#VnVBrasil | Salvem Jericoacoara

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Jericoacoara: equilíbrio rompido

Jericoacoara: equilíbrio rompido

Vou a Jericoacoara desde 1995. Passei alguns dias por lá no início do mês. Tinha estado em Jeri pela última vez em 2008. Nesses anos todos, pude acompanhar as transformações do vilarejo.

Por boa parte da primeira década deste século, as mudanças foram benéficas. O boom do windsurf e a chegada do kitesurf trouxeram um turismo saudável, antecipando a bonança que aconteceria em outros vilarejos da costa do Nordeste voltada para o norte. Pousadas confortáveis e restaurantes charmosos apareceram para dar o necessário contraponto a dias longos, de intensa exposição aos elementos: o sol, a areia, o vento.

Os elementos continuam lá, mas ganharam a companhia de mais duas forças, estranhas à natureza: o trânsito e o barulho.

O vilarejo está dominado por todo tipo de veículo: jipes, caminhonetes, carros de passeio, bugues e um batalhão de motinhos. Caminhar pelas ruas de areia, algo que já exigia esforço, agora requer perícia: é preciso desviar de carros que passam a velocidades inacreditáveis.

O desrespeito não é restrito aos que vivem de transporte ou à classe do sabe-com-quem-você-está-falando. É democrático: as motinhos pertencem aos moradores e funcionários, e zunem a qualquer hora do dia e da noite com motores envenados ou escapamentos quebrados. Para tirar uma foto da praia ou da duna sem um carro ou moto aparecendo, você precisa parar e esperar o momento mágico.

Duna de Jeri

Paisagem sem carro ou moto passando? Tem que esperar para clicar

Às sextas e sábados à noite (e intuo que na temporada isso aconteça todos os dias), as barracas de caipirinha do final da Rua Principal, à beira da praia, abrem a rodinha e instalam um DJ ao centro. O som alto começa às 10 da noite e fica MAIS ALTO à meia-noite. Às duas da manhã o luau termina, mas o barulho das motos e das caixas de som instaladas em carros continua madrugada afora.

Luau em Jeri

1h30 da madrugada no parque nacional

O Conselho Comunitário de Jericoacoara tem uma página no Facebook onde não faltam relatos sobre as irregularidades . Prezado Ministério Público: pode isso numa APA? Honorável ICMBio: é cabível tamanha bagunça vizinha a um parque nacional?

Jericoacoara

O único trânsito organizado é o das velas

O único trânsito regulamentado é o do windsurf e do kitesurf, que têm locais demarcados na praia. (Aposto que quem organizou isso foram os próprios esportistas.)

Se Jericoacoara quiser mesmo deixar de ser um santuário para virar uma Ibiza sujinha, uma Canoa Quebrada do oeste, uma Morro de São Paulo do norte, então que pelo menos siga o exemplo dos seus "modelos".

Morro de São Paulo -- que sempre se caracterizou por luaus na praia; o leitmotiv de Morro é o agito, não a paz -- há muitos anos acabou com o trânsito de jardineiras na praia. Criou uma via paralela no interior onde passam todos os veículos. Dois verões atrás, o centro foi calçado e as praias ganharam decks de madeira. Para meu mais absoluto espanto, ficou ótimo.

Canoa Quebrada, que é infinitamente mais popular (no sentido social, mesmo) do que Jeri, também é muito mais organizada. Os bugues têm sua rota definida e não passam na praia dos banhistas. A grande maioria das pousadas está instalada longe do foco de barulho noturno da Broadway. As barracas de luau na praia não são vizinhas de nenhum hotel. Acabo de passar três noites em Canoa, em pleno feriado, e dormi como o anjo que mamãe achava que eu sou.

Mas onde Jeri precisava se espelhar era em Bonito, que acaba de receber o prêmio de melhor destino de turismo responsável do mundo. Por que será que os destinos brasileiros não conseguem aprender com as melhores práticas de outros?

Alô, Jericoacoara! O turista mais desejável vota com os pés. Se nada for feito para reverter a bagunça e a indiferença, cada vez mais visitantes vão trocar Jeri por Barra Grande do Piauí, Icaraizinho de Amontada, Flecheiras. Não se contente com o turismo predatório, Jericoacoara.

Ceará: vocês podem mais do que isso. Francamente.

Leia mais:

114 comentários

Mirian
MirianPermalinkResponder

Sempre tive vontade de retornar a Jeri, mas agora...não vou mais e paro de recomendar o "ex"santuário até que medidas sejam tomadas para reverter essa vergonhosa situação. Lamento muito!!! Quero ter na memória a Jeri que eu conheci, que eu amei.

Cal Dias
Cal DiasPermalinkResponder

Bom dia viajantes e navegantes! Sempre tive vontade de conhecer Jeri . Este desejo foi concretizado no período de 27/11 a 02/12/2013. Para mim e as pessoas que estavam comigo adoraram. Não sei se a associação dos moradores e governantes do distrito leram o texto ".Salve Jericoacoara" pq na praia principal teve fiscalização do Detran para não permitir a entrada de veículos. E vi tanto durante o dia principalmente no ponto alto da migração do público para ver o espetáculo do pôr do sol no fim de tarde, como também, policiais transitando durante à noite nos pontos mais frequentados como o Beco do Forró e na Festa da Praia. Percebi que as festas só começam pra lá da meia-noite, mas vale muito a pena conhecer este paraíso. Locais de belezas inacreditáveis, moradores hospitaleiros, gastronomia maravilhosa e para mim um convite ao retorno. Seja de casal, de turma ou em família podem ir. Vale muitíssimo a pena.

Marco
MarcoPermalinkResponder

Fui a Jeri a primeira vez em 1988. Lugar maravilhoso. Uma aventura vencer as dunas sob a luz do luar. Era inacreditável! Gente do mundo todo. Não havia luz. Banho de canequinha. De noite todo mundo no forrózinho (movido a gerador até as 00HRS). A pousada era na casa dos pescadores, as primeiras pousadas começavam a se estabelecer. Todas muito simples.
A última vez foi em 2002. Fiquei horrorizado (em 2002!!!). Havia uma antena enorme de celular no meio do vilarejo. Lojas, bancos, carros e etc.
Nunca mais voltei. Não havia mais Jeri.
Imagino que hoje em dia a coisa tenha ficado muito pior. Uma pena.

Sandra
SandraPermalinkResponder

Olá!
Gostaria de saber se em Janeiro as lagoas de Jijoca ficam com seu volume diminuido ou mesmo secas, como acontece nos Lençois Maranhenses.
Obrigada!
Sandra

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Sandra! As lagoas secam, sim. Esse ano, porém, parece que começou a chover mais cedo. Dê uma ligada para as pousadas de Jijoca, eles darão a informação real.

Vanessa
VanessaPermalinkResponder

Fomos às duas. A do Paraíso ainda tem um bom volume de água, mas é impressionante o tamanho real dela quando estaria cheia.
Segundo o pessoal de lá, é desde 2009 que não chove como deveria para encher as lagoas.

Ana Christ
Ana ChristPermalinkResponder

Ricardo, na minha última estada pela região de Jeri resolvi ir além daquele passeio padrão para a Lagoa da Torta e decidi conhecer a comunidade da Nova e Velha Tatajuba.

Lá, conheci um projeto de turismo de base comunitária, chamado Rede Tucum, que visa preservar as tradições locais e manter a comunidade autônoma (sem a invasão dos gringos que querem comprar tudo e acabando "expulsando" os nativos, como aconteceu com Canoa Quebrada e Jeri). O projeto é bem bonito e está presente em várias comunidades cearenses.

Como verdadeiramente me encantei com o que conheci, quis compartilhar aqui com vocês.

Abraços

Vinicius
ViniciusPermalinkResponder

Estou em Jeri e estou encantado, aqui e maravilhoso. Já viajei muito pelo Brasil e Caribe, mas com certeza a praia de Jeri e uma das melhores que já conheci. O post do Ricardo está correto como alerta para as autoridades, porém não justifica críticas ridículas como li em alguns comentários aqui, tampouco justifica qualquer receio em que deseja vir conhecer o local. Tudo bem que estamos fora de temporada, mas não tenho ouvido barulho nenhum. O progresso existe em todos os lugares, até em tribos indígenas, portanto não e nada anormal, embora concorde que o tráfego de veículos deva ser regulado por aqui.

Vinicius Campoi

Outra questão bastante grave em Jeri é a quantidade de gatos soltos. É necessário uma medida urgente do controle de zoonose no sentido de recolher e castrar os gatos, pois a quantidade é muito grande e coloca em risco a saúde de todos, tendo em vista que a quantidade de feses é grande e todo mundo anda descalso ou de chinelos na areia.

Sobre o trânsito de veículo, apareceu lá uma fiscalização do Detran e pelo que vi o pessoal comentando estas fiscalizações estão ocorrendo com alguma regularidade, todavia, ao meu ver não resolve o problema. A única solução é proibir o trânsito de veículos motorizados dentro da vila, como acontece por exemplo no centro histórico de Paraty.

Larissa T
Larissa TPermalinkResponder

Acabamos de voltar a Jeri, e devo concordar com o Ricardo: lugar lindo, pedaço do paraíso, mas as motos, buggies e até carros de passeio deveriam ser limitados. O barulho das motos vai até altas horas e os veículos andam com velocidade e até no meio da praia, em claro desrespeito aos banhistas e tranqüilidade locais.
A praia é linda e cidade bem charmosa, com boas pousadas e restaurantes, mas perde para Morro de São Paulo no quesito tranqüilidade, que é o que as pessoas procuram quando buscam áreas de preservação.

Jose R Junior
Jose R JuniorPermalinkResponder

Voltei de Jeri alguns dias. Não existe tanta exuberância como dizem. Na praia, prepare-se para dividir espaço com cachorros, gatos,cavalos, charretes tbem com cavalos; todos mijando e defecando na areia. Nas pousadas e restaurantes, você vai comer e beber com apenas uma mão, a outra mão será pra abanar um batalhão de moscas. A noite, esqueça qualquer contato com o mar e a praia; tudo eh engolido pela escuridão e a distancia; e a única opção eh sentar num bar e beber. Não existe quiosques na praia pra se proteger do sol, e vc terá que andar uns 2km pra chegar na agua. Não entendo o porque de tanta propaganda de uma praia tao comum. Não recomendo.

Vanessa
VanessaPermalinkResponder

Estive agora no réveillon, e estava bem movimentado.
Não vi tantas moscas assim, e sempre fui à restaurantes diferentes. Todos muito limpos, inclusive o chão, apesar da areia.
Na praia tinha duas ou três equipes de pessoas que alugavam cadeiras e guarda-sol. Nós chegávamos cedo e alugávamos para o dia inteiro.

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Estive em Jeri o mês passado, e amei esse lugar, cheio de turistas. A cidade é bem pequena, na verdade parece um povoado, mas é completa para atender os turistas exigentes. Possui comércios e caixas eletrônico, o acesso a Jeri é um pouco demorado. Não se permitem circular de carros na redondeza, é preciso deixar o carro em um estacionamento, pegar uma caminhonete e então ir para Jeri. As praias são um espetáculo, são intocadas, devido ao acesso em se ir para lá. O passeio de Buggy é imperdível. A Pedra Furada vale a pena conhecer. VLW

Sandra
SandraPermalinkResponder

Olá Leandro!
Vou para Jeri com minha família e as informações que obtive é que a vila não possuia caixas eletrônicos.A dona da pousada que reservei falou que há um Banco Postal, onde (teoricamente) podem ser realizados saques pelos correntistas do BB, mas que a agência não se prepara para isso (nunca tem dinheiro),não podendo confiar nesse serviço .Agora lendo seu comentário, vc diz que há caixas eletrônicos.Onde ficam e de que bancos são?
Obrigada!
Sandra

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Olá Sandra!!
Infelizmente eu não me recordo quais são os bancos que a vila possui. Pois eu passei rapidamente e de Buggy. Mas o guia que estava conosco disse que era uma vila pequena com tudo que o turista e morador precisa. E comprovei isso. Pois cheguei a ver caixas eletrônicos, comércio, restaurantes, praça onde acontece shows, muitas pousadas e hotéis. Creio que vcs vão gostar muito, e vale muito a pena ir de Buggy, pois vcs irão conhecer de uma maneira diferente. Como fiquei apenas um dia não cheguei a conhecer todos os lugares, mas todos disseram que vale muito a pena fazer como vcs irão fazer, alugar uma pousada. Vale lembrar que nas ruas não existem poste de iluminação, os moradores se baseiam apenas pela luz que eles tem dentro de suas casas. Jeri é cheio de turistas de todos os lugares, o que acaba sendo uma boa oportunidade para conhecer outras culturas.

JOSE ROSA
JOSE ROSAPermalinkResponder

Leandro!
Você esta enganado! Deve ter passado em outro local que não seja Jericoacoara; pois la não existe nenhum caixa eletrônico de nenhum banco.

Thiago Mamed
Thiago MamedPermalinkResponder

Não concordo com o post!
Fui a Jeri a anos e acho que o que sustenta o turismo, não é o surfista ou o Kitesurfer. Acho que o desenvolvimento está chegando, assim como em todos os cantos, é natural isso! O que precisa ser feito é como você colocou, regular as coisas, colocar regras e punir quem errar, como não tem sinalização o pessoal não sabe onde andar ou onde por o carro... Concordo que tem MUITO SEM NOÇÃO! Mas não só agora, sempre teve gente idiota, em todo lugar tem!
O que poderia ajudar é com o pretexto de preservar a natureza, limitar o numero de turistas, para manter o clima roots do vilarejo, mas acho que vai contra a ideia dos moradores e de quem tem um negocio lá!

Naomi
NaomiPermalinkResponder

fui em 01/2009 (relato: http://nancinaomi.net63.net/ce.html#jeri)

gostei, mas é um daqueles locais q nao tenho vontade d voltar.
É bom, nada contra, mas tem locais igualmente bons e mais fáceis de chegar, c/ + estrutura, etc.
tinha bugues andando pelas ruas, sim, mas nao eram tantos assim. Não lembro d ter visto motos. Tinha alguns carros, mas ficavam estacionados em frentes às pousadas e nao circulavam pela vila. Também não lembro de som alto e olha q fui em pleno janeiro. Acho q dei sorte, peguei uma fase mais "comportada" de Jeri.

Ana Roberta
Ana RobertaPermalinkResponder

Oi Ricardo, tudo bem?
Amo Jeri e fui para lá diversas vezes e fiz muitas amizades. Esse final de semana perdi um desses amigos que foi atropelado em Jeri na parte da menor da Duna Por do Sol. Esse é um fato que me deixou muito triste pelo Renato e por Jeri que como tantos outros lugares do nosso país vive sem lei, as pessoas fazem o que querem e nada acontece.
Gostaria de pedir que você como uma pessoa da imprensa divulgasse esse fato para tentarmos melhorar o nosso país e para que vidas não sejam perdidas dessa forma. Apenas para constar o motorista foi preso, pagou fiança ou propina foi liberado e sumiu. A Lei já existe mas muitos nativos e moradores estao perdendo forças na luta contra essa falta de consciencia, bom senso e fiscalização.

Abraços e obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Nossos sentimentos, Ana! Já localizamos a notícia no Diário e vamos repercutir. Obrigada.
http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/regional/online/acidente-em-jericoacoara-evidencia-fluxo-irregular-de-veiculos-pela-praia-1.1071831

Ana Roberta
Ana RobertaPermalinkResponder

Obrigada, vamos salvar Jeri!

Mariana Ribeiro

Salvem mesmo! Estive em Jeri por uma semana no mes de julho/14. Achei um absurdo a quantidade de bugue, carro e quadriciclo. Como nao ha' calcadas publicas passei muito aperto com meus filhos pequenos, segurava na mao deles o tempo todo. Fora isso, alguem precisa avisar ao brasileiro que cachorro, jegue e cavalo na praia fazendo suas necessidades basicas na praia e' inadimissivel! Eu nao entrei na agua e nao permiti que meus filhos entrassem tambem. O pior eram os donos dos animais que nem percebiam que os animais estavam defecando na praia. Horrivel, nao vou mais para Jeri.

Vanessa
VanessaPermalinkResponder

A natureza é deles também!
E nós sujamos ela mais do que eles! Fiz o trajeto de Fortaleza à Jeri pela praia, com transfer 4x4. Vi tanto lixo plástico nas praias desertas que tive vontade de chorar.

Jorge Melo
Jorge MeloPermalinkResponder

Olha eu aqui de novo!
Desta vez peço ao Boia e Equipe dicas e preços, barbadas e roubadas para minha viagem a Jericoacoara de 25 a 29.08. Hotel e passagens já na mão! Viajaremos eu e minha esposa, formando um casal da primeira infância da 3a. Idade.
Obrigado ao Ricardo Freire e a Todos que postam excelente dicas!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Jorge! As dicas já publicadas no Viaje na Viagem sobre Jericoacoara estão reunidas aqui: https://www.viajenaviagem.com/destino/jericoacoara

Fernando
FernandoPermalinkResponder

Bom dia.

Primeiramente parabéns pelo site e pelos textos.

Lendo este, fiquei também pensando, e nem sei se minha duvida é pertinente a este espaço, mas caso não for, por favor desconsidere.

Sou de Porto Alegre, e depois de algumas viagens pelo nordeste, impossível não se encantar com a forma de vida diferente destes lugares que conehcí.

Tenho atração especial por cidades pequenas, procuro uma opção de estilo de vida (utilizo desta expressão porque qualidade de vida é muito interpretativo), mais tranquilo, mais sossegado, com uma rotina um pouco diferente.

Tenho um bom emprego, porém sempre que viajo ou que vejo algo relacionado fico com a pulga atras da orelha, de realmente tentar uma nova vida.

Minha esposa é muito parceira e temos este plano, que não sabemos ao certo quando colocar em pratica, até porque não surgiu até então uma oportunidade concreta.

Pensamos em abrir algo relacionado a comida, ou um bar, nada para ficar rico, apenas para poder viver com certa segurança e tranquilidade.

Vendo você escrever sobre Jeri (que é uma das opções), lembrei de como eu tinha vontade de conhecer este lugar desde final dos anos 90 quando li uma matéria sobre lá, e fui pela primeira vez em 2011....fiquei muito encantado com o lugar, muito embora eu tenha sinceramente a impressão que esperava ver algo mais, podemos dizer primitivo.

Bom, depois disso e conhecer outras praias, fiquei com o desejo de virar um habitante do lugar.

Dentre os lugares conhecido, minha duvida seria sobre Jeri e Pipa, (porto de galinhas seria uma opção, mas ainda não conhecemos).

Porém, tenho lido algumas coisas sobre Jeri principamente que falam em o lugar estar meio "descontrolado" com assaltos e coisas como o relato que você fez acima....

Esta minha idéia, ainda que eu tenha a ciência de quem não viverei como turista nestes lugares, ainda pode ser considerada uma boa idéia? Ainda é possível se obter um estilo de vida que compense eu jogar pro alto umas certa estabilidade para tentar uma vida que seja mais tranquila, que seja tranquila mesmo?

Obrigado!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fernando! Isso só você poderá responder. wink

Marcelo
MarceloPermalinkResponder

Estive em Jeri agora no Natal. Nunca estivera antes.

Confirmo que o som de Jeri era de motor. Ou motores. Buggies, carros, motos (essas são as mais barulhentas) e quadriciclos. Era a sinfonia matinal -- e eu fiquei na Rua das Dunas, que é um pouco afastada do burburinho. Para quem fica na Principal ou na do Forró deve ser bem pior.

Ao menos por lá (na Rua das Dunas) o som das festas de sexta e sábado à noite não chega.

Além disso, vi carros, motos e quadriciclos na contra-mão. Vi carros, motos e quadriciclos trafegando onde é proibido trafegar -- e há placas grandes sinalizando a proibição.

Vi as tradicionais figuras que instalam seu veículo com som automotivo no máximo -- esses organizaram uma "festa" do outro lado da duna.

Vi carros de polícia por lá tb. Vi o Detran chegar -- mas só no fim de semana. Arrefece as bandalhas, mas só um pouco.

Tal qual em praticamente todo o restante do brasil, o pedestre NÃO tem a preferência -- mesmo que ele não tenha calçada para circular.

Enfim, entendo que é "apenas" o Brasil chegando a Jeri.

Curti muito o clima, o astral do lugar. Além de toda a beleza.

Vanessa
VanessaPermalinkResponder

Sabe qual é o problema? Nós, turistas!
Jeri é linda, mas nós e nossa mania de querer "melhorar" os lugares que visitamos dá nisso.
A maioria das pousadas é bem simples, e eu mesma me peguei observando e reclamando mentalmente que a pousada que eu estava poderia estar mais ajeitadinha e etc.
Tanto é que até hotel de luxo já tem lá, com piscina na sacada e vista pro mar.

Mas a praia é linda!

John
JohnPermalinkResponder

Estamos todos tristes com a notícia da morte da turista italiana no dia 25/12. Um crime ainda sem solução. Uma mancha na imagem de Jeri.

arol
arolPermalinkResponder

Ótimo texto!!! Estivemos em Jeri e assustamos com a quantidade de veiculos, o festerê estranho e a falta de cuidado dos moradores com o local. Questionamos a dona da pousada que disse que sim, esta complicado pois ninguém faz nada. Alô, meu povo... Vocês são os ninguéns que estão fazendo nada... Sejam o alguém que faz alguma coisa pelo local em que vivem.

Geovane Paulo Hoelscher

Querido Riq, parabéns pelo desabafo.

Tomara que este puxão de orelhas sirva para alguma coisa.

Tomara que as autoridades do Ceará respeitem este que é um dos nossos melhores especialistas em turismo e tomem uma atitude.

Será que um dia o nosso Brasil deixará de ser terceiro mundo?

Ricardo Freire

Eu desisti, Geovane. O que eu recomendo é procurar lugares onde a areia não é estrada, como Barra Grande do Piauí.

Terence
TerencePermalinkResponder

Excelente relato. Fui pela segunda vez para Jericoacoara com minha família em setembro de 2015 e achei insuportável o barulho, especialmente na entrada da praia onde cada um dos carrinhos de capeta coloca sua música do capeta, uma pior que a outra, pensando que as pessoas gostam daquela balbúrdia. Em uma noite estávamos em um bar ao ar livre e chegou um cara, com uma caixa de som, instalou-a no meio da rua, voltada para o bar, e ligou no último volume. Em dez minutos todo mundo levantou e foi embora, nenhum cliente aguentou... e o cara ficou lá, achando que estava abafando. A dona do bar desolada, pedindo desculpas e dizendo que já havia reclamado, mas não havia fiscalização. O trânsito também precisa ser regulamentado urgentemente, pois os bugueiros não respeitam os turistas. Seria preciso estabelecer limite de velocidade de no máximo 30 ou 20Km/h em toda Jeri. Obrigado

Lissie Castro
Lissie CastroPermalinkResponder

Compartilho da sua indignação. São quase 1h da manhã e tem uma festa com a música tão alta que mesmo com tampa ouvidos a ouço. Que APA é essa? Eu tenho o número de uma lei, mas meu marido a guardou não sei onde e resolvi procurar na internet e só achei esse comentário. Resumo, o turismo é predador. Tenho muita pena de Jeri. Paraíso???? Com essa criaturas sem respeito soltas? Que tristeza!!!!

Cláudia Cristina Pelizzon

Fui a primeira vez a Jericoacoara em setembro de 2005, fiquei 2 dias, e voltei pra casa com gostinho de quero mais. Voltei agora em dezembro de 2017 para passar uma semana, e me senti como se fosse minha primeira vez na vila. Desci no aeroporto de Jeri, por sinal, bem ajeitadinho, mas o caminho até a vila é por estradas de areia e a gente vai sacolejando dentro das Hylux. A coluna fica em pandarecos. A vila está muito mudada, há muito mais pousadas, algumas de luxo, e as ruas estão coalhadas de bugues, quadriciclos, motos e caminhonetes. É preciso ter cuidado para não ser atropelado, inclusive na praia e nas dunas. Uma pena... Os restaurantes são ótimos, comi maravilhosamente bem, mas os preços são salgados. Hospedei-me na Pousada do Norte, na Rua das Dunas e não tive problema com barulho. Jeri não é pra gente fresca, é um programa de índio nível "hard" pra quem curte pé na areia, sol e mar.

Paulo Torres
Paulo TorresPermalinkResponder

Fui pela primeira vez a Jeri em novembro de 2017, e aparentemente conseguiram colocar um pouco de paz no vilarejo.
Achei o trânsito razoavelmente organizado (ressalte-se que era baixa temporada). Bugues não podem mais circular na praia, o único horário com um maior movimento na vila era entre 10-11h da manhã quando os bugues circulavam em busca de passageiros para seus passeios. O DJ no meio das barraquinhas de caipisiriguela estava lá, no fim da Rua Principal, mas a 100 metros dali o som já não incomodava. Foi uma viagem muito tranquila, que pretendo repetir.

Junia
JuniaPermalinkResponder

Concordo plenamente! Voltamos a Jeri em Junho do ano passado, e me decepcionei! Levamos nosso filho de 3 anos, e fiquei impressionada com a poluição dos veículos no centrinho...as ruas de areia estão perigosíssimas! Não parecia Jeri! Ficamos muito tristes com as mudanças para pior! Fora a invasão de gatos! Gatos nos restaurantes, nos hotéis, aos montes nas ruas...não deu para entender! No café da manha do hotel My Blue, os hóspedes tinham que pedir que tirassem os gatos da área do café, nos restaurantes, você comendo e de repente pulava um gato na sua mesa...muito gato mesmo! Na praia a mesma coisa.Percebi uma Jeri largada! Espero que tomem uma atitude, antes que seja tarde demais.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar