Quito: na Mitad del Mundo, sobre a linha do equador (ou quase)

Mariana Amaral
por Mariana Amaral

Ciudad Mitad del Mundo

Monumento da metade do mundo

A Ciudad Mitad del Mundo é uma das atrações mais visitadas por quem vai a Quito. A 13 quilômetros da capital, o parque aguarda os turistas com um grande monumento que marca a divisão do nosso planeta em dois hemisférios. Tirar uma foto com um pé no norte e o outro no sul é basicamente o que leva a maioria das pessoas até lá, num passeio que eu não chegaria a chamar de imperdível, mas que diverte.

O lugar hoje conhecido como Equador ainda fazia parte do império espanhol quando, em 1736, recebeu um grupo comandado por estudiosos franceses, incumbidos de comprovar teorias sobre o formato da Terra. Foram 8 anos de pesquisas que, entre outras grandes contribuições (como o nosso sistema métrico!), levaram a descobrir por onde passaria a linha imaginária que acabou emprestando o nome ao país.

Ciudad Mitad del Mundo

Avenida dos Geodésicos

O corredor de bustos que homenageiam cada um dos pesquisadores tem posição de destaque logo na entrada do parque, que conta com mais algumas atrações além do monumento principal.

Pavilhão França

Pavilhão Quito Colonial

Pavilhão França e Pavilhão Quito Colonial

A grande parte é de atrações educativas. Uma pequena exposição no Pavilhão França explica o que foi a missão geodésica francesa. No Pavilhão Quito Colonial, uma maquete do centro histórico de Quito ocupa uma sala inteira e impressiona pela riqueza de detalhes. Há também um planetário e um museu com experimentos científicos, que ocupa uma área dentro do próprio monumento.

Jardín de Quindes

Área de shows

Jardín de Quindes e tenda de shows

A arte local também tem espaço, com uma exposição de obras do genial pintor quitenho Oswaldo Guayasamín, e com o colorido do "Jardín de Quindes", espécie de cow parade com colibris, uma das aves-símbolo do Equador. Nos finais de semana, há shows ao ar livre de música, dança e folclore. Dentro do complexo também existem lojas de artesanato típico e lanchonetes bem simples.

Mitad del Mundo

Monumento da metade do mundo

E o monumento... Bom, tal como é, e onde está, o monumento existe desde 1979, substituindo uma outra versão menorzinha inaugurada na comemoração dos 200 anos da missão geodésica francesa.

Mitad del Mundo

Na linha do equador, ou quase

Soubessem os responsáveis que o GPS se popularizaria em algumas décadas, talvez tivessem esperado mais um pouco para fazer essa troca. É que, com instrumentos mais modernos, descobriram que o monumento não está exatamente na latitude 0°0'0", mas a cerca de 200 metros de onde passaria a linha do equador.

De todo modo, há também quem diga que a linha na verdade seria uma faixa, com largura de cerca de 5 quilômetros. Então dá pra perdoar o deslize e se divertir mesmo assim, né?

Como chegar

Ciudad Mitad del Mundo

Ciudad Mitad del Mundo

Existem três maneiras de chegar no parque Ciudad Mitad del Mundo: de ônibus, de táxi ou de tour organizado.

De ônibus, saindo da estação La Marín (Centro Histórico), é preciso tomar o corredor Central Norte até a última estação, Ofelia, em uma viagem que dura quase 1 hora e custa 25 centavos de dólar. De lá, pegar o ônibus de conexão à Mitad del Mundo, que leva mais 30 minutos e custa 15 centavos de dólar.

De táxi, a corrida a partir do centro de Quito fica entre 15 e 20 dólares e leva cerca de 40 minutos. Há um ponto de táxi na porta do parque para o retorno.

Tours organizados costumam combinar a visita à Ciudad Mitad del Mundo com outras atrações em passeios de dia inteiro, com preços começando em cerca de 30 dólares por pessoa. No catálogo da Viator, o tour Mitad del Mundo inclui uma visita ao vulcão Pululahua e ao Museu Intiñán, que se gaba por estar na latitude 0°0'0" medida por GPS. A loja El Quinde (Venezuela y Espejo, tel. 2/228-1904), que tem uma seção para atendimento a turistas, é o endereço para quem deixar para comprar o passeio em cima da hora.

Ingressos

Bilheteria

Bilheteria

Os ingressos para a Ciudad Mitad del Mundo podem ser comprados na hora mesmo, direto na bilheteria, e têm valores diferentes dependendo do que se visite dentro do complexo, começando em 3,50 dólares para vistar apenas o monumento, e indo até 7,50 dólares para ter entrada livre em todas as atrações (preços de 2015).

Mariana viajou a convite de Quito Turismo.

Leia mais:

5 comentários

Ana Mary Motos Rocha

Adoro viajar, fiquei encantada sobre Quito.

Mauro
MauroPermalinkResponder

Conheci Quito ano passado e indico esse programa apenas se houver tempo de sobra na viagem. É tudo meio fake nesse lugar. Da localização do monumento às supostas experiências científicas que demonstram. Em Quito há atrações bem mais interessantes e menos badaladas como a residência/museu do pintor Guayasamin e o próprio teleférico da cidade, além de passeios bacanas na cercania como a feira de Otavalo e o vulcão Cotopaxi..

Marcelo Jesus
Marcelo JesusPermalinkResponder

Já estive em Macapá - no Amapá - onde também há um monumento parecido, estive por lá em 2001, fiz a foto jacu (nos dizeres da Sílvia do Matraqueando) com um pé em cada hemisfério... enfim, vale. Não é imperdível de modo algum, mas vale...

Alexander Czajkowski

Uma dica pra quer for de ônibus público: Cuidado no terminal Ofélia porque quase todos os ônibus tem placas enormes de "mitad del mundo", mas nem todos passam lá. Parece que o nome de uma das companhias é também "mitad del mundo", por isso a confusão. Pergunte direitinho antes de entrar e confirme com o cobrador. Ah, demora pacas pra chegar, 1h30 como citado na matéria não é exagero. No final você gasta quase todo dia pra ir e voltar e concordo que não é um super passeio. Vale mais se tiver com tempo de sobra. Ps: estívemos por lá em Setembro/2015.

Carlos Eduardo

Em Greenwich, no meridiano zero, também não bate no GPS. Fica também deslocado uns 100 a 150m.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar