#Linkódromo | Tudo o que você precisa saber para viajar ao Irã, num só post do Gabe Britto

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Gabe Britto Irã

Fotos | Gabriel Britto

Num intervalo de um ano e meio, o inimitável Gabe Britto, do espetacular Gabriel quer viajar, esteve por duas vezes no Irã. No total, ficou quase 50 dias em território iraniano.

(Não sei se ele contou quanto tempo dedicou a estudar essas viagens; provavelmente daria pra fazer um doutorado em Irã.)

Nas duas incursões, o Gabe viajou em três circunstâncias diferentes: fez uma viagem classe média com a excelentíssima, uma viagem de luxo num tour guiado (em que ele deu palestras, olha que chique), e uma viagem de mochileiro nos 10 dias finais em Teerã.

Depois de viver tudo isso e de publicar trocentos posts incríveis, o Gabe fechou o assunto com um superpost enciclopédico, intitulado O Irã na prática, que é simplesmente um guia completo num post só.

Tudo o que você gostaria de perguntar sobre viajar ao Irã -- e mais um monte de perguntas que ainda não passaram pela sua cabeça -- estão lá, destrinchadas, com objetividade e estilo (que sem estilo não tem graça, né?).

Irã por Gabe Britto

O Viaje na Viagem adverte: uma dessas perguntas que surgem ao ler o post do Gabe é: como é que eu nunca pensei em ir ao Irã? Prepare-se.

Vai pelo Gabe Britto:

12 comentários

Igor
IgorPermalinkResponder

Boa dica!

A.L.
A.L.PermalinkResponder

O Gabriel escreve excelentes textos.

Isso dito, eu jamais teria estômago para visitar uma teocracia onde mulher tem de se esconder com capas sendo tratadas como humanos de terceira categoria. Não dá, não tem clima pra isso (ao menos para mim).

Luciana Guilliod

É muito chato saber que minhas viagens por meio mundo estão restritas porque sou mulher.

Tarcisio Ramos de Medeiros

Eu sou gay e apesar de ter gente que fala que somos vitimistas, mas ser gay também restringe bastante as viagens. Eu ainda estou solteiro, então é um pouco menos dolorido, mas é muito chato saber que seus iguais são obrigados a ter uma vida no armário em países assim. Mas procuro não generalizar, afinal nem sempre ações do governo significam ações das pessoas (Imagina um estrangeiro não vindo ao Brasil porque o Governo não é eficiente na questão da segurança? Nós não somos diretamente responsáveis pela falta de investimento em segurança, mas perdemos turistas por isso). Por este post, eu acabei buscando no Google sobre ser um turista gay no Irã. É bem restritivo também.

Neftalí
NeftalíPermalinkResponder

Longe de querer defender qualquer maluco radical, e defendendo os direitos das mulheres sempre, acho essa postura um pouco limitante, que privaria de visitar a maioria dos países muçulmanos. As mulheres no Irã podem andar sozinhas, dirigir, votar e ser eleitas a cargos públicos (há eleições no Irã), estudar (são maioria nas universidades). Não usam burca (e sim o hijab) e podem se divorciar. E ao contrário de outros países, o marido necessita da autorização da primeira esposa para se casar com outra. Pode parecer algo básico, mas nesse sentido o Irã é mais avançado que outros países de cultura muçulmana.
Baseado na mesma postura, não se deveria visitar os Estados Unidos, principal parceiro e aliado da Arábia Saudita, uma real ditadura que realmente trata as mulheres como última categoria, onde não podem sair sozinhas, dirigir e votar, entre outros direitos básicos.

Estela
EstelaPermalinkResponder

É bem por aí Neftali.

Filipe Archer
Filipe ArcherPermalinkResponder

A.L.,

A idéia é justamente ir, para realizar a sua própria vivência do Irã, indo além do que você já sabe ( ou pensa que sabe ). Abraços e boa viagem.

Carlos
CarlosPermalinkResponder

Ninguém é obrigado a querer viajar para o Irã. Mas, como os comentários de Filipe e Neftali indicam, não há motivos razoáveis para alguém vir num blog de viagens tentar "arrotar" superioridade moral por causa disto.

Ana Christ
Ana ChristPermalinkResponder

O trabalho do Gabriel é fenomenal. Um dos meus blogs preferidos no mundo!

Breno Fajardo
Breno FajardoPermalinkResponder

Acabei de retornar de lá, em uma viagem de duas semanas. O blog do Gabriel foi muito útil na preparação. Excelente viagem, povo honesto e agradável, lugares superinteressantes. A sensação é de que os acontecimentos históricos, desde os Medos até o acordo antissanções, impactam o cotidiano e seus efeitos são perceptíveis a olhos vistos. Esqueça o discurso americano de assustar potenciais visitantes - é um engodo.

Simon Bardoe
Simon BardoePermalinkResponder

Conheci uma profissional do Turismo há alguns meses num passeio na Turquia, que tem anos de bagagem desde Ásia, Oriente médio, Europa e América do Norte, idade na casa dos 50. Ela me disse: ''Iran is amazing! Once you know what you can and can't do, respecting their laws, you'll be just fine, whether a man or woman''. Disse que o novo é hospitaleiro, a comida fantástica, e é um dos lugares mais seguros no mundo para se visitar, pois lá eles não toleram nada que não seja dentro das regras. Estou com muita vontade de conhecer.

Elizabeth Junqueira

Excelente!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar