Seu rico dinheirinho: quanto o real desvalorizou frente cada moeda

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Seu rico dinheirinho

Eu já devia ter me ocupado desse assunto há mais tempo; o problema é que a débâcle cambial começou junto com a minha viagem, e até hoje não tinha dado tempo de parar para ver o tamanho do estrago.

E com efeito o nosso realzinho levou um tombo feio. Certamente por ser uma das moedas mais sobrevalorizadas do mundo (todos os levantamentos sobre o assunto diziam isso), o real está sofrendo mais do que as outras moedas nesta recente valorização do dólar.



Não me pergunte o que vai acontecer -- essa é a função dos economistas e dos videntes. Este post é apenas para avaliar quanto vamos gastar mais para manter o mesmo padrão de viagem em diferentes lugares do planeta.

Fui ao meu site de cotações cambiais favoritos, o Oanda, e fiz uma planilhinha (no Notepad, que eu não sei usar Excel até hoje) com a cotação de várias moedas contra o real hoje (dia 4 de outubro), há dois meses (dia 4 de agosto) e há um ano (4 de outubro de 2010). Depois fiz uma regrinha de três básica para calcular a desvalorização. Me corrijam se calculei errado. Mas os números brutos já servem como excelente indicador para ver onde perdemos mais e onde perdemos menos.

Do maior para o menor estrago, de dois meses para cá:

Dólar americano: 19% (US$ 1= R$ 1,86 hoje, 1,56 há dois meses. Há um ano: 1,56)

Yuan chinês: 17% (R$ 1 = 3,40 yuans hoje; 4,09 há dois meses. Há um ano: 3,85)

Sol peruano: 15% (R$ 1 = 1,47 soles hoje; 1,70 há dois meses. Há um ano: 1,56)

Ien japonês: 14,5% (R$ 1= 41,05 iens hoje; 47,98 há dois meses. Há um ano: 49,15)

Peso argentino: 13,5% (R$ 1 = 2,27 pesos hoje; 2,62 há dois meses. Há um ano:  2,27)

Libra inglesa: 13,3% (£ 1 = R$ 2,89 hoje; 2,55 há dois meses. Há um ano: 2,58)

Baht tailandês: 12% (R$ 1 = 16,63 hoje; 18,94 há dois mess. Há um ano: 17,12)

Dólar canadense: 10% (CAD 1 = R$ 1,78 hoje;  1,62 há dois meses. Há um ano:  1,60)

Euro: 9% (€ 1 = R$ 2,48 hoje;  2,27 há dois meses. Há um ano: 2,25)

Peso uruguaio: 9% (R$ 1 = 10,36 pesos uruguaios hoje; 11,39 há dois meses. Há um ano: 11,36)

Coroa tcheca: 8,5% (R$ 1 = 9,92 coroas hoje; 10,86 há dois meses. Há um ano: 10,24)

Dólar australiano: 7% (AUD 1 = R$ 1,79 hoje; 1,67 há dois meses. Há um ano: 1,58)

peso chileno: 280 / 291 / 272 -- 3,8%
peso argentino: 2,27 / 2,62 / 2,27 -- 13,5%
peso uruguaio: 10,36 / 11,39 / 11,36 -- 9%
dólar: 1,86 / 1,56 / 1,56 -- 19%
peso mexicano: 7,42 / 7,53 / 7,53 - 1,5%
franco suíço: 2,04 / 2,03 / 1,67 -- 22%
euro: 2,48 / 2,27 / 2,25 - 9%
libra: 2,89 / 2,55 / 2,58 - 13,3%
coroa tcheca: 9,92 / 10,86 / 10,24 - 8,65%
yen: 41,05 / 47,98 / 49,15 - 14,45%
yuan: 3,40 / 4,09 / 3,85 - 16,8%
dólar australiano: 1,79 / 1,67 / 1,58 - 7,1%
dólar canadense: 1,78 / 1,62 / 1,60 - 10%
baht: 16,63 / 18,94 / 17,12 - 12%
sol: 1,47 / 1,70 / 1,56 - 15%

