Budapeste-Viena-Praga: use a receita da Wanessa

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Palácio Hofburg, Viena

A querida pessoense Wanessa Lima, dona do excelente blog Cadernos de Viagem, acabou de voltar de um tour cultural por Budapeste, Viena e Praga. E, como não está sobrando tempo para atualizar o blog, decidiu presentear os leitores do Viaje na Viagem com o completíssimo relato da viagem, com todos os detalhes mastigadinhos para quem quiser usar. Olha só que maravilha. Vai pela Wanessa:

Texto | Wanessa Lima
Fiquei 4 noites em Budapeste, 4 em Viena e 5 em Praga. A Budapeste, eu tinha ido ano passado, mas a viagem foi interrompida por um problema de saúde, então, quis começar do zero. Com 3 dias inteiros, ainda faltou tempo para ver algumas coisas, mas acho que isso se deve ao meu ritmo de viagem, que tende mais para o lento. Em Viena, também achei que 3 dias inteiros foi pouco. Eu adoro visitar museus e fotografar a arquitetura da cidade, e Viena oferece muito disso! Muita gente inclui um dia a mais para fazer um passeio a Bratislava, mas eu passaria esse quarto dia em Viena mesmo. Em Praga, tive quase 5 dias inteiros, pois meu vôo de volta era só às 19:50h, e achei que o tempo foi suficiente para explorar bem a cidade.

Passagem internacional

Comprei as passagens aéreas com agente de viagem (pagando uma taxa extra por isso) pela Iberia, saindo de Recife para Budapeste e a volta de Praga para São Paulo, sempre com conexão em Madri. Talvez por a Malev Hungarian e a Czech Airlines serem membros da aliança One World, como a Iberia, as conexões oferecidas eram muito melhores do que as das companhias da Star Alliance. Já li muita critica à Iberia, mas a única coisa que fez falta foi um sistema de entretenimento individual. No resto, não deixou a dever à TAM e à TAP, outras empresas com que já voei para a Europa.

Deslocamentos internos

Fiz todos de trem. De Budapeste para Viena, deixei para comprar a passagem dois dias antes da viagem e não encontrei das mais baratas (13 euros). Como tinha de chegar a Viena com hora certa, comprei a mais cara mesmo, na primeira classe. Se eu tivesse maior flexibilidade, ainda teria encontrado a passagem na segunda classe para outros horários no dia pretendido. A compra teve de ser feita na Keleti Station, pois a MAV, empresa que explora os trens na Hungria, ainda está implantando a venda pela internet (eu consegui ver os preços, mas não deu para concluir a compra on line).
De Viena para Praga, comprei a passagem pela internet. O tutorial do Riq é perfeito.

Transporte na chegada e saída dos aeroportos e estações de trem

Em Budapeste, usei o shuttle Minibusz, contratado no próprio espaço da retirada das bagagens no aeroporto (também dá para contratar já no saguão de desembarque). O transfer é feito em vans, mas o número de passageiros é bem razoável. Ano passado, já tinha usado esse serviço reservando pela internet, e funcionou direitinho. Para ir à estação Keleti, fui de táxi, pedido na recepção do hotel.

Na chegada a Viena, usei o metrô, de acordo com as orientações deixadas pelo Riq aqui no VnV. Mesmo carregando mala e tendo de fazer uma conexão no metrô, foi muito tranqüilo, pois todas as estações tinham elevador/escada rolante. Ainda assim, na hora de ir embora, preferi pegar um táxi, por causa do peso da mala, que aumentou consideravelmente depois dos livros comprados nas lojas dos museus…
Aqui cabe um aparte: eu tenho problema com malas. Não consigo fazer mala leve de jeito nenhum! Mas dessa vez, houve uma circunstância agravante, que foi ter planejado uma mala “ligeiramente” inadequada para a temperatura que estava fazendo. As médias de temperatura do Weather.com me induziram a pensar que estaria bem mais frio do que efetivamente estava. Então, já em Budapeste, percebi que não iria precisar de várias peças de roupa. Em situações normais, eu simplesmente abandonaria algumas no hotel, mas aquelas eram peças das quais eu não podia me desfazer, já que aqui no Nordeste, onde eu moro, não se adquire com facilidade roupa de frio! A solução foi mandar um pacote de roupa pelos correios pra casa. Postei em Budapeste e ainda estou esperando chegar, mas foi uma mão na roda (se chegar mesmo!).

Voltando ao assunto do shuttle: como a chegada a Praga ia ser à noite, preferi não arriscar e contratei pela internet o serviço que o Riq sugeriu. Funcionou tudo à perfeição, igualzinho está no post. Quando vi de longe o cartaz laranja, nem precisei ler o meu nome pra reconhecer o motorista que me esperava! Devia ter contratado logo a volta para o aeroporto, mas deixei pra depois, fiquei sem acesso à internet e, quando me lembrei do assunto, não tinha mais tempo. Aí, morri no transfer oferecido pelo hotel, que foi ótimo, mas um pouco mais caro do que o da chegada.

Transporte público

Usei bastante o metrô em Budapeste e Viena. Em Praga, um pouco menos, mas também usei. Nas duas primeiras, logo que cheguei, adquiri tickets de 72 horas. A compra foi feita nas máquinas das estações de metrô, com cartão de crédito (ou VTM). Todas têm opção de vários idiomas, de modo que ninguém precisa entender húngaro pra comprar. Com o bilhete na mão, é só validar no primeiro uso em uma maquineta na entrada do metrô ou dentro dos trams e ônibus, para marcar o horário em que o ticket começou a ser usado.

Em Budapeste, na porta de TODAS as estações de metrô, havia fiscais conferindo a validade dos tickets de TODOS os passageiros. Nos trams, ao contrário, nunca vi fiscais. Uma vez, um desses fiscais tentou me aplicar uma pegadinha (eu acho que foi isso). Pegou meu ticket, me levou até a máquina de venda de bilhetes e pediu que eu apontasse o tipo que eu tinha comprado. Mas não havia a opção de ticket de 72 horas! Falei que não era nenhum daqueles, já preocupada, e ele disse que estava tudo ok. Assim eu descobri que nem toda máquina vende esse tipo de bilhete.

Em Viena e Praga, não vi nenhuma fiscalização, foi tudo na base da confiança mesmo, mas eu não gostaria de pagar (ou de não pagar) pra ver o que acontece com quem é pego sem ticket válido…
Ainda sobre Praga, como não planejava usar tanto o transporte público, comprei bilhetes simples ou de 24 horas quando foi necessário.

Todas as informações sobre transporte público podem ser encontradas em:

Hotéis

Quando vou escolher hotéis, procuro o que tem a melhor localização dentro da faixa de preço que estou disposta a pagar e com o nível de conforto que espero. Sempre fico na faixa dos 100,00 euros pra baixo.

Em Budapeste, minhas pesquisas me mostraram que a hotelaria é bem barata e por isso, ao invés de economizar, resolvi escolher um hotel mais confortável, ainda dentro da minha faixa de preço.

Fiquei no Opera Garden Hotel & Apartments. Para mim, a localização era muito conveniente, pois a minha programação incluía uma apresentação na Ópera e outra no Teatro Thália, que também fica nessa região, e eu pude ir caminhando desde o hotel. Também é um hotel conveniente para quem pretende ir ao Conservatório de Música (Zeneakadémia ou Franz Liszt Academy of Music). O hotel fica em uma rua de pedestres e a área é bastante tranqüila. Dá para fazer vários passeios a pé ou usar a estação Opera do metrô. Minha reserva foi feita pelo Booking.

Outra localização que achei boa para ficar em Budapeste é na região próxima à Deak Ferenc Ter, onde fica a principal estação de metrô, que conecta três linhas, e à Vorosmarty Ter, por causa da facilidade de transporte e dos restaurantes e cafés por perto. É grande a oferta de hotéis ao longo da Váci utca (rua de pedestres com bastante comércio), mas acho que só vale a pena ficar nos que estão no começo dessa rua, que é na Vorosmarty Ter.

Ao contrário de Budapeste, em Viena, a hotelaria é beeem cara! Estava difícil conseguir um hotel com diária de até 100,00 euros dentro do Innere Stadt, que é a parte que concentra a maioria das atrações da cidade. Fiz uma reserva do tipo que podia cancelar sem ônus no Booking e continuei procurando, até que, mais ou menos um mês antes de viajar, encontrei uma oferta do tipo 4 noites pelo preço de 3 no Hoteis.com e reservei o Austria Trend Hotel Rathaus. A localização não foi perfeita, porque essa região, apesar de bem próxima da Universidade de Viena, “morre” nos fins de semana e não tem muita oferta de restaurantes à noite. Isso muda um pouco nos dias de semana. Mesmo sem muito movimento, a região é segura, e usei a estação de metrô (Rathaus) à noite sem medo.

Em Praga, os preços são intermediários. A dificuldade de escolher vem do fato de que a oferta de hotéis é muito grande, e todos parecem iguais. O ponto de referência para a localização da hospedagem é a Ponte Carlos, que corta o Rio Vltava. A maioria dos hotéis se situa em Stare Mesto (cidade velha), mas resolvi seguir a dica do Riq e procurar um hotel em Mala Strana, do “outro lado do rio”. E ainda bem que segui essa dica! Mala Strana é um emaranhado de ruelas antigas, que parecem ainda não ter sido “descobertas” por ninguém e permitem que você passeie com calma por um cenário de filme (de filme mesmo, já que “Amadeus” teve cenas gravadas ali). E tudo isso a um pulo de Stare Mesto, região da cidade que também é linda e que dá ótimos passeios (mas pra isso ninguém precisa se hospedar lá, no meio daquela muvuca toda!). Também existem muitos hotéis em Nove Mesto (Cidade Nova), perto da Praça Venceslau. Mas eu acho que também não teria gostado de ficar nessa região, que é muito comercial e – impressão minha – não deve ter muita graça à noite. Enfim, decidida a ficar em Mala Strana, peguei aqui no VnV mesmo a dica do hotel Kampa Garden, que é simples (com preço compatível), mas a dois passos da Ponte Carlos. Reservei pelo Hoteis.com, que tinha o melhor preço na época.

Passeios

Além do VnV, usei os seguintes blogs na montagem dos meus roteiros:

Usei também esses relatos de viagem que achei pelo Google no fórum do Fodor’s:

Queria deixar umas dicas para quem quer aproveitar a – intensa – programação cultural, que é uma característica das três cidades, e que foi o foco da minha viagem.

Tanto em Budapeste, quanto em Praga, e principalmente em Viena, é possível assistir a maravilhosos concertos de música clássica, óperas e balés. Mesmo para quem não gosta especialmente desse tipo de apresentação (ou para quem nunca foi a uma), quer lugar melhor no mundo pra tentar? E, se não gostar do espetáculo, dá para apreciar os belos teatros por dentro. Então, é aproveitar a oportunidade!

Em Budapeste, a Ópera é conhecida pela boa relação custo benefício: ótimos espetáculos e preços baixos. Assisti lá à minha primeira ópera, que foi “As Bodas de Fígaro”, de Mozart. Eu nunca gostei de “ouvir” ópera, mas, ao vivo, a coisa é bem diferente, achei emocionante! O espetáculo tinha uma montagem bem tradicional – diferente da apresentação que vi em Praga – e foi uma iniciação perfeita nesse gênero. O site da Ópera encaminha para o um site de venda de ingressos onde dá pra comprar tickets para muitas outras atrações.

Fui ver também “Carmem”, da Compañia Antonio Gades, que estava participando do Festival de Primavera de Budapeste. Foi difícil conseguir o bilhete, estava esgotado em alguns sites de vendas de ingressos, então, precisei recorrer a uma agência. Usei os serviços da Vienna Ticket Office. Localizei a agência pelo Google e comprei no escuro, sem referências do serviço. Troquei alguns e-mails com uma funcionária para acertar detalhes da compra e, mesmo tendo achado o atendimento muito sério, fiquei apreensiva até retirar o ticket na bilheteria do Teatro Thália, mas deu tudo certo. Claro que paguei uma comissão, mas o valor foi razoável, e o espetáculo valeu muito a pena! Eu poderia ter também entrado em contato com o hotel para tentar conseguir esse ingresso, mas ainda estava meio indecisa sobre a escolha da hospedagem, por isso, não usei essa alternativa.

Ainda pesquisei sobre concertos de música clássica, mas não daria para encaixar na minha agenda. Descobri que a principal sala de concertos de Budapeste, que é a da Zeneakademia ou Academia de Música Franz Liszt está fechada para reformas atualmente. Outras opções são o Centro Kodály e o Palácio das Arts.

Em Viena, é difícil até mesmo desviar da oferta de apresentações de música clássica, principalmente em frente à Stephansdom e no Hofburg. Mas eu preferi evitar os espetáculos montados apenas para turistas. Fui ver o balé “Don Quixote”, encenado na Ópera. Minha cadeira era praticamente no teto do prédio, mas era o único tipo de ingresso disponível cerca de um mês antes da viagem, quando organizei minha programação, e achei que valia a pena. É claro que existia a opção dos “stand tickets”, para uma sala onde as pessoas assistem aos espetáculos de pé (sobre o assunto, recomendo a leitura deste relato. Mas como minha “agenda” exigia que eu fosse à Ópera em Viena no mesmo dia em que viria de Budapeste, não tinha tempo de chegar cedo, por volta das 16h, 17h, para guardar um lugar, por isso resolvi comprar o ingresso mesmo para uma cadeira mal localizada. E o espetáculo foi tão lindo que o desconforto não prejudicou a experiência. A compra foi feita no site da Ópera mesmo.

Também fui assistir a um concerto de música clássica no Musikverein. Não consegui ver a Filarmônica de Viena, que é a mais conceituada das orquestras da cidade. Tive de me “contentar” com a Orquestra Sinfônica de Viena! Quem fizer questão de ver a Filarmônica, tem que entrar em contato por telefone uma semana antes da data da apresentação para comprar um dos ingressos restantes (a venda não é feita pelo site) ou apelar para os stand tickets.

Outra boa sala de concerto em Viena é a Konzerthaus, mas não deu tempo de ir. Várias igrejas também promovem concertos de música clássica. Uma que fiquei com vontade de ir foi a Karlskirche. Para quem gosta de música sacra, o Vienna Boys’ Choir se apresenta nas missas da capela do Hofburg.

Enfim, Praga. Aqui a oferta de concertos também é enorme, mas a cidade não tem tanta “tradição” no assunto quanto Viena, então, é mais fácil conseguir os ingressos, e os preços são mais baixos. Para se informar num lugar só sobre todas as opções, ao lado da entrada para a Igreja de Nossa Senhora Diante de Tyn, fica uma lojinha de CDs chamada Via Musica, que tem um painel com folhetos de todos os espetáculos, não só de música clássica, mas também de jazz.

Programei uma ida à Ópera para ver um balé. Dei a sorte de ver a estréia da montagem local de “Giselle”, que foi uma apresentação arrebatadora, com direito a muitos aplausos em cena aberta. Na hora da compra, o site da Ópera redireciona para o Bohemia Tickets, que vende ingressos para outros espetáculos também.

Vi ainda “A Flauta Mágica”, de Mozart, numa versão modernizada. A história dessa ópera é tão fantasiosa que um cenário e um figurino um pouco atualizados não fizeram mal nenhum. E poder ouvir a tão famosa ária da Rainha da Noite ao vivo… não tem preço! O espetáculo era montado pelo Naródni Divadlo (Teatro Nacional tcheco), que tem vários prédios (é bom conferir exatamente em qual teatro vai ser o espetáculo, pois quase perdi o início da apresentação por ter ido pro local errado!). No meu caso, a apresentação aconteceu no Estates Theatre, local em que Mozart em pessoa regeu a estréia em Praga de outra de suas criações, a ópera Don Giovanni. Para compra de ingressos, o site do Naródni Divadlo redireciona para o Ticket Portal.

Faltava conhecer o Teatro Negro de Praga, que é tão típico da cidade. Eu já tinha passado pela porta de uma infinidade de locais com apresentações desse gênero, mas não tinha ficado realmente interessada em assistir a nenhuma delas, todas me parecendo apenas “pra turista”. Pois eu devia ter me conformado à minha condição (de turista, afinal!) e ter ido ver um desses espetáculos. Mas resolvi inovar e ver o Lanterna Magika, que também faz parte do Teatro Nacional. Era a estréia da montagem “Legends of Magic Prague”, mas eu tenho de confessar que não gostei. Nem sei explicar o motivo de não ter gostado, talvez não tenha entendido a coisa, mas acho que não fui a única, porque pessoas sentadas ao meu lado não retornaram após o intervalo… Comprei o ingresso no teatro mesmo, cerca de uma hora antes da apresentação (foi um dos últimos lugares).

Nessa noite, eu poderia ter escolhido ir a um concerto de música clássica: ou ver a Orquestra Filarmônica Tcheca se apresentar no Rudolfinum ou uma orquestra de câmara no Smetana Hall, na Casa Municipal. Esse segundo, eu gostaria de ter ido nem que fosse só para conhecer a sala de concertos, que é linda.

Só para dar uma idéia da facilidade de comprar ingressos em Praga: Joshua Bell iria tocar com a Filarmônica cinco dias mais à frente – ah se eu ainda estivesse lá… – e ainda havia tickets disponíveis para essa apresentação, o que não aconteceria em Viena de jeito nenhum! Aliás, em Viena, tinha visto uma reportagem sobre a estréia da ópera Anna Bolena, em que um monte de gente muito fina, vestida para a apresentação de gala, exibia em vão as notas de euro em busca de um bilhete! Assistiram debaixo de chuva, num telão montado na rua…

Sobre os preços dos ingressos: como adiantei, em Viena, paga-se sempre mais do que em Budapeste e em Praga (mas é assim em todos os aspectos, Viena realmente não é uma cidade barata). Mas há ingressos para todos os bolsos, começando com os stand tickets, que custam apenas alguns euros. Em alguns casos, paguei menos do que os preços dos ingressos de espetáculos voltados somente para turistas que, segundo vi, não são exatamente baratos…

Recomendo muito para quem vai viajar para essas cidades aproveitar essa programação cultural tão ampla. Eu acabei fazendo uma maratona de teatros e óperas, o que só deixou a minha viagem ainda mais inesquecível!

Lindo, Wanessa! Muitíssimo obrigado em nome de todos os leitores!

Leia mais:

567 comentários

CLAUDIO PIRACICABA

Olá, boa noite.
Esse é o primeiro contato com o site e estou gostando muito do que estou vendo. Li muitas coisas legais.
Assim como o Costa, estarei em Berlim de 27/9 a 1/10 participando da Maratona de Berlim. Vou com a Kamel e ficarei no Ibis. Em estando vivo na segunda-feira, dia 1/10, gostaria de dar uma zanzada em Budapeste, Praga e Viena. Estaremos em 2 pessoas, minha esposa e eu. Para tanto, dispomos de 6 dias, vez que no sabadão queremos estar de volta a Londres. Na terça - dia 9/10, pegamos o voo da TAM.
Dessa forma, gostaria de um palpite sobre como usar esses dias nas 3 cidades. Gostaria ainda de saber qual a melhor ordem para visitar essas cidades e se o trem é a melhor opção.
Abraços a todos.
Claudio

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Alô, Claudio! As dicas estão todas nesse post wink

CLAUDIO PIRACICABA

Legal, obrigado.
Realmente, no post há informações suficientes para a minha necessidade. Entretanto, ainda estou em dúvida quanto a ordem das cidades. Se alguém puder me ajudar, agradeço.
Abraço a todos.
Claudio

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Claudio,
A ordem das cidades está no título do post "Budapeste-Viena-Praga". Na minha opinião seis dias é pouco para conhecer o básico das três cidades. Leia também os posts (e comentários):
https://www.viajenaviagem.com/2009/09/paula-e-fred-na-europa-central/
https://www.viajenaviagem.com/2007/09/viena-pra-dani/

Rochelle
RochellePermalinkResponder

Sem dúvida, tem que começar por Budapeste, depois Viena e, enfim, Praga. Caso contrário, não achará graça nas primeiras.

Eva
EvaPermalinkResponder

Ola, bom dia,
trabalho como guia turistica em Praga e outras cidades da rep. Tcheca faz 3 anos. Sou uma das poucas guias que fala portugues.
Entao se alguem vem visitar minha cidades linda e vai querer guia, pode combinar comigo por email: ejatechnikova@email.cz
Obrigada e boa viajem
Eva

João.
João.PermalinkResponder

Boa tarde, pessoal.
Estamos voltando de viagem por Budapeste-Viena-Praga-Paris (só 1 "diazinho" para matar a saudade!!!).
Antes de tudo, agradecer mais uma vez à Wanessa Lima pelo excelente post, completíssimo, que muito ajudou na organização de nosso roteiro. Não há muito o que dizer depois dele!
De qualquer modo, gostaria de deixar algumas informações que podem ser úteis.
Em Budapeste a dica é o hotel La Prima, na rua Pesti Barnabás, nº 6. É um hotel novo, moderno, muito bem localizado (meia quadra da rua Vaci e 1 quadra e meia do Danúbio, próximo à ponte Elizabeth), excelente serviço, pessoal atencioso, 82 euros/dia, com café-da-manhã, reservei pelo booking.
Bem embaixo do hotel tem um restaurante italiano, La Porta di Taormina, muito recomendável, 49 euros para 2 pessoas (entrada, prato, vinho, café).
Outra dica gastronômica - restaurante Menza, próximo ao Conservatório Lizst. Ambiente moderno, boa cozinha típica.
Nós tomamos o ônibus turístico HopON HopOFF nos 2 primeiros dias, o que facilitou o deslocamento e localização na cidade e inclui ida e volta à ilha Margarida. Nos outros 2 dias ficamos "on my own".
Vale muito um passeio pela Ilha Margarida - muito bem cuidada, toda florida, local de lazer para os nativos.
Vale também subir na torre da Basílica de Santo Estevão, a vista é muito linda, tem-se uma boa noção de Budapeste lá de cima. Tem elevador!
Tomar cuidado na estação Keleti - há uma máfia com uniforme da MAV que, a pretexto de ajudar na localização da plataforma e dos trens, procura extorquir o turista. De mim levaram 2 euros somente, mas vi literalmente pegarem da carteira de um casal de japoneses uma nota, só não vi quanto... melhor não aceitar ajuda!!!
Continua...

João.
João.PermalinkResponder

Continuando.
Viena impressionou pela limpeza, organização, segurança e funcionalidade da cidade - o transporte é integrado (metrô, tram, ônibus); não se vê policiamento ostensivo e parece não haver controles - compramos o passe de transporte de 72h e nunca nos solicitaram!
A dica de hotel para quem chega de trem de Budapeste é o Motel One, junto à estação Westbahnhoff - novo, funcional, bom serviço, 69 euros/dia para 2 pessoas, sem café-da-manhã (acho que era uma promoção, pois tinha reservado por 84 euros e a diferença a menor veio em boa hora!). É do tipo Ibis - grande, talvez meio impessoal, mas na minha opinião, um Ibis melhorado! A distância ao centro não foi problema: uma boa caminhada pela rua Mariahilfer ou o metrô resolvem o assunto...
Vale muito uma visita à Ópera de Viena, mesmo somente como tour, e também ao Musikverein (aqui assistimos a Filarmônica e a Sinfônica de Viena, simplesmente fantásticas!)
Válida também uma ida ao Teatro de Marionetes do Palácio Schonbrunn (assistimos à Flauta Mágica de Mozart - excelente, a sincronia do movimento das marionetes com a música é fora-de-série!). É em alemão, lógico, mas tem folder em espanhol sobre o espetáculo, o treinamento dos "marioneteiros" e a confecção das marionetes.
O Museu Freud e a Mozarthaus valem a visita também!
Fomos ainda assistir a apresentação de cavalos na Escola de Equitação Espanhola no Palácio Hofburg, centro de Viena - pitoresco, diferente, o treinamento do animais é impressionante!
Em relação a restaurantes - o Figlmüller, desde 1905 (o maior schnitzel de Viena!), é recomendável; pitoresca é uma ida à Grinzing para almoçar numa Heuringen (taverna) - servem schnitzel, entre ouros pratos, e vinho do ano. Pegue o tram 38 na estação Schottentor e vá até o fim da linha.
De Viena fomos de trem para Praga.
Continua...

João.
João.PermalinkResponder

completando...
Viajamos de Budapeste para Viena na 2ª classe e o trem foi melhor que de Viena a Praga na 1ª classe, não sei o motivo!

Praga é mais suja que Budapeste e Viena, principalmente, mas tem seus encantos. O Relógio Astronômico na praça da Prefeitura / Staromestské Námestí, cujas baladadas são puxadas por um esqueleto, é fantástico. Fiquei com a impressão que os tchecos pensam na morte e lidam muito bem ela, certamente reflexo da história deste povo!
Ficamos no hotel Falkensteiner Maria Prag, na frente da estação de trens. A zona não é assim uma brastemp, como diria nosso Comandante Ricardo Freire, mas facilitou a chegada e a saída com as malas e a ida à Ópera, 2 quadras do hotel, na mesma noite da chegada. Bom hotel, bom serviço, pessoal atencioso e prestativo, café-da-manhã exagerado até, 101 euros a diária para 2 pessoas com CM, reservei pelo booking.
Além dos passeios básicos, recomendaria a Ópera (assistimos o balé Gisele - fantástico, obrigado pela recomendação Wanessa!), o Rudolfinum (assistimos a Filarmônica de Praga na sua própria casa, a sala é lindíssima, excelente programa!) e a Smetana Hall, a Casa Municipal (lindíssima decoração, assistimos a um quinteto de cordas tocando Mozart e Dvorák).
Vale também uma visita ao Museu do Comunismo - muitas peças da época, bustos, estátuas de Lenin e Stálin, a propaganda comunista, registros da Primavera de Praga e da queda do comunismo. Fiquei com a idéia que o regime comunista mentiu muito sobre o Ocidente, exagerando seus defeitos e suas mazelas para a população, e que a democracia ocidental foi mais realista e verdadeira conosco sobre o comunismo.
Imperdível é o Museu Kafka, em Mala Strana, faz pensar!
Há uma instalação do polêmico escultor tcheco David Cerny na frente do museu (2 homens urinando sobre o mapa da República Tcheca, um deles inclusive, mexe com o quadril para um lado e para outro - entenda se puder!) e várias outras espalhadas pela cidade.
Restaurantes, recomendaria o U Laury, Nerudova 10 (na subida para o castelo, calçada da direita para quem sobe) - entra-se por uma grande porta, é um pátio interno, muito acolhedor; comemos uma tábua tcheca para 2 pessoas - carne de pato, cervo, porco junto pirê assado, pão de arroz e salada mista, acompanhando de 500ml de cerveja pilsen - o almoço foi às 15h e o prato é tão farto que não conseguimos jantar naquela noite!
E um restaurante, não lembro o nome, que fica no pátio interno atrás do museu do comunismo. Comida típica, garçonete muito atenciosa. Não confundir com o McDonald's que existe junto!
continua...

Rochelle
RochellePermalinkResponder

O trem Budapeste-Viena é melhor, mesmo na 2ª classe, porque é da cia. RAILJET. O trem Viena-Praga é da cia. tcheca, e bem mais simples.

João.
João.PermalinkResponder

finalizando...

Em Praga fomos para o aeroporto num ônibus (express shuttle) que se pega na estação central - foi um pouco trabalhoso, meio complicado achar o local, mal sinalizado, ônibus cheio, teria sido bem mais confortável um transfer, embora mais caro; preços: ônibus 2 euros por pessoa e transfer 20 euros para 2 pessoas).

Finalmente Paris!
Chegamos às 15h e, como era uma noite só, ficamos Ibis do aeroporto CDG, fizemos o check-in e fomos direto para o centro. Pegamos o RER (não recomendo - trem velho, muito cheio, desconfortável, teria sido melhor o Roissy Bus até a Ópera) e caminhamos pelo Íle de la Cité, Sena, Notre Dame e por Saint Germain, onde havíamos ficado em 2010.
Foi muito prazeroso este passeio descompromissado!
Quero deixar a recomendação da rua Gregoire de Tours. É uma travessa do Boulevard Saint Germain, rua de 1 quadra onde existem vários restaurantes. Jantamos na creperia La Petit Tour, no nº 6 da rua. É a 3ª vez que jantamos lá, 2 em 2010 quando ficamos 10 dias em Paris, e continua muito boa, recomendável, embora o preço tenha subido sensivelmente. Voltamos para o CDG por volta das 22h no RER, a volta foi bem mais tranquila, quase sem paradas intermediárias e, na manhã seguinte, tomamos o vôo para o Brasil.
A ilusão, ou melhor, as férias, estavam acabando...

Era isto, pessoal. Espero que ajude alguns viajantes.

Um roteiro de viagem por Budapeste, Viena e Praga: o relato do João « Cadernos de Viagem

[...] post do Viaje na Viagem, relatei uma viagem que fiz para Budapeste, Viena e Praga. Depois de usar as dicas do post, o João [...]

Rochelle
RochellePermalinkResponder

Minha dica para essas cidades é alugar apartamentos. São mais centrais, mais espaçosos e mais baratos que os hotéis.
Em Viena, fiquei no Puzzle, no coração da cidade, ao lado da Stephenplatz, custou cerca de 80euros por dia (http://www.puzzlehotel.at).
Em Budapeste, fiquei no Pal Fashion Street Apartment (http://palsapartments.eu/?page_id=178), também no coração da cidade, a 50m da principal estação de metrô e da principal rua de pedestres da cidade, custou 50 euros por dia.
Em Praga, pela segunda vez me hospedei no mesmo apartamento onde eu já havia ficado há 2 anos atrás, no Pinkas Residence. Bem centralizado e espaçoso, custa em torno de 60 euros por dia (http://www.pragueholiday.cz/residence-pinkas-prague.php). Quanto a este, sugiro ficar apenas em dias de semana. Nas sextas e sábados funciona um bar no térreo e há bastante barulho.
Reservei todos pelo Booking.com, pela vantagem de não ter que pagar antecipadamente a reserva. Mas também se pode reservar pelos sites próprios. Como tudo na Europa, são absolutamente confiáveis. Como todos são bem localizados, é possível fazer todos os passeios a pé.
A melhor maneira de ir de uma cidade para outra é de trem, comprando as passagens antecipadamente pela internet. Segui os passos indicados neste site, comprei da cia austríaca OBB.

Rochelle
RochellePermalinkResponder

Ah, esqueci de dizer... a vantagem de não ter café-da-manhã em apartamento é que se pode desfrutar de um delicioso desjejum em uma dos históricos cafés ou confeitarias dessas cidades, comendo um delicioso apfelstrudel.

Rochelle
RochellePermalinkResponder

Mais uma dica: em Viena, tente chegar pela estaçãod e trem Westbanhof, que é a mais central.

Vanda
VandaPermalinkResponder

Olá,
Poderia me esclarecer, por gentileza, qto às dimensões da bagagem de mão em voos low Cost europeu:
- Ao medir a mala, não meço as rodinhas e puxadores?
- As dimensões de 55x40x20 devem ser seguidas,a rigor, ou, podem ser diferentes desde que some ou não ultrapasse os 115cm estabelecidos? Explico:tenho malas que, com extensor, ultrapassa os 20cm, em compensação, a medida diminue na altura (52x40x23 e 45x35x28).

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Vanda! Além da balança, as companhias aéreas podem lançar mão de um gabarito para ver se a mala está dentro das dimensões estabelecidas. Consulte sempre as regras específicas de cada empresa.

Lucas
LucasPermalinkResponder

Adorei as dicas! Alguém sabe me informar se vale a pena fazer Budapeste-Viena-Praga durante o ano novo? Será que vai estar muito frio lá?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lucas! O inverno é bastante frio.

Lucas
LucasPermalinkResponder

E o ano novo? Tem alguma coisa por lá? Ou é melhor outro lugar na Europa? Alguma sugestão?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lucas! Não escolha seu destino na Europa por causa do Réveillon. É muito frio para comemorar à brasileira. Faça a sua viagem sem ênfase nesta noite.

Leia:
https://www.viajenaviagem.com/reveillon-2012

Patricia
PatriciaPermalinkResponder

Boa tarde! Tentei ver pelo site da ÖBB o preço da viagem de Viena para Budapeste para setembro/2012, mas verifiquei que eles não vendem esse trecho online. Como ainda faltam mais de 2 meses para a viagem, fiz a simulação para julho, mas aparece a mesma mensagem, a venda é feita apenas por email. Eu já havia lido que a venda Budapeste-Viena somente é feita por email, mas Viena-Budapeste poderia ser feita de forma online. Saberia me informar algo a respeito? Obrigada!

Luciana
LucianaPermalinkResponder

Olá trips, riq e bóia!

Estou programando uma viagem a budapest e viena em setembro deste ano, já conheço praga. Que outra cidade ou país vocês me recomendariam?

Agradeço imensamente.

Luciana

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luciana! Bratislava, na Eslováquia, está a uma hora de Viena de trem, e no meio do caminho entre Budapeste e Praga se você vier de barco.

Jamile
JamilePermalinkResponder

Olá, tripulação,
Minha questão é semalhante à de Luciana: não quero voltar à Praga, mas gostaria de acrescentar outro destino ao roteio Viena-Budapeste e pensei na Eslováquia ou Suíça. Alguma sugestão? Obrigada!

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Jamile e Luciana,
Acho que não há muito o que se ver em Bratislava, apesar da cidade ser simpática e da proximidade geográfica com Viena. Não sei de quanto tempo vocês dispõem, mas eu consideraria não incluir nenhum outro país e explorar mais a Áustria. Se quiserem incluir mais algum lugar, acho a Eslovênia um país mais interessante que a Eslováquia! Outra opção seria começar a viagem por Munique( eu faria Munique - Viena de avião, cerca de 1h de vôo) e voltaria para casa por Budapeste.

Renata
RenataPermalinkResponder

Oi Galerinha preciso de um help, vou pra Budapeste no começo de agosto e estou com muitas dúvidas:
1- lá é muito quente nesta epoca;
2 - os bilhetes para se locomover como funciona, para cada meio de tranporte eu tenho que comprar um bilhete (ex: para onibus, bonde ou metrô)e posso ir para qualquer lugar com eles;
3 - o bilhete do hop hop (esta certo o nome?)pra onde ele vai e eu posso descer e subir qtas vezes eu quiser;
4- vou pra Viena também eu compro os bilhetes do trem na Estação Keleiti ou Kelite;

brigadinhu
beijinhos a todos

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Renata! Estará bastante quente. Em Budapeste escolha entre comprar bilhetes de 24, 48 ou 72 horas para todos os tipos de transporte ou o ônibus hop on hop off; veja informações no seu hotel. Compre passagem para Viena na estação Keleti pu.

Renata
RenataPermalinkResponder

obrigada A Boia
Beijinhos

manoela
manoelaPermalinkResponder

Olá pessoal!

acababamos de voltar da europa e já estamos planejando a próxima trip! e as dicas daqui foram essenciais!
alguém já fez o trajeto praga x cesky krumlov? sei que ficam a 170km de distância um do outro, mas gostaria de saber se há trem.
alguém já aventurou-se?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Manoela! Não há trem. Vá de ônibus:
http://www.studentagencybus.com/order_en

A. Fernando T.Jorge

Prezados,

Minha esposa e eu estaremos em Berna,Suiça,de 9 a 12/9 para um congresso.Após esta data gostaríamos de prosseguir para Budapeste,Viena e Praga (não necessariamente nesta ordem)de trem.
Teremos 10 dias para cumprir este roteiro e muito apreciaria sugestões de por onde iniciar,em qual cidade precisaríamos de mais tempo etc e qual o passe de trem mais indicado.Se for o caso,seguiríamos depois para Londres,também por via férrea.Já analizamos alguns "tours" de operadoras mas verifica-se que o tempo nas capitais é ínfimo.
Muito obrigado

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fernando! Voe de Zurique a Budapeste, vá então a Viena e Praga de trem, conforme a Wanessa receitou e endossamos. Voe de Praga a Londres, não se faz trechos tão longos de trem.

Leia:
https://www.viajenaviagem.com/2011/07/vai-por-mim-trem-na-europa/

Aprenda a emitir passagens aéreas multidestinos:
https://www.viajenaviagem.com/2012/01/passagens-internacionais-como-evitar-o-erro-mais-comum/

A. Fernando T.Jorge

Excelente!!!
Faremos desta maneira.Agradeço-lhe pelas indicações de sites...já os lemos na íntegra...e aprendemos bastante!!

Abraços

A.Fernando

marcus
marcusPermalinkResponder

Tentei há pouco enviar um email, mas houve algum problema no site e não se completou. Em resumo, é o seguinte: de Praga a Linz (para atender compromisso familiar), cujo percurso de trem faz-se em seis horas, aproximadamente, compensaria alugar um carro (em que pese o fato de que minha mulher e eu não temos experiência em dirigir fora daqui)? É que o preço dos voos pareceu-me muito caro. Sempre usamos trens na Europa, mas nunca o fizemos em trajetos com mais de três horas.
Agradeço pela gentileza da informação.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcus! São 250 km de distância. De carro o Google Maps calcula o percurso em 3h30. Acrescente os procedimentos de retirada do carro, os perrengues de sair da cidade, uma parada pelo caminho, e a conta chega fácil em 5 horas.

De ônibus sai 5 horas.

Vai da pessoa: tem gente que dirige 4 horas e chega mais elétrico do que saiu. Tem gente que passa 4 horas tensa ao volante.

Antonio Nino
Antonio NinoPermalinkResponder

Gostaria de saber como comprar passagem de trem de Viena para Brno pela internet.
Obrigado

Flávia
FláviaPermalinkResponder

Olá!
Estou com férias marcadas para a segunda quinzena de outubro e, depois de muito quebrar a cabeça sem saber para onde ir, decidi ir para o leste europeu. Tenho 15 dias de férias e quero conhecer Praga, Budapeste, Viena e Bratislava. Será que é muito tempo... Não seria interessante incluir outra cidade no roteiro? Quantos dias vocês sugerem para cada uma dessas cidades?
Outra dúvida: será que não vai estar muito frio???
Obrigada!
Flávia

Danilo
DaniloPermalinkResponder

Flávia, irei fazer algo parecido em janeiro. 15 dias está ótimo, vc até pode pensar em incluir Cracóvia nesse roteiro.
O que é muito legal ao viajar com um roteiro mais folgado, é a possibilidade de fazer várias side trips, p/ cidadezinhas menos turisticas nos arredores.
Não creio que estará muito frio, imagino que estará como o auge do inverno no RS...

João.
João.PermalinkResponder

Flávia,
não me parece interessante colocar outra cidade no roteiro, ficaria muito "picada" a viagem.
Melhor aproveitar estas que já escolheste. E mais: eu eliminaria Bratislava e curtiria 1 dia a mais em Viena!
Abs, boa viagem.
João.

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Flávia,
Concordo com o João! É melhor cortar Bratislava e aproveitar mais um dia em Viena. Cada um tem um jeito de viajar, mas não colocaria mais nenhuma cidade no roteiro.
Boa viagem, abs

Flavia
FlaviaPermalinkResponder

Danilo e João, obrigada!

Só ficou faltando a resposta da Bóia.. rs

Flavia
FlaviaPermalinkResponder

Obrigada, gente! Vocês sugerem mesmo 5 dias para cada cidade?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Flavia! Pelo menos três dias inteiros. Quatro dias é o mínimo ideal.

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Flávia,
Você está falando de 5 dias inteiros ou está contando os dias de chegada/partida? Independentemente disto, acho 5 dias inteiros em Viena e Praga perfeitos. Se você gostar de música clássica vai faltar tempo!
Talvez Budapeste não precisasse de tantos dias. De qualquer forma, acho que não vale a pena incluir Bratislava na jogada, ams você é quem sabe. Há muito pouco o que se ver e, salvo engano, o catamarã que faz Viena-Bratislava só funciona até setembro. Tenho um post das poucas horas que passei na cidade http://www.dividindoabagagem.com/2009/09/bratislava-impressoes-que-guardei.html
Um abraço

eugenia
eugeniaPermalinkResponder

Prezados Bóia/Ricardo.
Tornei-me seu leitor logo que resolvemos (eu e meu marido) viajar a Viena e Praga. Faremos a viagem através da Tap, para Viena. Ficaremos cinco dias e seguiremos para Praga, local em que ficaremos quatro dias. Depois retornamos a Viena para ficarmos mais dois dias, de onde voaremos de volta. Sei que não se exige visto de turistas brasileiros para entrada em Portugal, Áustria e R.Checa, mas pergunto se entre Viena - Praga - Viena, percurso que faremos de trem, teremos que passar, na ida ou na volta, pela imigração de qualquer ou de ambos os países, ou se essa circulação é livre. Suponho que a entrada na UE seja em Lisboa, onde ficaremos algumas horas. Temos tudo organizado (passagens, hotéis, seguro, cartões, etc), mas gostaria de saber pois afinal as linguas destes dois países nos são completamente estranhas e o meu inglês é precário (falo um pouco de francês, mas certamente não se trata de língua falada em tais países). Muito obrigada por mais esta informação.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Eugenia! Você não terá nenhum problema no trajeto.

MARIA DA CONSOLAÇÃO NOGUEIRA DE SOUSA

Irei pela 1ªvez ao Leste Europeu(Viena, Budapeste, Bratislava, Praga, Cracóvia, Varsóvia e Berlim)pela operadora Sato. Serão 14 noites e 13 dias.
Gostaria de sugestões de passeios para algumas tardes e dias livres que terei pela programação do pacote. O que está incluso no pacote em todas elas é um tuor.
1 tarde e 1 dia em Viena.
1 dia em Budapeste. 1 dia em Praga, 1 dia em Berlim.

Sairei do Brasil dia 19/09 e retornarei dia 04/10/2012

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maria da Consolação! City-tours são rápidos, muitas vezes não deixam descer em alguns lugares que você gostaria de visitar com calma. Volte a esses lugares nos seus momentos de folga.

Imprima as dicas da Wanessa.

Sobre Berlim, leia aqui:
https://www.viajenaviagem.com/europa/berlim-ricardo-freire

João.
João.PermalinkResponder

Maria,
em Viena podes assistir a alguma apresentação da Sinfônica ou da Filarmônica no Musikverein e/ou visitar o Museum Freud e/ou o Teatro de Marionetes do Palácio Schonbrunn;
em Budapeste, o Museu do Terror e a Sinagoga valem a visita; caminhar sem compromisso pelo orla do Danúbio não tem preço!
em Praga, o Museu do Comunismo e o Museu Kafka são boas pedidas e assistir à Filarmônica Tcheca no Rudolfinum é o "crème de la crème".
Abs, boa viagem!
João.

João.
João.PermalinkResponder

Maria,
uma correção - não seria uma visita ao teatro cuja sala é bem simples, mas, sim, assistir a uma apresentação no Teatro de Marionetes.
Abs, João.

Ana
AnaPermalinkResponder

Acabei de comprar online o ticket para trem entre Budapeste e Viena - a MAV Start já está aceitando esse tipo de venda. O único inconveniente é que as passagens tem que ser impressas numas máquinas presentes em estações usando um código dado na compra... Vamos ver se funciona! =)

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana! Obrigada pela informação! Conte pra gente na volta como foi, tá? Obrigada!

Ellen
EllenPermalinkResponder

Olá Bóia/Ricardo!!!

Estarei em Praga de 20 a 25 de Setembro e apesar de já ter acessado tantos sites, ainda não consegui concluir que tipo de roupa levar. Tenho receio de passar frio ou até calor dependendo do que eu levar. Vc poderia me dar essa preciosa dica? Desde já agradeço e aproveito para parabenizá-los pelo trabalho tão sério e útil a nós, amantes de boas viagens! smile

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ellen! Leve roupa de verão e casaco para pôr por cima quando esfriar.

Ellen
EllenPermalinkResponder

Bóia...
De tudo que já li, parece fazer sentido! Rs.. Obrigada pela dica, vou fazer isso! Abs

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Motivada pela insegurança e roubos relatada em Paris, para o perguntódromo: como estão as coisas em Budapeste, Viena e Praga?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Cristina! Já discutimos bastante sobre golpes na Europa; o negócio é estar precavido e alerta em todos os lugares.

Leia também:
https://www.viajenaviagem.com/2011/02/golpes-contra-turistas-na-europa-duc-maria-lina-e-dri-alertam/

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Olá Bóia e Riq
Preciso ir de Amsterdam para Praga dia 28 de novembro. Pesquisei tarifas muito caras em voos direto (E 400) ou com escalas muito longas. Alguma sugestão de low cost neste trecho? De trem é muito demorado? Obrigado

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Leandro! A solução é incluir os trechos intra-europeus na sua passagem transatlântica. Se você não fez isso, pesquise low-costs em http://www.skyscanner.net .

Leia:
https://www.viajenaviagem.com/2012/01/passagens-internacionais-como-evitar-o-erro-mais-comum/

adriana
adrianaPermalinkResponder

Estou planejando uma viagem de 8 dias e estou com dúvida no roteiro. Faço budapeste-viena-praga ou munique-viena-budapeste? Sempre quis conhecer praga,mas dizem que Budapeste é muito melhor....

Rita
RitaPermalinkResponder

Olá Adriana, acabei de passar pelas 4 cidades que vc citou e gostei mais de Praga que de Budapeste. Aliás, das 4, no meu ranking, Budapeste ficaria em último (é uma linda cidade, mas gostei mais das outras 3!). Mas gosto é muito pessoal. Sugiro que vc pesquise mais sobre as cidades, especialmente as opções e tipos de passeio (castelo/palácio, museus, concertos, parques, etc), e veja as que mais se enquadram no seu perfil.
Outra dica: se vc só tem 8 dias disponíveis para a viagem, o ideal seria escolher só duas cidades, se não, fica muito corrido.
Boa viagem!

Jackson
JacksonPermalinkResponder

Prezados,

Vocês saberiam algo sobre o trajeto de barco de budapeste para viena em outubro? Empresa(s), tempo, etc.

Grato,

Jackson

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Jackson,
Em outubro, por conta do tempo, não há passeio de barco entre as duas cidades
http://www.vienna-hydrofoil.hotels-in-budapest-hungary.com/timetable.html

mariana motta
mariana mottaPermalinkResponder

Ola!
Moro em Portugale estou indo passar este final de semana em Praga. Alguma sugestão de um bom restaurante e uma cervejaria para irmos sexta e sábado a noite?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mariana! O Ricardo Freire ainda não aprontou o post sobre comer e beber em Praga. Vamos colocar a sua pergunta no Perguntódromo; se houver uma resposta, aparecerá aqui.

Anita
AnitaPermalinkResponder

Estive em Praga em abril e, contrariando o que sempre faço pois adoro novidades e experimentar coisas diferentes, comi e bebi dois dias no mesmo lugar: U Medvidku Brewery. Nem preciso dizer que gostei muito e recomendo.

bruno
brunoPermalinkResponder

Boa tarde Mariana,
estive em Praga em Abril...recomendo o restaurante U VEJVODU
http://www.restauraceuvejvodu.cz/?page=home&lang=EN
o restaurante é com comidas tipicas e cerveja,muito bonito e é todo da Pilsen Urquel.Preço em conta e excelente serviço! fica próxima a estação de metrô Mustek/praça venceslau
espero ter ajudado smile

Evelyn
EvelynPermalinkResponder

Restaurante Gitanes. Decoração peculiar. Pratos simples mas em conta. No centro turístico, mas em uma rua super calma. Ambiente muito bonitinho e romântico.

Thyago Portela

Tbm recomendo o Gitanes.

Ambiente impar e comida bacana!!!

Fred
FredPermalinkResponder

Olá, Mariana!
Dê uma olhada no site dos destemperados ( http://www.destemperados.com.br ). Lá você vai encontrar alguns restaurantes recomendados, com comentários e fotos. Da lista deles, fui ao Kampa e ao Gitanes e recomendo ambos. O Kampa é muito caro, mas o local é espetacular. O Gitanes é aconchegante, tem uma decoração bem peculiar e os preços são razoáveis. Recomendo também o pub da Pilsner Urquell, na cidade velha. Em cada mesa tem uma choppeira com monitor para medição do consumo.

Tiago Caramuru

Mariana,

Não sei exatamente o que procura mas, se for comer na parte da cidade do mesmo lado do castelo, os restaurantes são mais baratos e há menos turistas (autometicamente, garçons menos estressados!). Na rua Ujezd há vários restaurantes de todos os estereótipos: meia luz, italiano, mesinha na calçada, descolado e etc.

Diogo Avila
Diogo AvilaPermalinkResponder

Mariana, Praga tem excelentes opções de restaurantes e cervejarias.
A minha preferida é a U Flekú (http://www.cumbicao.com.br/2011/09/dicas-de-praga-parte-iv.html).
Veja algumas outras opções: http://www.cumbicao.com.br/2011/10/comer-beber-e-comprar-em-praga.html
Boa Viagem!

Georgia
GeorgiaPermalinkResponder

OI Mariana
Fui a um restaurante quase na praça da cidade velha que se chama "Pasta fresca", adorei. E gostei muito tb te um Tailandês chamado "Orange moon" que fica tb no centro, mas um pouco mais longe da praça. Comida deliciosa.
Boa viagem!

Tatiana Peres
Tatiana PeresPermalinkResponder

Passei para dizer que usei o serviço de transfer da Prague Airport Transfers no dia 2 de outubro de 2012 e que continua muito eficiente. Optei pelo transporte compartilhado (12 euros), mas dividi apenas com uma menina coreana que estava no mesmo voo (não ficaram esperando completar o carro. Boa dica, Wanessa! smile
Aproveito para indicar o free walking tour da Sandeman New Europe em Praga!

Roberta Antoneli

Olá eu e marido estamos programando uma viagem para maio/2013. Pretendemos fazer Budapeste, Viena e Praga em 10 dias. Quantos dias devemos ficar em cada cidade? Alguém sugere pacotes de viagem prontos pela CVC e/ou ficamos por nossa conta (talvez contratar um guia local). Obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Roberta! Nós incentivamos viagens independentes. Leia as dicas deste post. Veja também: https://www.viajenaviagem.com/2010/07/europa-quantos-dias-em-cada-lugar/

youko
youkoPermalinkResponder

viajei para a praga, republica checa, passar alguns dias de ferias.
gostei muito da cidade medieval, dos castelos, esculturas, teatros musicais. fiz compras perto da praça cidade velha,
Era penultimo dia ja tinha ido no castelo com o guia, e a tarde fui com a minha irma,fazer compras, estava exausta, logo que sai de uma loja estava voltando para o hotel,
estava exausta, com a bolsa no ombro, senti mexer na minha bolsa e quando percebi, olhei para tras uma jovem estava bem atras,
fingindo como nada tivesse acontecido ....e la se foram os meus euros e dolares e o meu documento de identidade.
fiquei muito chateada,eu que moro em s.p. na capital que tomo muito cuidado me aconteceu esse episódio numa cidade tao deslumbrante como Praga.

Roberta Antoneli

A Bóia obrigada pelas dicas! Por favor só mais uma dúvida, resolvemos esticar nossa viagem para 16 dias então, os 10 primeiros ficaram com Budapeste, Viena e Praga. Os outros 06 dias o que você sugere: Croácia e Eslovênia e/ou Berlim. Ainda não conhecemos estas cidades. Obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Bóia! Não pense em países, pense em lugares. "6 dias para Croácia e Eslovênia" é meio como "6 dias para Peru e Colômbia". Sem falar que, excetuando o avião, os transportes entre o leste são deficientes. Pelo tempo disponível, a viagem fica mais redonda finalizando em Berlim.

Jô
PermalinkResponder

Olás!!!
A conexão de trem noturno entre Budapeste e Munique é viável?
Alguém tem relato ou estratégias de compra?
Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Jô! Não recomendamos viajar em trem noturno. Leia mais aqui: https://www.viajenaviagem.com/2011/07/vai-por-mim-trem-na-europa/

Vania
VaniaPermalinkResponder

Olá, como faço p ir de praga para Viena?? Estarei de ferias em abril 2013... O que é melhor, trem/ônibus?? Obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Vania! De trem é mais confortável.

Luila Vasconcelos

Olá, gostaria de saber como comprar passagem de Budapeste pra Viena, pode me ajudar?
Estamos indo para reveillon e queria garantir a passagem antes de sair do Brasil.
Te aguardo, obrigada!!!
Beijo!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luila! A passagem de Budapeste a Viena só pode ser comprada lá mesmo. Passe na estação quando chegar.

Mauricio
MauricioPermalinkResponder

Eu também vou de Budapeste para Viena no dia 25/12 e passarei o Reveillon em Vienna.
Já comprei as passagens pelo site húngaro Mav.hu, mas tem que retirar as passagens na máquina da estação.
Alguns horários já não tem mais.

Junior Volcato

Ola, estou de visita a Londres e resolvi esticar a viagem e viajar pra budapeste inicio de janeiro,pensei em ficar 9 dias e gostaria de incluir austria eslovenia e croacia tbm no roteiro. Pensei em voar de londres p budapeste com uma low cost, pois o preco esta mto bom, mas como posso fazer com o resto dos destinos, sabe se tem trem p todos esses lugares? andei pesquisando na net mas vi q eles nao vendem a passagem online, se deixar p comprar na hr o preco nao sobe mto? e sera q em 9 dias eu consigo aproveitar bem todos esses lugares ou deveria cortar algum? e o retorno pensei em voar de zagreb p londres novamente q e de onde sai meu aviao pro brasil! Muito Obrigado

Mirella
MirellaPermalinkResponder

Nós fizemos 9 dias Budapeste, Vienna e Bratislava (Eslokaquia). Acho loucura você querer inclur Eslovenia e Croacia, vai acabar vendo tudo e não vendo nada, entende? Vienna e Budapeste são cidades lindas e merecem mais tempo.
Chegamos em Budapeste de avião, ficamos 3 dias e depois partimos de trem para Vienna, compramos o ticket na estação de trem e deu tudo certo, os caras não falam muito inglês, mas nos viramos bem.
Para Bratislava fizemos um bate-e-volta desde Viena e foi bem legal. Usamos o http://www.twincityliner.com/web/index.php?lang=en e compramos o ticket com 2 dias de antecedência para garantir o horário.
Escrevi algumas dicas dessa viagem nesse post aqui: http://www.mikix.com/budapeste-viena-e-bratislava-introducao

Mirella
MirellaPermalinkResponder

Ah... como você não vai precisar retornar a Budapeste de trem, de repente vale até tentar incluir Salzburg, tirando um dia de Vienna por exemplo. E de lea partir para Londres (mas não sei se tem voo direto, teria que pesquisar)

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Junior Volcato,
Só para reforçar o que a Mirella já disse: acho loucura incluir Eslovênia e Croácia! E, sinceramente, também não incluiria Salzburg! Budapeste, Viena e Bratislava (no esquema bate-volta que a Mi falou) cabe bem em 9 dias.

Michele - PlanejandoaViagem

Ola Junior, também concordo que Budapeste-Vienna e Bratislava estão mais do que suficientes para 9 dias. Estive em Budapeste e Bratislava recentemente. Escrevi sobre a viagem nesse link: http://planejandoaviagem.wordpress.com/2012/01/22/budapeste-e-bratislava/

Talvez possa ser interessante voltar para Londres através de Bratislava, que tem um aeroporto praticamente da Ryan Air. Fui de Budapeste para Bratislava de onibus e foi uma experiencia interessante. Também realtei isso no post. Abraços

Cintia Andréia Ito

Olá..
Gostaria de uma informação, moro em Blumenau-Sc, e tenho um congresso em Viena em fevereiro , no Hilton hotel . vc teria alguma opção de hotel mais barato que seja ao mesmo tento próximo do congresso e também da parte turística de Viena? Pois, me preocupo com o clima da época., que acredito que será mais difícil a locomoção. Obrigada.
Cintia

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Cintia! O Hilton não fica numa zona com muitos hotéis, não. Está perto da estação de metrô Landstrasse. Um hotel nas redondezas mais em conta é o Goldene Spine.

maria eunice lobato vieira

Ola.
meu marido e eu estamos programando viagem ao leste europeu, q nao conhecemos , estamos pensando em Praga e Berlim 15 dias . mas, hj encontrei este site (otimo),e vejo que berlim nao e frequente. vc poderiam me referir hoteis, e se seria melhor incluir mais uma cidade, Sera na 2 quinzena de março. temperatura neste periodo. Vejo que tem site, mas se alguem me ajudar agradeço.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maria Eunice! Pelo contrário, amamos Berlim.

Leia tudo o que temos a partir destas páginas:

https://www.viajenaviagem.com/europa/berlim-ricardo-freire

https://www.viajenaviagem.com/europa/berlim-ricardo-freire/berlim-links-e-posts

Eduardo
EduardoPermalinkResponder

Olá, tenho uma dúvida simples: Praga-Viena-Budapeste ou Budapeste-Viena-Praga? Tendo ao primeiro porque tenho mais curiosidade de conhecer Praga e nao quero estar cansado, mas vejo que o relato acima fez o contrario. Alguma vantagem ou desvantagem ou da na mesma?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Eduardo! O Ricardo Freire costuma dizer que Budapeste pode ser decepcionante se você já viu Praga. Ir primeiro a Budapeste garante deixar o melhor para o fim. É o mesmo raciocínio que se aplica à conjugação entre Montevidéu e Buenos Aires.

Shirley Rocha
Shirley RochaPermalinkResponder

Olá, Rique, já fui ajudada por você em outra situação e venho novamente solicitar-lhe. Estou tentando comprar 3 passagens pelo ÖBB de Praga para Viena seguindo dica sua, acontece que, aparentemente, a forma de compra não é mais a mesma de seu Tutorial. No momento de escolher o trem na página de Trains & Fares, não está claro onde selecionar, levando sempre ao mesmo aviso de "You have not yet selected a fare", empacando a compra.

Também venho tendo problemas ao tentar bookar tickets de Viena para Bratislava pela TwinCityLiner, na página "2. Voyage Selection", simplesmente, não aparecem dados nos campos de Data, Horário, Direção e afins.

Dá uma ajudinha aí pra ver onde estou errando - também aceito sugestões de empresas alternativas. Abraço e obrigado pela ajuda

Cris
CrisPermalinkResponder

Olá, Shirley,

Há pouco menos de dois meses eu fiz a compra de uma passagem no site da ÖBB, mas no sentido inverso ao teu, ou seja, de Viena para Praga, para o dia 16/02/2013. Realmente, o site da ÖBB está agora com uma configuração um pouco diferente da que aparece no tutorial do VnV. Depois de uns dois dias apanhando muito do site, eu consegui entender o funcionamento e consegui fazer a compra da passagem.

Só que eu não tenho o talento e a calma do pessoal do VnV e então não cheguei a dar "printscreen" nas telas que iam aparecendo para montar um tutorial. Tudo o que eu me lembro é que na página para escolher os "trains and fares", você tem de clicar mesmo EM CIMA do trem escolhido, como se fosse um link, e aí abre uma aba na própria página, e só então você escolhe a tarifa ("fare"), clicando naqueles botões de escolha. Depois disso, na parte de baixo da tela, você ainda tem de marcar a reserva do assento, e então faz o prosseguimento da compra.

Espero que essa minha explicação te ajude. Confesso que foi bem difícil entender como o site funcionava, mas depois de superada essa dificuldade, foi super fácil completar a compra, sem nenhum stress com recusa de cartões, por exemplo (como acontece em outras companhias como a Renfe, etc).

Abraços,

Cris

Rita Elaine
Rita ElainePermalinkResponder

Olá, estou planejando uma viagem para setembro incluindo o leste europeu ( como já li os posts) e Alemanha com a rota romântica. Gostaria de sugestão por onde começar e que transporte usar. Obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Rita! Siga de Praga a Munique de ônibus.

Leia sobre Rota Romântica aqui:
https://www.viajenaviagem.com/2009/10/o-viajao-da-lu-baviera-alsacia-rota-romantica-e-berlim-com-uma-passadinha-antes-no-douro/

Roger
RogerPermalinkResponder

Pessoal, boa tarde! Pretendo fazer Budapeste-Viena-Praga-Berlin, partindo de Paris, onde deixarei as malas guardadas no aeroporto e as pegarei na volta de Berlim para ficar algumas semanas em Paris. Porém, chego em Paris (CDG) às 16h e não encontro nenhum vôo para Budapeste a partir das 19h30. Minha questão é a seguinte: 3h é tempo suficiente para imigração do Brasil e embarque para Budapeste? Alguém já fez isso nesse tempo? Obrigado!

Budapeste: roteiro de 3 dias « Cadernos de Viagem

[...] Minhas impressões sobre transfer, transporte público e hospedagem ficaram nos comentários que viraram post do Viaje na Viagem. [...]

Miguel Angelo
Miguel AngeloPermalinkResponder

Olá pessoal. Boa noite. Pretendo visitar Praga e Budapeste em Junho. Estou olhando onde ficar hospedado nas duas cidades e vejo que há muitos apartamentos disponíveis.
Seria uma boa pedida?
Esse tipo de hospedagem possui todas as facilidades como roupas de cama, toalhas, utensílios de cozinha e de banheiro?
Também queria pegar um trem de BUDAPESTE-PRAGA ou PRAGA-BUDAPESTE, mas gostaria de um night-train. Voces aconselhariam? Há cabines para casais para esta viagem?
Obrigado

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Miguel Angelo! Trem noturno é um mau passo. Você não dormirá bem, passará a noite inseguro, sem ver suas malas, chegará cedo demais ao destino, não poderá subir ao apartamento porque será cedo demais, a cidade ainda não terá acordado, você se verá amassado, cansado e homeless até o começo da tarde.

Apartamentos para alugar vêm com todo o equipamento. A pegadinha é ter que combinar o horário da entrega da chave e da inspeção ao devolver.

Leia:
https://www.viajenaviagem.com/2009/03/como-alugar-apartamentos-de-temporada-no-exterior-parte-1/

https://www.viajenaviagem.com/2012/08/dicas-airbnb-aluguel-apartamento/

Entre Budapeste e Praga os trens são muito lentos, o melhor é ir de avião. Inclua o trecho na sua passagem que sai do Brasil.

Leia:
https://www.viajenaviagem.com/2012/01/passagens-internacionais-como-evitar-o-erro-mais-comum/

CARLOS
CARLOSPermalinkResponder

Olá gente.
Estarei em Praga por três dias em julho /13 vindo da Alemanha. Alguém tem uma dica de casa de câmbio confiável ou o euro é amplamente aceito na cidade?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Carlos! Você precisará trocar dinheiro. O melhor é habilitar o seu cartão de banco para saques no exterior, fazendo retiradas em moeda local. Use cartão de débito tipo VTM ou cartão de crédito no comércio. Casas de câmbio invariavelmente têm pegadinhas -- ou na cotação, ou na comissão. Fazem parte do passado.

Leia:
https://www.viajenaviagem.com/2012/06/cash-debito-credito-vtm/

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar