Iguaçu: o lado argentino

  • 0
Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Na Garganta do Diabo: frio master na barriga

Se o lado brasileiro é o camarote vip das Cataratas -- o ponto de onde se pode contemplar o panorama até mesmo sem suar, vindo no ar condicionado do ônibus do parque e caminhando o tempo todo na sombra --, el lado argentino oferece uma experiência mais selvagem. Tanto no bom quanto no mau sentido.

Se yo me pierdo este tren que sale ahora a las once y pico...

No mau sentido: os deslocamentos nel lado argentino são chatos e complicados. Para se movimentar entre as áreas do parque é preciso tomar um trenzinho de operação no mínimo errática. As partidas podem ter até meia hora de intervalo;  às vezes vai o trem vai até a estação final (da Garganta do Diabo), mas às vezes só vai até a estação intermediária (a Cataratas) e volta para a estação central, obrigando todos os passageiros a desembarcar no meio do caminho e esperar o próximo trem para prosseguir viagem.

Bonitinho pero complicadito

No bom sentido: não é necessário comprar nenhuma visita guiada para ter um gostinho de selva bem mais acentuado do que o oferecido pelo parque brasileiro.

Para isso, porém, vou adiantando: você vai ter que caminhar. E muito. E vai suar. E vai se molhar. Vá com a roupa que você iria para um acampamento.

A caminho da Garganta

Comece pela caminhada mais chata. Vá até a estação final e pegue a trilha para a Garganta do Diabo. Dá um quilômetro e meio, na maior parte do tempo por uma passarela construída sobre ilhotas e o leito da parte superior do rio Iguaçu. A parte chata dessa caminhada é que você volta pelo mesmíssimo caminho da ida. Mas o que você vê ao fim dele compensa: você fica debruçado sobre a mais caudalosa catarata do conjunto. Não chega a ser totalmente vertiginoso porque a nuvem de spray não deixa você ver a queda inteira. Mas a sensação é intensa e impressionante.

Chegando perto

Na Garganta o negócio não é a beleza, mas a sensação

Na fila do gargarejo (ops)

Pegue o trenzinho de volta à estação intermediária (Cataratas). Ali há dois circuitos a fazer. Um curtinho, de 700 metros, o Circuito Superior, uma passarela construída na beira do precipício, passando em revista várias quedas secundárias. E outro, mais longo, de 2,5 km, porém imperdível: o Circuito Inferior.

Inferior no nome, superior na experiência

O Circuito Inferior passa por dentro da mata e revela pequenas cachoeiras antes de levar a uma área do conjunto das cataratas que a gente não vê direito do Brasil, porque se trata de uma reentrância del lado argentino.

Mira que rico

Não sei gerar pontos de exclamação invertidos, droga

As quedas se oferecem de novos ângulos, e num dos trechos você fica praticamente embaixo delas. Vale muito a pena. Como é extenso e tem escadas, é bem menos crowdeado do que a passarela da Garganta. E como a trilha é circular, você volta ao ponto de partida sem repetir nenhuma parte do caminho.

Chuveirinho

Passa o xampu

A mi me encanta por supuesto como no

Quase no fim do percurso você encontra o quiosque de entrada para o "Macuco" argentino, a Aventura Náutica. Existe também um posto de vendas entre a entrada do parque e a estação central do trenzinho, mas se você esquecer dá para comprar lá direto. Não há hora marcada nem nada; você entra na fila, que é feita numa escadaria, sem o conforto das instalações do lado brasileiro.

Los precios

La cola

O passeio é bem mais roots, mas em compensação é muito mais barato e, pasme, bem mais emocionante. As lanchas argentinas chegam embaixo de DOIS pontos das cataratas -- um deles é o mesmo visitado pelo passeio brasileiro; o outro, em águas que os brazucas não podem freqüentar por estarem en el lado argentino.

Exclusividade do passeio del lado argentino

Você guarda a câmera numa bolsa impermeável...

... e seja o que Dios quiser!

Manhê, me tira daqui!

Além de cataratas duplicadas, o Aventura Náutica oferece emoções bem mais intensas: as manobras feitas pelo capitão argentino são muuuuuito mais radicais do que as do brasileiro. Perto do Aventura Náutica, o Macuco é um passeio para a terceira idade...

(Parênteses. Provavelmente haja razões de segurança envolvidas. No geral, o Macuco Safari parece um passeio bem mais responsável, ecologicamente inclusive, do que o seu equivalente argentino. Certamente há mais riscos na maneira com-emoção que o passeio é feito en el lado de allá. Só estou relatando o fato de que, no passeio argentino, a gente se sente numa montanha-russa; o brasileiro está mais para carrinho-trombada.)

Quem quiser um pouquinho de mordomia -- e a mesma emoção -- pode cacifar o Gran Aventura, que é a versão longa (e vip) do passeio. Custa o dobro e inclui transporte de jipe pela mata da entrada do parque até próximo ao ponto de embarque. A coisa é feita para você não enfrentar a fila dos muquiranas do Gran Aventura. Logisticamente, porém, se eu entendi o que o PêEsse me explicou (ele fez o Gran Aventura, e daqui a pouco deve aparecer por aqui para contar na primeira pessoa), o melhor é dispensar o traslado de ida (para poder fazer o Circuito Inferior caminhando, que é lindo), mas aproveitar a volta, sem precisar encarar de novo o trenzinho complicado.

O parque tem lanchonetes meia-boca e um restaurante de buffet; eu deixaria para comer de verdade em Puerto Iguazú, onde um restaurantes como o Aqva não fecha durante o dia.

Como chegar al lado argentino del parque:

- Carros alugados na Avis e na Hertz cruzam a fronteira para a Argentina sem problemas.

- Agências oferecem transporte em ônibus (ingressos e passeios não-incluídos; o ingresso ao parque deve ser pago em moeda argentina).

- Muita gente vem do lado brasileiro de táxi, combinando horário de voltar. Informe-se sobre preços atuais na recepção do seu hotel.

El Práctico: no requiere habilidad

- O jeito roots de ir é pegar o ônibus internacional (Crucero del Norte) em frente ao hotel Bourbon (mas do outro lado da estrada, no sentido centro-parque) que leva à rodoviária de Puerto Iguazú. De lá sai a cada meia hora o El Práctico, ônibus que faz a linha do parque argentino -- tudo muito baratinho. [N. da R.: todos os preços foram apagados porque desatualizam rápido; há inflação na Argentina.]

Anotei os horários pra você!

Post publicado em dezembro de 2009.

Leia mais:

293 comentários

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Sb o taxi para o lado argentino : pagamos 80 110 reais ida e volta, chegando e saindo do parque das aves ( ou melhor, do hotel ao lado) .Se não me engano para incluir qualquer coisa a mais, compras ou restaurantes fora do parque era 120 reais.Preços de março de 2009.

Ricardo Freire

Ele ficou esperando quanto tempo lá no parque?

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Foi pá-pum , saimos depois do café da manhã e voltamos depois do almoço. Não lembro exatamente , mas algo como sair as 8,30 da manhã do hotel e sair do parque as 13,30 .
Só fomos para o passeio de barco , pois já tinhamos ido em outra ocasião a garganta do diabo :cool:

Ricardo Freire

Bacana! Dá ida e volta com espera, praticamente pelo preço da viagem de ida (do aeroporto seriam R$ 60 até o centrinho de Puerto Iguazú).

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Foi negociado bem direitinho pois usamos o mesmo motorista para ir ao camelódromo num outro dia .

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Oops .. fui olhar no "pacotinho de Foz" e ví que 80 reais foi o preço do taxi para ir do Parque das Aves ao Paraguai , ida e volta .
Para as cataratas lado argentino foi 110 reais, o taxi.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Quem não quiser encarar a caminhada até a saida do parque , pode pedir uma autorização para o táxi buscar nos restaurantes ( fizemos isso lol )
Quanto ao circuito inferior , acho que é o que vale mais , mas é puxado prá dedéu , e confesso que se fosse fazer de novo , encararia o jipe para o circuito longo na água ( não pelo circuito, que não tem mais emoção do que o aventura nautica, mas pela mordomia da volta )

Jefferson
JeffersonPermalinkResponder

Bom, estive por lá em novembro último e paguei 150 pesos pela Gran Aventura e a tabela de horários do trem já é digital. O trem complicado? Basta subir até a Garganta a pé, pela trilha que acompanha os trilhos do tem. Caminhada chata até a Garganta, sério que li isso? Passarelas planas, sobre o rio, um baita visual, chato? É realmente gosto não se discute. Depois ainda criticam os mochileiros, dizendo que somos avarentos. Mas garanto que qualquer mochileiro aproveita muito mais as viagens - gastando muito menos - do que muito turista por aí. Ainda nem acredito que li aqui alguém achando o Circuito Inferior cansativo, que prefere ir de jipe. Senhor... Provavelmente serei banido por tais comentários (afinal a bola no campo de futebol não é minha), mas é isso que eu acho.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Hahaha Jefferson , é sério que tu imaginas que todas as pessoas aqui tem a tua idade ? Falamos daqui a 30 anos..., certinho ? wink

Raimundo
RaimundoPermalinkResponder

Jefferson: também não sou o dono da bola, mas torço para que você não seja banido. É sempre bom ler uma opinião diferente.
Mas será que é mesmo necessária tanta rispidez?
Este é um blog de espírito leve e, principalmente, cooperativo. Veja que o próprio post deixa lacunas na certeza que os leitores ajudarão. Isto é o que sempre acontece por aqui.
Espero que você continue a participar encarando o blog de forma mais amena.

Ricardo Freire

Jefferson, eu sou o dono da bola e do blog, mas não o dono da verdade. Ninguém aqui é obrigado a concordar com a minha opinião.

Duvido que você volte aqui pra ver essa resposta, mas, vamos lá.

Se você fosse freqüentador aqui do pedaço, saberia que o estilo da casa é dar um preview do dia-a-dia prático das viagens para que o freguês possa escolher, entre as milhaaaaaaaares de alternativas que se oferecem a cada esquina, a viagem mais bacana para a época, tempo, grana, disposição e estilo pessoal.

Eu só sei escrever usando perspectiva. A comparação é a mãe da boa escolha.

Se você deixar de lado por cinco minutos o seu preconceito contra essa gente desagradável que não viaja de mochila, vai ver que este post diz basicamente "não deixe de ir ao lado argentino! faça todas as caminhadas e passeios que você não vai se arrepender!".

Para que isto ocorra, é preciso informar ao leitor que o parque argentino não oferece as mordomias com que ele foi mimado na véspera no parque brasileiro. E que a chatice -- eu acho, você não precisa concordar, mas eu acredito que vai haver mais gente que também ache -- de ir e voltar pelo mesmo caminho numa passarela de concreto em fila indiana para ver a Garganta do Diabo não deve demover nenhum passageiro de fazer o Circuito Inferior, que é bonito e variado e menos cheio.

O trem argentino é desorganizado EM COMPARAÇÃO ao ônibus brasileiro; o caminho à Garganta é monótono EM COMPARAÇÃO ao Circuito Inferior. Quem não quiser caminhar PODE ir de jipe.

Só isso.

Se por acaso o leitor fizer o passeio da Garganta e achar o caminho tão bonito quanto você achou, maravilha.

Pra terminar: eu estive lá no dia 5 de dezembro, e o Gran Aventura custa 200 pesos. O relógio analógico também está lá, e foi editado porque eu acho bonito. (O fato de também haver mostradores digitais não torna o serviço mais rápido ou eficiente.)

Marcie
MarciePermalinkResponder

éééééé goooooooooooollll!!!!!

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

Eu não entendo este povo que por se achar mochileiro, pensa que é melhor que todos.

Gosto deste negócio de mochila a ponto de ser editor de 3 fóruns diferentes no site do mochileiros.com (senão o maior, um dos maiores sites sobre mochilagem aqui no Brasil) e para mim este aqui é um vicio até maior do que lá. Todo o dia tenho que acessar o site para ver o que tem de novidades, tenho um doc com centenas de páginas de dicas que peguei aqui do Riq e dos comentários.

Mas mesmo lá, sempre temos que apartar brigas de gente que acha que quem viaja de maneira diferente, não root total, não é viajante. Povo doido hehe

Ricardo Freire

Alex, respeito muito os mochileiros e o Mochileiros.com! Legal que você edita foruns lá!

Você tem toda a razão -- esse negócio de um se considerar melhor viajante que o outro não tá com nada, em qualquer círculo.

Natalie
NataliePermalinkResponder

Você me convenceu a incluir essa viagem na listinha 2010.
Agora só resta o departamento financeiro aprovar. =P

Uma dúvida... dá pra fazer esse bate e volta em um único dia tranquilamente?

Wander
WanderPermalinkResponder

se possivel levem roupa de banho e no circuito inferior tomem um belo banho de cachoeira.

Silvia Oliveira - Matraqueando

Ponto de exclamação invertido: CTRL ALT + 173
Ponto de interrogação invertido: CTRL ALT + 168
Segura apertado o CRTL ALT e digita os números.
Bjs!

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Não conhecia o exclamação Silvia Oliveira, gracias!!!

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

Foz é lindo, e o passeio de barco pelo lado argentino é simplesmente o máximo.

Quando fui, acabei fechando no próprio hotel um translado... ficou bem baratinho na época, mas já faz aí 3 anos então nem conta muito o quanto paguei hehe

Rodrigo Barneche

Silvia, não é CTRL, é ALT.

Silvia Oliveira - Matraqueando

Dãããrd! É isso mesmo, Rodrigo. Brigada pela correção! Eu digito isso só umas trocentas vezes por dia... É o ritmo de férias... =)

Cristina L
Cristina LPermalinkResponder

poxa... finalmente eu descobri como se escrever ¡iupiiiiiiiii! em español!!!!

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Duas xará! Fiz o comentário acima antes de ler o seu! (olha que sintonia entre Cristinas do blog wink

Mari Campos
Mari CamposPermalinkResponder

Uia, deu ate pra sentir uns respinguinhos aqui. Lindo.

Arthur | Agora Vai

Sobre os restaurantes, não percam a chance de saborear um pintado / surubim e um pacu recheado com farofa de banana (esse precisa ser reservado com um dia de antecedência e serve 6 comensais). Tem no Aqva e em outros restaurantes da área. Digo isso pq, mesmo sem ter ido, a culinária é praticamente igual a de Bonito-MS.

Joana
JoanaPermalinkResponder

Eu fui pra Foz em 2007 e amei o lado argentino, achei infinitamente melhor que o lado brasileiro. Os restaurantes não eram uma maravilha, mas o do lado brasileiro pior ainda - e mais caros. Fui e voltei de taxi e ele não ficou me esperando - nos deixou de manhã, foi pegar outros passageiros e retornou pontual às 17h pra nos buscar. Pessoalmente, acho que uma manhã no parque não é suficiente - eu fiquei um dia todo e foi puxado, mas valeu muito!

Ricardo Freire

Pra fazer tudo com calma precisa de um dia inteiro, mesmo.

Humberto Oliveira

Muito bom o post Ric!

Ah, fica a dica dos caracteres invertidos em espanhol:

¡ = ALT + 0161
¿ = ALT + 0191

jpsoares
jpsoaresPermalinkResponder

Ricardo, adorei esse lado Argentino!
E já agora, feliz Natal e um Óptimo 2010!

Um Abraço

Ricardo Freire

Jotapê, que vocês aí em Portugal tenham anos novos óptimos com p por muitos e muitos anos! F'licidades!

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

Adorei!
Foz era um lugar que eu achava que era pra gringo ver...nao entendia isso de todo gringo ser louco por Foz...esse ano que comecei a ler mais sobre e foi me dando vontade...ai depois dos seus posts...eu quero muito ir!
Riq, da pra fazer essa viagem num feriado de 4 dias...e de 3...

Jorge Bernardes

A chance de eu entrar nesse barquinho Aventura é ZERO. Já deu medo só de ver na foto. No máximo, eu vou de Macuco...
Putz, tô achando esse passeio meio radical para levar a pequena Clara... Eu acho que a gente vai ficar desesperado de vê-la perto dessas passarelas....
Será que dá?

Ricardo Freire

Vi bastante gente com carrinho.

Marilia Botelho

Querido,
Preciso falar concê....bjks

Lucia Malla
Lucia MallaPermalinkResponder

No meu post antigo sobre o lado argentino escrevi: "Em minha opinião, pessoas acostumadas a trilhas (ou que não têm problemas físicos maiores em trilhas) conseguem ver os pontos mais relevantes do parque (4 trilhas principais) em apenas um dia inteiro. 2 dias é para ver com muita calma e parando bastante para descansar. Em ritmo de férias, eu diria."

http://www.interney.net/blogs/malla/2008/10/29/cataratas_do_iguacu_o_lado_argentino/

Acrescento agora: 2 dias é pra vc se divertir a rodo tomando banho de catarata, parando a cada minuto pra fotografar (q é como a gente viaja...) e ficando um tempinho na prainha da Isla San Martín (q eu adorei). A ilhota tem 2 trilhas principais, e eu curti demais a "Janela" q se abre pras cataratas. Por causa da logística pra chegar na Isla, barquinho, caminhada etc. acho q 2 dias são o mais confortável pra fazer o lado argentino do parque - que foi como a gente fez. Slow travel.

O seu post é ótimo, Riq. Pq especifica o q é realmente relevante pro viajante não-ecoturista do lado argentino. Traz o discernimento ponderado e realista q 2 biólogos fascinados por mato não conseguem fazer nem por decreto-lei. grin

Ricardo Freire

Isla San Martín, bem lembrado, chérie! Não pude atravessar, porque o nível das águas estava muito alto e, por isso, a ilha estava fechada.

Mas confesso que, por ignorância, não teria incluído a ilha no roteiro, não. Agora que você falou.... eekops:

De todo modo, fazer tudo num dia só deve ser bastante puxado. Eu só com a Garganta, o Aventura Náutica e o Circuito Inferior levei das 11h às 16h.

Teresinha Maiocchi

Ricardo!!!
Eu simplesmente ADORO as suas dicas. Sempre q viajo entro aqui para ver o q vc escreveu a respeito dos lugares q vou. Foi assim na minha ida a Paris, Curitiba, Gramado, Belém,Itália, Buenos Aires.
Agora estou indo dia 12/01 para Foz e como sempre vc me ajudou bastante no meu roteiro.
Obrigada
Teresinha

Dani S.
Dani S.PermalinkResponder

Riq, eu de novo.
No final das contas, vale a pena levar que moeda na viagem? Devemos ficar uns dias na Argentina (vamos nas missões jesuíticas) e a maioria dos hotéis argentinos pede pagamento cash, então provavelmente iremos sacar pesos argentinos nos ATM da vida - ou é melhor fazer câmbio? No Paraguai, já vi que cobram 8% a mais pra pagamento em cartão de crédito.
Vale a pena levar dólares? Ou só sacar pesos? Ou real vale alguma coisa?
Pessoas que acabaram de voltar de Foz - Sylvia, Sílvia Matraqueando, Patrícia Turomaquia, PêEsse, alguém mais que eu esqueci: o que vocês fizeram?
Brigadíssima! mrgreen

Ricardo Freire

Meu cartão não funcionou nos ATMs de Puerto Iguazú. O mesmo cartão que funcionava perfeitamente em Buenos Aires. Troquei reais na casa de câmbio, boa cotação: 1,9 por um.

Eu não compraria dólares para levar à Argentina. Se já tivesse dólares comprados, levaria.

PêEsse
PêEssePermalinkResponder

Dani S., eu nem cogitei trocar fazer câmbio de moeda paraguaia. Paguei tudo em cartão. Comprei um GPS (na negociação consegui que não fosse cobrado o percentual relativo ao pagamento com cartão de crédito) e um HD externo (aqui paguei o percentual, que não me lembro qual foi). Aliás, estou devendo a indicação das lojas confiáveis no Paraguai. Para a Argentina, levei pesos mas só usei para pagar a entrada do parque (não aceitam cartão nem nenhuma moeda estrangeira). Mesmo tendo os duzentos pesos do bilhete para a Gran Aventura, eu preferi pagar em reais e guardar os pesos, de tão boa que estava a cotação. Afora isso, em Puerto Iguazu eu comprei alguns vinhos pagando com cartão (5% a mais). O restaurante no qual tive a honra de jantar com o Ricardo Freire também aceitou cartão de crédito numa boa e sem cobrar percentual nenhum a mais (pelo menos até onde o vinho consumido naquela noite me deixou lembrar). Mas, no seu caso, como você vai passar mais dias na Argentina, incluindo cidades menorzinhas, eu levaria pesos argentinos, sim.

Dani S.
Dani S.PermalinkResponder

Brigada pelas dicas, Riq e PêEsse. Então vou levar os meus (e do marido) cartões de crédito pra usar e sacar pesos na Argentina (e rezar pra eles funcionarem direitinho - não é possível que um de quatro não funcione). Tenho um tiquinho de dólar cash e uns travellers checks antigões que vão fazer mais uma viagem por aí mrgreen

Ricardo Freire

Eu acho que naquela noite específica o sistema devia ter caído. Uma inglesa também não estava conseguindo sacar.

PêEsse
PêEssePermalinkResponder

Na viagem de dezembro de 2009 fui ao lado brasileiro e ao lado argentino, passando um dia inteiro em cada. No lado brasileiro, fiz a caminhada tradicional e o Macuco Safari. No lado argentino, fiz os três circuitos (Garganta do Diabo, superior e inferior, nessa ordem) e o Gran Aventura. Comparar é sempre difícil e escolher é sempre complicado mas, descendo de cima do muro, no geral, o lado argentino é bem melhor que o lado brasileiro. O lado brasileiro é mais organizado, possui uma estrutura bem superior e o passeio é mais fácil. No lado argentino o trem é demorado, quente (em dezembro), apertado (quando lota) e lento, sendo este seu principal defeito. No entanto, as vistas e os contatos com as cataratas do lado argentino são bem mais próximos e intensos que os do lado brasileiro. Recomendo a todo mundo fazer os dois passeios, ficando pelo menos um dia em cada lado e começando pelo lado brasileiro, mas se por algum motivo só houver condições de se fazer um, recomendaria o argentino, apesar da deficiência em sua estrutura.

No meu caso, cheguei, paguei a entrada do parque (só aceitam pesos argentinos, ou seja, nada de cartão de crédito, real, dólar), estacionei (estacionamento gratuito – no lado brasileiro é pago) e esperei meia hora pelo trem que me levou até a estação intermediária. Chegando nela, mais dez minutos de espera pelo trem que leva até o começo da trilha para a Garganta do Diabo, que é tudo isso e muito mais que o Ricardo disse no texto e na legenda das fotos. Voltando da Garganta do Diabo, mais meia hora de espera pelo trem que me levaria de volta até a estação intermediária. Uma vez de volta à estação intermediária, fiz o circuito superior, bonitinho, curtinho e rapidinho. Depois, fiz o circuito inferior, lindo e imperdível. Ao fim do circuito inferior, pertinho do banho de catarata, vi uma barraquinha do Aventura Náutica e comprei o Gran Aventura por duzentos pesos (embora tivesse pesos, preferi pagar em reais porque a cotação deles estava excelente). O rapaz que me vendeu disse que o próximo saia dali a quinze minutos. Enquanto fazia o circuito inferior, cruzei com diversas pessoas que estavam voltado do Aventura Náutica. Eles estavam completamente ensopados. Mas completamente mesmo. Então eu aproveitei os quinze minutos para tomar banho de catarata. Assim eu matei a inveja do pessoal que estava tomando esse banho e já cheguei no Gran Aventura “no clima”.

O Gran Aventura é basicamente a mesma coisa que o Aventura Náutica descrito pelo Ricardo no post (talvez apenas um pouco mais demorado) só que, ao final, o trajeto de volta até a entrada do parque, em vez de ser feito via trem, é feito no jipe da empresa, com paradas para explicar a vegetação local. Quem quisesse começar o Gran Aventura lá em cima, na entrada do parque, também poderia. Viria de jipe se encontrar com quem começa o passeio embaixo, à beira das cataratas, no fim do circuito inferior. Comparando o Gran Aventura (que, como disse, muda pouco em relação ao Aventura Náutica descrito no post) com o Macuco Safari do lado brasileiro não tenho a menor dúvida de dizer que o Gran Aventura/Aventura Náutica é infinitamente melhor que o Macuco Safari. No Gran Aventura/Aventura Náutica, o passeio, além de levar você para baixo de duas partes bem intensas das cataratas (no Macuco Safári do lado brasileiro só se vai para baixo de uma queda), ainda fica embaixo delas bem mais tempo do que o Macuco Safari. Em uma das quedas, o piloto levou o barco para lá e simplesmente “nos esqueceu”. A sensação é ótima, o banho é uma delícia e não vi perigo nenhum (no meu barco havia pessoas de mais idade junto com crianças). A sugestão que dou é não levar câmera (você vai usar no máximo até os 10% iniciais do passeio), tirar os tênis (se você os usar, vão voltar ensopados, não importa o que você faça) e se possível ir de bermuda. Depois é só deixar a frescura de lado e curtir. É muito, muito bom. Se, por algum motivo, só houver condições de fazer um passeio, faça o do lado argentino. Se for fazer os dois, faça o do lado brasileiro (Macuco Safari) primeiro. Se fizer primeiro o do lado argentino, quando for fazer o Macuco Safari depois vai ficar aquela impressão de “é só isso mesmo? Já acabou?”. Tanto no Macuco Safari quanto no Gran Aventura há um trecho do passeio no meio da selva, com paradas para comentários sobre a flora. Nos dois, achei dispensável. No Macuco Safari essas paradas são no trecho de carrinho, antes de se ir para o barco, ou seja, elas ficam adiando o que a pessoa mais quer que é tomar banho de catarata. No Gran Aventura as paradas são depois do banho de catarata, com todo mundo muito ensopado.

Na minha visão, no lado argentino o melhor mesmo é seguir essa ordem (Garganta do Diabo/circuito superior/circuito inferior/Gran Aventura) porque não deixa nada de fora, faz tudo sem pressa e quando termina já está na porta de casa.

Dani S.
Dani S.PermalinkResponder

Eu também assino embaixo do que o PêEsse disse - o lado argentino das cataratas é mucho mejor que o brasileiro.
É verdade que o trenzinho podia ser melhor sincronizado, mas tem muuuuuuito mais o que fazer do lado dos hermanos.

Eu só mudaria a ordem: faria primeiro o circuito inferior, aproveitando que o gás está à toda. É lindo, lindo, e tem o suspense de achar primeiro um saltinho, e depois outro, até se dar de cara com váaaaarios de uma só vez, na frente da Isla San Martin - é de embasbacar. Subiria então ao circuito superior, molinho de fazer, quase todo na sombra, e demoraria no último miradouro. Só então subiria até a Garganta do Diabo, o máximo de concentração de água, que nem se vê direito do lado brasileiro. Fazer o trajeto contrário me parece meio anti-climático. É lógico que eu não levei em consideração a vontade de ir andar de barco (porque eu odeio barcos em geral, e ia fazer só o do lado brasileiro, mais contido, e mesmo assim desanimei na última hora - choveu, hehe)

Achei legal ficar no lado argentino. Ficamos na Pousada Los Troncos (http://www.hotellostroncosiguazu.com/) que é legalzinha, apesar de meio longe do centrinho - e no solão de Puerto Iguazu, fica loooooooooonge. Seria perfeito se já estivéssemos de carro. Gostei de já estar "no exterior" desde o começo da viagem.
Pra quem for, é bom olhar os preços das coisas (especialmente cosméticos) na Argentina, que estão mais baratas que no Paraguai...

Rubens Takashi Tsubone

Ricardo e demais colaboradores do ViajenaViagem,

Irei conhecer as Cataratas do Iguaçu no final de abril e já entendi que as partes brasileira e argentina das Cataratas se completam e devem ser visitadas.

Minha dúvida diz respeito à hospedagem. Não me animei muito com os comentários e descrições dos hotéis em Foz do Iguaçu (com exceção de uns dois que tem preços estratosféricos - na casa de R$500, 600, por dia). Visitando sites como o Booking.com me deparei com o Sheraton de Puerto Iguassu que fica dentro do parque por um preço mais acessível do que os brasileiros de mais alto nível. Será que vale à pena? É fácil chegar até Puerto Iguassu de táxi? O que vocês acham?

Agradeço antecipadamente pelas respostas.

Ricardo, parabéns pelo site!

Ricardo Freire

O Sheraton de Puerto Iguazú não tem vista para as cataratas. Não tem o charme do Cataratas brasileiro. O táxi em Puerto Iguazú é bem barato.

Um hotel mais em conta do lado argentino, e na cidade (o que é mais interessante), é o Panoramio.

Marcos
MarcosPermalinkResponder

Ricardo,
Obrigado pelas dicas sempre pertinentes.

Alguém por aqui conhece o La Aldea de la Selva Lodge?
Fica no lado argentino e parece ser uma boa pra quem vai ficar de carro, como deve ser o nosso caso. Só temo ser muito longe das atrações para quem deve ficar apenas 3 noites.
Alguém sabe quanto tempo se leva na aduana Brasil/Argentina? É rápido?

Obrigado!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcos!
Ficar no lado argentino é recomendável para quem quer se dedicar mais ao lado argentino e curtir a noite em Puerto Iguazú.
As atrações do lado brasileiro (com exceção de Itaipu) se resolvem em um dia só: se você deixar para fazer os passeios náuticos do lado argentino, dá para visitar as Cataratas brasileiras e o Parque das Aves num dia só. Deixe para o primeiro ou para o último dia, e você não vai precisar atravessar muito a fronteira.

Veja o que estão falando no TripAdvisor sobre o hotel que você escolheu:
http://www.tripadvisor.com/Hotel_Review-g312806-d1215629-Reviews-La_Aldea_de_la_Selva_Lodge_Spa-Puerto_Iguazu_Province_of_Misiones_Litoral.html

Zuzu
ZuzuPermalinkResponder

A fronteira geralmente e tranqüila, poucas vezes perdi muito tempo.Porém se houver horário, recomendo antecedência, pois checam documentos, etc.
Quanto ao hotel, não conheço, a bóia já linkou o tripartidos pra vc. Pense bem, pois o hotel saint martin, a passos da entrada do parque brasileiro costuma ter ótimo custo/ beneficio,e as áreas externas são bem amplas e verdes.
Se eu fosse ficar em iguazu, definitivamente cacifaria o loi suites.

Rafael Carvalho

A fronteira é bem tranquila, ainda mais se você for de ônibus circular. Ele para, todo mundo passa pela imigração rapidinho e volta para o ônibus. Já se estiver de carro, havia um congestionamento quando fui.

Marina (leitora de primeira viagem)

Ricardo, estou viciada no blog! Além de os posts serem excelentes, a participação das pessoas e seus comentários fazem toda a diferença. smile
Estou tentando ler tudo (mas aqui no trabalho precisa ser disfarçado...rs) e me desculpe se isso já foi falado, mas gostaria de saber se junho é uma boa época para ir a Foz! Há quase 20 anos estive lá com minha família (não sei em que mês) e as cataratas eram um fiapo de água (nada de ducha Corona...rs). Hoje, até damos risada vendo as fotos! Gostaria de ver muita água e estou pensando em ir no feriado de Corpus Christi, pra passar 3 dias inteiros. É uma boa?

Ricardo Freire

No caderninho, é uma época com vazão menor, porque as chuvas de verão costumam terminar em março. Para ver muita água, é melhor ir entre outubro e março.

Mas o seu fiapo d'água não deve ter sido por conta apenas da sazonalidade, mas por causa de alguma seca brava. Eu já fui com mais e com menos vazão e achei lindas as duas vezes; com altíssima vazão, por exemplo, a Garganta do Diabo perde um pouco do encanto, porque a gente não vê mais água, só o spray.

Luciana
LucianaPermalinkResponder

Ric e PeEsse,

Estou gravidinha de 5 meses, mas em otima forma fisica. Será que dá pra encarar o Aventura Nautica e as trilhas argentinas na semana que vem ou é muito hard core?

Parabéns pelos blogs!!!!

Ana Carolina
Ana CarolinaPermalinkResponder

Luciana
Hardcore não é (fiz em março), mas chamou minha atenção um aviso para que grávidas não fizessem o Aventura Náutica afixado numa placa no embarque. Se não te deixarem, troque pelo helicóptero - deve ser lindo!

Ricardo Freire

Muita responsabilidade pra gente opinar. Pergunte pro seu medico.

Iremar Modesto Jr.

Olá a Todos, pessoal eu estou há horas lendo e confesso que ainda nao havia encontrado nada mais transparente e atual sobre as cataratas, foz, puerto e cidade del este. Moro em Araripina-PE, e em agosto vou viajar de Teresina-PI ate FOZ pela GOL. Só posso ir nesse periodo. e como tinha a passagem comprada desde o ano passado vou usa-la. estou juntando dinheiro pra levar na conta (meu banco é Caixa Economica) e vou levar cartao de credito tb. e alguns pesos em maos. planejo passar 4 dias entre foz, cidade del este, puerto iguazu. partindo no 4o dia de puerot iguazu ate cordoba e ficar uns 2 dias por la, seguindo pra buenos aires onde no final irei ate ushuaia. um amigo meu fez esse mesmo percurso das cataratas nessa mesma sequencia pois ele seguiu os passos de PêEsse. Sem mais eu estou postando para agradecer tamanha informacao util.

Paula_A
Paula_APermalinkResponder

Riq, parabéns pelo blog e por agregar tanta gente legal num único espaço. Vou pra Foz em julho e todas as dicas que peguei aqui me ajudaram demais. Tanto dos posts quanto dos comentários. Posso dizer sem medo nenhum de errar que é o melhor dossiê que encontrei internet afora. Foi essencial para montarmos o nosso roteirinho.
Tenho umas dúvidas e vamos ver se alguém pode ajudar... Quero aproveitar a viagem para fazer umas comprinhas no Dutty Free e na cidade de Puerto Iguazú (Paraguai está absolutamente fora de questão porque não vamos ficar muito tempo). Vi que o Dutty Free aceita cartões, real, dólar, peso... mas em Puerto, alguém sabe dizer? Além disso, tendo em vista que aceita-se de tudo, qual é a melhor opção? E, por fim, vale mesmo a pena comprar casacos de couro, como dizem, em Puerto?
Uma perguntinha específica para o PeEsse, que disse em algum comment ter comprado vinhos, você poderia indicar algum local?
Desde já agradeço!

Ricardo Freire

No free shop aceitam tudo, no centrinho de Puerto Iguazú não sei. Artigos de couro normalmente valem muito a pena na Argentina.

Eu não recomendo COMPRAR dólares para ir à Argentina. Se você já tem, leve. Senão, leve reais, use cartão ou saque do caixa automático.

Paula_A
Paula_APermalinkResponder

Obrigada!

viviane
vivianePermalinkResponder

Obrigadaa, a todos pelas informações, vou em julho pra foz estou animadíssima e estava sem muita noção de tempo ,pois vão ser só 3 ou 4 dias de viagem e vou dedicar dois só as cataratas,pois quero ir dos dois lados, peguei ótimas dicas aqui e vou segui-las bonitinhos.Pretendo um dia para compras no Paraguay e visitação ao templo budista .Acho que é isso.Agradecida Ricardo.

Paula_A
Paula_APermalinkResponder

Olás,
Alguém saberia dizer se tem restrição de idade para fazer o Aventura Náutica? Estarei com 2 crianças, uma de 9 e outra de 11 anos.
Obrigada!

Ricardo Freire

Criança pode embarcar, sim.

Paula_A
Paula_APermalinkResponder

Mais uma vez agradeço sua rapidez em responder. Ajuda muito!!! Nossa viagem está toda baseada nas suas dicas. smile

Marcus
MarcusPermalinkResponder

Estive duas vezes em Puerto Iguazu, em uma delas estiquei (de ônibus) até Buenos Aires (meio sofrido mas a estrada é um tapete, conexão em Posadas); na outra fiz um bate e volta pelas Missões. Mas essa era a minha fase mochileira, agora penso em voltar mais turbinado.

Acho o melhor passeio turístico do país, praias inclusive. Nada te dá tanta vontade de falar "uau!" que a garganta do diabo.

Acho Puerto Iguazu bem simpática, e sempre preferi ficar lá a ficar em Foz. Os restaurantezinhos no centro são bons, baratos, e achava estranhíssimo ver Foz do Iguaçu deserta as seis da tarde. E os albergues em Puerto são excelentes, especialmente um que fica na estrada para o Parque. Em Foz tem o Paudimar que é bacaninha também, mas é bem fora de mão na versão Cataratas, e apenas razoável na filial do Centro.

Jeferson Carvalho

Cara! Parabéns, show de bola esse seu blogging.

Estou de passagem marcada para foz em agosto ( 23 a 27 expecificamente ).

Gostaria de sugestões:
1) como faço para ir do hotel tarobá em foz até as cataratas lado argentino. Ex. Onde pego Onibus.

2) Será que eles estam exigindo algum documento referente a vacinas. Lembro que quando fui a foz fiquei desepicionado pois. tinha uma febre de Rubéola ( como desavisado não tinha o documento em maus. Então só cataratas do Brasil. Porém nada de Macuco safari. Agora quero ir tanto lado brasil e argentina.

3) O passeio a foz lado argentino fica +ou- em quanto para curtir esse passeio em Peso.

como marinheiro de primeira viagem, me desculpe tantas perguntas,
desde já agradeço.

jeferson

Ricardo Freire

Os preços estão no texto.

No hotel lhe darão as indicações.

Nao é preciso vacina.

Polliana
PollianaPermalinkResponder

Entendi direito ou basicamente preciso de peso só na hora de entrar no parque do lado argentino? Nem para pagar o passeio é preciso? Há pontos fáceis próximo ao parque para se fazer o câmbio?

juliana amorim

tem um banco de la nacion argentina no centro de Puerto Iguazu onde vc pode fazer saque em pesos, caso seu cartão seja internacional. Proximo ao terminal em PuertoIguazu tb tem um caixa eletronico ( acho que banelco)onde vc sacar. Pra mim foi a forma mais facil defazer cambio. No parque argentino eu não me lembro de nenhum terminal de saque, muito menos de cambio.

Ricardo Freire

Se você não tiver pesos com você, certamente vai ter alguém por ali que vai trocar com prazer (e algum lucrinho).

Polliana
PollianaPermalinkResponder

Mais outra perguntinha... para entrar nesse lado argentino, só Passaporte ou RG, certo? Mas o RG tem que ter sido emitido há no máximo 10 anos ou não tem essa exigência?

Ricardo Freire

Você tem que estar reconhecível no RG. A regra dos 10 anos vale para os documentos argentinos. Mas há controvérsias.

Ermesto, o pato

Riq
Meu RG tem mais de 10 anos, e ja viajei várias vezes para a Argentina com ele e nunca tive problemas.

Rafael Carvalho

Oi Riq, acabei de voltar de Puerto Iguazu. Foi incrível e o passeio Gran Aventura é indescritível e bem mais barato que o brasileiro mesmo. Só um toque, o link pra Gran Aventura está quebrado, segue o que vale: http://www.iguazujungle.com/
Abraços

Ricardo Freire

Obrigado, a URL mudou mesmo (antes era "junglexplorer"). Já consertei!

Carolina
CarolinaPermalinkResponder

Olá, vi em um dos comentários acima que a Aventura Nautica não é recomendada para gestantes, você sabe me dizer se o passeio no lado brasileiro também tem esta restrição? Vou viajar pra Foz e estou grávida de 4 meses, estava pensando em fazer o passeio do lado brasileiro que é um pouco mais tranquilo.

Ricardo Freire

O passeio brasileiro é bastante mais tranqüilo, mas acredito que também haja alguma restrição, sim (provavelmente não nesse seu estágio, mas é bom conferir). Informe-se no site do Macuco Safári.

Carolina
CarolinaPermalinkResponder

Obrigada Ricardo,
vou dar uma olhada no site do Macuco Safari.

Denise
DenisePermalinkResponder

Adorei as dicas... vc está de parabéns!!! Agora, só uma dúvida: eles dão capa de proteção? Falo isso pq acabei de conhecer Naiagras fall e lá é mais barato e fornecem capa biodegradável. Tudo bem que, pelos comentários, Foz é muito, mas muito mais bonito!! abs,

Ricardo Freire

Dão capa mas não serve muito não... o saco para pôr a câmera, porém, é totalmente impermeável.

Lazaro
LazaroPermalinkResponder

Estou indo com a família dia 01.01.2011, ficaremos (01 casal e 01 criança de 3 anos) em um Lodge inaugurado em agosto, em Porto Iguaçu, contarei detalhes assim que chegar. Ficarei 5 dias na região. Parabéns ao idealizador do site e feliz 2011.

Jaqueline
JaquelinePermalinkResponder

Olá. Quanto tempo em média devo dedicar ao passeio às cataratas argentinas, sendo que não pretendo fazer a aventura náutica, somente as trilhas.

Ricardo Freire

Trilhas, no plural -- reserve um dia inteiro. A aventura náutica não dura nem uma hora, computando o tempo na fila.

Lúcia Guimarães

Oi, Ricardo! Estou indo na segunda/10 e voltando sexta/14 a Foz com meu marido e os dois filhos dele. Compramos um pacote da CVC(RJ) patati patatá... Sabe, a comodidade... Só que eles não dão o roteiro de passeios discriminado, por dia. Dá pra fazer tudo - compras no Paraguai e Argentina, visitar as duas Cataratas e visitar Itaipu? Como podemos dividir isso?
Um help, por favor!
Abraços,
Lúcia

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lúcia! Já deu uma olhadinha na página sobre Foz do Iguaçu aqui do Viaje na Viagem? http://www.viajenaviagem.com/brasil/foz-do-iguacu-ricardo-freire/

Patrícia
PatríciaPermalinkResponder

Olá Ricardo!
Primeiramente gostaria de agradecer pela grande ajuda que tens oferecido trazendo informações sérias e interessantes sobre diversas viagens.
Alguns meses atrás recortei do Caderno de Viajem do jornal Zero Hora a indicação do teu site.Na época não acessei...Mas semana passada retornando aos meus "recortes",te encontrei novmente e desde então não tenho desgrudado.
Bem, segunda-feira irei para Foz e ficarei até sexta.Tenho acompanhado a previsão do tempo.Não sei se faz parte do clima de lá, mas todos dias "sol, alternando com pancadas de chuva e possíveis trovoadas"...rsrss
Minha dúvida...Gostaria de fazer o Gran Aventura.O tempo influencia muito na abertura dos parques e realização dos passeios oferecidos?
Mais uma vez parabéns!
Abraços
Patrícia

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Patrícia! Aqui quem fala é A Bóia, a respondedora oficial da caixa de comentários!

Olha só: outro dia mesmo o Comandante respondeu a essa pergunta no programa dele na BandNewsFM (você escuta? passa aí em Porto Alegre também!).

É assim: você vai se molhar tanto em todos os passeios do parque, tanto do lado brasileiro quanto do argentino, que não importa de onde vai cair a água!

De resto, Foz é linda de qualquer jeito, e na estação chuvosa as quedas ficam mais caudalosas.

Maurício
MaurícioPermalinkResponder

Ficarei dois dias em Puerto Iguazu e pretendo me hospedar no hotel Jarndin del Iguazu. Gostaria de saber a opinião de quem já ficou hospedado lá, para saber se realmente vale a pena. Uma outra dúvida é em relação à compra dos passeios (tanto do lado brasileiro quanto argentino). É preferível comprar com antecedência nas agências de turismo ou dá para comprar na hora, dentro dos parques? Obrigado.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Alô, Maurício! O Comandante sugere que você compre em agência só se quiser o traslado e os guias de sombrinha; se for fazer por conta própria, compre na hora mesmo. Veja tudo na página de Foz: http://www.viajenaviagem.com/brasil/foz-do-iguacu-ricardo-freire/

Sobre o seu hotel, ele fica no centro da cidade, então OK. Está com boas resenhas no Trip Advisor http://www.tripadvisor.com.br/Hotel_Review-g312806-d1638737-Reviews-Hotel_Jardin_de_Iguazu-Puerto_Iguazu_Province_of_Misiones_Litoral.html

Ilza
IlzaPermalinkResponder

Concordo com o PêEsse, mas o que mais gostei do lado argentino foi tomar banho na praia da Isla San Martin. Me senti em um cenário de Jurassik Park com as cachoeiras ao fundo...belíssimo. Já no lado brasileiro, uma coisa muito legal no macuco safari foi poder tomar banho no rio, sendo levada suavemente pela correnteza do rio ...delicioso e muito bonito. Vc pode ter uma visão diferente do cânion de Iguazu e só pode ser feito pelo lado brasileiro.

Ilza
IlzaPermalinkResponder

Ôps, o banho no rio foi feito durante o raffting e no macuco Safari, como referi acima. Vale a pena, muitO divertido e com menos adrenalina do que o passeio do Aventura Náutica.

Sandra
SandraPermalinkResponder

Alguém saberia me dizer qual o valor do Aventuras Náuticas agora, em mar/2011?
Parece que a entrada para o parque subiu de 45 para 70 pesos. É isso mesmo?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Sandra! Existe inflação na Argentina, é natural que os preços subam, e bastante, todos os anos. Na conversão para o dólar, porém, a subida acaba sendo menos significativa.

Schnaider
SchnaiderPermalinkResponder

Se der sorte de ir em periodo de Lua cheia, tente ir no Paseo de la luna llena no lado Argentino, custa 200 pesos com jantar, ha 3 horarios de saida e onibus q leva do centro de Puerto Iguassu ate o parque! Marquei p ir agora em Fev mas o ceu tava nublado nas 3 noites q estavamos la, entao o pesseio foi cancelado, mas vale a pena tentar! smile http://www.iguazuargentina.com O metodo de reserva eh meio arcaico mas o passeio deve valer super a pena!

João Martins
João MartinsPermalinkResponder

Ricardo, vou a Foz daqui a um mês, para ficar 4 noites, de mochilão. Você acha que vale a pena me hospedar em Puerto Iguazú e ir um dia a Foz para ver o lado brasileiro, em vez de fazer o contrário, como faz a maioria dos brasileiros? Tô a fim de fazer todas aquelas trilhas e o rafting no lado argentino e tive a impressão de ser mais legal lá, por isso minha pergunta. Um abraço e parabéns pelo blog.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, João! Aqui quem responde é A Bóia. O seu esquema faz todo o sentido! (acho que o Comandante recomendaria também).

Leia também:
http://www.viajenaviagem.com/2010/05/foz-do-iguacu-carro-alugado-taxi-ou-onibus/

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

Para quem acha que informação é importante, fica o registro:
===
LANCHA VIRA NO LADO ARGENTINO DAS CATARATAS DO IGUAÇU; DUAS PESSOAS MORRERAM.

Do UOL Notícias 21/3/2011

Uma lancha virou na manhã desta segunda-feira (21) no lado argentino das Cataratas do Iguaçu, perto da ilha de San Martín, no Parque Nacional do Iguaçu, um dos destinos turísticos mais famosos do Brasil e da Argentina. Segundo a agência de notícias do governo argentino Telam, o responsável pelo Parque, Daniel Costra, duas pessoas morreram no naufrágio.

Dez pessoas, sendo oito turistas e dois tripulantes, estavam na embarcação que partiu às 11h para um tradicional passeio às cachoeiras. As causa do acidente ainda estão sendo investigadas, mas se acredita que a lanche bateu em um paredão de pedra

A Capitania Fluvial do Rio Paraná, sediada em Foz do Iguaçu (a cerca de 700 km de Curitiba), confirmou que o acidente ocorreu, mas ainda não tinha informações sobre número de mortos ou feridos.
A Marinha brasileira está ajudando a Marinha argentina no resgate, porém não passou informações sobre o acidente.

Segundo o jornal argentino "La Nación", três pessoas foram resgatadas com vida --o capitão, seu assistente e um fotógrafo.

=============

Ricardo Freire

Vi na TV, André. Vou fazer um post.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Nossa! Voamos na quarta no helicoptero que fez o salvamento de hoje ...

Michelle Oliveira

Ric, super parabens pelo blog!!!
Conheci há alguns meses e desde entao ele esta na minha pequena mas top lista de favoritos!!!
Já vaguei quase todos os topicos e nao tenho outra palavra a dizer a nao ser parabéns!!!

Estou indo a Foz na proxima quinta e confesso que nao vejo a hora de conhecer esse local maravilhoso...

Só continuo com uma duvida decorrente e informaçoes desencontradas e de diversas fontes, mas acredito que vc pode me ajudar pois comentou sobre isso no post aí de cima... Muitos dizem que carros alugados no Brasil nao entram na Argentina e aí em cima vc disse o contrario de carros Hertz e Avis, confirme para mim se isso é mesmo verdade, pois estamos indo em 4 pessoas e estamos achando smais negócio alugar carro do que ficar com vans ou taxis...

Desde já agradeço pelos seus post maravilhosos.... Assim que eu voltar eu venho aqui dar me relato...

Bjssss

Michelle Oliveira.

Ricardo Freire

Nem toda locadora permite. O procedimento pode mudar. É preciso que o carro esteja adaptado/segurado. Verifique com as locadoras.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar