Metrô de Paris: leitora conta como agem os batedores de carteira

Mariana Amaral
por Mariana Amaral

Metrô de Paris

Histórias sobre furtos e golpes contra turistas não são novidade em relatos de viagem às capitais da Europa. A Priscila procurou nossa página no Facebook para alertar outros turistas sobre a ação de batedores de carteiras -- ou pickpockets, em inglês ou francês -- nos metrôs e pontos turísticos de Paris.

No meu segundo dia em Paris, eu e minha amiga fomos encontrar minha tia e meu primo na estação Denfert-Rochereau, onde pára o ônibus Orlybus. Fizemos um tempinho ali na pracinha e depois seguimos para a estação de metrô. Quando o trem chegou, a porta abriu e eu e meu primo entramos primeiro, mas me chamou a atenção um adolescente que ficou parado e não me deu passagem. Eu pus a mala na minha frente e fui entrando e achei aquilo super estranho. Quando a minha amiga e minha tia foram entrar, duas garotas adolescentes, uma delas grávida, ficaram fechando a frente das duas enquanto elas tentavam entrar antes que a porta do trem fechasse. Quando a porta fechou elas conseguiram se desvencilhar das meninas e sentaram.

Neste instante apareceu um senhor que veio correndo, gritando, falando alguma coisa em francês que a gente não entendia e apontava para dentro do trem. Esse senhor estava acompanhado de mais duas pessoas. O trem saiu e a nós ficamos meio assustados porque não entendemos o que o homem falava... Então minha amiga detectou a bolsa aberta e a falta da carteira. Daí minha amiga apontou para a menina grávida e falou: "Ela roubou minha carteira!!!". Minha tia, num ímpeto, olhou para a cara das meninas e falou em português em tom bem enérgico: "Devolve a carteira dela!!!". E para a nossa surpresa ao invés deles devolverem uma carteira, vieram duas! Pois minha tia não se deu conta que elas tinham pego a carteira dela também! O trem chegou na próxima estação, Raspail, e eles desceram na maior cara dura.

Minha amiga não se ligou em deixar o dinheiro em espécie que ela levou para a viagem no hotel e eles pegaram 500 euros da carteira dela. Da carteira da minha tia eles pegaram 50 euros. Ficamos sem reação, completamente atônitos!

Quando chegamos no hotel contamos para a gerente para ver o que podíamos fazer. Ela disse que não tinha o que fazer, mas falou para tomarmos cuidado com os pickpockets. Eles ficam nas estações mais visadas: Denfert-Rochereau, Étoile, Louvre, La Défense, etc. Sempre estão em bandinhos – 1 menino com 2 meninas, ou 3 meninas; são romenos e adolescentes, normalmente empurram as pessoas na porta do metrô para a pessoa cair e pegam a bolsa.

No domingo eu fui ao Louvre e em todos os pontos do museu tem avisos para tomar cuidado com os pickpockets. Funcionários do museu estão espalhados por todas as salas, sempre circulando. Há 10 meses estive no Louvre e não tinha esses avisos! Isso significa que a situação está bem crítica! Dentro de Versailles também tinha aviso para tomar cuidado com os pickpockets. No domingo, quando voltávamos para o hotel de metrô, um casal sentado em nossa frente percebeu também que havia sido roubado.

Na quarta antes de vir embora estivemos na estação Denfert-Rochereau pois a gerente nos orientou para irmos até lá comunicar o roubo ao funcionário que fica no guichê. Fomos até lá, eu contei tudo o que aconteceu e ele verificou num caderno de ocorrência que eles têm para ver se havia algum registro e não tinha nada. Daí ele ligou para uma central e me disse o seguinte: que poderíamos ter ido na Gare de Lyon, que é onde fica a polícia que cuida desses casos de roubos pelos pickpockets. Ele nos perguntou também se nós seríamos capazes de reconhecê-los e eu disse que sim. Mas, infelizmente, não tínhamos mais tempo para isso...

Acho legal compartilhar isso com vocês para alertar quem está indo para Paris, e para a Europa em geral, pois no meu hotel tinha uma moça viajando com a mãe e elas foram assaltadas em Portugal e na Itália.

No ano passado eu pegava todo dia essa linha de metrô e minha bolsa não tinha nem zíper e graças a Deus não aconteceu nada desse tipo. Mas vejo que agora as coisas estão bem complicadas.

Então acredito que o melhor meio neste tipo de caso é a prevenção. Paris é linda, os turistas vão cheios de dinheiro para gastar, as pessoas ficam envolvidas numa atmosfera de romantismo e inocência que a própria cidade inspira e se esquecem dos problemas sociais gerados por uma grande crise que eles enfrentam. A impressão que se tem é que ninguém faz nada porque os roubados são os turistas, e enquanto houver turistas "alimentando" esse tipo de negócio, os nativos estão a salvo. Não sei se meu pensamento é certo, mas é essa a impressão que se tem... infelizmente!

Use o relato da Priscila para não esquecer de tomar os cuidados de sempre: nunca andar com grandes quantias de dinheiro; guardar o passaporte no cofre do hotel; não usar o bolso da calça para colocar a carteira; não deixar itens importantes nas partes de fácil acesso da mochila; usar bolsas com fecho e carregar junto ao corpo, principalmente dentro de transportes públicos.

Leia também:

74 comentários

Anna Francisca

É uma pena! Então não é apenas no Brasil que isso acontece.

ana
anaPermalinkResponder

é sempre bom prevenir quem vai viajar, mas devemos cuidar com generalizações do tipo "eles são romenos". coisas deste tipo acontecem em todos os lugares do mundo, em especial em grandes cidades, e os nativos quase sempre culpam o outro, ou seja, os imigrantes que vivem ali.

Diogo Avila
Diogo AvilaPermalinkResponder

Frutos da crise...
Vale a regra de sempre deixar $ no cofre; andar com o mínimo possível e naqueles bolsos e carteiras especiais para viagem.
Triste!

Marina M
Marina MPermalinkResponder

Desculpe, mas na Europa SEMPRE teve pickpocketers, desde muito muito antes da crise.

De Vries
De VriesPermalinkResponder

"1 menino com 2 meninas, ou 3 meninas; são romenos e adolescentes,."

Romenos? Preciso dizer mais alguma coisa. A Europa toda odeia os romenos.

Fernanda Leitão

Pois é, não me lembro em qual estação, mas em maio de 2011, vi isto acontecer na minha frente com um casal de japoneses. Eles entraram no metrô carregado de malas e atrás deles, um casal de adolescentes, os japas, inocentes, pediam informações aos adolescentes (em inglês), eu e meu esposo estávamos sentado nas cadeiras próximas a porta, eles estavam perto da porta em pé. Então, assim que as portas do metrô se fecharam, os adolescentes sairam correndo, quase ficaram presos na porta (e eles tinham entrado na cola dos japanoses), foi então que uma senhora e um senhor levantaram do fundo do vagão e falaram para os japas "roubaram sua carteira", eu levei o maior susto pois, apesar de ter achado muito estranho eles terem saido correndo do metrô em nenhum momento percebi o furto. Bom os japas não entenderam o que os senhores falaram, dai fui falar com eles, perguntei se eles falavam inglês, e expliquei o que aconteceu, coitados, deu uma pena, eles desceram na estação seguinte para ver se conseguiam falar com algum policial ou algo do tipo.
Não sei se o casal de japanoses estava chegando ou saindo de Paris, mas acho que, infelizmente, eles devem ter levado uma péssima imagem da cidade.

Amanda A de Andre

Engraçado que ao que parece as pessoas só avisam após o roubo, ninguém avisa durante o ato...

Adolfo
AdolfoPermalinkResponder

Estes roubos sempre aconteceram com maior ou menor intensidade em Paris. Lembro de um guia de 1998 que alertava para os pickpockets. O que ocorre é que com a crise fatalmente estes incidentes aumentam.

O turista sempre vai ser uma tentação para o bandido, em qualquer lugar do mundo - está perdido, meio avoado, não sabe como funcionam as coisas, etc. Todo o cuidado é pouco.

Luiza W
Luiza WPermalinkResponder

Fui para Paris em julho, não presenciei nenhum pickpocket em ação. De qualquer forma, andava sempre com uma bolsa pequena a tiracolo com zíper. Meu pai andava de mochila, sempre cuidando para não deixar itens mais importantes nos bolsos de fora.

A situação não é desesperadora, a melhor solução é sempre estar atento.

alex serpa
alex serpaPermalinkResponder

Acho que a Priscila está exagerando um pouco. Sempre houve problemas com batedores de carteira na Europa, e lembro que em 2006 já eram dados avisos na estação charle de gaule. Acho que dessa vez você percebeu mais pois foi uma vítima, então todos os recados lhe chamaram a atenção. Esse problema vai existir sempre, e as autoridades fazem o que podem. A diferença no tratamento é gritante. Minha esposa teve a carteira batida no metrô de Madrid e fomos levados para uma estação policial dentro do metrô. Lá havia um livro com fotos dos batedores para reconhecermos. Não conseguimos reconhecer, mas a polícia realmente se preocupou. As pessoas devem ter atenção em TODOS os lugares quando estão viajando, pois a distração da viagem é um prato cheio para os marginais...

Juba
JubaPermalinkResponder

Outra dica é evitar a todo custo umas meninas que se fazem de surdas e ficam com uma prancheta pedindo uma assinatura, como se fosse um abaixo-assinado. Enquanto a pessoa lê o negócio e assina, elas batem a carteira e a pessoa nem percebe. Elas são MUITAS em Montmartre, mas em outras partes da cidade também estão presentes.

Batedores de carteira existem em tudo quanto é lugar, e sempre existiram, desde pelo menos a Idade Média.

Liliana
LilianaPermalinkResponder

Essa é uma das razões que me fez perder o encanto por Paris, a falta de segurança. Já fui algumas vezes à cidade, mas só a primeira vez que senti essa sensação de encanto e romantismo.Em 2008 fui com minha mãe e uma amiga lá, e passei por duas situações seguidas bem desagradáveis. Estavamos na região do Louvre por volta de 9 da noite, mas ainda não estava 100% escuro. Paramos para olhar uma vitrine por 2 minutos e minha mãe notou que um rapaz ficou olhando demais para nós 3. Eu disse para ela desencanar pois o rapaz entrou no metro. Minha surpresa foi que quando entramos no metro ele estava num canto bem depois da escada, como se estivesse esperando por nós. E nos seguiu até dentro do trem. Minha mãe ficou nervosa quando ele desceu na mesma estação onde faríamos uma troca de linha. E eu ainda achando que era paranóia, ri dela e disse que deveríamos correr para pegar o outro trem e tirar a prova. Se ele estivesse nos seguindo mesmo teria que correr para nos alcançar. Juro que fiz isso rindo e brincando com ela. Para o meu espanto o cara disparou a correr quando começamos a correr também. Entramos no trem esbaforidas mas aliviadas achando que ele tinha ficado. Quando olhamos para o lado lá estava o cara ofegante por ter corrido também. Ali eu vi que algo estava errado. E na estação seguinte minha mãe nos puxou para fora do trem quando a porta estava quase fechando. O cara ficou no trem e saiu andando dentro dele e nos olhando fixamente na plataforma, parecia filme de suspense. Saimos meio sem acreditar na situação e distraídas quando peguei no flagra um cara tentando abrir a mochila da minha amiga. Segurei a mão dele e pedi para ele sair dali. E o cara de pau ainda meu pediu desculpa em inglês. É mole? Nós fugindo de um maluco que nos seguia e quase fomos roubadas por outro!!! A questão é saber o que o maluco que nos seguiu queria. Porque se fosse só roubar, ele teria feito quando estávamos olhando a vitrine e sozinhas. Vai saber. Mas as vezes que voltei para Paris depois disso fiquei 10 x mais esperta.

Lucia
LuciaPermalinkResponder

Em nossa visita guiada ao Louvre, pediram especial atenção para a sala da Monalisa, entre os inúmeros visitantes sempre tem batedores de carteira!!!Em Portugal, levaram a carteira de um amigo que estava no Eletrico 28 ( bonde). A polícia portuguesa tb disse que tinham romenos roubando na cidade.

alessandra silva

Conosco (eu e meu marido) aconteceu algo semelhante, em dez/11...ficaram nos cercando bem na porta do trem, dois rapazes de aprox. 25 anos. Minha bolsa sempre na frente (estilo carteiro sao as melhores). Eles ficaram entre eu e meu marido. Um na minha frente e outro atras de mim. Percebi que o que estava na minha frente iria tentar algo contra meu marido e entao o puxei para tras. Nisso a porta do trem abriu e o que estava atras de mim percebeu que nao ia conseguir nada. Me empurrou e puxou o outro pelo braco e sairam do vagao. Fiquei bem assustada. Mas ja estava de olho pois ja haviam me avisado sobre esse problema.

Bruno
BrunoPermalinkResponder

É exatamente como descrito. Em 2010, aconteceu algo com meu grupo, mas felizmente detectamos que se tratava de um bando de ladrões a tempo de nos agarrarmos às próprias bolsas e bolsos, prestando toda atenção do mundo a eles. No caso, um grupo de adolescentes (todas meninas e de origem do leste europeu) entrou no vagão junto de nós para lotá-lo e aumentar a proximidade entre as pessoas. Uma delas usava um lenço longo no pescoço, que usava para esconder as mãos e agir às escondidas. Mesmo tendo percebido o golpe, acreditem ou não, ela ainda conseguiu abrir parte do zíper externo da bolsa da minha avó (mão leve é pouco!), que felizmente não tinha nada. Descemos na próxima estação e aguardamos o próximo trem.

Cris
CrisPermalinkResponder

Eu estive em Paris em Outubro de 2011 e em Fevereiro de 2012, e não vi nada disso acontecer. Mas eu posso dizer que sempre sou até mais cuidadosa com esse tipo de situação no exterior do que no Brasil. Porque no exterior eu sou estrangeira e não sei se vou receber um tratamento adequado das autoridades policiais, caso algo aconteça algo, quando no Brasil, mesmo que a polícia seja despreparada, eu terei facilidade em refazer documentos, cartões, e registrar B.O. Já fui assaltada e furtada "n" vezes no Brasil, mas nunca no exterior.

Em Paris, esses cartazes pedidno cuidado com oa pickpockets existem sim, inclusive no Louvre e não é de agora.

E em Paris minha mãe quase caiu no velho golpe do anel perto do Orsay, então, isso ralmente não é de agora.

Acho que muita gente se descuida quando vai para a Europa, porque acha que a realidade social é diferente do Brasil, e que lá não existem furtos, nem assaltos. Não é bem assim, e os mesmos cuidados que se tem aqui, deve se ter lá também.

Sobre deixar coisas como dinheiro e passaporte no cofre do Hotel, eu não sou tão otimsta assim. Nunca me aconteceu de ter algum problema com o cofre de hotéis, mas eu prefiro levar meu passaporte e meu dinheiro comigo, sim. Eu levo comigo em lugares meio inacessíveis, tipo na "barrigueira" (ou doleira), por baixo da calça jeans, e sempre deixo algum dinheiro trocado à mão para não precisar abrir a doleira em público. É bem difícil algúma autoridade ou mesmo lojas, etc, pedirem o passaporte, mas vamos que aconteça algo que você precise mostrar o passaporte, sinceramente, não sei se a simples cópia xerox vai ser aceita.

Também chama a atenção que o relato diz respeito a um fato que ocorreu quando os parentes da Priscila estavam no metrô com malas (provavelmente chegando de viagem)... É óbvio que nessa situação, em que a pessoa está mais vulnerável (porque está chegando carregada de coisas, com menor atenção), essa pessoa vai ser mais visada para esse tipo de ação.

Abs,

Cris

Rafael
RafaelPermalinkResponder

Cris,

PERFEITO o que você escreveu, são exatamente os mesmos procedimentos e cuidados que adoto em uma viagem ao exterior. Estive em Paris em maio passado e foi sempre cercado de cuidados básicos, inclusive a questão do cash no cofre do hotel. Nas ruas eu andava com TravelMoney (no bolso da calça mesmo, não serve p/ ladrões) e uns EUR 50 ou 100 em cash no bolso da frente. Passaporte no moneybelt. Caso precisasse de mais € ou em lugares que não aceitam cartão, sacava da conta-corrente no ATM, já próximo do local onde iria gastar.
No métro com a esposa, chegando/saindo da cidade com malas, de vez em quando olhava ao nosso redor para ver se não detectava movimentações estranhas.

Estes cuidados são os mesmos que tomaríamos aqui no Brasil. Mas lá fora, uma dose extra não faz mal, a burocracia pós-ocorrência tem o potencial de arruinar qualquer viagem.

Abs.,

Lili-CE
Lili-CEPermalinkResponder

Rafael, quero te alertar que praticamente todas as vezes que utilizamos o Visa Travel Money nos foi pedida apenas a assinatura, apesar do chip com senha, muito mais seguro. Então acho que deve servir para bandidos, sim. Isso foi em agorinha em julho, em Paris.

Marcia Palhares

Eu também gosto de andar com o passaporte e o dinheiro comigo, sempre na "barrigueira". Mesmo levando a cópia do passaporte, só deixo no hotel as passagens e (às vezes) o passaporte. Os cartoes levo na bolsa, sempre tipo carteiro e na frente do corpo, segurando. Em Milao, saindo do Cenáculo Vinciano, uma amiga quase foi roubada por uma falsa grávida cigana, atravessando a rua. Ela estava com a mao dentro da bolsa da minha amiga. Comecei a gritar e ela fugiu. Depois, já no metro, outra amiga foi roubada, perdeu 100 euros. É que a gente acha que essas coisas só acontecem aqui, mas tem que ficar atento em qq lugar do mundo.

Carlos Henrique Loyo

Oi Cris, em viagens sempre deixo no cofre do hotel meu passaporte, vouchers, cartões que não usarei e grande parte do dinheiro, e levo comigo apenas o cartão que está na melhor data, cópia do passaporte e dinheiro para o dia.
Nunca me foi requisitado por autoridades para mostrar meus documentos, mas em lojas sim, várias vezes (Portugal, Alemanha, França, Itália, EUA, etc.). Pediram para confirmar os dados do cartão na hora de alguma compra ou outra. Sempre mostrei a cópia e nunca tive problemas, todas as vezes aceitaram numa boa.

Bianca
BiancaPermalinkResponder

Estive em Paris pela primeira vez em março desse ano. Fiquei muito impressionada com a quantidade de golpes que vi pela cidade! Começando pelo aeroporto, me ofereceram um taxi por um preço x até meu hotel e quando chegou no meio do caminho o taxista parou no meio da estrada e quis colocar outros passageiros no taxi em que eu e meu meu marido estávamos. Como eu não aceitei, ele disse que a corrida seria o dobro! Como arranho um pouco o francês, fiquei super irritada e mandei que ele me levasse de volta ao aeroporto! Comecei a falar de polícia dentro do carro e ele me levou pro aeroporto! Mas foi uma tensão horrível! Já no jardim ao lado do rio Sena, estava sentada num banco com meu marido, e uma senhora veio nos perguntar se era minha uma aliança que disse ter encontrado no chão, como eu disse que não, ela começou a tentar pegar na minha mão e dizer que era pra eu ficar com a aliança, tive que ser ríspida com ela também! Nós levantamos do banco e continuamos a caminhada até o Grand Palais e não demos 10 passos e um senhor veio com outra aliança perguntado se era nossa! Falei bem alto que não e saí dali! Quando estávamos chegando na ponte Alexandre III, outra aliança no parapeito dela. No Champ de Mars, os imigrantes vendendo réplicas da torre chegavam a ser agressivos na tentativa de nos vender o souvenir! Além disso, havia mulheres que pediam pra vc ler um papel, pedindo dinheiro! Enfim, não presenciei ou sofri qualquer roubo, mas senti um clima bastante estranho em Paris de insegurança! Tive a impressão de que não vai demorar para que as coisas fujam do controle e essas "gangues" se organizem e comecem a enfrentar a polícia, tornando Paris uma cidade perigosa de se visitar!

Danilo
DaniloPermalinkResponder

Quanto pessimismo Bianca. Acho um pouco de exagero o final do seu texto.
Durante uma crise profunda como a que eles passam, é natural que esse tipo de problema aumente, mas não creio em nada tão apocaliptico.
Tem que ficar espesto, roubo na Europa é muito raro, só tem que ficar esperto com os golpes, que existem desde que as primeiras caravelas cruzaram os oceanos...rs

É curioso, eu sempre fico mto esperto com golpes quado viajo, mas quando estou em NY relaxo totalmente, é impressionante a sensação de segurança que aquela cidade transmite, ao contrário de Roma, ou Las Vegas, por exemplo.

Liliana
LilianaPermalinkResponder

Não acho exagero. E roubos na Europa são qualquer coisa menos raros.É só olhar uma pesquisa anual que o tripadvisor faz das top 10 cidades do mundo onde mais se batem carteira. Na lista deste ano só tem 2 cidades não européias. Barcelona está no topo desde 2009 e Paris aparece em quinto, e está sempre presente na lista. http://mytropicalsun.com/popular-articles/top-10-pickpocket-cities.html

Ricardo Lage
Ricardo LagePermalinkResponder

Liliana,

Essa informacão do tripadvisor é tendenciosa: "The selection, based on comments left on internet forums, also includes Rome, Prague, Florence and Amsterdam." Ou seja, reflete provavelmente a opinião de uma amostragem especifica que não pode ser extrapolada para todo mundo que é assaltado assim.

Eu adoraria ver uma estatística per capita de roubos e assaltos em cada cidade. Este número seria um indicativo maior do tamanho do problema. É muito difícil afirmar que Paris é perigoso apenas porque você ou seus conhecidos sofreram algum tipo de problema.

Eu já visitei Paris inúmeras vezes e agora moro aqui. Nunca vi ou sofri qualquer tipo de tentativa de assalto. Mas e daí? Minha experiência pessoal não pode ser extrapolada para uma cidade de milhões de habitantes.

Portanto, muito cuidado ao afirmar coisas como o problema é grave ou está piorando baseando-se apenas em relatods daqui e de pessoas que conhece.

Danilo
DaniloPermalinkResponder

Eu disse ROUBOS, e não furtos wink

Bianca
BiancaPermalinkResponder

Danilo, eu até entendo que a Europa esteja passando por uma crise econômica complicada e tenho certeza que esses tipos de golpes acontecem há anos. Viajei pela primeira vez para Europa esse ano, em março e agora em agosto. Fui a Londres e não vi nada demais, em Amsterdam também não, nem Roma, Veneza, Bélgica ou Sul da França (lugares onde estive nessas duas vezes). Acontecem golpes nesses lugares? Claro que sim! Mas dentro de um padrão de normalidade. Ocorre que em Paris eu não me senti segura! Nada que me afastasse da cidade, tanto é que fui em março e voltei em agosto, para ficar mais tempo! No entanto, eu não esperava ver tantos golpes de forma tão corriqueira em Paris! Principalmente por ser a cidade mais visitada do mundo. O clima de insegurança lá está latente! Nada de muito grave, mas desagradável ao turista! Eu acho que, em plena torre eiffel, um bando de imigrantes te abordando de forma agressiva e não haver qualquer tipo de policiamento por volta acaba por reforçar a ação desses golpistas. E se hoje eles estão apenas importunando os turistas ou até mesmo pedindo desculpas quando não conseguem realizar um roubo (como descrito em um dos depoimentos), daqui a alguns anos, com certeza estarão mais fortes e organizados e vão assaltar mesmo! Tacar o terror! Eu li, acho que no conexão paris, que antes, quando a polícia chegava, esses grupos saiam correndo, mas agora eles se unem e enfrentam a polícia! Não estou afirmando nada, mas apenas dando minha opinião, a sensação que eu tive da cidade!

candida silva
candida silvaPermalinkResponder

Quando estive em Paris, em fins de setembro/2011, saí do aeroporto Charles de Gaulle de trem + metro, sem problemas. Inclusive com ajuda de muitos para vencer as escadarias das estações velhas e nem sempre com escadas rolantes ou elevadores, com minha mala. Agora, em julho/2012, em Madri sofri uma tentativa desses batedores de carteira, em frente à Catedral de Almudena. Eram 4 mulheres, jovens, na faixa dos 20 anos. Elas me cercaram na calçada e senti um "encontrão". Parei imediatamente e peguei a bolsa para olhar. Usava uma dessas bolsas pequenas cruzadas ao corpo. Elas pararam e eu as olhei firme. Elas disfarçaram, uma delas pegou um mapa e disse, em espanhol, para as outras q o caminho era noutro sentido. Vi a bolsa aberta e ao verificar o "prejuizo", constatei q elas só conseguiram levar um pacote de lenços de papel para bolsa! hahahahaah Qdo viajo, além de usar bolsas pequenas, não uso carteira. Dinheiro e moedas levo em um pequeno porta níquel. Os cartões levo em um porta cartão. Ou seja, tudo vai separado e distribuído nos 2 bolsos da bolsa. Elas abriram o bolso "principal", onde só tinham coisinhas de higiene pessoal para o dia. Dinheiro, cartão, Ipod e celular estavam em outro bolso, menor, com cara de "menos importante"...

Luffi
LuffiPermalinkResponder

Em Maio voltei a visitar Paris e logo na primeira manha assistimos ao trabalho de carteiristas mesmo na nossa frente, 2 rapazes de ar do norte de africa roubaram mesmo na nossa cara a carteira de umas chinocas, elas nem deram conta!!! Gritei e eles fugiram mas fiquei sem saber se tinham mm levado alguma coisa, quando falei com elas as senhoras nao perceberam nada de nada em nenhuma lingua, nem gestos. Depois de tentar e elas ficarem olhando para mim com cara de parvas virei costas e vim embora.

Guilherme
GuilhermePermalinkResponder

Eu uso "doleira" em qualquer viagem pra dinheiro, câmera e iPhone. No bolso, apenas o ticket do metro e algumas moedas...

Gabriela
GabrielaPermalinkResponder

Esse mesmo método de bater carteiras foi usado com meu pai no metro de Madri. No caso deles, eram 3 mulheres, sendo duas grávidas, que ficaram paradas na porta atravancando a passagem. Quando ele entrou, um senhor comentou sobre o furto e ele gritou com a mulherada até elas devolverem a carteira dele...
Em Paris eu vi um africano roubando a bolsa de uma mulher na Champs Elysee, ele arrancou dela e saiu correndo!

Renata Marbella

Também fiquei assustada com a sensação de que está descontrolada a situação em relação à marginalidade na cidade. Fui para lá em Novembro 2011 ( foi minha 10a vez na cidade) e também quase fui roubada pela gangue das romenas. Vi elas sendo levadas pela policia em outro lugar um dia depois e fui falar com um policial e ele falou que logo elas estariam de volta nas ruas ( provavelmente por serem menores). Além disso também tive meu apto invadido, e levaram o dinheiro que tinha deixado trancado na mala. E ainda tive que ficar feliz por nao terem levado meus documentos e cartões brasileiros. A policia foi muito ruim, eu falo francês e achei uma porcaria o serviço deles, super despreparados para uma cidade dessa. Estão piores que aqui. Eu que amo a cidade acho que vou demorar um pouco para voltar.

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Vejo avisos de pickpockets em Paris e Londres desse a década de 90. Posso ir para uma festa chique no exterior que tenho uma bolsa a tiracolo, nada fashion. Se eu não conheço como é, não é minha cidade, me previno, chego a ser quase paranóica. Não deixo todo meu dinheiro no hotel - já vi e ouvi relatos de roubos em quartos. Também não deixo todos meus cartões na carteira - a doleira traz alguns. Idem dinheiro - na carteira, o que preciso para o dia. Conheço um morador que foi espancado por 3 caras que levaram o relógio dele numa estação de metrô em Berlim. Eu já viajei tanto sozinha, fui para Paris com minha mãe e só senti medo em Las Vegas na Freemont. Tô indo a Paris pela 6a, mas vou redobrar a atenção. Estou chocada. Obrigada trips e Mariana!

Ricardo Lage
Ricardo LagePermalinkResponder

Gente,

cuidado com o efeito do reforco positivo: Só porque vocês passaram por este problema ou conhecem alguém, não significa que o problema é grave ou acontece com todo mundo ou está aumentando. A sua experiência pessoal não pode ser extrapolada para toda uma cidade com milhões de habitantes.

Não quero com isso dizer que não é preciso se precaver. Tome precauções mas relaxe. Curta a cidade. O número de pickpockets quase sempre foi o mesmo.

Não achei sobre o Paris, mas tome o exemplo de Londres que suspeito ser similar: http://www.dailymail.co.uk/news/article-2175867/London-Olympics-2012-As-1-700-fall-victim-pickpockets-day-Eastern-European-gangs-it.html Repare no gráfico no final do artigo que desde 1993 o número de casos é praticamente o mesmo, com exceção de 2008-09.

A diferença para VOCÊ é que agora VOCÊ foi assaltado. Aí VOCÊ começa a reparar nos avisos sonoros, nas placas, nos outros relatos. Então parece que o problema ficou mais grave. Não ficou não. É só o efeito do reforço positivo operando no seu cérebro. smile

Marcelo
MarceloPermalinkResponder

Caro Ricardo,
Não li o artigo indicado por você, mas ele, provavelmente, fala dos casos registrados (até mesmo porque não há como medir os que não foram registrados).
De qualquer maneira, o fato dos registrados terem se mantido não inviabiliza, estatisticamente falando, o aumento dos não registrados.
Ainda que a tese do reforço positivo mereça ser citada, ela, por si só, não esgota o problema.
Lembre-se que o "homem médio" não gosta do ambiente nem da burocracia de um registro policial.
Por fim, com a crise, é praticamente certo que as ocorrências em cidades/países que sejam turísticas ou que ainda não estejam sofrendo severamente os efeitos da tal crise aumentarão, já que o instinto de sobrevivência do criminoso fará com que ele migre de onde há menos matéria prima (sua cidade/seu país em crise) para onde onde haja mais (cidade/país turístico ou que ainda não esteja tão em crise).

jose  freitas
jose freitasPermalinkResponder

O trip acima é um excelente otimista.Parabéns, amigo.
Viva 7 de Setembro.Nossa Independência. Viva o Brasil !!!!!
abç,
zefreitas

Marcio Antonio

Da primeira vez que fui para a Europa, em 1998, já avisavam dos batedores de carteira. Mas nunca tinham tentado absolutamente nada, nem contra mim, nem contra quem estava comigo, até 2006. Eu era voluntário nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Turim, e tinha acabado de voltar do trabalho, estava com uniforme de voluntário e mochila nas costas, esperando um semáforo abrir. Veio um casal, parou atrás de mim e o cara "ajeitou" o cachecol, de modo que cobrisse o zíper da minha mochila. Eu percebi e me virei na hora, dei uma encarada, e ele fingiu que não era com ele. De qualquer modo, ele não teria achado nada de valor na mochila porque estava tudo nos bolsos internos do meu casaco...

Em 2010, no metrô de Roma, meus pais, minha namorada e eu tínhamos entrado no vagão em Termini quando uma mulher com um bebê (na verdade, uma boneca) pendurado na frente deu um esbarrão no meu pai e logo depois recuou, saindo do vagão bem quando a porta estava fechando. Naquela vez ela ficou com as mãos abanando, porque eu já havia avisado todo mundo, então dinheiro e cartões estavam sempre por dentro da roupa, inacessíveis.

O que eu realmente lamento é a falta de uma ação policial mais enérgica contra esse tipo de coisa. Já li muitas histórias em que as pessoas vão registrar a ocorrência na polícia e são tratadas quase como se tivesse sido culpa delas terem a carteira roubada. Não duvido que role muita corrupção nisso, e por isso os pickpockets sigam atuando livremente. Ainda mais em locais como Paris ou Roma, que têm um apelo irresistível e que as pessoas nunca deixarão de visitar (em alguns casos, mesmo depois de experiências desagradáveis).

Mari
MariPermalinkResponder

Turista é alvo certo em qqr lugar.
Qdo a gente viaja fica mais relaxado, não toma tantos cuidados e não presta mta atenção nas pessoas a nosso redor.
Por isso sempre PROCURO NÃO PARECER TURISTA: já saio com uma rota pré-determinada; não deixo guia de viagem, mapa, máquina fotográfica à mostra; ando de cara fechada observando todos.
Nunca tive problemas, nem em Paris, nem em Roma, nem em Barcelona, nem em Buenos Aires.
Pode ter sido sorte.
Mas prefiro ser paranoica!!!

Thiago Farias
Thiago FariasPermalinkResponder

Fui em Paris pela primeira vez esse ano, com minha esposa. Carregamos as malas no metrô, tanto na chegada como na saída da cidade. Não tivemos problemas algum (Tirando o monte de escadas!!!). Mas é claro que sempre estávamos atentos nas áreas de aglomeração, como o metrô. Tinha sempre aquele pessoal pedindo para você assinar alguma coisa e tal, simplesmente não dávamos atenção.
Paris, assim como a maioria das capitais europeias, é um lugar para se apreciar, os cuidados existirão, mas nem se comparam aos riscos que corremos diariamente no Brasil.

Renata
RenataPermalinkResponder

Oi gentennn também tenho um relato sobre os pickpockets ano passado fui pra Paris estávamos em quatro logo que saímos do vagão do metrô (não me recordo o nome da estação se eu lembrar eu coloco aqui) e íamos pegar a escadaria logo vi uma garota puxando a carteira de um Sr. “ele estava subindo as escadas”que logo percebeu e conseguiu recupera-la, então nos estávamos descendo e a garota chegou junto logo nos separamos descemos em fila e de olho na garota que estava com mais três, dessa nos escapamos mas na visita ao redor do Louvre no mesmo dia não tivemos tanta sorte uma pessoa teve a carteira roubada.
Galerinha conselho bolsa e mochila com fecho zíper e outros acho que vale até usar porta nota que você coloca por baixo da roupa, tudo para dificultar a ação dos pickpockets.

Carlos
CarlosPermalinkResponder

Eu tive o mesmo problema em Nice. Entrei no bonde que leva a Place Massena e derrenpente em ponto uma menina, com o cabelo escondendo o rosto, esperou a porta quase se fechar e um homem que estava no bonde abriu a porta pare ela descer, ela jogou minha carteira de volta para dentro do bonde. Quando vi que era minha carteira tomei um susto, pois ela estava dentro do bolso da minha bermuda, na parte baixa da bermuda e o bolso estava fechado com fecho de pressão. Não sei como ela conseguiu pegar minha carteira, nem notei. O homem que abri a porta para ela disse: você acha que é só no brasil que isso acontece? Aqui também tem disso. Ele falou em portugês, acho que ra senegalês, fiquei em dúvida de ele estava junto com ela ou não. Por sorte só tinha 100 euros na carteira. Ainda bem que ela devolveu, pois minha carteira de motorista e meu cartão de crédito também estavam na carteira.

Fabio
FabioPermalinkResponder

Sempre viajamos com o foco na segurança, mas realmente Paris tem uma atmosfera que não permitiu relaxar. Quando os golpistas iniciavam os atos preparatórios, fazia cara feia e seguia. Sofremos a tentativa do golpe do anel. Tive que puxar minha esposa pelo braço. Tivemos a impressão de uma cidade de "pega-turistas". Estivemos em cidades como Lisboa e Londres e em nenhuma dessas cidades vi algo próximo do que ocorria em Paris. Posso afirmar que alguns relatos lidos aqui não são de pessoas alarmistas, pois nada sofri e tive a mesma impressão. Isso decorre de mera observação, quem mora em grandes cidades no Brasil é escolado no assunto. Paris destou negativamente nesse aspecto. Como é um dos maiores destinos, é o foco da malandragem. Apesar de falar francês, quando estranhos ou vendedores impertinentes se aproximavam dizendo nomes de nacionalidades ou speak english, eu dizia sério e firma "fale português, não te entendo, me desculpe". Cautelas de praxe todos adotamos, mas quando passa do normal fica chato. Os franceses foram muito gentis em geral, mas os golpistas realmente são irritantes.

Bianca
BiancaPermalinkResponder

Fábio, entendo completamente o que vc disse! Tivemos exatamente a mesma impressão sobre Paris! Concordo com tudo que vc disse, inclusive também falo francês e agia da mesma forma que vc com os impertinentes, falava sério e alto em português. Eles não entendiam e se afastavam.

Marcio
MarcioPermalinkResponder

Aproveitando o tópico, alguém pode comentar sobre como anda a situação de golpes e batedores de carteira nos EUA, em cidades como Miami, Orlando, NY, Las Vegas ou Los Angeles ?
Faz algum tempo que não vou e estou muito preocupado também pois os EUA passam por grave crise economica.
Agradeço os comentários.

Lili-CE
Lili-CEPermalinkResponder

O aumento da pobreza em Paris é visível. Estive lá 3 vezes: 2005, 2011 e 2012. Entretanto, mesmo vendo uma cidade e um povo mais rico na primeira vez, só não assisti cenas de criminalidade em 2011. Talvez por ter passado apenas 2 dias inteiros lá. Simplesmente não deu tempo. Acontece em todo lugar. Minha fórmula é a seguinte: bolsa carteiro na frente do corpo, porta-dólares, mala de mão que vira mochila, com cadeado, e a mala propriamente dita. Na prática só carrego um volume entre aeroportos e hotéis. Nas saídas, se preciso, ainda abraço a bolsa na cara dura. E estou salva? Não. Já fui vítima de um casal de descuidistas numa loja bacana em Buenos Aires, Paula Cahen D'Anvers. Levaram minha compra anterior.

Luciano
LucianoPermalinkResponder

Paris é linda e não presenciei e nem passei por nenhuma dessas situações ! Porém , os cuidados sempre foram redobrados e não permiti que ninguém se aproximasse em nenhuma situação ( metro,lojas,RER,Eurosisney) quanto ao retorno pro aeroporto com malas, sugiro serviços oferecidos no hotel de translado pois sao mais seguros,rápidos e se vc estiver com outra pessoa( esposa,mãe,amigo) o valor é de 18 euros por pessoa e o metro é 10 euros, ou seja, uma economia que eu não quis fazer! Au revoir!

Luiz
LuizPermalinkResponder

Olá, todos. Viajo hoje, 07 de janeiro de 2013, para Lisboa. Depois, sigo para Veneza, Barcelona e Paris. Li todos os relatos e estou com a sensação de que seria prudente deixar passaporte, dinheiro, cartões de crédito, notebook, câmera fotográfica, Ipad e vouchers distribuídos pelo cofre que fica no quarto do hotel, na mala com cadeado e na mochila, também com cadeado. Imagino ir para a rua apenas com uma cópia do passaporte e dinheiro vivo suficiente para deslocamento, comida, uma compra ou outra. Parece uma boa idéia para vocês? Creio que sempre há o risco de ter o cofre no meu quarto de hotel assaltado, mas parece-me incômodo e mais perigoso sair com tudo de valor na doleira amarrada à cintura, uma atitude repetida ao longo de toda a viagem. O que vocês acham?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luiz! O cofre do hotel é mais seguro do que a rua.

JONATAS
JONATASPermalinkResponder

Ser furtado não é nada bom, mas lendo estes comentários lembrei do meu pai, hoje com mais de 80 anos e saudoso de que a violência no Rio de Janeiro se resumia aos punguistas. Era feliz e não sabia.
Para diminuir o risco de ter um grande prejuízo, o que faço é distribuir dinheiro, cartões em vários bolsos, nomalmente uso calça ou bermuda cargo ou com muitos bolsos. Ponho também a carteira no bolso na horizontal, se o bolso for pequeno até eu tenho dificuldade de tira-la. Na minha próxima viagem tentarei usar um doleira, espero me adaptar. Uso também o cofre do hotel e algum esconderijo na mala e a medida da possível civilidade ficar atendo a estranhos mesmo que sejam acima de qualquer suspeita como idosos ou grávidas.

Márcio
MárcioPermalinkResponder

Estive em Paris em dezembro de 2011 e não vi nada de violento por lá, mas em Madri um batedor de carteiras tentou levar a minha no metrô quando estava com mochila nas costas indo para o aero, vi o que se passava e pedi para devolver a carteira. Ele devolveu a contra-gosto hehehe.
Em Lisboa presenciei uma gangue de batedores em um bonde, eram pelo menos 8 homens e mulheres, tentando levar a carteira de duas brasucas. Por sorte não conseguiram

Ivan
IvanPermalinkResponder

Alguém esta sabendo da greve do trem que ocorrera nesta segunda, 03/06? O metro sera afetado? Recebi a informaçåo por meio do aplicativo da RATP, mas para mim nao ficou claro se a greve durara um unico dia ou mais tempo. Grato.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ivan! A greve afeta trens e metrô. Não há muitas notícias online; se estiver em Paris, provavelmente você terá acesso às informações mais facilmente.

ciro francisco de almeida

Gente...! Que pena! Confesso que me sinto mal ao ler que essas coisas vem acontecendo tão farta e repetidamente, com praticamente todos os visitantes de Paris.
Tivesse eu lido isso há uma semana atrás, certamente reconsideraria minha viagem marcada pra agosto; e, tentaria fazer um pacote com grupos que passam todo o tempo da viagem dentro de van e bus de turismo (... ou qq outra coisa parecida) ou até, nem iria mais.
Estive algumas vezes em Paris há cerca de vinte anos, e passei por algumas situações em que "chavequeiros", falando inclusive vários idiomas, tentavam passar produtos de origem duvidosa por preços que variavam e chegavam cair até 80%. Em Roma fui perseguido por um bandido, pelas ruas próximas do Coliseo, e no guichê da estação de trem, o bilheteiro quase conseguiu me dar um "chapéu" que se desse certo, teria que abreviar a viagem em muitas liras. Apesar de tudo, eu era bem mais jovem e forte e não temia tanto, pois se não conseguisse sair "na mão" com um vagabundo desses, haveria sempre disposição, vigor e agilidade pra correr. Hoje, entretanto... o físico bagunçado pelo peso dos anos, me deixa preocupado com a possibilidade de ter que enfrentar certos abusos como os relatados aqui.
Aumenta em muito as minha expectativas e me convenceram agora, que certamente será uma 'emoção atrás de outra'; uma viagem "surpreendente e encantadora" como sempre foi visitar Paris.

Mauricio Iglezias

acabo de ser roubado no metro de Paris. Eu que ainda falava para minha mulher que brasileiro era esperto com estas situações e que nunca aconteceria conosco. Pois é aconteceu. Não percebi direito mas eram meninas de no máximo 13 ou 14 anos, quando vi, minha carteira já estava no chão nos meus pés, e ainda bem que vi pois senão iria descer sem ela. Roubaram só o dinheiro, uns 150 euros, deixaram todo o resto, inclusive o visa travel. A sensação é de revolta. Minha vontade é de andar com uma carteira fantoche no bolso, deixar que tentem te levar e encher de porrada até quebrar os dentes delas. Mas eu que acabo sendo preso. E eu que achava que São Paulo era perigoso.....piada.

Renata
RenataPermalinkResponder

Aconteceu comigo também. Eu e minha amiga chegamos em Paris e numa primeira lojinha dentro de uma estação que paramos para comprar um guarda-chuva a vendedora nos alertou sobre essa prática, e nos aconselhou a tomarmos cuidado com os romenos.
No nosso último dia de viagem, quando a porta do metrô abriu, três meninas com no máximo 15 anos seguraram o cano que fica bem na entrada do vagão, impedindo nossa entrada, enquanto outros adolescentes nos empurravam pra entrar.... eu achei aquilo muito estranho pq o trem estava quase vazio.... Me deu um clique e eu olhei pra baixo. A menina já tinha aberto o zíper da minha bolsa e estava com a mão na minha carteira... eu fiz o maior escândalo, a porta fechou, segurei a mão dela pra ter certeza que não tinha pego nada... o resto delas correu. Dei muita sorte porque como estávamos deixando a cidade, todo meu dinheiro, cartões e passaporte estavam na carteira.... Já da bolsa da minha amiga levaram a necessaire de maquiagem dela, provavelmente pq tinha o formato bem parecido com uma carteira.... Quando contei pra uma amiga, ela me disse que os pais dela também passaram pela mesma coisa, só que em Roma....

Aline Carvalho

Olá, eu e meu marido iremos para Paris e Roma em maio. Vi que uma dica é deixar o passaporte no cofre. Mas não devemos sempre estar com o passaporte para identificação? Fiquei em dúvida com essa dica.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Aline! Você pode andar com um xerox da folha onde aparecem os dados ou mesmo sua carteira de identidade brasileira.

Amanda
AmandaPermalinkResponder

Tenho um relato bem recente para lhes contar, ainda estou meio atônita com tudo isto.
Cheguei em Paris na semana passada (14/05/2014) em lua de mel e fui uma vítima. Me furtaram na Estação Gare Nord, vindo da Itália pelo aeroporto CDG. Por uma piscada de olhos de distração, levaram minha bolsa com tudo dentro, prejuízo dos grandes. A nossa sorte é que os passaportes estavam no casaco do meu marido. Então, não recomendo que peguem trem no aeroporto para chegar ao Centro da cidade. Usem táxi, schuttle, qualquer coisa, menos o trem! Esses bandidos estão de olho em turistas com malas, celulares e bolsas para roubar. Eles são tão profissionais, que nem sei dizer quem furtou a bolsa. Logo em seguida fomos à polícia para registrar o furto. Ainda mais despreparados que a polícia brasileira (quase nenhum policial fala inglês), registraram o furto apenas para estatísticas. A partir daí passamos a andar só com a cópia do passaporte. Ainda bem que foi no final da viagem. Muita atenção em Paris e sinceramente, não sei se volto tão cedo!!!

Marco Aurelio
Marco AurelioPermalinkResponder

Olá,
O problema é realmente sério, cheguei em Paris quarta-feira proveniente de Londres e ao entrar no metro em Gare-nord com minha família um desses batedores de carteira tentou furtá-la do bolso DA CALÇA, tomei um susto, ao perceber minha reação o homem saiu do trem quando foi imediatamente preso por policiais franceses à paisana. Pararam o trem e me pediram pra prestar uma declaração que não levou 10 min, as autoridades, parece que acordaram pro problema,há muito policiamento nos pontos turisticos, mas a sensação de insegurança é grande. Volto pro Brasil amanhã, porém triste pelo ocorrido que me deixou alerta ao extremo e "apagou" um pouco o brilho dessa cidade-luz.

Thiago
ThiagoPermalinkResponder

Obrigado pela informação. Uma pequena correção, no entanto. Os criminosos são ciganos (ou romas), não romenos. Podem até ter serem provenientes da Romênia, mas associar a população daquele belo país a um povo que infelizmente tem péssima fama mundo afora é ruim.

Amanda
AmandaPermalinkResponder

Olá
Sou a Amanda, da publicação de 22/05/2014.
Como registrei o furto, a polícia me mandou uma carta 30 dias após o ocorrido me informando que minhas coisas foram encontradas.
Só acreditei pra valer quando um amigo que estava lá trouxe minhas coisas pro Brasil. Ele trouxe a bolsa, carteira, 2 brincos de ouro, maquiagem, remédios, e pasmem, os 1320 euros estavam lá intactos! (levaram o Iphone e o Ipad).
Com isto, oriento aos que infelizmente ainda venham a passar pelo triste episódio de ser furtado, que vá até a delegacia para registrar o furto.
Isto jamais aconteceria aqui no Brasil!!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Que bom, Amanda! Obrigada por compartilhar!

marly
marlyPermalinkResponder

boa noite , estou muito impressionada com os relatos que li aqui, me deixou muito triste por ter que me comportar como se em Sampa estivesse , preocupada em ter que dividir minha atenção com a beleza e com a miséria humana que que assola todos os lugares. É realmente uma pena! Vou á paris em setembro, 09 e ficarei 10 dias, meu marido adora filmar tudo o que ve, e anda com a câmera a tiracolo, o que fazer? desistimos de filmar? E quanto aos cofres do hotel, são seguros? há históricos de furtos em hotéis ? vou ficar no Mercury montparnasse , é seguro? Pena ter que utilizar esse post para perguntas sobre segurança, de qualquer modo muito legal as informações, nos alertam e ajudam a prevenir problemas. Obrigado

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marly! Não existe lugar 100% seguro. A oportunidade faz o ladrão, certo? Em Paris você dificilmente será assaltado à mão armada. O que acontece lá são os pequenos furtos. Em qualquer lugar do mundo, temos que tomar cuidado. Pode filmar, pode fotografar, mas mantenha a sua câmera sempre perto de você, bem segura. Deve-se ter o mesmo cuidado com bolsas, carteiras e celulares.

Cofres de hotéis costumam ser seguros. Deixe passagens, passaportes e dinheiro sempre no cofre. Se fizer compras, coloque dentro das malas e feche com cadeado. Não custa se prevenir, para não ter estresse depois.

marly
marlyPermalinkResponder

quero agradecer muito a delicadeza em responder meu comentário prontamente, estou mais tranquila qto a segurança, farei tudo como planejamos , mas nos cercaremos de mais cuidados. parabéns pelo completo blog, informativo, sensível e muito diferente qdo nos leva a conhecer locais até então escondidinhos, lindos e cheios de charme, vou preparada para conhecer paris explorando todas as suas dicas. abraços e parabéns.

Rafael
RafaelPermalinkResponder

Olá pessoal, eu gostaria de saber se posso andar por Paris (leiase Europa) sem meu passaporte no bolso? Meu RG vale lá se acontecer qualquer imprevisto? Qual a recomendação? Muito obrigado de novo,

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Rafael! Deixe seu passaporte no cofre do hotel. Veja outras recomendações de segurança neste post: https://www.viajenaviagem.com/2013/07/europa-inseguranca-turismo

Jose Guilherme

Estou em viagem de férias com minha mulher desde dia 2/11, passamos pela Grécia, Istambul, Munique e hoje chegamos em Paris, cidade que eu nunca tive vontade de conhecer, apesar de ser praticamente unanimidade ela ser "maravilhosa", pois bem chegamos de TGV vindo de Munique e fomos direto para o metrô, pois nosso apt alugado fica em Marais, seguindo as dicas fomos descendo e andando por corredores sujos, fedorentos, inclusive de urina, até chegarmos na linha que precisávamos pegar, o 1º trem veio lotado e foi impossível entrar com as malas, decidimos esperar pelo próximo, que estava mais vazio, ao entrarmos fiquei de pé no meio da entrada e tinha um cara de pé encostado no poste central do vagão ocupando todos os pontos onde eu poderia me segurar, como as malas eram pesadas, fique sem equilíbrio e veio outro homem, já com seus 50 anos que ofereceu ajuda e liberou o canto da porta onde ele estava para eu poder ficar com as malas, foi aí que me dei mal, os caras desceram logo na 1ª estação que o trem parou, alguns segundos depois notei que minha carteira já era, pois é, o bobo aqui, mais que viajado e supostamente prevenido, acabou esquecendo de colocar a carteira no bolso da frente ao entrar no metrô, porque estava preocupado em não errar a rota no metrô, eu como disse antes, nunca tive vontade de conhecer Paris, acho q sou um dos poucos que pensam assim, mas temos que fazer a vontade da patroa não é mesmo?
Amanhã vou fazer o registro do furto, na realidade nada de valor foi levado, pois eu tinha apenas 5 Euros, 4 bilhetes de metrô, meu RG e CNH Brasileiros, alguns cartões de visita e minha identidade funcional, tudo muito fácil de ser reposto e praticamente sem custos, mas a aporrinhação e sentimento de trouxa que fica é absurdo, já encarei mundo afora locais que muitos sequer pensariam em entrar e nunca tive qualquer problema, só sei o seguinte, ainda tenho 6 dias em paris, quem chegar perto de mim ou de minha mulher vai se arrepender, porque vai sair coice pra todo lado e NUNCA MAIS volto nessa cidade, existem muitos locais no mundo melhores do que aqui e onde você pode andar sossegado, basta ter que ficar estressado com Segurança no meu próprio país, não preciso gastar em Euros para passar por esse tipo de situação.

Marcio
MarcioPermalinkResponder

Estou em minha segunda viagem pela Europa, e apesar de sempre ouvir falar deles, nunca vi a ação dos mesmos.
Como bom brasileiro, estou sempre ligado, não tem como baixar a guarda totalmente, mesmo estando na Europa, com tantos estranhos do leste europeu.
Dinheiro e itens de valor estão sempre escondidos e bem, e nunca numa bolsa facilmente acessível, ora, quem deixa valores altos em bolsas assim, ou é porque vive no primeiro mundo (e não sei como não se precavem mesmo assim) ou é desatento mesmo no Brasil, aliás, é o que mais vejo, as pessoas distraídas no perpétuo Brasil com sua violência, imagina então ficar distraída na Europa.

Eu não tive problemas nem nossa Estados Unidos, onde eu andava com meus pertences, dinheiro, iPad, tudo, dentro da mochila. É só tweet atenção e não se descuidar de suas coisas.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar