Destino: Pindaíba (minha crônica no Divirta-se do Estadão)

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Ilustração: Daniel Kondo

Ilustração | Daniel Kondo

Como você pode comprovar toda terça-feira no suplemento Viagem & Aventura, eu ganho a vida respondendo perguntas sobre viagem. A mais difícil delas – e, infelizmente, uma das mais comuns – é: “Quanto eu vou gastar lá?”.

A única resposta 100% exata e sincera a esta pergunta não costuma ser bem recebida: “Certamente mais do que você imagina”. Ainda bem que eu não tempo de fazer uma estimativa completa, porque nesse caso eu acabaria acrescentando: “Provavelmente mais do que você pode”.

As circunstâncias requerem que eu use o meu repertório politicamente escorregadio. Nas entrelinhas, o consulente entende que vai levar um susto, mas que logo se acostuma. Como já disse uma ex-ministra do turismo, relaxa e etcétera.

Quem já viajou três ou quatro vezes sabe que as dívidas são o único souvenir de viagem que você não precisa comprar: elas se incorporam automaticamente à bagagem da volta. De uma maneira instintiva, você passa então a melhorar a qualidade das extravagâncias. Se é para se lembrar da viagem pelos próximos seis extratos do cheque especial, que pelo menos sejam boas lembranças.

No longo prazo, os gastos de viagem não têm contra-indicação. Enquanto bens materiais começam a depreciar assim que saem da loja, as viagens vão se valorizando com o passar dos anos.

A não ser que a viagem tenha sido uma catástrofe total, sua memória vai apagar completamente os maiores perrengues, vai transformar os micos em lembranças divertidas e conceder um senhor upgrade a todos os bons momentos. Não existe viagem mais perfeita do que aquela que você fez há dez anos, não importa quanto tenha custado.


E para que servem então aqueles preços diligentemente coletados pelos colegas? Apenas para dar uma idéia de grandeza. Na vida real, nada garante que a tal Coca-Cola de 2,50 dinares se materialize na sua frente quando você precisar dela. Ou que o restaurante do prato feito de 35 quetzales esteja no seu caminho.

Aquelas caipiroskas na praia de 28 reais, porém, podem ser a diferença entre uma tarde comum e uma tarde que você lembre daqui a dez anos – quando a ressaca e o rombo já tiverem desaparecido sem deixar traço.

Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email


74 comentários

Alexandre Costa

Vou indicar a leitura dessa crônica quando me fizerem a pergunta “Quanto eu vou gastar lá?” (o que, provavelmente, ocorrerá ainda hoje). Parabéns, Riq! Mais um texto leve e gostoso de ler.

Fran P.
Fran P.PermalinkResponder

Maravilhoso artigo!!! Isso vem bem a calhar ao meu atual momento e meu argumento era exatamente este: o que vale é o que fica na memória.
Não existe momento econômico ideal para uma viagem, até porque quanto mais o tempo passa, mais exigentes ficamos.

Lucas
LucasPermalinkResponder

Comandante, nem sempre isso é verdade. No ano passado, planejei uma viagem no esquema econômico pra Europa. Foram 27 dias e reservei coisa de R$ 9 mil, sem incluir as passagens aéreas. Gastei metade do dinheiro -- e pode ter certeza de que não abri mão de nada que eu estivesse afim de fazer. Incluindo passagens aéreas, gastei R$ 6 mil. Sobraram mais de R$ 4 mil para a próxima viagem.

Cristina L.
Cristina L.PermalinkResponder

Lucas, vc é o meu rei... como vc fez para acontecer tal multiplicação dos peixes???

Marcia T
Marcia TPermalinkResponder

Eu também fiquei curiosa! Lucas, por favor, responda.

Ana Veloso [Viajar na França]

Acho que a questão primordial aqui é: 9.000 reais é viagem em esquema econômico????? Putz, tô pobre mesmo...

val
valPermalinkResponder

adoro ter "dividas" de viagens...aliás, nem considero como gasto, é investimento mesmo!

Douglas Matias

Excelente texto!
Gastar é inevitável, mas a vivência e memórias que tudo isso irá proporcionar serão memoráveis! Foco no passeio/férias. Deixa as preocupações e custos pra quando voltar delas.
smile

Paulokoz
PaulokozPermalinkResponder

Como diz a patroa: "viagem é atividade fim!"

Mauro Nogueira

Matéria perfeita, irretocável! Reflete exatamente o que acontece em todas as viagens. O que precisa ser sempre aprimorado é como equilibrar os gastos. Vale muito mais a pena comer um lanche no almoço para ter um belo jantar; trocar souveniers que certamente vão se empoeirar depois de dois meses por entradas em um show, museu, etc, e assim por diante.

Liliana
LilianaPermalinkResponder

Muita gente que me conhece precisava ler este texto! Já cansei de tentar explicar que minhas viagens são muito mais importantes que um carro, que um Ipad,e tantas outras coisas que não me fariam nem 1/10 mais feliz do que elas. A gente só é feliz quando sabe priorizar as coisas, e as minhas memórias e a alegria que eu tenho quando um mundo novo se abre a cada viagem ninguém vai tirar de mim e são muito importantes para o meu sorriso. Gostei demais do texto!

Amélia
AméliaPermalinkResponder

#"Muita gente que me conhece precisava ler este texto! Já cansei de tentar explicar que minhas viagens são muito mais importantes que um carro, que um Ipad,e tantas outras coisas que não me fariam nem 1/10 mais feliz do que elas. A gente só é feliz quando sabe priorizar as coisas, e as minhas memórias e a alegria que eu tenho quando um mundo novo se abre a cada viagem ninguém vai tirar de mim e são muito importantes para o meu sorriso."
Gostei demais da resposta, quanto ao texto ... mais uma vez ... Perfeito !!!!

Eliane de Souza

Perfeito

isalma
isalmaPermalinkResponder

É isso aí! Perfeito!

Thyago Portela

Assino embaixo!

Com essa resposta já pode fechar a caixa de comentários...

Carol França
Carol FrançaPermalinkResponder

ADOREI!!
Tô me sentindo bem mais normal agora! Já que comecei 2012 lisa pq gastei tudo que levei + o 13º salário + o cheque especial na minha última viagem pelos EUA. Mesmo assim já estou planejando as viagens de 2012 feliz da vida e trabalhando (bastante) pra pagar a conta. Hobby é Hobby ué!?

Carmem
CarmemPermalinkResponder

Pois é, quem tá na chuva é pra se molhar...

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Na viagem à Itália (em setembro passado), fiz um bike tour pela Toscana, de 1 dia, Florença a Siena. O passeio custou EUR 140 por pessoa. Em quê mundo eu pagaria R$ 350 num passeio de bicicleta na "vida real"????? Mas, na "vida dos sonhos"... o que são R$ 350 perto das colinas toscanas e do sorriso do meu marido?!

Mari Campos
Mari CamposPermalinkResponder

LINDJO!

Mari Campos
Mari CamposPermalinkResponder

Aliás, sempre que me falam algo do tipo "ah, mas viajar pra tal lugar sai caro", eu sempre cito uma frase sua: "toda viagem é, por si só, uma extravagância". E tem extravagância mais gostosa??? Pra mim, não mrgreen

Beto Paschoalini

Eu sempre viajo pra economizar. Por exemplo: fui à Itália para aproveitar passagens a 850 dólares e hospedagem em média a 50 euros por casal (evidentemente, não contam as 5 diárias em Roma nem o aluguel do carro - "baratíssimo" - por 15 dias). Comer lá fora então tá uma beleza: com quaisquer 30 euros você faz uma refeição dos deuses, com vinho e sobremesa. "Apenas" 75 reais por cabeça, num jantar (na verdade, um jantar por noite) que em São Paulo custaria no mínimo 150. Agora mesmo estou pensando em economizar uma grana em Nova York, achei passagem para novembro a 1000 dólares e apartamento a 130 de diária. Tenho certeza que, desse jeito, vou ficar rico logo logo.

Ana Claudia
Ana ClaudiaPermalinkResponder

Beto, adorei a desculpa para economizar, hehehe...

Amélia
AméliaPermalinkResponder

Este VnV é um lugar de milionários, rsrsrs

Claudia
ClaudiaPermalinkResponder

Adorei o artigo! Viajar para mim é sempre meu melhor investimento!

Lili-CE (@lilianesonsol)

Muito bom! E os comentários estão ótimos, também!

Georgia
GeorgiaPermalinkResponder

Fofo...
Vou confessar que faço uma planilha para cada viagem (desde 2009) Assim, vou computando passagens, hoteís, $$$, e no final da viagem, o cartão de crédito. Adoro saber depois da viagem quanto gastei para passar 18-20 dias em x,y,z. Assim, já tenho um padrão de quanto vou gastar da próxima vez. Gastar não, INVESTIR!
Qualquer coisa mais cara que tenho a intenção de comprar converto em Euro pra saber o que eu poderia fazer com esse dinheiro. E assim vou escolhendo como gastar.
Normalmente a extravagância da viagem gera memórias também extravagantes.
Quanto mais viajo para fora menos tenho coragem de viajar no Brasil. Estou achando caro pagar 600 Euros de pasagens aéreas internas no Sudeste Asiático. Mas quando multiplico por 2 (casal) e converto para o real vejo que R$ 3000 é quase 1 final de semana em Caldas Novas (não conheço mas Brasiliense adora).

Breno Fajardo
Breno FajardoPermalinkResponder

Me identifico. Sou super planilhista. E minhas previsões sempre bateram!

Georgia
GeorgiaPermalinkResponder

Acho que meu comentário naufragou. Bóia, dá um help!!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Resgatado mrgreen

Carmen
CarmenPermalinkResponder

Penso o mesmo, Lili-CE, um texto sublime, engraçado e inteligente facilita fazer comentários ótimos!

Augusto Rocha
Augusto RochaPermalinkResponder

Riq, to com um mega excel sobre os gastos da trip aberto aqui, viajo dia 17, li seu post e fechei o arquivo.

Nivia
NiviaPermalinkResponder

Viajar não é gastar, é investir em si mesmo. Agora as dívidas de viagem só compensam realmente quando tem relação com a viagem em si. Não consigo pensar em viajar para trazer bugigangas ou equipamentos eletrônicos, só se, por acaso, encontrar uma oferta maravilhosa e estiver precisando. Agora, assim como a caipirinha que fica na memória, ter um objeto em sua casa que lhe lembre dos momentos maravilhosos que vc passou em uma viagem compensa qualquer juros de cartão!!

Flora
FloraPermalinkResponder

Como sempre, adorei a cronica. Existe dinheiro melhor aplicado?

Diogo A.
Diogo A.PermalinkResponder

Excelente texto!
Se eu deixar de gastar 10 ou 20 mil reais em uma viagem, pode ter certeza de que não ficarei 10 ou 20 mil reais mais rico. O dinheiro será gasto em coisas menos importantes e, no fim das contas, terei disperdiçado a oportunidade de aproveitar os melhores dias do ano, que são as férias, quando as 24 horas do dia são realmente minhas.
Mas, claro, tudo é uma questão de prioridades pessoais.

Beatrice
BeatricePermalinkResponder

O que falar? Adoro vc!!!!

Lívia
LíviaPermalinkResponder

Usar meu rico dinheirinho (tão economizado, coitado) em viagens, não é "gastar" .... é investir num sonho, numa realização, numa curtição, em lembranças pro resto da vida. É alimentar o meu intelecto, meu coração e meu estômago com coisas tão particulares àqueles lugares visitados, é colar na minha retina aquelas imagens que nem de sombra se comparam às fotografias de revistas. Cada centavo investido em mim mesma em viagens tem um retorno em milhões...

Valeu Riq, adorei, você é meu oráculo...

Ana Claudia
Ana ClaudiaPermalinkResponder

Minha prioridade e' viajar.
Quando penso em comprar algo mais caro, transformo em passagens e diarias de hotel, o que me deixa muuiito mais feliz.
Fatura do cartao de credito relacionado a viagem nao doi nada e ainda se transforma em pontos no TAM fidelidade.

Wilian Delatorre

Viajar me permite desfrutar de inúmeras viagens futuras. Na mente.

Aline Posseti
Aline PossetiPermalinkResponder

Riq, excelente matéria! Viajar é a melhor parte da vida wink

Fabiana guida
Fabiana guidaPermalinkResponder

Estamos em Paris !!! Gastando o que a lógica e a álgebra não permitiriam , mas, quem se importa?!

Patricia Luck
Patricia LuckPermalinkResponder

"Enriquecer" a casa com coisas desnecessárias, "enriquecer" o armário com milhões de roupas, sapatos e bolsas, "enriquecer" a garagem com carro zero?

Tudo isso se acaba, fica velho, desvaloriza.

As lembranças de uma viagem ficam pra sempre, rendem conversas e memórias, nos dão sabedoria e experiência. E eu até gosto de pagar o cartão de crédito depois, assim relembro os lugares que frequentei....rsrs

Henrique
HenriquePermalinkResponder

Muito tempo atrás li um comentário( não lembro se era seu Riq), dizendo que aquele restaurante bacana em Paris não custava 100 euros por cabeça, mas sim o total do valor investido na viagem dividido pelos dias uteis no destino, ou seja, se vc gastou 3500 euros para passar uma semana em Paris, a oportunidade de comer neste local vale 500 euros, tornando a conta de 100 euros palatável.
Desde então mudei bastante o modo de encarar os valores dos passeios, restaurantes e "roskas" em minhas viagens, afinal quanto vale comer aquele lagostim
em Macéio, passear de helicoptero em NY, mergulhar em Noronha e por ai vai . Até minha cerveja Samuel Adams de US$ 10,00 no aeroporto de Chicago saiu "barata,"graças ao simpático barman ex-morador de Floripa que divertiu minha espera ...

Malu
MaluPermalinkResponder

Riq, ainda me surpreendo com o seu feeling. Maravilha!!!! smile

Flavia Morais
Flavia MoraisPermalinkResponder

Adorei!!!

Virginia Lucia

Perfeito o texto. Como o Beto, também me surpreendo com algumas ofertas ótimas e acabo achando que "economizei" realmente indo para alguns destinos. Por incrível que pareça, foi isto que senti quando fui a Nova Iorque em 2010. Acho que é porque Rio/São Paulo são caríssimas! Parabéns, Riq.

Priscyla
PriscylaPermalinkResponder

Tema, texto e comentarios excelentes! Todos inspirados nesse começo de ano! wink

Zé Maria
Zé MariaPermalinkResponder

Vou fazer a compra do mês na Flórida smile

Claudia Beatriz - Aprendiz de Viajante

Será q se eu botar no Google Translate e mandar pro marido, ele entenderá de uma vez?

Carol Souza Lima

Acrescentando... meu marido diz que eu so "Viajo" se carimbar o passaporte!

Mas, num Brasil que vc paga 1100 reais por cabeça pra tentar ir do Rio a Porto Seguro na Alta, fora o Hotel na Praia do Espelho na Bagatela de 600 / 700 reias a diária, sem duvidas, e melhor fazer as malas e partir pra outros mares.. ate quem sabe outros Oceanos!!

Viajar é investir apenas e tão somente na minha alma. Eu pago todas as viagens ANTES de ir. Junto, pago parcelado, antecipo as despesas pagando nos meses anteriores. E levo a grana que juntei no Visa Travel Money.

Qdo eu volto, ja recomeço, outra divida, pra outro destino.

Qdo nao tem parcela de Cia Aerea no meu cartao, fico ate deprimida... rsrsrs

Otima Cronica!! Vc e incrivel! =)

BJs

Leonardo
LeonardoPermalinkResponder

Ricardo,

Recentemente te 'conheci' pelas propagandas da Visa, mas há tempo leio sua coluna no Guia do Estadão e nunca visitei seu blog. E que blog! Já é mais um Portal do que um blog... muito útil, com certeza. Além de - sendo esta coluna como um bom exemplo - muito bem escrito. Fã do seu trabalho, acredite!!

Eu queria mandar uma pergunta para o Perguntódromo, mas não sabia como... então aí vai: Vou passar 6 a 8 meses na Europa fazendo um intercâmbio. Começo na França, passo umas 2 a 3 semanas na República Tcheca onde moram uns amigos e depois volto para França. Minha pergunta é: quantas malas devo levar? Uma grande e duas de mão?

Atenciosamente,

LR

val
valPermalinkResponder

1 media e 1 de mão. lavar roupa é a dica! e usar o que comprar por lá, além de ser muito mais fácil a locomoção.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Leonardo! Aqui quem responde é A Bóia. Uma mala grande e uma de mão são o suficiente para qualquer viagem. Aprenda a usar lavanderias.

Leia:
https://www.viajenaviagem.com/2009/04/como-usar-lavanderias-automaticas-na-europa/

Certifique-se de viajar com os vistos necessários. Brasileiros só podem passar 90 dias no Espaço Schengen a cada 180 dias.

Maria Edi
Maria EdiPermalinkResponder

"Eu não quero ficar vegetando num cantinho do planeta a vida inteira" Mark Twain.

Gente, eu sei que vou ficar na pindaíba (ainda bem que não sozinha ...), mas viajar é TUDIBÃO!!! Realmente, lembrar daquela caipirinha, daquela viagem de trem - sou louca por trens - daquela revoada de pássaros ... Tudibão!

Teresa
TeresaPermalinkResponder

Riiiiiiq, que texto sensacional. Vou compartilhar no meu Facebook, pode ser? Que maravilha termos um redator mega criativo sendo nosso conselheiro de viagens... Que luxo. Bj.

Laura
LauraPermalinkResponder

Acho que se fizermos muitas conversoes durante a viagem nao aproveitamos direito.
Mas o melhoer seria reunir o util ao agradavel. Estou em Marrakech agora, comida maravilhosa, lugares lindos e precos incriveis. Tomei um sorvete de nozes por 2 reais muito melhor que os de Roma, onde estive ha 3 dias. Abs

Ana Carolina
Ana CarolinaPermalinkResponder

Adorei a crônica!
Mas eu sempre fui tão 'precavida', que nas minhas viagens eu sempre gasto exatamente o que planejei ou menos, porque estimo valores a maior, sempre-sempre-sempre - e no fim isso me dá uma sensação ótima de que a viagem foi 'tão' baratinha...

Marcelo Jesus
Marcelo JesusPermalinkResponder

Perfeito o texto! Depois dos comentários então, tá magnífico! Gostaria de dividir o meu mantra em viagens: "quem converte não diverte"!

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

Eu sou dos que planeja gastos com viagem, e em geral fico dentro do orçamento.

Embora seja ainda novo, relativamente à média de idade dos trips, aprendi que dá pra economizar sem comprometer a viagem e as experiências, mas para isso é preciso, por exemplor, aceitar sem remorsos o fato de que não é a quantidade de cidades e atrações "ticadas" em um checklist que é o mais importante em uma viagem.

Há economias que são saudáveis e interessantes, como comprar bilhetes de trem antecipados, reservar carro pré-pago com grandes descontos, organizar bem os deslocamentos aéreos etc.

Todavia, existem as falsas economias, aquelas que consomem o tempo ou matam a experiência de visitar um lugar. Sempre costumo pensar que, em viagem de férias, meu bem mais valioso é o tempo. Daí, tem muita economias que em geral são "falsas" na minha opinião, como por exemplo:

- usar trem regional ou ônibus que demore o triplo do tempo para economizar transporte
- viagens noturnas de trem ou, pior, ônibus
- "já que o local xyz é tão caro, vou só passar rapidinho em um bate-e-volta pra ver como é"
- usar dias inteiros procurando lojas e outlets para decidir se economiza 70% ou 80% em relação ao preço no Brasil (o custo do tempo gasto na peregrinação é certamente maior que a economia)
- escolher um hotel de praia longe da praia, que demande um shuttle/táxi todo dia para ir até a "areia"
- perder horas na fila, só para entrar em uma atração no dia em que ela é gratuita

Vladimir
VladimirPermalinkResponder

Normalmente consigo ficar dentro do orçamento nas viagens.

Meu 1º segredo é PLANEJAR: Meu 1º planejamento é monitorar os valores das passagens. Depois da(s) passagem(ns) comprada(s), comprar um caderninho de anotações para a viagem escolhida, então, monitorar e pesquisar os valores dos hotéis, durante esse tempo decidir o que será comprado (por exemplo, vamos para a Europa em Junho e decidi que comprarei um Relógio e um Tênis, na Alemanha. Ela quer um Tênis e até 200euros em produtos de Beleza, em Paris), além disso compraremos no máximo uma camiseta ou moleton, já avisamos para amigos e parentes que nessa viagem não vai dar para trazer lembracinhas. Definir quanto será gasto com alimentação. Ir ao Supermercado no 1º dia, se possível. Saber tudo o que for fazer em cada dia da viagem (uso uma tabela, com os dias da semana e as atividades, sendo uma tabela "relativamente flexível"). Fazer, antecipadamente, todas as reservas possíveis, essa eu aprendi aqui no VnV!!!

O 2º segredo é NÃO ALOPRAR. Ou seja, fazer o que foi combinado, por exemplo, gastar em alimentação o que está separado para cada dia.

O 3º segredo, esse mais difícil, é NÃO DEIXAR MINHA MULHER ALOPRAR... hehehe.

O 4º segredo, talvez, o mais importante, é acompanhar esse Site do VIAJE NA VIAGEM. As coisas que aprendi aqui são de uma utilidade absoluta. OBRIGADO mais uma vez.

Esses segredos, agora compartilhados com a tripulação, têm nos ajudado a viajar bastante nos últimos 3 anos.

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

Vladimir, essas são boas táticas. Eu dou graças a DEus que minha família sempre foi muito desencanada dessa história de souvenir pra cá e pra lá, os irmãos dos meus pais de ambos os lados nunca foram de ficar tuxando souvenirs, e ninguém fica melindrado se não voltar uma mala cheia de presentes.

O que em geral ajuda, quando isso é possível, é alocar no começo da viagem (se essa for mais longa) cidades/paradas onde os gastos não vão desviar muito.

Exemplo: viagem para a Europa, incluindo alguns dias de carro nos Alpes, passeio pela Costa Adriática e depois Bologna, Milano, Barcelona e um grand finale em Madrid. Começando pelos Alpes e pela Costa Adriática, vc inicia a viagem em lugares onde não há muitas oportundiades de comprar algo não planejado, ou um restaurante imperdível, ou um programa cultural que é PRECISO ver não importa o preço. Assim, quando vc chegar nas áreas onde as tentações de gastos são maiores, dá pra já ter uma ideia do quando vc pode gastar a mais ou a menos que o previsto.

Outra estatégia boa é só deixar compras para trazer de volta (aquelas que vc não vai usar durante a viagem) no último destino. Assim, dá pra equilibrar o orçamento de compras para compensar o excesso ou economia de gastos no restante da viagem. Mas há quem considere isso (a possibilidade de ocmprar menos pq se gasta(ou) mais na viagem) uma heresia imperdoável.

Vladimir
VladimirPermalinkResponder

Que bom que aprova Andre! Acompanho suas opiniões aqui no Vnv e vejo como é sensato!

Boas, as suas dicas. Começar em lugares onde não haverão gastos extras e terminar, onde, podem haver esses gastos. Sabendo aproximadamente quanto está sobrando... se estiver sobrando.

Sobre o fato de gastar menos por que viaja mais, concordo contigo, vai depender da cabeça de cada um.

Acho que a pessoa para não ficar na pindaíba tem que saber o que quer da viagem. Se ela quer descansar, fazer um passeio cultural, flanar, comprar, conhecer, comer, beber, azarar, etc. Assim, ela pode programar uma próxima viagem dentro de um orçamento realista.

Estamos indo para a Europa com o intuito de fazer um "passeio cultural". Queremos ir a Museus e Castelos, Alpes, Cidades, etc. Se eu pudesse estaria todo ano por lá! A última vez foi em 2001... É uma viagem cara para nossa realidade, por isso, não podemos chegar, entrar num shopping e sair comprando ou querer comer toda hora em restaurantes. Lógico que haverão momentos onde comeremos bem, mas, não dá pra ser todo dia.

Tenho sorte porque minha parceira ajuda. A pior coisa que tem é estar com uma pessoa que em vez de olhar a paisagem, olha as vitrines e/ou que vive reclamando porque vai comer numa lanchonete... no que depender de mim, na Alemanha, só como Bratwurst de manhã, de tarde e de noite hahahahaha... Me amarro!!! Por outro lado, não vou poder beber toda a cerveja que gostaria...

Penso que temos que equilibrar uma relação: Tempo de Viagem x Gastos. Saber se quero ficar 6 dias na Europa Muitíssimo Bem ou ficar 20 dias na Europa Bem ou ficar 30 dias no Perrengue. Atualmente preferimos 20 dias Bem e é com isso na cabeça que sairemos daqui. Temos feito assim recentemente e ficamos mais tempo do que ficaríamos em lugares como Natal (8 dias) e Buenos Aires (6 dias), por exemplo. Cada um com a sua realidade. Tenho amigos que vão para a Europa e gastam 500 euros por dia só com vinho e restaurante, é a realidade deles.

Faltou colocar uma ou outra coisa dentro do planejamento no outro post. Entre elas é que fazemos uma poupança mensal de R$100 à R$200, cada um, só para viagens. Sempre ajuda muito!!!

Vladimir
VladimirPermalinkResponder

Explicando melhor o que quis dizer no penúltimo parágrafo!!! Mais importante do que ficar mais dias do que ficaríamos em cada destino, ESTAMOS VIAJANDO MAIS VEZES DO QUE VIAJARÍAMOS, caso o gastador estivesse frouxo. Digo que, se conseguirmos ter disciplina na próxima viagem, as que estão planejadas para o futuro estarão garantidas no prazo previsto. Caso a gente gaste mais do que o planejado, babáu!!!

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Quem converte, não se diverte. Quem se preocupa, não aproveita (sem rimar, adiciono). Parcelo a perder de vista - quando uma conta do freeshop ou da passagem vence, começa a outra, é o dinheiro girando....que faz o mundo girar...e vc viajar! wink

Juliana
JulianaPermalinkResponder

Nossa, cada vez que eu entro no VnV eu fico mais impressionada de como é bom esse blog!!! O Post é PERFEITO!! Prioridade máxima: viajar, viajar e viajar! Nem casei ainda por conta disso, rs, eu e meu namorado amamos viajar e nossa prioridade sempre acaba sendo guardar dinheiro para conhecer o mundo, rs.
E vi isso em um site e achei muito verdadeiro, para quem ama viajar sabe que é bem assim mesmo que acontece: "Aquele que viaja para conhecer outros lugares acaba conhecendo melhor a si mesmo".

Andrea
AndreaPermalinkResponder

Concordo com cada centavo. Não tenho dinheiro na poupança, mas investi em memórias que rendem muitos e muitos anos de felicidade.

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

Cada vez que chego de uma viagem totalmente zerado, venho com a consciência pesada de não ter guardado aquele dinheiro, ou usado em algo mais útil.
Mas passadas algumas semanas, a parte positiva das lembranças vai ficando mais forte e a consciência é suprimida até o ponto de a única coisa na cabeça ser: "Quando vou viajar de novo? Para onde vamos desta vez?"

Continua a pontinha de saber que vai faltar dinheiro, mas vamos do mesmo jeito smile

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

PS: mais agora esperando baby (nasce em 2 meses). Só o que ouço é:"Quero ver como vai viajar agora...." Só o que penso é: "Preciso marcar algo para o final da licença maternidade da esposa, e assim já ir acostumando a filhota"

Mas não dá para passar isto em público, que o povo acha que a gente é meio doido - e que tem dinheiro sobrando - se soubessem a verdade.. hehe

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Cancelar