EUA: a inspeção da TSA e dicas de segurança para a sua bagagem

Mariana Amaral
por Mariana Amaral

Nota da TSA e cadeado aprovado

Voltando dos Estados Unidos, chegou a minha vez: abri a mala e lá estava ela, a cartinha da TSA, informando que a minha bagagem havia sido aberta e examinada pelos agentes de segurança americanos. (Igual ao que aconteceu com o Comandante; vocês lembram?)

Se não fosse a nota, seria difícil suspeitar da revista. O cadeado estava do jeitinho que deixei. Minha mala também parecia intocada, o que me leva a crer que a inspeção foi como aquela olhadinha de leve que dão na bolsa na entrada da boate.

Mesmo assim, pensar que alguém fuxicou as minhas coisas é esquisitérrimo.

Toda mala, depois de despachada, passa por um raio-X. Se por qualquer motivo o conteúdo da sua bagagem pedir uma averiguação maior, os agentes da TSA (Transport Security Administration, ou Administração de Segurança no Transporte) são autorizados por lei a abrir a mala e verificar manualmente o que existe dentro dela.

Não há o que fazer para evitar que a TSA abra a sua mala. O mais inteligente, na verdade, é facilitar o trabalho deles. Viaje sempre com cadeados aprovados pela TSA. Eles são identificáveis por dois símbolos (clique aqui para conhecer). Esses símbolos indicam que os cadeados foram fabricados de acordo com determinadas normas e podem ser abertos por uma chave-mestra da TSA. Depois da inspeção, a mala é trancada novamente -- como foi trancada a minha.

Outros tipos de cadeados ou lacres, na necessidade de uma revista manual, são arrombados ou rompidos -- e a mala segue desprotegida pelo resto da viagem. O mesmo vale para aquelas embalagens vendidas em quiosques, que envolvem a bagagem em camadas e mais camadas de plástico. A embalagem vai exigir do agente de segurança um pouco mais de obstinação, mas se ele quiser abrir a mala, ele vai abrir.

Procure também acomodar em embalagens todos os itens, principalmente aqueles pequenos que podem se perder facilmente (brincos, por exemplo) ou aqueles que você preferiria que ninguém colocasse diretamente a mão (alô, cueca suja). Coloque escovas de dentes e outros objetos pessoais em saquinhos transparentes, para que não precisem ser manuseados. Deixe sapatos por sobre todo o resto, pois são examinados com freqüência. Não encha demais a mala, para evitar que as suas coisas caiam e se danifiquem durante a revista, ou que o agente tenha dificuldades para fechar depois (ele não vai ter tanto cuidado quanto você, provavelmente).

Um dos motivos que faz as bagagens caírem no pente-fino da TSA são livros e documentos. Quando empilhados, atrapalham a visualização do resto do conteúdo da mala pelo raio-X. Desconfio que tenha sido este o meu caso. A TSA recomenda que os livros sejam distribuídos pela mala toda. Na próxima viagem, farei assim.

Veja todas as recomendações da TSA para fazer a sua mala aqui.

Queremos saber: a TSA já examinou a sua mala? Você já teve itens danificados ou perdidos na revista? Conte pra gente!

Leia mais:

143 comentários

Jorge Melo
Jorge MeloPermalinkResponder

As novas malas que uso possuem aqueles cadeados aprovados pelo TSA e capa. Na última viagem que se encerrou nessa terça-feira, minha esposa foi premiada. Aliás, é sempre a premiada. Creio que por conta da paçoca, da farinha tipiti, do guaracamp e das tralhas de beleza.

Vera Camargo
Vera CamargoPermalinkResponder

Minha mala foi aberta pela TSA, ao retornar de NY em set/2017 e teve seu cadeado comum destruído. Não sabia da existência destes cadeados por eles aprovado.Fiquei chateada porque extraviaram pequenas lembrancinhas e uma calça infantil de um conjunto da Tommy Hilfiger!Fica o alerta!Obrigada.

Paula Sobrak
Paula SobrakPermalinkResponder

Saibam que adquirimos os cadeados aprovados pela TSA e eles foram cortados e danificados pela inspeção em nossa última viagem aos EUA.

Fabiola
FabiolaPermalinkResponder

TODAS as vezes que viajo aos EUA tenho alguma mala revistada. Será que eles não trabalham por amostragem e revistam x malas por voo? Esta é minha impressão pois nunca consegui identificar o motivo de abrirem essa ou aquela mala...
Nada desapareceu ou foi danificado, mas encontrar o tal aviso dentro da sua mala traz um certo desconforto!

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Tive a bagagem revistada e creio que foi porque trazia vinho dos EUA. A dica do meu cunhado americano que trabalha em cia aérea foi: deixe sem cadeado. Mas preferi teancar. Porém não houve qualquer dano à mala

Evelyn Eneida Cavalcanti da Rocha

Fui em novembro/2017 a Nova Iorque e despachei um Playstation 4 na mala. Só descobri que havia sido aberta em casa,pois havia um papel da TSA. Estava tudo exatamente como embalei. Ainda bem que todos os meus cadeados são aprovados pela TSA.

Heliana Calmon

Já tive a mala revistada pelos agentes praticamente todas as vezes em que fui( e voltei) dos EUA.A cartinha já é um clássico de quando eu abro a mala...
Uma única vez ,apesar de ter colocado o cadeado TSA ,após a inspeção a mala estava aberta e sem o cadeado. Foi chato,mas não pegaram nada no trajeto , apesar de estar sem cadeado.

Denise
DenisePermalinkResponder

Tive a minha mala revistada, porém não tinha livros nem documentos. Somente roupas. Eles danificaram o cadeado e a fechadura da mala. Não tiveram muita atenção em deixar nada do mesmo jeito. Mas paciência, temos que entender que é assim mesmo.

Conceição
ConceiçãoPermalinkResponder

Já tive a mala inspecionada por 2x e não tive problema nenhum qto ao conteúdo....somente tive de quebrar os cadeados para abri-las!! Perdi somente os cadeados!

Beatriz
BeatrizPermalinkResponder

Tive2 malas abertas na minha última viagem. Um vadeado foi arrombadoe o outro aberto. Não me acarretou nemhum problem. Quando abri estava tudo lá e peefeito

Célia
CéliaPermalinkResponder

Tive a mala revistada duas vezes. Na primeira vez, somente a carta da TSA denunciava a revista, pois tudo estava perfeitamente no lugar. Na segunda vez, fizeram uma boa bagunça, mas nada foi subtraído ou danificado, nem os cadeados.

Bruno
BrunoPermalinkResponder

Tive duas malas inspecionadas na minha ultima viajada, a primeira apenas espremeram um creme da minha esposa e depois trancaram com o cadeado da TSA que possuía. Porém a outra mala tem o segredo da TSA eles abriram mas não trancaram, e agora com o cilindro aberto não consigo mais trancar, alguém já teve esse problema? Conseguiram resolver?

Sandra Laureanti grudzien

Minha mala foi aberta (TSA) ,GOSTARIA de saber porque não foi colocada um lacre no lugar do cadeado (cortado)? Ou um outro cadeado ?pois quando peguei a mala estava praticamente vazia e faltando a metade das roupas e lembranças que comprei.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Sandra! Lamentamos muito o ocorrido, mas veja: somos apenas um blog. Não temos absolutamente nenhuma relação com a TSA.

Daniel
DanielPermalinkResponder

Minha mala foi inspecionada em abril/2018 nos trechos entre GRU/ORD e IAH/GRU, na ida o constrangimento foi maior pois modificaram o segredo da mala (não era cadeado) e por sorte encontrei um vídeo orientando como abrir. No segundo trecho abriram o cadeado (que é da marca TSA) e deixaram uma bagunça.

Priscila Vizoni alourenço

Voltando hoje de Orlando, fui surpreendida ao perceber em uma mala NOVINHA com a orelha do ziper que encaixa no cadeado próprio da mala rompido pela TSA, MESMO com o dispositivo que pode ser aberto pela chave mesta. Perdi a mala que nao tinha nem 24hs de uso!!!!Estou irritadissima, pois somente havia roupas na mala e nenhum item suspeito. A mala nao tem assistência técnica no Brasil.

Rogério Ricardo da Cruz

Sim embarquei em Miami. coloquei lacre tipo inforca Gato e quando cheguei no Brasil percebi que estavam sem o lacre. Só quando cheguei em casa que abri a mala lá estava a notificação que as malas haviam sido verificada. Mais não faltou nada . Nem quebrou. Estava tudo certo..

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar