Aproveite que você está online e responda: é possível viajar desplugado?

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Já entramos na segunda metade do projeto Palco HSBC, e os temas agora começam a ficar mais próximos do nosso universo de viajantes. A pergunta desta semana traz a questão da tecnologia nas férias. Até que ponto, durante a nossa viagem, aproveitamos a tecnologia para aproveitar melhor – e a partir de que ponto nos deixamos escravizar pelos aparelhos e suas baterias? Evidentemente não há uma resposta certa: cada um viaja do seu jeito, e muitos já devem ter encontrado o seu ponto de equilíbrio tecnológico fora de casa. Conte pra gente qual é o seu e ajude a compor mais esse mosaico de opiniões.

Quer saber como respondemos à questão da semana passada?

A pergunta “A honestidade compensa?” recebeu respostas consistentes. Pensamos muito parecido neste tema.

O que pode compensar mais do que a consciência limpa?

“Melhor ter paz do que angústias. A desonestidade só traz isso” (Thiago/PI).

“O prazer e orgulho de ser honesto não tem preço, mesmo em um país onde a lei dos mais espertos impera. Poder colocar a cabeça no travesseiro todos os dias com a consciência leve é muito bom” (Alessandro/RJ)

No entanto, há alguns poréns.

“Poucos sabem ou acreditam nisso. A honestidade é um valor abandonado no nosso país, pois somos a terra da impunidade” (André/DF).

“A honestidade compensa muito. Mas, no Brasil, às vezes também faz a gente se sentir idiota” (Gabe/RS).

“É claro que compensa. E infelizmente, por aqui, o crime também!!!” (Eduardo/SP)

O problema principal da honestidade é que a desonestidade também parece ter suas compensações.

“Com a palavra, a dupla dinâmica da corrupção: políticos e empresários: desonestidade é altamente compensadora e vicia. Estão todos ricos e gozando de ótima saúde financeira e o povo que se dane” (Rosa/DF).

Quanto vista sob o ângulo apenas da sinceridade, a honestidade pode ser contestada.

“Entre amigas nem sempre fale a verdade pois quando perguntam:'Você acha que estou com muitas rugas?', responda que não. Elas nunca querem saber a verdade e você corre o risco de perder a amiga” (Malu/SP).

“A sinceridade absoluta é a mais pura falta de educação. Muita gente grosseira se esconde atrás da 'sinceridade"'para dar opiniões não-solicitadas e alfinetadas despropositadas” (Sílvia/MG).

Nesse campo da opinião, a honestidade pode mesmo trazer problemas.

“As pessoas não estão preparadas pra honestidade do outro, pois isso implica muitas vezes em ouvir o que não se quer ou se despir diante de alguém, quando é mais fácil mascarar, se esconder. Pagamos o preço pela nossa honestidade: a segregação por vezes, o preconceito, a cara feia do outro, a incompreensão de quem, diferentemente de você, opta por se chatear e passar a tratá-lo de modo diferente ao invés de chegar, conversar e ser honesto” (Bianca/RJ)

Existe desonestidade com boa intenção? De repente, existe.

“Alguém maior que eu um dia disse: 'os artistas contam mentiras pra falar a verdade, os politicos contam mentiras para esconder a verdade'. Sem querer ser Robin Hood, mas por uma causa nobre, vale a pena ser desonesto” (Miguel Ângelo/PB)

Para muitos, a pergunta nem é cabível.

“A honestidade não é questionável. Já tive chance de chutar o pau da barraca e ser desonesta e não o fui. já me senti incompetente, por não ter tido competência e coragem de ultrapassar a barreira e aceitar os agradinhos. nenhuma situação justifica a falta de honestidade. Mentiras bem intencionadas são apenas mentiras.Não são honestas. Olho a minha volta e o que vejo me deixa feliz: tudo construido com o meu trabalho” (Lucia/SP).

“O mundo será um lugar muito melhor quando todos se derem conta que ser honesto é cool e faz com que as noites de sono nos deixem zerados!!! Não adianta, não admito a desonestidade nua e crua, tampouco aquela disfarçada de 'não sabia que não podia' ou o popular 'joão sem braço'. Fico consternada ao ver a expressão de certas pessoas quando agimos corretamente. Não deveria ser o comportamento honesto o socilamente aceito e esperado?! Tenho inúmeros defeitos, mas tento sempre agir de forma que me deixe tranquila, feliz e penso muito na responsabilidade que tenho em criar minhas filhas de forma que venham a se tornar pessoas íntegras, conscientes de seu papel no mundo. Não adianta, é clichê, mas é verdade...um exemplo vale mais que mil palavras” (Paula/RJ).

“Eu poderia me estender aqui e dar uma lição de moral sobre honestidade, mas cá entre nós, compensa a partir do momento que pensamos: Se fulano for desonesto comigo, eu não vou gostar!Então o que eu não quero para mim, não farei para com o próximo” (Miriam/SP)

Mas talvez o erro esteja no próprio enunciado: o verbo talvez não esteja bem escolhido.

“Para mim honestidade não é uma questão de compensar ou não, e sim uma questão de ser ou não ser honesto. Se você é honesto, provavelmente não vai estar preocupado se isso vai trazer alguma recompensa, uma vez que a honestidade deveria ser inerente a todos os indivíduos. A honestidade não tem que ser recompensada, é a desonestidade que tem que ser punida e combatida” (Maria Aparecida/GO).

“Honestidade não deve ser compensada, deveria ser uma força inerente de cada ser humano. Quem sabe um dia fiquem os justos na face da Terra, e os que nos fazem sentir impotentes diante de tanta impunidade sintam a humilhação de ter envergonhado seu próprio nome” (Jefferson/RS)

O que justifica o puxão de orelha que eu escolhi para fechar o texto:

“O sujeito que é honesto só porque acha que compensa é um tremendo desonesto” (Carlos/SP)

Muito bom, pessoal! Não deixem de responder à pergunta sobre tecnologia, no alto da página, à direita!

20 comentários

Rosa
RosaPermalinkResponder

Eu viajo desplugada, eu devo ser uma iAnta...

Rossana
RossanaPermalinkResponder

Completamente possível. Viajo desplugadíssima e tenho sido bem feliz, livre e leve.... serei também uma iAnta?

Carla
CarlaPermalinkResponder

Na minha religião não existem férias de verdade se eu estiver plugada, seja ao computador, seja ao telefone - eu desplugo sem dó nem piedade... wink

Agora, preparar as férias desplugada hoje em dia é absolutamente impossível! grin

Edu Luz
Edu LuzPermalinkResponder

Riq, é pra responder aqui porque o "trequinho" do HSBC pifou e continua com a mesma pergunta da semana passada?

Arthur | Agora Vai

Acho que tem que dar um tempo para atualizar o banner, Edu.

Ricardo Freire

Já devia ter sido substituído. Avisei o povo da técnica, obrigado pelo toque!

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Viajar desplugado é a melhor coisa do mundo !!!
Quanto menos coisa a gente leva , menos se preocupa , e mais espaço sobra no cérebro para usufruir o que está vivendo.
*A gente está no lugar em que estão nossos pensamentos *

Arthur | Agora Vai

Boa! Só levo celular para servir de despertador e ouvir MP3. E raramente vou a um cybercafé.

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

Eu estava lá respondendo que claro! Todas as vezes! Quando percebi que estou viajando...e nao sei como aguentaria sem entrar todos os dias na internet...

Carla
CarlaPermalinkResponder

Carlinha, mas você está viajando a trabalho ainda? Se for, é diferente das férias, né? wink

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

Concordo...só achei engraçado o fato de responder que nunca estou plugada em viagens durante uma viagem (mesmo sendo a trabalho)

Carla
CarlaPermalinkResponder

Hahaha... Eu sei! grin Sou solidária, porque quando eu estava na Califórnia ano passado durante a bolsa, também teria surtado sem Internet...

Arthur | Agora Vai

Já comentei aqui, mas dei o meu pitaco no banner.

ELEONORA
ELEONORAPermalinkResponder

Possivel é, mas numa emergencia tudo se torna lento demais.
Quando fomos furtados em Barcelona, precisavamos de providencias imediatas, endereço de Embaixada, local de delegacia de policia, descobrir telefones para realizar cancelamentos/bloqueios de tudo o que foi furtado. Recem chegados no lugar, frio e chuva, totalmente perdidos e desconectados...
Hospedados no Hostal Girona,tive que implorar a senhorinha dona do lugar, para usar a internet.
Acho que agora só viajarei plugada..

Alessandro A.
Alessandro A.PermalinkResponder

Eu concordo com a maioria e acho que a viagem tem que ser desplugada, a não ser no caso de uma emergência. Para você aproveitar tudo que o seu destino tem de bom, a melhor coisa é ficar desplugado e esquecer que o resto do mundo existe! Para isso, basta fazer um bom planejamento plugado.

Malu
MaluPermalinkResponder

Não, não consigo viajar desplugada. Levo meu Iphone para receber e mandar e-mails para os meus filhos e telefonar usando o Skype. Não gostei de viajar com o laptop, não pretendo levar mais. Muito trabalho para programar o WIRELESS nos hotéis e preocupação com a segurança. Prefiro imprimir rotas, atrações, restaurantes e deixar muito espaço para descobrir coisas novas a cada dia.

Rosa
RosaPermalinkResponder

Riq, como fica o palco do HSBC no Natal e Ano Novo?
Eu adoro participar, mas pra isso na semana do Natal vou ter que quebrar minha regra de viagem nº1: desplugada. Eu sei que é por uma boa causa...

Ricardo Freire

Vai rolar, exatamente com esses temas smile

Ricardo Freire

Haha: só porque você falou, o projeto vai tirar férias. Vai haver só mais uma enquete, que entra no ar na quarta-feira, depois volta só depois do carnaval smile

Rosa
RosaPermalinkResponder

Então, no Sauípe, vai rolar uma quebra básica da regrinha desplugada...

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar