Dirigindo na neve na Alemanha: o relato do Carlos Henrique

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Perto de Nürnberg. Foto: Carlos Henrique Loyo

Carlos Henrique LoyoContra tudo e contra todos, eu e minha esposa resolvemos encarar o desafio de cumprir o planejamento que vínhamos elaborando desde o dia 13 de julho de 2010, quando, por motivos de (in)disponibilidade de retirar passagens com nossas milhas, nosso destino de viagem de fim de ano mudou dos Estados Unidos para Alemanha. Pois é, o frio era nossa única certeza já que, ao contrário de muitos, nós adoramos viajar para lugares frios. De calor basta o ano inteiro em Hellcife!

De início, sabíamos que nossa viagem iria começar e terminar em Frankfurt pois era o aeroporto que a TAM operava e as datas que tínhamos. A partir daí fomos montar um roteiro que se encaixasse em nossas pretensões.

Após muita consulta na internet, de ler e reler as páginas (inclusive os comentários) do Viaje na Viagem, pedido de dicas aos trips, achamos o blog Alemanha, por que não? da incrível Angela que, com muita paciência nos ajudou a montar um roteiro que caía como uma luva em nosso planejamento.

A meta era pegar um carro em Frankfurt a caminho de Munique (em torno de 400 km), com um pit-stop em Rothenburg ob der Tauber para almoço e conhecer a cidade rapidamente. Munique serviria de base para conhecermos também Salzburg (145 km) e Füssen (133 km), e de Munique iríamos a Nuremberg (150 km) onde dormiríamos e partiríamos a caminho de Berlim (586 km) com uma parada em Leipzig para almoçar e também conhecer rapidamente a cidade. Em Berlin, nosso último ponto, devolveríamos o carro e voltaríamos para Frankfurt de avião.

Pois bem? com a proximidade da viagem, já com tudo preparado, carro e hotéis reservados o inverno europeu começou a dar indicações que seria mais severo do que o normal. Já em novembro começou a nevar e as coisas foram se intensificando para caos aéreo pela Inglaterra e alguns outros países europeus. Para acompanhar mais de perto, passei a seguir o twitter do Eurocontrol (espécie de Infraero da Europa) e fui recebendo as notícias em tempo real.

Na semana anterior à partida, já tínhamos um plano B "na manga", programamos rapidamente uma viagem (também de carro) iniciando em Barcelona e indo pelo sul da França até Mônaco pois, apesar de frio, não estava nevando por aqueles lados. Mas por via das dúvidas mandei um email para Angela que me acalmou e garantiu a viabilidade da viagem, apesar das nevascas. Segundo Angela, o governo alemão não brincava em serviço e as estradas que são consideradas patrimônios do povo eram constantemente limpas e sempre se encontravam em condições de trafegar. Também me consolou a ida de Riq para Munique a caminho de Dubai, segundo ele, estava frio, tinha nevado, mas ele passeou por Munique, foi a Füssen, e não relatou nenhum problema.

No dia de embarcar minha mãe, que também iria, desistiu de ir, com medo de ficar presa na tão noticiado "caos aéreo" que insistia em chegar por aqui no Brasil tanto por televisão, quanto pela internet com fotos e imagens do povo dormindo em camas de campanha no aeroporto de Frankfurt. Eu e minha esposa, acreditando nos fatos que tínhamos fomos em frente.

Para não dizer que não pegamos nenhum caos, o único que passamos foi a operação padrão que a Polícia Federal estava fazendo no Galeão, pleiteando um aumento salarial, diminuindo o número de guichês para controle de passaporte ocasionando uma fila monstruosa no meio do saguão do aeroporto. Mas nada que uma hora e meia de espera não resolvesse!

Por conta da fila nosso vôo saiu quase 30min atrasado, mas não podemos reclamar pois também chegou quase 20min adiantado.

Em Frankfurt, pela janela do avião no procedimento de aterrissagem eu já vinha olhando as estradas que permaneciam limpas, embora tivesse muita neve, justamente como Angela tinha me dito. Já nessa hora foi me dando uma sensação boa, de que a viagem seria mesmo maravilhosa.

Aeroporto de Frankfurt. Foto: Carlos Henrique Loyo
Quando chegamos no ônibus, do avião para o terminal, pude ver do que tanto se falava por aqui no Brasil.

Ao pegar o carro, no outro dia, e seguir em direção a Munique a constatação do que vinha observando no avião: as estradas realmente são limpas tanto dentro da cidade quanto nas rodovias nacionais.

Como demoramos a sair de Frankfurt devido a atrasos na retirada do carro, volta ao hotel para pegar a bagagem e também devido ao dia estar escurecendo por volta das 16:30, decidimos ir direto a Munique não parando em Rothenburg ob der Tauber. Também precisávamos de uma boa desculpa para refazer essa viagem na primavera ou no outono!!

Na A3 chegando em Munique:

A3 chegando a Munique. Foto: Carlos Henrique Loyo
Em um momento ou outro da estrada a velocidade diminuia e chegávamos a parar, por no máximo 5 minutos, algo que Angela também tinha nos alertado.

Era o povo limpando as estradas ou ainda consertando buracos do tamanho de uma bola de tênis, para que não aumentassem e causassem acidentes.

Reparando a estrada. Foto: Carlos Henrique Loyo

Em Munique notamos os mesmos cuidados em relação às estradas. Bastava nevar um pouco para os caminhões e tratores limparem as ruas e as calçadas.

No dia de irmos a Salzburg o GPS do carro, que estava programado para nos levar pelo caminho mais curto, nos indicou uma rota que até podia ser a mais curta, porém estava longe de ser a mais rápida! Para chegar no destino ele nos fez passar por dezenas de pequenos vilarejos da Alemanha e não pegamos um quilômetro de auto-estrada. Por um lado foi ruim pois demoramos mais de duas horas e meia para percorrer 145km, mas por outro lado presenciamos paisagens de tirar o fôlego, além de constatarmos que até as estradas das pequenas cidades são limpas impecavelmente!

Salzburgo. Foto: Carlos Henrique Loyo
Na volta programamos o GPS para a rota mais rápida e chegamos em Munique com uma hora a menos do que na ida!

Nossa ida a Füssen também foi abortada pois, como minha esposa tem porblema de coluna e não pode andar por muito tempo sem sentar, tínhamos programado para o dia 25/12. Sabíamos que o castelo estaria fechado, mas tínhamos a intenção de vê-lo por fora e tirarmos foto. Mas a incerteza se conseguiríamos chegar perto com o carro a ponto de poder tirar foto, ou se perderíamos a viagem preferimos ficar em Munique para aproveitar mais a cidade que tem tanto para se fazer e não tínhamos tempo a perder!

A ida a Nuremberg também foi muito tranqüila. Para variar um pouco a estrada limpa e tranqüila.

Ao chegar em Nuremberg podemos notar que o cuidado com as vias locais não são tão rigorosos do que em Munique, porém nada que represente perigo iminente desde que haja cautela. No nosso caso, por precaução pois não sabíamos com exatidão como seriaas condições das estradas, alugamos um veículo 4x4 com controle de tração que faz todo o trabalho pesado pelo motorista, trazendo mais segurança!

Nuremberg. Foto: Carlos Henrique Loyo

O pior dia que pegamos nas estradas alemãs, foi justamente o dia em que deixamos Nuremberg em direção a Berlim. Durante todo o trajeto enfrentamos chuva, neve e chuva com neve, porém, mais uma vez, nas estradas a situação foi tranquila.

Auto-estrada para Leipzig com chuva, neve e chuva com neve:
De Nürnberg a Leipzig
Ao pararmos em Leipzig para descansarmos um pouco, almoçarmos e continuarmos a viagem até Berlim, o que vimos foi uma mistura de Munique e Nuremberg, ou seja, algumas vias estavam limpas, porém algumas ainda estavam com neve o que, pelo menos para mim, demonstrou que estavam sendo limpas, mas não na velocidade que vimos em Munique.

Algumas vias em Leipzig estavam completamente limpas, enquanto outras ainda estavam com neve:

Aeroporto de Frankfurt. Foto: Carlos Henrique Loyo
No caminho de Leipzig a Berlim, tudo tranqüilo novamente.

Agora, a suspresa negativa da viagem foi que, ao chegar em Berlim, pensando que as ruas seriam limpas feito Munique, achei um certo descaso. Tudo bem que cheguei em meio ao maior frio que pegamos e a maior quantidade de neve, porém não vi em toda a minha estada (7 dias) nenhum trator ou caminhão limpando as ruas ou calçadas. Nesse tempo todo nevou muito pouco (para não dizer quase nada), a neve acumulada continuou nas ruas e calçadas até que o tempo as descongelasse, e como o frio ficou em torno dos -6°C, só fomos conhecer a calçada do nosso hotel quando estávamos entrando no táxi em direção ao aeroporto.

Resumindo tudo: quem gosta de viajar no frio e de carro como eu e minha esposa, pode ir para a Alemanha sem medo de ser feliz! Apenas tomando um pouco de cuidado pode-se conhecer todas as cidades que desejarem.

Abraços,

Carlos Henrique Loyo

Obrigado, Carlos Henrique! Belo relato!

Leia também:

Europa no inverno: impressões de um recém-chegado

Europa: avião, trem ou carro?

Carro na Europa: as dicas do André Lot

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

55 comentários

Marcie
MarciePermalinkResponder

Que relato bárbaro, adorei! E finalmente achei alguém que curta viajar no frio, como eu. mrgreen

Oscar
OscarPermalinkResponder

É por esses e outros motivos que acho a Alemanha um país fora de série.. Eu acho o máximo dirigir na neve!!
Ótimo relato smile

Ana Luiza
Ana LuizaPermalinkResponder

Olá,
Eu e minha familia nos aventuramos pela Alemanha em dezembro como vcs. A única diferença é que moramos em Siena, na Italia, e foi de lá que saimos rumo a Alemanha. Saimos da Italia no dia 21 de dezembro de manha e chegamos na Floresta Negra pela noite, via Duiça. Havíamos alugado uma casa em Titisse Neustadt, através do site Homelidays. De lá fomos para Salzburg, Freiburg, Baden Baden, Lake Konstanz e Strasbourg. Vivenciamos o mesmo tipo de experiencia com a neve que vcs. Nevava e logo em seguida tinham pessoas fazendo a limpeza... Tanto nas auto estradas como nas estradas vicinais. Incrivel !!! Depois de uma semana fomos para a Bavaria. Haviamos alugado uma outra casa perto de Munich. Ali fomos parados pela policia pois nosso carro não tinha pneu de neve.... Usavamos somente as correntes nos pneus dianteiros, como é comum na Toscana onde moramos. Tivemos a sorte de não sermos multados, pois soubemos que é contra a lei dirigir na Alemanha, durante o inverno, sem os chamados pneus de inverno. Achamos mais prudente trocamos os 4 pneus uma vez que nossa viagem se estenderia até a Austria e sabiamos que havia muita neve por lá. Gastamos 200 euros para trocar os 4 pneus, incluindo mão de obra. Imaginávamos gastar muito mais... De Munich fomos até Fussen. No dia 29 de dezembro visitamos o castelo do Ludwig e não tinha muita neve no caminho. No dia 1o fomos no castelo do pai, que estava aberto pois é um castelo particular... diferente do Castelo do Ludwig que pertence ao governo alemão. De lá seguimos para Salzburg, na Austria. A unica cidade em que tivemos problemas com neve nas ruas foi Baden Baden. Tinha muita neve e a impressão é que as ruas estavam "sujas" de neve há dias. Foi horrivel a experiencia de dirigir naquelas condiçoes.
Até mais,
Ana Luiza

Carlos Henrique Loyo

Pois é Ana Luiza, antes de viajarmos eu lí uma matéria na folha online falando que o governo alemão estava exigindo os pneus específicos de neve para quem trafegava nas estradas, eu alterei a minha reserva (aluguei na Hertz) para que equipassem o meu carro. Mas ao chegar eu não ví muita diferença não, pelo contrário, me deu até impressão de ser pneus para estrada seca, pois não tinham sulcos fundos nem largos mas como estava descrito (e cobrado) na tarifa fiquei despreocupado pois se me multassem eu teria como reclamar. Porém em toda a nossa viagem a policia não nos parou nenhuma vez.

Ronaldo Giusti

Saudades da Alemanha!
As estradas são realmente impecáveis, e é uma experiência fantástica seja pela velocidade nas autobahns, seja pela beleza das estradas menores que passam por dentro das cidadezinhas.
Peguei um pouco de neve também, em novembro de 2010:
http://www.ronaldogiusti.com/2011/01/europa-dia-11-em-busca-da-neve.html

Marcio Nel Cimatti

O cuidado com as estradas na Alemanha é impressionante!

Gostei da coragem do casal de enfrentar a neve!

Abs!

Marcia Kawabe
Marcia KawabePermalinkResponder

Eu e meu marido também adoramos viajar no inverno e fora ele ter enchalhado com o carro na neve em Montebello no Canadá uma vez, e a cidade inteira ter parado para nos ajudar, de resto ele também tirou de letra dirigir na neve smile

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

Os pneus de inverno não se diferenciam tanto por sulcos (isso é pneu de lama/areia/barro), mas ela textura da borracha que proporciona maior aderência e evita formação de gelo pela geometria. Eles desgastam muito mais rápido que pneus normais.

Adolfo
AdolfoPermalinkResponder

O maior perigo de dirigir na neve é quando acontece a primeira neve, aí não tem como limparem. Se formar gelo sobre o asfalto então, não tem como segurar. Depois de alguns dias, as estradas e ruas principais já estão limpas e é tranquilo viajar.

Duas coisas importantes : é fácil dirigir na neve nas condições ditas no post, mas nunca se esqueçam que em caso de nevasca a visibilidade é zero. Outra - sempre levem as correntes porque em determinadas situações é fundamental - e item obrigatório no carro.

Marcelo
MarceloPermalinkResponder

O período recomendado para uso de pneus de inverno é "von Oktober bis Ostern", ou seja, de outubro até a Páscoa. A razão é que, mesmo que não caia neve, os pneus próprios de inverno têm uma aderência melhor no frio, devido à diferenças na composição da borracha.

Enquanto não neva a polícia não exige o uso, mesmo que já seja dezembro. Mas, no momento em que começa a nevar, se você for pego sem os pneus corretos, a multa é salgada.

Então, a recomendação é fazer como o Carlos Henrique, se for alugar carro no inverno, já solicite no momento da reserva que os pneus sejam apropriados. Normalmente já existe uma caixinha para marcar a escolha dos pneus nas próprias páginas do site da locadora.

Para dirigir em estrada com neve, que ainda não tenha sido limpa, o importante é reduzir a velocidade (óbvio...) e não fazer movimentos bruscos com o volante. De qualquer modo, a grande maioria dos carros alugados já vem com ESP, o controle de tração, que ajuda a manter o carro em linha reta mesmo em pistas escorregadias.

Com relação à limpeza nas estradas, a região mais preparada é o sul da Alemanha (Bavária e Baden-Württemberg). Quanto mais ao norte se segue, dá para notar que a limpeza das ruas não é tão eficiente. A razão é porque o volume de neve é bem menor que o do sul, e número de pessoas e equipamento empregadas para a limpeza também é bem menor. O que acontece é que quando temos uma grande quantidade de neve, como aconteceu em dezembro, o foco fica em limpar as estradas e ruas principais, enquanto ruas secundárias, calçadas e parques ficam com neve acumulada.

Aí o perigo se torna o gelo, pois com a pressão dos carros e pessoas, além do próprio peso, a neve embaixo se transforma em gelo, e é MUITO escorregadio. Nesta situação, mesmo dirigindo a 10km/h, o carro escorrega e o ABS entra em funcionamento em quase todas as freadas. É importante manter distância dos carros à frente, para evitar surpresas e estragar as férias.

LUCIEN DANTAS
LUCIEN DANTASPermalinkResponder

ola pessoal,
estou indo daqui ha 3 dias p alemanha. vou fazer berlim(3d), e vou de carro p praga, viena, salzbourg, innsbruck e munique. alugamos um carro station wagon, que ja vem com pneu de "frio". o meu receio é quando entrarmos na rep tcheca e depois na austria, principalmente innsbruck, pelo risco de neve/nevasca. minha duvida, quando formos retirar o carro, ja tem q vir c correntes? e obrigatorio? mesmo estando c pneus DITOS proprios p neve/frio?
esse carro nao tem tracao 4X4. to tentando pegar um e nao estou conseguindo.
obrigado

Angela Arten-Meyer

Adorei o relato e fiquei muito feliz em saber que vcs adoraram vir para cá com toda esta neve.Foi muito bom ajudá-los nesta aventura! Quando será a próxima?

Carlos Henrique Loyo

Oi Angela, estamos começando a planejar, mas acredito que não vai mais ser no inverno! Difícil é arrumar tempo para fazermos todas as cidades que gostaríamos! hahahahah

Onildo Leite Filho

Angela,

Estou marcando para ir a Alemanha fevereiro próximo, uma das minhas grades duvidas foram esclarecidas neste blog, outra duvida que tenho é sobre a paciência dos Alemães com os turista, eles costumam ser receptivos?
Outro ponto, você tem dica de sites de restaurantes?
Obrigado.
Onildo.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Onildo! Ao contrário do que a maioria das pessoas imagina, os alemães são afáveis e super receptivos.

Para falar com a Ângela, dê um pulinho no superblog dela: http://www.alemanhaporquenao.com .

Dri
DriPermalinkResponder

O relato está ótimo!! Mas acho importante eu esclarecer que a fila que vc pegou no Galeão não foi por conta de operação padrão não. Eles estão com um deficit de no mínimo 50% de pessoal e a Infraero/PF se recusam a contratar mais agentes. A situação é tão caótica que muitas vezes na volta de voos grandes o sistema de conferência de passaporte é só do tipo "cara-crachá", ou seja, se for um indivíduo procurado pela polícia, vai entrar tranquilamente. E isso é feito dessa forma justamente para evitar esperas de até 4 horas que vinham ocorrendo qdo a checagem era feita de forma correta. Além de ser um absurdo com os passageiros, é também uma grande "maldade" com os agentes. Para se trabalhar na PF é necessário curso superior completo + meses (ou anos) de estudo para passar no concurso. Não faz o menor sentido usar essa mão de obra altamente qualificada para ficar em pé, em plantÕes de 24hs, conferindo "cara-crachá"...

Carlos Henrique Loyo

Oi Dri, eu passei a informação exatamente como o funcionário da TAM me passou! Se a informação estava errada, peço desculpas.

andrea
andreaPermalinkResponder

Angela e colegas, seria possivel fazer o bate-volta de Munique a Nuremberg no mesmo dia de trem? Quanto tempo? Qual é a empresa que vende as passagens?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Andrea! Nuremberg fica a 1h10 de Munique. Compre na Bahn: http://www.bahn.de/international . Use as grafias "München hbf" e "Nürnberg hbf".

andrea
andreaPermalinkResponder

Muito obrigada

Vladimir Almeida

Prezado Carlos Henrique, parabéns pelo excelente post. Você alugou o carro em qual empresa?

Carlos Henrique Loyo

Olá Vlademir, desculpe a demora e não sei se servirá mais a resposta, porém u so vi a pergunta agora.

Em todo caso aluguei o carro na Hertz Frankfurt Hauptbahnhof. O atendimento muito bom.

Abraço e mais uma vez, desculpe a demora.

fernando santos

Prezado Carlos Henrique, estou de viagem marcada para setembro a Alemanha, estou precisando de um guia que fale portugues, poderia me ajudar?

Carlos Henrique Loyo

Desculpe Fernando, não posso ajudar. Durante toda a viagem nos comunicamos em inglês mesmo.

Abraço e boa viagem!

Sandra
SandraPermalinkResponder

Adorei! Eu e minha família já viajamos de carro pela Europa no verão, estamos programando nossa próxima viagem para janeiro e o meu medo era justamente dirigir com neve e agora fiquei mais tranquila e vou manter meu roteiro que passa pela Alemanha e também Suiça e provavelmente vamos encontrar neve. E como vocês, adoramos viajar no inverno, já basta o ano todo no calor da Bahia.

Anderson e Mariana

Grande Carlos, excelente o post, muito claro, objetivo e instigante... Farei um tour pela Europa com minha filha Mariana de 15 anos. Chegaremos em Berlin dia 25/12, ficaremos na cidade até o dia 29/12, quando partiremos para München. Pretendemos visitar a fábrica da Audi em Ingolstadt (a 69 kms de München) e Fussen, por isso estou pensando em alugar um carro dia 01/01 e devolvê-lo dia 03/01, dia que partiramos para Firenze. Estava apreensivo sobre dirigir neste período na neve mas seu post me tranquilizou... o que acha da minha ideia de alugar o carro e visitar estes lugares com ele? Forte abraço parabéns novamente pelo post !

Carlos Henrique Loyo

Oi Anderson, se você gosta de dirigir feito eu, vai achar a experiência maravilhosa!

O único problema que tive é a saudade daquelas Autobans maravilhosas quando ando pelas estradas daqui!

Talvez nos encontraremos na Itália, esse ano passarei as festas de Natal e Reveillon na Toscana!

Abraço e boa viagem também!

Pedro Luiz Gonçalvesw Loyo

Ola, Carlos.
Muito prazer em conversar com você. Acho que somos paretes distantes. Sou originário de Santos-SP, mas moro e trabalho em São Paulo há quase 50 anos. Tenho 68 anos, sou advogado, tenho três filhos homens, dois casados, 29 e 32 anos e um solteiro, 31 anos. Há algum tempo atrás, talvez 4 ou 5 anos, tive contato via email com Carlos Loyo, pai do Eduardo Loyo. Perdi o email dele e não nos omunicamos mais. Você teria informações dele?
Um acbraço
Pedro Loyo

Pedro Luiz Gonçalvesw Loyo

Carlos, desculpe os erros, mas meu teclado pifou!!!.Novos abraços.
Pedro Loyo

Tony
TonyPermalinkResponder

Muito bom o post, parabéns! Minha esposa e eu estamos querendo fazer Alemanha e Leste Europeu de 15/01/2012 até 10/02/2012. Na parte da Alemanha ok, mas alguém sabe se dá para encarar o Leste Europeu nessa época? Dá pra fazer de carro ou é melhor de trem? Obrigado

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

Tony, lugares onde neva e faz muito frio se caracterizam por ter uma estrutura permanente para lidar com neve. Por isso é mais provável vc encontrar "caos" se never moderadamente no sul da França do que na Dinamarca.

Isso posto, o leste europeu ainda não chegou aos standards ocidentais da Europa em termos de assistência, qualidade do pavimento, sinalizaçõa etc. Rep. Checa, Eslováquia, Polônia, Esolvênia e Croácia já estão mais palatáveis do que há 5 anos. Hungria é um caso mais complicado, Bulgária e Romênia nenhuma locadora praticamente permite o acesso e tem estrutura bem deficiente.

Sobre o "melhor carro ou trem", depende dos seus destinos, do seu estilo de viagem etc.

Tony
TonyPermalinkResponder

André, muito obrigado pela atenção e pronta resposta.
Então pelo o que entendi a parte do Leste Europeu é melhor fazer de trem. Estamos pensando em fazer essas cidades: Frankfurt, Colonia, Berlin … essa parte de carro, deixamos o carro em Dresden para pegar o trem e fazer a parte do Leste Europeu – Praga, Viena, Budapeste e Salzburg … daqui pensamos em pegar o carro novamente e fazer o resto da Alemanhã – Munique, Nuremberg até chegar em Frankfurt de novo. Estamos em duvida desse roteiro ou ao invés de Leste Eurpeu fazer a Suissa de trem também. Desculpe abusar, mas será que vc poderia nos ajudar? Obrigado.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Tony! Leia tudo sobre trem na Europa neste post:

https://www.viajenaviagem.com/2011/07/vai-por-mim-trem-na-europa/

Tony
TonyPermalinkResponder

valeu Bóia ... vou ler e qualquer duvida te falo.

Angela - Alemanha! Por que não?

Olá Tony,

Qualquer dúvida sobre o roteiro, trajetos, trens, etc. nestas regioes, entre no meu site e veja as informacoes por lá.
Se tiver dúvidas, é só entrar em contato.

Tony
TonyPermalinkResponder

Olá Angela, estou adorando seu blog ... esta me ajudando muito para programar a viagem. Muito obrigado pela atenção ... e pode deixar que assim que surgirem as duvidas irei te perguntar. Obrigado.

CARLOS ALBERTO DA SILVA

Olá Carlos Henrique.
Vou para Frankfurt em julho /2012 juntamente com minha esposa e filha. Ficaremos uma semana ( de domingo a domingo ). Ficaremos baseados (hote) em Frankfurt e pretendo fazer passeios rápidos (até 3 horas de viagem)e no final do dia retornar para Frankfurt. Minha dúvida é: alugo um carro ou faço de trem? Estou propenso a alugar um carro. Cotei pela Hertz e não achei caro. Mas tenho algumas dúvidas:
Minha CNH serve na Alemanha?
Como é o estacionamento em frankfurt e em outras cidades da Alemanha?(no Hotel que vou ficar, o estacionamento é 12 euros por dia).
-Posso estacionar na rua ? Tem custo?

Alexandre
AlexandrePermalinkResponder

Boa tarde,
Estamos planejando alugar um carro em novembro 2012 para irmos pela rota romântica na Alemanha e gostaria de saber da necessidade de se alugar pneus especiais para neve.
Obrigado

Eduardo
EduardoPermalinkResponder

Pretendo ir para Frankfurte Munique no final de novembro? Será que já estará nevando? Muito frio? As cidades e atraçoes na rota romantica (castelos, etc)estarão abertos nessa época?
Obrigado,
Eduardo

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Eduardo! É possível que neve. As atrações não fecham, as cidades é que ficam menos animadas à medida que o frio vai aumentando.

Doris Lago
Doris LagoPermalinkResponder

Olá Carlos,eu e meu marido estamos planejando ir a Berlim,Frankfurt e Munique em março/2014,passar uns 10 dias ,ainda é possível ver neve nesta época ? nunca vimos neve é o nosso sonho.
É possível deixar as bagagens em Berlim ( hotel) para conhecer as outras cidades de trem ?
Obrigada.

-- A.L. (Dois Mapas)

Doris, não há garantia de neve no chão em nenhuma dessas cidades em nenhuma época do ano. Se vc quer ver neve, o mais indicado é vc fazer um passeio bate-e-volte de um dia (ou até dormir lá duas noites substituindo München no seu itinerário) a Garmisch-Parternkirchen e subir no Zugspitze, que fica a 1h30 de München com fácil acesso de trem.

10 dias já vão ocupar bem seu tempo nessas 3 cidades, nào há necessidade de arrumar ainda mias passeios.

LIno
LInoPermalinkResponder

Muito bom o relato! Estou indo no ano que vem para e Alemanha, e por coincidência farei a mesma rota, so que eu esticarei até Chamonix. A dúvida era sobre os pneus de neve e/ou correntes, mas no seu caso foi um 4x4. Acho que eu optarei pelos dois acessórios!! Adoro neve e frio e vou batendo os meus recordes -19 em St. Petersburg. rss
abçs

Leonardo Aragão

Boa noite
Eu e minha esposa viajaremos em Março do próximo ano para Itália. Queremos alugar um carro. Estou com muitas dúvidas, relativo principalmente a dirigir na neve. O site (europcar) indica que alugaremos com correntes de neve, mas acho que elas são usadas apenas quando há neve mesmo na pista. E quando ela está com neve apenas nos lados, nao fica lisa também? E os pneus de neve?
As vias principais sei que há o tratamento com sal, mas e as estradas menores?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Leonardo! As estradas só ficam intransitáveis em caso de nevasca. Esteja preparado para instalar as correntes se necessário. Se está com receio, pondere se é realmente indispensável fazer o percurso de carro.

Daniel Albuquerque Tabatinga

Gostei muito deste relato. Com ele , pude ter uma noção melhjor do meu roteiro.

Alexander Selbach Backes

Excelente post! Eu ainda não me decidi se alugo ou não o carro, por conta da neve mesmo. Estarei do dia 24/12 a 06/1/2015 , e agora lendo o post, acho que seria a melhor opção mesmo.

Nauria
NauriaPermalinkResponder

Pretendo conhecer Rothenburg ob der Tauber no próximo inverno europeu, você acha que as estradas são seguras o suficiente para ir de carro mesmo com neve?
obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Nauria! Como você viu pelo relato do Carlos Henrique, as estradas costumam estar tranquilas, mesmo com neve. Mas ter prudência é sempre bom. smile

Samira
SamiraPermalinkResponder

Muito bacana o depoimento! Eu e meu namorado estamos planejando para dezembro/2016 pegar o carro em frankfurt (provavelmente mesmo voo que voces) e seguirmos rothenburg ob de tauber e seguir a munique! Pelo que vimos o valor do transporte publico ia sair mais caro que o aluguel de carro para esses dias! Estavamos um pouco apreensivos com a questao da neve, mas esse post foi animador!

Marcella
MarcellaPermalinkResponder

Sempre gostamos de passar as festas de fim de ano em família viajando. E como bons nordestinos também adoramos curtir uma viagem no frio. Porém a deste ano será a rota romântica na Alemanha, dirigindo, e eu tava ficando preocupada com essa questão. Me sinto bem mais tranquila agora!

Nichelle
NichellePermalinkResponder

estou pensando de ir em fevereiro e conhecer a Alemanha de carro. será que ainda tem neve? será que perderei muita coisa por causa do frio? obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Nichelle! Fevereiro é inverno, pode nevar.

Veja prós e contras de viajar à Europa no inverno:
https://www.youtube.com/watch?v=53uhrz70egA

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar