Espetáculo (minha crônica no Divirta-se do Estadão)

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Totatiando; ilustração: Daniel Kondo

Ilustração | Daniel Kondo

Eu queria ter avisado antes, mas não tenho o seu email – e quando escrevi a última coluna ainda não tinha esta informação. Que horas são agora? Xi, acho que dançou. Lamento ser a pessoa a trazer essa notícia: você provavelmente perdeu o show do ano.

Quer dizer: de repente ainda dá tempo. Tem um Sesc aí perto? Descubra se ainda resta ingresso para alguma sessão de “Totatiando”, com Zélia Duncan, no Sesc Belenzinho. Boa sorte.

O quê? Eu falei “show”? Desculpe, o termo é inadequado. “Totatiando” está mais para teatro. Mas não é bem teatro. Se você me pedisse para marcar com um xis: Zélia ( ) canta ( ) encena ( ) dramatiza as canções de Luiz Tatit, eu não saberia o que cravar. Talvez pedisse uma alternativa extra: (x) todas as anteriores.

A dificuldade de classificar o espetáculo de Zélia Duncan tem tudo a ver com a dificuldade de classificar o estilo de Luiz Tatit (se você está há pouco tempo no planeta, googla lá: grupo Rumo). Meio cantada, meio falada, uma canção de Tatit é meio música, meio monólogo. Lá pelo quinto verso emerge um personagem perfeitamente delineado – ou então uma complexa questão existencial que até o minuto anterior ainda não tinha passado pela sua cabeça.



Pois muito bem. Tudo o que já era redondinho com o Rumo, com a Ná Ozetti, com a própria Zélia de repente adquire uma nova dimensão no palco de “Totatiando”. Ao pé da letra: as canções se tornam tridimensionais – ganham profundidade, corpo, temperatura, textura e consistência. É como se Zélia Duncan e a diretora Regina Braga inventassem o equivalente teatral do clip.

As catorze canções se sucedem sem que nenhum truque cênico se repita – e sem que você sinta falta de mais alguém para acompanhar a dupla de músicos que compõe a banda minimalista.

A impressão de ter assistido a algo extraordinário só se reforçou quando cheguei em casa e entrei no site de Zélia Duncan. O áudio de fundo é a canção “Felicidade”, do repertório de “Totatiando”. A mesma voz, o mesmo arranjo. Mas senti falta do que vi no show.

O quê? Eu falei “show”, de novo? Como substantivo, talvez seja inadequado. Mas como adjetivo é perfeito.

Leia mais:

Outras crônicas no Divirta-se do Estadão por Ricardo Freire

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email
Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire
Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem


4 comentários

Beto
BetoPermalinkResponder

Show!

Noemia
NoemiaPermalinkResponder

Concordo, Ric. Zélia Duncan "encenando" Luiz Tati é algo absolutamente deslumbrante e novo. Assisti em Porto Alegre, num show que ela e o Arthur Nestrovski fizeram para os 30 anos do Unimúsica da UFRGS. É algo imperdível. Fiquem de olho, larguem tudo que estiverem fazendo e pelo amor de Deus, não percam.

Rogério
RogérioPermalinkResponder

Eu assisti a última apresentação ontem dia 18/09.
Foi emocionante e realmente surpreendente !

Marli
MarliPermalinkResponder

Adorei, não amei!!! Que delicia, que sensível. Ontem no SESC Belenzinho sai maravilhada. Já amo a música da Zélia, mas me surpreendeu seu dominio de cena, nem se percebe que está só. Simplesmente demais.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar