Você sabe que está nos Estados Unidos quando...

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Num aeroporto americano

... funcionários de certos bares se dizem obrigados pelo empregador, ou por lei, ou por ambos, ou por ambos e Deus, a solicitar documento de identificação de senhores de barbas brancas para verificar que os senhores de barbas brancas têm realmente mais de 21 anos.




Mais: você sabe que está nos Estados Unidos quando, em muitos desses lugares, o documento nacional de identificação do país dos senhores de barbas brancas não é aceito como prova legal e irrefutável de que os senhores de barbas brancas em questão têm mais de 21 anos.

Você sabe que está nos Estados Unidos quando só a apresentação do passaporte (que por acaso está com você, porque você está num aeroporto) é prova suficiente de que a sua barba branca não é postiça nem foi obtida usando a linha Koleston para Papais Noéis.

Enquanto isso, em Columbine...

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire


25 comentários

Mariana "de Toledo" (@merel)

HAHAHAHA
Virgemaria, é muito protocolo! Pelo menos serve pra fazer piada!

Alexandre Costa

Hahahaha! Riq, tenho que confessar que me divirto com certas situações que acontecem com você!

Laura
LauraPermalinkResponder

Rss essa aconteceu comigo.
Você sabe quando está nos Estados Unidos quando a comissária de bordo pede pra você tirar a bolsa do caminho com um "tire pois uma comissária está processando um cliente por isso". Também quando você pega uma fila para fazer o check-in eletrônico, outra pra pesar a mala, outra para entregar no scanner e mais uma para a alfândega. Você também sabe que está lá quando o embarque no avião é dada não aos passageiros dos últimos assentos e sim por quem paga a taxa extra para entrar primeiro e pelo rolo que é o embarque já que 90% do avião leva malas de mão enormes para não despachar e, claro, não cabe de todas. rsss

Arthur "Hirigóez" | Agora vai MESMO

E daqui a pouco, vão exigir green card para beber... wink

Elisa
ElisaPermalinkResponder

Olha, uma vez me pediram documento de identidade para provar que eu era "de maior" e eu agradeci à pessoa pelo elogio à minha juventude e beleza... porque dos 21 eu já passei faz tempo... smile

Vera LUúcia
Vera LUúciaPermalinkResponder

Exagero de um lado, loucuras de outros. O verdadeiro exército de Brancaleone.

Marcia Kawabe
Marcia KawabePermalinkResponder

A primeira vez que pediram documento para o meu marido que estava comprando cerveja ele achou que que o cara estivesse brincando, mas não, o cara continuava sério, hahahaha!

Luciana Bordallo Misura

Tem estabelecimento que manda os funcionários pedirem identificação para TODOS, sem exceção, porque eles não querem ter que encarar um processo caso o funcionário julgue mal a aparência de alguém e a pessoa não tenha mais que 21 anos. Claro que é exagero, mas é a maneira que eles encontraram de se livrar de processos. Meu pai, com sua vasta cabeleira branca e 60 anos de idade, já teve que apresentar documento comprando vinho também!

bia lamanna
bia lamannaPermalinkResponder

eu sempre sorrio e falo: muitissimo obrigada pelo elogio.
americanos são engraçados com essas coisa, até no casamento da minha amiga (que foi em Vegas) o barman pedia ID... me poupe, né?

Ernesto, o pato

Eu tambem, aos mais de 40... Mas na California nunca me pediram qualquer documento....

Val
ValPermalinkResponder

Ué...e vc tem mais de 21??? eek)

Dri
DriPermalinkResponder

Em determinadas lojas de vinhos que eu fui eles pediram não só a identidade de quem estava comprando (eu) como a de quem estava só me acompanhando pra ajudar a carregar (um amigo)!!!!!!!!!!

Marcia
MarciaPermalinkResponder

Koleston de Papai Noel foi muito bom!

Ed
EdPermalinkResponder

Ou quando esta em Washington, DC, e o garçon se nega a servir o vinho enquanto você não terminar o aperitivo -- é proibido consumir duas bebidas alcoolicas ao mesmo tempo!...

Daniela Pereira

Acabei de voltar de lá de NY e Orlando, só me pediram a identidade uma única vez: no parque da universal em Orlando, mostrei minha carteira da OAB, agradeci por achar que eu era menor de 21 e tomei minha cerveja na boa, toda vez que vou é a mesma coisa: regrinhas e avisos pra todo lado, já nem ligo mais ! Acho até engraçado !!!!

Carmen
CarmenPermalinkResponder

ja, ja, ja... incrível!!!

Mirella
MirellaPermalinkResponder

Fala sério... apost que o Nick se sentiu mais novinho, né?! smile eheheh...
Hilário!

Adri Lima
Adri LimaPermalinkResponder

Puxa! Eu tinha me sentido lisongeadíssima quando pediram minha ID. Agora estou arrasada por descobrir que é padrão! KKKKKK! grin

Rodrigo Barneche

hahaha, ótEmo! Ou os caras são completamente obtusos, ou vcs estão usando um creme muito bom para o rosto smile

Josie Lins
Josie LinsPermalinkResponder

Eles são malucos.

Alexandre
AlexandrePermalinkResponder

Uma vez não pude comprar bebida em um supermercado emSan Diego, nem apresentando meu passaporte, a senhora do caixa exigia que eu tivesse um documento americano ( mas eu sou brasileiro), ou um documento com uma descrição física minha por escrito... tentei argumentarmas não consegui, tive de sair e comprar em outra loja.

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

As multas para quem vende álcool a "minors" (menores de 21) são altíssimas em algumas cidades e estados. Suficientes para colocar em sérias dificuldades financeiras uma pequena loja.

No final da década de 1990, houve vários casos em que lojistas conseguiram reverter as multas na Justiça alegando que o comprador aparentava ser mais velho do que 21. E, espertos, vários adolescentes/jovens universitários passaram a usar roupas de gente mais velha ou até peruca para comprar álcool sem poder. Isso gerou alguns acidentes automobilísticos que chamaram a atenção, incluindo o caso de um time de hóquei que sofreu 5 mortes no Colorado em 1998, e aí as leis começaram a mudar.

Em quase todos os estados, não é mais possível se defender da acusação de venda de álcool alegando aparência do comprador. No Alabama, isso pode dar até prisão para quem vender, se o comprador se acidentar depois. É um raciocínio parecido com o que levou a maioria dos estados americanos a criar leis de presunção absoluta de violência para sexo entre adultos e menores (de 14, 15 ou 16 anos dependendo do estado), independente do menor parecer maior, de haver consentimento (menor não pode consentir) etc.

Como curiosidade, leis restringindo o consumo de álcool a maiores de 21 anos, com as suas exceções limitadas, surgiram na década de 1980 para combater a mortalidade em acidentes de trânsito com jovens bêbados no volante, a maior causa de morte entre a faixa etária e uma epidemia de saúde pública nos EUA.

O argumento, até certo ponto racional, é o de que nos EUA, com poucas exceções, é impossível vc viver sem carro e jovens em idade escolar/universitária sõa particularment sujeitos à pressão de grupo, além de não terem grana para táxi ou para dormirem em hoteis ao inves de dirigirem para casa após as noitadas, motivo pelo qual campanhas como "motorista da vez" eram motivos de chacota entre a turma de faculdade e "high school".

Então, se vc probíbe o consumo de álcool, vc automatica obriga bares ou a limitarem entrada de menores de 21 ou a terem muito controle. Indiretamente, vc elimina todo um "mercado" de pubs e boates para a turma nova, o que elimina as razões para saírem para beber fora de casa em boa parte e, assim, reduz o número de acidentes por DUI (driving under influence).

Mas o tema é polêmico, como um todo.

Maryanne
MaryannePermalinkResponder

Esse é o problema aqui, els fazem as leis pra vc nao ter que pensar "sera que esse cara de barba branca tem mais de 21 anos?" E dai vc nao pensa mesmo, e pede ID pra todo mundo. Pudera que o dominio americano esta chegando ao fim....

Ronaldo Giusti

Fizeram isso num Olive Garden da Georgia com a minha avó! Como ela não fala inglês, achou que eu estivesse brincando quando a jovem garçonete pediu a identificação dela.

Tive que gastar muita lábia (aí em português) pra convencer minha avozinha a dar o passaporte, rsrsrs.

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Quando é bulinada por conta do porta-dólar no retorno ao Brasil. Passei pelo raio-X que vê até a calcinha e o objeto acima com o dindim que sobrou fez com que uma americana acompanhada de outra por testemunha me revistasse numa salinha a parte. Até as laterais do meu sutiã ela olhou. Eu achei um absurdo mas queria muito voltar para casa. Onde? Aeroporto de Fort Lauderdale 14 de Maio de 2011.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar