Percebi (minha crônica no Divirta-se do Estadão)

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Ilustração: Daniel KondoIlustração | Daniel Kondo

Há quase trinta anos, na estação central de Zurique, eu estava comendo um pão com salsicha, de pé (era o que o meu orçamento de mochileiro permitia), quando me dei conta de que aqueles dois operários iugoslavos que comiam pão com salsicha e conversavam animadamente em servo-croata na mesinha ao lado.... ahn.... não eram sérvios nem croatas, e tampouco falavam alguma língua eslava: eram portugueses.

Não ria. O fato de um brasileiro com formação universitária não reconhecer à primeira ouvida a matriz castiça da sua língua materna não é engraçado: é trágico. Um brasileiro em Portugal leva mais sustos com o vocabulário do que em Buenos Aires: nosso portunhol é mais afiado que nosso português luso.

Passei agorinha vinte dias corridos em Portugal e voltei apaixonado pela sonoridade do português de verdade. O que até então era apenas um fetiche de contornos humorísticos agora se transformou numa admiração genuína.

Cruzei o país de carro, com o rádio sintonizado numa rádio de notícias – e finalmente parece que consegui perceber (ou p’r’cber) o que há por baixo daquela língua que, do lado de cá do oceano, soa como se fosse escrita em cirílico.


Não, o português de Portugal não é só uma maçaroca de vogais engolidas. É, sim, uma maçaroca de vogais engolidas, mas quando você presta atenção, nota aqui e ali uma vogal inesperadament aberta. É um “vócês”, um “diréção”... minha diversão na estrada era tentar definir um padrão. Descobri que uma consoante muda abre o “é” e alonga o “a” que vêm antes dela. Na próxima viagem descubro qual é a do “ó”.

O mais impressionante é que é muito difícil falar como eles falam – colocar todos aqueles pronomes em todos aqueles lugares, escolher aquelas palavras que eles escolhem. E no entanto tudo soa natural. Aqui não ia dar certo nunca, claro – o português do Brasil perderia completamente a dinâmica se a gente acreditasse de verdade em gramática, sintaxe, regência e concordância --, mas que é lindo de ouvir, ah é.

Pelo certo, deveríamos nos sentir tão humilhados por um português de Portugal bem falado quanto um americano fica quando ouve um inglês padrão BBC. P’rcebe?

Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email


36 comentários

Elisa
ElisaPermalinkResponder

Como diriam os portugueses, "pois!".

Sandra
SandraPermalinkResponder

hahaha. Eu ri! Eu moro em Zürich e passo por isso quase que diariamente. Demoro para reconhecer quando escuto portugueses de Portugal, ora poissss!!

Sílvia Oliveira

Tive a oportunidade de viver por dois meses em Lisboa (isso há 12 anos!), onde fiz um estágio numa agência de notícias portuguesa. Definitivamente é outro idioma. Do ponto de vista jornalístico, então... é quase como ter que aprender a escrever em catalão! Pena que quando eu estava aprendendo a falar Torrrre de B'léin... já era hora de voltar para casa! smile

JotaPe
JotaPePermalinkResponder

Temos um caso de amor com as consoantes, Ricardo smile
E olhe que bem nos esforçamos quando estamos no Brasil. Pelo menos aqueles de nós que se querem fazer entender...
Abraço!

Amaro - Recife

Acho que é porque baixamos a guarda, pois nosso cérebro deve dizer: 'ah, estou em Portugal, então essa língua eu já conheço'.

E eu pensando que havia sido o único a achar mais 'entendível' o espanhol de Barcelona do que o português de Portugal...

Fernanda Leitão

Interessante Riq, pois minha experinência com o "p´rtuguêis " foi em uma breve conexão no aeroporto de Lisboa e até fiz o seguinte comentário com meu esposo :" Nossa! É mais fácil compreender francês que este português de Portugal". Até me achei um " E.T" por não entender meu idioma de origem.

Tiago Caramuru

Essa crônica espetacular me fez sentir aliviado por não conseguir entender inglês da Austrália! Se não consigo compreender nem quem fala minha língua, porque deveria entender uma outra com sotaque do outro lado do mundo? rs

Gustavo - Viajar e Pensar

Arrombas mo pombo Riq,

Digamos que passei algo parecido, quando entrei num elevador aqui em Floripa com dois manezinhos, mas bem manezinhos mesmos falando. É outra lingua, mas não é bonita não.

Abração!!!

rosangela ramos

Para quem gosta de literatura portuguesa, especialmente de Eça de Queirós, é possível se acostumar com as expressões, o vocabulário e tudo o mais, antes mesmo de pisar em terras lusitanas. Ainda falam e escrevem como Eça, e a pronúncia, a sonoridade, pelo menos para mim, é linda. Acho que nunca senti dificuldade em entendê-los. Gosto muito de Portugal e dos portugueses. Vamos eu e minha família pela terceira vez passar um julho inteiro por Portugal.

mariana ribeiro

portugues de verdade e' somente falado em Portugal? E o nosso portugues Brasileiro e' de mentira?

Tati
TatiPermalinkResponder

Tive a mesma sensação...não percebo o meu português como de mentira. O estranho não é elogiar o português de Portugal, é direito das pessoas gostarem, mas colocar como se o português brasileiro fosse errado. Estranho isso, né?

Ronaldo Giusti

Não me leve a mal, mas ser o "original" não torna esse português bonito. Extrapolando, bonito mesmo é o latim!

E se o português é a última flor do Lácio, inculta e bela, o nosso português é mais inculto e mais belo!

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Aristocratico , delicioso de ouvir e quase
Impossivel de falar!

Alice
AlicePermalinkResponder

Eu adoro o português dos portugueses. Uma das minhas palavras favoritas é "resultar" com o sentido de "funcionar" ou "concluir". Muito bom ver alguma coisa enrolada e dizer: - Não resulta!

Mamé Paulo
Mamé PauloPermalinkResponder

Olá, Ricardo,
Estava no ponto de ônibus na Suíça e ouvi duas pessoas conversando. A princípio, como vc., achei que falavam croata ou algo parecido. Mas, no meio, parecia que eu entendia algumas palavras. No final, descobri que falavam português de Portugal. Achei mto. engraçado vc. ter reagido exatamente como eu!!! hahaha
Um abraço.

Maria Edi
Maria EdiPermalinkResponder

Calma, pessoal, que tudo não passa de uma questão de linguística.
Ensina o Prof. Antenor Nascentes: o português que falamos aqui é quase igual ao que era falado em Portugal na época do (nosso) descobrimento. Como ficamos "isolados" da Matriz, apesar das viagens, desenvolvemos um idioma especial, levando em consideração os acréscimos dos outros povos que formaram o povão brasileiro. e vamos combinar: o português luso, escrito ou falado, é delicioso. Como o catalão, que eu ouço pela Internet, quando há jogos do Barcelona.

Cris
CrisPermalinkResponder

Hehehehe, a coisa mais engraçada que me aconteceu em Portugal em relação à língua portuguesa "original" é que eu estava achando tão difícil e tão estranho de entender os portugueses falarem a minha própria língua que chegou um ponto que eu, no Elevador de Santa Justa, automaticamente perguntei EM INGLÊS se o Lisboa Card valia ali também, hehehe ... Gafe monumental da viagem ...kkkkkk

Anna Francisca

Tive a mesma sensação que a Fernanda. Esperando uma conexão no aeroporto de Lisboa, sonada, depois de uma viagem esprimida na econômica, me lembro de pensar "conheço e quase entendo essa língua, mas não sei qual é".

Majô
MajôPermalinkResponder

É difícil para nós e para eles nos entenderem também, usando gírias então, fica incompreensível para eles.
E como eles adoram os brasileiros !

Malu
MaluPermalinkResponder

Achei sensacional o sotaque luso e a simpatia de todos ao conversar comigo. Assisti alguns programas na TV, noticiários e de entrevistas, e fiquei fascinada com o modo elegante como eles falam. Sua crônica está ótima, como sempre.

Nati S.
Nati S.PermalinkResponder

Muito gira!

Philipp
PhilippPermalinkResponder

"A claque de camisolas encarnadas estava toda excitada ao ver o ponta de lança dar um granda ponta pé!"
"Ele@ é tão querid@"

Tantas expressões que sinto falta.

Mas o difícil mesmo é perceber o Micaelense:
http://www.youtube.com/watch?v=q-SHyUc1w0U
http://www.youtube.com/watch?v=E5nx3y_AcVE&feature=related

Lembro-me de tantas vezes que quando havia alguém de São Miguel dando entrevista na RTP havia legendas!

Mas há também algumas coisas que eu não gosto muito e olha que "sou tuga" como o "treuze" - entendo que é para enfatizar a diferença entre três e treze, porém...

joana
joanaPermalinkResponder

Riq = lingüista profissional?
Muito bom.

Maria Helena
Maria HelenaPermalinkResponder

Que delícia de crônica, Ricardo! "Fez-me" lembrar da primeira vez q fui a Portugal e, na estação dos comboios do Porto, precisei de um "intérprete" pois não conseguia comprar minha passagem de volta p/ Lisboa! Depois, comentando c/ o motorista de táxi q havia gostado das pessoas da cidade, ele acrescentou : "Sim, somos muito afáveis" ( e humildes, kkk). Afáveis??? Quem ainda usa esta palavra tão linda? Motoristas de táxi da cidade do Porto, poish!

Carmen
CarmenPermalinkResponder

Para mim, ler português do Brasil não é difícil. Eu entendo quase tudo, exceto voltas estranhas, mas quando alguém fala acho que é difícil entender o que eles dizem.
Portugês, espanhol, catalão, galego... são línguas que vêm do latim, embora o rumanés também, e não entendi nada.

francisco dias

...acabei de ler tua crônica no Divirta-se ; encanta-me no português luso o uso do infinitivo, soa-me elegante ( no sentido de belo não de pedante), principalmente com a agressão que sofre o gerúndio no Brasil_o horroroso "gerundismo". Você escutou não só ouviu, p`rcebe?

Carla2
Carla2PermalinkResponder

Crônica deliciosa, como sempre. Também já passei pela situação de não entender alguém que falava a minha língua (mas esse era da Ilha da Madeira, o que dificulta muito as coisas ). Também adoro o português falado em Portugal, mas quando falo com alguns portugueses pelo telefone, presto a mesma atenção quando tenho que falar (escutar) em inglês smile

Kristen
KristenPermalinkResponder

Aquela leitora de Portugal, Isabel se não me engano, já disse por aqui que os portugueses não usam no dia a dia as expressões "gira" e "pois". É um clichê nosso sobre eles.

Georgia
GeorgiaPermalinkResponder

Uma vez viajei para Budapeste, Praga, várias cidades da Itália e terminei em Lisboa. E não foi brincadeira quando falei que não tive dificuldade alguma em me comunicar durante a viagem, exceto quando cheguei em Lisboa, falando minha própria língua. wink

Carlos Nascimento

No mirandês, a segunda língua oficial de Portugal, algumas vezes a vogal simplesmente desaparece, como nos artigos "l" e "ls".
Mas é interessante que quando um falante do Mirandês fala em português se parece mais a alguém que tem o espanhol como idioma falando e as vogais soam mais claras ainda que aqui em acolá apreçam rastros que soem a um sotaque espanhol.
Uma música em Mirandês: http://www.youtube.com/watch?v=qzqEzNu4Kw4&feature=related

zuzu
zuzuPermalinkResponder

Estive com um neozelandes há pouco e tinha que fazer um esforço incrível pra entender seu ingles!

Denise Mustafa

Quando voltei de Portugal, depois de 1 ano, vim com essa sensação e essa vontade de falar o mais correto, por mais banal e informal que seja uma conversa. O português deles é lindo. Parece que se está recitando Camões todo o tempo. É refinado. Bonito mesmo! E diferente, sim. Demorei um tempo pra me adaptar com o português deles. E ainda mais pra me adaptar com o nosso brasileiro na volta!

Ana Veloso [Viajar na França]

Posso contar uma de português, que aconteceu de verdade mesmo, com minha mãe em Lisboa ano passado?
Ela foi no mercadinho comprar umas frutas. Viu uns pêssegos bonitos, e perguntou pra dona da venda: "Os pêssegos estão docinhos?"
E a portuguesa respondeu: "Ora, como posso s'ber, se não os comi todos"...

Andrea Marques

Oi. Como meus pais são portugueses, nunca achei difícil o português de Portugal. Mas falar com minha prima que mora em Lisboa pelo telefone, e esta me passar seu "email" (assim mesmo com o a bem aberto), foi uma tarefa quase que impossível! Hahaha

Celina
CelinaPermalinkResponder

Voltei agorinha de Lisboa, completamente apaixonada! Também sintonizava todas as noites nas notícias e comecei a adorar o português português. Acho que eles "trocam" o som do "E" pelo "A", algo como "varmalho" em vez de vermelho...
Agora um causo:

Meu filho que talvez precisasse ficar mais uma noite foi no Residencial na Pca dos Restauradores ver o preço de um quarto (não sabíamos se era tipo albergue ou hotel). Uma senhorinha nos atendeu, disse o preço e ele perguntou: - E o quarto é só para mim?
Resposta: -Claro que é só para si, queria que fosse para todos?

Amei! A luz de Lisboa, aquele ar de cidade antiga. A gastronomia fantástica, povo acolhedor, transporte amigável... voltei querendo mais!

Carla S
Carla SPermalinkResponder

Ah pois... sim, aqui se usa "pois", "giro", "fixe" e "bue de fixe" mas, isto e giria, assim como tambem o sao "so", "bacana", "legal"

Moro em Portugal ja faz 10 anos e garanto que e so uma questao de habito, quase melodica... Atualmente amo e defendo os 2 lados do atlantico... O portugues e uma lingua belissima, deve se manter UNICA e, para acabar com os desafetos linguisticos, acho q os 2 lados deveriam era se preocupar em corrigir os "ERROS HORROROSOS" de gramatica e pronuncia que cometem.

No mais, e so uma questao de ambientaçao com o "sotaque" e "expressões populares".

O melhor exemplo da consistencia da lingua portuguesa sao os livros do Jose Saramago publicados no Brasil e que mantem o texto original portugues.

Se, no Brasil ha que se respeitar e admirar a bossa poetica que os brasileiros conseguem extrair da lingua portuguesa, em Portugal ha que se reverenciar o bom uso da gramatica.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar