Medidas (minha crônica no Divirta-se do Estadão)

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Ilustração: Daniel Kondo

Ilustração | Daniel Kondo

Brasileiro só pensa naquilo. “Você viu pra quanto foi a milha?” – eis o assunto com mais ibope, do cantinho do café na firma às rodas de chope aos posts do Facebook. O fato é que a contínua valorização da milha frente ao quilômetro deixa tudo mais longe.

Por mais que os economistas palpitem, parece que não há mesmo como se proteger: o mercado é instável por natureza. Quantos hectares vale um acre? Qual é a duração atual da légua? Hoje é feriado bancário na Ásia, não dá para saber.

A conjuntura mundial nunca foi tão preocupante. A inflação da temperatura em Farenheit – um dos temas mais debatidos da Rio +20 – torna as economias anglo-saxãs especialmente frágeis. O problema é que, com a súbita aversão dos mercados aos centígrados, os países emergentes não têm como ajudar.

Como paliativo imediato, o Banco Mundial sugeriu que os Brics desvalorizassem os seus fusos horários, mas até agora não foi ouvido. Enquanto isso, Europa e Estados Unidos falam em retaliar os chineses, taxando todas as horas made in China que tenham mais do que 60 minutos.

Espera-se para qualquer momento a grande bomba: o anúncio da saída da Inglaterra da zona do quilo. Em outras épocas, a volta do Reino Unido à libra seria tida como um movimento mais do que natural. Hoje, no entanto, essa medida pode levar à completa desorganização das economias baseadas no sistema decimal.

No pior cenário, os centímetros podem deixar de ser convertidos automaticamente para polegadas, o que tende a trazer o caos para a vida do cidadão comum. A medida criaria demanda por um mercado paralelo, aumentando sobremaneira o contrabando de polegadas via Paraguai.

O governo, como sempre, mais atrapalha do que ajuda. Tome por exemplo essa aventada ameaça de aumento do IOF para todas as compras acima de 1 gigabyte. É óbvio que isso causaria uma corrida às lojas, com conseqüente escalada de preços.

Sem falar na crônica falta de troco, que está levando o comércio à inadimplência de balas Juquinha.

E sobre o tal limite obrigatório de 140 caracteres a quem quiser escrever besteira: isso é controle social da imprensa!

Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email


4 comentários

Marcie
MarciePermalinkResponder

lol x 1000000 (escolha sua unidade!).

Marco Cavalheiro_Buenos Aires Dreams

rindo de forma desmedida aqui... pensando nas onças que fugiram para a América, nas arrobas que se modernizaram... smile smile

Philipp
PhilippPermalinkResponder

Genial!

val
valPermalinkResponder

Morri com as balas juquinhas...smile))

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar