10 certezas que o viajante não deve ter

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Jabutomada

O diabo está nos detalhes. Muitas vezes você planeja uma viagem perfeita, com todas as minúcias devidas: escolhe hotéis bem-localizados, seleciona vôos que não requerem acordar de madrugada, confere se existem estacionamentos, compra ingressos antecipadamente para as atrações mais concorridas, organiza passeios da maneira mais racional. Na vida real, porém, a sua viagem perfeita pode acabar prejudicada por coisinhas bobas, que você dava como certas e garantidas, mas que não são como você imaginava. Alguns desses detalhes contariam o bom senso, mas já estão totalmente incorporados ao universo das viagens. Preste atenção nesses itens e você evitará algumas dores de cabeça.

Duas horas de antecedência está bom

Só se você for pegar um vôo nacional. Com os aeroportos apinhados e os controles de segurança cada vez mais rígidos, o jeito é apresentar-se o mais cedo possível. Em Guarulhos, à noite, a fila para passar pelo raio-x e pela imigração se alastra saguão afora; você vai perder pelo menos uma hora para simplesmente entrar na área de embarque. Mesmo em vôos nacionais o embarque é complicado – já tem gente perdendo vôo em Congonhas por causa da fila do raio-x. No Brasil, chegue ao aeroporto com pelo menos três horas de antecedência para vôos internacionais e uma hora e meia para voos domésticos. No exterior tente chegar sempre duas horas antes da partida.

Meu passaporte está válido

Está certo disso? O único jeito de ter certeza é decorando a data de validade. Se você não souber isso de cabeça, estará sujeito a descobrir tarde demais que o seu passaporte não serve para a sua próxima viagem. Note que, para muitos países, não basta ter um passaporte válido – é preciso ter um passaporte válido por seis meses para além da data de entrada. Some a isso a dificuldade em agendar a feitura do passaporte no Brasil, e o resultado é que você deve se preocupar em renovar o seu documento uns oito meses antes de expirar.

O limite de bagagem é o mesmo para todos os trechos

Só dá para ter alguma certeza disso quando todos os trechos estão vinculados a uma mesma passagem. Se você comprar os voos separadamente, cada trecho oferecerá o limite de respectiva categoria tarifária. Quando esses trechos separados são comprados na mesma companhia aérea, um funcionário simpático no check-in pode igualar os limites, mas não conte com isso. A informação sobre franquia de bagagem sempre consta do seu bilhete; qualquer dúvida, é só consultar. O blogueiro Rodrigo Purisch tem um artigo recente bastante esclarecedor sobre o assunto em aquelapassagem.com.br.

O quarto vai estar disponível na chegada

Antigamente as diárias começavam ao meio-dia. Hoje o mais comum é que as diárias comecem às 14h – nos Estados Unidos, o padrão é 15h. Só há uma maneira de ter certeza de que você vai conseguir subir para o seu apartamento antes disso: reservando o hotel desde a noite anterior. (Uma extravagância bastante recomendável em caso de vôos noturnos internacionais que cheguem de manhã cedo.) Alguns hotéis, quando têm quartos disponíveis (e arrumados) podem dar uma colher de chá, mas outros são simplesmente inflexíveis. Semana passada, na segunda-feira de manhã, passei três horas no lobby do Blue Tree Premium de Manaus, sem que me deixassem subir – mesmo com o hotel visivelmente vazio, sem nenhum movimento de entrada e saída. Tornar-se membro dos clubes de fidelidade das redes hoteleiras é um meio de conseguir “early check-in” quando possível.




Tem wifi no quarto

Em 2011 é inconcebível que um hotel não tenha internet em todas as suas dependências. No entanto, não confunda “internet no quarto” com “wifi no quarto”. Muitas redes hoteleiras – às vezes por questões técnicas, outras por medida de segurança – perpetuam o antigo sistema de acesso por cabo. Esses hotéis então têm cabos disponíveis para todos os hóspedes, certo? Nem sempre. Não é incomum faltar cabo justo quando você precisa desesperadamente de conexão no quarto. Por isso, vale a pena viajar com um pequeno cabo para internet – ocupa pouco espaço e pode ser muito útil.

O hotel tem adaptador de tomadas

Neste quesito, o melhor é não ter nenhuma expectativa. Alegando que os hóspedes “se esquecem” de devolver, muitos hotéis simplesmente não estocam mais adaptadores. Para piorar, as novas tomadas brasileiras tornaram as coisas ainda mais complicadas: se o seu equipamento for mais novo que o seu hotel (ou o seu hotel for mais novo que o seu equipamento) as chances de incompatibilidade são grandes. É por isso que o gadget mais útil para o viajante brasileiro é um adaptador universal de tomadas. Compre pelo menos dois, o quanto antes (jogue no Google e você chega a uma loja virtual). No caso de aparelhos com tomada nova, é possível que você precise usar um segundo plugue. É muito importante: sem um adaptador, você não consegue recarregar suas baterias nem aqui pertinho na Argentina.

O café da manhã está incluído

Lamento informar, mas é provável que não esteja. Para tornar os preços de suas diárias mais atraentes nos buscadores e agências virtuais, cada vez mais hotéis estão seguindo o padrão americano de cobrar o café da manhã à parte. Atente sempre para este detalhe ao efetuar a reserva; se a descrição do quarto não contiver explicitamente as palavrinhas mágicas “café da manhã incluído”, é porque não está. Caso não esteja, vale a pena gastar meia hora do dia da chegada para explorar as redondezas e ver se há algum lugar interessante para tomar o café. No exterior, um café da manhã de hotel custa entre 20 e 30 dólares; no Brasil pode custar R$ 40 num hotel 5 estrelas. Um maneira de evitar constrangimentos é perguntar o preço do café da manhã ao fazer o check-in.

O restaurante está aberto

Quantas vezes já aconteceu de você voltar a um restaurante na sua cidade e só descobrir na porta que o lugar não abre naquele dia – ou fechou para sempre? Restaurantes não compartilham horários fixos. Podem abrir só para o almoço ou só para o jantar; podem funcionar continuamente ou interromper o serviço entre as duas refeições. No exterior os horários podem ser totalmente diferentes daqueles com que você está acostumado: na Cidade do México os restaurantes só abrem para almoço às 13h30; na Holanda a cozinha dificilmente vai aceitar um pedido feito depois das 21h30. Se você já definiu seu restaurante, não custa (quase) nada ligar para ter certeza de que estará funcionando na hora em que você quer comer. E já que você se deu ao trabalho de ligar... aproveite e faça a sua reserva.

A gorjeta é 10%

Na Europa e na América do Sul, sim. Mas atenção: na Argentina o serviço não vem incluído na conta; é preciso deixar à parte (e a maioria dos restaurates não aceita que isso seja feito no cartão de crédito). Nos Estados Unidos a gorjeta em restaurantes requer uma equação complicada. Os garçons ganham salário simbólico e vivem das “tips”. Uma gorjeta de menos de 15% é recebida como um insulto; só seria admitida se o garçom derrubado comida na sua roupa ou esquecido de atender você. (Há casos de garçons que vão tomar satisfações com os clientes na calçada.) Em Nova York costuma-se dobrar a “sales tax” – o que dá cerca de 17%. A maioria dos americanos deixa 20%. O sistema é complicado: quando paga com cartão de crédito, você precisa acrescentar o valor à mão na hora de assinar.

Roaming internacional está baratinho

É o que dizem as campanhas publicitárias das operadoras de celular. Nenhuma está propriamente mentindo – só que, para aproveitar as condições anunciadas, é preciso que você contrate o plano promocional anunciado. Sem aderir a nenhuma promoção, o seu roaming internacional vai sair uma fortuna. Os melhores planos são os que você contrata antes de viajar. Ao chegar ao exterior você ganha uma última chance, ao ser contactado por SMS. Só use o celular para chamadas de voz se souber exatamente quanto isso vai custar. O jeito mais inteligente de usar o celular no exterior é aproveitar os ambientes wi-fi para fazer ligações pelo Skype; quando o wifi não estiver disponível, comunique-se por torpedo.

Originalmente publicado na minha página Turista Profissional no Estadão.

Leia também:

Dicas para viajar melhor por Ricardo Freire

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email
Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire
Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem


86 comentários

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Bóia,
Dúvida boba, mas nunca tinha me acontecido. Estou com passaporte novo, mas comprei uma passagem com o passaporte antigo. Basta apresentar os dois no embarque que fica tudo ok ou tenho que fazer algo mais?
Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lu! Leve o antigo como back-up, mas não cremos que será necessário!

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Muito obrigada! Depois conto aqui se pediram o passaporte antigo!

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Bóia, não pediram o passaporte antigo não!
Abraço

Livia
LiviaPermalinkResponder

Oi Boia,
nos Eua tem esta questão da validade do passaporte seis meses antes da entrada? Meu passaporte vence 10 de fevereiro de 2015, mas eu queria viajar em agosto. Minha data limite de entrada é 10 de agosto? Abraços

Marcelo Jesus
Marcelo JesusPermalinkResponder

Livia,
Os Estados Unidos são uma exceção à regra do passaporte válido por seis meses antes do embarque. Há uma resolução deles que isentam alguns países desse prazo, o Brasil está incluído entre estes isentos.
Entrei nos EUA em novembro de 2012 e meu passaporte venceria em fevereiro de 2013.
De todo modo, como ressaltado no texto, o ideal é renovar o passaporte e desencanar com isso...

Livia
LiviaPermalinkResponder

Valeu Marcelo
Eu tava realmente encucada com isso. Já tinha me planejado pra renovar mas tô numa incerteza se viajo julho ou final de agosto, vai depender de quando sai promo. Se eu fosse em julho, o desespero pra renovar seria desnecessário, se eu for em agosto, talvez ficasse pra cima da hora. Já vou me programar pra renovar em agosto mesmo.
Valeu

Documentos | Fora do meu lugar

[...] 10 certezas que o viajante não deve ter - 8 coisas que você não deve esperar a próxima viagem para providenciar - Febre amarela: onde [...]

fatima lopes dias

Gostaria de tirar uma dúvida, minha identidade tinha mais de 10 anos, foi trocada, mas como estou em outro estado a numeração ficou diferente, será que terei algum problema na hora do embarque para o exterior? Todos os dados conferem menos o número .. desde já agradeço......

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fatima! Você só precisa apresentar a sua carteira de identidade nova. A antiga passa a não valer mais. Se você já comprou a passagem aérea, pergunte à companhia aérea quais procedimentos seguir.

York Cezar de Campos

Gorjetas: em Buenos Aires paguei a conta do hotel e inclui 10 % . Quando ia entrar no transfer o porteiro e o carregador de malas vieram correndo em minha direção exigindo a "propina". A muito custo com a ajuda do motorista consegui explicar, mas eles não gostaram. Em Miami e Nova York não tem como escapar: peça tudo de uma vez: comida, bebidas e sobremesa, senão o garçom levará uma eternidade para voltar á sua mesa. E prepare-se para pagar entre 17 e 20% de gorjeta.

iesa carneiro
iesa carneiroPermalinkResponder

Boa tarde. Vocês tem me ajudado muito e agora me dei conta que só uso a CNH como identidade. Além do Passaporte deve-se levar outro documento? A CNH seria aceita? Muito grata e parabéns por esse maravilhoso trabalho.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Iesa! Nos lugares em que você puder se identificar apenas com um documento com foto, sem necessidade de passaporte, a CNH será útil. Os estrangeiros não sabem a diferença entre a CNH e a carteira de identidade. Americanos não têm carteira de identidade, só carteira de motorista.

Tatiana Gaia
Tatiana GaiaPermalinkResponder

Eu vim comentar especificamente sobre a questão da necessidade de um check in antecipado em 3 horas. Vi o seu texto Ricardo sobre o check in ser um serviço e não um favor (https://www.viajenaviagem.com/2012/08/alo-hoteis-early-check-in-nao-e-favor-e-servico ). Acabei de passar pelo mesmo dessabor: Hotel Slaviero São Carlos - SP. A diária inicia as 14h e como meu namorado vai chegar pedalando (ciclista) vai chegar por volta das 11h e certamente precisará de um abanho antes do compromisso das 13h. E eu ouvi do atendente que precisa ver a possibilidade, mas que parece que o Hotel, até o momento, nao estará cheio - que eu posso ligar para saber, mas que QUALQUER adiantamento será cobrada 50diária. Um completo absurdo. Como já fiz a reserva sem reembolso, não vou cancelar - mas essa é a vontade!. Mas será a última vez e diferente do que fiz esse ano (o evento se repete anualmente) não vou recomendar mais esse hotel a ninguém! Detalhe: há uma normativa regional que diárias devem durar 24h - e a deles é das 14 às 12h.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar