Museu Imperial de Petrópolis: aula de história para pais e filhos

Elisa Araujo
por Elisa Araujo

Museu Imperial

Aproveitei uma ida a Petrópolis, na região serrana do RJ, para um almoço com amigos e fiz uma visita ao Museu Imperial com minha filha Alice, 9 anos. Era a segunda vez que ela ia ao Museu, mas essa foi a que valeu. Na primeira, com quatro anos, ela só curtiu mesmo deslizar de pantufas pelos corredores smile

Petrópolis fica a cerca de 1h15 de carro da zona sul do Rio, em dias normais. Em início de feriadão, é certo pegar engarrafamento na subida da serra e também na entrada da cidade. O ideal é ir em finais de semana fora dos feriados ou durante a semana.

O Museu Imperial, antigo palácio de verão da família imperial, fica no Centro da cidade e tem acesso fácil. A sinalização é farta, tanto indicando os bairros quanto as atrações turísticas, não tem como errar. Se for de carro, procure vaga na praça da Prefeitura, que fica do outro lado da rua do Museu ou na Av. Dom Pedro I, que fica atrás ou ainda em estacionamentos pagos na rua 16 de Março, que fica próxima. Não há estacionamento dentro do complexo que abriga o Museu.

Museu Imperial

Existem duas entradas para o complexo: um portão menor que dá acesso ao Museu através dos jardins e um maior e mais próximo da bilheteria. Entrando pelo primeiro, perto do qual ficam estacionadas as charretes que oferecem passeios pelo centro histórico, será necessário caminhar até o local da compra de ingressos, que fica junto do outro portão.

Museu Imperial

Quando chegamos, por volta de 10h30, uma pequena fila já tinha se formado perto da bilheteria. Em poucos minutos já era um fila gigante, afinal era sábado de sol em meio de feriado prolongado. A bilheteria funciona das 11h às 17h30. A visitação ao Museu vai das 11h às 18h. Não há venda de ingressos pela internet (que pena!), mas é possível comprar antecipadamente na bilheteria. Os preços são R$ 10,00 para adultos e R$ 5,00 para crianças maiores de 7 anos e idosos – mais detalhes nesse link. A entrada é gratuita para menores de 7 anos e maiores de 80. Há um ingresso família a R$ 20,00 (duas inteiras e duas meias) que atende, por exemplo, a dois adultos e duas crianças/idosos.

Museu Imperial

Na entrada do palácio havia outra fila, mas essa andou bem rápido – era para calçar as tradicionais pantufas e receber as orientações básicas: não se pode fotografar no interior do Museu; mochilas e bolsas devem ser deixadas no guarda-volumes; você pode levar o celular, desde que não use para fotografar; se preferir, pode levar sua carteira (uma funcionária distribui sacolinhas de plástico para você carregar a carteira durante a visita).

Museu Imperial

As pantufas são uma diversão para as crianças – os que ainda são pequenos demais para as explicações históricas vão gostar da brincadeira de arrastar os pés e ajudar a “encerar” o chão.

No prédio principal

(Infelizmente não dá para fotografar...)

A visita ao Museu pode ser longa demais para as crianças, mesmo as mais velhas, e elas certamente não vão prestar atenção em tudo. O circuito acompanha a distribuição da casa e acaba se dividindo em quatro partes. Na ala inferior à direita de quem entra os destaques são a sala de jantar com a mesa arrumada com louças e cristais para uma refeição formal, a sala de música com instrumentos dos quais elas nunca ouviram falar e a sequência de saletas mais escuras onde se encontram, sob focos de iluminação dirigida, a coroa de D. Pedro II, o traje majestático e a pena de ouro com a qual a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea. Tudo isso impressiona bastante as crianças.

No andar superior, também à direita, a garotada arregala os olhos diante do berço folheado a ouro, usado pelos filhos da Princesa Isabel, e da Sala do Estado (ou sala do trono).

Vale a pena chamar atenção dos pequenos para o gabinete particular de D. Pedro II, que fica quase no final do circuito do andar superior. Lá estão o telefone e a luneta usados pelo Imperador. Nosso último monarca era um geek, gostava de ciência e era early adopter das novidades tecnológicas da sua época (como a fotografia).

Logo após ao gabinete há uma saleta de vidro com reconstituição de uma “sala de banhos”, com objetos de higiene pessoal, incluindo uma cadeira “troninho”, com penico acoplado. As crianças acham muito “esquisito”. Prepare-se para as perguntas “Cadê o banheiro?” e “Não tinha cozinha?” lendo antecipadamente as respostas na seção de FAQs do site do Museu.

Se estiverem cansadas, desperte as crianças com informações “chocantes”: o palácio não tinha nem luz elétrica e nem água encanada. Como pode? Já rende conversa suficiente para descer as escadarias e seguir pela última etapa da visita.

O circuito termina no andar inferior pela ala à esqueda de quem entra. Ali ficam a lojinha do Museu (quem não levou a carteira e quer comprar uma lembrancinha tem que voltar ao guarda-volumes) e salas temáticas. A mais interessante é dedicada à Princesa Isabel e à abolição da escravatura –- estão expostos fotos de escravos, roupas e objetos como algemas de ferro e um tronco. E prepare-se para mais explicações históricas…

Também nessa ala há um quadro com a árvore genealógica da familia imperial, desde D. João VI até os filhos da Princesa Isabel – muito útil para organizar tanta informação na cabeça da garotada.

O anexo

Museu Imperial

Ao sair do Palácio, não deixe de ir ao anexo onde há uma exposição de veículos antigos – liteiras, carruagens e uma locomotiva.

Museu Imperial

Museu Imperial

O destaque é a carruagem cerimonial de D. Pedro II, protegida em uma enorme caixa de madeira e vidro. Nesse ambiente pode-se fotografar à vontade e as crianças tem mais liberdade para andar. Elas vão adorar.

Algumas dicas:

Museu Imperial

  • Para os pequenos que estão mais interessados em correr e brincar do que em ver peças históricas há espaço suficiente nos jardins – e já é um programão.
  • O palácio tem elevador interno para quem tem dificuldade de locomoção.

Museu Imperial

  • O complexo do Museu oferece banheiros em uma construção verde que fica à direita de quem olha de frente para o palácio, a uma boa distância da bilheteria. Os banheiros mais próximos estão na cafeteria, uma casinha recuada situada no caminho entre a bilheteria e o palácio. Os clientes não pagam pelo uso do banheiro, mas de quem vai ali só para isso é cobrada uma taxa de R$ 2,00.

Leia mais:

13 comentários

Ilma Baptista de Souza

Faltou apenas falar no Sarau da Princesa e no Som e Luz, Acho relevante a informação.

Thiago
ThiagoPermalinkResponder

O Museu Imperial e a Cervejaria Bohemia são passeios imperdíveis em Petrópolis!

Maryanne
MaryannePermalinkResponder

Adoro esse museu. Que saudade de Petrópolis.

Hugo
HugoPermalinkResponder

Um dos museus mais legais do Brasil. Já fui duas vezes e quando puder vou levar meu filho.

Fabiola
FabiolaPermalinkResponder

Realmente, a visita ao Museu vale muito a pena! Tenho uma dica, que pode parecer boba, mas é útil para as mulheres...Evitem usar salto (mesmo os modelos "anabela") no dia da visita, pois o salto dificulta muito a colocação das pantufas e a locomoção pelo museu.

Marcia
MarciaPermalinkResponder

Este museu lembra minha infância e juventude. Fui com meus pais, fui com a escola, fui com namorado na adolescência e juventude, fui com minhas filhas pequenas..... Saudades de Petrópolis !! O acesso caótico à Rio-Petrópolis nos finais de semana não me anima a fazer o trajeto Barra da Tijuca-Petrópolis.

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Um dos meus maiores micos de viagem foi justamente ai com essas pantufas!!! Kkkk Preciso voltar pq isso já faz mais de 15 anos e nem lembro direito do museu!

Aline
AlinePermalinkResponder

O esperaculo Som e Luz e magnifico...acontece a noite com lindas projecoes de imagens em uma fonte de agua e tambem nas paredes do palacio contando a historia da familia imperial. Vale muito a pena!

Cristina scott

Qual dia da semana tem o espetáculo de som e luz?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Cristina! De 5ª a sábado, às 20h:
http://www.museuimperial.gov.br/eventos/espetaculos/som-e-luz

Bruno Luiz
Bruno LuizPermalinkResponder

O post está muito bom. É uma pena que não pode tirar fotos lá dentro né.

Luiz Antonio M Madeira

- Gostei muito da restauração da carruagem de aparato de D.Pedro II. Contudo, não foram recolocados os 4 lampiões das extremidades externas do seu habitáculo. Já estive em visita ao Paço de Petrópolis e, inconformado, questionei a ausência dos lampiões e nada de concreto foi acrescentado. Da mesma forma, as maçanetas de cristal das portas que traziam no fundo o brasão de armas do Império. Por qual razão não se encontram em seus lugares? A pergunta é, onde foram parar?

Alê
AlêPermalinkResponder

Acabei de voltar de Petrópolis e estou inconformada por não ter feito a visita ao anexo com as carruagens! Eu não percebi nenhuma indicação nesse sentido ao final da visita ao palácio... uma pena...

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar