Rio-Charlotte pela U.S. Air: avião velho, tripulação rude

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Rio-Charlotte e conexões

No finzinho de setembro, quando as passagens internacionais para as festas de fim de ano estavam na escandalosfera, descobri que a U.S. Air já estava vendendo passagens do vôo Rio-Charlotte que começaria a operar no meio de dezembro. Subi um post e recomendei à Elisa Araújo, CEO do site, que procurava uma passagem palatável a Nova York -- e conseguiu emitir Rio-Newark por 950 dólares. Pois bem. A Elisa já voltou -- e tem coisas bastante interessantes para nos contar -- tanto sobre o estado (lastimável) do avião que está fazendo a rota, quanto sobre o estado de nervos da tripulação. Aproveite o vôo para economizar, mas por favor contenha esse seu impulso de tocar as comissárias!!!

O vôo do Rio para Charlotte pela US Airways no dia 25/12 foi inacreditavelmente ruim. Toda a fileira esquerda de poltronas na classe econômica estava com os controles  defeituosos, portanto não pude ler durante o vôo porque a luz não acendia, não pude ouvir o áudio dos filmes porque o áudio no braço da poltrona nao funcionava... Mas isso eu só descobri depois de ter comprado os fones de ouvido por USD 5 sad

O cinto de segurança da minha poltrona saiu na minha mão porque a peça de metal que prende o cinto à poltrona estava quebrada. Dei um jeito de prender, mas isso mostra o estado da aeronave!

A comida era 'chicken' ou 'pasta' e chicken quer dizer um pedaço de peito de frango assado com batatas comíveis e cenouras não-comestíveis.

As comissárias de bordo foram de uma grosseria inacreditável. Não estao acostumadas a voar para o Brasil. Reclamaram que os passageiros tocavam nelas e chegaram a pedir no sistema de som para que os passageiros não encostassem nelas -- "Please, don't touch us". Segundo uma delas, depois do 11 de setembro, elas foram treinadas para reagir fisicamente se alguem segura o braço ou bate nas costas... Todos os passageiros desceram do avião reclamando da grosseria a bordo.

Como eu estava fazendo conexão para Nova Iorque (para o aeroporto de Newark), tive que pegar minha mala na esteira do aeroporto de Charlotte e colocar numa outra esteira, em outro salão, de onde ela iria para a conexão*.

A volta para o Rio no dia 3/1 foi menos turbulenta a bordo, mas o avião ainda era antigo -- a bandeja da poltrona ao meu lado estava meio quebrada.

No check-in em Newark (New Jersey), depois das malas estarem etiquetadas, a atendente pediu que eu as carregasse até um carrinho de transporte ali perto, de onde seguiriam para o avião. Não havia esteira no setor de check in.... Mas pelo menos as malas foram direto na conexão em Charlotte, não tive que me preocupar com isso*.

O vôo atrasou 2 horas porque o avião em que eu estava ficou aguardando uma peça para trazer para o Rio para um outro avião da US Airways que estava aqui. Depois disso, um passageiro desistiu de viajar e a mala dele teve que ser retirada do avião. E com o atraso todo, passamos de um determinado horário e foi preciso aguardar uma autorização de Washington para decolar. A comunicação da tripulação com os passageiros era em inglês ou em português via um comissário de bordo que era português.

Cadeiras de balanço no aeroporto de Charlotte. Foto: Elisa AraújoO único ponto positivo desse vôo da US Air (via Charlotte) é que o aeroporto de Charlotte é bem sinalizado e fácil de circular. Um detalhe: no saguão, há cadeiras de balanço para quem está aguardando.

*Aos baldeadores de primeira viagem, como a Elisa: voando do Brasil para qualquer lugar dos Estados Unidos com conexão, com qualquer companhia aérea, é preciso retirar a bagagem no aeroporto de desembarque e entregar para funcionários do aeroporto providenciarem o reembarque (dá um medão). Na volta isso não é necessário e as bagagens vêm direto para o Brasil (onde precisam ser desembaraçadas no aeroporto do primeiro desembarque).

324 comentários

Marilia Pierre

que horror!
você pede uma água e ganha uma chave de braço!

André
AndréPermalinkResponder

Ok, nada desculpa a grosseria, mas tem a questão cultural.

Aqui no Brasil todo mundo fala pegando no braço, abraça, dá tapinha nas costas. Os americanos NÃO são assim.

Se a gente tem cuidado em conhecer os hábitos das pessoas dos lugares para onde vamos, tentando evitar gafes, vale o mesmo para os comissários de cias aéreas estrangeiras.

Evidente que nada disso justifica o avião caindo aos pedaços.

Mariana "de Toledo" _ @merel

E eu com a minha passagem da US Airways em aberto. Depois desse relato... sei não...

Marcie
MarciePermalinkResponder

Faz parte da cultura (ou falta de) local essa neura toda. Infelizmente é com isso que tenho que conviver cada vez que quero viajar.

marcia
marciaPermalinkResponder

elas sao todas estupidas e odeiam viajar p america latina..
seja qual for a cia americana.....
estou acostumada com a AA e toda vez que algum passageiro nao consegue se expressar em ingles..elas ficam humilhando fazendo caretinha uma pra outra,,alem de serem jurassicas da pan am...
mas o que fazer qdo amamos viajar p terra do tio sam....
e a aeromoça ai deve ter ficado louca..tb pudera sem nenhuma diversao....todos pegaram no pé dela e ela se stressou..
deveriam todos os passageiros processar a US AIR
gente viajar pela TAM nao tem preço...é um tratamento e uma viagem deliciosa...
beijos

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Marcia, tenho que discortar que é bom viajar com a TAM e o tratamento é "delicioso". Só se for comparativamente à AA.

Agora, parenteses, que tem muito passageiro mal educado em vôo Br-USA tem. Foram minhas piores experiências.

Thiago Parente

Falou e disse Paula, muitos passageiros colaboram pra isso. Se vc ouvisse um relato de um piloto da TAM de um passageiro que invadiu a Classe Executiva com a esposa e duas filhas num vôo pra NY, é de chorar.

Gustavo
GustavoPermalinkResponder

Conta aí essa história que fiquei curioso grin

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Tb fiquei! Conta! Depois eu conto a da passageira e sua bolsa de "grife"...rsrsrs

Thiago Parente

Foi o seguinte. Ele conta que durante um vôo SP/NY, um passageiro com a familia (4 pessoas) procedentes de NATAL invadiu a Classe Executiva, sob a justificativa de que tinha direito por que havia passado a noite no aeroporto e a TAM não providenciou hotel. O comandante antes de ir conversar com o passageiro entrou em contato com a TAM para verificar o acontecido, e foi informado de que o passageiro perdeu o vôo que permitiria a conexão em GRU para o vôo internacional, tanto que embarcou no próximo para GRU sem o check-in do vôo internacional realizado. Chegando em SP, tentou de todas as formas que a TAM os colocasse em um hotel, o que não foi atendido pela cia, tendo por isso dormido no aeroporto. O comandante então se dirigiu à Executiva e "mandou" que ele se retirasse, pois ele estava desacatando os outros passageiros, que pagaram o preço da executiva. Ele disse que não sairia por que direito de estar ali já que a TAM não providenciou o hotel. O comandante falou que não havia problemas, que eles estavam a 1h de Manaus e que para chegar ao peso de aterissagem ele deveria de liberar 8 toneladas de combustível, aí ele seria desembarcado com a família e que depois ele resolvesse o problema dele com a TAM, reembolsando o combustível desperdiçado. Ele se retirou e o comandante pediu a comissária que avisasse que se ele insistisse, ele pousaria em qualquer aeroporto no caminho, mas ele não chegaria ao JFK. O que o nosso passageiro problema fez?? Faltando 5 minutos para o pouso, sentou novamente na executiva com a família....o Comandante nada mais podia fazer. Agora é com você Paula.

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Eu quero saber quando as cias aéreas e seus funcionários, incluido as comissárias de bordo e afins vão entender que NÃO voamos de favor. Sempre pagamos, e no geral bem caro, por aquela passagem. E que tratar os passageiros com educação também DEVERIA fazer parte do treinamento delas.

Beto
BetoPermalinkResponder

Paula, concordo contigo, alias em Novembro tive um serio problema com a TAM, e nao consegui reclamar para ninguém da TAM pois o canal FALE COM O PRESIDENTE nao funciona. O jeito foi postar no RECLAME AQUI Vôo 8081 JFK ( passa la e leia vai ver que loucura) uma reclamação mas nem assim eles responderam, estão se lixando para os PAXs pois afinal a demanda e enorme!!!!

Sonho com uma concorrência cada vez maior para termos um atendimento digno!!!!!!

Abs

Beto borja

Marcos
MarcosPermalinkResponder

Beto, desista da TAM! Nao existe nada pior do que a TAM. Eu ja desisti faz tempo ja que nunca, repito, nunca tive uma experiencia boa com essa empresinha meia pataca. Se for para reclamar seus direitos de consumidor entao, ajoelha e comeca a rezae, mas rezar muito e com fe para pelo menos ser ouvido. Tambem espero por uma concorrencia brasileira que nos de um tratamento digno. Vale repetir o que a Paula disse ai acima: nos PAGAMOS para viajar mas essa empresinha pe-de-chinelo que e a TAM acha que pode tratar os passageiros como gado. Sei que nao vai fazer diferenca, mas o meu dindim essa porcaria de empresa que e a TAM nao leva mais.
Saudacoes
Marcos

Priscila (Inquietos)

André, justamente por existir tais diferenças é que principalmente essas profissionais deveriam estar cientes disso, entendendo e aceitando cada país para o qual são destinadas a atender, e não o contrário.

ricardo
ricardoPermalinkResponder

isso me lembra o hilario Achmed the Dead Terrorist : "Don´t touch meeee". vale a pena procurar o video.
não sei se é sorte ou sou idiota e não percebo, nunca vi uma grosseria de atendentes em vôo. ok, a segunda opção é a mais provável.

André
AndréPermalinkResponder

Priscila, concordo com vc que deveria fazer parte do treinamento delas a cortesia. Mas daí a achar normal que fiquem pegando pelo braço ou dando tapinha nas costas, vai uma distância. Além do mais, considerando o grau de paranóia dos americanos com terrorismo (e quem vai lhes tirar a razão), o que vc acha que fala mais alto? A cordialidade com os brasileiros ou a medo de um pega-pega no avião?

Eu acho mais fácil o passageiro se adequar ao país que vai visitar do que o oposto. Até porque imagino que as comissárias mudem de rota com alguma frequência e ficaria meio demais elas terem que se adequar a cada destino. Sei lá.

Enfim. Não acho que a falta de cortesia seja desculpável. Mas acho que o exemplo dado ficou meio exagerado. Nós, brasileiros, temos mania de criticarmos nossos compatriotas lá fora, pelo comportamento inadequado. E ficamos zangados com os estrangeiros fazem o mesmo. Normal.

Lembra daquela propaganda (acho que Havaianas)? Os brasileiros sentando o pau no governo, no Brasil, nas pessoas... quando o argentino abre a boca pra reclamar também, quase é linchado!

Hehehehehe.

Zé
PermalinkResponder

Concordo, André!

Priscila (Inquietos)

André, concordo que nós como passageiros temos que nos adaptar ao país que estamos viajando, assim como aprender pelo menos as palavras básicas no idioma local (por favor, obrigado, com licença, etc). É o mínimo do mínimo. Mas isso em terra firme!

Nesse caso estamos falando de um avião com rota Brasil-EUA. Para mim há duas culturas misturadas nessa rota e ainda acho que as comissárias são as primeiras que deveriam ter consciência disso e aceitar sim que boa parte do público que elas vão atender tem como hábito o toque físico. Apenas para enfatizar, não estou falando de Brasil X EUA, ou qualquer outra nacionalidade. Estou falando de profissionais X clientes.

Achar que somente o passageiro deve se adaptar, ou que é mais fácil para ele, sinceramente discordo. Quem passa mais tempo no espaço aéreo, pipocando de país em país, em meio a um mix de culturas? E principalmente, quem é o profissional da história?

Se são comissárias, deveriam ter conhecimentos mínimos, não importa que mudem de rota a cada semana. Se elas não conseguem perceber isso, então acho que estão totalmente despreparadas para fazer uma rota para o Brasil ou para qualquer outro canto do mundo.

Hugo
HugoPermalinkResponder

Fui trocar meus pontos Smiles por duas passagens para a Europa, e fiquei surpreso em saber que não tinha nenhuma disponibilidade pela Air France para todo o segundo semestre.

Diante disso optei por pegar as passagens pela AA. Darei uma grande volta porque vou de BH para Miami e de lá para Londres na ida. Na volta vou de Paris para Miami e em seguida pego o voo para BH.

A parte boa é que terei 12 horas livres na ida e 9 horas na volta para passear e fazer compras em Miami.

Mas para quem está querendo trocar pontos Smiles sugiro ligar lá diariamente e ter uma certa flexibilidade de horários.

Ricardo Freire

Vou abrir uma enquete sobre isso (emissão de Smiles em AF e AA) nos próximos dias.

Mas me conta: não dava pra emitir no segundo semestre porque não tinham ainda posto os assentos em disponibilidade ou porque já tinha terminado mesmo?

Hugo
HugoPermalinkResponder

Riq, segundo a atendente não tinha disponibilidade mas poderia, ou não, surgirem novos assentos. Para quem tem sangue frio uma opção é ir tentando até próximo da data, mas como sou ansioso e gosto de fechar tudo com antecedência, preferi fazer uma viagem mais cansativa (via EUA) mas já estar com as passagens na mão.

Como vai ter um post, vou te contar a história completa:

Eu queria passagem de Ida BH-Londres para o dia 11/09 e volta Paris-BH para o dia 9/10. Após olhar o sistema a atendente me disse que não tinha disponibilidade pela Air France. Pedi outras datas e nada. Então perguntei se tinha algum assento no segundo semestre e ela falou que não tinha nenhuma disponibilidade.

Nesse momento ela disse que poderiam surgir novos assentos, mas que dependia da Air France. Ou seja, um risco.

A partir daí comecei a olhar pela AA. A atendente só conseguiu data de ida no dia 20/09 (conexão em SP e NY) e volta no dia 15/10 (conexão Miami). Essas datas eram ruins porque minha esposa teria que voltar de viagem no máximo no início de outubro. Após conversarmos um pouco decidimos pegar essas mesmo.

Liguei de novo, perguntei de novo sobre assentos na AF e nada. Mas para minha surpresa essa nova atendente conseguiu várias datas na AA. Com isso peguei a ida para o dia 08/09 e volta para o dia 02/10. E o melhor é que tanto a ida como a volta tem voo direto de BH-Miami.

Como quero fazer uma slow-travel, passei e tentar diariamente mudar as datas da ida para o dia 03/09, mas só tinha um assento disponível. Depois de muita insistência, hoje consegui alterar a data, mantendo a conexão em Miami.

Enfim, para quem vai tentar trocar os pontos Smiles deve ter uma certa flexibilidade de datas, de companhia aérea e ser muito insistente. Deve também tentar com atendentes diferentes, porque pelo que vi alguns sabem lidar muuuuuuito melhor com o sistema do que outros.

Para mim, no final das contas, até que foi bom fazer o voo pela AA porque na ida quero passear pela cidade (provavelmente ficar em Miami Beach) e na volta poderei fazer algumas compras.

Sandro
SandroPermalinkResponder

Oi Hugo,

Soh nao se esqueca que, mesmo pra fazer conexao apenas, eh necessario o visto americano para os brasileiros.

abs,
Sandro

Hugo
HugoPermalinkResponder

Sandro, eu e minha esposa já estamos com o visto. Inclusive pretendemos aproveitar a longa espera de conexão para conhcer Miami.

Sandro
SandroPermalinkResponder

Excelente entao!

Vi agora seu outro comentario com seus planos pra espera. Acho que eu faria exatamente o mesmo. Miami Beach pra passear e Dolphin Mall pra compras. O Dolphin por sinal eh pertinho do aeroporto e tem a maioria as lojas que interessam (falta soh um outlet de eletronicos "a la" Brandsmart), vale muito a pena.

Aproveite bastante!

abs!

Hugo
HugoPermalinkResponder

Sandro, bom saber que não tem loja de eletrônicos no Dolphin. Vou aproveitar para comprar alguma coisa na ida, em Miami Beach.

Ricardo Freire

Em Miami Beach não vai ter não, Hugo. Mas vai ter lojas na Lincoln Road vendendo roupas da estação.

Uma boa estratégia para a volta pode ser alugar um carro com GPS, ir ao Brandsmart de Miami Gardens para os eletrônicos e depois ao shopping para as demais compras.

Dani S.
Dani S.PermalinkResponder

Hugo,
Já te avisando, o aviáo da AA que faz BH-Miami é jurássico (mas náo tem nada soltando náo). Só tem aquela televisáo grandona, e os comissários de bordo parecem ter a idade do aviáo. Mas fora isso, NÁO TEM PREÇO náo ter que ficar hoooooras em Guarulhos.
Em Miami, vale a pena fazer compras, mesmo (náo achei a cidade grandes coisas, náo). Eu gostei do Sawgrass Mill, mas porque era grande. E eu gostei muito da experiência de parar nos EUA no meio da viagem pra Europa (eu abri a passagem na ida, ficando uns dias em NY, e na volta, em Miami)- a gente náo cansa tanto, dá pra fazer umas comprinhas, além de parecer que você viajou muuuuito mais, porque o clima dos lugares é completamente diferente - e dá pra conhecer cidades americanas diferentes a cada vôo (pagando, a diferença de preço de uma passagem via EUA pra uma direto foram só as taxas aeroportuárias).
Ah, pra você ficar feliz: o prosseguimento do vôo pra Europa é feito em aeronaves impecáveis, novíssimas.

Hugo
HugoPermalinkResponder

Dani, o Sawgrass fica muito longe do aeroporto, então não vale a pena para mim. No meu caso, infelizmente, sou vou ficar um dia na ida e na volta, só o tempo da conexão, pois a passagem é com pontos Smiles. Mas mesmo assim quero aproveitar bastante. Quanto ao avião, só de sair e voltar direto para BH já vale a pena o transtorno.

EduLuz
EduLuzPermalinkResponder

Hugo, dá um passeio pelo Art Deco District e você vai se divertir muito. Vai por mim!
E na volta passa no Dolphin Mall! Também é muito bom!
Mas não esquece que todas as alfândegas americanas são um verdadeiro pé-no-saco!
Boa viagem!

Hugo
HugoPermalinkResponder

Edu, a dica do Art Deco está anotada.
Espero dar sorte na alfândega de Miami como dei em NY. Fique menos de 30 minutos na fila.

Clara
ClaraPermalinkResponder

Acho muito interessante um feedback sobre as cias aéreas. Para mim a companhia não serve por todos os motivos aqui narrados. Mas cinto de segurança quebrado?? Cadê as agências fiscalizadoras?

Tive um experiência bastante positiva em 2009 numa cia aérea que nunca havia utilizado, a Delta. A comida era pelo menos aceitável. as/os atendentes, jovens - o que me surpreendeu tratando-se de companhia americana - e educados(juro!). Só nao tinha monitor(tela) individual. Era cinema como "antigamente".

Atlanta é um dos aeroportos mais bem concebidos do mundo. Fazer conexão lá foi incrivelmente fácil e prático.

Para terminar, a Delta tem fama de careira(pelo menos nos EUA), mas minha agente me falou que estavam dando um descontão, e foi tão, mas tão barato, que tenho até vergonha de dizer, principalmente porque incluiu roud-trip a partir do Rio, costa oeste e costa leste dos EUA.

Nos vôos internos, mesmo costa à costa, paga-se para comer. Os preços são normais, mas o menu é bem limitado e não me agradou muito as opções.

Tudo deu certo ao final, nenhum vôo com atraso, bagagem sem problemas e nos sentimos tratdos com cortesia em tudo que envolveu os vôos. Acho que dei uma sorte qualquer, nada que se compare a ganhar na megasena, mas fiz um trajeto enorme por uma pechincha e ainda ganhei todas as milhas.

Érico Maia
Érico MaiaPermalinkResponder

Estava lendo os relatos e concordo com a Clara em relação a Delta: pelo menos o vôo que peguei foi ótimo, de Atlanta para Fortaleza. Funcionários simpáticos desde a primeira conexão em Buffalo, boa comida (mesmo sendo classe econômica), e assentos de bom tamanho. Pena que esse vôo já foi eliminado.

O pior vôo até agora foi o de Chicago para São Paulo pela United. Dois níveis de classe econômica, sendo o mais barato com espaço minúsculo para as pernas. Sorte que deu para ver que havia assentos livres na Econômica "Plus" antes do avião decolar... 11 horas sem conseguir se mover é de matar.

Ricardo Freire

Eu voltei de Nova York pela Delta e também fiquei muito bem impressionado. É a única cia. americana por que voei na econômica em que os comissários eram simpáticos. MUITO simpáticos. Foi a única vez que eu senti que a equipe americana gostava de trabalhar naquela rota. (Nas outras a impressão que eu tenho é que estão de castigo na linha.)

Márcio Cabral de Moura

Pois eu já fui para o Canadá/EUA tanto pela Delta, quanto pela United (sempre fazendo conexão no Rio ou em São Paulo) e preferi o atendimento e o avião da United, apesar de em uma das vezes a United ter sumido com minha mala e só a ter devolvido na véspera de eu voltar para o Brasil.

Uma que me surpreendeu nas últimas viagens foi a TAP, mas aí é para a Europa. A primeira vez que eu voei TAP foi um horror. O avião era velho, as aeromoças super antipáticas e ainda destruíram a mala de minha esposa. Depois disso eu já viajei TAP outras vezes e foi tudo bom (exceto uma mudança de horário de vôo não avisada, mas, pelo menos eu aproveitei para fazer um city tour por Lisboa).

Danielle Skurczenski Willig

Morando em Atlanta, praticamente só voamos Delta, também pelo ótimo programa de milhagens. Nunca tive do que reclamar, e fato de Atlanta ser o rub da companhia, temos voo direto para a maioria dos destinos.
Nos voos para o Brasil sempre tem uns 2 comissários brasileiros. Mas preciso dizer que uma vez voltamos de American GRU MIA e a aeronave era super nova e o atendimento impecavel tb.

Luciana Bordallo Misura

Delta com fama de careira e nova pra mim, pelo contrario, os voos todos pro Brasil sao sempre dos mais baratos e na minha opiniao, ruins. Tanto e que nao venho mais de Delta pro Brasil, ano passado foi a segunda e ultima tentativa. Em agosto passado paguei $1,000 por pessoa Austin-Atlanta-Rio-Atlanta-Austin. Aviao velho, tripulacao antipatica como sempre e a Delta, nao tinha nada quebrado mas era por sorte. Sempre voava Northwest ou Continental (que eram parceiras) dentro dos EUA e depois que a Delta comprou a Northwest estragou a companhia. Que bom que voce teve uma boa experiencia...

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

Eu pensei em tentar essa US Airways agora...porque está impossível passagens para janeiro e essa acho que as pessoas ainda não conhecem e a disponibilidae é maior...mas desisti da ideia e agora acho que foi bom...
Ja viajei de AA e realmente é tudo de ruim...mas encaro numa boa afinal eu que escolhi né...não dá pra querer tudo...e dá pra levar essas horinhas numa boa...ainda mais se não tiver ninguém reclamando do lado...

Hugo, já viajei pra Europa via Estados Unidos e foi super tranquilo...ainda mais que a tarifa tinha sido ótima e que acabei optando por também passear por lá...a parte chata é fazer imigração...

Hugo
HugoPermalinkResponder

Carla, em Miami terei 10 horas livres na ida e 9 horas na volta.

Na ida queremos só passear e na volta só comprar. O que você sugere como opção nesse tempo? Pensei em ficar em Miami Beach na ida e ir para o Dolphin na volta.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Hugo, será que não vale a pena alugar um carro pra passear na ida ? Ou é stress ? Com um carro dá tranquilo pra seguir as placas indicativas e passear por Coconut Grove , South Miami e toda a beira-mar até o Aventura Mall .

Hugo
HugoPermalinkResponder

Sylvia, eu até pensei nisso. Inclusive, vou estar em Miami num sábado. Mas como estarei numa conexão tenho que estar de volta no aeroporto sem atrasos e fico com medo de me perder no caminho ou ter algum problema. O que você acha? Será que é muito arriscado?

Carla
CarlaPermalinkResponder

Hugo, Miami sem carro é um pesadelo, seja para passear ou para comprar. Alugue um carro com GPS para pegar e entregar no aeroporto, e vocês não terão problemas! wink

Hugo
HugoPermalinkResponder

Vou considerar realmente o aluguel de um carro porque além de ficar mais barato dá um grande liberdade. Ainda mais que vou estar lá num sábado e o trânsito deve ser um pouco mais tranquilo.

Mas uma coisa, em Art Deco District e South Beach são fáceis estacionar o carro?

Ricardo Freire

Não é fácil nem barato, mas dá pra estacionar, sim. Da última vez eu pus num estacionamento perto da Lincoln Road. Chegando cedo você consegue estacionar na beira-mar (com parquímetro).

Carla
CarlaPermalinkResponder

Hugo, o próprio GPS pode te ajudar na busca por estacionamentos pagos, caso não você não consiga mais vaga nos parquímetros.

Hugo
HugoPermalinkResponder

Riq e Carla, obrigado pela dica. Devo fazer o seguinte. Se o meu voo chegar no horário e a imigração for rápida, alugo um carro com GPS e saio curtindo a cidade.

Se o voo atrasar ou a imigração demorar muito, pego um táxi mesmo, vou para Miami Beach, aproveito um pouco por lá, e volto para o aeroporto.

Obrigado.

Carla
CarlaPermalinkResponder

Sylvita, você quis dizer South Beach, não foi? South Miami é um bairro ao sul de Coral Gables - na fronteira entre os dois ficava o antigo Sheraton Four Points onde eu "morei" por 2 semanas enquanto fazia um curso. Não é uma área muito recomendada, não... wink

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

Não sei nada de Miami...sorry!
Fiz esse vôo indo por Miami e voltando por NY (onde fiquei)
Em Miami inclusive tinha 8 horas de espera, mas como meu vôo atrasou 3 horas e eu fiquei 2 horas e meia na fila da imigração só sobrou tempo pra um lanchinho no aeroporto.

Érico Maia
Érico MaiaPermalinkResponder

Perguntinha: existe alguma companhia norte americana que tenha comida de graça nos vôos internos na classe econômica (incluindo Canadá)? Nos dois vôos que fiz de Toronto para Vancouver (4,5 h) e de Toronto para Calgary (3,5 h) a comida era paga e só havia sanduíche frio de frango. Foi pela Air Canada.

Dani S.
Dani S.PermalinkResponder

Já viajei pela United, pela American e pela Delta, e nada - até no vôo Boston-San Francisco, que dura umas 6 horas (e que demorou mais de duas pra embarcar) eles cobravam pelo lanche - bem, eles fizeram a caridade de nos dar uns pacotinhos-chaveirinho de batata frita por conta do atraso...
Já aprendi e compro meu lanchinho no aeroporto. Pelo menos eles têm milhares de opções nos aeroportos, e não tão extorsivamente caras =)

Luciana Bordallo Misura

Sim, a Continental ate hoje oferece comida nos voos domesticos (coisas simples, tipo sanduiche, pizza, etc). A JetBlue tem uma variedade de snacks melhor que o resto (mas nao e comida que nem a Continental) - cookies, batata frita, pretzels, etc a vontade.

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

Viajei de Continental em dezembro de Houston para NY. Na ida teve um sanduiche gostosinho ate...fiquei surpresa...na volta vi todo mundo comprando sanduíche no aeroporto e pensei...que besteira...mas não tinha comida na volta mesmo! Não sei o critério...se era hora do almoço ou não...

Denise Mustafa

minha nossa senhora, que loucura!
pior coisa que tem é viajar no desconforto!
se pelo menos a viagem custasse 5, 15 euros (como acontece com as low costs e vc não pode meeeesmo reclamar), tudo bem! Mas pagar caro e ainda ser mal-tratado.. tenha dó!

Luciana Bordallo Misura

Riq, como comentei aqui na epoca que voce falou desse voo da USAirways, eu tinha ja comprado as nossas passagens. Estamos no Rio, viemos de USAirways e a minha experiencia foi parecida com a da Elisa. Nos voltamos pra Austin na quinta proxima e estou esperando como vai ser esse voo pra escrever no blog a respeito. Mas foi assim tambem: aviao velho com "cinemao" - tela unica na frente, um filme apenas, minha mesinha quebrada, tripulacao que nao falava portugues e so tinha um comissario brasileiro (carioca gente boa por sinal) e o pior: a luz do corredor onde eu estava nao apagava, entao o voo inteiro o aviao estava com as luzes apagadas pras pessoas poderem dormir e a luz do pedaco onde eu estava nao apagava. Infelizmente nao levei aquela mascarazinha de colocar nos olhos dessa vez e claro que eles nao dao, entao nao consegui pregar o olho a viagem inteira.

Arthur | Agora Vai

Gente, já disse, infelizmente o tempo do glamour nos aviões acabou. Vejam "Prenda-me se for capaz", com DiCaprio e Tom Hanks, como os pilotos eram idolatrados na década de 60. Lembrem que o Electra da ponte aérea tinha até um lounge na parte de trás, onde se podia conversar, beber, fumar... Hoje avião é busão, cata-corno. Tudo tem sua contrapartida; não há equação mágica: na citada época do glamour, as passagens eram caríssimas; hoje são baratas, mas...

Jorge Bernardes

Tem muito exagero nesse relato.
Concordo com os pontos sobre a manutencao da aeronave, mas infelizmente isso acontece com todas as cias aéreas...
Por que será que os brasileiros seguram braços e batem nos ombros das comissárias? Não seria mesmo falta de paciência e educação. Alguém aqui no Brasil gosta disso?
Os brasileiros se comportam, na média, muito mal. Ao olhar estrangeiro (e de muitos brasileiros também), somos um povo muito mal educado.
Por que não pedir o reembolso dos USD5 se o sistema de som não funciona. Eu já passei por isso na própria AA (O McDonalds dos ares) e me devolveram prontamente. Ela pediu?
Não dá para esperar que vc vai pagar menos de 1000 usd para viajar no período mais disputado do ano e ainda esperar que a comida seja grandes coisas... Nao existe comida bacana em avião, simples assim. Nao existe passagem barata nem em low cost nessa época do ano.
Se a tripulacao falava em inglês e português com os passageiros sobre o atraso, entao qual era o problema?
Os comentários sobre a manutenção, procedimentos de conexao e atraso do avião são pertinentes, mas, infelizmente, poderiam ser de qualquer outra cia.
CO e DL, pela minha experiência, foram melhores que a AA, UA, mas se o dia for de azar, acho que todas serão iguais.
E só vai ficar cada vez mais chato voar para os EUA. Temos que nos preparar e sair de casa calminhos e obedecer as regrinhas!

Zé
PermalinkResponder

Concordo, Jorge! mrgreen

Rodrigo Z.
Rodrigo Z.PermalinkResponder

Muito interessante, este post. Tinha grande curiosidade de saber como é o atendimento da US. Fui comissário e vivenciei situações que hoje me fazem saber, em parte, como são os dois lados citados na postagem: da tripulação e dos passageiros. Mas não é essa a motivação do meu comentário. Quero contribuir com um relato da minha experiência com a Continental Airlines. Viajei com eles de GIG para EWR via GRU e fiquei impressionado com a organização e o bom atendimento, além do excelente estado das aeronaves. Mesmo quando são os velhos B767-200, o interior é modernizado para os padrões do B777, tanto visualmente quanto no quesito entretenimento, com PTVs e telefone em cada poltrona. Nota 10, inclusive para o preço. Outra coisa interessante que notei, apesar de isso variar conforme a escalação, foi a integração entre os tripulantes. Os comissários variavam, imagino, entre 20 e poucos e 60 e tantos anos, todos simpáticos. Fica a dica e uma alternativa aos maus serviços da US!

Lucia Malla
Lucia MallaPermalinkResponder

Rodrigo, das empresas americanas, a Continental é de longe a minha predileta. E é a empresa número 1 para carregar uma bagagem pra lá de frágil: os animais de estimação.

Lena
LenaPermalinkResponder

Lembrei de uma professora de francês que tive, particular. Ela dizia que quando chegou ao Brasil se assustou com o hábito das pessoas abraçarem e darem tapinha nas costas. Ela sempre se perguntava: "Por que eles me batem??" . Criou tamanho trauma que não estendia mais a mão para cumprimentar, de mêdo que na seuqência viesse o abraço e os tapinhas...
Bem mencionado pelo Jorge. Hábitos diferentes, comportamentos diferentes...
Eu não conheço a US Airways, mas DETESTO a AA. Assentos que não reclienam, serviço péssimo e antipático, falta de ar na aeronave, etc. Dos vôos que fiz para os EUA a melhor experiência foi na continental. Não sei se mudou, mas na época eu recomendava fortemente.

Fabio
FabioPermalinkResponder

E lamentavel isso tudo, mas viajei de DELTA dia 23dez e foi a mesma coisa. Aeronave muito velha, nem TV individual tinha. Comida péssima e atendimento sofrivel. VIVA A TAM!!!

Maria Célia
Maria CéliaPermalinkResponder

Puxa, eu já voei algumas vezes pela AA e nunca tive qualquer problema. A tripulação não é um exagero de simpatia, mas é ok. A comida não é boa, mas também não é intragável... enfim: nada de tudo de bom nem nada de tudo de ruim... de qualquer forma, o atendimento do call center da AA aqui no Brasil é espetacular. O único call center que tem atendentes que sabem do que estão falando e passam a informação com segurança e precisão. Quando precisei utilizar milhas, reservar voos etc etc, sempre fui muitíssimo bem atendida e orientada. Quanto às comissárias que não gostam de serem tocadas, eu tendo a defender os brasucas mesmo. Acho que a gente já se sujeita a muuuita coisa lá fora, tentando se encaixar no que os americanos entendem ser o padrão ideal de comportamento, falar a língua etc etc, agora, na cia. aérea o passageiro é CLIENTE e, como tal, merece ser bem tratado. Se a pessoa vai trabalhar em um voo que venha para o Brasil, ela tem que ser flexível e entender que aqui no Brasil tocar não é uma ofensa, menos ainda uma ameaça. Desde que o indivíduo não seja agressivo, é lógico, não acho que a comissária tenha o direito de pedir "don´t touch us" porque isso sim, é muita grosseria.

Ricardo Freire

Hehe, eu entendo os que dizem que nós não nos comportamos.

Mas concordo com a Maria Célia -- ir ao microfone para dizer DON'T TOUCH US! é meio de última. A tripulação panicou.

Não quer brincar, não desce pro play mrgreen

Paula Cristina Dias da Rocha Bicudo

Essa última frase sua Riq, me lembrou do meu último ano de Faculdade quando tínhamos que dar plantões trash no PS do Hospital das Clínicas. Quando alguma das mocinhas em treinamento(nós) chorava ou panicava no meio dos baleados, esfaqueados e afins, tinha um cirurgião velhão, professor, que gritava "Ah, não aguenta? Por que veio?" hehehe. Simples assim! Virou meu mantra....

Priscila (Inquietos)

Riq, numa frase você resumiu tudo que eu quis dizer lá em cima: Não quer brincar, não desce pro play.

Maria Célia, concordo plenamente. Num voo não estamos nem num país nem no outro. E nós somos os clientes.

ronnie
ronniePermalinkResponder

e que tal uma campanha viral para a U.S air? Vamos enviar e-mails para eles com o título Don´t touch us!

Marilia Pierre

E se você não consegue se comunicar verbalmente com alguma comissária? Se você tem conhecimento zero de inglês? Como se fazer entender, para ser atendido?
Há tantas nuances de comportamento que permitem o toque para a comunicação que não acho aceitável, não acredito que diferenças culturais cheguem a esse ponto.
Tolerância zero é igual a intolerância 100%

Camilla
CamillaPermalinkResponder

Para os EUA eu já fui de AA e TAM. Lá dentro já rodei de Delta e USAirways. Nos vôos internacionais, o menos pior com certeza foi pela Tam, a aeronave tava bem bacana e a tripulação bem legal e uma comida até decente, o que matou o vôo foi ter sido por Manaus, credo!!!! nunca mais...
Já a AA, acho que o comentário padrão é - tá, paguei, agora coragem, daqui a pouco chega... hehehe... acabei ficando com uma impressão bem ruim deles, uma certa grosseria por parte da tripulação e as aeronaves bem fuleirinhas.
Já a Delta no vôo dentro dos EUA achei muito boa, mesmo. Tenho a impressão que pode ser porque as outras são muuuuito ruins, inclusive a louca da USAirways!
Agora convenhamos, ficar pegando nas pessoas pra falar é um péssimo hábito, se eu não gosto, imagino os neuróticos americanos treinados para o anti-terrorismo...
beijinhos

Júlio
JúlioPermalinkResponder

Maria Célia ,Marilia Pierre, Priscila,Paula Bicuda e outros tantos concordo com vcs.Somos clientes educados e ninguém está ali free.A frase do Riq foi definitiva.E eu lá estou afim de encostar em alguém sem mais nem menos.Eu e ninguém,né.

Júlio
JúlioPermalinkResponder

Paula Bicudo.

Regis
RegisPermalinkResponder

Passei por uma situação parecida na KLM, na saída de Guarulhos. Os comissários ficaram irritadíssimos porque muitos casais e famílias queriam trocar de assentos para poderem sentar na mesma fileira... Coisa típica de brasileiro, que acabou atrasando o vôo. Nesse caso, me solidarizo com os comissários. Se não reservou assentos pra família com antecedência, paciência, senta e fica quietinho!! Depois, com o vôo em curso, vê se pode mudar de lugar. É sempre assim, uma minoria acaba prejudicando a maioria...

Priscila (Inquietos)

Regis, ano passado fiz vários voos para a Europa e viajava sempre sozinha. Em todos os voos sempre eram os europeus que me pediam para mudar de lugar. Quando eu estava na janela ou corredor, não cedia de jeito nenhum.

André Lot
André LotPermalinkResponder

Adoro esses posts de "filosofia de viagem". Vou dar meus pitacos. Moro atualmente na Holanda e já tive minha boa dose de andanças transatlânticas.

TOQUE - É uma excentricidade latina. Em quase todo o resto do mundo desenvolvido/ocidental/civilizado tocar pessoas estranhas é visto como algo grosseiro. E eu me solidarizo com comissários de vôos que são responsáveis por TUDO o que ocorre em uma aeronave, de socorro médico para vítima de infarto a monitoramento de possíveis terroristas, passando por combate a incêndio e passageiros fora de controle. Lembre-se que o vôo de ida ocorreu um dia após o quase-atentado em Detroit.

IDIOMAS - Gostemos ou não, o inglês é o idioma internacional semi-oficial. É muita pretensão esperarmos uma passagem barata e um vôo cheio de comissários brasilerios em uma cia. que faz só uma rota diária para o Brasil. Se é tão importante voar com uma aeronave "com a cara do Brasil", é só pagar mais caro e voar pela TAM.

O "JEITINHO" A BORDO - Mais uma vez, me solidarizo com os comissários. Brasileiro adora querer trocar de lugar (reservar assento que é bom nada), e já vi muito mini-barraco por aí. Eu sempre viajei sozinho, e sempre reservei (às vezes pagando por isso) assento no corredor, na fileira externa. E em 80% dos casos em que alguém tomou meu lugar e não queria sair eram brasileiros, dizendo "ah, mas eu to aqui com meu namorado e vc pode sentar ali naquela poltrona do meio". Sou paciente, mas instranigente: bebo muito líquido e vou muito ao banheiro, daí não aceito trocar de lugar exceto uma única vez em que uma pessoa com deficiência visual viajaria separada. Brasileiro também gosta de se amontoar na saída de emergência pra conversar, recusar a sentar e colocar o cinto quando o aviso é aceso durante o voo etc.

GLAMOUR E SERVIÇO - Aqui, não há muito segredo. O preço real (descontada a inflação em dólar) das passagens internacionais é hoje cerca de 1/4 do que era na década de 1970, e todos os custos subiram. Alguém topa pagar US$ 3.000 por uma passagem de classe econômica melhorada pra ter o glamour de volta?

Thiago Parente

Concordo com todas as suas filosofias.

Rafael Sa
Rafael SaPermalinkResponder

Pra tudo na vida, TUDO, tem os dois lados da Moeda. Gosto e estudo muito sobre "atendimento ao cliente", minha tese de doutorado também é sobre esse tema. Na minha opinião, modesta, teria que haver bom senso dos dois lados. Sim, as aeromoças, mesmo viajando pra todos os cantos do mundo, deveriam saber que o público brasileiro é mais caloroso. Teriam de entender que nossos hábitos não são nada ofensivos e PRINCIPALMENTE que os "índios tupiniquins tocadores de pessoas" são, de todas as nacionalidades, os segundos que mais que gastaram nos Estados Unidos em 2008 e 2009 (somente atrás dos comedidos japoneses). Quem, atualmente, não se adapta rapidamente pra atender e se adaptar aos clientes que mais gastam? Pro nosso lado também sobra o dever de entender a paranóia, quase totalmente justificada, desse povo. Não é preciso dizer que em lugares públicos e cheios de gente, devemos ser também “profissionalizados” em comportamento pra não causar desordem. Poltrona de avião não é a rede do quintal de casa. É um lugar público, apertado e desconfortável por natureza. Não existe primeira classe que substitua o conforta da nossa caminha. rsrs
Minha experiência: Já voei em muitas européias, AA, Delta e as mais populares das Américas. A Tam vem melhorando seu atendimento a cada dia. Recentemente fiz um vôo Londres – São Paulo e o atendimento foi muito bom. Percebi que tinha esquecido meu casaco no balcão do check-in depois que já tinha passado no controle de passaporte. O atendente (David) que já tinha sido muito atencioso, me devolveu na hora que eu estava entrando no avião. Fiquei boquiaberto com tamanha atenção e é claro, com a boa memória do rapaz. Fora isso, todas as outras cia foram Padrão em atendimento, Aerolineas e Ibérias pouco piores, Air France e Lan melhores. Com exceção da Swiss. Desde que experimentei em 2007, só vôo com eles desde que o trajeto permita. Independente do preço. É totalmente diferenciado. Quem quiser saber me pergunte que eu detalho.
Vou voar pela primeira vez com a Continental em março e pelo que li aqui, fiz a escolha certa. Alguém mais comenta sobre esse cia?

jotaerre
jotaerrePermalinkResponder

Posso falar uma coisa?
O melhor café da manhã na classe proletária é o da AA.
Fzia tempo que não voava com eles.
Fiz JFK-GRU esta semana.
Café, suco de laranja, yogurt e croisant quente de verdade.
Sem omelete de plástico ou salsicha com batata a la pedrisco.
Abs

Cezar Queiroz
Cezar QueirozPermalinkResponder

Viajei com a minha namorada em um voo da US do GIG para JFK, com parada em CHT. Reitero todos os comentários e críticas negativas que fizeram à esta CIA e voo. Avião certamente mais velho da frota da US e com certeza mais velho do que qualquer aeronave das grandes operadoras brasileiras. Staff a bordo estremamente mal educados, destaque para o comissário brasileiro que ignorava solenemente seus conterrâneos, quando nos os hostilizava. Comida de escoteiro. 2 monitores para TODA a aeronave. Banheiros sujos. Avião 767, conhecido pelo seu desconforto a bordo.
Quando cheguei em CHT achei que ao viajar em um Embraer as coisas seriam, ao menos sob o ponto de vista do conforto, melhores. Contudo a aeronave era inacreditavelmente mais deteriorada que o 767.
Hoje não abriria mão de pagar 100 dólares a mais para ter 14 horas de voo dignas, conforme
e oferecido aos americanos pela mesma US Airways.

José Vitor Menezes

Viajei pela primeira vez com a Continental em setembro/09 para Nova York(EWR). Já fui pra os EUA com a TAM, AA e Delta (a pior de todas empresas que já experimentei) em outras ocasiões. Sem qualquer dúvida o voo da Continental foi o melhor de todos. Avião em excelentes condições, tripulação educada e amigável e comida honesta.Acho que quem voa para o exterior de classe econômica não pode querer refeições de primeira linha. Gostei tanto que em dezembro fui novamente para NY e novamente pela Continental. Outra vantagem desta companhia para quem vai a NY é o fato de chegar no aeroporto de Liberty em Nova Jersey, muito melhor que o JFK. Mais conforto, agilidade, limpeza e uma quantidade enorme de restaurantes e lojas nos terminais de embarque. O voo de setembro precisou atrasar, estava programado para 21:00 e só pode sair às 4:30 pois a tripulação precisava descansar o número de horas mínimo para poder voar novamente. Fui avisado com antecedência pelo telefone e quando cheguei em GRU fui encaminhado para um hotel em Guarulhos com refeição e transporte pagos pela Continental. Surpresa maior tive quando recebi em casa, dois meses depois, um voucher de US$125,00 da empresa para ser utilizado em outro voo, junto com uma carta pedindo desculpas pelo atraso. Inacreditável mas foi verdade. Meu irmão está indo para Orlando em fevereiro e por sugestão minha vai pela Continental.

Mira
MiraPermalinkResponder

Tenho viajado sempre que posso pela Continental. É a melhor entre as que vooam pros EUA na minha experiencia. O programa de milhagens é descente e depois que você entra na categoria Elite, tem várias vantagens que contam muito, como check in privilegiado, quem já ficou nas filas de GRU sabe.
No final do ano passado viagei pela Delta e atrasaram 15 das 16 malas do nosso grupo. Achei as aeromoças muito grosseiras também. Apesar do que, a AA ganha disparado no quesito grosseria. Para mim, esclarecendo, grosseria é o que vem sem razão, tipo esbarrão ou um tom aspero sem necessidade. Não toco em estrangeiros, já aprendi que nào gostam, qual o problema? Não vejo porque Não respeitar isso.
A TAM anda muito inconsistente. Um voo de executiva pra Bue foi maravilhoso, aeronave impressionante, o voo de volta foi horrível na mesma classe.
Acho que no geral voar exige muita paciencia. Quem conhece um pouco a vida de um comissário sabe que é dureza lidar com 90% das situaçoes que elem lidam todo santo dia. Tem muita gente mal educada voando, com a impressão, que só Deus sabe de onde veio, que está pagando portanto merece ser tratado como rei. Acho simples: compramos o transporte. Ele deve ser feito com segurança e pontualidade. Sabemos que não há mais muito conforto. Sabemos que o entretenimento é fraco. Sabemos que a comida é ruim. Mas queremos nos transportar, chegar a algum lugar. Se isso é feito sem sustos, com segurança e pontualidade, eu estou satisfeita. Se quero um pouco mais de espaço, sorriso e comida palatável, pago executiva.

Rafael Sa
Rafael SaPermalinkResponder

José Vitor e Mira. Obrigado pelas dicas da Continental. Concordo com vocês em Tudo. Genero, numero e grau.

Abs

Maria Célia
Maria CéliaPermalinkResponder

Eu não acho que só porque o sujeito está na econômica ele tem que engolir cara feia, falta de trato, grosseria. Eu concordo que não dá pra exigir luxo, glamour ou travesseiros de pluma de ganso, se você não pagou para isso, mas atendentes educados e aeronaves super hiper ultra bem cuidadas (questão não só de conforto, mas principalmente de segurança), é direito de todos os passageiros, independentemente de classe ou credo, rsrs.

A gente também tem que lembrar que as pessoas que "tocam" nos comisários normalmente o fazem porque (i) não sabem se expressar perfeitamente em inglês e utilizam-se da linguagem não-verbal para se fazer entender; (ii) nem descofiam que estrangeiro fica horrorizado com essa nossa mania "tupiniquim" e/ou (iii) força do hábito, toca sem nem se dar conta.

De qualquer maneira, ainda acho que falta treinamento ou boa vontade dos comissários em adaptar-se às diferenças culturais. O trabalho da pessoa é basicamente atender pessoas do mundo todo, então na minha humilde opinião, a habitilidade para se adaptar a diferentes culturas é essencial nesta profissão. É como o sujeito querer ser médico mas não gostar de ver sangue.

Além do mais, estrangeiro tem um monte de manias que para nós seriam grosseiras, mas pra eles são super normais.

E viva as diferenças, sem cara feia, nem malcriação!!! kkk

Paula*
Paula*PermalinkResponder

Uiii! Esse relato pra mim parece filme de terror!
Já não gosto de voar (medo que só é superado pelo prazer de viajar), com grosseria e avião precário...nem pensar!
Ótima dica pra não cair em furadas! wink

Ernesto, o pato

A ultima vez que eu me senti bem tratado num voo foi no da TACA para Lima, todos bem educados e querendo servir bem. No da Azul também tive boa impressão. Não é por estarmos na economica que temos que ser mal tratados, somos clientes e estamos pagando, mesmo que seja num low cost.... Viajar esta um suplicio... O ultimo voo foi na Copa. Pontos positivos foram a fila pequena no check in e que todas as malas chegaram em ordem. O espaço do assento era ruim, salvo no Embraer, que faz a rota Panama Porto Rico. A comida era razoável, mas mesmo sobrando bandejas os comissarios que eram bem grosseiros se recusavam a servir mais uma bandeja. Eles pareciam generais querendo mandar nas pessoas. Parecia que estavamos querendo sequestrar o aviao, e era apenas um bando de turistas e muitas familias.... Viajar de aviao não é mais um prazer....è algo apenas suportável se voce pode viajar de bussines, o que nao e meu caso. As cadeiras estão no limite da saude, provocando trombose, o ar irrespirável com o avião cheio (voces sabiam que a qualidade do ar e diferenciada entre as classes, e muito melhor na cabine do piloto? ) que é o que mais me incomoda... E, o Glamour que tinham os comissarios em regra é sublstiuido pelo "Ai que saco que voce veio", e nem sonhe em pedir alguma coisa extra... Quem sabe um dia voltem as boas companhias....

Eduardo Paci Galvão

Quero dar minha opinião também, visto que viajo com frequencia.

Em fevereiro fiz uma viagem saindo de BH e passando por Miami, San Francisco, Los Angeles, Hong Kong, Bangkok e Ho Chi Minh City (Vietnã). O melhor trecho foi BH-Miami, pela American, a melhor viagem que fiz até hoje! Mas os outros tb foram muito bons (pelas Cathay Pacific e Air Asia).

Mas, quero falar sobre o quesito segurança: nesta longa viagem, a fiscalização foi rígida, principalmente nos EUA. Mas, *pasmem*, o lugar onde houve o 'pior' tratamento foi no aeroporto de Belo Horizonte, onde funcionárias da American sequer deixaram minha esposa ficar ao meu lado enquanto eu fazia o check-in. PIOR: eram brasileiras, pode uma coisa dessa? Nos aeroportos americanos, nada disto ocorreu!

O mesmo ocorreu ao renovar meu visto no Consulado Americano em SP. Fui bem tratado, mas critico o tratamento dos funcionários BRASILEIROS com os próprios brasileiros, acho um absurdo isto!

Abraços a todos!

Ana C Brandao
Ana C BrandaoPermalinkResponder

Acredito que sim, existem muitos Brasileiros mal-educados e grosseiros.
Mas NADA justifica grosserias de comissarias.
AS COMISSARIAS SAO PAGAS para nos atender, entender que cada pais tem sua cultura e eh inaceitavel um comportamento como o relatado. Eu jah risquei a US Airways do meu caderninho......

Ana C Brandao
Ana C BrandaoPermalinkResponder

Ah, soh mais dois comentarios que esqueci:
Viajei para NY pela Delta e achei o atendimento bem razoavel, portanto eh possivel sim a comissaria americana nao ficar com grosserias e nojinhos para cima de passaheiros
E low cost nenhuma justifica falha em cinto de seguranca e todo o absurdo de falhas relatados. Tranportar malas, comida ruim, barrinha de cereal...tudo OK. Servico ruim, NAO!

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Não adianta reclamar, depois do recente caso do terrorista do banheiro a tendência é piorar, sinto saudades dos tempos em que a aviação era glamourosa e para poucos mesmo que eu quase nunca pudesse voar, mas hoje é mesmo na base do desconforto, paranóia e "aperta que dá" (exceto para quem paga um absurdo pelas classes mais altas e mesmo assim não se livra de tudo), concordo que tem muito passageiro mal-educado, querem que entendam o lado deles mas não fazem o mínimo esforço para entender o dos funcionários.

Leandro
LeandroPermalinkResponder

... E concordo que um avião bem cuidado e comissários educados na medida do possível é o mínimo que deveriam forncer, mas como o público em geral aceita voar em aviões velhos e eventualmente ser tratado de maneira ríspida sem ter feito nada para merecer isso o problema vai continuar, pois duvido que "pegue" algum boicote contra certas companhias, necessidade/desejo de viajar falam mais alto.

Juliano
JulianoPermalinkResponder

Irei para São Francisco e estou em dúvida entre a US Airways e a United...

Qual das duas é menos pior?

Alguma tem video on-demand (monitores nas poltronas) na classe econômica?

Fernando
FernandoPermalinkResponder

Olá pessoal,

Apesar de o Ricardo Freire (dono deste site) não ter respondido às minhas dúvidas (por e-mail) quando eu estava para viajar para os EUA, vou aproveitar este espaço, mesmo assim,

para compartilhar a experiência que tive, em Janeiro/2010, onde fiz o trecho Rio->Charlotte->San Francisco (GIG->CLT->SFO), voando pelas US Airways.

Acredito que muitas pessoas terão as mesmas dúvidas e por isso, vou colocar aqui tudo o que lembro neste momento. Oportunamente vou incluindo mais coisas.

1) O Vôo para Charlotte pela US Airways (US 801) tem saída marcada às 22h55m, ultimamente. Com quanto tempo devo chegar no aerporto?

Se você não conhece o aeroporto do Galeão, sugiro que você chegue com antecedência de 3h. Isso incluiu não só o tempos das filas, mas para imprevistos que sempre ocorrem

conosco.

O aeroporto do Galeão tem 2 terminais. O terminal de embaque da US Airways é no Terminal 2.

Eu fiz o check-in no balcão da US Airways às 20h30m. Fui orientado para eu já me dirigisse ao portão de embarque antes das 21h, visto que muitos vôos internacionais saem à

noite.

Minha sugestão é que vocês SIGAM esta recomendação, sim, pois a fila para o portão de embarque realmente ficou imensa (+ ou - 100 metros) por volta das 21h em diante.

Infelizmente eu havia esquecido de declarar um laptop da empresa onde trabalho e naquele momento ainda tive que procurar a Receita Federal, que fica no Terminal 1. Levei quase

50 minutos para tanto. Detalhe, o guichê da Receita fecha às 22h.

Assim, quando voltei ao portão de embarque, às 21h30, a fila era imensa: mais de 100 metros

Chegando o portão de embarque, você ainda passará pela fila do raio X e, por fim, pela fila da Polícia Federal.

Por isso, ressalto, se você não quer passar sufoco ou ficar com a sensação de que vai perder seu vôo das 22h30, 23h, encaminhe-se para a fila do portão de embarque por volta das

21h.

2) Sairei do Rio e farei conexão em Charlotte. Meu tempo de conexão para outras cidades nos EUA é torno de 1h30, 1h45, 2h... Há tempo suficiente?

Se o avião sair do Rio no horário, com tolerancia máxima de atraso de 30 ou 40 minutos, a resposta é sim.
Nestes últimos tempos, este trecho (GIG->CLT) tem saída marcada às 22h55m e chegada em Charlotte às 6h00m (hora local).
Meu vôo saiu às 23h20m e chegou Charlotte às 5h50m.

3) Dizem que este voo da US Airways (US 801) é o primeiro vôo que chega em Charlotte, sendo portanto mais rápido fazer imigração e passar pela alfândega. É verdade?

Sim. Ultimamente tem sido assim. Mas verifique se isso ainda continua valendo. Como disse acima, meu vôo chegou às 5h50m e tivemos que esperar exatos 10 minutos para que os

funcionários da alfândega em Charlotte dessem início às suas atividades, às 6h00m da manhã.

Dica #1: Procure monitorar os vôos que chegam em Charlotte pelo site do próprio aeroporto: "http://www.charmeck.org/Departments/Airport/home.htm". Vá atè as opções de

Arrivals/Departures e acione o monitoramento do vôo desejado para que você receba informações via e-mail se o vôo chegou/saiu em tempo ou não.
Fiz isso durante 5 dias antes de minha viagem e pude perceber que os vôos até Charlotte chegavam em tempo e os vôos da minha conexão para San Francisco também.

Dica #2: Quando o avião chegar em Charlotte, procure não perder tempo. Pegue sua bagagem de mão e já procure se posicionar para sair o mais rápido do avião. Encaminhe-se para a

fila da imigração (siga a placa de "foreigners" e não de US Citizens) e pronto.
Comento isso, pois um brasileiro que acabei conhecendo por lá (indo para San Francisco também), conseguiu imigrar e embarcar em tempo, porém suas malas não chegaram até San

Francisco. E sabem porquê? Pois, por infelicidade, ele sentou nas últimas poltronas do avião e, por isso, naturalmente ele demorou para fazer a imigração e só lhe restou correr

para não perder o vôo.
Quando nós chegamos em San Francisco, ele estava com uma notificação da US Airways, dizendo que suas malas não vieram.

Dica #3: Procure NÃO sentar nas últimanãooltronas.

4) E as malas? Elas seguem direto/automaticamente para o meu destino final ou tenho que pegá-las e despachá-las novamente?

Você tem que pegá-las e despachá-las novamente. Mas não se preocupe, pois o processo é mais fácil. Depois de passar pela imigração, você não sairá no portão de desembarque para

fazer novo check-in no balcão da US Airways. Na verdade, os passageiros ficam num setor separado onde pegam suas malas no carrossel/esteira e já entregam suas malas para

funcionários do aeroporto. Vocês saberão como e onde fazer isso.

5) E depois das malas? Para onde eu vou?

Você será encaminhado para o embarque doméstico, caso seu destino final não seja Charlotte.
Como meu destino era San Francisco, após entregar as malas, me direcionei para o piso imediamente superior (passando por escadas rolantes). Neste momento você passará pela TSA

(novo serviço de segurança americano implantado após o 11 de Setembro. Basicamente, você vai passar pelo raio X, tirando seus sapatos, agasalhos, retirando laptops (se tiver) e

etc.

Feito isso, procure sua asa de conexão. Em Charlotte há 5 asas. A, B, C, D ou E. No meu caso, me encaminhei para o portão B12 (Asa B, portão 12)

6) Como é voar pela US Airways? Precisando de ajuda, eles são solícitos? São simpáticos? Como é o serviço?

Como este trecho Rio->Charlotte começou a operar em Dez/2009, muitos brasileiros estão viajando sim. E para nossa sorte e, digamos, conveniência, há 1 comissário brasileiro ou

português presentes neste vôos (de ida ou volta). Além disso, outro ponto é que as apresentações em vídeo têm dublagem em português.

As aeronaves não são novas, mas também não são velhas. São Boeings 767.

Os comissários americanos são daquele padrão já comentados por aqui. Não são dos mais simpáticos. Obviamente só falam em inglês e caso você não entenda alguma coisa, eles vão repetir, é claro, mas não procurarão facilitar.

Eu falo bem inglês, mas percebia que meus compatriotas eram um pouco desrespeitados ou, de certo modo, ignorados.

Compreendo o que uma pessoa postou acima, dizendo que temos que respeitar a cultura de outro país, aprender como eles agem, mas lhes afirmo que os comissários americanos não estão ali para prestar um bom serviço ou agradar. Eles estão ali para cumprir suas tarefas de modo regular. Se você gostou tudo bem, se não gostou, é a mesma coisa.

No geral, para tentar receber um serviço razoável, procurei ser gentil com os comissários, lhes mostrando um sorriso, agradecendo-lhes com um "Thank You", às vezes um "Thank you very much". Isso funcionava, no geral. É complicado, mas temos que ser humildes nessas horas. Afinal, você já não está no seu país.

É isso pessoal, meu tempo acabou por aqui.

Em breve, posso voltar e contar mais.

Espero que ajudem. Tenho certeza que sim.

Abraços,

Fernando

Ricardo Freire

Rapaz, não recebi email nenhum seu. E mesmo se tivesse recebido, não respondo nada por email. Tenho o blog exatamente para isso.

Respondo perguntas aqui no blog com a maior boa-vontade. Caço perguntas antigas e tudo. De vez em quando alguma escapa, mas duvido que você encontre muito blogueiro por aí que responda tantas perguntas tão rapidamente.

Eu, hein...

Paulo Moreira
Paulo MoreiraPermalinkResponder

Fernando, como são os assentos ? O que foi servido no jantar ? Existe tela individual ou é em grupo ?

Fernando
FernandoPermalinkResponder

Hey, Ricardo! Não fique assim. smile

Veja pelo lado bom. Mesmo você não respondendo meu e-mails (Ok, agora sei que você não responde e-mails), eu ainda postei muitas informações importantes acima. Descrevi toda a minha viagem para que outros também tenha sucesso, assim como eu tive.

Pense nisso. Eu estou ajudando e contribuindo com o seu site. Aliás, eu ainda lhe dou audiência na BandNews quase que diariamente, por onde eu descobri seu site.

Aliás, sugiro uma coisa para ficarmos OK e principalmente para que toda a informação que coloquei acima (sobre a viagem da USAirways) não seja desfocada por estes nossos replies: Tente retirar o seu comentário acima, bem como esta resposta que eu escrevendo agora.
Simplesmente, retire-a.

No meu lado, eu também posso retirar a sentença onde eu escrevi que você não respondeu meus e-mails.

Assim, deixamos SOMENTE a informação sobre a USAirways e boa.
Este é o principal que quero focar. Ajudar.

Pode fazer isso? Acho que sim, já que você deve ter uma ferramenta ágil para editar/apagar...

Vai ficar bom. E sorry for any incovenience.

Fernando

Alvaro Linhares

US Airways nunca mais.Estive a infelicidade de estar no voo 801 quarta 10/02 e no voo 9015 quinta 11/02 tentando ir para Charlotte.
Esses cara s são uns irresponsaveis tendo em vista o que se tornou publico o retorno consectivo dos dois voos por problemas elétricos e aquecimento na cabine.Ver meu filho falar que estava passando mal e tentar chamar um comissário que passou apavorado correndo é uma experiência que eu não quero para nimguem.Eles foram desclassificados quando uma aeronave estava sendo preparada para nos levar pela segunda vez e de repente o porta-voz da empresa disse que recebeu ordens para passar aquela aeronave para os passageiros do dia seguinte e que o comandante estava testando a aeronave do dia anterior voo 801 para que nós pudéssemos ir em segurança.Todos duvidaram mas a vontade de viajar contra a decepção de não ir foi maior.Fora sua filha adolescente chorando porque eu dizia que aquilo era um sinal para não irmos.Uma observação eek teste foi feito sómente na pista do aeroporto e não voando???Alem do atraso de 3hs ,não deu outra ,após 1h de voo um calor intenso era exalado dos insufladores de ar que supostamente eram para estar refrigerando .eu senti tontura e meu filho de 11 anos começou a ficar pálido e dizer que estava com falta de ar.foi uma situação revoltante!!USAIWAYS NO

Rosana
RosanaPermalinkResponder

Olá Ricardo...Essa é a primeira vez que escrevo em um Blog mas tive que fazê-lo para parabenizar pela paciência e dedicação que tem com pessoas que vc nem conhece (pessoalmente) inclusive ter que aguentar grosserias como a desse tal de Fernando(!!!). Mais uma vez agradeço em nome de todas as pessoas que tem um mínimo de educação (e postura) pelos conselhos que você vem dando ao longo desses anos, pois leio sobre suas dicas desde a época que escrevia na revista Viagem...

WJunior
WJuniorPermalinkResponder

Nunca mais e sempre farei campanha contra essa companhia!

Peguei o mesmo avião da amiga do Ricardo

A mesa quebrada, poltronas sem cints de segurança, e parte do avião se som, mesmo muitos comprando o fone.

Comissários rudes, mal educados, em nada ajudava

Prefiro pagar um pouco mais e ter um mínimo de conforto.

carlos alberto dias de campos

Aivão com ar-condicionado em pane, ar rarefeito, pessoas passando mal, crianças em estado de pane, ansiosas, se configura quase como uma emergência, ainda mais comissárias correndo desvairadas, casao retorne ao aeroporto deorigem, dirija-se a uma sala da ANAC e num formulário próprio narre os fatos graves, peça cópia, escreva p/ o Ministro da Defesa,p/ O Ministério da Defesa, denuncie tais fatos, mande um e-mail p/ SIPAER, vá a uma sala de tráfego, deixe os fatos em um livro de reclamações, e-mail p/ ANAC, Sindicato das Empresas Aéreas, use todas as formas oficiais p/ deixar em documentos fatos desta gravidade, colocando o vôo em risco, pane geral a bordo, etc...Denuncie, Denuncie, só aqui no blog, fica por aqui nossos aís, nossas dores, stress, medos, panes, e vamos todos parrar no psiquiatra, é coisa séria, ainda mais se tratando de crianças em tais eventos traumáticos, nada de aceitar 100 dólares, milhas, um lanchinho, queremos SEGURAÇA emprimeiro lugar, falar em aviação , o primeiro ítem chamamos de segurança,tudo o mais vêm depois, o mais importante que o cliente , é a SEGURANÇA, em grandes empresas estes documentos irão para numa reunião de OCC (Operations Control Center), numa comissão de não-conformidades,num CAC - comissaõ de ação corretiva, identificando as causas e corrigindo-as, e quanto a funcionário desrespeitosos,rudes, falta-lhes o dom de "servir",pois a qualquer hora eles estarão sendo clientes,mesmo porque voam por outras empresas em férias e de graça, estes não têm espirito de "serviço", ponto final.

Virginia Tavares

Mes passado, depois que comprei as passagens pela US Airways (preço ótimo), vim para a internet fazer uma pesquisa sobre esta empresa. Estou apavorada ! Inclusive lí um comentário dizendo que a rota RIO/Charllote é suicida !?! Perguntei para quem escreveu isto e ele não me respondeu... : ( de qualquer forma já aumentei meu seguro de vida. Mas continuo apavorada. Fernando, inprimí tuas recomendações para levar comigo. Se vc puder me escrever - ou outras pessoas - agradeço. Só viajarei mesmo pq preciso ir. Será que devo trocar de empresa a uma altura dessas ? Viajo no proximo dia 29/6... meu Deus ! Bjs

Ricardo Freire

Virginia, não me parece que tenham caído aviões da companhia. Ficar em casa é potencialmente mais perigoso.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar