkResponder

Me perdoem as diferenças, mas quero fazer um reconhecimento: menção honrrosa para o Presidente Lula, mandou bem, transmitiu muita emoção.

Carol
CarolPermalinkResponder

É verdade!

Rosa
RosaPermalinkResponder

E a nossa doce correspondente da Espanha, a Carmem, com certeze, vai se juntar a nós, pelo amor que sempre demonstra ao Brasil.

Carmen
CarmenPermalinkResponder

PARABÉNS!!!!!!!!!!!!!
FELICIDADES!!!!!!!!!!
Parabéns para Rio de Janeiro e pra todos os brasileiros!!!!!!!!!

Carmen
CarmenPermalinkResponder

Rosa, eu estava fora...

Isabel O., Portugal

Lá vem competição ibérica:
Notícia de abertura dos principais telejornais das oito!

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Calma Gabi, chegando pelo Galeão tem as favelas, os ambulantes no meio do trânsito se estiver lento, crianças tomando banho no valão, o Canal do Cunha (na maré baixa dá para ver carcaças de carros mas a casa flutuante com piscina e garagem já era, não sei como deixaram sumir pois era muito interessante) e, com sorte, porcos, cabritos e bois de uma criação ao lado ao lado da Linha Vermelha (com azar não precisa dizer o que tem né...), quer coisa mais exótica que tudo isso passando pela janela em menos de 5 minutos. Depois reclamam que os estrangeiras acham tudo "exótico" smile Para melhor apreciar a paisagem vá de ônibus, pois muitos detalhes pasam batidos na altura do carro.

Por fim, com tempo bom dá para ver já da estrada do Galeão (logo depois da estradinha cheia de árvores do aeroporto) o Corcovado e Pão de Açúcar ao longe.

Gustavo
GustavoPermalinkResponder

Riq,

Lado direito de quem tá sentado virado pra cabine? Ou lado direito de quem entra no avião de costas pra cabine?

Grato,

Gustavo

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Por fim, vou discordar e dizer que prefiro a paisagem chegando do Galeão, o turista vê os dois "Rios de Janeiro", primeiro o que descrevi acima e só depois Lagoa/Aterro (costuma passar por algum deles para chegar ao hotel na ZS), pelo SD praticamente só se vê um lado, o Rio não é só zona sul.

Dani
DaniPermalinkResponder

Pronto, a essa altura ja deve estar comemorando, pois merecemos isso, e o RJ realmente é lindo. Sou paulista e invejo essa possibilidade de estar de férias todo dia mesmo que de passagem.

Bjs

Rosa
RosaPermalinkResponder

- Se eu morresse agora, já teria valido a pena viver. Conquistamos a cidadania absoluta. Parabéns à alma e paixão do povo brasileiro. Não estarei mais na Presidência, mas estarei como cidadão brasileiro, colocando minha alma e meu coração - admitiu Lula, em entrevista à TV Globo.
Nossa!!! O Presidente Lula está demais!!! Lição de otimismo e patriotismo!!! Parabéns!!!

Érica França

Fico envergonhada de ainda não conhecer a cidade maravilhosa, mas darei um jeito nisso no feriado de Finados, com ou sem chuva. E estou feliz de ele ter sido escolhido como sede das Olimpíadas. Temo também que algumas coisas não saiam como o esperado, mas temos nas mãos as chances de fazer este País crescer e ser melhor, aquilo com que sonhamos. Vamos trabalhar por isso. Riq, parabéns pelo ótimo texto.

Luciana
LucianaPermalinkResponder

Lindo texto.
Parabens ao Rio e aos cariocas. Torci bastante.
Conheço cidades do mundo todo, mas, hoje, me lembrei de um fato que ocorreu comigo, na última vez que estive no Rio. Estava lá a trabalho e dei uma escapadinha ao Pão de Açucar. Eu chorei de emoção com toda aquela paisagem, e isso não me aconteceu em nenhum outro lugar do mundo.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

SENSACIONAL !!
Não deixem de ouvir :
*O discurso de Lula
http://www.youtube.com/watch?v=A5zrPRusLcY
* O video que o Marcio -janela laranja colocou no twitter:
http://www.youtube.com/watch?v=Z00jjc-WtZI

andre
andrePermalinkResponder

PARABÉNS RIO!! Fiqeui emocionado com o discurso de presidente. Lula mostrou que sim, nós podemos. E nao devemos nos curvar perante as dificuldades. E lembrou que tem muito trabalhao para fazer. Mas vamos fazer! VALEU BRASIL!

Gabi
GabiPermalinkResponder

Ai Leandro, que estraga-prazer.... Vc nao ta contando nenhuma novidade sobre os problemas do Rio que todos conhecemos. Desculpa, mas o Rio de Janeiro continua lindo e continua sendo a cidade maravilhosa apesar de tudo isso. Esperemos que cada vez mais seja uma cidade maravilhosa pra mais gente.
Pra mim a decisao de hoje foi ainda mais emocionante, afinal moro em Madrid e acompanhava tudo pela imprensa daqui que estava muito confiante. Vim mais cedo pra casa só pra assitir o annuncio do resultado. E não pude aguentar a emoçao, chorei, e chorei muito, de alegria, emoção saudades do Brasil e vontade de estar lá em Coopacabana comemorando com os cariocas.
Parabens pro Rio!

Júlio
JúlioPermalinkResponder

Cariocas
Adriana Calcanhotto
Composição: Adriana Calcanhoto
CARIOCAS SÃO BONITOS
CARIOCAS SÃO BACANAS
CARIOCAS SÃO SACANAS
CARIOCAS SÃO DOURADOS
CARIOCAS SÃO MODERNOS
CARIOCAS SÃO ESPERTOS
CARIOCAS SÃO DIRETOS
CARIOCAS NÃO GOSTAM
DE DIAS NUBLADOS

CARIOCAS NASCEM BAMBAS
CARIOCAS NASCEM CRAQUES
CARIOCAS TÊM SOTAQUE
CARIOCAS SÃO ALEGRES
CARIOCAS SÃO ATENTOS
CARIOCAS SÃO TÃO SEXYS
CARIOCAS SÃO TÃO CLAROS
CARIOCAS NÃO GOSTAM
DE SINAL FECHADO

Beto
BetoPermalinkResponder

PE-TA-CULAR!!! Quando sai o próximo?

Zé
PermalinkResponder

Dessa vez não deu pra Rometta... sad Viva Rio!!! Parabéns Brasil! lol lol lol

Texto bacanão, Riquim! mrgreen

jpsoares
jpsoaresPermalinkResponder

Parabéns, Ricardo! Parabéns a todos!
Torci bastante para que o Rio ganhasse e fez-se justiça.
Um Abraço

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Estraga-prazer? Apenas disse que a experiência vindo do Galeão é muito mais completa para ter uma noção melhor da cidade, e isto é indiscutível, não vivemos num conto de fadas, saindo de lá a visão é bem mais geral. Mais de 70% da população carioca vive em bairros da zonas norte e oeste que são ignoradas por alguns como se não fizessem parte da cidade, e esta exaltação à chegada pelo Santos Dumont é um exemplo disso, chegando pelo Galeão pode-se ver o mesmo que desenbarcando no Santos Dumont dendendendo do caminho tomado, mas antes disso também uma dose de realidade, para nos lembrar que ainda tem muita coisa a ser feita neste país.

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Nada conta o Santos Dumont, que é muito prático, bem localizado e merece ser bem servido após reformas tão caras, mas para quem chega ao Rio pela prmeira vez recomendo o Galeão mesmo para ver os dois lados, mesmo que pela janela. E agora tem também as favelas pacificadas que são outra uma oportunidade de ter uma visão mais geral da cidade.

André Lot
André LotPermalinkResponder

Particularmente, acho turismo em favela, esse de subir pra ver como é a vida, tão ou mais repugnante que aquele de vc ir em uma tribo miserável africana, entrar na cabana da pessoa e tirar foto de tudo.

Problema social não deveria se transformar em atração turística, nunca. Já deixei de levar um amigo esrangeiro que morava na minha cidade ao Rio exatamente por esse motivo. Ele era sueco e estava "curioso" para ver como "as pessoas simples e puras" do país viviam. Disse (ele era amigo próximo, sem frescuras) que se eu me sentida ofendido no meu orgulho nacional, e ele que se arranjasse sem um pingo de ajuda minha (e a maioria dos nossos amigos brasileiros em comum também não gostou nem um pouco da ideia antropológica dele).

Não sou do "trade", mas ainda assim, sempre que posso, ajudo, em fóruns para estrangeiros, Orkut etc., a tirar esse tipo de ideia da cabecinha de certos turistas, por mais bem intencionados que sejam. Vale links para execuçõs sumárias do tráfico, videos no Youtube de crianças armadas, e para os mais cult, estatísticas de expectativa de vida e assassinatos.

Já fiz com certeza umas 12 a 15 pessoas desistirem de visitarem favelas, ensaios de escola de samba em morro, e coisas do gênero. É um mau turismo, uma versão light do turismo sexual, só que ao invés de ofender a dignidiade de um indivíduo específico, ofende a dignidade de um país.

Dionísio
DionísioPermalinkResponder

Aqui vai uma pergunta de gaúcho que está por fora: quem ganha, financeiramente, com o turismo em favelas? As operadoras e agências são da favela? O turista compra alguma coisa na favela?

Ricardo Freire

Na Rocinha há a parada numa feirinha de artesões artesãos locais que fazem coisas bastante interessantes e bem diferentes do que se vê em feiras "hippie", usando materiais reciclados. Na Vila Canoas também dá para comprar produtos na loja do projeto e consumir nos bares locais. As agências pagam também à associação de moradores e aos donos das lajes onde os turistas sobem.

Ricardo Freire

Aí é que está, André. Você tem toda essa concepção sem nunca ter feito o passeio.

Eu já fiz duas vezes e não canso de dizer: é ESPETACULAR.

O da Rocinha em particular não tem nada de repugnante. É um passeio que desmistifica a favela. Mostra onde e como moram pessoas que podiam trabalhar na sua casa ou ser colegas de trabalho, caso você morasse no Rio. Se o passeio tem um defeito, é justamente o contrário: fazer a gente pensar que toda favela pode ser tão decente quanto a Rocinha (o que, evidentemente, não é verdade).

Nunca vou me esquecer de andar pela viela suja e apertada e olhar para dentro das casas e ver salas arrumadíssimas, limpinhas e cheias de eletrodomésticos. Jamais pensei que fosse assim.

O melhor tour é o do Marcelo Armstrong, o Favela Tour, que foi quem inventou isso. Ele mantém um belo trabalho social na Vila Canoas, que a gente visita ao final do passeio.

Ninguém se sente ofendido ou diminuído por fazer parte do caminho de gringos. Pelo contrário. É um orgulho. Visitar é muitíssimo mais respeitoso do que ignorar.

A arquitetura e a organização social de uma favela são fascinantes. Boa parte das cidades medievais da Europa já foram enormes favelas. Se caiarem a Rocinha, vira Santorini. Se pintarem de rosa, vira Positano.

Subir numa laje e ver a vista da cidade proibida é um momento MasterCard. Para as outras coisas existe a Suíça.

É sempre bacana quando a gente pode subir à favela por motivos perfeitamente legais. Era maravilhoso quando havia o Ghetto no Candeal. A melhor fase da Dadá foi quando ela atendia na casa dela, numa favela remediada de Salvador. Metade da graça de comer na Tia Palmira em Barra de Guaratiba está no fato de você se enfiar por um lugar bem mais pobre do que os outros que você vai visitar durante a sua estada.

Fiz o mesmo passeio na Cidade do Cabo e foi o melhor tour guiado que eu já fiz na vida. O tour começa no Museu do District Six, que mostra como era o bairro misto mais efervescente da Cidade do Cabo antes do apartheid. Depois somos levados para onde os negros foram levados e tiveram que construir suas townships. Se eu não tivesse feito esse tour, a Cidade do Cabo ficaria na minha cabeça apenas como um pedaço da Holanda que foi parar no Cabo da Boa Esperança.

Já li relatos tocantes sobre passeios a lugares muito mais indignos e insalubres, em Bombaim e em Manila, recheados de cenas de grande beleza e humanidade.

Desde que aquelas pessoas não sejam obrigadas a viver desse jeito apenas para o deleite dos turistas -- como acontece com as mulheres-girafa, para mim um paralelo totalmente descabido -- e os visitados não sejam explorados, acho completamente válido. No mínimo, muito mais válido do que a indiferença ou esse nojinho travestido de indignação.

Viajar é, sim, ser voyeur do modo de vida alheio. Isso vale para a Rocinha, vale para a rua em Nova York ou para uma mesa de café em Paris. Um lugar fica desinteressante quando as únicas pessoas que você pode observar são colegas turistas.

Ninguém é obrigado a fazer esses passeios. Mas acredito que é um desserviço a todos os envolvidos demover quem tenha vontade.

Achar que só é válido ter curiosidade pelo modo de vida dos ricos, e que toda curiosidade pelo modo de vida dos pobres é perniciosa, revela um preconceito maior do que qualquer boa intenção.

Lembrança da Rocinha:
http://www.freires.com.br/materias.asp?qual=4&materia_id=33&qp=2

Cidade do Cabo

Turismo de esquerda: teoria
http://viajeaqui.abril.com.br/blog/77493_comentarios.shtml?1311328

Turismo de esquerda: prática
http://viajeaqui.abril.com.br/blog/77492_comentarios.shtml?1311328

João Barcelos

Discussão bacana de ler. Entendo o ponto de vista de evitar a humilhação do André. Mas, lendo os dados que o Ricardo passou, acho até bacana.
Rolou um comentário parecido na Viagem e Turismo, sobre meninos que vão nadando até os barcos de turista, que então jogam moedas e os meninos mergulham para pegar a esmola...
Acho o tema complicado de julgar, especialmente porque é difícil desenhar a linha entre o que é humilhação e observação sadia.

Arnaldo - Fatos & Fotos de Viagens

É por isso que eu digo que se o RIQ fosse o editor chefe da Revista Viagem & Turismo ela seria EXTREMAMENTE melhor do que é hoje com o Kiko Nogueira como editor chefe, que, lamentravelmente, fez um editorial surpreendentemente ruim acerca do assundo na V&T desse mês.

Você, RIQ, é o cara que mais entende de turismo no Brasil e que está sendo "disperdiçado" porque deveria ser Ministro de Estado do Turismo, pois vê o turismo SEM preconceitos, COM inteigência e observa o mundo como ele é, não como pensam que deva ser.

É por isso que a Revista V&T é tão ruim e você é tão bom.

Parabéns mais uma vez por uma visão BRILHANTE de como as coisas são de fato.

Parabéns. Você é um O cara.

Arthur
ArthurPermalinkResponder

Grande Riq,

Discordo da sua opinião e concordo com a do André. Sem usar advérbios "infelizmente discordo etc", pois pontos de vista diferentes dispensam mesuras.

Quanto ao porquê da minha discordância, um dia talvez eu teça mais comentários.

Grande abraço
Arthur

Geo
GeoPermalinkResponder

Profético, poético, maravilhoso.
Se escrever fosse esporte olímpico, vc seria medalha de ouro, Rick.

Leandro
LeandroPermalinkResponder

E não sou contra os olimpíadas, não vou negar que a escolha não foi pela mais preparada, nem que vai haver roubalheira, mas desta vez não basta dar o jeitinho brasileiro como no Pan, no mínimo alguns problemas da cidade terão de ser solucionados, se servir para despoluírem as lagoas e baía, que por décadas tem sido as privadas da cidade, já vai valer a pena, e apesar de não simpatizar nem um pouco com o Lula ele disse uma verdade hoje: a cidade do Rio levou rasteira atrás de rasteira nas últimas décadas, e merece uma oportunidade, nós cariocas já mostramos isso colocando para fora a corja que nos desgovernou (cidade e estado) nos últimos anos.

Maria das Graças

Riq, eu já tinha lido esse post, reli, e concordo plenamente com voce. Sou nordestina e tenho a felicidade de morar nesta Maravilhosa cidade. Não me vejo morando em outra. Digo aos meus amigos que é um privilégio morar no Rio. Não há nada comparável. É um jeito de ser e de viver muito nosso. Digo nosso porque já me considero carioca depois de 40 anos morando aqui. Tenho pena de pessoas que usam a "violência" como justificativa para não vir ao Rio. Elas não tem idéia do que estão perdendo.

Dionísio
DionísioPermalinkResponder

Maria das Graças, eu sou um que passei 22 anos sem ir ao Rio por medo da violência. Não acho que eu seja digno de pena, mas admito que perdi de aproveitar coisas espetaculares que há no Rio e que só voltei a aproveitar há dois anos.

O problema é que a "propaganda" externa da violência é brutal. No meu caso, fui assaltado em plena luz do dia, aos 12 anos de idade, em Copacabana. Aí, tu misturas com as coisas ruins que todos os dias lemos e vemos na imprensa e tens um resultado nada motivador.

Acho bem significativo que uma enorme parte dos turistas estrangeiros que escrevem no Trip Advisor fala sobre medo da violência no Rio. E o mais comum é: "não nos aconteceu nada de ruim", como se o esperado fosse que acontecesse.

No meu caso, consegui superar este medo e, hoje, posso dizer que não tenho nenhum temor maior do que o natural para quem está numa grande cidade brasileira. Os cuidados que tenho no Rio são os cuidados que tenho em Porto Alegre.

A "propaganda" é negativa. Essa é uma verdade. E não é mole convencer um estrangeiro do contrário. É como se ele sentisse que está entrando numa aposta arriscada, que está procurando "sarna pra se coçar".

Isabel O., Portugal

Tenho um tio no Brasil há eternidades, com família constituida, professor numa universidade em S. Paulo. Depois de uma semana em sua casa foi com enormeeeeee apreensão que nos viu partir para o Rio, onde estaríamos uma semana para passar o reveillon. Convidámos a prima (na casa dos 30) para ir connosco... Não teve coragem.
Para além do receio com que saíramos de Portugal a pressão familiar fez-nos sair do hotel com o coração acelerado.
Como acima escrevi, quase nos sentimos ridiculos uma meia-hora depois. Precauções, sim, mas perder tudo o que de maravilhoso a cidade tinha para nos oferecer? Foi uma semana muito feliz.

Jorge Bernardes

http://www.youtube.com/watch?v=9Wrm0KI3XlY

Consegui achar no Youtube o video que me acordou hoje... emocionante. O vídeo é esplendoroso. Que música linda...

Luciana Medina

Rioooooo...saudades...saudades...saudades. Feliz pela maravilhosa.
Essa valsa me deixou emocionada.

Carolina Deterborn

Luciana, imagino o q v. está sentindo - essa dor no peito chamada saudade embalada por essa valsa de Ricardo, emociona e nos deixa feliz.

Constance Escobar

Putz, Riq, sempre esqueço que você é do Sul... Desculpaê! Mas, já perdoe, pelas próximas dezenas de vezes que vou te associar novamente a São Paulo! É bem provável que eu o faça...

Júlio
JúlioPermalinkResponder

Pô,Ricardo \sábado não é dia de chorar.
Mas como escreve bem.O B R I G A D O de ujm simples carioca.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Cancelar