Se meu fusca passasse (minha crônica no Divirta-se do Estadão)

Viaje na Viagem
por Viaje na Viagem

Fusquinhas no Inhotim

Não sei se entendi essa nova resolução que obriga as auto-escolas a obter um índice de 60% de aprovação dos alunos para poder funcionar. Existe uma indústria da reprovação a candidatos a motorista, é isso? No meu tempo – na encarnação passada – era o contrário. Todo mundo sabia qual era a auto-escola em que só os muito tapados eram reprovados.

Sei disso, porque há duas décadas eu procurei uma auto-escola assim. Já era adulto feito – 26 anos na cara, oito anos trabalhando, sete anos morando sozinho – mas ainda não sabia dirigir. Meu problema é que eu não conseguia dar a partida. O jogo da embreagem era, para mim, o maior mistério da existência terrena. O carro invariavelmente morria. Eu não saía do lugar.

Depois de fazer o dobro ou o triplo de aulas que um aluno normal de 18 anos faria, eu finalmente ganhei alta do meu instrutor. Marcou-se a prova. Era em Cotia.

Esta era a razão da fama de fácil da auto-escola. A prova em Cotia era banal: o aspirante a condutor só precisava dar uma volta na praça. Não tinha ladeira nem baliza. Era como ganhar um diploma de fluência em inglês fazendo um teste em que só caía o verbo “to be”.

Nunca fui o CDF clássico, mas também nunca levei bomba. Sempre tive demasiado apego às férias para continuar na escola por mais tempo do que o estritamente necessário. Tinha pânico de recuperação. Acordava cedo para estudar a matéria que ia cair naquele dia, me dava bem – e esquecia toda aquela química orgânica para sempre.

Não dava para acordar mais cedo e dar uma estudadinha no jogo da embreagem no dia do exame de direção. (Nem dava para esquecer isso depois.) Eram 7 da manhã quando embarquei no ônibus da autoescola para Cotia.

Na tal praça, a fila de garotos era enorme. Eu, com meus 26 anos, me sentia um ancião. Sobrou para mim o Fusca mais baleado. Entrei. Dei partida. O carro morreu. Dei uma segunda partida. O carro morreu de novo. Muito tapado, não percebi que o carro estava engatado. Dei uma terceira partida. O carro morreu. O examinador me mandou sair do carro.

Saí andando sem olhar para trás. Achei o ponto de ônibus de linha na Raposo Tavares e tratei de aprender a dirigir numa auto-escola difícil.

A foto foi tirada ontem no Inhotim.


26 comentários

Rosa
RosaPermalinkResponder

Isso é mais que uma crônica: é uma lição de vida!!!

Ana Claudia
Ana ClaudiaPermalinkResponder

Riq, voce e' demais!!!
Fiquei com dozinha... por outro lado, quanta fibra!
Otimo findi.
Bjs

Ila Fox
Ila FoxPermalinkResponder

Eu já fiz auto escola, mas fugi na última aula, meu marido nunca nem pegou num volante (ele tem 34 anos).
E cê quer saber? não sentimos falta de carro! tem tanto taxi, metrô e ônibus por aí, e por que não, os pés, que não achamos necessidade de saber dirigir. Além de que, a cidade já está tão abarrotada de carro, q carro não se tornou item obrigatório para nós.
Mas existem alguns momentos em que eu gostaria de saber dirigir, quando viajamos por exemplo. Poder alugar um carro e sair por aí. sad
Quem sabe um dia eu ainda tome vergonha na cara e volte à auto escola.

Alexandre Costa

Esta crônica só podia estar no caderno Divirta-se mesmo! Excelente! E a seguinte frase já valeu pelo texto todo: Era como ganhar um diploma de fluência em inglês fazendo um teste em que só caía o verbo “to be”.

Rodrigo Barneche

Hehehe, muito bom, eu tb fui mais ou menos assim, sem rampa nem baliza, tirei minha primeira habilitação em Chapada dos Guimarães-MT (!) Mas foi de primeira, viu wink

Celina
CelinaPermalinkResponder

E aí? Passou na escola difícil? Ou é assunto para o segundo capítulo.
Ah! Lamento profundamente pelo seu laptop. Eu sei o quanto dói essa perda, principalmente longe de casa. Só entende quem namora.

Adri Lima
Adri LimaPermalinkResponder

hahaha, eu tirei carteira depois de 3 provas práticas aos 21 mas só dirigi um carro aos 27! Renovei carteira e tudo sem ter pegado num carro em anos. Se a avaliadora me perguntasse qual era o pedal do freio na renovação da habilitação corria o risco de eu errar...

O segredo no meu caso é que eu não conseguia dirigir carro dos outros, morria de medo! Só aos 27 tive meu primeiro carro, aí fiz mais umas aulinhas práticas pra tirar a ferrugem e ninguém me segura mais.

Wanessa
WanessaPermalinkResponder

Idem em tudo, Adri! Só que, quando comprei meu primeiro carro, nem precisei de aula prática: mesmo sem pegar num carro por uns 6 anos, comecei a dirigir automaticamente o meu!

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

Nossa eu sou pior...nao dirijo ate hoje!
Tirei carteira com 18 anos depois de ter sido reprovada na primeira prova. Eu era a mais CDF de todas no colegio e foi a minha primeira reprovacao da vida! Quando marquei a segunda prova nem contei pra ninguem...com medo da segunda reprovacao!

Mariana "de Toledo" @merel

HAHA Adorei! Pobrezinho! No meu teste eu dei um totó na baliza mas o avaliador não percebeu. Hoje só ando de ônibus ou de carona. E sonho em ter um motorista, só pra dizer que ando de CHOFER grin

Vinicius
ViniciusPermalinkResponder

O lado bom disso é poder contar anos depois e fazer seus leitores rirem ao imaginar a cena. Meu Deus, se fosse comigo acho que não conseguiria sair do carro! #rialto

Beto
BetoPermalinkResponder

Arááá! Descobri porque você odeia viajar de carro. Faz que nem a Teté, arruma um motorista pro resto da vida wink

Ana Carolina
Ana CarolinaPermalinkResponder

"A prova em Cotia era banal: o aspirante a condutor só precisava dar uma volta na praça. Não tinha ladeira nem baliza. Era como ganhar um diploma de fluência em inglês fazendo um teste em que só caía o verbo “to be”."

- desculpe, mas estou rindo sozinha. E muito! ótima maneira de começar a sexta feira! Mas e aí? a outra prova não foi em Cotia?

Angelica
AngelicaPermalinkResponder

A-D-O-R-E-I!!!!!! To rindo sozinha como uma boba!!
Me indentifiquei total!!! Acabei de tirar o minha carteira aos quarentinha!!! E sabe o que te digo, vou passar o finde em Grasse dirijindo a minha 500!!! Alias me identifiquei com a quimica organica tb!!! Beijos e boa farra em BH!!!

Isabel O., Portugal

Pois eu fui logo tirar ao 18... melhor, tentei...
Primeiro passei logo na parte teórica. Depois falhei três vezes no exame prático, e fiquei eternamente dependendo de boleias (caronas). Nunca mais tive coragem de tentar.

Sandra Jorge
Sandra JorgePermalinkResponder

Adorei. Me fez lembrar das bombas que levei para tirar a carteira (foram 4). Na primeira tentativa, o avaliador mandou testar freio e setas, e eu feliz da vida pisando no freio, virando as setas pra todos os lados, quando vi meu instrutor do outro lado da rua com as mãos na cabeça e fazendo sinais... Eu tinha esquecido de ligar o carro. Bomba!

Marcelo
MarceloPermalinkResponder

Hehe, eu tb demorei a tirar a carteira, fui aprovado somente na terceira tentativa!
Na primeira prova eu não conseguia dar ré...me esqueci de pisar no acelerador! Anta...
Mas até hj não sou fã de volante, quando viajo quase sempre não vou dirigindo.

Rita
RitaPermalinkResponder

Riq, adorei a crônica!
Tirei minha CNH aos 19 anos, depois de uma reprovação na primeira tentativa. Na segunda, passei por uma situação embaraçosa e já estava me conformando que teria de passar por aquilo tudo de novo, porque, na subida, não tive força suficiente para puxar o freio de mão até o fim: eu puxava, soltava aos poucos o pedal do freio e o carro começava a descer... Foi assim duas vezes e, na terceira, a examidora me deu uma forcinha e o carro não voltou a descer! Terminei o circuito e fiquei esperando a má notícia, mas, para minha surpresa, eu tinha sido aprovada.
No entanto, no próximo ano fará 15 anos que esses fatos ocorreram e eu não dirijo! Tenho que tomar vergonha na cara e fazer como a Adri Lima, mas a verdade é que gosto de posar de madame com motorista (às vezes com cobrador também)!!! E o fato de morar em São Paulo, com o trânsito terrível que tem aqui, também não ajuda.
Quem sabe essa crônica e os comentários dos Trips/Drivers não me incentivem a encarar o volante agora e avante!

Guta
GutaPermalinkResponder

Ohhh!!! Poxa gente, escutar essas historias é um alento viu! rsrs! Quer dizer que ainda há esperança para mim! srsr

Amélia
AméliaPermalinkResponder

Com 18 fui para uma auto escola destas que vc citou, o instrutor era muito gente boa e a gente parava para uma cerveja quando a aula era muito cansativa, depois de 10 aulas ele achou que eu estava preparada e mesmo incrédulo, meu pai deu o carro para eu guiar até o cursinho naquela manhã ... coitada da arvore da nossa calçada, e do carro claro ....Resultado: mais 8 aulas e no fim ... consegui guiar e ser aprovada no teste.Adoro guiar e apesar de as vezes exagerar a pontuação na minha carteira, não provoquei mais nenhum encontro do meu carro com arvores vizinhas.smile

Carol Rech
Carol RechPermalinkResponder

Eu acabei de passar por isso ..
Passei muita bem na prova teórica, e fui muito bem nas aulas práticas .. O meu instrutor me deixava muito tranquila,e eu estava adorando!
Reprovei 3 vezes na prova-prática, passsei na quarta tentativa.
E ontem peguei o carro pela primeira vez .. Fiquei apavorada .. parece que perdi a confiança que consigo pq reprovei nas provas ..
Meu problema é com a embreagem e com a redução das marchas .. Mas vou continuar treinando!
Tbm tenho a impressão que quando se faz logo com 18, 19 anos é mais simples! Há mais coragem!

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

Minha esposa finalmente foi aprender a dirigir este ano, com 29 anos. Foi pegar a carta e nunca mais dirigiu. Pior que eu fico brigando com ela que ela precisa aprender logo, mas não adianta. Insisto prá pegar no carro e nada - não quer nem saber. Tive que sair de féiras sozinho este ano e ela preferiu andar de ônibus do que aprender a dirigir antes de eu sair sad

Pelo menos eu fiz logo com 18, na última prova antes de mudarem a lei obrigando curso de mecanica, direção defensiva e outras coisas que na época não pediam.
Agora, detalhe escabroso: aqui os comentários entre os alunos é que se não pagar, não passa de jeito nenhum. Há casos de gente reprovando 10 vezes e passar na 11, porque pagou. Coisa de maluco mesmo...

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

Lembrei de uma menina que fez o teste no mesmo dia que eu. Ela não só errou no teste, com conseguiu bater o carro!! Amassou o parachoque todo do coitado...

Erro do instrutor também, que deveria ter ficado mais de olho, né. Mas bater o carro na prova de volante é demais hehe

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Pois eu até hoje não dirijo, mas não é só por achar difícil não, mas porque não compensa também; o trânsito do Rio esta no nível de SP (se não pior, são menos carros mas também muito menos avenidas para escoar e nenhuma obra decente de expansão da malha viaria desde a über sturada Linha Amarela), as principais vias passam quase o dia inteiro lentas, quando não paradas (e hoje, o tal "dia sem carro", tenho a impressão que estava mais engarrafado que o normal...) e já passei por stress homérico nas duas últimas vezes que saí para viajar numa sexta-feira comum, melhor deixar para lá, e esta industria de repovação não duvido nada que exista, há um interesse em dificultar o acesso ao carro, o que em teria um lado bom (quanto mais difícil for o treinamento, em tese... menos m* ao voltante), infelizmente na realidade não é bem assim, pois muitos vêem o trânsito como catalisador das frustrações do dia a dia, bom memso é ter $$$$ para só sair de taxi ou motorista, na falta dele sobra o transporte publico que é outro sofrimento sem fim, começando pelo metrô estilo trem em Calcutá (infelizmente, é o meu caso...).

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Ah sim, meio de transporte preferido: minhas pernas! Estas ainda não me deixaram na mão, parado por horas impotente num congestionamento,ou enlatado como uma sardinha num metrô de décima categoria ouvindo "agradecemos pela preferência". Caminhar de Botafogo até o Leblon para mim é como ir da Avenida Atlântica até a Barata Ribeiro para muitos.

erika
erikaPermalinkResponder

engraçado, que pensamos que o problema é so com a gente e basta fazer uma simples busca no google que vc perceber que tem vaaarios blogs com depoimentos de pessoas que passam pelo mesmo que vc...
eu peguei minha carteira a uma semana... so tirei aos 32a e tambem concordo que deve ser bem mais facil aos 18...
reprovei uma vez na pratica achando a pior coisa do mundo e descobri que tinha muita gente passando pelo mesmo que eu passei... consegui tirar na segunda prova... ja sai com o carro duas vezes: uma acompanhada e a segunda vez hoje sozinha... é incrivel como tudo muda pelo simples fato de nao ter alguem ao seu lado... mas consegui e nao encontrei nenhuma arvore no caminho... rs... mas rodei poucos minutos as duas vezes que sai e foi bem cedinho, porque do jeito que esta o transito e as pessoas, prontas para atirar em alguem so pelo fato de estar numa velocidade menor, eu tenho até receio de enfrentar um engarrafamento... rs
estou vencendo o medo aos poucos...

ah!! esqueci de dizer que estou dirigindo um fusca!! ahaha... adorei a foto da postagem... ainda estou me adaptando a diferença de marchas... rs

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar