Cairu, uma bela adormecida baiana

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Azulejos portugueses no Convento de Santo Antônio

Preços de 2010.

Cairu é uma das cidades mais antigas do Brasil -- e a única sede de município que é um arquipélago, formado por 26 ilhas (incluindo aí as ilhas de Tinharé, onde está Morro de São Paulo, e de Boipeba), sem nenhum território no continente. É uma cidadezinha que está no caminho de quem vai a Boipeba pelo estuário ou para Camamu pela BA 001 (rodando mais 22 km em direção ao estuário).

Cairu: a Cidade Alta vista do estuário

Desta vez eu resolvi que ia parar de me contentar em ver só de longe as duas igrejas da Cidade Alta -- a igreja do Rosário, mais antiga, de 1610, que parece contemplar o Convento de Cairu, que começou a ser construído em 1654 -- e dar um jeitinho de finalmente parar para visitar.

Antigamente seria preciso pegar o barco lento de linha que faz a rota Graciosa-Cairu-Torrinha-Boipeba (numa viagem que leva algumas horas). Hoje, com a operação das lanchas rápidas entre Valença e Boipeba, basta resrvar lugar e dizer que quer parar em Cairu. Foi o que fiz. Embarquei com mala e tudo em Boipeba, pensando em dar um rolê por Cairu antes de seguir viagem.

A passagem Boipeba-Cairu

A passagem custou R$ 25 (até Valença seria R$ 35) e em pouco mais de meia hora eu já desembarcava em Cairu. Fui até a lanchonete em frente ao píer, tomei um refrigerante e pedi para guardarem minha mala.

Casarão em CairuCairu: Convento de Santo AntônioCairu: fachada do convento de Santo Antônio

Subi à Cidade Alta só com a bolsa da câmera. No meio da manhã, Cairu tem ares de cidade abandonada. Até Velha Boipeba parece ser mais movimentada. O casario é bem menos interessante do que se pode supor de longe. Mas a parada não é infrutífera, não.

Convento de Santo Antônio: fachada barroca

No alto da ladeira estará o Convento de Santo Antônio, a jóia que vale a parada em Cairu.

Foi a primeira igreja barroca do Brasil. Sua fachada serviu de modelo para (igualmente magnífico) o Convento de São Francisco de João Pessoa (a igreja que mais me emocionou nas minhas andanças por aí -- talvez porque não esperasse que fosse tão bela). Leia mais sobre os aspectos arquitetônicos do convento de Cairu neste grande artigo do professor paraibano Alberto Sousa.

Na sacristia

As obras de restauração, feitas com verbas da Petrobrás, estão paradas há um ano (e devem ser retomadas a qualquer momento). Mas quer saber? Acho que a visita fica ainda mais mágica com os andaimes e os afrescos fora de lugar.

O lugar é tão pouco visitado que não tem ninguém na porta para receber os visitantes. Fui entrando, fui entrando... e lá pelo meio da visita apareceu um senhor baixinho de fala mansa. Achei que fosse um guia. Me levou à sacristia, mostrou os azulejos portugueses mais significativos, apontou detalhes da pintura do teto, demonstrou a superioridade do barroco predominante contra o neoclássico do altar mais novo.

Na sacristiaAzulejos portuguesesNa nave

Acabei só perguntando seu nome na saída. Mancada. Não era um guia -- era Frei Hilton, o guardião do convento.

Azulejos portugueses no Convento de Cairu

Dei uma passadinha na outra igreja, a do Rosário, que também está teoricamente sendo restaurada. Mas o interior está oco; por enquanto, só vale para quem quer ver uma igreja pelada.

Então desci a ladeira, tomei mais um refrigerante na lanchonete, peguei minha malinha e voltei ao atracadouro para esperar a saída da próxima lanchinha a Graciosa, um lugar à beira da BA 001 que é a ligação de Cairu com o mundo (de lá você pega uma van para Valença, ao norte, ou Taperoá, ao sul, ou faz parar um ônibus de linha para continuar pela Costa do Dendê).

A lancha da rota Cairu-Graciosa

A passagem da lancha custa R$ 4, e há saídas sempre que se juntem oito passageiros. Precisei esperar meia hora até fazer quórum. Daí, em 10 minutos estava na Graciosa.

De lá fui para Itacaré. Mas só conto os detalhes no próximo post...

29 comentários

Carmem
CarmemPermalinkResponder

Depois dessa descoberta de Cairu o que será que nos aguarda?????
Ai, Riq, conta logo, vai!kkkkkkk

Chris
ChrisPermalinkResponder

eu visitei Cairú quando fui à Morro, em maio do ano passado, aí fiz aquele passeio de barco ao redor da ilha, até Boipeba e na volta a gente parou em Cairú. Quando fui eles estavam restaurando uma parte atras do altar, e uns afrescos no teto que tinham sido descobertos por baixo da pintura aparente... muito legal razz

Dri
DriPermalinkResponder

Ai meu deus! Nessa MICRO lanchinha cabem as 8 pessoas + o piloto? Claustrofobia feelings!!!!

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Dri, só ando nessa lanchinha aí se for o piloto e mais dois , e olha lá hem eekops:

Ricardo Freire

É fácil -- só pagar pelos oito passageiros, R$ 32. Mas eu tava curtindo a onda roots mrgreen

Wander
WanderPermalinkResponder

Também visitei Cairu no passeio de barco saindo de Morro de SP. O convento é histórico e vale a pena. A cidade é bonita mas completamente parada, não dá pra ficar 1 noite lá não: não sei como conseguiu juntar 8 pessoas pra viagem na lancha; deu sorte !!!

Jussara
JussaraPermalinkResponder

Conheci Cairu contratanto um passeio a partir de Morro de São Paulo. Na visita ao Convento fomos recebidos por um frei, provavelmente o mesmo que o aconpanhou. Ele foi de uma boa vontade extrema e sempre com muito bom humor.
A visita ao convento vale o passeio.

Arthur | Agora Vai

Também conheci assim, Jussara. O passeio ia até Boipeba e depois passava em Cairu. Mas não lembro do frei, acho que fomos recebidos por um guia-mirim.

Beto Paschoalini

Tu não ofereceu uma cervejinha pro guia não, né? mrgreen

Ricardo Freire

Rapaizzzz, quase. Na saída fui dar uma caixinha (R$ 10) mas ele pediu que eu pusesse na caixa de donativos. A ficha começou a cair ali, mas só terminou completamente quando eu perguntei o nome dele e ele falou frei.

Vergonha: um freire não reconhecer um dos seus eekops:

Mari Campos
Mari CamposPermalinkResponder

Essas lanchas me lembraram os barquinhos que faziam os passeios na Amazonia. Ate transfer de hotel ja fiz nuns assim - e com oito pessoas wink

Flavia
FlaviaPermalinkResponder

Nunca " dá tempo" de ir pra Cairu, e eu acho que deve ser bem bacaninha...adorei

Sílvia Soares

Adoro essas paradinhas fora dos roteiros tradicionais. Sempre aparece um lugar que vc acha que acabou de ser descoberto, um ângulo que parece que ninguém mais viu, um morador local com algum "causo" especial,ou um frei ensinando sobre o barroco. Tudibom!

Marcelo
MarceloPermalinkResponder

Legal, gostei! Quase fui a Cairu quando estive em Boipeba, mas não deu certo.
Ao ler o post me lembrei da cidade de Maraú, que visitei quando fui à Península e parece ser mais animadinha que Cairu. Ao menos em dia de feira. Lá também há 2 igrejinhas, é bastante antiga e tem-se a impressão de um local parado no tempo.

Lena
LenaPermalinkResponder

Nas minhas marcopoleadas pela net no mês passado, tomei conhecimento de Cairu... Foi quando estava pensando em ir à Barra Grande. Lembrei da definição: "única sede de município que é um arquipélago, formado por 26 ilhas". Tinha ficado interassíssima e agora, com seu post, me sinto tipo assim, mimada! É como se alguém fizesse a lição de casa pra mim! smile

Carmen
CarmenPermalinkResponder

Gostei muito de Cairu. A cidade é tranqüila, limpa. Para quem gosta da arquitetura, sua situação beira do rio, faz de Cairu parada quasi obligada em seu camniho a Boipeba.
Ricardo, pela descripção que você faz do "guia" e a mesma pessoa que me mostró o Convento de S. Francisco (despois deixei um donativo pelo Convento, então estava sem reformas ainda que o precisava)
Adorei as fotos (eu tenho mais em câmara analógica pré-histórica e não são tão lindas)

Ricardo Freire

Carmen, você já andou pelo Brasil mais do que muito brasileiro mrgreen

Isabel O., Portugal

Já eu não conhecia...
Em contrapartida reconheci os "nossos" azulejozinhos setecentistas.
Adoro azulejos e já fiz várias formações sobre o tema...
Qual a matéria da minha aula de hoje à tarde?
A independência do Brasil (lá vou eu fazer o papel de professora maluca a fingir que sou o D. Pedro em cima do cavalo a gritar "Independência ou morte" - os miúdos têm 11 anos e ainda acham graça a esta história romanceada). Os meus alunos brasileiros não sabem nadinha de história do Brasil, apesar de alguns temas estarem integrados no nosso programa (não mais a partir desta matéria, claro). Para além de já terem vindo há alguns anos, os pais não lhes passam nada (possivelmente por pouco também saberem). Fico com pena, mas o mesmo deve ter acontecido (e continua) aos filhos dos nossos emigrantes na Europa.Pouco sabem de Portugal.

Boipeba Bahia
Boipeba BahiaPermalinkResponder

O paraíso ainda preservado na Bahia, adorei!

Cairú- Vila de Nossa Senhora do Rosário de Cairu

[...] são de uma viagem que fiz recentemente a Boipeba e passamos por lá na ida.  Mas veja neste blog Viage na Viagem uma história bem parecida com a que tive. Não mesnos emocionante, sendo que na época o Frei [...]

Fábio G.
Fábio G.PermalinkResponder

Riq, acabo de voltar de Morro de São Paulo.
Passei por Cairu, adorei a cidade.
As obras no Convento continuam, vai ficar lindão quando ficar pronto.
Quanto a Morro, esta totalmente em obras, da Rua da Fonte Grande até a escadaria que leva até o farol. Os recursos para as obras certamente são oriundos da nova taxa de turismo cobrado de todos que chegam até lá de R$10,00.

Guilherme
GuilhermePermalinkResponder

Acabei de voltar de Morro, com uma passada em Cairu. Frei Hilton continua lá, firme, forte e sábio. Vale a pena ouvir as palavras do Frei ao final da visita.

WAGNER LUIZ TRINDADE

Voltei ontem de Morro de São Paulo, estive tambem em Cairu, visitei o Mosteiro e lá ainda está a figura fantástica do Frei Hilton, que nos emocionou. Ele tem um poder inexplicável de apenas tocando suas mãos falar tudo que está acontecendo com você.Ele é tão simples que todos pensam que é um funcionário, mas na verdade é um homem com poderes impressionantes. Sugiro à todos que forem ao Morro que não deixem de visitar o Mosteiro e o Frei HILTON, prá mim a melhor parte da viagem.
25/06/2013

Rosana Meireles

Adorei o texto! Na proxima vez , procure a Pousada da Mangueira, ali pertinho , a beira mar e peça uma deliciosa moqueca.

Roberta Vaz
Roberta VazPermalinkResponder

O passeio foi por acaso , mas conhecer o frei acabou se tornando inesquecível ... coisas de Deus! Este lugar é sem duvida abençoado .

Eduardo
EduardoPermalinkResponder

Olá
Qual a melhor forma de chegar em cairu partindo de salvador?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Eduardo! Atravesse a Itaparica de ferry-boat, compre passagem Bom Despacho-Graciosa (você será embarcado num ônibus a Camamu ou Itacaré). Em Camamu, pegue a próxima lancha.

Eduardo
EduardoPermalinkResponder

Obrigado!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar