Da Roberta, a haute fast food de Roberta Sudbrack no Leblon

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Da Roberta

O Terra poderia ter feito a manchete: Roberta Sudbrack estaciona no Leblon. Mas o que a überchef gaúcha-candanga-carioca estacionou em dezembro de 2015 foi um trailer -- e numa região do Leblon que nunca apareceu nas novelas de Manoel Carlos. A garagem onde está instalado o Da Roberta fica no finalzão da Bartolomeu Mitre, na esquina da rua Tubira -- um trecho feioso dominado por oficinas mecânicas, mais parecido com a rua da Passagem, em Botafogo, do que com a Dias Ferreira, onde se enfileiram os restaurantes com plantão permanente de papparazzi do Leblon.

Se bem que, a essa altura, a Tubira já se tornou um point de comidinhas hipsters: por ali também estão a loja-conceito da microcervejaria Jeffrey (inaugurada antes do Da Roberta) e a espetaria mineira Steak Me (inaugurada depois do Da Roberta).

Da Roberta

O Da Roberta faz parte da onda 2.0 dos food trucks -- o momento em a novidade já passou e ninguém mais está a fim de pagar mais caro por qualquer coisa só porque foi preparada num caminhão. No caso de Roberta, o caminhão -- ou melhor, o trailer -- é um retorno às origens: sua estréia comercial na cozinha aconteceu em Brasília, primeiro numa carrocinha, e depois num trailer, onde vendia cachorro-quente. Já naquela época -- nos anos 90 -- Roberta usava um pão que ela desenvolveu com um padeiro, comprava salsichas artesanais e lambuzava o dog num molho feito diariamente por sua avó, com tomates frescos comprados de madrugada no mercado.

Da Roberta

No Da Roberta, a matéria-prima continua artesanal. Os padeiros e a mestre-salsicheira são devidamente creditados, assim como a fabricante dos queijos, que vêm (surpresa!) do agreste pernambucano (são da Campo da Serra).

Da Roberta

Sud Dog | Baobá | Brisket

O velho cachorro quente de Brasília perdeu o molho de tomate, ganhou uma cobertura de queijo gruyère derretido e um fio de mostarda Dijon com sementinhas, e hoje se chama SudDog (R$ 23). Junto com o bolo molhado de chocolate (R$ 16), compõe a dupla que fez o sucesso do SudTruck, o food truck que circula nas ruas e em eventos desde o fim de 2014 -- e que serviu como balão de ensaio para o Da Roberta.

Da Roberta

Pastrami

Com chilli de pernil, o cachorro vira um SudChilli Dog (R$ 25); com lingüiça, queijo derretido e aïoli de urucum, torna-se o Baobá (R$ 25). Com duas lingüiças, molho chimichurri "e só", vira um Chori, o choripán da Sudbrack (R$ 22). Eu adoro o SudDog original; experimentei o Baobá e, pro meu gosto, achei que o queijo fica sobrando num sanduba de lingüiça (da próxima vez vou provar o Chori -- o que vem com "chimichurri e só").

As estrelas do restaurante, porém, são os sanduíches feitos com carne do peito bovino. Curado e defumado, vira pastrami -- o Da Roberta serve entre duas fatias de pão de fermentação natural, com mostarda (R$ 20 a meia-porção, que já é grande) ou com mostarda e queijo (R$ 22 a meia-porção). Assado em baixa temperatura com rapadura e acompanhado de repolho mantecato (delícia adocicada!) e aïoli de urucum, torna-se o Brisket -- que acaba de entrar no cardápio fixo.

Da Roberta

Bolo molhado de chocolate

Uma terceira linha de sandubas usa pão pita (árabe), servidos ou com lingüiça merguez (de receita marroquina) ou com faláfel feito na casa. Ainda não provei.

Da Roberta

O Da Roberta não tem prato nem talher: até mesmo as batatas rústicas (com aïoli de urucum, R$ 12) devem ser comidas com a mão. Você faz o pedido no caixa, paga (com dinheiro ou cartão de débito) e espera ser chamado para pegar o seu sanduba. Chegando antes das 17h, você ainda consegue garantir um dos tamboretes com assento de concreto (inteligentíssimo design anti-afanadores de souvenirs). A partir do cair da tarde, e nos fins de semana, a fila é grande.

Vá com fome -- e preparado para se lambuzar smile

Da Roberta

    R. Tubira, 8 (esquina Bartolomeu Mitre), tel.: 21/2239-1103. Abre de 3ª a domingo das 12h às 22h.

Leia mais:

4 comentários

Dri
DriPermalinkResponder

Domingo a noite, depois das 19h, costuma ficar super tranquilo. Mesmo assim ainda preferi experimentar o SteakMe e não me arrependo...

Raíssa
RaíssaPermalinkResponder

Esse brisket é surreal! Só de lembrar me dá saudades

Thaissa
ThaissaPermalinkResponder

Delícia mesmo! Provei o de pastrami, com as batatas em um molho surreal e aquele bolo único!!! Haja fome porque é muito bem servido. O melhor foi dar uma nova cara para essa minha vizinhança e trazer um movimento gostoso para a região.

Halina
HalinaPermalinkResponder

Estive no Garagem da Roberta no dia 30/04. Quando meu filho foi descer de um dos bancos de paralelepípedo, o banco caiu no meu pé. Dor insuportável! Fez um estrago nos dedos! O gerente trouxe gelo e antisséptico. Até foi atencioso, mas logo saiu e sumiu do salão. Saí do restaurante chorando, com os dedos inchados e ensanguentados, pulando num pé só, sem nem saber onde procurar ajuda, já que estava na cidade como turista. O acidente estragou minha viagem para o Rio. Na volta, ainda me fez passar dias sem tocar os dedos no chão. Estou até hoje sem conseguir calçar sapatos. Pratico corrida e tive que interromper os treinos. Sem falar na minha unha podre, prestes a cair. Mandei email para todos os contatos que encontrei do restaurante pedindo providências em relação aos bancos, mas sequer reponderam. Por isso, MUITO CUIDADO COM OS BANCOS MAL PROJETADOS! PODEM CAIR A QUALQUER MOMENTO! Fico com pena de pensar em outro cliente sendo submetido a um acidente por pura negligência no Garagem da Roberta.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar