Destino: Pindaíba (minha crônica no Divirta-se do Estadão)

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Ilustração: Daniel Kondo

Ilustração | Daniel Kondo

Como você pode comprovar toda terça-feira no suplemento Viagem & Aventura, eu ganho a vida respondendo perguntas sobre viagem. A mais difícil delas – e, infelizmente, uma das mais comuns – é: “Quanto eu vou gastar lá?”.

A única resposta 100% exata e sincera a esta pergunta não costuma ser bem recebida: “Certamente mais do que você imagina”. Ainda bem que eu não tempo de fazer uma estimativa completa, porque nesse caso eu acabaria acrescentando: “Provavelmente mais do que você pode”.

As circunstâncias requerem que eu use o meu repertório politicamente escorregadio. Nas entrelinhas, o consulente entende que vai levar um susto, mas que logo se acostuma. Como já disse uma ex-ministra do turismo, relaxa e etcétera.

Quem já viajou três ou quatro vezes sabe que as dívidas são o único souvenir de viagem que você não precisa comprar: elas se incorporam automaticamente à bagagem da volta. De uma maneira instintiva, você passa então a melhorar a qualidade das extravagâncias. Se é para se lembrar da viagem pelos próximos seis extratos do cheque especial, que pelo menos sejam boas lembranças.

No longo prazo, os gastos de viagem não têm contra-indicação. Enquanto bens materiais começam a depreciar assim que saem da loja, as viagens vão se valorizando com o passar dos anos.

A não ser que a viagem tenha sido uma catástrofe total, sua memória vai apagar completamente os maiores perrengues, vai transformar os micos em lembranças divertidas e conceder um senhor upgrade a todos os bons momentos. Não existe viagem mais perfeita do que aquela que você fez há dez anos, não importa quanto tenha custado.


E para que servem então aqueles preços diligentemente coletados pelos colegas? Apenas para dar uma idéia de grandeza. Na vida real, nada garante que a tal Coca-Cola de 2,50 dinares se materialize na sua frente quando você precisar dela. Ou que o restaurante do prato feito de 35 quetzales esteja no seu caminho.

Aquelas caipiroskas na praia de 28 reais, porém, podem ser a diferença entre uma tarde comum e uma tarde que você lembre daqui a dez anos – quando a ressaca e o rombo já tiverem desaparecido sem deixar traço.

Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email


74 comentários

Celina
CelinaPermalinkResponder

Pindaíba é o melhor lugar do mundo para descansar de uma viagem maravilhosa!

Ana Veloso [Viajar na França]

"Aquelas caipiroskas na praia de 28 reais, porém, podem ser a diferença entre uma tarde comum e uma tarde que você lembre daqui a dez anos – quando a ressaca e o rombo já tiverem desaparecido sem deixar traço. "

O pior é que por esse preço não dá nem pra beber pra esquecer!! mrgreen

Simone
SimonePermalinkResponder

"Lugar de duro é em casa!", já dizia um conhecido...ou melhor:
"Que diferença faz um pum, prá quem já tá todo borrado ?!?!
O resto é Pindaíba mesmo...

Deuseana Barbosa de Souza

As memórias são eternas!!!!valem qq preço.

Li por aí: Crônica “Pindaíba” – por Ricardo Freire « tem a ver comigo

[...] No caderninho “Divirta-se” do Estadão publicado na sexta (6-jan-2012) tinha uma crônica do Ricardo Freire muito boa chamada “Pindaíba”. Pra ler a crônica, clica aqui [...]

Sergio Beni Luftglas

Caro Ricardo Freire: acabei de ler a sua crônica... e adorei!!!

A título de curiosidade: edito um site de variedades cujo nome é Pindaíba ( www.pindaiba.com.br )

Nele, entre outras coisas, divulgo um monte de programas (culturais) gratuitos que acontecem na cidade de São Paulo.

O nome da seção é Os duros se divertem.

Graças ao site, já estive no Programa do JÔ

Seria uma honra receber a sua visita.

Um grande e sincero abraço

Sergio

Gisele Ramos
Gisele RamosPermalinkResponder

Adorei!

Sou dessa filosofia: endividada, mas realizada!

=)

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar