Sul do Chile | Ilha de Chiloé: uma beleza bruta

Mariana Amaral
por Mariana Amaral

Chiloé, 'lugar das gaivotas'

Chiloé

Visitar Chiloé é das experiências mais autênticas que se pode ter no Chile. Cerca de três horas de vôo entre Santiago e Castro acercam o que existe de mais cosmopolita no país a um destino rústico e genuíno.

Chiloé é o Chile sem verniz. Está se desenvolvendo turisticamente, o que significa poder se hospedar em hotéis novíssimos e confortáveis, mas ainda conseguir comprar artesanato diretamente das mãos do artesão. As casas típicas não escondem a ação do tempo. Os mercados servem comida local para gente do local. Não é difícil se sentir à vontade em um lugar tão modesto, onde as extravagâncias ficam só por conta da natureza.

Chilote way of life

Palafitos Gamboa

Palafitos Gamboa

O arquipélago de Chiloé é composto por cerca de 30 ilhas que ficam ao norte da Patagônia e a sul da região dos lagos. A ilha principal é a Ilha Grande de Chiloé, onde estão as maiores comunas: Castro e Ancud.

Chiloé não corresponde exatamente à nossa típica imagem de um arquipélago – em vez de jangadas há barcos robustos; no lugar da areia você encontra colinas e ovelhas, e mesmo no verão, é comum chuviscar.

Dalcahue, Chiloé

Ovelhas em Chiloé

Chiloé: mar e montanha

Do mar e da montanha vem a cultura e o trabalho dos chilotes, os habitantes de Chiloé. No mar eles pescam, coletam mariscos e algas, criam salmão. Nas montanhas, plantam diversas variedades de batatas, extraem madeira e criam animais.

Sem conhecimentos formais de arquitetura, os chilotes construíram um impressionante conjunto de igrejas. São 70 espalhadas pelas ilhas, das quais 16 foram reconhecidas pela Unesco como Patrimônio Mundial da Humanidade. Construídas durante as missões jesuíticas e franciscanas no arquipélago, têm um desenho bastante particular; parecem casinhas com uma torre bem ao centro, e misturam características européias e indígenas nativas. São todas de madeira, e a mais antiga, a Igreja de Santa María de Loreto de Achao, na ilha de Quinchao, data de 1730.

Igreja de Santa María de Loreto, em Achao

Igreja de Santa María de LoretoIgreja de Santa María de LoretoIgreja de Santa María de Loreto

Igreja de Santa María de Loreto

As igrejas de Chiloé e as casas típicas, adornadas por tejuelas de alerce, foram feitas a partir do que os carpinteiros aprenderam na construção de barcos. As palafitas, símbolo do arquipélago, têm tudo a ver com o estilo de vida chilote. É a necessidade de se estar à beira-mar, de onde historicamente vem a principal forma de sustento.

Palafitos Pedro Montt

Palafitos Pedro Montt

Muitas palafitas foram destruídas no violento terremoto de 1960, mas dois grupos delas ainda resistem na comuna de Castro: os Palafitos Gamboa e os Palafitos Pedro Montt. Além deles, também são vistas outras casas do gênero pelas ilhas, porém isoladamente.

Olha o passarinho!

Chiloé

O nome Chiloé deriva de Chille-Hué, ou “lugar das gaivotas”. Junto ao circuito de igrejas históricas e às palafitas, as aves são das principais atrações do arquipélago – especialmente os pingüins.

Pingüins em Chiloé

Pingüins em Puñihuil

A baía de Puñihuil é como um destino de férias para os pingüins de Magalhães, que chegam vindos da Patagônia, e os pingüins de Humboldt, que vêm da costa do Peru e do Chile. Eles são bastante parecidos, e é curioso que só em Chiloé essas duas espécies convivam.

Pingüins em Chiloé

Pingüins em Chiloé

Puñihuil

Os pingüins podem ser vistos em ilhotas próximas à praia, onde ficam durante a primavera e o verão. O passeio é feito a bordo de lanchas e dura 40 minutos.

Pingüins em Chiloé

Pingüins em Chiloé

Ilhota em Puñihuil

Segundo me contaram, eles chegam em Puñihuil por volta de setembro. Em outubro, rola uma paquerinha. Em novembro, ficam de nheco-nheco. mrgreen Em dezembro nascem os filhotes, que mudam de plumagem em fevereiro. Em março, as famílias se vão.

Pingüins em ChiloéPingüins em Chiloé

Durante o verão são feitas até 30 saídas de lancha por dia para ver os bichinhos nas ilhotas. Apesar disso, é preciso ligar antes de ir, para reservar e confirmar (veja aqui os contatos). O passeio pode ser cancelado em caso de ventos muito fortes. O barco chacoalha um pouco mesmo em boas condições climáticas, mas vale a pena agüentar o tranco!

Muitas outras aves migratórias dão o ar da graça em Chiloé. Entre elas está o zarapito de bico reto, que faz uma viagem de 14 mil quilômetros desde o Canadá e o Alasca para chegar até lá. Sim, numa tacada só. E a gente reclamando de meia horinha de esteira na academia.

Aves migratórias em Chiloé

Zarapitos

Passeando pelas ilhas durante o verão você pode encontrar áreas pantanosas cobertas por enormes turmas deles, que numa primeira olhada até se confundem com a paisagem.

Zarapitos, pássaros migratórios em Chiloé

Entre as áreas mais importantes para a observação de aves estão as baías de Caulín, na comuna de Ancud, e Pullao, na península de Rilán, parte da comuna de Castro.

Avistamento de aves na baía Pullao

Avistamento de aves em Chiloé

Avistamento de aves na baía de Pullao

Em Pullao está um centro de observação muito bacana chamado Bahía Pullao. É oferecido um passeio guiado pela propriedade e todo o equipamento necessário para observar aves nativas e migratórias, como telescópios terrestres que aproximam em até 60 vezes o que se vê. Para reservar, entre em contato pelo site.

Comida e artesanato

Vôngole

Vôngoles

Chiloé é um paraíso para os aficionados por coisas-do-mar-que-vêm-em-conchinhas. Pude provar mariscos em sopas, em mousses, recheando empanadas ou recém-saídos de um buraco cavado no chão (lembram do curanto?). Pratos com mexilhões, vôngoles e ostras, sempre fresquinhos, são servidos tanto em elegantes restaurantes de hotel quanto em mercados tradicionais e festas folclóricas. Uma delícia e um privilégio.

Curanto em Chiloé

Curanto

Curanto

Outro ingrediente celebrado na região é a batata. Dizem haver 286 variedades de batatas nativas do arquipélago, com cores e formatos os mais diversos. Toda casinha no campo tem a sua plantação de batatas e meia dúzia de ovelhas.

Mercado de Dalcahue

Feira de artesanato em Dalcahue, Chiloé

Feira de artesanato de Dalcahue

A lã é dos materiais mais utilizados pelos artesãos chilotes. A feira da comuna de Dalcahue, na Ilha Grande de Chiloé, é um bom lugar para fazer compras de produtos de lã. Adorei, em especial, as bonequinhas:

Artesanato em ChiloéArtesanato em Chiloé

Bonecas de lã

O melhor dia para visitar o mercado é domingo, quando artesãos vindos de outras partes do arquipélago também aparecem para vender seus produtos por ali.

Comidas típicas em ChiloéComida típica em Chiloé

Cardápio típico em Dalcahue

Aproveite para fazer um lanchinho ou almoçar em um dos balcões das cocinerías do mercado. É um programa divertido para quem curte provar comidas típicas no melhor estilo caseiro.

    Organizando a viagem

Chiloé

Quando ir

A melhor época para visitar Chiloé é no verão. Essa é a estação com o clima menos chuvoso, e também quando se pode ver pingüins e, com sorte, baleias azuis, além dos zarapitos e outras aves migratórias. No verão também acontecem os festivales costumbristas, celebrações ao ar livre com danças, comidas e artesanato típico chilote.

A época a se evitar é entre os meses de maio e agosto, quando as chuvas são mais fortes.

Península de Rilán e Castro

Castro vista da península de Rilán

Como chegar

A melhor idéia é voar ao aeroporto de Castro a partir de Santiago ou de Puerto Montt, onde o vôo que sai de Santiago faz escala.

Para quem estiver explorando a região dos lagos de carro, é possível atravessar de automóvel em uma balsa. É necessário dirigir de Puerto Montt ao povoado de Pargua para embarcar no ferry, que chega ao norte da Ilha Grande de Chiloé por Chacao.

Balsa para Chiloé

Balsa entre Pargua e Chacao

Essa é uma viagem longa e que toma metade de um dia. Fica como alternativa caso não se encontre carros para alugar em Chiloé. O bilhete para o ferry pode ser comprado na hora e as saídas acontecem em pequenos intervalos.

Chiloé

Onde ficar

Para uma hospedagem mais prática e com foco em passeios, vale a pena escolher entre as duas principais comunas: Castro e Ancud, ambas na Ilha Grande de Chiloé.

Castro tem uma maior oferta de hotéis e é onde fica o aeroporto. Lá estão os bairros de palafitas. Algumas foram convertidas em albergues ou pousadas, e podem servir a uma estadia mais autêntica. Fica mais ao centro da ilha, perto do circuito de igrejas históricas, do mercado de Dalcahue e da península de Rilán, onde está a baía de Pullao e o centro de avistamento de aves. Castro fica mais perto do que Ancud do Parque Nacional Chiloé e do Parque Tentauco, embora ainda distante de ambos. Conheça os hotéis de Castro no Booking.

Ancud fica ao norte, perto do local por onde se chega de ferry. Está próxima da baía de Puñihuil (de onde sai o passeio para ver os pingüins e a excursão ao alto mar para encontrar baleias), e da baía de Caulín, conhecida como “santuário de aves”. Na comuna de Ancud está Chepu, onde um vale de árvores mortas é o cenário dramático de excursões de caiaque ao amanhecer. Veja os hotéis de Ancud no Booking.

Hotel Parque Quilquico

Hotel Parque Quilquico

Para uma hospedagem em estilo lua de mel, e sem fazer economia, vale considerar a península de Rilán. Lá estão o confortável Hotel Parque Quilquico, que pratica o turismo sustentável; o Tierra Chiloé (antigo Refugia), com luxo discreto e apenas 12 quartos, e o Centro de Ocio, de onde se tem uma vista escandalosa e suítes amplíssimas, mas menos serviços.

Refugia

Refugia (atual Tierra Chiloé)

Centro de Ocio

Centro de Ocio

Ficar na península é para quem pretende passear em ritmo menos acelerado e curtir mais o hotel.

Quantos dias

3 dias inteiros, sem contar com chegada e saída.

Transporte em Chiloé

Como rodar

Alugar um carro é a melhor pedida. A maior parte das estradas é tranqüila e está em boas condições, ainda que um trecho ou outro possa não ser asfaltado. Há muitos mirantes e lugares bonitos para parar pelo caminho.

Para quem não dirige, é uma boa se encaixar em tours organizados. As distâncias são grandes em Chiloé, e a oferta de transporte público não é tão ampla. De toda forma, é dos lugares que um bom guia pode fazer toda a diferença na sua viagem, inclusive para contar causos e lendas chilotas. História é o que não falta!

Chiloé

Mariana viajou a convite da SERNATUR Los Lagos e do Turismo do Chile.

Leia mais:

20 comentários

Chiloé: boas surpresas no sul do Chile | Sundaycooks

[...] Sul do Chile | Chiloé: uma beleza bruta no Viaje na Viagem [...]

luiz carlos sempre bom

gostaria de ir a ilha de chiloe , mas ir e voltar no mesmo dia tenho como fazer se sim como fazer,

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luiz Carlos! Você encontrará passeios à venda nas agências de Puerto Varas. É um passeio bastante cansativo; o ideal é pernoitar em Chiloé.

Elson Antonio
Elson AntonioPermalinkResponder

Boa noite, bom dia, sou motociclista e gostaria de saber se posso chegar ai de moto e qual custo das hospedagem e alimentação se eu for sozinho ou em dois, e ainda, se posso ficar em barraca tenho equipamento pra aguentar frio de até -07 graus (saco pra dormir. Resumindo qualo custo pra se alimentar durante um dia (café almoço e janta.)
Abrigado e parabéns pela bela reportagenm e imagens

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Elson! Nos ferries você consegue atravessar de moto. Em Chiloé existem áreas de camping, mas é melhor você viajar fora do inverno. Pela internet você consegue pedir orçamentos; dê uma busca no Google smile

Mais dicas aqui: https://www.viajenaviagem.com/2013/07/como-estimar-gastos-viagem/

Maria de Lourdes

Vamos ao Chile na primeira quinzena de novembro ... é uma boa época para visitar Ilhas de Chiloé? Grata.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maria de Lourdes! Não é o auge da temporada (no verão), mas talvez por isso você consiga preços melhores de hospedagem. Você vai conseguir ver pingüins em Puñihuil smile

Andrea Raminelli

Três noites em Chiloé é muito tempo?

Elizete Fronza

Olá! Tive a oportunidade de ir a Ilha de Chiloé por duas vezes, é muito interessante , vale muito a pena o passeio!

Priscila
PriscilaPermalinkResponder

Olá ! Estive em chiloe em fevereiro de 2013. O passeio foi agradável . Contratamos o passeio em Puerto Montt. Olha gostamos do passeio e da comida servida no restaurante mas sinceramente não acho que vale a pena sair do Brasil em um vôo que se você não mora em São Paulo ainda tem que fazer conexão nesta cidade e depois outra conexão em Santiago pra depois chegar em Puerto Montt. Você falou em pinguins mas fomos no verão e cheguei com a esperança de ver pinguins e muitos locais me aconselharam a não pagar por este passeio naquele mês pois Corria o risco de não se ver pinguins . Os chilenos deste local(chiloe Puerto Montt e Puerto varas ) não são muito profissionais e tive sérias dores de cabeça com problemas em relação a falta de profissionalismo deles . Quanto a Puerto Montt e Puerto Varas cidades próximas a Chiloe vou avisar para que outros inocentes caso resolva casa e Chiloe com essas duas cidades . No verão apesar de ser alta estação e muitos turistas irem para lá não vale a pena pois chove chove e só faz chover . Puerto Montt cidade de céu cinza sem sol só chuva achei uma cidade triste. Enfim peço perdão se ofendi alguém mas foi a pior viagem que eu fiz na minha vida .

Sonia e Manuel

Priscila, me trataram excelentemente bem e não tivemos problemas com os habitantes da região.
Não entendí a que se refere com "profissionais", uma vez que, é uma área nativa, com muitos indigenas nativos dessa ilha, muitos estrangeiros que se encantaram com a ilha e ficaram por lá.
Quem sabe você está sendo muito exigente com habitantes de uma região simples, esperando que te atendam como na Alemanhã ou na França, mas, essa é a graça... conhecer cantos nativos e com gente simples, com paisajens lindas, artesanatos diferentes e comidas excelentes, vindas diretamente do mar.
Foi o que procuramos e encontramos em demasía em Chiloé.
Questão de sorte?
O restante é sorte, uma vez que, tivemos muito sol, sem nada de chuvas.

marjorie
marjoriePermalinkResponder

Estive em Chiloé na semana passada e não encontrei grandes problemas para fazer o trajeto de carro desde Puerto Varas. Fiquei com medo de não conseguir chegar a tempo por conta da informação do post, de que a viagem demora meio dia. Fui de Puerto Varas a Castro em 3h30 e voltei em cerca de 3hs. É cansativo, mas não um impeditivo para um bate e volta.

Sonia e Manuel

Concordo com você Marjorie, fizemos o mesmo caminho e foi muito atrativo.
Excelentes estradas, excelente comida, lindas paisajens e o "chilote" é muito receptivo e atento. GOSTAMOS MUITO!!!

Sonia e Manuel

Alugamos um carro em Puerto Varas, linda cidade, e num dos dias decidimos arriscar e ir até Chiloé, o nosso objetivo era chegar até Castro.
Chegamos em Chacao onde existe uma balsa a cada 15 minutos para atravesar o canal desde o continente até a ilha de Chiloé.
A viajem na balsa custou em torno de R$ 60,00 para um carro médio, e demorou 20 minutos ao todo.
Ficamos sabendo que a balsa funciona ininterruptamente dia e noite, de segunda a segunda, e são 6 balsas durante o dia e 4 durante a noite.
Angelmó fica a 15 minutos da doca e Castro e Dalcahue a 50 minutos por estradas excelentes e bem cuidadas (pista simples, mas, poucos veiculos transitando).
Fomos às 7 da manhã (8 horas o Brasil) e voltamos à meia noite (1 hora da madrugada no Brasil).
Cabe destacar que, no verão amanhece às 6 da manhã e escurece em torno das 10 da noite, por tanto você têm o dia todo para passear, comer, visitar e comprar nos inúmeros mercados artesanais da ilha.
Acredito de indo de avião até Castro não é uma boa ideia, uma vez que, demoramos pouco mais de 3 horas para ir de Puerto Varas até Castro, usando as autopistas de alta velocidade no trajeto do continente, e admirando a paissagem, que é incomparável.
Outro motivo de não ir de avião é que Puerto Varas fica praticamente no centro de toda a região dos lagos, desde Valdívia até Chiloé, por autopistas excelentes, bem sinalizadas e bem mantidas, onde 120 km/h é comum.
A viajem foi excelente, bonita e produtiva, além de que, vimos muitos brasileiros fazendo o mesmo que nós, de carro desde Puerto Varas e Puerto Montt.
Vale a pena de carro, não demora muito e é muito mais linda a viajem.

Lúcia
LúciaPermalinkResponder

Pelo que eu li nos posts acima um bate e volta de carro é bem atrativo, com boas estradas, e de avião é demorado pela perda de tempo em aeroportos.

Ana Teresa
Ana TeresaPermalinkResponder

Gostei muito das dicas. To indo em março17. Valeu!

eliel albuquerque

irei chiloé pois amo as coisas simples.

eliel

Camila
CamilaPermalinkResponder

Oi pessoal, tudo bem? Estou escrevendo esse comentário, mas não precisa aprovar... Moro em Chiloé (em Castro), faz um ano e muita coisa anda mudando muito rápido aqui na ilha. Os tours funcionam bem, mas cada vez mais a ilha anda amigável ao turista que prefere fazer tudo 'por conta'. Ao Parque Nacional, tem ônibus a cada meia hora e da pra 'esticar' também para o Muelle de las Almas, um lugar maravilhoso que tá fazendo falta nesse post wink A Achao e Dalcahue também, super fácil de chegar em ônibus e, principalmente no verão, a oferta de transporte é ampla.

Um outro acréscimo que faria é Queilen, que está mais ao sul da ilha, onde se vem muitos golfinhos.

No fim, esse post foi para falar que se querem atualizar alguma informação, podem entrar em contato com esse email wink

Precisamos falar mais sobre Chiloé e nada melhor que o VnV pra incentivar wink

Henrique
HenriquePermalinkResponder

Cheguei a pouco de lá, estava em Puerto Varas e adquiri tour pela Turistour e desde já não recomendo! É um bate e volta cansativo e no fim das contas você não viu nada!! Infelizmente no dia estava chovendo e muito frio devido o vento insistente! Quero voltar em uma outra época e dessa vez por conta própria!

Vinicius
ViniciusPermalinkResponder

Estive em Chiloé agora em janeiro. Cheguei dia 5, parando em Ancud e fui para as Pinguineiras, vale a pena, pois vi muitos pinguins e lobo marinhos, alpem de muitas aves. Me hospedei em Castro e não pude fazer melhor escolha, pois é o centro da Ilha grande. A rota das igrejas(ruta de las iglesia), é incrível, e não deixe de ir até as ilhas maiores, onde estão as cidade de Detif e Achao. Cada KM rodado vale muito a pena. O parque nacional de Chiloé é muito legal também e aproveite para ia ao Muelle de Almas, ambos em Cucao. alugue um carro em Puerto Montt e vá indo pela Ruta 5. Uma pena o parque em Quellon estar fechado na semana que fui, terei que voltar hehehehe. Agradeço ao blog pelas excelentes dicas.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar