Teleférico do Alemão: altas aventuras

Mariana Amaral
por Mariana Amaral

AfroReggae

AfroReggae

Um leitor perguntou por aqui, não faz muito tempo, sobre como chegar de Copacabana ao teleférico do Complexo do Alemão. Me antecipei à Bóia e expliquei que era uma região distante, de acesso complicado, e que valia mais a pena procurar outras atrações em comunidades mais próximas, como o Vidigal ou o Santa Marta. Considerava o teleférico mais um meio de transporte a serviço da população local do que efetivamente uma atração turística.

Considerava – até andar no teleférico!

Teleférico do Complexo do Alemão

Teleférico do Complexo do Alemão

Minha estréia não poderia ter sido melhor. Minto: poderia, se tivesse chegado umas duas horas antes, para ver lá do alto o pôr do sol. Já era noite quando saí da estação terminal de Bonsucesso em direção ao Morro do Adeus, a primeira entre as cinco paradas do teleférico (Adeus, Baiana, Alemão, Itararé e Palmeiras). Lá estava montado o palco do Projeto Aquarius, que há 40 anos realiza grandes apresentações de música clássica ao ar livre e é uma tradição carioca. O programa especial de Natal no Complexo do Alemão teve como convidados a Orquestra Sinfônica Brasileira, o AfroReggae, e ninguém mais, ninguém menos do que Alcione, a nossa Marrom.

Orquestra Sinfônica Brasileira

Orquestra Sinfônica Brasileira

PúblicoAlcione e Roberto MinczukPalco | Alcione e Roberto Minczuk

Que beleza foi ouvir a popularíssima suíte do Quebra-Nozes de Tchaikovsky seguida de Não Deixe o Samba Morrer – cada uma um hit de seu gênero, e igualmente emocionantes. Mas o melhor momento do espetáculo, devo admitir, foi a versão sinfônica de Meu Ébano. Jamais imaginei que nessa vida escutaria os versos “não posso dar mole, senão você créu” com violinos ao fundo. Isso é que é clássico, pessoal.

Alcione e OSB

Alcione e Orquestra Sinfônica Brasileira

A noite terminou com Noite Feliz com aquele vozeirão todo da Marrom (já pensou?), acompanhada pelo Coro de Crianças da OSB, queima de fogos e a inauguração da árvore de Natal do Complexo do Alemão. Lindo, lindo, lindo.

AlcionePúblico, Projeto AquariusÁrvore de Natal, Complexo do AlemãoAlcione | O público | Árvore de Natal

E o melhor é que, no final, era hora de andar de teleférico de novo! Eba!

Sobre o teleférico, minha opinião: sim, o acesso é complicado; sim, é mais um meio de transporte para os moradores do que um passeio, propriamente – mas isso não quer dizer que não seja um programaço para um turista.

Morro do AdeusEstação do TeleféricoMorro do Adeus | Estação do teleférico

As duas estações que eu vi estavam tinindo de novas e eram muito bem sinalizadas. Os funcionários foram cordiais e atenciosos. As cabines são muito confortáveis, com capacidade para 8 pessoas (6 são o número ideal, eu acho). A viagem custa só 1 real, com direito a uma vista incrível e friozinho na barriga. Passa lá no Nós no Mundo pra ver as excelentes fotos e o relato completíssimo que o Diego Paiva fez sobre o passeio, ensinando como chegar e tudo mais.

Teleférico do Complexo do Alemão

Tomara que não tarde para outros eventos como o Aquarius acontecerem no Morro do Adeus. O espaço para shows é muito bom (de todo lugar dava para ter uma excelente visão do palco), e a combinação com o teleférico faz o evento mais especial ainda. De qualquer forma, se um leitor perguntasse hoje se vale a pena ir até o Complexo do Alemão para passear de teleférico, minha resposta seria: ô se vale!

Leia mais:

10 comentários

Roberta Sanches

Amei o post!!!! Realmente o passei de teleferico foi uma das experiencias mais emocionantes que já vivi na cidade maravilhosa. Acho que pra quem vai de carro ou taxi até a estação de Bonsucesso deve ser mais facil do que chegar de trem - até pq descobri que nos finais de semana os trens tem horarios bem mais limitados...
Quando eu estava no teleferico, conversei com alguns moradores que o utilizam diariamente como meio de transporte. Foi realmente um divisor de água para eles - mais rapido, facil e barato. Uma das meninas que dividiu o teleferico comigo disse que morre de medo de altura, mas que mesmo assim utiliza, pois a economia de tempo e dinheiro é grande!
bjocas!

Analu
AnaluPermalinkResponder

Que homenagem bonita ao concerto e ao Morro do Adeus! Mais um roteiro emocionante e aventureiro no Rio de Janeiro smile A experiência é fantástica e concordo que vale MUITO a pena!!! O passeio de teleférico é nota 10! AMEI! Parabéns pelas fotos e pelo post, Mariana. Adorei! Bjoo

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Assino embaixo: o passeio no Teleférico is the new Sugar Loaf! Muito legal pegar o bondinho, e as estações estão mesmo muito bem cuidadas. Grande pedida, especialmente com concerto + Marrom lá em cima. Fica como sugestão pra Prefeitura: incentivar a visita ao Alemão com uma agenda de eventos culturais. É bom para os moradores e pra quem vai conhecer pela primeira vez. Ótimo texto, mais uma vez!! Beijos

Diego Paiva
Diego PaivaPermalinkResponder

Que ótimo, Mariana! Não sabia desses programas culturais no Complexo. Tem algum lugar onde eu possa encontrar informações sobre os eventos?

A vista à noite deve ser linda tb... Preciso voltar!

Muito obrigado pela indicação do post que escrevi para o Nós no Mundo. smile Ver uma citação do post, aqui no VnV, não tem preço! Honra!

Abraços.

Adri Lima
Adri LimaPermalinkResponder

Agora o Rio já tem sua versão do Elevador Lacerda! grin

Andreia Silveira

Nossa me senti la, com toda essa emoção que você descreve deve ser incrível, vou colocar no meu cronograma um passeio de bondinho no Alemão, para minha visita ao Rio, tenho a impressão de que será inesquecível, e mesmo que seja mais complicado o acesso vou me arriscar nessa aventura !!!

Julio Corrêa
Julio CorrêaPermalinkResponder

O Rio vive nos surpreendendo. Se na década de 70 alguém me dissesse que valia a pena deixar a zona sul para subir um morro em Bonsucesso, só poderia imaginar que era para comprar coisas ilegais. rs.
A cidade está sabendo aproveitar bem os seus espaços e olha que como tem espaços lindos para serem aproveitados!
Mais um ponto para a Cidade Maravilhosa. E belo post!
abraço

Patricia Tayão.

Fiz um post sobre minha visita ao teleférico, se quiserem dar uma olhadinha: http://www.viajarhei.com/2012/06/fotopost-voe-como-o-blu-no-teleferico.html

Netinho
NetinhoPermalinkResponder

Morri de rir com "Jamais imaginei que nessa vida escutaria os versos “não posso dar mole, senão você créu” com violinos ao fundo..."!!
Mas não sei por quê você acha o acesso tão complicado! De Copacabana é só pegar o 484B que sempre tem Ar-Condicionado e chega super rápido a estação dos teleféricos, a não ser que o trânsito esteja muito complicado no horário, é lógico!
Ah, e se for um final de semana, este mesmo ônibus pode ser utilizado com uma parada extra, pois ele também passa em Frente à Fundação Osvaldo Cruz, que também é imperdível. Mas deixe para fazer esta parada na volta pois a FIOCRUZ fica na lado que vai para à Zona Sul.

Sergio Silva
Sergio SilvaPermalinkResponder

Bom, como morador do local, não sugiro hoje , em 2017 a visita ao teleférico, a não ser para tirar algumas fotos e ir embora. Infelizmente a cidade está em "estado de calamidade" por causa da terrível insegurança que nos assola.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar