Assaltada no "táxi" em Caracas: a triste história da Anna

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Caracas

Poderia ter acontecido comigo. No primeiro dos meus dois desembarques agora em junho em Caracas, chegando tarde da noite de Punta Cana, deixei-me levar por um senhor de crachá que veio ao meu encontro logo depois de sair pelo portão. Minha intenção era apenas trocar dinheiro no câmbio negro, algo imperativo num lugar onde a economia funciona de maneira peculiar. Só que o tiozinho me ofereceu também um táxi, e eu estava cansado demais para recusar e ir procurar o guichê do táxi oficial. Aceitei, e passei quinze minutos de pânico até o motorista me depositar, ileso, no hotel ali pertinho onde passaria a noite antes de embarcar para Los Roques.

Pois bem. A Anna, a.k.a. Miss Check-in, não teve a mesma sorte. O senhorzinho de crachá que se pôs no caminho dela e do marido ao desembarcar tarde da noite em Caracas entregou o casal a um bandido disfarçado de taxista. Leia o seu relato e, mais abaixo, veja o único lugar onde deve pegar táxi no aeroporto de Caracas: o guichê do táxi oficial.

Antes, o alerta da Anna:

Retornamos de uma semana em Curaçao e passaríamos apenas uma noite e um dia em Caracas. Cansados e sem entender muito o esquema de táxi do aeroporto, acabamos aceitando o convite de um taxista com credencial que nos recebeu imediatamente na saída da alfândega. Até aí, supúnhamos que apenas o pessoal das cooperativas tivessem acesso ao local onde ele estava.

Um senhor, muito educado e de boa aparência que nos levou até um Meriva Azul Marinho estacionado no embarque. Acomodou nossas malas e quando já íamos saindo com o motorista, ele abruptamente entrou no carro e disse algo como se fosse pegar uma carona. Tentei destravar as portas e já não consegui.

Aí já sabíamos que algo estava errado. Depois de uma hora e meia rodando, já dentro de Caracas, eles anunciaram o assalto. Quando percebemos que se tratava de uma arma falsa, reagimos (Eu e meu namorado somos policias). Meu namorado conseguiu desligar o carro e as portas destravaram, quando então conseguimos abrir os vidros e gritar, pedindo socorro.

Pessoas e carros passaram, mas ninguém ajudou. Quando vimos que o motorista havia conseguido ligar o carro novamente, pulamos do veículo, conseguindo levar duas bolsas que eu trazia como bagagem de mão, por sorte com os passaportes e algum dinheiro.

Perdemos todas nossas malas. Todas as fotos de Curaçao, todos nossos pertences pessoais, mas ficamos, fisicamente ilesos. O que mais doeu foi o descado tanto das população, que sequer chamaram a policia diante da cena, como da própria polícia, que só aceitou fazer um Boletim de Ocorrência depois de muita insistência nossa, alegando que não tinham atribuição para “este caso”.

Após tudo isso, tomamos conhecimento que toda semana há brasileiros sendo assaltados e seqüestrados. Que meu relato sirva de alerta para quem estiver indo para Caracas. Para quem não conhece bem o aeroporto, os táxis credenciados não ficam tão a vista e você é engolido pelos caras das cooperativas, que também não oferecem muita segurança.

No Consulado, que nos deu todo apoio, ouvimos a seguinte frase: "Em Caracas nada é 100% seguro". Há uma semana um brasileiro foi seqüestrado no mesmo esquema de táxi do aeroporto e ficou por horas rodando pela cidade, sendo obrigado a sacar dinheiro em caixas eletrônicos.

CARACAS REQUER TODA CAUTELA. Não desejo que ninguém passe pelo o que passamos. Credenciais falsas e livre entrada em áreas de acesso restrito do aeroporto fazem parte do que eles chamam de mafia do Aeroporto, onde taxistas e bandidos negociam a abordagem a turistas. DENUNCIAR o que está acontecendo parece ser a única forma de trazer alguma solução.

Anna, lamento demais o ocorrido, e agradeço muitíssimo pelo seu relato.

Ficam as dicas para quem vai a Caracas:

1) O ideal é sempre marcar um trânsfer para sair do aeroporto. Ter alguém com uma plaquinha com o seu nome escrito esperando você em Maiquetía não tem preço. Pague o que cobrarem, vale a pena, mesmo que seja em dólar. Troque dinheiro fora do aeroporto, vai ser bem menos estressante.

2) Se não chegar com esquema de trânsfer, use os senhorzinhos de crachá apenas para trocar dinheiro. Recuse toda oferta de táxi. Dirija-se ao guichê do táxi oficial, que fica numa saída central do saguão, ligeiramente à esquerda do desembarque. Esta é a cara do guichê:

Táxi oficial no aeroporto de Caracas

3) Na cidade, peça para o hotel e restaurante chamarem táxis. Ou pegue em guichês de táxis de shoppings.

Leia mais:

Alerta aos turistas: perdendo as malas em Caracas, no Miss Check-in

Todas de Caracas no Viaje na Viagem

Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email

58 comentários

Adolfo
AdolfoPermalinkResponder

É triste de se ver como um país vai se degradando, dia após dia. O "cerco" dos espertalhões em Caracas na chegada é impressionante. Eles quase batem em vc quando descobrem quando está indo ao taxi oficial. Mas o taxi oficial também é bem esquisito. O que eu peguei por último era uma Ford Explorer, mas sem nenhum farol funcionando. De dia, não seria problema, mas era de noite ! No fim, deu tudo certo !

Viajante Oficial

No aeroporto em Caracas todo cuidado é pouco.
Abaixo post sobre:

http://aviagemoficial.wordpress.com/2010/12/17/caracas-%E2%80%93-venezuela-5/

zuzu
zuzuPermalinkResponder

Quando passamos por Caracas, a caminho de Los Roques(aliás fiz tudo pela Freeway, numa das únicas viagens que usei agência, recomendo), contratei um transfer também. Foi tranquilo.
Lamentável.Ainda bem que nada de mais grave aconteceu, eles eram policiais , souberam agir e sairam "ilesos" fisicamente.Que descaso das autoridades, impressionante.

Deise de Oliveira

Caramba! É preciso tomar cuidado mesmo!

Andrea
AndreaPermalinkResponder

Revoltante. Tudo. Risquei do mapa. Lugar onde o povo nao é solidario e policia e bandido sao equivalentes nao me interessa. Ate porque turista contribuiu muito pra economia do Pais e meu dinheiro essa raça nao tera.

Carlos
CarlosPermalinkResponder

É exatamente essa a minha postura.
Não viajo para onde sinto que não há segurança.
Ou seja: praticamente toda a América do Sul.

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Carlos, não há necessidade de tanto radicalismo. A América do Sul é belíssima e tem lugares bem mais seguros do que até mesmo o Brasil. Chile é um deles, apens para começar.

Andrea
AndreaPermalinkResponder

Concordo.. So vou ao Brasil por causa da familia, senao nem aih poria meus pezinhos de novo.

marcos
marcosPermalinkResponder

concordo com tudo! nao vou a lugar nenhum: Brasil, Europa, EUA, America do Sul, so' fico em casa mesmo, trancado e com o alarme ligado wink

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

Marcos, sempre que esses temas de segurança pública aparecem no VnV, há pelo menos três correntes de trips que se formam.

Uma releva o problema, tenta discutir dicas de segurança para minimizar os riscos e tentam exaltar o lado positivo e lidar com perrengues conhecidos porque viajar vale a pena.

Outra segue no caminho da hipérbole, com algo do tipo "até na maravilhosa Noruega vc pode morrer vítima de um louco qualquer" e adota uma postura determinista (se tiver que acontecer, pode ser na minha esquina ou em qualquer esquina do mundo).

Uma terceira, à qual eu subscrevo, risca certos lugares do mapa com o raciocínio de que não vale a pena tirar férias em um lugar ainda mais violento do que aquele em que normalmente se vive (para o caso de quem vive no Brasil).

Não acho que existe uma opinião correta, afinal, cada pessoa viaja com motivações diferentes. Eu, pessoalmente, acho que quando um lugar passa a exigir precauções de segurança complexas ou oferece riscos estatísticos grandes, coemço a perder ânimo de viajar. É por isso que lugares como Itacaré, centros históricos de Salvador, Recife, Rio, Buenos Aires, Venezuela e Bolívia em geral, parte considerável da África subsaariana e qualquer destino exótico em que o exotismo seja a (falta generalizada de) segurança pública estão riscados sem dó ou remorso do meu caderno, ao menos até que a situação se resolva. Não adiante ser bonito, não ligo se é histórico, ou se o povo é "em geral acolhedor": Venezuela não serve para mim, só se for em um pouso de emergência.

Assaltos e taxistas picaretas podem existir em qualquer canto do mundo, mas os riscos por 1000 viajantes de isso ocorrer, digamos, em Miami ou Roma são muito menores do que em Caracas ou Buenos Aires.

===============================

Tudo isso posto, eu ainda quero entender por que raios, em 2011, governos de cidades bem mais modernas e avançadas em termos de governança e cuidado com o turismo não conseguem por ordem no mercado de táxis. Mesmo onde assaltos e troco com notas falsas não são problemas, mau humor, chiadeira com certas rotas, voltinhas extras pela cidade para aumentar o custo são ocorrências familiares demais.

Ernesto, o pato

Andre

Eu fui para a Bolivia, agora, em Julho, e achei um pais bem tranquilo. Não me aconteceu nada, nao ouvi grandes realtos de insegurança, ou roubos, e nem vi nada que me deixasse especialmente alerta. Na media, achei mais seguro do que o Brasil. Estive em Santa Cruz, Sucre, Potosi, Uyni, La Paz e Tticaca, e fiz parte de viagem sozinho. O problema maior que ouvi falar foi de saude, com pessoas que tiveram problemas com comidas estragadas, ou mal preparadas.

Thiago Castro
Thiago CastroPermalinkResponder

Independente da sensação de insegurança, Los Roques é um lugar que vale a pena. Não acho que deixar de tomar um taxi fajuto para pegar um oficial seja "precaução complexa de segurança" como vc diz. Na verdade, é apenas o óbvio!!

Caracas não uma cidade que eu deseje conhecer, mas o próprio Ricardo esteve andando por lá e pareceu bacana. Não houve nenhum problema de assalto e foi tudo numa boa.

Acho que temos que, como turistas, temos que tomar cuidado em todos os lugares, inclusive em Paris ou Roma. Então, apesar de achar lamentável oq aconteceu, não acho que Los Roques deva ser riscado do mapa de viagens de ninguém.

Ana Paula L R Amaral

Nossa, q historia horrivel. Sinto mt por vc, Anna, mt mesmo!
Ha 5 anos e meio, na minha lua-de-mel, na epoca eu e meu marido sem experiencia alguma em viagens ao exterior chegamos de madrugada ao aeroporto de Buenos Aires e la fora contratamos um taxi q estava estacionado p nos levar ao nosso hotel, no centro. Nosso casamento tinha sido durante o dia e de noite embarcamos para a Argentina, exaustos.
Ao inves de nos deixar na porta, ele parou na rua ao lado e ficou puxando notas da minha mao, me devolvendo outras, falando um espanhol dificil de entender e dando gritinhos para o meu marido ir saindo do carro.
Resultado, ao fazermos as contas ja no nosso quarto, ainda sem entender o que tinha acontecido, demos falta de cerca quase 100 pesos. Me senti uma idiota.
Entao eu sei bem o que 'e chegar numa cidade e ser recepcionado dessa maneira. Doeu mt no nosso caso, nem tanto pelo material, q foi ate pouco, mas pela safadeza.
Esse incidente nos serviu de licao, ja q de la para ca foram 10 paises visitados e gracas a nossa nova postura, de ter cuidado redobrado e uma dose de malicia um tanto maior, nada de mal nos aconteceu.

Georgia
GeorgiaPermalinkResponder

Que triste a história da Anna... é muito chato saber que as autoridades fazem parte da "quadrilha". Deletada da minha lista tb!
Anna, viagens melhores virão! Que bom que vcs voltaram inteiros!

Wallace
WallacePermalinkResponder

Sinto muito pelo ocorrido, Anna. Mas como bem ironiza o colunista aqui do Rio: "Deve ser terrível viver numa cidade assim..."

Anna
AnnaPermalinkResponder

Pois é Wallace!
Assaltos acontecem em todo lugar e com qualquer um.
Até isso acontecer, estávamos certos de que sempre nos cercávamos de toda cautela. O que revolta na Venezuela não é só a violência, que conhecemos bem de perto em razão do nosso trabalho, mas sim o descaso e a conivência das autoridades. Se isto tivesse acontecido aqui em Aracaju, eu, como escrivã, solicitaria ao Delegado imediatamente que uma equipe fosse até o aeroporto tentar ter acesso ao sistema de câmeras. Também daria toda atenção e,com certeza, colocaria no BO as características do veículo, dos assaltantes e das malas roubadas, o que NÃO aconteceu por lá.
Violência existe por toda parte, mas conivência, descaso e censura já são outros 500.

Sílvia Oliveira

Foi isso que me deixou mais perplexa, revoltada e com o estômago embrulhado: ninguém para ajudar, descaso, conivência... o total desprezo pelo ser humano! sad

Carlos Nascimento

Wallace só para registrar o Ancelmo Góis é conterrâneo meu e da Anna, ele é sergipano de Frei Paulo, e como diz ele o que aconteceu coma Anna em Frei Paulo tem outro nome CLEPTOCRACIA!, ou no popular "Estado governado por ladrões"

Wallace
WallacePermalinkResponder

Pois é, espero que ao menos a censura/ditadura continuem ´caladas` por aqui.

Viajante Oficial

Fui vítima de taxista em Bogotá.
Estava hospedado no Hotel Bacatá?,
na 19 com quinta. Paguei a conta
e pedi ao recepcionista que chamasse
um taxi. O taxi chegou, embarquei para
o aeroporto El Dorado. Quando chegou no
aeroporto desci, paguei, tirei uma
foto do táxi e quando me dirigi para
pegar as malas o taxi arrancou e
levou as minhas malas.

Breve relatarei no meu blog,
inclusive com a foto do taxi pirata.

Breve relato completo aqui.

Rodrigo Basso
Rodrigo BassoPermalinkResponder

A melhor opção para pernoitar em Maiquetia é o Eurobuilding Express. Colado ao aeroporto e com serviço de transfer próprio (van a cada 10/15 min.). É um pouco mais caro que os demais, mas vale o investimento.

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Boa dica pra quem vai a Caracas só de passagem.

Renata
RenataPermalinkResponder

Que triste! que ódio desse tipo de situação. Também me ferrei em minha última viagem, só que foi em Paris....

Nunca é demais divulgar:
http://www.flickr.com/photos/rmarbella/6430693119/

sad((

Thiago Augusto

Triste isso. Li relatos desse nivel sobre Johanesburgo e Cidade do Cabo ...

Sandrissima
SandrissimaPermalinkResponder

Que coisa! Meus sentimentos e voces tiveram sorte.
Muito cuidado aqui em Salvador. Cheguei no sábado em um vôo noturno no aeroporto e, aguardando JC, vir burcar-me, fiquei horrorizada com a quantidade de "taxistas" que tem por lá abordando o pessoal que chega na nadrugada. Usam sempre a voz baixa e discreta, para não chamar a atenção dos demais, que sabem da ocorrência e a segurança nada faz. Estamos no meio termo entre a polícia e a INFRAERO. Utilizem aqui em Salvador os táxis oficiais, nunca ofertados à porta, principalmente à noite!
Sempre tivemos por norma sair do Brasil com transfer ou utilizar táxis "oficiais", principalmente se não conhecemos a cidade. O cansaço é um vilão que nos faz abrir a guarda...

Marcelo
MarceloPermalinkResponder

Como disse a Sandríssima, fiquei com uma imensa sensação de insegurança em Salvador, realmente o aeroporto é terra de ninguém, no pelourinho a própria PM te fala para não ir por determinado caminho...
Agora, no aeroporto de Congonhas também fica um bocado de gente abordando quem chega ainda na saída do desembarque e oferecendo "táxis", uma vez, há dois anos, um sujeito desse me seguiu até o banheiro, insistindo para que eu saísse no "taxi" dele...

Resta dizer que a Anna teve muita sorte e, por serem policiais, seria legal ela esclarecer que reagir nunca é a melhor política, deu certo com eles, mas, imagina o que seria depender dos serviços médicos prestados no país do comandante Chavez?

Sinto muito pelo ocorrido, desejo sorte ao casal e muitas boas viagens que apaguem de vez qualquer lembrança desagradável.

Renata Luppi
Renata LuppiPermalinkResponder

Senti esse mesmo medo em Salvador... ruas sujas, um monte de vendedores te cercando, e sempre nas barbas da PM . No Pelourinho tb avisram para não fazermos determinados caminhos, por causa das crakolandias ... triste !

Gustavo
GustavoPermalinkResponder

Vale lembrar que aqui em São Paulo, até pouco tempo atrás, o saguão de Congonhas ficava cheio de falsos taxistas tentando pegar passageiros desavisados. Ouvi muitos relatos de assaltos, bem como corridas superfaturadas. Quero dizer que, Seja Caracas, Buenos Aires, São Paulo ou qualquer outra cidade desconhecida, todo cuidado é pouco.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Gustavo! Uma coisa é táxi pirata, tem em todo lugar. Outra coisa é táxi bandido, que vai te seqüestrar e assaltar. Isso não temos no Brasil nem na Argentina.

Valdinho Pellin

Bom dia..
Estive recentemente no Peru. Eu particularmente achei Lima bem segura mas em Arequipa conheci uma carioca que me relatou que foi assaltada dentro do táxi saindo do aeroporto de Lima em plena manhã. Ela me disse que contratou um táxi de uma empresa dentro do aeroporto e mesmo assim foi assaltada quando o táxi estava saindo do aeroporto em um congestionamento. Ela desconfiou de uma armação do assaltante com o taxista porque o taxista não reagiu e nem demonstrou preocupação. Fica a dica cuidado em Lima.
A última vez que fui a Santiago também não tive problemas com segurança mas fui abordado no aeroporto por um taxista "pirata" que me cobrou o dobro do que seria a corrida até Belas Artes. É bom ficar esperto em Santiago também.
Abraço.

Luciana
LucianaPermalinkResponder

O recomendado em Lima também é pegar somente o táxi oficial, que custa mais caro e tem guichê dentro do aeroporto. Jamais pegar na rua. Fui para lá este ano e fora este cuidado achei a região de Miraflores muito segura.

O legal é ter o Viaje na Viagem para se informar e trocar dicas. Acredito que com informação e cuidados toda viagem fica melhor.

A América do Sul surpreende pessoal, não deixem de conhecer um continente por causa de eventos desagradáveis em alguns locais.Vamos ser cuidadosos, nos informar, e curtir, conhecer outras culturas.

Ana, seu relato foi muito importante. Obrigada por dividir um momento tão chato para vocês e tentar ajudar todo mundo!

Nivia
NiviaPermalinkResponder

Recebi notas falsas de um taxista em Lima, ao repassá-las, sem saber, no parque das fontes, a recepcionista me avisou que isso era muito comum lá! Em SSA realmente há uma "máfia" de táxis ilegais no aeroporto e alguns casos de assalto já foram relatados. Olho aberto!

Milton Lucio
Milton LucioPermalinkResponder

Alugar um carro em Caracas/Maiquetia seria uma opção ou apenas mais uma dor de cabeça?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Milton! Uma dor de cabeça. Combine um transfer.

Ernesto, o pato

Ana

Sinto muito por voce,mas isto aconteceu ate com o Correspondente interncional do jornal o Estado de São Paulo, que tambem foi asssaltado a mao armada pelo taxista.Estive na Venezuela em 2005, e ja foi de longe o pais mais perigoso que fui (so ha o equivalente em Johanesburgo).Ja vi relatos de assaltos pelos guardas nacionais, que revistam e assaltam os turistas. Meu conselho a todos os amigos do blog é EVIAR A VENEZUELA. É pena, pois é um pais com um Thati ao nosso lado (LOs Roques), um dos mais belos telefericos (Merida), praias lindissimas (Morocoy), serras incriveis e o grande salto cujo nome me esquci,mas a vista e insequcivel. Mas, enquanto houver a podridão do governo Hugo CHaves, podem esquecer. Me da saudade da primeira vez que estive la em 1989 e alem de ser um pais baraqtissimo, especialmente em transportes, era um dos mais seguros da America latina.

Em tempo:Riq parabenes pela diviulgação, e por conscintizar aqueles que não tem a noção do perigo.

Silvia Andrade

Desculpa mas parece post fake ou caso de teclado (muito) quebrado?
Usar caixa alta?
Erros de português e ainda opiniões pessoais sobre a politica local?
Não acho que o famoso Pato falaria a palavra "podridão" sem justificativa.
O assunto é importante mas também fiquei assustada com a generalização e intolerância sobre a América do Sul no geral...
Cuidado em qualquer lugar turístico é obrigação de quem faz diferente do amigo aí de cima e não fica trancado dentro de casa.
"Navegar é preciso... viver não é preciso..."
Para todos que saem da casca uma palavra - cuidado.
Para posts importantes como este parabéns e uma ressalva - se for mesmo o Pato escrevendo que me desculpe. Impossível reconhecer a sua autenticidade por este texto.

Ernesto, o pato

Silvia

E o pato mesmo. O Riq ou a Boia podem confirmar isto. Agradeço a crediblidade com que voce me trata,mas infelizmente a situação em Caracas piorou muuito sob o governo do Chaves. Eu recomendo evitar a Venezulea, atualmente, sem qualquer conotação ideológica, e apenas por questões de segurança. Tenho amigos que viajam bastante por conta do seu trabalho, além daqules que são tripulantes na Gol. De todos ouvi comenetários terriveis sobre a questão de segurança, e com certeza não se trata de pessoas ingenuas ou pouco viajadas. Todos, sem exceção desrecomendam viagens de turismo para a Venezuela,e mesmo as à trabalho, só as fazem quando necessário. Não falei de outros paises da America Latina, ao contrario estive este ano na Bolivia, e achei bem tranquilo, e o mesmo em Buenos Aires. Ano passado estive na Colombia, e fora o Centro velho à noite tambem recomendo e aprovo,inclusive a Cidade de Medein, que eu relatei neste blog. Em 2010, estive na região de Salta, que é de uma segurança total Em 2009 estive no Peru, e tambem não tive qualquer incidente, e mesmo os que ouvi, se tratavem de furtos sem violencia contra pessoas que não tomaram cuidado, o que é infinitamnete melhor do que o assalto a mão aramda, bem comom na Venezuela, e que por vezes termina em morte, pois a bandidagem tem fama de ser violenta. Pior ainda é ser assaltado, sob o pretexto de ser revistado por um policial fardado, como já ouvi pessoalmente dois relato. De qualquer maneira, lhe agradeço pela sua atanção

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

Cheguei a comprar passagem prá Venezuela em 2008 - quando na época falaram que estava tendo racionamento de papel higiênico, desisti e cancelei a passagem- acabei indo prá Patagônia.

Meu irmão foi há 2 anos e por sorte não sofreu nada(exceto alguns apagões), mas eu penso que, infelizmente, Venezuela é um país que vai demorar muito para ter condições de ser visitável novamente... e pensar que vários países da nossa América do sul querem seguir o exemplo bolivariano de lá.

Renata Luppi
Renata LuppiPermalinkResponder

Por essas e outra que nunca foi e tão será não será parte da minha lista de desejos... para viver na violência eu fico no meu Rio de Janeiro ! rs

Cris
CrisPermalinkResponder

Ana e demais leitores,

Se tem uma coisa que eu realmente não gosto nas minhas viagens é justamente o momento de sair do aeroporto e ir ao hotel, justamente por causa do táxi. Todo esse processo me dá um certo pavor, especialmente por ter a "antena ligada" demais, e sempre ficar imaginando truques horrendos de taxistas contrta turistas envolvendo voltas enormes e preços superfaturados, mesmo por táxis oficiais, e confesso que essa história de assalto dentro de um táxi oficial me assustou ainda mais. Já passei por duas situações ruins em táxis na Europa, mas isso mais em relação à má fé do taxista em tentar me enganar fazendo um caminho maior para cobrar mais e ainda assim me deixar distante do local (em Roma e Madrid, e nesta última cidade com as malas às 23h da noite). Por isso eu sempre tento, na medida do possível, usar algum tipo de transporte público, especialmente esses ônibus de aeroporto, ou mesmo trem. Já estando na cidade, se houver a necessidade do táxi, eu nunca pego táxi na rua ou mesmo em pontos. Prefiro pedir para o hotel ou restaurante chamar, justamente por essas experiências não muito agradáveis que tive em Roma e Madrid (ambos os táxis tomados nos pontos das estações Termini e Atocha).

Marcio
MarcioPermalinkResponder

Pessoal, vi que alguem perguntou acima e ningume comentou. Minha opção numero 1, seja no Brasil ou fora, em cidade pequena ou grande é alugar um carro. A não ser que se vai ficar em hotel "fechado" ( all incluisve em lugares peculiares ) não vejo o porque não alugar um carro, que sai normalmente mais barato que o taxi e te da mais segurança e muita flexibilidade. Hoje em dia com GPS e Goggle Maps e afins, acho dificil alguém se perder...Prefiro confiar em im do que ficar na mão dos outros, é um pouco a filosofia do DIY.....

Carlos Henrique Loyo

Aqui em Recife também está começando a abordagem de taxistas não oficiais cadastrados no aeroporto querendo superfaturar a corrida. Aqui em Recife, como morador, eu evito pegar os taxis especiais, pois conheço o caminho e vou direto para o taxi comum. Mas ao chegar de minha última viagem, fui abordado por um taxista no saguão perguntando se eu queria um taxi comum e com a minha aceitação ele perguntou para onde eu ia, disse o bairro onde moro e ele perguntou se R$50,00 estava bom pela corrida. Na hora eu perguntei se ele estava louco, pois em bandeira 2 não daria mais que R$25,00 e neste momento descobri que ele não era cadastrado no aeroporto e fui para a fila do taxi comum onde peguei um "original" e paguei R$22,00.

Não é nem de longe a agressão que a Anna relatou, mas é um tipo de golpe que pode-se facilmente evitar se dirigindo para as filas de taxis oficiais (especiais ou comuns) por aqui e não aceitando as abordagens no saguão do aeroporto.

Gabi Righetto
Gabi RighettoPermalinkResponder

A Venezuela é um dos países com mais alto índice de criminalidade no mundo nos útlimos anos, infelizmente e graças à (falta total de) política de segurança do seu presidente. Eu conheço bem o país, já morei lá e como falo bem o venezuelano acabo conseguindo me virar melhor. Minha recomendação para sair do aeroporto da forma mais segura não é lá muito charmosa, mas com certeza evitará esse tipo de situação. Em primeiro lugar, jamais saia do aeroporto antes de amanhecer. Muitos vôos chegam durante a madrugada, então, sente para tomar um café, experimente as famosas arepas e espere. Depois, além dos taxis oficiais, há outra opção bem menos glamurosa... O ônibus caindo aos pedaços que leva até o centro da cidade. Como são velhos, feios e caindo aos pedações, só alguns locais e gente que trabalha no aeroporto pega esse ônibus, razão pela qual jamais são objeto de assaltos. No ponto de chegada, já no centro, os taxis ali parados são de confiança e levarão vc ao destino final na cidade.
Os taxis oficias podem ser seguros, mas não esqueçam que no país que funciona com mercado negro de dólares, todos sabem que os turistas chegam com dinheiro no bolso para trocar e não com cartão de crédito. Então cuidado, porque o taxi oficial pode ser objeto de assalto ainda que o motorista seja da mais absoluta confiança. Os bandidos sabem bem que quem vai nos táxis traz dinheiro vivo ao país.... Por isso eu sempre pego os tais Õnibus horrorosos.... mas realmente, ninguém merece. Não é um país ao qual recomendaria viajar neste momento, infelizmente... É maravilhoso, mas não apresenta as mínimas condições....
Fica a dica, espero que ajude.

Antony Medeiros

Pessoal,

Também fui vítima em Caracas. Em 2002, indo para Bonaire, desembarquei na cidade para dormir uma noite. Contratei o táxi em um guichê diferente deste "Taxi oficial" por 20 dólares. Estávamos eu e mais dois amigos. Quando entramos no táxi, logo tomamos um susto com a entrada repentina de outro passageiro, além do motorista. Era alguém da mesma empresa que, durante a viagem, começou uma conversa esquisita, dizendo que eles estavam _u_idos, que precisavam da ajuda dos amigos brasileiros e que nós deveríamos pagar 40 dólares, ao invés de 20, e que se não pagássemos - nessa hora estávamos passando ao largo de uma enorme favela - iriam nos deixar ali e que certamente nos matariam!!!! Bem, depois de uma dessas, obviamos pagamos felizes!!! E, ao chegar no hotel, estupefatos, ninguém se surpreendeu com nossa história. No dia seguinte deu pra ver da janela do hotel o tamanho da favelinha de Caracas ... a Rocinha é a maior da América do Sul ?!?!?!? Tá de brincadeira ...

Claudia
ClaudiaPermalinkResponder

Infelizmente em Janeiro desse ano, em uma viagem (milhas) rumo a Houston com escala em Caracas a Tam nos fez a grande sacanagem de adiantar a nossa primeira perna em um dia, conclusão: tivemos que passar uma noite nessa cidade horrorosa. O pior é que a Tam nos disse que chegando em Caracas seus funcionários nos dariam todo o suporte, incluse um voucher do hotel e coisa e tal... simplesmente não havia nenhum funcionário da Tam no balcão e nem no escritório (chegamos por volta das 23 horas) felizmente tivemos mais sorte do que a Anna e pegamos um táxi para nos levar até o hotel que nós procuramos ali na hora pela internet e pagamos do nosso próprio bolso - nos sentindo os maiores idiotas do mundo com tanto descaso da companhia aérea, num dos piores aeroportos do mundo em que já pisamos, sujo, fedido, sem o mínimo de conforto, com pessoas mau encaradas querendo te oferecer "serviços"...
não aconselho nenhum café por lá para passar o tempo, até o restaurante Friday's deles, que é o único lugar do aeroporto um pouquinho decente, é uma tristeza!
É triste ver um país com praias tão lindas e pessoas que aceitam um governo medíocre. Estamos evitando ao máximo Tam e Caracas!!!

Thiago Castro
Thiago CastroPermalinkResponder

Acho lamentável o que aconteceu. Qualquer país ou cidade deveria prezar muito pela estrutura de turismo. Isso é o mínimo!!!

Contudo, creio que às vezes somos muito inocentes. O ideal em QUALQUER lugar que se vá (seja EUA, Europa, Brasil ou America Latina) é se preocupar em pegar um transporte oficial. Isso é o óbvio!!!

Claro que o país/cidade/aeroporto poderia facilitar nossa vida e colocar uma boa estrutura à nossa disposição. Mas uma vez que não temos um transfer, buscar um táxi oficial é o mínimo. Em qualquer lugar existem malandros.

Quando estive em NY (desci no JFK) fui pegar um táxi do aeroporto, me informei, peguei fila e durante esse tempo vários táxis "comuns" paravam pra fazer a corrida. Eu não tomei nenhum e fiquei esperando o do aeroporto.

Temos que tomar cuidado em QUALQUER LUGAR. Meus pêsames para a Anna, mas creio que o aviso dela não é para deixarmos a Venezuela de lado e sim para tomarmos cuidado quando formos lá. E acreditem: Los Roques vale a pena!!

yara xavier
yara xavierPermalinkResponder

Cheguei ontem da África do Sul e,muito embora todas as pessoas me recomendavam nem sequer sair do aeroporto de Joanesburgo, teimei. Afinal, visitar o país e não conhecer, pelo menos o Museu do Aparthaid e Sowetto, não fazia o menor sentido para mim. Nasci, cresci e vivo em São Paulo há 56 anos. Acho que isso me faz pós-graduada em violência em grandes cidades. Posso dizer, foi tranquilo. Reservei um hotel bem próximo ao aeroporto - um complexo com cassino, restaurantes, shopping, um horror!, mas que colocava à disposição dos hóspedes uma van. No próprio hotel contratei uma empresa que, por 2 dias, me levou para lá e para cá, em total segurança. O guia local me contou o óbvio: é inseguro andar à noite pelo centro da cidade - como também é inseguro andar pela cracolândia. Nunca fui assaltada em São Paulo, nem em Salvador, Recife. Rio de janeiro. Já tive minha mala roubada dentro do estacionamento de um hotel em Granada. O carro alugado em Orlando, teve que ser substituído porque o para brisa foi estourado. Em Roma, é muito comum ser abordado por crianças que tentam bater sua carteira. E, recentemente, a Lina, do Conexão Paris, postou uma série de fotos que retratavam o momento em que jovens mulheres acossavam e roubavam turistas em pleno Marais. Enfim, a experiência da Anna não foi uma das melhores. Mas riscar se formos riscar do caderninho todos os locais onde estaremos sujeitos a alguma forma de violência, realmente, é melhor ficar em casa, e com as janelas bem fechadas.

Mit
MitPermalinkResponder

Yara,

O problema não é riscar por causa da violência, mas sim pelo caso declarado de que nem as autoridades, nem a população vai te socorrer caso você precise.

Eu queria que a história da Anna passasse na TV e que Caracas e cia sofressem as consequências devido ao descaso, omissão e pela permissividade desse crime ter dado início num lugar "protegido" pela polícia do país.

O riscar de muitos não é só pelo medo e sim pela indignação!

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Estou com a Cris. Chegando em qq lugar, prefiro transporte público, já cheguei em Lisboa a 1h da manhã e caminhei até o Ibis Liberdade com segurança. Mas faria isso em países como Portugal. Estive em Caracas em 2005, a trabalho e fui muito advertida pelo meu empregador à época, o British Council, a não andar sozinha na rua e a não pegar táxis fora da lista recomendada. As favelas ao sair do aeroporto, comentei em algum post, como disse o Antony, me chocou muito, só não deve ser maior que a Rocinha pq são baixas e a gente não vê o que está por trás. Lá só valeu o trabalho e ir ao Àvila Mágica. Liguei para o táxi lá de cima para ele me buscar embaixo. Anna, muito obrigada por compartilhar com a gente. E que bom que vocês estão vivos e foram treinados para escapar de um carro. Eu realmente agradeço hoje a Deus por ter voltado viva.

Mariana
MarianaPermalinkResponder

Andar até o Ibis Liberdade desde que lugar? Ali é uma zona tranquila, mas em Portugal tb se recomenda ter muita cautela, apesar de ser bem melhor do que a maioria das cidades que conheço.
Sei de histórias ruins, entre elas a do meu noivo, que mesmo sendo local foi assaltado e brutalmente espancado no meio de uma avenida movimentada de Lisboa, em plena tarde de dia de semana, e ninguém fez nada!

Aliás, em Lisboa recomenda-se que ao chegar no Aeroporto se compre o voucher de táxi, para evitar aquelas "roubadinhas" tradicionais; outra opção é que se vá para a área de embarque pegar taxis que ali chegam(o que sempre fazemos).

Infelizmente levo o meu temor constante de carioca para todos os lugares, o que acho que todos devemos fazer, apesar da tristeza nisso, e mesmo assim já sofri tentativa de assalto em Los Angeles... mas felizmente comigo escapei a tempo e deu tudo certo.

Uma pena saber isso de Caracas, porque Los Roques era um destino muito cotado de Lua de Mel, mas se eu conto esse relato para o meu noivo ele não vai se animar nada sad

Thiago Castro
Thiago CastroPermalinkResponder

Não desanime Mariana. Los Roques é lindíssimo e vale a pena conferir. Pegue o táxi oficial, passe a noite num hotel recomendado, tome outro táxi oficial (do hotel de preferência) vá para Los Roques e seja feliz!!

A experiência ruim de alguns só vai ter algum sentido se for para nos avisar e sermos mais precavidos e não para simplesmente deixarmos de ir.

Debora Alonso
Debora AlonsoPermalinkResponder

não somente nos aeroportos existem pessoas disfarçadas que assaltam. em agosto minha mae foi assaltada nas ruas de bogotá. um homem se aproximou, apresentou uma carteira que dizia q era da policia e pediu pra mostrar o q ela e minha tia estavam levando. minha mae desconfiou, ainda discutiu, pediu pra ir até a delegacia. mas, minha tia ficou com medo. acabou dando na mão dos bandidos os dolares, maquina e celular. os bandidos seguiram a rua , dizendo q iam até a delegacia e antes de virar a esquina gritou debochando "brasileñas, gracias..."
cuidado ao andar nas ruas, cuidado com quem se aproxima.
[]s
debora

joao
joaoPermalinkResponder

Bogota? Com aquele monte de policias na rua? Falta de sorte.

Alexandre
AlexandrePermalinkResponder

Moro em Caracas há dois anos e queria acrescentar algumas dicas. A segurança aqui realmente é um problema, especialmente no aeroporto. O ideal é mesmo contratar um serviço de transporte com alguém que te espere no aeroporto com uma plaquinha. Mas, ainda assim, tome cuidado: há bandidos que observam as placas, fazem outra igual com seu nome, se antecipam ao seu contato verdadeiro, e te colocam em uma armadilha. Para evitar isso, procure combinar um código com o agente da empresa de transporte. Outra coisa: ao contrário do que disse a Gabi, considero perigosíssima a idéia de pegar um ônibus, mesmo aqueles caindo aos pedaços. Já ouvi inúmeros relatos de assaltos a coletivos como esses. Em suma, todo cuidado é pouco em Caracas. Ainda assim, Los Roques é o lugar mais bonito que já vi no planeta e vale a pena ser visitado.

Alex Cruz
Alex CruzPermalinkResponder

Olá pessoal,
Estive a pouco em Caracas para ir até Los Roques, existe um hotel ao lado do aeroporto chamado CATIMAR, eles possuem transfer próprio e não cobram nada, a estadia na minha opinião é um bom custo benefício, bem barata, só que o transfer sai do aeroporto nacional bem em frente do serviço de informações ao turista e isso faz com que não tenha problemas com pessoas passando-se por funcionários do hotel. AAAhhh já estive em muitos lugares do Brasil e do mundo, mas sinceramente acredito que Los Roques seja um dos destinos mais lindo do planeta, vale e muuuuuito conhecer!

bruno
brunoPermalinkResponder

Fui assaltado pelo taxista em Buenos aires em maio. 1.400,00. E também fomos assaltados em Nápoles na Itália. Enfim .... Triste.

Carlos Roberto

Oi gente
Em agosto estive em Santiago do Chile e fui vitima de taxi pirata. Muito cuidado, pois o hotel nos informou que é um golpe comum por lá.

Andre Castro
Andre CastroPermalinkResponder

Tive esse desagradável problema em Buenos Aires.

Mesmo tendo lido sobre o golpe da troca de nota verdadeira por falsa por taxistas, acabei caindo numa variante do golpe, que foi assim:

Após jantarmos no Restaurante Siga la Vaca fomos para a rua e pegamos o primeiro táxi que passou na avenida.

A viagem foi tranquila contudo ao invés de para de frente ao hotel o taxista parou uns 10 metros após em um local com menos iluminação. A corrida ficou em 20 pesos (cerca de R$10 na época) e eu paguei com duas notas de 10 pesos, foi neste momento que ele trocou uma das notas de 10 pesos sem que nos perceberemos e falou que a nota passada estava rasgada e que nos teríamos que trocar.

Como o dinheiro que havíamos recebido na viagem estava sempre velho e meio rasgado acabei acreditando no taxista e troquei por uma outra de 10 pesos. Ao entrar no hotel percebi que a nota rasgada era falsa.

A minha sorte e que como havia lido do golpe, sempre pagavamos os táxis com notas de 10 pesos.

Aprendi também que é mais seguro pegar táxis de cooperativas, que possuem no teto do caro placas com os nomes das cooperativas.

Espero ter ajudado o pessoal com as informações.
Boa sorte!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar