Câmbio para viagem: 5 pitacos para não perder dinheiro

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Dólar x real

Câmbio é um dos assuntos mais complicados que existem para nós, leigos. São tantas as variáveis envolvidas – a cotação que importa ora é a de compra, ora é a de venda; às vezes o câmbio requer fazer conta de dividir, e outras vezes, de multiplicar; freqüentemente, o que intuímos ser mais lógico é apenas resultado de um raciocínio erroneamente simplista. É uma pegadinha atrás da outra, pessoal.

A gente, que não entende patavinas de câmbio, tende a enfiar os pés pelas mãos e acaba fazendo mais besteira do que o habitual. Se existir contabilidade criativa em câmbio, não deve estar ao alcance de amadores como você e eu. Só quem garantidamente ganha dinheiro com câmbio é quem está do outro lado do balcão (ou quem compra dólar como investimento de longo prazo, como quem investe em ações).

No câmbio, o dinheiro se torna uma mercadoria. A gente não ‘troca’ dinheiro – a gente vende uma mercadoria que não nos serve (um dinheiro inútil aonde vamos) para comprar uma mercadoria que nos falta (um dinheiro indispensável aonde vamos). É um mundo injusto, onde compram a nossa mercadoria por menos do que vale e nos vendem com sobrepreço uma mercadoria de valor teoricamente equivalente. A única maneira de evitar o preju é entrar para a família do dono do banco ou da corretora.

A maior confusão que vejo nas perguntas que aparecem diariamente nas caixas de comentários é considerar a diferença nominal de valores de moedas como indicador de carestia ou pechincha.

Se dólar custa mais de R$ 4 e o peso mexicano custa R$ 0,30, então é muito mais barato comprar peso mexicano, certo? Errado. A cotação dessa moeda no Brasil (assim como das moedas ‘fracas’ em geral) é desvantajosíssima. O peso mexicano deveria custar, no dia em que pesquisei, no máximo R$ 0,24 (tomando por base o câmbio que você conseguiria no México ao trocar dólares comprados no Brasil). Tem um sobrepreço aí de 20% (muito maior que o IOF que você está querendo economizar!), que você não percebe que existe, só porque está prestando atenção apenas na diferença nominal do peso frente o dólar.

O dólar é o parâmetro pelo qual o real é cotado frente todas as moedas. Quando acontece – como nesse último mês – do real desvalorizar sozinho frente ao dólar, fique certo de que a desvalorização vai se refletir no câmbio frente todas as outras moedas. Quando estive no Peru em junho de 2015, 1 real era comprado a 95 centavos de nuevo sol. Três meses mais tarde, no dia 11 de setembro de 2015, vendi reais em Lima a 68 centavos de nuevo sol. É o mesmo tombo que o real levou frente o dólar.

Conclusão: não fuja do dólar só porque ficou repentinamente mais caro. As outras moedas ficaram repentinamente mais caras também – você é que não estava acompanhando.

Bom. Depois desse blablablá introdutório, aí vão meus conselhos:

Pitaco 1:

    Não compre moedas ‘fracas’ no Brasil

    O mercado de moedas ‘fracas’ (pesos, soles, rands, florins, liras e quetais) é pequeno e atende apenas a viajantes muito inseguros, que acham que precisam desembarcar em qualquer lugar com alguma moeda do país no bolso. A verdade é que não precisam. Todo aeroporto terá uma casa de câmbio aberta 24 horas junto ao desembarque -- e se é para perder dinheiro, melhor trocar 100 dólares ali do que comprar essas moedas aqui pelo valor que pedem.

    Veja esse print de cotações do dia 18 de setembro de 2015.

    Cambionet

    O peso chileno estava sendo vendido a R$ 0,0067 (não sei nem como se pronuncia isso). Parece superbaratíssimo, não? Mas se você levasse seus reais ao Chile, conseguiria 170 pesos por real – ou que significa que bastam R$ 0,0058 para comprar um peso em território chileno. A cotação da corretora brasileira equivale a 150 pesos por real. No aeroporto de Santiago, que tem a pior cotação, te pagam 162!

    (Os valores, claro, serão outros no momento em que você lê este post, mas as proporções permanecerão semelhantes.)

    Ou seja:

    Pitaco 2:

    Não leve reais para nenhum destino fora desta lista

    • Buenos Aires
    • Montevidéu, Punta del Este e Colonia del Sacramento
    • Santiago e Valparaíso
    • E só!

    Nessas cidades existe demanda para reais, então a cotação é vantajosa.

    Para todos os outros lugares, incluindo destinos chilenos e argentinos que não estão listados (Ushuaia, Atacama, El Calafate, Lagos Andinos), leve dólar ou a moeda forte do lugar (libra no Reino Unido, euro na zona do euro, dólar canadense no Canadá, etc).

    Sim, eu sei que estou quebrando aquela regrinha de reduzir ao mínimo o número de operações de câmbio -- mas o que vale aqui é a regrinha de não fazer nenhuma operação de câmbio excessivamente desvantajosa. Pode até ser possível trocar reais em outros lugares, mas valerá mais a pena levar moeda forte.

    Por exemplo: na sexta dia 18 de setembro de 2015, com o dólar comprado no Brasil a R$ 4,10, 1.000 dólares renderiam 3.190 nuevos soles em Lima. Mas se você trocasse 4.100 reais (o equivalente a 1.000 dólares no Brasil naquele dia), conseguiria apenas 2.788 nuevos soles.

    Ou seja:

    Pitaco 3:

    Não compre a moeda ‘errada’ só porque está mais barata

    Todo dia me perguntam: com a libra tão cara, será que não é melhor levar euro para Inglaterra? Com o euro tão caro, será que não é melhor levar dólar para a Europa? E outro dia apareceu: com o dólar tão caro, será que não vale a pena levar dólar australiano para os Estados Unidos?

    mrgreen

    Vale a pena não. Como eu já disse mais acima, na hora de fazer o novo câmbio você vai pagar a diferença e mais o sobrepreço do cambista.

    Mas atenção: o que eu não recomendo é comprar dólares para levar para a zona do euro, ou comprar euros para levar para a Inglaterra. Mas se você já tem essa moeda em mãos, vale mais a pena levar e trocar uma vez só, lá. Não troque no Brasil não, porque seriam duas operações de câmbio.

    Pitaco 4:

    Não compre nem troque em qualquer lugar

    Muito mais eficiente do que inventar soluções mirabolantes (tipo levar dólar australiano para a Europa) é tomar mais cuidado na hora de comprar moeda no Brasil e fazer câmbio no exterior.

    Aqui no Brasil, não seja comodista: pesquise o dólar menos caro para comprar. O site Melhor Cambio traz o comparativo de vários bancos e corretoras para você economizar na compra. A qualquer dia, você vai ver no mínimo 5% de variação entre as melhores e as piores cotações. É um IOF!

    E no exterior, se precisar cambiar a moeda que comprou no Brasil, troque o mínimo indispensável em aeroportos, nos fins de semana e em lugares próximos a atrações turísticas. (Veja aqui as minhas dicas de Santiago e Buenos Aires.)

    Na Europa, descubra agências bancárias com setor de câmbio – a cotação sempre é melhor do que a de casas de câmbio de rua. No Leste Europeu, algumas casas de câmbio de rua são tão salafrárias quanto os motoristas de táxi – assim que o real estabilizar de novo (#oremos) eu indicaria usar o cartão de crédito só para não passar raiva.

    Pitaco 5:

457 comentários

Tati
TatiPermalinkResponder

Adorei o texto. Só tem uma coisa que queria acrescentar, o tempo da viagem é dinheiro também e não vale a pena ficar gastando um dia inteiro procurando o melhor câmbio. Acho importante pesquisar daqui um lugar legal pra trocar (e nisso sempre temos ajuda dos comentários aqui do blog) e boa. Quem vai viajar já deve (ou deveria) ter um planejamento de gasto e uma reserva, então pagar um pouquinho a mais do que se esperava não deve prejudicar tanto a viagem. O que não dá é pra perder dinheiro por besteira mesmo.

Diogo
DiogoPermalinkResponder

Riq, adorei.
Sempre tento fazer estas contas e nunca consigo!
Concordo plenamente com a ideia de reduzir ao mínimo as operações de câmbio, e por isso em países onde não se usa US$, Libra e Euro, tenho sacado diretamente da conta corrente porque o banco com o qual trabalho não cobra tarifas, apenas IOF e algumas vezes uma pequena tarifa no ATM local.
Enfim, belo post!

Marcelo Oliveira

Olá! Ricardo!!!
Como sempre maravilho post!
Tenho uma grande duvida, estive na Europa em julho e acabei sobrando com Euros e também com libras ... No final de Outubro irei à Florida (MIA e MCO), então, aparece a duvida ... Troco aqui no BR e perco a conversão 2x (Euro/Libra para Real e depois Real para dólar - como qurem as casas de câmbio) ou troco minhas moedas européias lá na florida onde tenho apenas uma conversão? Será que o câmbio dessas moedas lá é razoável ?
Gde abraço. Marcelo

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcelo! Direto na Flórida!

shyrllen meneses

Vou para colombia em novembro, melhor comprar pesos colombianos em Bogotá? ???

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Shyrllen! Sim, com dólares.

Daniel
DanielPermalinkResponder

Bóia, também vou para Colômbia em novembro e andei pesquisando algumas casas de câmbio em Bogotá. Das que eu pesquisei, estava valendo mais a pena trocar reais por pesos do que comprar dólares aqui no Brasil e trocá-los em Bogotá. Quando vc diz que vale a pena comprar pesos com dólares, vc está considerando qual valor de compra do dólar do Brasil?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Daniel! Use o site http://www.jooin.com.br para comprar seus dólares no Brasil com a menor cotação. Dólar bem comprado é o melhor negócio.

Ana Priscila Donato Capps

Muito esclarecedor!
Estou pensando em ir para o Sudeste Asiático. Seria agora um bom momento? Para lá é melhor levar dólares, certo? Moedas fortes.
Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana! Vietnã, Camboja e Báli são bem em conta. A Tailândia não está mais tão barata. Cingapura é cara.

Claudia
ClaudiaPermalinkResponder

Tenho dólares e vou para a Europa. Troco aqui ou lá por euros? Estava pensando em trocar lá, mas agora fiquei em dúvida.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Claudia!

Comprar dólares para levar para países da zona euro é besteira.

Mas se você já tem os dólares, troque direto na Europa.

Se trocasse no Brasil, seriam dois câmbios.

Marcelo Dias
Marcelo DiasPermalinkResponder

Olá Ricardo! Adorei o texto, me ajudou muito. Já vou deixar salvo nos favoritos! Estou planejando viajar para o Leste Europeu no ano que vem (República Tcheca, Áustria, Hungria e Polônia), é mais vantajoso levar dólar ou euro, visto que as duas são moedas fortes lá? Já tenho um pouco de euro e vou levar, mas preciso comprar mais um pouco.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcelo! Em termos de casa de câmbio, tanto faz. A vantagem do euro no Leste Europeu é ser aceito diretamente pelo comércio, em lugares que recebem turistas.

Georgia
GeorgiaPermalinkResponder

Muito bom. Estou Indo pra a China agora e comprando dólares. Mas estou pensando em levar uns euros que sobraram da última vez contando que na próxima viagem estará mais barato pra comprar que agora. Que acha, Bóia?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Georgia! Funciona sim! Pode levar dólares, euros ou libras, tudo vai ter cotação justa por lá smile

Vanessa
VanessaPermalinkResponder

Adorei as dicas!
Só de curiosidade: em Orlando, agora em setembro, vi uma casa de câmbio que trocava Real. Fui dar uma espiada (vai que é mais barato, né?rsrsrs) e a cotação lá era de R$6,30. É claro que ninguém em sã consciência iria para os EUA com Real na mão, mas citei este exemplo só p/ ilustrar tudo o que foi falado no artigo acima. Boa viagem a todos!

Mariana Rocha
Mariana RochaPermalinkResponder

Olá Riq! Que post excelente! Adorei!
Estamos indo para BsAs no feriado de 12 de outubro, chegando na sexta-feira a noite. Já li seu post atualizado sobre o câmbio em BsAs, mas ainda tenho uma dúvida. Como chegaremos no final de semana (e 2a feira vamos embora), as casas de câmbio paralelo estarão fechadas. Você acha que ainda assim vale a pena trocar reais por pesos na casa de câmbio do aeroporto de BsAs, ou troco no Brasil? Obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mariana! Nunca no Brasil. Câmbio oficial do aeroporto é melhor que câmbio no Brasil.

Fabio
FabioPermalinkResponder

Mariana, tem uma casa de cambio que vende dolar blue (cotação muito melhor que oficial) na avenida Santa Fe, uma quadra pra cima da livraria El Ateneo (no mesmo lado da rua). Abre sábados até meio dia.

Carla
CarlaPermalinkResponder

Mariana, chegando ao Aeroporto de Ezeiza, vale a pena trocar um pouco de reais (para ficar tranquila) no Banco Nación, que tem cotação oficial, claro, mas melhor do que a da casa de câmbio do aeroporto.

Melisa
MelisaPermalinkResponder

Olá! Estamos indo para o Peru em outubro. Já tínhamos dólares comprados pouco antes desta última valorização perante o real. Mas temos euros ainda que sobraram da última viagem. Vale pena levar os euros para trocar por soles no Peru?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Melisa! Supervale, leve os euros para trocar no Peru.

Márcio Angelin

Boas dicas do artigo. Uma coisa que eu acho interessante, mas ainda não consegui encontrar na internet, é um comparativo do valor do dólar nos cartões de diferentes bancos, bem como comparativo do saque no ATM nos EUA e a compra de dólar no Brasil. Tenho cartões do BB e Bradesco, e o valor do dólar neste último é bem mais alto, o que encarece as compras. Em outra viagem (México), o saque direto de moeda local nos ATM na função débito foram mais em conta que a compra de moeda. Se já há um artigo neste sentido, por favor passem a dica aqui nos comentários.

Ivana
IvanaPermalinkResponder

Também sempre fico com dúvida se vale a pena comprar moeda pra levar para a Europa (pagando IOF e cotação de turismo) ou levar o mínimo e realizar saques nos ATMs (cotação comercial ? + IOF)... Gostaria que alguém fizesse esse comparativo de forma clara.
Obrigada.

Régis
RégisPermalinkResponder

Tudo vai depender do cartão que você usa. O cartão de crédito da Caixa, por exemplo, opera com o melhor dólar, geralmente bem próximo à cotação do dólar comercial. Nesse caso esse cartão é imbatível, seja para saque ou para compras, frente às outras modalidades. O risco é a cotação subir demais entre a data do saque e a data de fechamento da fatura.

Maria Christina Cruz

Também tenho a mesma dúvida. Vou aos Estados Unidos e Barbados na semana que vem, tenho dólares guardado (ufa...), mas gostaria de saber de vale mais a pena o saque no ATM ou usar o cartão de crédito caso necessite. Bóia, qual a opinião do Comandante?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maria Christina! Prefira caixas eletrônicos de bancos a caixas eletrônicos de lojas, que cobram tarifas mais altas. Faça saques altos -- nos Estados Unidos, uns US$ 300 pelo menos de cada vez -- para diluir a tarifa de uso do equipamento.

Renata
RenataPermalinkResponder

Seria fantástico se existisse um site que fizesse esse comparativo dia a dia, né?

Marcio Angelin

Parece que o Banco Central traz um relatório de valor médio das operações com dólar do mês, criando um ranking.... https://www3.bcb.gov.br/rex/vet/index.asp
É bom ver a explicação sobre este relatório do Banc Central nesta matéria do UOL --> http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2015/05/26/quer-comprar-dolar-mais-barato-saiba-consultar-o-ranking-do-banco-central.htm

Marcio Angelin

E saiu uma matéria no Melhores Destinos ontem comparando o dolar dos cartões com o dolar comercial, e confirmando a Caixa como tendo o cobrado o valor mais próximo ao do dolar comercial.
http://www.melhoresdestinos.com.br/dolar-cartoes-de-credito.html

Regina Alcoforado

Também tenho euros que sobraram de outra viagem e vou para Puerto Varas e Mendoza em novembro. É melhor fazer o câmbio lá tb? É fácil? Qualquer casa de câmbio troca? Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Regina! Toda casa de câmbio trocará euros. Em Mendoza, use o câmbio blue no calçadão do centro da cidade.

Izabella Zava
Izabella ZavaPermalinkResponder

Oi. Sou do Rio. Minha dica por aqui é olhar sempre na dg câmbio e ipanema exchange. São as duas em que sempre acho os melhores preços.

Rosele
RoselePermalinkResponder

Tenho cédulas de dólar americano originárias do Peru, que comprei de um amigo.
Elas possuem um pequeno carimbo do governo peruano (provavelmente por conta de falsificações... não sei exatamente a razão).
Gostaria de saber se essas cédulas são facilmente aceitas nos Estados Unidos ou se posso ter problemas.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Rosele! Não tem problema.

Paulo Torres
Paulo TorresPermalinkResponder

O dólar australiano é "moeda forte" ou "moeda fraca", afinal? Vale comprar no Brasil? Estou quase achando que rezar pra Nossa Senhora do Cartão de Crédito vai ser mais vantagem...

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Paulo! É moeda forte smile

Ines Martins
Ines MartinsPermalinkResponder

Pessoal, agora em outubro irei a Puerto Iguazu na Argentina, o que indicam? Reais ou dólares? Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ines! Seus reais serão aceitos no comércio.

Ines Martins
Ines MartinsPermalinkResponder

Obrigada Bóia! grin

Guilherme
GuilhermePermalinkResponder

Ola Ines
Estive em Puerto Iguazu em julho.
Eles aceitam reais no comercio, mas nem sempre numa cotação vantajosa.
Eu troquei notas de reais e de dolares numa casa de cambio chamada "Argecam", na avenida Brasil, bem no centrinho turistico, e que, apesar de ter monitores de computador com a cotação "oficial" , trocaram pela cotação do Blue.

Vanessa Santos

Adorei o texto, muito útil. Relacionando a ele, seria legal também fazer um post sobre quais países ainda são baratos de ir, mesmo com o dólar a 4 reais. Vou estar de férias em fevereiro e não queria deixar de viajar, mesmo com a desvalorização do real. Pensei em Bolívia, Peru ou Colômbia, será que ainda está valendo a pena ir nesses lugares? Pois Argentina e Uruguai com certeza já não é tão vantajoso quanto era antes.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Vanessa! São de fato países mais em conta. Leia o último post indicado ao final do texto.

Claudia P.
Claudia P.PermalinkResponder

Excelente post!!! Obrigada!!

Denise F Gibran

Que bom! Adorei o texto! Tb vou salvar!
Ricardo, vc pode me tirar uma dúvida? Estou indo para Praga, Viena e Budapeste a semana que vem!
Esses lugares aceitam EURO????? Se não, estava pensando em sacar em caixas eletronicos, o dinheiro local com cartão mesmo! Estou muito errada????
Obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Denise! O euro pode ser eventualmente aceito no comércio e em hotéis, mas não conte com isso 100% das vezes. Ao sacar no caixa eletrônico, tire o máximo possível, para que as tarifas de uso do equipamento sejam diluídas.

Denise F Gibran

thanks

Perpetua Devite

Ricardo, sou sua fã. E achei na internet um site que compara as taxas de câmbio entre diversas corretoras: http://jooin.com.br/

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Perpétua! O texto já informava isso smile

Joao Trevisan
Joao TrevisanPermalinkResponder

Ótimo texto. Só um comentário: estive no Atacama em Abril e eles não só aceitavam Real como a cotação era melhor do que fazer Real -> Dolar -> Peso.
Minha dica é sempre simular R$ 1.000,00. Quantos dólares vc comprará (incluindo a taxa das corretoras) e quanto dará em moeda local, e quanto daria se comprasse diretamente a moeda do local (pelo menos para os destinos mais tradicionais).
Outra consideração é que as moedas da América do Sul como o peso argentino também se desvalorizaram no último ano.
Mas para quem não quer ficar fazendo muitas contas ou pesquisas realmente é só seguir estas 5 dicas do artigo. que não tem erro!

Laercio
LaercioPermalinkResponder

Muito boa as dicas, só tem problema, quando vc liga para as casas de câmbio do site do Jooin, o valor informado não é o verdadeiro. Então o grande beneficio do site e a lista com o telefone das corretoras. não acredite na informação.

Claudio Escudero

Oi Learcio, eu já liguei para diversas casas de câmbio e os valores foram verdadeiros sim. Este site já me ajudou com as taxas que estavam lá em 2 viagens que eu fiz.

Vanessa
VanessaPermalinkResponder

Olá! Vou para Buenos Aires no meio de outubro e reservei o hotel Bel Air pelo Booking. Você sabe se eu preciso pagar na hora que eu chegar no hotel ou na saída? O pagamento é em pesos ou dólares? Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Vanessa! O mais comum é pagar na saída. O pagamento é em pesos. Leve reais ou dólares, troque no câmbio paralelo e pague em cash, economizando de 25 a 30%.

Gustavo
GustavoPermalinkResponder

Vou para a Colômbia em Novembro. Compensa realizar pagamentos no débito lá? Digo, o dólar conversão utilizado pelo banco é o comercial ou é aquele comercial com taxas do banco? Pois a diferença do comercial pra turismo dá uns 5%, quase o valor da diferença de IOF (6%). Se levar em consideração do lucro do cambista aqui e lá, pode ficar no mesmo valor?
Obrigado.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Gustavo! No débito a cotação é turismo, também. O valor é debitado da sua conta pelo câmbio do dia. Há reclamações, porém, que gastos feitos no débito acabam anotados no crédito. Para garantir, o melhor é fazer um cartão exclusivamente de débito.

fernanda
fernandaPermalinkResponder

Em outubro inicio em uma viagem passando por Inglaterra, França, Bélgica, Holanda, Alemanha, República Tcheca, Áustria, Hungria e Polônia. O que vocês me aconselham, tendo em vista tantas moedas diferentes no roteiro? Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fernanda! Euro e libras.

fernanda
fernandaPermalinkResponder

Obrigada!! No meu caso, usar meu cartão de debito é mais vantajoso que o pré pago?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fernanda! São dois produtos diferentes. A vantagem do pré-pago é congelar a cotação no momento do carregamento da moeda. A vantagem do débito em conta corrente é não ficar com saldo preso no cartão e não precisar ficar recarregando (mas o limite de gastos nunca é igual ao saldo da sua conta, informe-se com o gerente).

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Muito obrigada! Vocês prestam um verdadeiro serviço!

Nanda Castelo Branco | vontadedeviajar.com

De tirar o chapéu! Excelentes dicas smile

Alisson
AlissonPermalinkResponder

Olá....parabéns pela matéria...me interessei muito pois estou querendo viajar para Nova Zelândia em dezembro deste ano....o q vcs me aconselham?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Alisson! Veja em http://www.oanda.com a cotação do dólar neo-zelandês e compare com a que te oferecerem.

Lucas
LucasPermalinkResponder

Oi, irei para Cancun em novembro e gostaria de saber se é melhor levar pesos ou dólar. Em uma casa de câmbio me foi passado o dólar a 4,22 e o peso 0,29.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lucas! O dólar vale em casas de câmbio de Cancún 15 pesos. (Em restaurantes, vale menos). Com 1.000 dólares você consegue 15.000 pesos em casas de câmbio de Cancún. Com 4.220 reais você consegue 14.551 pesos nessa casa de câmbio aí. É uma diferença de 10%, bem maior que o IOF do cartão de crédito que você está querendo evitar levando dinheiro vivo.

Ontem o http://www.jooin.com.br mostrava corretoras que cobravam 4,09 pelo dólar. Compre bem o seu dólar no Brasil e será o melhor negócio. E se o lugar vende o dólar caro, pode ter certeza que venderá essas moedas baratinhas com um sobrepreço exagerado também.

Melisa
MelisaPermalinkResponder

Obrigada pela resposta Bóia! E até chegar a viagem vou seguindo o Comandante em suas andanças pelo Peru no Instagram!

Guilherme
GuilhermePermalinkResponder

Otimo post, bem explicadinho!
E, posso pegar caronanas suas dicas e acrescentar outra?
Melhor do que "economizar" 6% de IOF levando dinheiro vivo que pode ser perdido ou roubado, é simplesmente pesquisar melhor e ficar em um hotel mais barato do que ficaria antes do aumento do dolar.

Claudete Alves Pereira

Vou viajar em Outubro para o leste Europeu,além do Euro em especíe,pretendo levar um cartão pré pago,para pequenas despesas,tipo alimentação e transporte.
è vantagem usar este recurso?
Cllaudete

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Claudete! É prático e seguro. Ao comprar a moeda, você paga 6,38% de IOF. Ao usar o cartão carregado com euros em países cuja moeda não seja euro (República Tcheca, Hungria, Suíça, Reino Unido), haverá uma operação de câmbio parecida com a que você faria levando os euros físicos a uma casa de câmbio física.

marcia
marciaPermalinkResponder

Boa tarde, moro na fronteira, iremos para EUA em fevereiro. Vale a pena ir até o lado argentino e trocar R$ por dolar

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcia! Não vale não.

Fabio Oliveira

Gostaria de adicionar outro destino onde os reais podem ser facilmente trocados pela moeda local por uma boa cotação: Assunção, no Paraguai. Em maio/2015 foi mais vantajoso comprar guaranís nas casas de câmbio do centro antigo, pagando em reais.

Reynaldo
ReynaldoPermalinkResponder

Vi no site do Itaú que, além do Travel Money, existe a possibilidade de carregarmos um valor em moeda estrangeira no cartão de crédito fechando a cotação no dia da carga da moeda no cartão. Para compras no exterior, enquanto tivermos saldo, a compra será debitada desse valor. A partir do momento que o saldo terminar a despesa entrará normalmente no cartão de crédito.

Alguém já teve alguma experiência com o uso do cartão dessa forma ? Funcionou bem ?

Cris
CrisPermalinkResponder

Boia ou Ricardo,

Em Novembro, ficarei 3 dias na República Tcheca, entre Praga e Cesky Krumlov. (Também passarei pela zona do Euro). O que fica menos doloroso para o caso de coroas tchecas? A) Usar o cartão de crédito ou o Travel Money direto nos hotéis e lugares que eu passar, B) fazer o saque da moeda Tcheca em ATMs, tendo de pagar a taxa de saque e a mais a conversão ou C) fazer câmbio de euros em cash "na rua"?

Já estive em Praga em outra ocasião, mas nem me preocupei muito muito em fazer saques nos ATMs, pois o câmbio não estava tão brutal como agora.

Nesse caso, haverá alguma diferença significativa entre um e outro método ou fica tudo "elas por elas"? No caso de câmbio em cash, alguma dica para não entrar em roubada (além de desconfiar de cotações descaradamente vantajosas?)

Por fim, uma pergunta talvez irritante como as dos exemplos citados no texto, mas que veio à mente: teria alguma "vantagem" eu fazer um Travel money em dólar apenas para os dias em que eu ficarei na Rep. Tcheca? Porque teoricamente com o travel money, eu consigo "travar" o valor do câmbio (vantagem em relação ao cartão de crédito no momento atual de subida do câmbio), mas se usar meu travel money que já possuo (que é apenas de euros) terei de passar por duas conversões, o que provavelmente é desvantajoso!

Att,

Cris

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Cris! Um cartão pré-pago em euros tem exatamente os mesmos prós e contras de um cartão pré-pago em dólares. A taxa de conversão dos euros para coroas tchecas será a cotação de compra, mais baixa, como se você levasse euros vivos para trocar numa casa de câmbio.

Dinheiro vivo será a alternativa mais vantajosa, DESDE QUE você compre bem esses euros no Brasil e, sobretudo, não caia nas pegadinhas de casas de câmbio que usam cotações falsas como chamariz ("ah, esse valor é para trocas a partir de mil euros") ou comissões ocultas.

Saque em ATM valerá a pena se você sacar o máximo possível a cada operação -- 300 dólares para cima, para compensar as tarifas.

Cris
CrisPermalinkResponder

Obrigada pela resposta, Boia. Eu fiquei na dúvida quanto ao VTM em Euros ou em Dolar (no caso de saque ou pagamentos em coroas tchecas) porque estava imaginando que ocorreriam duas conversões no caso de usar meu VTM em euros: uma de Kc para US$ e outra de US$ para Euro...

Não sei de onde eu tirei isso, mas talvez tehna sido uma confusão com o cartão de crédito, quando qualquer moeda estrangeira é convertida de imediato para o dólar ...

Quanto ao dinheiro vivo, eu tenho uma casa de câmbio de confiança aqui em Porto Alegre, que não está no site Jooin, mas que está com o câmbio em Euros melhor do que as que estão listadas ali. De qualquer forma, é uma boa ferramenta para pesquisa!

Clément
ClémentPermalinkResponder

Oi Ricardo, sou seu fã, sempre ouço na Bandnews FM Rio! Estou numa encruzilhada: Lua de Mel em Dezembro - Miami / Orlando 9 noites com Cruzeiro de 03 noites pelo Caribe, porém com a alta do dollar estamos pensando em ir para Paris e Amsterdã, ou Paris e Roma. Minha dúvida é: embora o valor nominal do Euro seja maior que o Dollar, qual moeda rende mais em seus países? Tipo um índice Big Mac, se tenho R$ 5.000,00 em Dollar ou Euro, aonde esse dinehiro renderá mais, qual o destino mais caro atualmente.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Clément! Infelizmente todos são destinos caros. Orlando tem hospedagem barata, mas cada dia em parque de diversão sai 100 dólares por pessoa. Se quer gastar menos no exterior, considere destinos com custo de vida camarada, como Portugal, México, Colômbia, Peru, Turquia.

Heleno Mansoldo

Parabéns. Excelente post e dicas.
Vou para Colômbia em dezembro/2015. Tenho euros e libras que sobraram de uma última viagem. É vantajoso levar e trocar lá por pesos colombianos?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Heleno! Ambas são moedas fortes e terão bom câmbio na Colômbia.

Neftalí
NeftalíPermalinkResponder

Muita calma é a melhor dica, realmente. No meu chutômetro, acredito que depois de tanta especulação o dólar deveria se estabilizar a médio prazo na casa dos 3 e algo. A curto prazo vai continuar volátil, podendo subir mais. Eu não compraria agora, já que um dos raros aspectos positivos nas atuais finanças brasileiras é a enorme reserva de dólares.
Mas como disse, é meu chute. Isso se a China não disser o contrário.

Victor Hugo
Victor HugoPermalinkResponder

Bóia, tenho visto que muitos (assim como eu) estão com viagem marcada para Colômbia - talvez até por um post anterior do Comandante que falava sobre a relação Real x Peso Colombiano.

Resolvo compartilhar o site de 02 casas de câmbio na Colômbia que tenho monitorado para saber como andam as coisas: atcambios.com e eurosydivisasjc.com.

De fato, analisando essas páginas e os preços no Jooin aqui para SC, aparentemente está valendo a pena levar reais e trocar lá. Entretanto, não tem como ter certeza que o preço informado é o praticado e, além disso, a vantagem do real varia entre 1,5% e 4,5%.

Pessoalmente eu acho uma diferença muito pequena. Se a minha viagem fosse hoje levaria dólares, como indicado por vocês.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Victor Hugo! Um dólar bem comprado no Brasil (depois de uma pesquisa) sempre será um bom negócio. O real do jeito que está pode inclusive desvalorizar durante a viagem.

Vanderlei D.Vieira

Parabéns pela matéria!!!

ANTONIO GERALDO CARVALHO

Bóia, parabéns pelo artigo. puro bom senso.
Em novembro vou à Tailândia. Comprei o pacote ainda em Janeiro com o Dólar a 2,35 e pagando de cinco vezes. Bom demais.
Esses dias cheguei a cogitar de comprar baats, a moeda tailandesa para levar daqui, uma vez que o dólar está indo para a estratosfera. Não concretizei a operação em virtude das casas de câmbio não disporem dessa moeda. Após ler o seu esclarecedor artigo pergunto o que você acha de levar uma parte do dinheiro em dólar, cartão de débito, cartão de crédito para sacar dinheiro e uso exclusivo em emergências.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Antonio! Os prós e contras de cada meio de pagamento estão neste post:

https://www.viajenaviagem.com/2014/11/que-moeda-levar-dinheiro-vivo-x-cartao-pre-pago-x-saques-no-debito-x-cartao-de-credito

Dora Elisabete

Olá Ricardo. Seu artigo foi muito esclarecedor. Até já divulguei no Facebook.
Costumo comprar dólar e euro para guardar para viagens, assim, só tenho que me preocupar com a passagem aérea na hora em que decido ir.
Não compro há quase 1 ano, por puro esquecimento.
Vc acha que devo continuar comprando, ou neste momento é 'roubada' ?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Dora! Não somos economistas nem futurólogos. Só sabemos que, depois de comprado, 1 euro valerá 1 euro indefinidamente.

Daniel Nascimento

Boa noite Bóia!
Parto amanhã com destino à Santiago e de lá vou direto a Mendoza. Contrariando a dica de não comprar as moedas desses países por aqui, soube que em Búzios as casas de câmbio praticam uma cotação bem bacana. Baseado nos valores dos posts daqui, decidi trocar algo antes da viagem, consegui pesos argentinos a R$0,26 (3,84 pesos por real) e pesos chilenos a R$0,0059 (169 pesos por real), nada espetacular, porém achei mais prático pois moro em cidade vizinha. Uma boa para quem mora na região e vai viajar ou quem estiver passeando por lá. Um Abraço!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Daniel! Isso sem dúvida se deve à grande colônia e ao expressivo número de argentinos o ano inteiro em Búzios, e não se reflete em outros lugares do Brasil.

Rosana
RosanaPermalinkResponder

Parabéns pelo post!
Irei viajar no próximo mês para Europa e carreguei parte do dinheiro no cartão pré-pago em dolár, já que não tinha o cartão em euro disponível no momento.
É muito desvantajoso utilizar o cartão em dólar para pagar em euro ou não faz diferença?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Rosana! Haverá uma perda de 3 a 5% na conversão de moedas.

Camila
CamilaPermalinkResponder

Estou com uma duvida, estou indo viajar para o Peru (Cusco) agora em outubro e gostaria de saber se eu consigo trocar dolar canadense por la? E se existe algum site em que eu possa ver a cotacao no Peru?
Mais uma vez obrigada pelos post maravilhosos

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Camila! O Ricardo Freire está neste momento em Cusco e já viu a sua pergunta. Ele vai dar uma investigada e traz a resposta.

Camila
CamilaPermalinkResponder

Perfeito vou ficar no aguardo...

Se ele puder me falar tambem como esta a cotacao..tanto para canadense, americano e real, ficarei muito grata!!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Camila! Ai vão as cotações apuradas hoje, segunda-feira dia 28 de setembro, pelo Ricardo Freire, em Cusco:

Real = 0,70 sol
Dólar = 3,20 soles
Dólar canadense = 2,40 soles

Margarete
MargaretePermalinkResponder

Oi! Já comprei passagens para o Japão. vamos em janeiro de 2016.
melhor levar dólar ou Iene?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Margarete! No oanda.com a cotação interbancária ("comercial") está em 0,33 real por yen. No site da cambionet aparece a cotação de 0,40 -- um deságio de 20%. Se você não conseguir yen por uma cotação até 10% maior do que o oficial (no momento, seria 0,36), será melhor levar dólar.

Luiz Henrique
Luiz HenriquePermalinkResponder

Aproveitei um pouco estes últimos anos de real forte para viajar, e posso atestar, as dicas aqui são precisas, finas, cirúrgicas. Japão, por exemplo, não vale comprar a moeda no Brasil (talvez em São Paulo, moro em Brasília), e o melhor câmbio que você faz é levando dólar ou euro, e trocando lá. Leste europeu tem que ter muito cuidado com casas de câmbio, troquei um pouco de dólar uma vez numa casa de câmbio na estação de trem central de Praga e até hoje tenho raiva deste episódio. Eu acrescentaria tão somente que em algumas experiências minhas em países com moedas pouco negociadas (Tailândia, por exemplo), a cotação do cartão do crédito, especialmente na função saque, era muito ruim, então esta não é uma boa forma de fugir da necessidade de fazer dois câmbios. O melhor mesmo é, como dito no post, comprar dólar ou euro no Brasil e trocar no país destino.

Sheila
SheilaPermalinkResponder

Muuuuito obrigada pela dica do site Jooin, foi uma mão na roda para conseguir um câmbio 'menos ruim' no dólar pois embarcarei domingo rumo à NY. Aliás, peguei muitas dicas de lá também smile

Anna Laura Wolff

Perdemos um pouco exceto no câmbio paralelo pela América do Sul, em que a gente sai ganhando razz

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar