2 países, 3 barcos, 4 ônibus: como é o Cruce de Lagos

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Pelo lago Todos los Santos, no Chile

O Cruce de Lagos é o jeito mais estrepitoso de viajar entre Bariloche e a região dos lagos andinos chilenos (Puerto Varas e Puerto Montt). Opera nas duas direções, leva o dia inteiro (das 7 da manhã às 7 da noite) e não é barato: custa a partir de US$ 230 (na tabela de 2016). De ônibus comum a travessia custa meros US$ 27 e leva 5 horas. Vale a pena? Primeiro eu vou contar a viagem; no final eu teço minhas considerações (e abro a caixa de comentários para as suas, claro).

Os tickets das bagagens

O ônibus passou às 7h30 (a previsão era 7h15) no nosso hotel em Bariloche, o Design Suites, a 2,5 km do centro, já a caminho de Puerto Pañuelo, de onde sairia o primeiro barco. Nossas bagagens foram etiquetadas na hora.

Amanhecer em Barilôtche

O amanhecer estava um espetáculo. (O estranho é que nesse fim de verão/princípio de outono amanhece muito tarde, tipo 7h15, e escurece muito tarde também, tipo 20h15. Acho que esse horário está errado; tinha que ter uma hora de fuso de diferença do Brasil.)

A bagagem entrando no primeiro barco

Em vinte minutos chegamos a Puerto Pañuelo, o porto em frente ao hotel Llao Llao de onde saem os passeios pelo lago Nahuel Haupi. Não precisamos nos preocupar com as malas; como em todas as etapas do périplo, elas são manipuladas pela equipe do Cruce.

Dentro do primeiro barco; o Eduardo ao microfone

Embarcamos numa lancha enorme, com janelas panorâmicas. Éramos poucos (coubemos em apenas um ônibus). Tivemos a sorte de pegar um guia talentoso, o Eduardo. (Pensei que tivesse sido o mesmo que a Carmem Silvia e a Ana pegaram, mas o delas era chileno; o meu, argentino.)  O cara não soa como um folheto de secretaria de turismo -- ele narra a viagem com informações relevantes e comentários inteligentes. Ele deve dar esse mesmo texto há anos, mas a prática parece tornar a sua apresentação mais leve e fluida (e não cansada e burocrática). A atuação desse Eduardo era tão boa que estava me fazendo rever (pre)conceitos sobre excursões guiadas em grandes grupos.

Pelo Nahuel Huapi

A primeira etapa lacustre percorre o braço menos navegado do lagão Nahuel Huapi. Os barcos que partem do Puerto Pañuelo normalmente vão para a ilha Victoria e para o Bosque de Arrayanes (não encontrei a denominação destas árvores em português -- arraiães?; o nome científico é luma apiculata), ambos para os lados de Villa La Angostura. O barco do Cruce vai por outro lado, pelo braço Blest, na direção oeste. Ao passar pela ilha Sentinela, onde estão os restos mortais de Perito Moreno (sim, o do glaciar), o capitão soa o apito.

Puerto Blest

Depois de 1h20 de travessia, desembarcamos em Puerto Blest, numa baiazinha de tons esverdeados devido às águas que vêm do verdíssimo lago Frías, pertinho dali.

Os micros entre os dois portinhos

10 minutos mais tarde subimos em dois microônibus para uma besteirinha de 10 minutos de estrada de terra até o próximo porto: Puerto Alegre.

Puerto Alegre (não, o lago não é o Guahyba)

Ali pegamos uma charmosíssima lancha de madeira para meia hora de travessia pelas verdes águas do Lago Frías. O céu deu uma nubladinha, mas o Eduardo garantiu que éramos sortudos -- ali é o ponto mais chuvoso da Argentina, e é raríssima a vez em que o cruce não passa por ali debaixo de chuva.

O novo barco

Pelo lago Frías

A descida em Puerto Frías nos reserva a primeira parte chata da viagem: a passagem pela imigração argentina. Como no nosso caso a parada é para sair do país, bastou apresentar a ficha de imigração preenchida; não foi necessário abrir mala nem nada.

Puerto Frías

Nesse momento há a troca de guarda da liderança da expedição. O guia argentino (o elogiado Eduardo) volta para a Argentina, e seguimos com um guia chileno (tivemos o azar de pegar um certo Jaime). Subimos no terceiro ônibus do trajeto, para percorrer a mais antiga passagem entre as Patagônias argentina e chilena, aberta há séculos pelos indígenas da região e posteriormente aproveitada por missionários e colonizadores.

Hasta luego, Ar-rentina

Ôla, Tchile!

O ônibus faz uma parada simbólica no exato ponto da fronteira: Parque Nahuel Huapi e Argentina de um lado, Parque Vicente Pérez Rosales e Chile do outro. Eu poderia brincar de ficar fazendo ziguezague entre os dois países -- um passo e estou no Chile, um passo e volto pra Argentina --, mas a verdade é já faz três semanas que estou fazendo ziguezague entre os dois países a sério.

O céu limpou em algum momento dos 45 minutos de viagem, e perto do fim do caminho pudemos avistar o lado chileno do Cerro Tronador, a maior das montanhas da região. Pena que a qualidade da narração tenha diminuído: o texto agora parecia decorado; era repetido sem entusiasmo ou autoridade.

Cerro Tronador

Esta etapa termina num lugar que os argentinos chamam Peúja, os chilenos, Peúia, e ambos escrevem Peulla. É, sob todos os ângulos, o ponto baixo da expedição. Primeiro, porque você fica pelo menos 45 minutos na fila da imigração chilena. Depois de pegar o carimbo no passaporte você precisa reconhecer sua bagagem (que já estará no recinto, trazida pelos carregadores do Cruce) e levar as malas à mesa de inspeção, onde todos os volumes serão abertos e tateados à procura de frutas, laticínios e carnes que possam ameçar a agropecuária chilena.

Estão fazendo a parte deles, e não temos razão nenhuma de reclamar.

Mas não é por isso que o Cruce de Lagos precisa nos obrigar a ficar mais três horas e meia nesse fim de mundo. Peúja, Peúia ou Peulla deve querer dizer, em mapuche, "lugar sem nada o que fazer e com comida muito cara". Existem dois hotéis por ali, um 3 estrelas, e outro mais metido; só o de luxo fica aberto na baixa temporada. O preço do menu do almoço? Quarenta dólares! Um assalto! (Se é pra pagar quarenta dólares para comer, fora a bebida, então fico em São Paulo mesmo, concorda?) Escolhemos dois pratinhos do cardápio mesmo, e nos foi servida a comida mais sem-graça da viagem. Comemos beeeeem devagarzinho, e mesmo assim depois do café ainda tínhamos uma hora e meia de chá de cadeira por ali. Se você é propenso à depressão e pára ali num dia chuvoso, a possibilidade de amarrar uma pedra bem pesada à perna e se atirar no lago é bastante alta.

Chá de banco: 3 horas e meia em Peúia

Sério: essa parada em Peúja-Peúia-Peulla é um pecado mortal de timing. O passageiro vem de duas sessões chatas de imigração e -- o que o Cruce de Lagos serve como compensação? Uma parada caça-níquel. Por que demora tanto? Porque a continuação do passeio é feita na companhia do povo que veio do Chile para passar a tarde nesse lugar sem nada pra fazer, e precisa de mais tempo para não fazer nada antes de voltar.

(Atenção: no inverno o Cruce é feito com pernoite em Peúja-Peúia-Peulla, porque não há luz para fazer toda a travessia num dia só. Mas pelo menos nesse caso você tem uma cama para descansar.)

Mas finalmente em algum momento o relógio deu 4 da tarde (tínhamos chegado às 11h30 na imigração chilena...) e o nosso catamaranzão partiu (com o nosso grupinho e a multidão que veio de Petrohue para não fazer nada). Naquele momento o céu estava magicamente azul, uma raridade absoluta nos lagos chilenos.

O catamarã

Podíamos ver o tom esmeralda do lago Todos los Santos (foi avistado pela primeira vez num 1º de novembro) e dava para esperar que o vulcão Osorno nos aparecesse em todo o seu esplendor. Não havia mais a narração instrutiva-divertida do Eduardo, mas tudo bem: a paisagem era linda demais.

Verde-água no Todos los Santos

Só que...

Descobri -- tarde demais -- que no fim da tarde o sol, que se põe no oeste, está iluminando o outro lado do Osorno, voltado para o lago Llanquihue. E que nós, atravessadores vespertinos do lago Todos los Santos, temos que nos conformar com a silhueta do vulcão no contraluz.

Osorno no contraluz I

Osorno no contraluz II

Osorno no contraluz III

Snif.

Essa terceira (e última) etapa de navegação dura 1h45 e nos deixa num porto em Petrohué. Ali precisamos reconhecer as malas e conduzir a bagagem até o ônibus designado para o grupo.

Último ônibus da maratona

60 km separam Petrohué de Puerto Varas. No caminho ainda estava prevista a parada para ver os Saltos de Petrohué, cachoeira que consta de toda lista de must-sees da região. A caminho de lá, porém, algo muito mais importante apareceu: o Osorno na janela de trás! Lindão e iluminado!

O OSORNO NA JANELA DO ÔNIBUS!

O OSORNO DA JANELA DO ÔNIBUS!

Mas quem disse que o ônibus parou em algum lugar para a gente registrar essa raridade? Nem te ligo. O guia, desleixado, sequer comentou a aparição ilustre. Eu estava sentado do lado errado do ônibus e quase morri do coração até conseguir um espacinho para fotografar o cabeça-branca.

Daí em diante a coisa só piorou.

Um pouco antes de chegar aos Saltos de Petrohué, o guia veio com um papinho de que "talvez" não conseguíssemos entar no parque, porque os horários tinham mudado com o fim do verão. Mas a gente iria até a entrada do parque para "averiguar". Se estivesse aberto, a gente entraria.

O ônibus parou em frente à entrada do parque onde estão os saltos, o guia desceu do ônibus, foi até o meio do caminho, fez uma pantomimazinha falando com um motorista de um carro e subiu de volta no ônibus.

"É, o parque já está fechado. Mudou o horário no dia 15, agora fecha mais cedo."

Oi? Mudou o horário no dia 15, estávamos no dia 19, o Cruce tem saídas diárias e o guia não sabia da mudança de horários? Ora, faça-me o grande favor de não mentir deslavadamente ao microfone.

Perdemos não só os Saltos -- perdemos os Saltos EMOLDURADOS PELO OSORNO VISÍVEL NUM DIA ENSOLARADO. Dá vontade de processar o Cruce de Lagos, isso sim.

(Vou mandar um email, claro. Ainda não deu tempo.)

Claro que nos outros dias o tempo permaneceu nubladaço, com o Osorno escondidíssimo, e não valia a pena fazer esse passeio de volta para nada. Hmpf.

Enfim, essa foi a minha experiência. Agora, meus pitacos.

Vai por mim: Cruce de Lagos

É indicado para: quem quer fazer os dois lados dos Lagos Andinos em pouco tempo. O Cruce concentra vários passeios lacustres num dia só, e ainda te deixa em outro país. Custa caro, é certo, mas é bem organizado (não acredito que essa falha que aconteceu no final do meu passeio aconteça em todos) e usa embarcações de qualidade. O ponto baixo mesmo é agüentar Peúja/Peúia/Peulla.

Se eu fosse você: faria no sentido Chile-Argentina, para pegar o Osorno iluminado do lado certo, pela manhã.

Eu não faria o Cruce se: estivesse viajando com tempo mais folgado (tipo: 8 ou 9 dias para os dois lados) e não tivesse aversão a andar de ônibus de linha.

Minha receita alternativa: o preço do Cruce para duas pessoas (a partir de US$ 460) rende fácil uns cinco ou seis dias de aluguel de carro. Alugando carro dos dois lados da fronteira, e cruzando a fronteira de ônibus (US$ 27 por pessoa), você pode salpicar nos seus dias passeios lacustres curtos, em embarcações menores. Dá para embarcar na hora, sem reserva (e portanto com plena noção do que esperar meteorologicamente), para pequenos passeios pela baía Mansa do lago Nahuel Huapi (com direito a Bosque de Arrayanes), em Villa La Angostura, pelo lago Lacar, em San Martín de los Andes, e em Petrohue, à beira do lago Todos los Santos do lado chileno, que está colado no Osorno. Tudo dá muito mais trabalho (dirigir, se encaixar passeio por passeio, ficar cinco horas num ônibus comum na hora de cruzar a fronteira), mas pelo menos você evita Peúja e a enrolação de um guia como esse Jaime da minha viagem.

E você? Já fez o Cruce? Deixe o seu comentário, por favor.

Viagem feita em 2010.

Leia mais:

123 comentários

Atenção: os comentários estão encerrados.

Carolina Pessanha
Carolina PessanhaPermalink

Olá!!!
Resolvi fazer esta viagem com meu marido em março e vou seguir seu conselho e fazer a travessia Chile-Argentina. Gostaria de saber como você comprou os tickets paara a travessia mais baratos para brasileiros? Temos que comprar em agências de viagem? Pelo site do cruce andino as passagens para 2012 estão a 280 dólares por pessoa para a travessia de um dia.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Carolina! Aqui quem responde é A Bóia.

Quando o Ricardo Freire fez essa travessia, havia essa oferta, disponível apenas na própria agência em Bariloche. Outros leitores já relatram que essa oferta não existe mais.

Para economizar, é possível fazer passeios lacustres em Puerto Varas e passeios lacustres em Bariloche, fazendo a travessia integral de ônibus.

Regis Cristovao
Regis CristovaoPermalink

Fiz este passeio em novembro/2011.

Dei azar pq o tempo está nublado e com chuva, e mal deu pra ver o Osorno. Fiz o trecho Chile-Argentina, porém fiz a chamada travessia rapida, que inclui a parada em Peulla pra almoço no hotel(almoço não incluso) e chegada em Bariloche no mesmo dia.

Tem a opção de pernoite em Peulla e seguir pra Bariloche na tarde do dia seguinte(neste caso, tem uns passeios a parte pra se fazer em Peulla, mas só os faria pq ali realmente não tem nada melhor pra se fazer).

Os saltos de Petrohue tem que ser visitado, pois o que se vê não tem como esquecer pro resto da vida

Regis Cristovao
Regis CristovaoPermalink

acrescentando:

Recomendo o passeio, tanto é que o farei novamente, mas apenas o lado chileno, porque quero conhecer melhor a região de Puerto Varas, fazer alguns passeios bem bacanas que tem na região.

Conversando com alguns guias, eles recomendam fazer o Cruce Andino no verão.

Quem for de avião de Santiago para Puerto Montt, tem que reservar a passagem numa das poltronas "A" da aeronave, pois se passa por vários vulcões o que irá garantir boas fotos.

André Ricardo
André RicardoPermalink

Gente,
Como adoro fotografia, fiquei com uma dúvida!
O Ricardo diz que é melhor fazer o passeio indo do Chile para a Argentina, por conta do sol iluminando o Osorno pela manhã.
Mas depois diz que no caminho de ônibus para os saltos de Petrohue, o sol da tarde iluminou o Osorno.
Sendo assim, pergunto qual seria a vista mais bonita: O Osorno iluminado pela manha visto do barco, ou o Osorno iluminado a tarde visto dos saltos de Petrohue?

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, André! Como é bastante característico entre as montanhas e os vulcões, o Osorno não tem um lado só! grin

E então acontece que, se você quer ver a face do Osorno à beira do Todos Santos iluminada durante o seu Cruce ou o seu passeio lacustre, esteja por lá de manhã grin

André Ricardo
André RicardoPermalink

Olá Bóia!
A dúvida não era bem a respeito dos lados de um vulcão... no texto já tinha ficado claro que ele havia contornado o vulcão... mas tudo bem...
Minha pergunta era relacionada a qual paisagem é a mais bonita na opinião de vocês: a do Osorno vista do Todos los Santos (pela manhã) ou do Osorno vista dos saltos de Petrohue (pela tarde).

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, André! Eu nunca estive lá, mas pelo que deduzo do post o Ricardo Freire sentiu um pouco de falta de vez o vulcãozão iluminado durante a travessia do lago. Parar para ver o vulcão no caminho seria um prêmio de consolação grin

Raquel
RaquelPermalink

Olá, estarei indo a Santiago em abril, gostaria de saber se é melhor ir para Bariloche direto de Santiago ou passar por Puerto Varas e seguir de onibus para Bariloche, ja que pelo Cruce Andino está caro e no inverno a viagem é feita em 2 dias. A compra do bilhete é feita lá na hora ou tem que reservar? Obrigada

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Raquel! Não há vôos de Santiago para Bariloche. Você pode voar apenas desde Buenos Aires. Note que o aeroporto de Bariloche tem funcionado de maneira intermitente por causa das cinzas.

Faça os passeios lacustres de cada lado e atravesse de ônibus. Compre na Cruz del Sur.

http://www.busescruzdelsur.cl/VEL/

Carla
CarlaPermalink

Pessoal, estarei viajando com meus dois filhos pequenos 6 e 7 no final de agosto e estava pensando em fazer a travessia Puerto Mont - Bariloche de carro alugado fazendo algumas paradas para olhar os lagos. Isso é possivel ??Tem alguma dica ?. E na fronteira acham que teremos dificuldade ? Acho que seria mais confortavel para as crianças.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Carla! As crianças vão gostar mais no barco, acredite. A estrada não vai beirando os lagos, vai por dentro. E as complicações ao alugar carro, e na fronteira, são grandes.

Leia:
https://www.viajenaviagem.com/2011/05/travessia-chile-argentina-com-carro-alugado-voce-ja-fez/

Dóris M.
Dóris M.Permalink

Olá,
Fiz esta travessia em 1995, sentido Chile-Argentina, em dois dias, dormindo em Peulla. Foi uma das melhores viagens da minha vida. Pretendo repeti-la. Peulla, com seu hotel todo de madeira e um frio de "renguear cusco" à noite foi um show à parte. Há uma cachoeira nos fundos do hotel, no meio do mato. Não tivemos problemas de demora com alfândegas e tudo foi perfeito. Chegar em Bariloche de barco é um sonho de tão lindo. Como não retornaríamos à Santiago, tomamos um "ônibus de linha" de Bariloche até Osorno. Aí sim, começou a aventura. Atravessamos a cordilheira no meio da floresta, numa estrada de terra só para um carro, cheia de curvas e precipícios, com carros acidentados nunca resgatados. No meio do caminho, nevou (era abril!) e o motorista, nem um pouco preocupado. Seguiu caminho, de janela aberta, conversando com o cobrador, fumando e dirigindo com uma mão só.

Tatiana
TatianaPermalink

Estou em busca de alguns conselhos. Alguem pode me ajudar ? Eu estou morando em Santigo e vou ficar ate o final de abril. Gostaria muito de fazer a travessia dos lagos. Mas pelo que li nao vale a pena em abril, ja que vou ter que dormir em Peulla. O único hotel que tem lá é muito caro ? Pensei em fazer a travessia de onibus e fazer os passeios lacustres. Como são estes passeios ? Perde a graça não ir pelo cruze ?Alguém tem noção dos preços dos lacustres ? De Bariloche vou voltar para o Brasil. É mais barato voltar de novo para Santiago ou ir até Buenos Aires e de lá ir para o Brasil ? É muito ruim ir de Santiago até a travessia dos lagos de ônibus ? Obrigada !

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Tatiana! Há dois hotéis em Peulla, verifique os preços no site do Cruce, está linkado no texto.

Não temos os preços dos passeios de barco, mas certamente são mais baratos. Procure em sites como o Interpatagonia:
http://www.interpatagonia.com/bariloche/paseos.html
http://www.interpatagonia.com/puertovaras/paseos_i.html

De Puerto Varas a Santiago são 11 horas de ônibus ou 1h30 de avião. De BAriloche a Buenos Aires são 20h de ônibus ou 2h de avião. A passagem mais barata de avião só se saberá orçando. Os preços mudam a todo momento. Não tenha medo de simular preços na internet, a internet não morde grin

Mônica Gomes
Mônica GomesPermalink

Olá, boa tarde; moro em Goiânia-Go e tenho uma amiga paulista que está no chile fazendo um curso. Ela me chamou pra ir a Santiago encontrá-la, passar uma semana lá e fazer esse cruce dos lagos andinos com ela; só que tô com medo dos gastos... Queria saber se vale a pena ir e ficar só do lado do chile, sem atravessar a fronteira e se vc sabe dizer quanto ficaria isso (pra eu ter uma noção do que esperar financeiramente).
Agradeceria muito se pudesse me responder esse fim de semana, pois tenho que acertar com ela, ver passagens pro chile e etc.
Obrigada, abraços.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Monica! Os preços variam de acordo com a categoria dos hotéis, com o transporte (avião? ônibus?), com a quantidade de passeios, com os hábitos alimentares. Desculpe, é impossível dar uma previsão. Orce hotéis a partir de sites como http://www.tripadvisor.com , passagens em http://www.lan.com e http://www.skyairline.cl , ônibus em http://www.pulmann.cl ou http://www.turbus.cl , passeios em http://www.turistour.com .

José Rocha
José RochaPermalink

Gostariamos de orientação. Estamos com viagem para Santiago em 17/07, sendo eu, minha esposa e 4 adolescentes de 11 a 16 anos ( filhos e sobrinha ). Em Santiago, o que indicaria para esta turma se divertir, incluindo pontos turísticos relevantes, gastronomia e neve? Sobre o vale nevado, é mais prático ficar em um hotel da região ou ficar em Santiago e contratar o passeio, com direito, claro, a praticar alguma atividade na neve? Pretendemos sair de Santiago dia 21/07 para ir até lagos andinos e Bariloche retornando dia 25/07. Nesta época como me orienta sobre o passeio pelos lagos? Considerando que temos que estar em Bariloche dia 23/07 e sairemos dia 25/07 para voltar a Santiago em tempo do vôo de volta para o Brasil que é na madrugada ( 02:30 hs ) do dia 26/07. Muito grato !

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, José! Este post tem tudo o que você precisa saber:
https://www.viajenaviagem.com/2012/02/roteiro-santiago/

Esses 4 dias de Santiago para Bariloche via lagos andinos são pouquíssimos, deixe Bariloche para uma outra viagem.

Luiz Colnago Neto
Luiz Colnago NetoPermalink

Minha esposa e eu gostaríamos de uma orientação. Estaremos de férias de 27/08/2012 a 09/09/2012 e procuramos um roteiro que inclua Chile e Argentina ou Uruguai e Argentina. Li os posts e fiquei na maior dúvida.
Nessa época do ano e com algo em torno de 15 dias o que considera mais indicado e mais cômodo? Entrar por Santiago e ir até Bariloche curtindo os Lagos Andinos ou Ir para Punta del Leste - Montevideu - Colonia - Buenos Aires?
Agradecemos a ajuda.

José Rocha
José RochaPermalink

Obrigado pela dica, já mudei os planos e deixei Bariloche para uma próxima. Abraço.

José Rocha
José RochaPermalink

Bóia, por favor, me informe sobre o La Sebastiana se é bom hotel, sem surpresas, considerando que pretendemos aproveitar 2 dias por Santiago e arredores e 3 dias nas montanhas aproveitando a neve. Sobre a neve: agendo antes o roteiro (se positivo quais agências indica), ou posso deixar para fazer a agenda quando estiver em Santiago. Seriam, como disse, 6 pessoas, período 17 a 21/07/12. Grato.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, José! Veja comentários de leitores sobre o La Sebastiana:
https://www.viajenaviagem.com/2011/06/hoteis-em-santiago-os-relatos-dos-leitores/
O Comandante também fala sobre ele aqui:
https://www.viajenaviagem.com/2010/09/20-hoteis-em-santiago/

Você pode reservar o passeio à neve quando já estiver em Santiago. Marque com 24 horas de antecedência.
Dicas completas:
https://www.viajenaviagem.com/2012/02/roteiro-santiago/

Natiele
NatielePermalink

Olá, li em algum desses posts que a estrada para voltar de Bariloche para Puerto Varas por onibus de linha é um pouco perigosa. É perigoso fazer este trajeto de ônibus no comecinhu de Agosto?

Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Natiele! Em agosto pode haver neve no caminho. Mas não temos notícias de acidentes. Comecinho é com "o".

Thiago Diniz
Thiago DinizPermalink

Olá, gostei muito das sugestões de vocês e queria se possível tirar uma dúvida, estarei em Santiago e tenho como objetivo ir a Bariloche, estou com um pouco de receio pois dizem que em junho faz muito frio, minha dúvida é, se pego um avião até Puerto Montt e faço a travessia de barco até bariloche ou se pego um avião direto para Bariloche e não faço a travessia dos lagos.
Por favor me ajudem que estou indo com 4 pessoas que sempre deixam toda a responsabilidade da viagem para mim e se algo der errado eu serei o responsável sad

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Thiago! É isso aí; você voaria de Satiago a Puerto Montt e de lá faria a travessia pelos lagos ou pegaria um ônibus. Se você vai estar em Santiago, não seria mais bacana curtir os arredores da cidade?
https://www.viajenaviagem.com/2012/02/roteiro-santiago/

Não há vôos diretos de Santiago para Bariloche. Bariloche fica na Argentina, o caminho lógico é por Buenos Aires.

Thiago Diniz
Thiago DinizPermalink

É eu sei que não há vôos diretos mas têm via Buenos Aires e como eu vou ficar já 4 dias em Santiago, quero aproveitar e ficar uns 3 em Bariloche e minha dúvida é de que forma eu vou para Bariloche. Meu receio é com o mau tempo...
A duração do voo Santiago-Bariloche com escala em Buenos Aires é de aproximadamente 6 horas.

Queria agradecer imensamente pela sua disposição em me ajudar, obrigado!!!

Andre Duarte
Andre DuartePermalink

Olá Pessoal,
Eu estou pensando em fazer a travessia de onibus no feriado do dia 7 de setembro. Penso em ficar 2 dias em puerto varas e 2 em bariloche, é pouco? E em setembro é uma boa época do ano para ver neve por lá?

Obrigado

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, André! Deve ainda haver neve no início de setembro. Dois dias em Bariloche é pouquíssimo.