Peso chileno: 4% (R$ 1 = 280 pesos chilenos; 291 há dois meses. Há um ano: 272)

Peso mexicano: 1,5% (R$ 1 = 7,42 pesos mexicanos hoje; 7,53 há dois meses. Há um ano: 7,53)

Franco suíço: estável (CHF 1 = R$ 2,04 hoje;  2,03  há dois meses. Há um ano: 1,67)

Ou seja: os Estados Unidos ficaram 20% menos baratos, enquanto a Europa ficou apenas 9% mais cara. Dos países vizinhos, o Chile é o que continua com câmbio mais próximo do que era. E o México, ao acompanhar o nosso tombo, se mostra o único lugar em que o nosso real continua tão fortão quanto há dois meses.

Note como o dólar canadense voltou a ficar mais barato que o americano (coisa à toa, mas ficou). E não se iluda tanto com a estabilidade do franco suíço -- antes desta valorização do dólar, era o franco que tinha sofrido a maior alta; contra o real, está 22% mais caro que há um ano.

Minha dica em tempo de dólar caro? Menos turismo de compras e mais turismo de viajar de verdade, meu povo grin

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email
Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire
Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem


57 comentários

Erick Miller
Erick MillerPermalinkResponder

Riq, sabe aquela viagem pelo Oriente Médio (Egito, Jordânia e Israel), que você e a tripulação até ajudou a construir no post participativo https://www.viajenaviagem.com/2011/09/30-dias-entre-egito-jordania-e-israel-como-voce-dividiria/ ? Pois é, mixou, não vai mais rolar. O preço das passagens subiu MUITO, acho até que desproporcionalmente. Além disso, a desvalorização do real deixou os hotéis muito caros. Como minha viagem teria quase quarenta dias, ainda havia o risco de a coisa piorar enquanto eu estivesse fora.

Eu tentei evitar a desistência, mas não deu. Usei a estratégia de cair ainda mais o padrão dos hotéis mas mesmo assim o aumento nos custos seria muito grande. E olhe que a viagem não seria em nada voltada para compras.

Aí fui atrás de um plano B interessante no Brasil, mas não encontrei. O Nordeste está uma facada e a Amazônia segue caríssima. O restante dos destinos ou eu já conheço ou não me interessa agora. Então resolvi cancelar minhas férias, fazendo a festa de um colega que tem filhos e queria muito tirar férias em janeiro junto com as férias escolares.

Resumo da ópera: não vou tirar férias nem vou viajar. Vou aproveitar para economizar para uma viagem futura.

Estou triste. Jogaram água no meu chope. Por isso que eu detesto quando alguém critica o tal "real valorizado". Acabou mais uma "janela de oportunidade" para o brasileiro viajar.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

É uma beleza o resultado final do turismo sem compras ::
*mais espaço na mala e nos neurônios
*menos peso prá carregar
*mais tempo prá flanar
*menos tralha pra guardar
*mais dindim prás extravagâncias e próximas viagens.

Lu
LuPermalinkResponder

Brilhante, Sylvia!!

RosaBsb
RosaBsbPermalinkResponder

Eu nem conheço o turismo de compras e sou muito feliz com o turismo de viajar!!!

Marco Cavalheiro - Buenos Aires Dreams

Genial!! Já virou meu mantra de viagem... smile

Clara
ClaraPermalinkResponder

Posso dizer uma coisa? Época de crise abre brechas interessantes na indústria turística. Os precos de passagens devem cair, os programas de milhas vão ferver, os hotéis acabarão dando descontos. Tenho certeza que o incrível patrocinador do VnV, a Hoteis.com acabará por mostrar ótimas ofertas de todo o tipo.

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalinkResponder

Já começou: http://www.falandodeviagem.com.br/viewtopic.php?f=208&t=2300

Clara
ClaraPermalinkResponder

Ótima dica, Gabriel!

Recebi email da Delta de que quem reservar e voar para os EUA, comprando online(não sei se exclusivamente) agora em outubro e viajando até o início de novembro ganha o dobro das milhas no trecho brasil/atlanta/brasi. Fiquei até meio chateadinha porque perdi a promoção das milhas- mas paguei com o dólar barato ainda, promoção e o menor tempo de vôo até Los Angeles.

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalinkResponder

Hoje a AA aumentou o parcelamento: http://www.falandodeviagem.com.br/viewtopic.php?f=200&t=2302

E daqui a pouco a Alitalia promete uma promoção... veremos!

Clara
ClaraPermalinkResponder

Gabriel, conseguiu saber da promoção? Entrei no site e não estava funcional para a oferta(que acabei não sabendo do $. Recebi ontem um email da Alitalia falando para checar hoje.

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalinkResponder

O site está com problemas, até no internacional. Não é possível fazer nenhuma simulação.

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalinkResponder

A Alitalia pagou mico, mas a Lufthansa lançou hoje uma promoção de U$599. Informações aqui: http://www.falandodeviagem.com.br/viewtopic.php?f=24&t=2314

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalinkResponder

Nova promoção da AA, inclusive na alta temporada, saindo do Rio de Janeiro: http://www.falandodeviagem.com.br/viewtopic.php?f=24&t=2312
As passagens ficaram mais baratas do que quando o dólar estava baixo com essa promoção.

Luiz Valentim
Luiz ValentimPermalinkResponder

Olá Ricardo (& Cia), tenho acompanhado seu site a alguns meses enquanto organizo uma viagem (minha primeira internacional) de pouco mais de 30 dias por Uruguai, Argentina e Chile... Ele tem sido fundamental, desde a definição do roteiro_ ficando o máximo de tempo possível no mínimo de lugares para poder vivenciá-los e não apenas visitá-los_ até a previsão de custos e obtenção de documentos necessários... Mas neste post ocorreu-me o primeiro "grilo"... Levarei uma parte do dinheiro em espécie, cartão do banco para saque no local, cartão de crédito para alguma emergência e um VTM... O dinheiro em espécie levarei em Real.. Ok?... Mas minha dúvida maior é em relação ao VTM, levando em conta a cotação atual, qual seria a melhor moeda para carregar no cartão? Havia pensado em Dólar, mas soube que o Banco Cruzeiro do Sul carrega, dentre outras moedas, Peso Argentino e Peso Chileno... Vale a pena carregar estas últimas e evitar maiores conversões, ou nas circunstâncias atuais ainda vale a pena apostar no Dólar como moeda forte?
Grato

P.S.: Parabéns pelo site, que tem mais informações do que muitos sites oficiais de turismo...

Pablo
PabloPermalinkResponder

Acabo de voltar de uma viagem pela argentina e Chile. Levei um pouco de dolar e VTM mas deixei eles guardados, só para emergência. Todo o dinheiro foi através de saques diretamente de minha conta corrente em caixas eletrônicos de lá. Mesmo considerando as taxas, é onde a cotação saiu melhor.

Valdinho Pellin

Ricardo, mais um post fantástico. Essa semana mesmo estava discutindo essa questão cambial e a relação que isso tem com o turismo com meus alunos de economia. O dólar disparou mesmo e o pior é que a tendência não é de queda não. Chegar a niveis de 1,55 ou 1,60 nem pensar. O próprio BC já admite que não quer isso. a tendência é que o dólar fique em algo próximo a 1,70 ( na previsão mais otimista). E pensar que poderiamos comprar a 1,52 a menos de dois meses. No entanto, também nãoa dianta sair agora desesperado comprando dólar para viajar em dezembro. Dificilmente o dólar vai aumentar muito mais do que aumentou. E quanto ao Euro, ainda bem que a moeda não se fortaleceu tanto em relação ao real.

Vinícius (mais do que uma viagem)

Riq, ótimo post!

Você não imagina a sorte que minha esposa e eu tivemos. Viajamos por Portugal, Suiça e Itália durante todo o mês de agosto. Como a nossa fatura do cartão de crédito fechou no dia 01/09 não pegamos a forte alta do dólar.

Diogo Avila
Diogo AvilaPermalinkResponder

Ricardo,

Verdadeira utilidade pública! Rsss
Pelo que tenho acompanhado das análises, parece que este quadro será parcialmente revertido até o novembro, ao menos no patamar de R$ 1,70 como a galera acima também apontou.
Será que a situação melhora a tempo de salvar as férias de fim de ano???
Abraço.

PêEsse
PêEssePermalinkResponder

Estamos em outubro, isto é, faltam pouco mais de três meses para as viagens das festas de fim de ano e das férias de janeiro. Não acho que esse momento (dezembro e janeiro) combine com concessões e descontos feitos por hotéis e companhias aéreas. Nessa época todo mundo viaja de todo jeito, então os vôos e os hotéis estarão lotados e, pela oferta e procura, não há razão para barateamento de preços. Mais ou menos como preço de carro: carro no Brasil é caro porque as pessoas pagam o quanto se pede.

Para os que usam cartão de crédito, essas moedas todas são convertidas para o dólar americano, ou seja, gasta-se inicialmente em peso mexicano mas depois é feita a conversão de peso mexicano para dólar, com as consequências daí decorrentes. A tudo isso ainda se soma os 6,38% de IOF.

Estava acompanhando as passagens aéreas para alguns destinos internacionais na segunda quinzena de dezembro. Os preços dispararam.

Ê, vida difícil só é essa do viajante...

Fábio Erasmo
Fábio ErasmoPermalinkResponder

PêEsse, vc matou a pau, acabei de chegar do Chile, não adianta o peso não estar tão desvalorizado porque a conversão é para o Dólar ai a coisa pega, Fechamento do Itau 1,92 mais IOF, para garantir a conta pode dobrar, o que é 2 vira 4. O Peso chileno no sábado estava no aeroporto(que é a pior 238,00) nas melhores cotações das casas de câmbio 265, 260. Tentei fazer futurologia e joguei tudo para 30 de outubro, só resta torcer. Vc sabe se por acaso tiver um dia de queda do dólar posso pagar mesmo antes do vencimento?

Clara
ClaraPermalinkResponder

PêEsse, bom, na segunda metade de dezembro não vale, né?

Ricardo Freire

Queridos: 1 dólar, há dois meses, valia 458 pesos chilenos. Hoje vale 533 pesos chilenos. Isso significa que o tombo do peso chileno foi quase tão grande quanto o do real. Logo, as compras em pesos são convertidas em menos dólares, hoje, do que eram há dois meses.

O único senão é que, uma vez feita a conversão para o dólar, se o dólar continuar subindo frente ao real até o pagamento da fatura, a conta sobe. Mas caso se mantenha estável, a informação de que o Chile encareceu pouco depois desta débâcle é correta.

Tiago
TiagoPermalinkResponder

Ufa!! Já estava começando a me arrepender das poucas compras que fiz no cartão lá no Atacama...
Não tinha pensado nisso!

Fábio Erasmo
Fábio ErasmoPermalinkResponder

Tens razão....só para ilustrar paguei uma conta no débito no sábado para ver a cotação, saiu assim.
Pesos 32.230,00
Débito Itau - 123,96 , já contando o IOF .

PêEsse
PêEssePermalinkResponder

Para quem usa cartão de crédito, a relação de vantagem ou desvantagem de qualquer moeda em face do real só vai até a conversão em dólar, o que acontece um ou dois dias depois da compra. Depois, o que vai valer mesmo é quanto aquela moeda se valorizou ou desvalorizou em relação ao dólar (e não ao real) e quanto o real se valorizou ou desvalorizou em relação ao dólar. Ou seja: a relação qualquer moeda X real é um indicativo, mas o que conta mesmo para fins de controle de gastos é a relação qualquer moeda X dólar (porque assim é que será feita a conversão) e a relação dólar X real (porque assim é que será feito o pagamento).

O que eu quero dizer é que de muito pouco adiantará, por exemplo, o peso mexicano ter se desvalorizado em relação ao real se ele tiver se valorizado em relação ao dólar, porque quando for feita a conversão aquele meu passeio pago em pesos mexicanos significará mais dólares, e se o dólar seguir encarecendo, porque os dólares custarão mais reais.

Só lembrando que estou falando do uso de cartão de crédito. Para outros meios esta reflexão não é necessariamente verdadeira.

Valdinho Pellin

É isso mesmo.....
Para quem vai a Europa por exemplo, torna-se interessante levar dinheiro vivo (Euro) e utilizar menos cartão.... o Euro se valorizou pouco em relação ao dólar.

Virginia Lucia

Não sei se isto é uma boa idéia, mas em dois lugares em Paris me ofereceram a opção de pagar já com a conversão em reais, e eu preferi. Dei uma olhadinha no comprovante e depois pesquisei na internet e a cotação foi a do euro turismo, não sei se foi pior, mas me deu um certo conforto esta opção. Vamos ver na fatura o que acontece.

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

PêEsse: devido ao mecanismo de "arbitragem", as cotações entre 3 ou mais moedas são sempre equivalentes. O Euro, por exemplo, só subiu 9% ao inves dos 19% do dólar porque a cotação Euro X Dólar caiu bastante, 12% nos últimos 40 dias. E talvez caia mais devido aos problemas da Grécia, Espana, Itália...

Não existe um mercado independente entre cada par de moedas. Os tubarões das finanças internacionais explorariam essa diferença

Luiz
LuizPermalinkResponder

Um horror! Foi uma maxidesvalorização! Nossa moeda derreteu, tudo ficou caro!

Fernando Castro

O que noto nem é o problema da valorização do dólar. O que me incomoda, e muito, é o preço das coisas (em real, mesmo). O Brasil é um dos lugares mais caros que conheço. As nossas passagens aéreas são absurdas. Nossos restaurantes caríssimos. Já comi diversas vezes em restaurantes italianos - na própria Itália - muito mais barato que o seu similar brazuca. Idem para franceses, alemães, etc. etc. O dólar pode subir que mesmo assim vai ser vantajoso fazer compras nos EUA. Tudo graças à nossa política tributária. Importar produtos da China? E daí que a Receita pode eventualmente taxar? O preço em dobro com os impostos de importação ainda são a metade do correspondente brasileiro. E depois reclamam do resultado entre a diferença dos gastos no exterior dos brasileiros e o gasto dos turistas estrangeiros no Brasil...

monica carvalho

talvez seja por isso que os EUA e europa estao todos quebrados financeiramente: impostos muito baixos que nao sao sustentaveis.

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

Não mesmo... os impostos (europeus principalmente) também são altíssimos, porém eles entregam serviço de volta para quem paga imposto, então o pessoal pode consumir mais sem se preocupar tanto com saúde, saneamento, etc- maior consumo é menos preço.

O que acontece é que os bancos emprestaram fortunas em dinheiro para gente que claramente não tinha condições de pagar - e quando 'surpreendentemente' não pagaram, os bancos ficaram sem dinheiro e iniciaram esta bola de neve.

E para encarecer mais ainda, temos o chamado 'custo-brasil'. Há mercadorias que gastam X para vir da China até Santos, e X+X para ir de Santos até São Paulo... Já li que só parado na fila de espera no porto, alguns navios demoram mais tempo que na vinda da China até aqui - e ainda tem propina para liberação das coisas, estradas ruins, combustível, etc - imagine então para levar estas mercadorias até o Acre.
É... este país nosso é bem complicado.

Helder
HelderPermalinkResponder

Monica acho q vc nao esta acompanhando as notícias com atenção. São justamente os principais governos da europa q vão socorrer bancos gananciosos e governos perdulários ( como o nosso) que gastam os olhos da cara para manter uma Maquina publica gigante e ineficiente. Aqui em Belindia estamos sentindo os impactos desse comportamento agora. As ações do nosso governo para manter os investimentos no ano passa (eleicao) estão se refletindo nos altos índices de inflação agora. E viva-se com isso, 40% da minha renda são para impostos, nao posso sair na rua após as 10, se tiver uma emergência vou morrer mesmo, e empreiteira pode pagar pensão para amante de senador. Nos somos um exemplo!

Fernanda Duarte

Vamos viajar em família em dezembro e por sorte compramos todas as passagens de avião e trem uns meses atrás. O azar foi não ter comprado o euro na época, ontem compramos uma parte e pagamos R$ 0,20 mais caro (R$ 2,60) em relação começo de setembro. Mas paciência, vou seguir sua dica "Menos turismo de compras e mais turismo de viajar de verdade!" smile

Acho que é a primeira vez que comento mas seu site ajudou (e continua) muito na hora de montar roteiro, pegar dicas, parabéns e sucesso sempre!

yara xavier
yara xavierPermalinkResponder

Amigos, vou para a África do Sul em dezembro. Tá resolvido, tá meio pago, não tem jeito. Com dólar caro ou barato, eu vou. Mas, ouvi dizer que é possível carregar o VTM em Rand - o que, creio eu, absoluta ignorante, evitaria fazer 2 conversões. Alguém sabe me dizer se isso é verdade?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Yara! Existe Visa Travel Money em rand, mas só por uma das emissoras de cartão:
http://www.visa.com.br/conteudo.asp?pg=1340

A parte da matemática vou deixar para os especialistas mrgreen

Ricardo Freire

Yara, sei que com as moedas fortes (euro, libra) o câmbio é direto, e você realmente economiza uma comissão. Não sei se isso se aplicaria ao rand também, mas acredito que sim.

O importante é você ver qual a cotação que estão oferecendo em rand. Veja se é compatível com o que dizem sites como o http://www.oanda.com/lang/pt/currency/converter/

Dê uns 5/10% de margem, porque os VTMs são vendidos na cotação turismo, não na interbancária.

Giulyanne
GiulyannePermalinkResponder

Yara,

A Confidence Cambio tem VTM que pode ser carregado em rand. Dá uma conferida no site deles. Agora, se é mais vantagem que usar cartão de débito ativado para compras no exterior eu não sei...

Paulo Torres
Paulo TorresPermalinkResponder

Fui em julho para a África do Sul, a cotação do rand para o VTM da Confidence estava em R$0,28. Fazendo as contas, achei que não valia a pena - a conversão feita pelo meu cartão de crédito (rand para dólar no momento da compra e depois dólar para real no vencimento da fatura, mais o IOF de 6,38%) saía mais barato, aproximadamente 0,25. (A cotação do Banco Central era R$0,23.)

Fiz a conta usando alguns pagamentos que eu havia feito antecipadamente, tipo reservas de albergues. De lá pra cá o câmbio mudou bastante, e nem todos os cartões de crédito usam as mesmas cotações, mas a conta a ser feita é essa.

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

Estou em puro e completo pânico! hehe
Pela primeira vez em minhas viagens, estou indo justo fazer turismo de compras... desespero total!!!!Cada dia que o dólar aumenta, diminui um tantinho a lista de compras.

Pelo menos parou de subir(pode ser por pouco tempo, eu sei)... e a única 'alegria' neste momento é ter pago hotel e aluguel de carro com o dolar a 1,62, pq dali prá cá foi só tranqueira.

Pior de tudo é saber que mesmo assim, continua absurdamente mais barato comprar coisas para bebê lá fora (sim, este é o motivo da viagem) sei que 20 dias nos istaites com dólar a quase 2 reais é assustador.

Patricia
PatriciaPermalinkResponder

Realmente esse lance do dólar subir acaba com os brasileiros viajantes! Eu fui a NY em Junho e foi inacreditável, pois, o dólar estava 1,56... fiquei super animada, comprei e tudo ok! Agora estou com aquele gostinho de quero mais... mas, acompanhando a alta do dólar, ficará impossível de pensar em planejar algo por enquanto! Bem, espero que ele volte a calmaria...

Virginia Lucia

Riq, perfeito, seu conselho final já sigo há tempos, pra mim compras são absolutamente incidentais - passar pela loja e não resisti. Mas com as ofertas que tenho visto, ai ai ai, bota incidental nisso...

André T.
André T.PermalinkResponder

Vou deixar aqui o meu relato da minha experiência na minha primeira viagem intercontinental, à Europa, em setembro de 2008, que durou quase quatro semanas.

Ao sair do Brasil, a cotação do dólar estava próxima a R$1,60, ou 1,65 (não me recordo exatamente, mas lembro que achei BEM barato).

Viajei levando poucos euros no VTM e confiando muito no cartão de crédito. Reservas de hotéis, albergues, passagens de trem, passagens aéreas internas, ingressos para as maiores atrações, a maior parte paga no cartão de crédito antes de eu decolar rumo ao velho continente, mas muita coisa com vencimento próximo.

Eufórico com a primeira viagem do tipo, comecei a me dar alguns pequenos luxos na viagem (afinal, a maior parte dos custos já estava paga...), jantares especiais, uma compra ali, outra aqui, uma lembrancinha pro fulano, pra prima-do-irmão-da-vizinha-da-ex-namorada-do-melhor-amigo etc.

Contudo, porém, todavia, estava eu no trem de Paris para Londres quando vi a notícia da quebra do Lehman Brothers na TV. Algum pânico nas bolsas era noticiado. Mas nem dei bola. Afinal, estava de férias.

Início de outubro, aterrisso em Guarulhos e vou pro duty free fazer as últimas comprinhas da viagem. Ao chegar no caixa, me assusto. O dólar estava beirando R$2,00. Pensei: essa subida deve ser passageira, minha fatura agora só vence no início de novembro, as compras nem são tanto assim, vou pagar no cartão de crédito mesmo (tinha opção do débito).

As semanas seguintes foram uma tormenta. O dólar só disparava. No fechamento da fatura, estava beirando R$2,40! E a situação se manteve assim até o vencimento.

Não teve jeito. O orçamento esperado (sim, eu tinha uma previsão pros gastos extras, afinal, meu bolso tem fundo) extrapolou uns 40%. Tive que contrair um empréstimo pra pagar a fatura do cartão.

Quase dois anos e meio depois, já escaldado da situação, fui planejar novas férias, de novo pra Europa. O dólar baratinho me fez desconfiar: não vou passar pelo aperto de novo, pensei.

Então, antes de viajar, fiz uma pequena aplicação no meu banco que é atrelada à variação do dólar. Viajei em abril/maio, quando voltei, paguei a fatura com o valor esperado, o dólar não subiu. Pelo contrário, continuou caindo. E eu com o dinheiro aplicado lá, perdendo a cada dia.

Então pensei: tá caindo cada vez mais, já perdi uns 500 reais na brincadeira, melhor tirar da aplicação e tentar recuperar. O que fiz exatamente um mês antes da atual escalada.

Conclusão: em matéria de câmbio, tudo é possível. O negócio é sempre fazer o nosso suado dinheirinho render mais nas viagens ao exterior. E a melhor forma pra isso, como o Riq disse, é menos turismo de compras e mais turismo pra viajar....

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

Uma possibilidade oferecida pela maioria dos cartões de crédito é a seguinte: se vc fizer pagamento antecipado, a cotação considerada é daquela do pagamento antecipado.

Na prática, pagamento antecipado significa você pagar mais que o saldo devedor online (pessoalmente não dá pra fazer isso)./

yara xavier
yara xavierPermalinkResponder

Riq, Giulyanne, Paulo. Obrigada pela atenção. Eu sou um pouco burrinha, então vou ter que parar para entender melhor a explicação do Paulo. Gente, eu erro contas na máquina de calcular. Tô frita.

monica carvalho

aqui nos eua, gostamos de ter tudo do bom e do melhor mas nao pagamos impostos suficientes para manter tal status, gostamos de emprestar dinheiro da China (que por sinal vende produtos para nos) para financiar aquilo que nao podemos pagar no futuro.

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Citando o comandante: "Minha dica em tempo de dólar caro? Menos turismo de compras e mais turismo de viajar de verdade, meu povo"
A-D-O-R-E-I!!!!

ernesto o pato

Convido todos a irem para a Bolivia, onde tudo continua muito barato, mesmo em tempo de dolar mais caro.

Marcio
MarcioPermalinkResponder

Acho engraçado comentários tipo comi num restaurante italiano na italia e foi barato......
coma num brasileiro, comida trivial, q vc vai se surpreender...
é a mesma coisa q um amigo meu comentou qdo foi pra França e disse q lá o vinho importado ( frances,italiano, espanhol, portugues ) era muito mais barato q no Brasil...
faça um turismo de mochila, ou mais budget oriented, como muitos fazem qdo vão lá na Europa e nos Estados Unidos q vão se surpreender.
A regra é clara: só se compara banana com banana ( e ainda deve ser do mesmo tipo )...

Odilon Araujo
Odilon AraujoPermalinkResponder

Neste ponto, todo mundo sabia (ou deveria saber) que dólar de 1,55 era ilusão. Assim como euro de 2,20. Também deveríamos saber que esse pico de 1,95 das últimas semanas era ilusão igualmente.

No início do ano, fiz o planejamento de uma viagem para a Europa, cotando dólar a 1,80 e euro a 2,50.

#ficadica: SEMPRE ao planejarem uma viagem pro exterior, façam as estimativas de custo com uma cotação numa margem de 20%. Se em cima da hora a moeda estrangeira aumentar, vc já incluiu nos custos. Se a cotação permanecer baixa, aproveite pra gastar a diferença em um restaurante bacana... smile

Deborah
DeborahPermalinkResponder

Oi,boia, estou indo em novembro com um grupo da terceira idade pelo pagote fechado, mas tem uma duvida sobre o hotel Torremayor, pois minha mãe tem problema nas pernas ,e não pode entrar numa banheira.Gostaria de saber se este hotel tem banheiro para deficiente fisico? e a respeito do cambio estou com duvida pois li e reli varias vezes pois cada um tem seu problema financeiro, estou indo com pouco dinheiro e gostaria de saber de coração qual a melhor maneira de eu fazer ,se é pegar o cartão de debito no banco ou cartão de credito,pois não sou aposentada pelo contrario trabalho braçal com meu marido agradeço de coração a atenção e espero que me de dicas de não turistas,pois quem convive mais no lugar conhece lugares mais barato, deu para vc entender obrigada aguardo seu email, atenciosamente pela paciencia .

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Deborah! Por favor não duplique perguntas em posts diferentes. Sua resposta está no post em que você pesquisou originalmente, o dos 20 hotéis em Santiago!

Livia
LiviaPermalinkResponder

Alguém sabe se é vantajoso comprar dólar no Uruguai (com real)? Ou a cotação brasileira é melhor?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Livia! Você vai pagar comissão sobre duas conversões, não vale a pena.

Ana Gabriela Nasser

Boa noite Ricardo!

Vou para Budapeste Praga e Vienna e gostaria de saber se seria possivel trocar reais ao inves de euros por coroa checa e florim húngaro. Será que as casas de cambio de la trocariam ? Talvez seria uma alternativa de perder menos nas conversões.

Muito obrigada! Blog mais do que excelente, montei minha viagem toda tendo em base suas dicas!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana Gabriela! Quem responde é A Bóia.Só saia do Brasil com reais para ir à Argentina, ao Uruguai e ao Chile. Para outros países, leve dólares ou euros.

Ana Gabriela Nasser

Vou levar em Euros então, trocando pela moeda de cada país... Afinal viajar também é assumir riscos e gastos não previstos não é mesmo? Valeu mesmo pela dica !
Muito obrigada e boa noite Bóia !

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar