Instantâneo (minha crônica no Divirta-se do Estadão)

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Tapas, Barbados

É a primeira vez que escolho um restaurante usando esta técnica. Vim andando pelo deck à beira-mar e passando os restaurantes e bares em revista. Num primeiro momento, não me interessava o ambiente. Nem a comida. Em vez de usar os olhos ou o nariz, usei meu celular. Onde houvesse sinal de wi-fi eu entraria.

Para você que pensa que esse negócio de trabalhar na estrada é fácil, saiba que não é. Trabalhadores convencionais precisam apenas de oxigênio, alimento e energia elétrica para trabalhar. Mas quem trabalha da estrada precisa de internet. Basta a sua conexão começar a falhar, e pronto – sua vida vira um inferno.

Sou devoto fiel de Nossa Senhora da Banda Larga e procuro cumprir todas as minhas obrigações com Mizifio, o orixá do wireless. De vez em quando, porém, eles me abandonam. E lá vou eu pagar meus pecados, laptop a tiracolo, procurando um lugar que me mantenha vivo por instrumentos.

Dessa vez até que me dei bem. Estou naquele que provavelmente seja o lugar mais charmosinho da costa sul (a mais democrática) da ilha de Barbados. O lugar se chama Tapas e fica rente a um deck de madeira que funciona como passeio à beira-mar. Daqui do segundo andar vejo o mar verde-esmeralda (menos transparente do que eu gostaria), turistas com câmera, mamães com carrinhos de bebê, cinquentões fazendo jogging.

O dia está nublado, o que é providencial para terminar o trabalho de escritório atrasado. (Com sol é difícil não ficar nervoso imaginando as fotos que estaria perdendo.)

Ouço vuvuzelas. Ué, onde está essa TV mostrando a Copa? Pergunto ao garçom, e ele me aponta a mesa de cinco mulheres loiras que assistem a Alemanha x Gana num laptop. Olho para o outro lado, e o inglês puxa papo falando da minha câmera. Ela é melhor do que eu – digo, como sempre. (É verdade. Tudo no automático. Eu só entro com o olho e com o dedo clicador.)

Ceviche de entradaChicken tikka marsalaA vista

Chega o prato. Um chicken tikka masala, curry indiano de molho cremoso. Pedi “spicy”, mas veio só um pouco ardidinho. O que importa? O wifi é perfeito.

O jogo da Alemanha continua zero a zero. O sol teima em não sair. Subo a foto da vista no Twitter. Verifico a bateria: restam 37% da força. Obrigado pela companhia. Foi muito bom almoçar com você.

10 comentários

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Riq,
onde vc vai assistir o jogo daqui a pouco? Tá impossível trabalhar com tanta gente organizando festinha pré-jogo à minha volta então vim aqui beber um pouco de inspiração. Obrigada! wink

Ricardo Freire

Vou sair prum passeio em meia hora smile

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Haha existe vida inteligente fora do futebol. Nem todo mundo é igual a mim e meus 200 colegas que lotavam o auditório da Companhia! wink

Mari Campos
Mari CamposPermalinkResponder

Me identifico muito, muito, muito mrgreen Inclusive com "Basta a sua conexão começar a falhar, e pronto – sua vida vira um inferno" grin

PattyBraga
PattyBragaPermalinkResponder

Bem certinho, Riq! Apesar de não ter a mesma necessidade profissional que você tem, eu tenho esse hábito de mal chegar em algum lugar e já verificar se o wi-fi dá o ar da graça na tela do iPhone...
Pouco viciadinha... rsrssss....
razz

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Agora Riq , cá entre nós : tem coisa mais absurda ( e antiga ) do que depender de uma bateria ?

Quando é que esse tacape vai deixar de existir hem ?

Não consigo compreender essa involução tecnológica que ainda não resolveu esse mico-da-bateria .

Relou pessoal do vale do silicio e escambau !

Ricardo Freire

E a falta de tomadas nos lugares? Hoje em dia tomada é mais importante que torneira smile

Lili
LiliPermalinkResponder

Não sei o que é melhor, o texto ou essa última frase smile

diogo
diogoPermalinkResponder

riq, eu já disse que te amo? não? te amo. ézocara!

Claudia Beatriz

Vi a notícia e lembrei de você... A partir de hoje(01 de julho de 2010), a rede Starbucks vai ter Wifi liberada aqui nos Estados Unidos e no Canadá. Agora, precisou conectar enquanto estiver por aqui, é só entrar num(que tem em toda esquina!).

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar