Santiago: desembarcando pela porta de serviço

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

O saguão de desembarque...

Atualização: o aeroporto de Santiago já está operando normalmente, sem anexo de campanha. Leia aqui.

O avião vinha lotado -- e no horário -- de Puerto Montt. Eram pontualmente 23h20 quando o avião da LAN tocou a pista do aeroporto de Santiago.

Mais um pouco, e o comissário foi ao microfone:

"Devido à recente contingência que atingiu nosso país, existe a possibilidade de permanecermos um tempo prolongado a bordo até que haja condições de desembarque."

Olhei pela janela: nenhum dos fingers do prédio principal estava ocupado por nenhum avião. Estávamos estacionados em algum lugar do pátio.

Pouco depois (cinco minutos, no máximo), porém, o sinal de desatar os cintos foi dado, e pudemos nos levantar. Mas não, ainda não era o momento de descer. Ficamos de pé dentro do avião por pelo menos mais dez minutos, e só então o desembarque foi liberado.

No solo dois ônibus nos esperavam -- como acontece em qualquer aeroporto do mundo quando um avião não consegue um finger livre. Mas será que era impressão minha, ou havia uma movimentação mais nervosa de vans pela pista, numa velocidade superior à que se observa nas áreas de manobras em aeroportos?

O ônibus não andou quase nada e já abriu as portas. Descemos e: surpresa: as malas já estavam todas no solo, enfileiradinhas. Era procurar, pegar e... sair andando por um portão escancarado ali na pista mesmo.

Não consegui tirar foto na hora em que estávamos todos saindo (achei que não seria permitido), mas depois de acertar o meu táxi fui registrar o exato lugar por onde saímos.

Logo passando o portão, tendas brancas abrigam stands do táxi oficial (30 dólares no cartão) e do shuttle que passa pelos principais hotéis.

O saguão de desembarque parte II

De lá passamos pelo saguão de check-in, também improvisado sob uma tenda gigante, e saímos no pátio de estacionamento do aeroporto, onde tudo isso está funcionando. O nosso táxi estava ali, à nossa espera.

O saguão de embarque

Direto no estacionamento...

Nos vinte minutos do aeroporto ao hotel, em Bellavista, rodamos praticamente o tempo todo sobre um viaduto interminável -- que só apresentava um ponto de precaução por rachadura. Todo o resto estava como se não tivesse havido terremoto.

Hoje passei o dia trabalhando no quarto -- só saí para almoçar e uma turistagenzinha básica aqui perto do hotel. Nos dias em que estiver por aqui (até quarta na ida, e depois mais três dias na volta) acho que vai dar pra apurar direitinho o que o terremoto significa para quem vem visitar.

36 comentários

Gustavo - Viajar e Pensar

Caraca!
Não deixa o pessoal da ANAC ver isso, eles vão usar esta idéia para a COPA e a Olimpíadas.

Sorte ao povo Chileno, que brevemente estará novamente reconstruído.

Abraço Riq!

Priscila (Inquietos)

Legal, Riq! Eu tenho várias dicas ainda do Chile para postar no Inquietos, mas depois do terremoto achei que não seria de bom tom falar sobre elas. Conforme seu "veredicto" voltarei a postar. Abs.

Ricardo Freire

Fora o aeroporto -- que tá improvisado mas tá funcionando "normalmente" -- o problema está nas vinícolas, cujas sedes eram casas muito antigas. Aqui em Santiago, a vida está normal, com um tapumezinho aqui e ali de veeeeeez em quando.

Priscila (Inquietos)

Pois uma das dicas que tenho é justamente sobre a Casa Silva, onde nos hospedamos e foi muito gostoso. Acho que vou escrever para lá para saber como está a situação.

Ricardo Freire

Parece que as vinícolas do Vale do Colchagua estão fechadas ainda a visitas. O terremoto foi bem mais perto de lá...

Valéria
ValériaPermalinkResponder

No Vale do Colchagua recomendo muito as Vinícolas Clos Apalta da Casa La Postolle e Vinã Montes. São belíssimas e talvez por serem construções modernas não encontrei informações de visitas suspensas. Super oportunidade para comprar vinhos premiadíssimos. O Restaraunte Q Clay, na tradicional Viña Bisquertt, serve menu degustacão harmonizado com seus vinhos que além de ser delicioso te apresenta, da entrada á sobremesa, o melhor da cozinha chilena. Aprovadíssimo!

Ricardo Freire

Você tem razão. No site da Ruta del Vino há a seguinte informação, sob o título "vuelve rapidamente a la normalidad la ruta del vino del valle del colchagua":

TURISMO
En materia turística, las siguientes bodegas ya están abiertas para recibir visitantes:

• VIÑA SANTA HELENA
• VIÑA CASA SILVA
• VIÑA LAPOSTOLLE
• VIÑA LAS NIÑAS
• VIÑA HACIENDA ARAUCANO
• VIÑA BISQUERTT
• VIÑA LAURA HARTWIG
• VIÑA MONTGRAS

Consulte programas disponibles y haga sus reservas con:
Ruta del Vino Valle De Colchagua
Plaza de Armas 298, Santa Cruz
Teléfono: +56 72 823199
info@rutadelvino.cl

Mô Gribel
Mô GribelPermalinkResponder

Riq,
Por acaso eu já peguei esta van aí em Santiago (resolvi economizar no dia, pois havia lido aqui dizendo que era boa).
Custou 10 dólares e me deixaram na porta do hotel. Demora um pouco se o seu é o último do roteiro (isso já foi comentado aqui também).
Não consegui pegar na volta pro aeroporto, mas não lembro porque.

Ricardo Freire

Eu testaria a van na boa, mas chegando às 11h40, e em duas pessoas, e com o aeroporto virado num acampamento, deu uma preguiça que só. Mas no próximo desembarque vou ver se uso.

Mô Gribel
Mô GribelPermalinkResponder

Verdade, Riq! Entendo bem o que vc fala!
Na ida à Paris e Londres eu planejei pegar metro nos aeroportos.
Mas não deu...mala pesada, 12h de voo, quebrada, cansada, com frio, com fome, atravessar aeroporto. Enfim, acabei pegando taxis e pagando caro pacas, mas não me arrependo nem por um segundo.

Eliana
ElianaPermalinkResponder

Riq, estou ansiosa pelos seus comentários sobre Santiago pois estou com passagem comprada para o dia 19/04 e não penso em desistir devido as terremoto. Porém, gostaria de saber como está a cidade, se existe muita destruição, etc.
A propósito, que hotel você se hospedou ??
Um abraço,

Ricardo Freire

Como eu disse, fiquei só no bairro de Bellavista hoje. A vida corre na normalidade possível. A visita às vinícolas está prejudicada, mas o resto está tranqüilo. Como você viu, não houve nenhum efeito do terremoto na região dos lagos ou na Patagônia.

Estou no Hotel del Patio, um hotel bastante simpático localizado na Vila Madalena da cidade, mas com direito ao áudio (não posso reclamar, a Claudia Carmello avisou). Leia sobre Santiago nos posts dos blogs da comunidade (Idas e Vindas, Agora Vai, Outro modo de viajar, Matraqueando); os meus posts-síntese vão demorar bastante.

Marcie
MarciePermalinkResponder

Já pensou no que o pessoal da segurança dos aeroportos dos USA ( TSA) pensaria ao ver essas tendas? Do jeito que eles são histéricos, muito me admira que qualquer voo de companhia americana esteja pousando/decolando daí.

Ricardo Freire

Quinta-feira cedo vou pegar um vôo interno. Estou louco para ver como são os procedimentos de segurança mrgreen

Luciano
LucianoPermalinkResponder

Marcie, pelas notícias que vi logo após o terremoto quando o aeroporto reabriu, os vôos internacionais continuam saindo do prédio principal, mas pela parte doméstica (a imigração é/era feita em outro aeroporto chileno - o pessoal desembarcava em outro aeroporto, fazia imigração e depois continuava para Santiago), e os domésticos estariam saindo do terminal antigo, mas pelo jeito foram "rebaixados" às tendas.

Fui ver o que diz o site do aeroporto http://www.aeropuertosantiago.cl/claves-del-buen-viajero/normalizacion-de-vuelos.html

- Las salidas y llegadas de vuelos nacionales se realizan desde la carpa de la campaña ubicada en el sector oriente del antiguo Terminal.

- Las salidas de vuelos internacionales y parte de los nacionales se están efectuando por el sector correspondiente al actual Terminal Nacional de pasajeros.

- El Área de Arribos Internacionales en el Edificio está habilitada. Por su parte la carpa ubicada en el sector poniente del Terminal Aéreo, para las llegadas internacionales, continuará operativa.

O pessoal da TSA deve estar tranquilo (ou fazendo um double check na bagagem de quem chega de SCL)!

Paulete
PauletePermalinkResponder

Essa tenda tá parecendo a da Trip em Noronha...hehehe...

Ernesto, o pato

Riq

Veja o blog da Claudia sobre Santiago, tem dicas otimas.

Meus parabens ao povo chileno por estarem trabalhando duro para se recuperar.

Ricardo Freire

Eu tõ num hotel recomendado por ela...

Jorge Bernardes

Pelo que entendi dos meus amigos da empresa que trabalham em Santiago era dificil dizer mesmo nos primeiros dias pós terremoto que, na área central, havia ocorrido um terremoto tão forte. Por fora, é difícil dizer, porém é por dentro das casas e edifícios que o estrago podia ser notado. Tudo voou e quebrou. A essa altura, eles já devem ter limpado todos os cacos.

Com esse feedback, chega a surpreender o estado que ficou o terminal do aeroporto.

Eduardo Luz
Eduardo LuzPermalinkResponder

Todas as vinícolas da área central estão com as visitas proibidas?
Concha Y Toro incluída?

Ricardo Freire

Dá pra visitar a Concha y Toro, mas uma das bodegas está fechada. Vou focar nos arredores de Santiago na semana que vem, na segunda passada pela cidade.

Tina Pereira
Tina PereiraPermalinkResponder

Se o dia estiver bonito, vá conhecer o Parque Bicentenario em Vitacura antes ou depois de almoçar no Mestizo, que fica lá em cima, ao final do Parque (eu diria depois, para ajudar na digestão). A rua Alonso de Cordova termina no parque. Nessa região também tem restaurantes muito bons (El Europeo, Puerto Fuy, La Mar e etc). Mas se quiser um jantar muito diferente (e igualmente delicioso), vá ao Boragó. É caro, mas vale muito a pena. Sou fã de Santiago, espero que você fique também.

Ubiratan
UbiratanPermalinkResponder

Riq, ano passado fiz uma viagem a Europa com base nas suas dicas e tenho muito a agradecer. Para minha sorte, estou indo em maio para uma viagem basicamente igual a esta que você está fazendo.
Meu roteiro é o seguinte :
03 noites em Santiago, pego um vôo para Puerto Montt
03 noites no Sul do Chile, faço o Cruces ou ônibus para Bariloche
03 noites Bariloche, vôo para El Calafate
02 noites em El Calafate, vôo para Ushuaia
03 noites em Ushuaia.

Gostaria da sua opinião sobre esse roteiro. Acha que está muito corrido ? mudaria alguma coisa ?

Obrigado

Ricardo Freire

Trocaria de ordem e número de dias Ushuaia e Calafate para terminar no Calafate. Ficaria 3 noites no Calafate para fazer o passeio de todos os glaciares e o minitrekking.

Ubiratan
UbiratanPermalinkResponder

Valeu a dica.

Eliana
ElianaPermalinkResponder

Ricardo, tive a impressão que você gostou bem mais de Calafate do que Ushuaia, é verdade ? acho Ushuaia sem graça ?
Tinha a pretensão de Setembro fazer uma viagem para Buenos Aires, Bariloche, Ushuaia e Sul do Chile, mas acho que desanimei um pouco depois dos seus posts.
Não senti em nenhum momento nessa viagem, por sua parte, aquele entusiasmo e deslumbre, que via em seus comentários nas viagens da Europa.
Daí pergunto : Esse roteiro de lagos, geleiras e montanhas se torna cansativo e repetitivo ???
Se tenho a opção de ir a Europa, mesmo que seja em uma viagem de apenas 1 semana, será que vale mais a pena ??

Ricardo Freire

Esta não é uma viagem para ser repetida por ninguém, Eliane. É uma viagem exploratória, repleta de "más de lo mismo". TENHA PACIÊNCIA por favor. DEPOIS da viagem eu vou fazer resumos, dicas de itinerários, roteiros para perfis distintos de viajantes. Se você vai viajar em setembro, tem tempo.

Tiago
TiagoPermalinkResponder

Apesar de tudo, é bom saber que o Chile está se virando. A tragédia deles me comoveu mais que a do Haiti... talvez pela irmandade e pela proximidade, ou talvez por nunca ter ido ao Haiti.
Mande notícias da querida Santiago!

Abraço!

Valéria
ValériaPermalinkResponder

Riq, você vai a Valparaíso?
Seguindo informações dos comentadores, no final do ano incluímos a visita a Valparaíso e Vinã del Mar, não como bate-volta e sim com 3 pernoites. Achei muito interessante conjugar esta região com Santiago.
Valparaíso é super pitoresca, muita história, pousadas em prédios restaurados e realmente a região é um celeiro de novos chefs. Talvez por ser verão e a cidade estivesse lotada de famílias locais em férias, achei que esta a real vocação de Viña del Mar. Margear a costa de Valparaíso passando por Viña, Concón e Reñaca além de ser um bonito passeio passa por uma colônia de lobos marinhos bem divertida.
Além dos tradicionais passeios pela região, demos uma esticada até Zapallar, uma pequena enseada super charmosa, cercada por montanhas e florestas. Mais reservada, dá pra curtir um dia de praia, praticar esportes náuticos e admirar os pelicanos e gaivotas bem pertinho. Tem dois ótimos restaurantes. E nos cerros em meio a belas árvores e debruçadas sobre o mar completam a paisagem maravilhosas casas de veraneio, projetadas pelos arquitetos mais quentes do Chile atualmente. Fica a sugestão.

Ricardo Freire

Já estava previsto, Valéria! Vou passar uma noite por lá (e infelizmente não vai ser nem sexta nem sábado, porque estarei no norte do país). Mas já tinha a impressão de que a cidade tem um charme todo especial e pelo que estou vendo aqui em Santiago deve ser um complemento de viagem fenomenal.

zezé
zezéPermalinkResponder

Oi, Riq!
Estava ansiosa pelo teu post de Santiago! Embarco com toda a família em junho para alguns dias aí. Ficaremos no Hotel Orly (em Providencia), seguindo uma dica também da Claudia, se não estou enganada...
Bom saber que tudo parece em ordem!

Abraço!

Ricardo Freire

Tudo em ordem. Até as vinícolas estão reabrindo. Por enquanto as baixas continuam o Cerro Santa Lucía (fechado para visitas) e os palácios de Viña del Mar (sem data para reabrir).

Isaac BLAU Oliveira

Olá

os comentários ( dicas) foram de grande ajuda p/ mim.
Muito obrigado.
o blog é 10!

cristiano santos

Ricardo estou com vontade de um julho viajar para Santiago com minha esposa e filha e passar 01 semana por la´oq ue vc acha?

Será que as vinicolas vão está abertas e o vale nevado tb é uma boa. Quanto a Valparaiso e VinA del MAr é uma boa opção já em Julho?

No aguardo dos seus comentários.

A passagem pela Tam está muito barata saindo de Aracaju no nordeste.

Obrigado pela atenção.
Cristiano Santos

Ricardo Freire

Acho que este inverno vai ser ótimo para quem vier esquiar no Chile, com passagens em conta e lugares menos cheios do que o normal.

Haverá vinícolas para visitar, sim. Não sei se as visitas internas já estarão disponíveis, mas a Concha y Toro, por exemplo, já voltou a receber visitantes, mesmo sem passar pela bodega mais antiga.

Valparaíso funciona com qualquer tempo, já Viña é um balneário. Não gosto de balneários fora da temporada, mas a arquitetura continua lá.

Carla
CarlaPermalinkResponder

Eu fui a Viña pela primeira vez em um inverno, e achei de uma tristeza sem fim... sad

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar