Enquete | Hospedagens alternativas: qual foi a sua experiência fora de hotéis?

Natalie Soares
por Natalie Soares

Casa-barco em AmsterdãCasa-barco em Amsterdã

Das reservas feitas na estação de trem aos hotéis confirmados via fax à experiência de trocar de casa com uma outra família, o jeito que reservamos nossa hospedagem mudou muito nas últimas décadas. E que bom! Um leque de novas experiências e histórias inusitadas se abriu bem diante de nossos olhos.

O AirBnB - grande expoente para reservas de quartos, apartamentos e casas pelo mundo - democratizou esse movimento carinhosamente apelidado de “hospedagens alternativas”.  Se você ainda não teve a oportunidade de testar o serviço, provavelmente conhece alguém que já utilizou.

Hoje já dá para alugar apartamento até em sites de reservas de hotéis, como o Booking (os apartamentos são listados juntamente com os hotéis disponíveis nas datas, mas também dá para fazer uma busca específica).

Nessa onda, muitas outras opções passaram a chamar mais a atenção do viajante descolado ou econômico. Entre elas, alternativas com nomes curiosos como WWOOF, Couchsurfing e Home Exchange. Afinal de contas, o que cada um deles significa?

Em poucas palavras, o Couchsurfing é uma plataforma onde o dono da casa oferece uma vaga de graça no sofá da sala. Já no WWOOF (World Wide Opportunities for Organic Farms) é preciso trocar algumas horas de trabalho em uma das fazendas por estadia e alimentação. O Help Exchange (HelpX) segue basicamente o mesmo conceito do WWOOF, mas oferece trabalho em outros lugares como ranchos, alojamentos, hostels, B&B e barcos.

A brincadeira não para por aí. No House Carers, em troca de hospedagem gratuita, o viajante tem de cuidar da manutenção e limpeza básica da casa e até dos animais de estimação. Já o Home Exchange é quase a ideia daquele programa “Troca de famílias”. E por fim, o Guest to Guest é praticamente uma rede social em que seus membros trocam suas casas e apartamentos durante as férias.

Ufa! Esses são só alguns exemplos para quem quer viajar ser gastar muito e ainda quer vivenciar uma experiência diferente de se hospedar em um hotel mais convencional.

Então, queremos saber: você já usou alguns desses serviços de “hospedagens alternativas” na prática? Como foi sua viagem? Conta pra gente!

Mais enquetes:

36 comentários

Bruno Rabello
Bruno RabelloPermalinkResponder

Já usei AirBnb e já fiz várias trocas de casas (homeforexchange.com e homeexchange.com). Tive uma única experiência ruim com troca, não ficamos no apto porque estava sujo, o dono pediu desculpas e disse que eu não precisaria ceder o meu apartamento (ele iria depois).

Acho a experiência muito válida, porque adoro ir no supermercado, padaria, tomar um vinho antes de sair de casa, ter mais espaço disponível que um quarto de hotel.

Recomendo demais.

Bianca R. Surian

Usei o Airbnb em outubro/2015 em Lisboa e Barcelona.
Não posso reclamar. Deu tudo certo: contato com os donos / recepção e disponibilidades dos mesmos / apartamentos ótimos / conforto / segurança / localização..
O apartamento de Barcelona estava um pouco sujo e era um pouco mais velho do que nas fotos... O de Lisboa, era impecável !! (aliás, quem precisar, olhe no meu perfil do airbnb)... Fiz compras na vizinhança, lavei roupa.... Vivi 10 dias como local! Economizei ao todo mais de 2000 reais em relação a ficar em um hotel. Portanto, a minha experiência foi positiva...
Ao chegar no Brasil, li um relato de uma menina que tinha ficado na Alemanha e seus pertences tinha sido todos roubados do apartamento... Uma decepção... Fiquei receosa... O que vocês acham?

Thiago Castro
Thiago CastroPermalinkResponder

Tb vi esse relato, parece que está viralizando. Acho que é o tipo de coisa que, infelizmente, estamos sujeitos. Se até em hotel na Disney isso acontece..... Pelo menos o Airbnb tem representação no Brasil e a pessoa lá (se for verdade mesmo) vai poder voltar ao Brasil e acionar a Justiça. Ao contrário de quando sofremos algum revés no exterior onde fazemos BO, não dá em nada e ficamos a ver navios.

O que podemos fazer é ser ainda mais criteriosos nas pesquisas e avaliações, mas nunca deixaria de usar o Airbnb por conta disso. Lembrando que em muitas viagens o Airbnb não é a melhor opção. Temos sempre que avaliar as opções (número de pessoas, local, época do ano).

Val
ValPermalinkResponder

Fiquei uma semana num B&B em Amsterdã. Fiquei num bairro residencial, afastada da muvuca do centro, mas super bem localizada - 15 min de caminhada e bem atendido por transporte público. A dona do apartamento foi super atenciosa e nos deixou bem à vontade. No último dia pediu para que deixássemos o pagamento na mesa do café da manhã, já que ela estaria no trabalho e não nos encontraria!!
Mês passado também aluguei um apartamento em Copacabana pelo AirBnB e gostei bastante. O proprietário foi muito atencioso e o apê era impecável, exatamente como nas fotos.

val
valPermalinkResponder

eu confesso: ainda prefiro um hotel! wink
mas minhas filhas amam um AirBnB.

Fabiola
FabiolaPermalinkResponder

Ai Val, eu também! Kkkkkk Gosto de ser turista mesmo, nada disso de "me sentir local". Fazer comida, arrumar a casa, arrumar a casa e tirar o lixo já faço o ano todo! Férias quero é passear e aproveitar wink

Jussara
JussaraPermalinkResponder

Hehehe, adorei seu comentário, Fabíola. Não lembro onde foi que li que "férias onde preciso fazer a cama não são férias". Adotei essa frase para mim. wink

Quenia
QueniaPermalinkResponder

Recentemente alugamos um apto em Lisboa pelo Booking e foi uma ótima experiência.

Flavio
FlavioPermalinkResponder

Já usei o ArBnB em Buenos Aires (studio) e em Kissimmee (casa) e foram ambas experiências ótimas.

Adelaide Veiga

No momento estou em Montpellier, França utilizando um quarto alugado pelo AirBnB. Achei excelente, os proprietários, um casal jovem nos receberam muito bem, dão as dicas sobre vinho, comidas etc. passamos o dia fora e à noite utilizamos a cozinha da casa para preparar nossa refeição (eu e meu filho). Melhor custo benefício não há e nos sentimos como locais.

Olga Loyola
Olga LoyolaPermalinkResponder

Estive há 20 dias no Hostel HC COLONIAL em Colonia De Sacramento, Uruguai. Não recomendo para ninguém. Imundo.

Antonio Bellasfalse

Alugamos pelo La Parsienne um apartamento de 160 metros 2 no Marre, a 15 metros da Rue de Rosiers, totalmente equipado e estalando de novo
4 suítes , uma sala maior que a de casa
Fomos recebidos por um agente, que virou amigo e até jantou com a família (ele nunca havia provado comida judaica, e a sogra faz e recebe muito bem)
Recomendamos fortemente, seguro e confortável!!!!

Morgana Wagner

Usei o Airbnb 9 vezes: no Rio de Janeiro (duas vezes), Roma, Paris, Londres, Amsterdam, Dublin, Belfast, Bariloche. A maioria das experiências foi bem positiva. Os anfitriões foram bem solícitos. Pude levar pouca bagagem pois lavava a roupa nos aptos, também economizei com alimentação, pois íamos ao mercado e comíamos de manhã e à noite nas casas. Em alguns lugares fiquei vários dias e me senti como se tivesse morando realmente lá. Sem contar que ficanoa bem localizados pagando bem menos que um quarto de hotel. Em Roma fiquei a duas quadras do Coliseu! Só em Belfast que o apto estava sujo.

vera lucia pletitsch

Olá! Meu filho e eu ficamos num apartamento por 6 dias em Florença no início de outubro de 2015 alugado pelo BNB. A experiência com as proprietárias foi ótima e encontramos tudo limpo. Foi a primeira vez que me hospedei em apartamento mas não gostei de ter que me preocupar com compras do dia a dia e ter que limpar, por outro lado é uma boa economia em relação a hotel.

Maria Helena de Oliveira

No ano passado, aluguei um studio no Marais através do A La Parisienne e deu tudo super certo! A localização fantástica, a atenção do gerente que me
recebeu e o fato de poder explorar o bairro calmamente. Outro fator positivo é que a gerência dos imóveis é feita por brasileiros. Isso facilita o contato e exclui qualquer mal entendido por "tradução" mal feita. O depósito da reserva foi feito no Brasil mesmo. Como se dizia no século passado, "senti firmeza". Ao sair, deixei a chave na mesa da cozinha e pronto!

Daiana Ferreira

Já usei o AirBnb algumas vezes e o único problema que tive foi com um anfitrião de Aix-em-Provence que cancelou minha reserva uns 20 dias antes da chegada. Além de me deixar na mão, ele queria que eu cancelasse a reserva pelo site (para que no perfil dele não aparecesse a mensagem de “O host cancelou a reserva x dias antes”). Após algumas trocas de mensagens com o anfitrião, acionei o Airbnb e eles mesmos rapidamente cancelaram a reserva e a mensagem automática apareceu no perfil do apartamento. Escolhi outro apartamento e o Airbnb cobriu a diferença de valor da primeira reserva. Ponto pra eles! 

Também usei o AirBnb em Buenos Aires, Nice, Paris e Amsterdam e não tive problemas! Ficar em uma casa-barco no Jordaam em Amsterdam foi uma das experiências mais legais que tive na Europa. Recomendo muito!

Acho que o principal segredo para não ter surpresas desagradáveis é ler todos os comentários de quem já se hospedou anteriormente e tirar todas as dúvidas com o proprietário antes de efetuar a reserva.

ana maria
ana mariaPermalinkResponder

Concordo com a Daiana, fizemos 4 viagens a Europa, nos hospedando sempre pelo Airbnb, mas lendo vários comentários antes de escolher. 90% dos apartamentos estava de acordo com a descrição e aprovação dos hóspedes, e vale dizer o quanto é importante dar a opinião sobre a experiência após e que os detalhes não sejam esquecidos. A sinceridade ajuda outros hóspedes e impede que tenhamos uma experiência chata como tivemos em Istambul, chegamos tarde da noite pq as indicações estavam incompletas e demoramos para achar a rua, não tinha sequer um saquinho de chá, sal, nada no apto e nenhum mapa, indicação etc...é preciso pedir isto aos anfitriões, sempre. No mais vamos repetir a utilização do Airbnb ano que vem. Home exchange numa experimentei pois tenho 3 cachorros grandes e é difícil quem topa esta parada...rs

Alexander Czajkowski

Utilizei o Airbnb recentemente pra alugar um apto na praia de Ingleses em Florianópolis. Valeu muito pois estávamos em 4 pessoas e queríamos as facilidades de estar numa casa completa, como cozinha e liberdade de horários. O custo ficou muito mais em conta do que uma pousada ou hotel. Botando o valor na ponta do lápis, equivaleu a um hostel, só que com muuuito mais conforto. Para a praia, especialmente com 4 ou mais pessoas, me pareceu uma ótima opção. Na Europa utilizei alguns B&B durante uma viagem independente de bicicleta e também foi uma ótima opção de custo-benefício. Neste caso reservei pelo Booking mesmo. E também já fiz "couchsurfing independente" várias vezes, ficando na casa de amigos ou amigos de amigos, o que foi uma ótima opção pra economizar. Fiquei mais a vontade pra fazer isso viajando sozinho; quando estou em casal prefiro a privacidade de um quarto privado. Também já recebi pessoas em casa algumas vezes e sempre foi tranquilo, tirando uma vez que recebi conhecidos de um amigo e falhei em não pesquisar melhor quem eram as pessoas. Fizeram tudo que não podia na casa e no final de contas tive que convidar eles a se retirarem...

Com um pouco de pesquisa e de olho no perfil e nos comentários creio que a chance de dar certo é muito grande. Vale experimentar!

Liliane Inglez

Como viajamos em família, nunca ousamos demais, mas hotel grande é sempre nossa última opção! Preferimos guest houses, e só temos o cuidado de alugar quarto com banheiro privativo. Mas o que mais amamos mesmo é alugar apartamento!!! Recomendo muito para quem viaja com criança! Já fizemos isso em Praga, Quebec, Montreal, Madri e Londres! Acho uma delícia ir ao mercado e padarias e preparar nosso café da manhã! Enfim, viver um pouquinho a vida dos locais... Nem ligo de lavar louça ou arrumar a cama, afinal, fazer isso em outro país é parte da minha diversão!!! A propósito: nunca usei AirBnB, mas sempre ouço falar bem... Já aluguei pelo Booking ou diretamente com os corretores locais.

Marcio
MarcioPermalinkResponder

Para experimentar alugar não hotel, em maio 2015, escolhi o Brasil, por sentir-me seguro em caso de qualquer inconveniente. O fiz em Fortaleza através do Booking. Localização ótima. Imóvel quase novo. Fotos maravilhosas. Resultado: uma droga. Apartamento sujo, instalações cozinha, banheiros e quartos lastimáveis. Moveis e equipamentos (fogão, geladeira, ar condicionado, poltronas etc) pareciam que estavam aguardando data para serem jogados ao lixo. Roupa de cama e banho, embora limpos, de qualidade a desejar.
Valeu a experiência. Tenho pra mim que é melhor pagar mais para evitar desconfortos destes tipos, em períodos de pequenas viagens. Nunca vale o aborrecimento.

Patricia Luck
Patricia LuckPermalinkResponder

Já aluguei apartamento direto com o dono (2 vezes), através de agências de aluguel (3 vezes) e AirBnb (4 vezes) e sempre deu tudo certo (à exceção de Amsterdam em q achei o apartamento meio sujo e me foi devolvida a taxa de limpeza). Opto sempre por alugar se minha estadia for de no mínimo 4 noites. Quando viajo com meu marido e principalmente com meus três filhos, porque o grande lance de alugar é a liberdade que isso te dá. Ao contrário do que muita gente pensa, vc não é obrigado a cozinhar, lavar roupa e pratos ou tirar o lixo...vc pode se comportar num apartamento exatamente como num hotel, fazendo todas as refeições fora, mas ficar em um apartamento com dois quartos, sala e cozinha ao invés de apertar uma família de 5 pessoas em um quarto de hotel (ou ficar na tensão de deixar as crianças em outro quarto/separar o casal) é incomparável! A economia nem sempre compensa (ainda mais na Europa ficando em localização central e lugares grandes) mas o fato de tomar café sossegadamente numa varandinha charmosa, não PRECISAR sair para jantar (não que eu não saia, mas a liberdade de ter um forno à mão para aquecer uma pizza é incrível) e lavar sua roupa (com isso sempre viajo extremamente leve) compensa e muito pra nós!

Renata
RenataPermalinkResponder

Aluguei, através do Airbnb, um apartamento em Santiago - Chile e outro em Mendoza - Argentina, e ambos eram muito bons, limpos, bem localizados e seguros. Foi uma ótima experiência, os anfitriões foram bastantes educados e atentos às mensagens e dúvidas (eram muitas) e a economia foi considerável.

Lúbia Scliar Zilberknop

Há muitos anos, como estávamos viajando de trem, e começou a chover, e, ainda por cima, não havia lugar em hotel nenhum no interior da Noruega, fomos de táxi até um local longe do centro para dormir. No outro dia, descobrimos que era um seminário de padres, que estavam em férias... Já alugamos tb. ap. em Paris. Na primeira vez, foi através de uma companhia polonesa e, apesar de ser em St. Germain, não era bom. Este ano, alugamos com uma empresa francesa, no Marais, na Rue des Haudriettes, entre as Rues du Temple e des Archives. Foi um estúdio muito bom, num edif. novo com elevador. Recomendo!

Maura
MauraPermalinkResponder

Sempre que me hospedo por mais de 2 noites em uma mesma cidade prefiro alugar um apê. Tive só experiências ótimas com Airbnb em Mendoza, Santiago do Chile, Lisboa, Madri, Siena e Roma por duas vezes. Só no Brasil não deu certo com Airbnb. Tentei reservar para o carnaval de 2016 mas está mais caro do que hotel!

Adelaide Rossini de Jesus

Este ano fui com minha filha para Nova Iorque e lá passamos 15 dias. Alugamos espaço num apto e até a limpeza diária era feita pela dona do imóvel. Ficamos muito bem instaladas ,tivemos companhia agradável e muitas dicas e orientações.
Ano passado 2014 alugamos um Motorhome e passamos 15 dias viajando pela Flórida, esta é a vida que eu realmente gosto, em 2016 o destino será a California e MH novamente se a grana der...

elda do carmo araujo pereira

Sempre fiquei em hotel e adorava! Até que no ano passado resolvemos, depois de muitos depoimentos positivos de amigos, alugar uma casa em Orlando. Alugamos pelo Vacation by the Mouse. Éramos sete pessoas adultas e a casa atendeu maravilhosamente a todos. Super confortável, toda equipada e linda. Ficava em um condomínio fechado. A experiência foi perfeita desde a reserva até o check out. Aliás, tudo nos surpreendeu positivamente. Amo o conforto do hotel, mas a experiência de alugar uma casa com um grupo grande, compensa demais. Repetiria sem dúvida!

Claudia
ClaudiaPermalinkResponder

Air BnB nem é mais diferente né!! Diferente pra mim foi ficar hospedada num barco na Austrália, dormi duas noites na barreira de corais! Tinha opção de fazer 5 mergulhos por dia, eu só tive coragem de fazer snorkel, e agora estou "estragada", nenhum snorkel em piscina natural ( e nem mesmo no Hawaii) se compara com a Austrália. O problema é que passei muito mal no primeiro dia... O Air BnB eu conheci através de uma amiga americana, alugamos um apartamento para 6 pessoas em Buenos Aires e foi ótimo! Usei no Brasil tbm, alugando um quarto, mas achei muito estranho e desconfortável ficar na casa de uma pessoa... Fiquei porque foi bem mais barato, mas a partir de agora prefiro só apartamento/ casa inteiro/a! Agora há um mês aluguei um apartamento pelo Air BnB aqui em San Diego por uma semana, e também foi ótimo! O condomínio é ótimo, gostei tanto que alugamos nosso apartamento onde vamos ficar um ano aqui mesmo!

Eliana
ElianaPermalinkResponder

Tive boas e más experiências comB&B reservados através do Booking, e em setembro estive na Flórida e experimentamos o Airbn, tive uma ótima experiência com um apartamento em Orlando e uma experiência ruim em Tampa. Dois dias antes da reserva a anfitriã me implorou que cancelasse minha reserva pois ele tinha pessoas interessadas em ficar 15 dias em seu imóvel, sendo que neste período eu estaria lá por 2 dias. Enfim, cancelei para ela não ficar com esta observação no seu perfil, mas informei ao Airbn, eles prontamente me responderam e além do estorno do valor da reserva me concederam um bônus de US$100 pelo transtorno.

Susy
SusyPermalinkResponder

Aluguei um apartamento em Gramado pelo Alugue Temporada e foi ótimo. Nessa época é tudo muito caro por lá por conta do Natal Luz e conseguimos economizar bastante com hospedagem. A localização era ótima, bem central, perto de tudo, sendo que se ficássemos em hotel, além de pagar um pouco mais, ficaríamos bem afastados do centro. Hotéis mais centrais nessa época são uma fortuna. Também já recebi pessoas pelo CouchSurfing e a experiência foi muito boa.

Eduardo Vaz
Eduardo VazPermalinkResponder

Já alluguei apartamento em Lisboa, Budapeste, Viena e Praga através do AirBnb e a experiência foi muito boa. Em Viena tive um contratempo com o proprietário, que a 3 dias de minha chegada avisou-me que estaria viajando e que meu chek-in só pedira ser feito após as 20hs !!! Acionei o site e fiquei impressionado com o ótimo atendimento prestado para solucionar o problema junto ao proprietário, que acabou por resolver o problema da entrega das chaves no horário previamente combinado. Podem se sentir seguros quanto ao serviço de "pós venda" do site. A atendente me disse o seguinte "Sr. não se preocupe, nós não o deixaremos sem onde hospedar-se no horário combinado. Caso não seja no local reservado lhe providenciaremos outro local, sem qualquer custo adicional." O contato com o site foi fácil e sempre obtive retorno rápido por e-mail e por telefone (eu estava usando um número skype em meu celular). A redução nos custos diretos relativos a diárias e os indiretos relativos a alimentação e lavanderia foram significativos. Em Amsterdam o custo da locação de apto estava mais caro que hotéis do padrão Ibis (custo baixo, limpo e bem localizado) e em Berlin consegui uma super tarifa no hotel Nhow que me fez optar pelo hotel. Ou seja PESQUISAR SEMPRE.

André
AndréPermalinkResponder

Tenho visto muitos amigos (mais jovens...rs) utilizando o WorldPackers, onde você também troca serviços por hospedagem, porém, diretamente com algum hostel. Podem ser vários serviços (recepção, cozinha, até mesmo DJ e guia turístico), e em troca, pode ganhar hospedagem, alimentação e, dependendo, remuneração extra.

Rodrigo Barneche

Já usei o Airbnb em Sydney, Amsterdã, Barcelona, Rio de Janeiro e Gramado. Desde 2012, quando usei pela primeira vez e vi que funcionava bem, sempre faço minhas buscas primeiro no Airbnb antes de buscar no Booking wink Gosto da comodidade de ficar em um ap com a família, e também curto conhecer os anfitriões do Airbnb que, em todas minhas experiências, eram pessoas legais.

Leo
LeoPermalinkResponder

Tenho preferido ficar em aptos. alugados (pelo AirBnB, por exemplo). Sempre leio com atenção as avaliações de hóspedes anteriores, nunca tivemos problema. Às vezes, o apto. é um pouco diferente das fotos, mas isso acontece tb com hotéis... Em cidades como Londres e Amsterdam, principalmente pra quem vai com criança, apto. é bem melhor que hotel. E mais barato tb...

Denise Godinho

No final de maio ,eu e uma prima resolvemos ir para Europa e seguindo algumas dicas alugamos apartamentos pelo Airbnb , alugamos em Veneza e tivemos muita sorte nossa anfitriã ótima ,casa boa e limpíssima e muito atenciosa ,de lá iríamos para um apartamento em Paris ,na véspera fui ver no e-mail dicas de como chegar se de metrô ou taxi ,qual a surpresa ,o ap tinha sido cancelado ,por ser véspera de irmos não conseguimos alugar outro e tivemos que ir para um hotel (o que foi dificil ,tudo lotado),e de paris seguimos para Barcelona ,seria o final da viagem,qual a surpresa quando lá chegamos o apartamento não existia e a nossa anfitriã veio com muitas desculpas nos enrolar ,queria nos colocar num apartamento com vários quartos ,que nem janela tinha ,cozinha minuscula e etc não correspondia em nada o que tinhamos contratado,conclusão Barcelona cheia não conseguimos hotel ,tivemos que remarcar as passagens e voltar frustradas pro Brasil....conclusão ,nada como um bom hotel.....

Naiara
NaiaraPermalinkResponder

Olá,
O couchsurfing é aceito pela imigração como comprovação de hospedagem? Estarei no primeiro mochilão à Europa e estou com dúvidas em relação a isto. Os primeiros três dias em Lisboa optei por um hostel mais perto dos pontos turísticos mas nas demais cidades optei pelo couchsurfing, mas na imigração é necessário apresentar a hospedagem de todo o período, correto?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Naiara! O agente pode pedir comprovação de hospedagem por toda a viagem, é a regra.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar